O laticínio do demônio | Contubérnio Ideocrático, o Blog de Raul Almeida

busca | avançada
61479 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Água de Vintém no Sesc 24 de Maio
>>> Wanderléa canta choros no Sesc 24 de Maio
>>> Vitor Lopes e convidados no Sesc 24 de Maio
>>> Nilze Carvalho no Sesc 24 de Maio
>>> Choro Interior no Sesc 24 de Maio
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
>>> Felipe Miranda e Luiz Parreiras (2024)
>>> Caminhos para a sabedoria
>>> Smoke On the Water (2024)
>>> Bill Ackman no Lex Fridman (2024)
Últimos Posts
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Lula Já É Um Coitado
>>> A mitologia original de Prometheus
>>> Rugas e rusgas
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Eu Maior, o filme de Fernando, Paulo e Marco Schultz e Andre Melman
>>> Uma década no rastro de Paulo Francis
>>> Roteiro de um ano
>>> Copa 2010: transmissão ao vivo
>>> Rita de Cássia Oliveira
>>> Bel Ami, da obra de Maupassant
Mais Recentes
>>> Microsoft Project - a Bíblia de Elaine Marmel pela Elsevier/alta Books (2014)
>>> Revista Manchete Especial nº 1529 1981 de Editora Bloch pela Manchete (1981)
>>> Física I Mecânica de Youg & Freedman pela Pearson (2008)
>>> Voce Merece o Melhor de Celso Russomanno pela Gente (2002)
>>> Organizational Surveys de Allen I. Kraut pela John Wiley Professio (1996)
>>> Cenario da Vida de Maria Martha pela Scortecci (2016)
>>> Revista o Cruzeiro nº 16 - 1975 de O Cruzeiro pela Cruzeiro (1975)
>>> Lighten Up de Roma Felible; C. W. Metcalfe pela Perseus Books (1993)
>>> Uma Luz na Ilha Escura de Beto Junqueyra pela Caramelo (2008)
>>> Tecnologia Bancária no Brasil de Fernando de Souza Meirelles; Carlos Eduardo Corrêa pela Fgv (2010)
>>> English Comercial Practice and Correspondence de C. E. Eckersley e W. Kaufmann pela Longmans (1963)
>>> Pascal II de Lisbete Madsen Barbosa pela Mcgraw-hill (1989)
>>> Introdução á Semântica: Brincando Com a Gramática de Rodolfo Ilari pela Contexto (2002)
>>> A Alegoria dos Continentes - Brasil Holandes - 3 Vols de Vários Autores pela Index
>>> The Hidden Jesus a New Life de Donald Spoto pela St Martins Press (1998)
>>> A beleza da Vida de Joao batista pela Abril (2017)
>>> As Fadas nos Falam de Generosidade de Aleix Cabrera; Rosa Maria Curto pela Ciranda Cultural (2010)
>>> Método para Determinar o Nível de Atratividade de Segmento Econômico de Rogério dos Santos Morais pela Cabral Universitária (2015)
>>> Os Lusíadas de Camões pela Abril Cultural (1979)
>>> A Doutrina Secreta - Volume III - Antropogênese de H. P. Blavastsky pela Pensamento (2017)
>>> Polícia Rodoviária Federal - Prf, Vol. 1 de Alfacon pela Alfacon (2017)
>>> Os Irmãos Sisters Box de Patrick de Witt pela Planeta (2017)
>>> The Economy as a System of Power de Marc R. Tool; Warren J. Samuels pela Transaction Pub (1989)
>>> Robinson Crusoé - a Aventura de um Náufrago numa Ilha Deserta de Daniel Defoe pela Companhia das Letrinhas (1999)
>>> Bioestatística de Berquó/souza/gotlieb pela E. P. U (2005)
BLOGS >>> Posts

Domingo, 21/1/2024
O laticínio do demônio
Raul Almeida
+ de 600 Acessos

Leite é o primeiro acontecimento na vida de qualquer mamífero, seja ele bípede ou quadrúpede, hirsuto ou pelado. Não tem erro. Saiu do ventre, seja lá de que espécie for, vai direto para o peito ou para as tetas. A Natureza assim definiu.
Vamos pensar na ideia da sobrevivência, onde a alimentação tem o mais sagrado e privilegiado lugar. Comemos para nos mantermos vivos, suficientemente fortes para viver o que o destino com seus acasos e fatalidades nos reserva a cada momento.
A evolução dotou os seres humanos de inteligência, a diferença magistral entre nós e os outros mamíferos, que continuaram dotados de instintos, às vezes confundidos com lapsos de inteligência e racionalidade. Entretanto, os animais não aproveitam as sobras da amamentação se e quando existem.
Símios, equinos, caprinos, muares, suínos, enfim, não produzem queijo ou coalhada. Ah, mas como fariam? Sei lá. Conseguem armazenar sementes, frutos, carniça…
Nós humanos, descobrimos que o leite , mesmo quando azeda, segue sendo alimento, transformado em coalhada que pode virar queijo. E descobrimos muitas outras formas de conservar outros alimentos, evitando desperdício e provendo para momentos de escassez.
Alimentos estragados que não estão estragados! Poderia ser um paradoxo, mas é um recurso, uma técnica, uma prática ancestral. O paradoxo da virtualidade material,é uma outra circunstância visível em qualquer mapa-mundi.
Países, pátrias e nações são convenções. São resultado da concordância entre iguais humanos, quando se dispõem a resolver seus instintos animais, de posse, poder, similaridade biológica (parecidos uns com os outros) entre tantas outras questões. As fronteiras são imaginadas e estabelecidas por seres humanos. Tudo ligado ao instinto da sobrevivência acrescido de valores outros que a tal evolução foi agregando.
O País é o Direito, o Poder, o Estatuto. A Pátria é a Paixão, a beleza, a natureza, a Terra primeira onde se nasceu. A Nação é a Turma, a Gente, as Criaturas humanas que a amam. Aí encontramos o bígamo País e suas duas esposas, Pátria e Nação, fidelíssimas, estoicas, maravilhosas e ávidas para alimentar as criaturas humanas que em seu colo se abrigam.
Milhares de anos foram sedimentando normas, regras, diretivas, leis, sistemas e regimes, visando garantir a autoridade, integridade, poder e domínio dos mais proeminentes guerreiros, pensadores e, sem dúvida, místicos que sempre existiram, tentando explicar aos distraídos e assustados,os fenômenos, e as contorções da mãe Terra.
Quem se interessa, lê e estuda a história do mundo e as peripécias de personagens formidáveis.
Em tempos de agora o estupor e o espanto ronda as cabeças pensantes com as marcas virtuais dos Países sendo sacudidas por tanques e mísseis, a comida ameaçando escassear, retida em portos e porões de navios, miseráveis sem fronteira buscando um lugar para sobreviver, arriscando-se em travessias oceânicas ou tentando romper fronteiras onde não são bem vindos, além de fenômenos climáticos de grande porte, epidemias colossais.
Somos obrigados a escolher o nada, a passividade estéril e segura, o desdém ou a fuga da realidade, em busca de algum sossego. Ah, se fosse tão fácil.
O alimento político para manter vivo e saudável o triunvirato virtual, Pátria, País, Nação é conhecido: Democracia.
Democracia é o regime onde o Povo, a Nação, escolhe quem é que vai dirigir o País. Que escolhe o Governo garantidor da Pátria Amada, a terra onde nascemos e a Nação da qual que nos orgulhamos por adoção ou origem natural. De tempos em tempos, bem definidos pelas Leis, o Governo é substituído. É modernizado. Aí, entra o lado primitivo, o lado obscuro da vaidade, da ânsia de poder, da patranha, da promessa de Manah e Néctar, de delícias e festa. O alimento estraga.
Assim como o leite vira coalhada, se desintegra em soro e material semi-sólido, mais adiante vira queijo, e depois embolora, escurece, fede.
Tem sido assim.
Interessante notar-se que, durante a oferta de possíveis novos governantes, uma variedade de figuras, virtualmente semelhantes ao leite, apresentam-se, entre promessas e afirmações entusiasmadas.
Jarros de leite. Alguns já estão fermentados, amarelados pelo tempo e exposição à luz. Outros decantaram e seguem sendo coalhadas envelhecidas, a maioria já embolor ando e fedendo como queijos impróprios para consumo.
Não há leite fresco, nem coalhada, nem queijos finos.
E o laticínio do demônio.


Postado por Raul Almeida
Em 21/1/2024 às 17h33

Mais Contubérnio Ideocrático, o Blog de Raul Almeida
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro Infanto Juvenis O Castelo de Otranto A Ventura dos Clássicos
H. Walpole
Nova Alexandria
(1994)



Capitão Mouro
Georges Bourdoukan
Casa Amarela
(1999)



Livro Psicologia Mind Set! Reset Your Thinking and See the Future
John Naisbitt
Collins
(2006)



Família & Direito - Reflexões Terapêuticas e Jurídicas Sobre a Infânci
Maria Cristina Milanez Werner
Book Link
(2010)



Teoria da Motivação para Professores Teoria Em Pratica 3
Madaline Hunter
Vozes
(1976)



O Que Você Vê
Alexandre Rampazo
Boitatá
(2023)



Oito Anos de Parlamento
Afonso Celso
Unb
(1981)



Menino de Lugar Nenhum
David Mitchell
Companhia das Letras
(2008)



Livro de bolso - A Thousand Days in Venice
Marlena de Blasi
Ballantine Books
(2003)



Livro Pecuária Criação de Ovinos Biblioteca Agronômica Melhoramentos
Geraldo Velloso Nunes Vieira
Melhoramentos
(1967)





busca | avançada
61479 visitas/dia
2,0 milhão/mês