Carnaval, Gilberto Freyre e a democracia racial | Aline Pereira | Digestivo Cultural

busca | avançada
74045 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Férias de Julho: Museu Catavento e Teatro Sérgio Cardoso recebem a Cia. BuZum!
>>> Neos firma parceria com Unicamp e oferece bolsas de estudo na área de inteligência artificial
>>> EcoPonte apresenta exposição Conexões a partir de 16 de julho em Niterói
>>> Centro em Concerto - Palestras
>>> Crônicas do Não Tempo – lançamento de livro sobre jovem que vê o passado ao tocar nos objetos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> PANFLETO AMAZÔNICO
>>> Coruja de papel
>>> Sou feliz, sou Samuel
>>> Andarilhos
>>> Melhores filme da semana em Cartaz no Cinema
>>> Casa ou Hotel: Entenda qual a melhor opção
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> A vida depende do ambiente, o ambiente depende de
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Os enciclopedistas franceses rolam nos túmulos
>>> Entrevista com Chico Pinheiro
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> Entrevista da Camille Paglia
>>> Vamos sentir saudades
>>> Sexo virtual
>>> The more you ignore me, the closer I get
>>> Padre chicoteia coquetes e dândies
Mais Recentes
>>> Simplesmente Irresistível de Rachel Gibson; Leila Kommers pela Jardim dos Livros (2013)
>>> Anotações Sobre um Escândalo - Romance - Autografado de Zoë Heller pela Record (2007)
>>> A Região do Maduro de Jaime Leitão Rodrigues pela Amrc (1986)
>>> Mundo sem Hemisférios de Octavio Costa pela Record
>>> Revelada - uma Odisséia Feminina de Eliana de Freitas pela Conecta Brasil (2012)
>>> Crítica Teatral - Obras Completas de Machado de Assis de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc.
>>> Marcas da Iatrogenia no Discurso de Profissionais Em Hospital-dia de Luís Gustavo Vechi pela Casa do Psicólogo (2003)
>>> As Duas Vidas de Adonis de Mustafa Yazbek pela Ftd (1991)
>>> Gail 200 Anos de Sucesso Industrial - 200 Years of Industrial Success de Hilde Herbold - Texto pela Dba (2012)
>>> O Olhar de Lanceta - Ensaios Críticos Sobre Literatura e Sociedade de Elói Alves pela Apmc (2015)
>>> Reima de Dau Bastos pela Record (2009)
>>> Revista Arte e Cultura da América Latina - Vol. VII - Nº 1 de Adonay Ariza/rosane Borges e Outros pela Terceira Margem (2000)
>>> O Projeto Lottie de Jacqueline Wilson pela Sm (2005)
>>> São Jorge dos Ilhéus de Jorge Amado pela Martins (1968)
>>> Não Há Silêncio Que Não Termine de Ingrid Betancourt; Rosa Freire Daguiar pela Companhia das Letras (2010)
>>> Fluxus de Cristiane Grando pela Gato de Papel (2005)
>>> O Vau da Vida de Ariosto Augusto de Oliveira pela Nankin (2004)
>>> Uma Questão de Vida e Sexo de Oscar Moore pela José Olympio (2006)
>>> Subtexto - Revista de Teatro do Galpão Cine Horto - Nº 3 de Chico Pelúcio/beto Franco/kil Abreu/e Outros pela Não Identificada (2006)
>>> Une Vie Maupassant - Analyse Critique de Jean et Veronique Ehrsam pela Hatier (1986)
>>> The Last of the Giants de George Otis pela Chosen Books (1991)
>>> Dados - Revista de Ciências Sociais - Volume 51 -1 de Charles Pessanha - Edit. pela Iuperj (2008)
>>> Madame Casanova de Gaby Von Schonthan pela Nova Fronteira (1974)
>>> Um Reizinho Entre Nós de Yasmin Garrido Bruno pela Best Seller (2003)
>>> A Sintese Organica do Itinerarium Aetheriae de Enio Aloisio Fonda pela Ffcla (1966)
COLUNAS

Quarta-feira, 3/3/2004
Carnaval, Gilberto Freyre e a democracia racial
Aline Pereira

+ de 9100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

O ideal teria sido publicar este texto um pouco antes do Carnaval, para fazer jus ao clima de euforia que contagia quase todos os foliões. Peço desculpas aos leitores pelo sumiço, mas fui acometida por uma indisposição gástrica que me rendeu alguns dias de cama e de descanso forçado. Não pulei o Carnaval, portanto. E nem pularia, por conta de uma única razão: a festa já não é mais a mesma. Não faz muito tempo que o apelo popular se rendeu à lógica da maior emissora brasileira, e que a passarela do samba transformou-se em uma extensão da Rede Globo.

Recentemente, José Jorge de Carvalho, pesquisador do departamento de Antropologia da Universidade Federal de Brasília, publicou um artigo no qual desmistifica a idéia de que o carnaval brasileiro seja uma festa democrática. Por meio do site da revista Ciência Hoje pude chegar à "Realidade e miragem, injustiça e prazer", texto que também está disponibilizado na homepage da UnB.

Carvalho afirma que as desigualdades sociais e raciais brasileiras são evidenciadas durante a festividade. Arrisco dizer, pelo que li, que o autor provavelmente também discorda da teoria da "democracia racial" de Gilberto Freyre (1900-1987), em voga durante a primeira metade do século XX. Quando escreveu Casa Grande e Senzala, em 1933, o intelectual pernambucano fez uma rica e preciosa descrição das relações sociopolíticas e econômicas do Brasil. Um clássico, polêmico até os dias atuais, Casa Grande e Senzala - uma das obras mais divulgadas e traduzidas no mundo - é uma metáfora de um país ainda incipiente, mas desde os primórdios, rico em contradições.

Freyre inovou quanto às idéias e à escrita que não cedeu aos tabus de ordem moral do início dos anos 30. O autor escreveu "gostosamente" acerca da formação do Brasil, sob os alicerces da família patriarcal e do paternalismo. Ele atribuiu ao sexo nos trópicos um valor excessivo, sendo a miscigenação um dos pontos altos da colonização portuguesa. Para Freyre, este colonizador foi o menos europeu dos europeus, pois a partir de sua ascendência moura e judia pode desprender-se da "terra natal" e adaptar-se muito bem ao clima dos trópicos. Isto contribuiu para a "miscibilidade" - termo caro ao autor. Esta, somada à necessidade de povoação e ocupação do território, é uma explicação de por que os portugueses não hesitaram em envolver-se sexualmente com índias e negras.

Para a década de 1930, a obra de Freyre foi inovadora não somente a partir da linguagem, mas também porque o autor esteve imbuído de uma sensibilidade que lhe permitiu distinguir "raça" de "cultura", numa época em que elas não eram indissociáveis. Ele não atribuiu à miscigenação - ao contrário de seus contemporâneos, Paulo Prado e até mesmo Manuel Bomfim - as mazelas do povo brasileiro. Os nossos "males de origem", segundo Freyre, são explicáveis a partir da carestia de alimentos (fartamente disponibilizados somente para os dois extremos da "pirâmide social") e também pela própria "sifilização" da colônia. Freyre afirmou que o Brasil sifilizou-se antes mesmo de civilizar-se, uma vez que a doença chegara a colônia juntamente com os portugueses.

Nas passagens em que comenta sobre a disseminação da sífilis na colônia, veremos que o sexo não é explicado simplesmente a partir de relações amistosas. Muitos homens exibiam a marca de sífilis no corpo como se essa fosse um sinal de virilidade, de poder. Disse o autor, que na época, um ótimo remédio para curá-la seria desvirginar uma negrinha. Tal afirmação nos permite perceber a contradição na perspectiva de Freyre quanto à democracia racial, que tende a minimizar o racismo brasileiro. Tendo considerado a colonização do Brasil menos preconceituosa e mais açucarada do que a norte-americana, por exemplo, é sabido hoje que o autor pernambucano exagerou e equivocou-se bastante quanto à percepção docilizada das relações "senhor-escravo". A presença do sexo entre portugueses e negros ou índios não significava a ausência do racismo, tampouco, a idealização de uma igualdade entre os pares.

Guardadas as devidas proporções, as desigualdades vêm à tona durante o Carnaval - época em que o apelo ao sexo, midiaticamente explorado, é maior. Ainda que esteja presente e latente durante os outros dias do ano, é na explosão das festividades "profanas" que evidenciamos os contrastes e desigualdades brasileiras. Como disse Carvalho, desde os séculos passados, "tanto nas capitais como nas cidades do interior, os clubes sociais tidos como 'melhores' excluíam os negros e os pobres, que festejavam o carnaval nas ruas e em clubes humildes, em geral situados nas periferias e nos bairros populares".

De acordo com o autor, esta segregação acentuou-se, com o decorrer dos anos, principalmente quanto ao quesito "poder aquisitivo": se antes somente alguns podiam freqüentar os luxuosos salões da sociedade, ainda hoje, somente poucos podem comprar fantasias (ou "abadas") "módicas", que variam entre trezentos e quinhentos reais, e/ou refestelar-se nos camarotes mantidos pelas grandes marcas de cerveja, enquanto a massa, solidária, é comprimida e compartimentada nas arquibancadas -"setorizando" os espaços do carnaval a partir do preço do ingresso (ou da notoriedade do individuo. Se você não for um Big Brother, talvez não tenha acesso a área vip da Sapucaí...).

Recentemente, um jornal carioca divulgou que alguns blocos tradicionais não mais divulgam o horário do desfile, temendo a presença de penetras - restringindo a folia à poucos eleitos. Os organizadores, segundo reportagem do Jornal do Brasil, alegam precaução contra a violência.

Divagando a partir do artigo de José Carvalho e de considerações lidas em Casa Grande e Senzala, somadas ao comportamento de alguns blocos, pergunto: fomos nós que mudamos, ou mudaram o Carnaval?


Aline Pereira
Rio de Janeiro, 3/3/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O blog no espelho de Marta Barcellos
02. Graciliano Ramos, o gigante de Daniel Lopes
03. Teatro para todos de Rennata Airoldi


Mais Aline Pereira
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
4/4/2004
10h37min
Aline Pereira escreve que a afirmação, por Gilberto Freire, de que "desvirginar uma negrinha" era encarado como um ótimo remédio para curar a sífilis significa uma contradição na sua tentativa de minimizar o racismo brasileiro. Entretanto, o que diria a articulista quanto ao fato de que na África Negra hoje em dia ainda se acredita que desvirginar uma jovem é o melhor remédio para curar os portadores do vírus da AIDS?
[Leia outros Comentários de Elso]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Entre o Amor e a Paixão
Lesley Pearse
Novo Conceito
(2013)



Ponte Estaiada
Luciana Cotrim
Estaçao das Letras
(2014)



Manual Prático da Autoridade Policial Militar
Sergio Moreira dos Santos
Suprema Cultura
(2007)



Entrada para o Paraíso
Junji Miyaura
Seicho-no-ie
(2012)



Observatório de Geog. 8 Ano Fronteiras e Nações -8ano
Regina Araujo- Angela Cortes da Silva Raul Borges
Moderna
(2010)



Coleção Info no 13 - Windows Xp
Carlos Machado (editor)
Abril
(2004)



The Keys of Hell
Jack Higgins
Harper Collins



Os Males do Tabaco e Outras Peças Em um Ato
Tchékhov, Homero Freitas de Andrade
Ateliê Editorial
(2003)



Projeto Radix Ciências 8º Ano
Leonel /karina / Elisangela
Scipione
(2013)



Curso de Processo Penal [CAPA DURA]
Eugênio Pacelli de Oliveira
Del Rey
(2007)





busca | avançada
74045 visitas/dia
1,8 milhão/mês