Carnaval, Gilberto Freyre e a democracia racial | Aline Pereira | Digestivo Cultural

busca | avançada
55507 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 3/3/2004
Carnaval, Gilberto Freyre e a democracia racial
Aline Pereira

+ de 7800 Acessos
+ 1 Comentário(s)

O ideal teria sido publicar este texto um pouco antes do Carnaval, para fazer jus ao clima de euforia que contagia quase todos os foliões. Peço desculpas aos leitores pelo sumiço, mas fui acometida por uma indisposição gástrica que me rendeu alguns dias de cama e de descanso forçado. Não pulei o Carnaval, portanto. E nem pularia, por conta de uma única razão: a festa já não é mais a mesma. Não faz muito tempo que o apelo popular se rendeu à lógica da maior emissora brasileira, e que a passarela do samba transformou-se em uma extensão da Rede Globo.

Recentemente, José Jorge de Carvalho, pesquisador do departamento de Antropologia da Universidade Federal de Brasília, publicou um artigo no qual desmistifica a idéia de que o carnaval brasileiro seja uma festa democrática. Por meio do site da revista Ciência Hoje pude chegar à "Realidade e miragem, injustiça e prazer", texto que também está disponibilizado na homepage da UnB.

Carvalho afirma que as desigualdades sociais e raciais brasileiras são evidenciadas durante a festividade. Arrisco dizer, pelo que li, que o autor provavelmente também discorda da teoria da "democracia racial" de Gilberto Freyre (1900-1987), em voga durante a primeira metade do século XX. Quando escreveu Casa Grande e Senzala, em 1933, o intelectual pernambucano fez uma rica e preciosa descrição das relações sociopolíticas e econômicas do Brasil. Um clássico, polêmico até os dias atuais, Casa Grande e Senzala - uma das obras mais divulgadas e traduzidas no mundo - é uma metáfora de um país ainda incipiente, mas desde os primórdios, rico em contradições.

Freyre inovou quanto às idéias e à escrita que não cedeu aos tabus de ordem moral do início dos anos 30. O autor escreveu "gostosamente" acerca da formação do Brasil, sob os alicerces da família patriarcal e do paternalismo. Ele atribuiu ao sexo nos trópicos um valor excessivo, sendo a miscigenação um dos pontos altos da colonização portuguesa. Para Freyre, este colonizador foi o menos europeu dos europeus, pois a partir de sua ascendência moura e judia pode desprender-se da "terra natal" e adaptar-se muito bem ao clima dos trópicos. Isto contribuiu para a "miscibilidade" - termo caro ao autor. Esta, somada à necessidade de povoação e ocupação do território, é uma explicação de por que os portugueses não hesitaram em envolver-se sexualmente com índias e negras.

Para a década de 1930, a obra de Freyre foi inovadora não somente a partir da linguagem, mas também porque o autor esteve imbuído de uma sensibilidade que lhe permitiu distinguir "raça" de "cultura", numa época em que elas não eram indissociáveis. Ele não atribuiu à miscigenação - ao contrário de seus contemporâneos, Paulo Prado e até mesmo Manuel Bomfim - as mazelas do povo brasileiro. Os nossos "males de origem", segundo Freyre, são explicáveis a partir da carestia de alimentos (fartamente disponibilizados somente para os dois extremos da "pirâmide social") e também pela própria "sifilização" da colônia. Freyre afirmou que o Brasil sifilizou-se antes mesmo de civilizar-se, uma vez que a doença chegara a colônia juntamente com os portugueses.

Nas passagens em que comenta sobre a disseminação da sífilis na colônia, veremos que o sexo não é explicado simplesmente a partir de relações amistosas. Muitos homens exibiam a marca de sífilis no corpo como se essa fosse um sinal de virilidade, de poder. Disse o autor, que na época, um ótimo remédio para curá-la seria desvirginar uma negrinha. Tal afirmação nos permite perceber a contradição na perspectiva de Freyre quanto à democracia racial, que tende a minimizar o racismo brasileiro. Tendo considerado a colonização do Brasil menos preconceituosa e mais açucarada do que a norte-americana, por exemplo, é sabido hoje que o autor pernambucano exagerou e equivocou-se bastante quanto à percepção docilizada das relações "senhor-escravo". A presença do sexo entre portugueses e negros ou índios não significava a ausência do racismo, tampouco, a idealização de uma igualdade entre os pares.

Guardadas as devidas proporções, as desigualdades vêm à tona durante o Carnaval - época em que o apelo ao sexo, midiaticamente explorado, é maior. Ainda que esteja presente e latente durante os outros dias do ano, é na explosão das festividades "profanas" que evidenciamos os contrastes e desigualdades brasileiras. Como disse Carvalho, desde os séculos passados, "tanto nas capitais como nas cidades do interior, os clubes sociais tidos como 'melhores' excluíam os negros e os pobres, que festejavam o carnaval nas ruas e em clubes humildes, em geral situados nas periferias e nos bairros populares".

De acordo com o autor, esta segregação acentuou-se, com o decorrer dos anos, principalmente quanto ao quesito "poder aquisitivo": se antes somente alguns podiam freqüentar os luxuosos salões da sociedade, ainda hoje, somente poucos podem comprar fantasias (ou "abadas") "módicas", que variam entre trezentos e quinhentos reais, e/ou refestelar-se nos camarotes mantidos pelas grandes marcas de cerveja, enquanto a massa, solidária, é comprimida e compartimentada nas arquibancadas -"setorizando" os espaços do carnaval a partir do preço do ingresso (ou da notoriedade do individuo. Se você não for um Big Brother, talvez não tenha acesso a área vip da Sapucaí...).

Recentemente, um jornal carioca divulgou que alguns blocos tradicionais não mais divulgam o horário do desfile, temendo a presença de penetras - restringindo a folia à poucos eleitos. Os organizadores, segundo reportagem do Jornal do Brasil, alegam precaução contra a violência.

Divagando a partir do artigo de José Carvalho e de considerações lidas em Casa Grande e Senzala, somadas ao comportamento de alguns blocos, pergunto: fomos nós que mudamos, ou mudaram o Carnaval?


Aline Pereira
Rio de Janeiro, 3/3/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. E não sobrou nenhum (o caso dos dez negrinhos) de Gian Danton
02. A trilogia Qatsi de Guilherme Carvalhal
03. Sexo e luxúria na antiguidade de Gian Danton
04. Caminhos para a esquerda de Celso A. Uequed Pitol
05. A novilíngua petista de Julio Daio Borges


Mais Aline Pereira
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
4/4/2004
10h37min
Aline Pereira escreve que a afirmação, por Gilberto Freire, de que "desvirginar uma negrinha" era encarado como um ótimo remédio para curar a sífilis significa uma contradição na sua tentativa de minimizar o racismo brasileiro. Entretanto, o que diria a articulista quanto ao fato de que na África Negra hoje em dia ainda se acredita que desvirginar uma jovem é o melhor remédio para curar os portadores do vírus da AIDS?
[Leia outros Comentários de Elso]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SAFARI DE ESTRATÉGIA
HENRY MINTZBERG; BRUCE AHLSTRAND; JOSEPH LAMPEL
BOOKMAN COMPANHIA
(2005)
R$ 60,00



RECEITA PARA A MORTE
NERO BLANC
EDIOURO
(2004)
R$ 17,00
+ frete grátis



FRANÇA
GLOBO
LONELY PLANET
(2012)
R$ 16,00



FUNDAMENTOS DE PERÍCIA CONTÁBIL VOL 18
VÁRIOS AUTORES
ATLAS
(2006)
R$ 20,00



INFLAÇÃO E DEFLAÇÃO - TEORIA DA DINÂMICA ECONÔMICA - COLEÇÃO OS PENSAD
JOHN MAYNARD KEYNES MICHAL KAECKI PAULO ISRAE...
ABRIL
(1978)
R$ 23,69



PEQUENOS GUIAS DA NATUREZA - MAR E VIDA MARINHA LITORAL ...
PÂMELA FOREY E CECÍLIA FITZSIMONS
PLATANO
(1994)
R$ 37,00



ABLA 35 ANOS EM MOVIMENTO
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE LOCADORAS DE VEICULOS
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE LOCAD
(2012)
R$ 65,00



O TESTAMENTO
DENCAN JONNY
CLUBE DO LIVRO
(1966)
R$ 6,00



RESISTÊNCIA E SUBMISSÃO
DIETRICH BONHOEFFER
PAZ E TERRA
(1968)
R$ 95,00



VENTO SUDOESTE
LUIZ ALFREDO GARCIA ROZA
COMPANHIA DAS LETRAS
(1999)
R$ 12,00





busca | avançada
55507 visitas/dia
1,4 milhão/mês