Viagens aos confins do comunismo, de Dalrymple | Ricardo Gessner

busca | avançada
34764 visitas/dia
922 mil/mês
Mais Recentes
>>> Dragão7 realiza última edição do Circuito de Teatro em Português
>>> Teatro para bebês, A Florestinha da Pati, integra o Circuito de Teatro em Português
>>> Buscapé cria "Vila" para celebrar Black Friday
>>> Vila 567 promove Quintaneja para comemorar feriado prolongado
>>> Musical gratuito "Brincando com a Broadway" chega ao Teatro UMC
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Do canto ao silêncio das sereias
>>> Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela
>>> A barata na cozinha
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O Voto de Meu Pai
>>> Inferno em digestão
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
>>> As pedras de Estevão Azevedo
>>> O artífice do sertão
>>> De volta à antiga roda rosa
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> No tinir dos metais
>>> De(correntes)
>>> Prata matutina
>>> Brazil - An Existing Alien Country on Planet Earth
>>> Casa de couro IV
>>> 232 Celcius, ou Fahrenheit 451
>>> Mãe
>>> Auto contraste
>>> Os intelectuais e a gastronomia
>>> Cabeças Cortadas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Farewell, Pedrinho!
>>> Baratas
>>> Dar de comer ao ódio
>>> Suspeito que estejam sempre conspirando para me fazer feliz
>>> Escrever para não morrer
>>> O Voto de Meu Pai
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> Eu também sou concretista
>>> Geraldo Vandré, 70 anos
>>> Apresentação
Mais Recentes
>>> O outro lado da colina de Liddell hart pela Biblioteca do exercito
>>> O colecionador de John fowles pela Circulo do livro
>>> Colapso de Arthur hailey pela Circulo do livro
>>> Educar sem culpa de Tania zagury pela Circulo do livro
>>> Landschaftsarrchitekten:standorte und perspektiven de Adolf schmitt pela Christians-reim verlag
>>> Para-quedas & beijos de Erica jong pela Circulo do livro
>>> O desafio mundial de Jean-jacques servan-schreiber pela Nova fronteira
>>> A revoluçao dos covardes de David nasser pela Cruzeiro
>>> Do coração de um pastor de Kenneth w Hagin pela Graca editorial (2009)
>>> Oráculo da Grande Mãe - Acomp. 1 Livro e 60 cartas de Claudiney Prieto pela Alfabeto
>>> Tarô das Bruxas - Acompanha 78 cartas de Ellen Dugan pela Isis
>>> Mamãe e o Sentido da Vida de Irvin D. Yalom pela Agir (2010)
>>> Décima Profecia, A de James Redfield pela Fontanar (2009)
>>> Curso Completo de Tarô - Acomp. 1 livro e 78 cartas de Nei Naiff pela Alfabeto
>>> Árabe do Futuro, O de Riad Sattouf pela Intrínseca (2015)
>>> Schraiber - " O reino dos simples" de Vários autores pela Não definido
>>> Selecta homeopathica - Cura e recuperação de Vários autores pela Luz menescal (2002)
>>> Selecta homeopathica - Experimentação patogenética de Vários autores pela Luz menescal (2001)
>>> Cadernos de matéria médica - Vol. 10 Nº 1 de Vários autores pela American journal (2002)
>>> Peter Pan de James Barrie pela Ediouro (2004)
>>> Coors taste of the west de Vários autores pela Better Homes and Gardens (1981)
>>> Party book de Dorothy Marsh e Carol Brock pela Harper & Brothers (1958)
>>> The pocket book of home canning de Elizabeth Beveridge pela Pocket books (1943)
>>> Paisagens Humanas de Antonio Versiani pela Civilização brasileira (1960)
>>> Great Tales of the far west de Alex Austin pela Pyramid books (1956)
>>> The Movie Buff´s book de Ted Sennett pela A pyramid publication (1975)
>>> Hospital de Arthur Hailey pela Nova Fronteira (1959)
>>> Monsenhor Quixote de Graham Greene pela Record (1982)
>>> Salambô de Flaubert pela Max Limonad (1985)
>>> O vale do terror de Arthur Conan Doyle pela Ediouro
>>> A casa morta de Henry Bordeaux pela Figueirinhas (1929)
>>> Ih, esqueceram madame Freud... de Françoise Xenakis pela Rocco (1988)
>>> Platero e eu de Juan Ramón Jiménez pela Rio Gráfica (1987)
>>> The countess de Hans Habe pela A signet book (1964)
>>> Loves of the orient de Giovanni Camisso pela Belmont Book (1954)
>>> Skipping Christmas de John Grisham pela A dell book (2004)
>>> Terra Virgem El Erial de Constâncio C. Vigil pela Melhoramentos
>>> Woodstock - Tomo I de Walter Scott pela H. Garnier
>>> L´Homme qui assassina de Claude Farrère pela Ernest Flammarion
>>> Camille de Alexandre Dumas pela Bantam Books (1949)
>>> Lamentai os honestos de Ed Lacy pela Ibis (1968)
>>> Conspiração nas trevas de Hartley Howard pela Livros do Brasil (1966)
>>> Próxima Viagem - Nº 62, Ano 6 de Vários autores pela Peixes (2004)
>>> Próxima Viagem - Nº 4, Ano 2 de Vários autores pela Peixes (2000)
>>> Próxima Viagem - Nº 3, Ano 1 de Vários autores pela Peixes (2000)
>>> Próxima Viagem - Nº 6, Ano 2 de Vários autores pela Peixes (2000)
>>> Próxima Viagem - Nº 7, Ano 2 de Vários autores pela Peixes (2000)
>>> Próxima Viagem - Nº 10, Ano 2 de Vários autores pela Peixes (2000)
>>> Próxima Viagem - Nº 12, Ano 2 de Vários autores pela Peixes (2000)
>>> Próxima Viagem - Nº 37, Ano 3 de Vários autores pela Peixes (2002)
BLOGS >>> Posts

Domingo, 28/10/2018
Viagens aos confins do comunismo, de Dalrymple
Ricardo Gessner

+ de 100 Acessos

No decorrer da década de 1980, o psiquiatra inglês Theodore Dalrymple (Anthony Daniels) visitou cinco países submetidos ao regime comunista: Albânia, Coreia do Norte, Romênia, Vietnã e Cuba e registrou sua experiência em cada um, agora disponível em língua portuguesa no volume Viagens aos confins do comunismo. Para cada país foi dedicado um capítulo exclusivo, descrevendo-se a estadia; as características gerais da paisagem; o comportamento e condições dos habitantes. Apesar de se tratar de cinco países diferentes localizados em regiões geográficas distintas, o que se sobressai é a homogeneidade a que estão condicionados. Em todos eles, relata-se a presença do Estado em cada instância, seja pública ou privada, na vida de seus habitantes.

Trata-se de uma imposição paradoxal: explícita, mas manifestada de forma silenciosa, a começar pela diferença de tratamento entre o turista e o nativo. Ao ingressar na Coreia do Norte, por exemplo, Dalrymple relatou que o grupo turístico do qual fazia parte era composto de partidários do regime comunista, a maior parte formada por artistas e intelectuais que se sentiam, de alguma forma, rejeitados em seus países de origem. Desse modo, a escolta policial era recebida como forma de lisonja: entendiam que a atenção recebida era uma forma de reconhecimento de seus talentos:

“Essa forma de lisonja era perfeitamente adequada à psicologia de ao menos alguns deles, convencidos que estavam de que o país de onde tinham vindo injustamente não reconhecia nem recompensava seus óbvios talentos” (p. 60).

Nesse sentido, o turista deveria sempre se manter ocupado; sempre havia um itinerário a ser cumprido de forma incansável: percorrer praças, pequenos vilarejos, restaurantes e até museus de qualidade duvidosa, a exemplo do Museu do Ateísmo, na Albânia. Entretanto, o roteiro era sempre pré-traçado para impedir o turista de andar sozinho e mantê-lo ocupado, supostamente deslumbrado com o aparente desenvolvimento material do país.

“(...) para que ele não veja as condições gerais do país, nem faça contato com ninguém do seu povo. O turista precisa ficar desgastado, exausto, de modo que não tenha energia física, nem mental, para investigar por conta própria; afinal, ele deve ser acompanhado a todos os lugares e tratado com a mais lisonjeira polidez” (p. 43).

Não raro, Dalrymple relata que se deparou com prateleiras cheias de frutas de aparência deslumbrante, mas feitas de plástico.

De maneira geral, o que se depreende das páginas de Viagens aos confins do comunismo é um mascaramento da realidade e um remodelamento do indivíduo, de modo que ele se anule diante da imperiosa presença do Estado e, mais do que isso, do seu líder. Em sua passagem pelo Vietnã, Dalrymple relata que o secretário geral do partido, Van Linh, numa palestra intitulada “Os Trabalhadores da Arte e da Cultura Devem Contribuir para o Trabalho de Renovação do Partido”, fez a seguinte declaração:

“(...) como amante da literatura e das artes, concordo plenamente com a ideia de que os combatentes do front da arte e da cultura não precisam apenas de facas afiadas para remover o mal (...). Vocês são engenheiros da alma. Vocês devem contribuir para criar o novo tipo de homem” (p. 167)

A declaração reflete bem o caráter revolucionário, preocupado em transformar o mundo, em criar o novo tipo de homem através do suave instrumental formado por facas afiadas. No final das contas, o objetivo do artista deve ser a submissão do indivíduo ao partido, como qualquer outra instância nas vidas controladas pelo Estado democrático dos países comunistas.

A arquitetura, por exemplo, nesses países adquire dimensões megalomaníacas e traços kitsch, a exemplo do palácio do Parlamento, na Romênia, ou o Hotel Ryugyong, até hoje inacabado, na Coreia do Norte. São prédios que ostentam uma luxuosa casca para silenciosamente humilhar, apequenar e abolir a individualidade frente a grandeza do Estado.

“(...) achei a cidade profundamente perturbadora, e até sinistra. Ninguém permanece imune ao efeito do tamanho; porém, na arquitetura, o tamanho é muitas vezes uma qualidade que diz mais sobre a loucura ou a megalomania do que sobre uma realização verdadeira” (p. 61, sobre a cidade Pyongyang, capital da Coreia do Norte).

Em síntese, as páginas de Viagens aos confins do comunismo apresentam um cenário muito diferente daquele pintado pelos utopistas, cuja igualdade suprema traria desenvolvimento material para todos.

“(...) as carências de bens materiais, e até de bens essenciais, não eram um problema para os governantes, mas uma grande vantagem para eles. Essas carências (que se sabia serem permanentes, não temporárias) mantinham as pessoas pensando exclusivamente em pão com linguiça, e direcionavam suas energias para obtê-los, de modo que não houvesse tempo ou disposição para a subversão, como também elas – as carências – significavam que as pessoas podiam facilmente ser levadas a virar informantes, e a espionar e a trair umas às outras de forma muito barata, por benefícios materiais triviais, que dispensavam a necessidade de fazer fila” (pp. 124-5)

O propósito do livro não é criticar o comunismo, mas de relatar um experimento de vivência. As descrições que o compõem são a consequência de um projeto malogrado; nos países de democracia comunista compartilha-se igualmente sua principal produção: não a riqueza, mas a miséria: a miséria material, essencial e humana.


Postado por Ricardo Gessner
Em 28/10/2018 às 17h21


Mais Ricardo Gessner
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SEMENTES DA MEMÓRIA - OS REBELDES DE 68 - FOTOS
JOSÉ ROBERTO DA SILVA
THESAURUS
R$ 11,00



SOBREVIVÊNCIAS: NO INÍCIO DA DOCÊNCIA
EMÍLIA FREITAS DE LIMA - ORGANIZAÇÃO
LIBER LIVRO
(2006)
R$ 19,71



UMA BREVE HISTÓRIA DO MUNDO
GEOFFREY BLAINEY
FUNDAMENTO
(2012)
R$ 10,00



GUIA POLITICAMENTE INCORRETO DA AMÉRICA LATINA
LEANDRO NARLOCH E DUDA TEIXEIRA
LEYA
(2011)
R$ 14,90



BIBLIOGRAFIA SOBRE A JUVENTUDE -1ª ED.
RUTH CARDOSO E HELENA SAMPAIO
EDUSP
(1995)
R$ 17,90



THE SIX SIGMA WAY: HOW GE, MOTOROLA AND OTHER TOP COMPANIES ARE HONING THEIR PERFORMANCE
PETER S. PANDE, ROBERT P. NEUMAN, ROLAND R. CAVANAGH
MCGRAW-HILL
(2000)
R$ 30,00



VIDA LITERÁRIA
MÁRIO DE ANDRADE
HUCITEC
(1993)
R$ 50,00



A LIBERTAÇÃO DA TEOLOGIA
BISPO MACEDO
UNIVERSAL
(1993)
R$ 12,51



MULHER IMORTAL - ( BIOGRAFIA ROMANCEADA DE JESSIE BENTON FREMONT )
IRVING STONE
EDART
(1962)
R$ 6,90



ECLIPSE
STEPHENIE MEYER
INTRÍNSECA
(2009)
R$ 19,71





busca | avançada
34764 visitas/dia
922 mil/mês