Carnaval, Gilberto Freyre e a democracia racial | Aline Pereira | Digestivo Cultural

busca | avançada
28584 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
Colunistas
Últimos Posts
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
>>> Arte, cultura e democracia
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Toda forma de amor
>>> O filósofo da contracultura
>>> Oderint Dum Metuant
>>> Beleza e barbárie, ou: Flores do Oriente
>>> A fragilidade dos laços humanos
>>> A fragilidade dos laços humanos
>>> Melhores Blogs
>>> Dilbert
>>> Entrevista com Paulo Polzonoff Jr.
>>> Olavo de Carvalho: o roqueiro improvável
Mais Recentes
>>> Tudo valeu a pena de Zibia Gasparetto pela Vida e consciencia (2003)
>>> Concurso de Credores de Sylvio Martins Teixeira pela Jacintho (1936)
>>> Manual de Direito Processual Civil Vol.4 (Processo de Execução Processo Cautelar Parte Geral) de José Frederico Marques pela Saraiva (1976)
>>> Manual de Direito Processual Civil Vol.3 ( Processo de Conhecimento) 2ª Parte de José Frederico Marques pela Saraiva (1976)
>>> Codigo do processo Civil e Commercial do Estado de São Paulo (Annotações) de João Evangelista Rodrigues pela Revista dos Tribunais (1930)
>>> Traité Des Preuves En Droit Civil Et En Drit Criminel de Édouard Bonnier pela Librairie Plon (1888)
>>> Embargos de Nulidade e Infringentes do Julgado de E.D. Moniz de Aragão pela Saraiva (1965)
>>> Introdução ao estudo do processo Civil de Eduardo J. Couture pela José Bushatsky (1951)
>>> Estudo sobre o processo civil Brasileiro de Enrico Tullio Liebman pela Saraiva (1947)
>>> Processão de Execução de Enrico Tullio Liebman pela Saraiva (1946)
>>> Eficácia e Autoridade da Sentença e ouros escritos sobre a coisa Julgada. de Enrico Tullio Liebman pela Forense (1984)
>>> Princípios Gerais do Direito Processual de Anésio de Lara Campos Junior pela José Bushatsky (1964)
>>> Doutrina das Acções de José Homem Corrêa Telles pela H. Garnier (1902)
>>> Como Requer em Juízo ( Formulário Cível) de Yara Muller Leite pela Freitas Bastos (1967)
>>> Decisões de Decio Cesario Alvim pela Officinas do Centro da Boa Imprensa (1930)
>>> O Procedimento Sumaríssimo de Domingos Sávio Brandão Lima pela José Bushatsky (1977)
>>> Aspectos Fundamentais das Medidas Liminares de R. Reis Friede pela Forense (1993)
>>> Curso de Direito Processual Civil Volume 3 de Humberto Theodoro Júnior pela Forense (1995)
>>> Curso de direito Processual Civil Volume 1 de Humberto Theodoro Júnior pela Forense (1995)
>>> Estudo sobre o processo civil Brasileiro de Enrico Tullio Liebman pela José Bushatsky (1976)
>>> Processão de Execução de Enrico Tullio Liebman pela Saraiva (1980)
>>> Consultor Civil Acerca de Todas as Acções Seguidas no Fôro Civil de Carlos Antonio Cordeiro e Oscar de Macedo Soares pela H. Garnier (1910)
>>> O Brasil na vidão do artista. O país e sua cultura de Frederico Morais pela Prêmio (2003)
>>> Um certo ponto de vista. Pietro Maria Bardi 100 anos de Emanoel Araújo. Curadoria pela Burti (2000)
>>> A riqueza de um vale. A richly endowed valley de Ricardo Martins pela Kongo (2011)
>>> Tomie Ohake de Ana Paula Cavalcanti Simioni pela Folha de S.Paulo (2013)
>>> Bez Batti. Esculturas de Instituto Moreira Salles pela Ims (2006)
>>> Responsabilidade Civil - Doutrina e Jurisprudência de Yussef Said Cahali (Coordenador) pela Saraiva/ SP. (1984)
>>> O Problema da Língua Brasileira de Homero Senna (Entrev. c/ Prof. Souza da Silveira) pela Dep. Imprensa Nacional/ RJ. (1953)
>>> A Trégua de Mario Benedetti pela Alfaguara (2007)
>>> Divalndo Franco Responde Vol 1 de Divaldo Franco pela Intelitera (2010)
>>> Sonhos de J. J. Benitez pela Record (1995)
>>> Hora de Poesia de Ivan Luís Corrêa da Silva pela Modelo (2008)
>>> (In) Quietude Narrativas de Mim de Walkiria Helena pela Catalão em Prosa e Verso (2010)
>>> O Diário das Bruxas Parte I de F. A. F. Melo pela Catalão em Prosa e Verso (2008)
>>> Resgatando o Capital Humano de Roberto Boclin pela Folha Dirigida (2015)
>>> Personas Sexuais de Camille Paglia pela Companhia das Letras (1994)
>>> Uma Vida com Karol de Cardeal Stanislaw Dziwisz pela Objetiva (2007)
>>> Quem Me Roubou de Mim? de Pe. Fábio de Melo pela Canção Nova (2008)
>>> Saúde de Miramez João Nunes Maia pela Fonte Viva (2016)
>>> Ataque do Comando P. Q. Descobrindo os Clássicos de Moacyr Scliar pela Ática (2004)
>>> Divalndo Franco Responde Vol 2 de Divaldo Franco pela Intelitera (2013)
>>> The Colour Of Memory de Geoff Dyer pela Canongate (2012)
>>> Dark Places de Gillian Flynn pela Phoenix (2009)
>>> O Livro que Ninguém Leu de Owen Gingerich pela Record (2008)
>>> Coisas que Todo Professor de Português Precisa Saber a Teoria na Prática de Luciano Amaral Oliveira pela Parábola (2010)
>>> Políticas da Norma e Conflitos Linguísticos de Xoán Carlos Lagares Marcos Bagno pela Parábola (2011)
>>> Robinson Crusoe de Daniel Defoe pela Barnes & Noble Classics (2003)
>>> Sense And Sensibility de Jane Austen pela Barnes & Noble Classics (2004)
>>> Muito Antes de 1500 de Epiága R. T. pela Madras (2005)
COLUNAS

Quarta-feira, 3/3/2004
Carnaval, Gilberto Freyre e a democracia racial
Aline Pereira

+ de 7600 Acessos
+ 1 Comentário(s)

O ideal teria sido publicar este texto um pouco antes do Carnaval, para fazer jus ao clima de euforia que contagia quase todos os foliões. Peço desculpas aos leitores pelo sumiço, mas fui acometida por uma indisposição gástrica que me rendeu alguns dias de cama e de descanso forçado. Não pulei o Carnaval, portanto. E nem pularia, por conta de uma única razão: a festa já não é mais a mesma. Não faz muito tempo que o apelo popular se rendeu à lógica da maior emissora brasileira, e que a passarela do samba transformou-se em uma extensão da Rede Globo.

Recentemente, José Jorge de Carvalho, pesquisador do departamento de Antropologia da Universidade Federal de Brasília, publicou um artigo no qual desmistifica a idéia de que o carnaval brasileiro seja uma festa democrática. Por meio do site da revista Ciência Hoje pude chegar à "Realidade e miragem, injustiça e prazer", texto que também está disponibilizado na homepage da UnB.

Carvalho afirma que as desigualdades sociais e raciais brasileiras são evidenciadas durante a festividade. Arrisco dizer, pelo que li, que o autor provavelmente também discorda da teoria da "democracia racial" de Gilberto Freyre (1900-1987), em voga durante a primeira metade do século XX. Quando escreveu Casa Grande e Senzala, em 1933, o intelectual pernambucano fez uma rica e preciosa descrição das relações sociopolíticas e econômicas do Brasil. Um clássico, polêmico até os dias atuais, Casa Grande e Senzala - uma das obras mais divulgadas e traduzidas no mundo - é uma metáfora de um país ainda incipiente, mas desde os primórdios, rico em contradições.

Freyre inovou quanto às idéias e à escrita que não cedeu aos tabus de ordem moral do início dos anos 30. O autor escreveu "gostosamente" acerca da formação do Brasil, sob os alicerces da família patriarcal e do paternalismo. Ele atribuiu ao sexo nos trópicos um valor excessivo, sendo a miscigenação um dos pontos altos da colonização portuguesa. Para Freyre, este colonizador foi o menos europeu dos europeus, pois a partir de sua ascendência moura e judia pode desprender-se da "terra natal" e adaptar-se muito bem ao clima dos trópicos. Isto contribuiu para a "miscibilidade" - termo caro ao autor. Esta, somada à necessidade de povoação e ocupação do território, é uma explicação de por que os portugueses não hesitaram em envolver-se sexualmente com índias e negras.

Para a década de 1930, a obra de Freyre foi inovadora não somente a partir da linguagem, mas também porque o autor esteve imbuído de uma sensibilidade que lhe permitiu distinguir "raça" de "cultura", numa época em que elas não eram indissociáveis. Ele não atribuiu à miscigenação - ao contrário de seus contemporâneos, Paulo Prado e até mesmo Manuel Bomfim - as mazelas do povo brasileiro. Os nossos "males de origem", segundo Freyre, são explicáveis a partir da carestia de alimentos (fartamente disponibilizados somente para os dois extremos da "pirâmide social") e também pela própria "sifilização" da colônia. Freyre afirmou que o Brasil sifilizou-se antes mesmo de civilizar-se, uma vez que a doença chegara a colônia juntamente com os portugueses.

Nas passagens em que comenta sobre a disseminação da sífilis na colônia, veremos que o sexo não é explicado simplesmente a partir de relações amistosas. Muitos homens exibiam a marca de sífilis no corpo como se essa fosse um sinal de virilidade, de poder. Disse o autor, que na época, um ótimo remédio para curá-la seria desvirginar uma negrinha. Tal afirmação nos permite perceber a contradição na perspectiva de Freyre quanto à democracia racial, que tende a minimizar o racismo brasileiro. Tendo considerado a colonização do Brasil menos preconceituosa e mais açucarada do que a norte-americana, por exemplo, é sabido hoje que o autor pernambucano exagerou e equivocou-se bastante quanto à percepção docilizada das relações "senhor-escravo". A presença do sexo entre portugueses e negros ou índios não significava a ausência do racismo, tampouco, a idealização de uma igualdade entre os pares.

Guardadas as devidas proporções, as desigualdades vêm à tona durante o Carnaval - época em que o apelo ao sexo, midiaticamente explorado, é maior. Ainda que esteja presente e latente durante os outros dias do ano, é na explosão das festividades "profanas" que evidenciamos os contrastes e desigualdades brasileiras. Como disse Carvalho, desde os séculos passados, "tanto nas capitais como nas cidades do interior, os clubes sociais tidos como 'melhores' excluíam os negros e os pobres, que festejavam o carnaval nas ruas e em clubes humildes, em geral situados nas periferias e nos bairros populares".

De acordo com o autor, esta segregação acentuou-se, com o decorrer dos anos, principalmente quanto ao quesito "poder aquisitivo": se antes somente alguns podiam freqüentar os luxuosos salões da sociedade, ainda hoje, somente poucos podem comprar fantasias (ou "abadas") "módicas", que variam entre trezentos e quinhentos reais, e/ou refestelar-se nos camarotes mantidos pelas grandes marcas de cerveja, enquanto a massa, solidária, é comprimida e compartimentada nas arquibancadas -"setorizando" os espaços do carnaval a partir do preço do ingresso (ou da notoriedade do individuo. Se você não for um Big Brother, talvez não tenha acesso a área vip da Sapucaí...).

Recentemente, um jornal carioca divulgou que alguns blocos tradicionais não mais divulgam o horário do desfile, temendo a presença de penetras - restringindo a folia à poucos eleitos. Os organizadores, segundo reportagem do Jornal do Brasil, alegam precaução contra a violência.

Divagando a partir do artigo de José Carvalho e de considerações lidas em Casa Grande e Senzala, somadas ao comportamento de alguns blocos, pergunto: fomos nós que mudamos, ou mudaram o Carnaval?


Aline Pereira
Rio de Janeiro, 3/3/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Minimundos, exposição de Ronald Polito de Jardel Dias Cavalcanti
02. Assum Preto, Me Responde? de Duanne Ribeiro
03. A entranha aberta da literatura de Márcia Barbieri de Jardel Dias Cavalcanti
04. Super Campeões, trocas culturais de Brasil e Japão de Luís Fernando Amâncio
05. A noite em que Usain Bolt ignorou nosso Vinicius de Elisa Andrade Buzzo


Mais Aline Pereira
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
4/4/2004
10h37min
Aline Pereira escreve que a afirmação, por Gilberto Freire, de que "desvirginar uma negrinha" era encarado como um ótimo remédio para curar a sífilis significa uma contradição na sua tentativa de minimizar o racismo brasileiro. Entretanto, o que diria a articulista quanto ao fato de que na África Negra hoje em dia ainda se acredita que desvirginar uma jovem é o melhor remédio para curar os portadores do vírus da AIDS?
[Leia outros Comentários de Elso]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O SENHOR AGORA VAI MUDAR DE CORPO
RAIMUNDO CARRERO
RECORD
(2015)
R$ 29,00



O MODELO DE MEDO E RAIVA - 6312
DIOGO LARA
REVOLUÇAO DE IDEIAS
(2006)
R$ 12,00



O ATENEU
RAUL POMPÉIA
ÁTICA
(1984)
R$ 5,00



ELAS ESTÃO DESCONTROLADAS
MARCELO AOUILA
LIVROS ILIMITADOS
R$ 34,90



TRANSPORTES E SEGUROS NO COMÉRCIO EXTERIOR
SAMIR KEEDI
ADUANEIRAS
(2003)
R$ 70,00



DIÁRIO DE LARISSA MANOELA
LARISSA MANOELA
CASA DOS LIVROS
(2016)
R$ 10,00



FÍSICA 2 - TERMOLOGIA - ÓPTICA - ONDULATÓRIA
BONJORNO, E OUTROS
FTD
(2013)
R$ 9,80



A HISTÓRIA DO PARTIDO COMUNISTA DA ÍNDIA (MAOÍSTA)
MATEUS RANZAN
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 454,00



LETTERHEAD & LOGO DESIGN (BOOK 5)
CROSS COLOURS
ROCKPORT PUB
(1998)
R$ 50,00



ARTE CONTA HISTÓRIAS: BALÉ DOS SKAZKÁS
KATIA CANTON
NÃO CONSTA
(1996)
R$ 5,50





busca | avançada
28584 visitas/dia
1,0 milhão/mês