A literatura da falência do macho | Paulo Polzonoff Jr | Digestivo Cultural

busca | avançada
82631 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Curitiba On-line: atividades culturais disponíveis para fazer em casa
>>> Luis Stuhlberger, um dos maiores gestores de fundos do país, participa do próximo Dilemas Éticos
>>> Cia. Palhadiaço faz temporada online de Depósito acompanhada por oficinas grátis
>>> GRUPO MORPHEUS TEATRO leva obra audiovisual “BERENICES” para teatros públicos do munícipio de São Pa
>>> II Bibliofest debate Agenda 2030 da ONU/IFLA em bate-papos literários e oficinas culturais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Deficiente capilar
>>> A imaginação do escritor
>>> Caindo de paraquedas na escrita
>>> Inteligência artificial
>>> Rimbaud, biografia do poeta maldito
>>> 7 de Setembro
>>> Deixa se manifestar
>>> Auctoritas
>>> A arte do cinema imita o caos. Ou vice-versa
>>> Toca Raul!
Mais Recentes
>>> José Duarte- um Maquinita da Historia de Luiz Momesso pela 8 de Março (1988)
>>> Perfil Literário dos Presidentes das Sobrames Regionais- 2000/2002 de Varios Autores pela Santa Rita (2002)
>>> Dragões do Eter Vol. 3 - Círculos de Chuva de Raphael Draccon pela Leya (2010)
>>> Tecnica e Sociedade no Brasil - de Diana Gonsalves Vidal pela Contexto (1988)
>>> Projeto Resgate Pernambucano-vol. 01 de Varios Autores pela Alepe-pe (2007)
>>> Oásis do Meier de Altamir Tojal pela Calibar (2010)
>>> Redação para o 2 grau- Pensando lendo e escrevendo de Ernani e Nicola pela Scipione (1996)
>>> Gestao Radical: As Licoes Do Programa De Gestao Avancada Da Harvard Business de Mark Stevens pela Campus (2001)
>>> Os Vigilantes de Philip Cornford pela Record (1991)
>>> Inferno na Torre de Richard Martin Stern pela Record
>>> Contos Fluminenses-edições Criticas de Machado de Assis pela Civilização Brasileira (1975)
>>> Discursos- Vol. 01 - 1974 de Ernesto Geisel pela Assessoria Imprensa Nacional (1975)
>>> Cantos do Brasil - o Caminho das Pedras de Shirley Souza pela Escala Educacional (2000)
>>> Remedio Amargo de Arthur Hailey pela Record
>>> A Câmera do Sumiço de Laura Bergallo pela Dcl (2007)
>>> Turismo Em Cronicas de Geraldo Granja Falcão pela Do Autor (1977)
>>> Bonecos na Ladeira de Adriana Victor pela Publikimagem (2011)
>>> Operação Rhinemann de Robert Ludlum pela Record (1974)
>>> Abilio Diniz. Caminhos E Escolhas de Renato pela Campus (2004)
>>> Historias Que o Tempo Esqueceu de Melchiades Montenegro Filho pela Fac Form (2011)
>>> A Saga da Wilson Sons de Patricia Saboia pela Index (1997)
>>> Respostas ao Criador das Frutas de Sonia Carneiro Leão pela Do Autor (2010)
>>> Envolvido pela Luz - 3ª de Betty J. Eadie pela Nova Era (1994)
>>> A Era Da Mulher de Alison Maitland pela Campus (2008)
>>> Mais rápido, barato e melhor de Michael Hammer e Outros pela Campus (2011)
COLUNAS

Segunda-feira, 5/2/2001
A literatura da falência do macho
Paulo Polzonoff Jr

+ de 5000 Acessos

É inegável que o homem moderno tenha passado, nos últimos trinta ou quarenta anos, por uma profunda modificação em seu comportamento, o que o colocou, teoricamente, em pé de igualdade com as mulheres, principalmente no que diz respeito ao comportamento sexual e correlatos. Nada muito simples de ser absorvido, tanto assim que a década de 90, principalmente, foi marcada por uma forte crise do macho. A mulher se impôs como o único ser biologicamente necessário e como força-motriz da espécie. A nós, falsos protagonistas durante milênios, coube aceitarmos de cabeça baixa o papel de figurantes.

Neste ínterim, dois livros, romances, são imprescindíveis para quem, homem ou mulher, quiser entender um pouco desta angústia por que passam aqueles que vivem a era da sublimação da testosterona: Partículas Elementares, do francês Michel Houellebecq, que teve pouca repercussão aqui no Brasil, mas que vendeu mais de 2 milhões de exemplares em seu país de origem, provocando aquela celeuma que os franceses tanto adoram, e o best-seller Alta Fidelidade, do inglês Nick Hornby, lido por aqui mais como um folhetim de música pop, que no entanto analisa com muita propriedade a adultescência, mal que aflige nove em cada dez homens nascidos depois de 1970. Ler os dois livros propicia uma visão contundente sobre o papel (ou falta de) do homem na sociedade contemporânea. Ao mesmo tempo, são dois pontos de vista totalmente antagônicos: Houellebecq é um desesperado, um niilista, um admirador da danação em que vivemos, criadas por nossa próprias mãos; Hornby, por sua vez, é um otimista, um crédulo, lúcido do presente brumoso, mas um tanto quanto deslumbrado com o futuro do homem (e talvez por isso mesmo ele seja mais popular).

Partículas Elementares foi lançado aqui pela pequenina Editora Sulina. Sugiro que o leitor compre o livro, que é um daqueles volumes definitivos da década. O livro propõe, a partir de um contraponto entre dois irmãos nascidos das confusões político-culturais dos anos sessenta, a falência do homem e a criação, a partir desta derrocada, de um novo modelo teológico, centrado sobretudo na ciência. Parece catastrófico; e é. Filhos de uma mãe que viveu o apogeu da liberalidade sexual, os dois irmãos crescem num mundo em que a família, esta instituição supervalorizada, já não mais existe. Um - impregnado de uma visão pragmática e aristotélica da vida - decide virar cientista. O outro - lúdico e platônico - vive suas desventuras sentimentais e acaba aderindo à loucura como única saída possível para sua angústia hormonal.

Houellebecq, que dedica o livro "aos homens", não encontra saídas para o homem moderno. O de tradição rígida, aristotélica, é o responsável pela criação de um novo sistema religioso, do qual posteriormente acaba virando um ícone, uma espécie de "Cristo do Tubo de Ensaio". Para ele o homem, provido de pênis e pêlos no peito, já não serve mais para nada e sua existência só se dará por aceitação da nova divindade, a ciência. Teríamos, sobretudo, de nos curvarmos à inexorabilidade de nossa extinção. Reverenciemos, pois, a ciência.

O irmão boa-vida, espécie de playboy perdido nas infinitas possibilidades do amor sexual depois dos anos 70, mas que ao mesmo tempo vive uma crise de sublimação por conta da AIDS, religiões e leis, é a prova de nossa possível extinção moral e na nossa irrecuperável decadência física. É patente, no livro, a constatação de que nós, homens modernos, somos algo inferiores, por exemplo, ao homem das cavernas, uma vez que estamos, por força da vida sedentária, incapacitados para ganharmos nosso sustento com nossa próprias mãos. Não estamos habilitados para coisas simples, como matar um animal e comê-lo ou plantarmos nosso alimento. Chegamos, por este prisma, ao ponto mais baixo de nossa escala evolutiva.

Nick Hornby, com Alta Fidelidade, aponta também para a falência do homem contemporâneo, mas com um toque de humor e uma ilusão de maturidade e posterior redenção. Seu herói é um homem em plena crise de maturidade, isto aos 36 anos, que descobre-se para o mundo adulto assim, meio de supetão. É uma adolescência que avançou no tempo, algo muito comum hoje em dia, e que o liga diretamente ao irmão platônico de Partículas Elementares. Algo mais acessível ao grande público, best-seller transformado em filme, Alta Fidelidade vê lucidamente o fenômeno da adultescência, sem, no entanto, glamourizá-lo, como era de se esperar num livro menor. A entrada do protagonista na maturidade, finalmente, é o ponto alto do livro e ao mesmo tempo a inscrição definitiva numa lápide virtual ao homem morto em sua completa inutilidade biológica. Há quem leia o livro assim como uma Bíblia da música pop, a qual, advirto, é coadjuvante apenas. Sábia, no entanto, é a utilização da música, tanto mercadologicamente quanto literariamente, porque o rock e pop são os gêneros de identificação mais rápida com toda uma geração que se interliga desde 1970 a 2000.

Para uma década que não deu quase nada à literatura mundial, a não ser a confirmação de uma busca espiritual vazia através da literatura, exemplificada em fenômenos como o multicitado Paulo Coelho, Houellebecq e Hornby fincam seus nomes como os melhores analistas de um tempo marcado pelo homem em detrimento do homem, numa guerra multifacetária, na qual, acho, venceu a primazia do cérebro em toda sua capacidade de criação tecnológica. Minto; venceu a primazia do cérebro feminino, em toda sua capacidade de aceitar mudanças no meio sem ser afetada principalmente pela relativização do tempo o que, muito modestamente, justifico graças ao ciclo hormonal que dá ao corpo feminino um prazo de validade para a reprodução, finalidade única da vida. Este, contudo, é uma caso para cientistas e não para especuladores de plantão, como eu.

Um último conselho ao leitor: nada de música pop ao ler Partículas Elementares. Houellebecq é, por assim dizer, um conservador moralista, que condena a morte da civilização ocidental, tal qual Saramago disse e redisse em sua visita ao Brasil. Ouvir qualquer coisa que não o silêncio provocaria sérios ruídos de comunicação, responsáveis, em experiências anteriores, por leituras erradas do livro. Sei que soa meio pretensioso dizer como se ler um livro, e não é esta minha intenção. Quer saber, leia o livro como quiser, mas leia. Afinal, ainda dá tempo de crescer e evitar a queda.


Paulo Polzonoff Jr
Rio de Janeiro, 5/2/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os Doze Trabalhos de Mónika. 4. Museu Paleológico de Heloisa Pait
02. Concerto Campestre, um clássico contemporâneo de Gabriela Vargas
03. Alexandre, o Delicioso de Adriana Carvalho
04. Minha primeira vez - parte I de Rafael Rodrigues
05. Nós — os jornalistas de alma vendida de Julio Daio Borges


Mais Paulo Polzonoff Jr
Mais Acessadas de Paulo Polzonoff Jr em 2001
01. Transei com minha mãe, matei meu pai - 17/10/2001
02. Está Consumado - 14/4/2001
03. A mentira crítica e literária de Umberto Eco - 24/10/2001
04. Reflexões a respeito de uma poça d´água - 19/12/2001
05. Deus - 25/7/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Mudanças e Permanências
Revista Fepal - Setembro de 2002
Fed Psicanalítica da a Latina
(2002)



Roberto Civita. o Dono da Banca
Carlos Maranhão
Companhia das Letras
(2016)



A Viagem de Pedraluarez Cabral, Contada por Castanheda
Geraldo de Oliveira Santos Neves
Prefeitura Recife (pe)
(2000)



Chocolate -traição
Isabel Tarcha
Celebris
(2004)



Coleção Primeiros Passos o Que é Educação
Carlos Rodrigues Brandão
Brasiliense
(1991)



Recursos Atípicos (capa Dura)
Hortêncio Catunda de Medeiros
Forense (rj)
(1980)



How to Defeat Saddam Hussein
Col. Trevor N. Dupuy
Warner
(1991)



A Conquista da Liberdade
Jose Luis Martinez
Santuario
(2003)



Livro Gigante Ler e Colorir Capitão América
Editora Culturama
Culturama
(2017)



Como uma Pipa no Ar
Ricardo Viveiros
Clemente e Gramani
(2008)





busca | avançada
82631 visitas/dia
2,6 milhões/mês