O Rei Roberto Carlos e a Ditadura | Urariano Mota | Digestivo Cultural

busca | avançada
48523 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Livro com prefácio de Dilma Rousseff conta história de mulheres em espaços de poder
>>> 3 Cinefestival Internacional de Ecoperformance começa dia 1 /6
>>> Companhia de Teatro Heliópolis abre inscrições para Vivência Artística no Processo de Criação
>>> Neka Menna Barreto surpreende com Floresta da Neka e menu afetivo em tarde beneficente
>>> Outros Gritos de Independência será exibido dia 18/6 no Cine Satyros Bijou
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Pulp Fiction e seus traços em Cocaine Bear
>>> Rabhia: 1 romance policial moçambicano
>>> Nélio Silzantov e a pátria que (n)os pariu
>>> Palavras/Imagens: A Arte de Walter Sebastião
>>> Rita Lee Jones (1947-2023)
>>> Kafka: esse estranho
>>> Seis vezes Caetano Veloso, por Tom Cardoso
>>> O batom na cueca do Jair
>>> O engenho de Eleazar Carrias: entrevista
>>> As fitas cassete do falecido tio Nelson
Colunistas
Últimos Posts
>>> O Lado B da MTVê
>>> A história de Roberto Vinháes (2023)
>>> Something About You (Cary Brothers & Laura Jansen)
>>> Uma história do Airbnb (2023)
>>> Vias da dialética em Platão
>>> Uma aula sobre MercadoLivre (2023)
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
Últimos Posts
>>> Não esqueci de nada
>>> Júlia
>>> Belém, entre a cidade política, a loja e a calçada
>>> Minha Mãe
>>> Pelé, eterno e sublime
>>> Atire a poeira
>>> A Ti
>>> Nem o ontem, nem o amanhã, viva o hoje
>>> Igualdade
>>> A baleia, entre o fim e a redenção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Chicletes
>>> Um Brecht é um Brecht
>>> Todo mundo é bonito
>>> Agonia
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Fui demitida, e agora?
>>> O Frankenstein de Mary Shelley
>>> Encontre seu motivo para blogar
>>> Como os meios de pagamento veem a crise
>>> O dinossauro de Augusto Monterroso
Mais Recentes
>>> Líbano - Impressões & Culinária de Leila Mohamed Youssef Kuczynski pela Empresa das Artes (1994)
>>> Cicatrizes de David Small pela LeYa (2009)
>>> Two Zen Classics: The Gateless Gate and the Blue Cliff Records de Katsuki Sekida pela Shambhala (2005)
>>> Fisiologia 3ª edição. de Margarida de Mello Aires pela Guanabara Koogan (2008)
>>> A Abordagem por Projetos na Educação de Infância de Lilian Katz & Sylvia Chard pela Calouste Gulbenkian (1997)
>>> Volume 3: Desenho Geométrico - ideias e imagens 5ª edição. de Sonia Jorge pela Saraiva (2012)
>>> As Mudanças no Ciclo de Vida Familiar de Betty Carter pela Artmed (1995)
>>> Rio de Janeiro Em Prosa e Verso. Vol 5 de Bandeira Manuel / Andrade Carlos Drummond De pela José Olympio (1965)
>>> Figuras de Lo Pensable de Director of Studies Cornelius Castoriadis pela Fondo de Cultura Economica USA (2001)
>>> Holism and Evolution de Jan Christiaan Smuts pela Sierra Sunrise Publishing (1999)
>>> Outdoor Survival Skills de Larry Dean Olsen pela Chicago Review Press (1997)
>>> The Cult of Tara: Magic and Ritual in Tibet de Stephan V.Beyer pela University of California (1978)
>>> Desafio aos Deuses: a Fascinante História do Risco de Peter L Bernstein pela Campus (1997)
>>> Nossos clássicos - Poesia de Fernando Pessoa pela Agir (1968)
>>> Nossos clássicos - Poesia de Fagundes Varela pela Agir (1961)
>>> Nossos clássicos - Poesia de Cruz e Souza pela Agir (1967)
>>> Socialismo - Caminhos e alternativas de Paulo Martinez pela Scipione (1999)
>>> Energia e Meio Ambiente de Samuel Murgel Branco pela Moderna (1990)
>>> O Ensino da Educação Física na Educação Básica- Relações com a antroprologia de José Gilmar Mariz de Oliveira pela Cepeusp (1999)
>>> Sedentarismo - Guia Prático do Diagnóstico à Prescrição de Exercício Físico de Vários autores pela Clube de Autores (2019)
>>> Histórias de Fadas de Oscar Wilde pela Nova Fronteira (1992)
>>> Planejamento - Planejando a educação para o desenvolvimento de de Vasco Pedro Moretto pela Vozes (2008)
>>> Planejamento - Planejando a educação para o desenvolvimento de de Vasco Pedro Moretto pela Vozes (2008)
>>> O Escritório Modêlo na Escola de Augusto Guzzo pela Lidi (1969)
>>> Preparando os Filhos Para a Vida de E. Jonath pela Ados (2002)
COLUNAS >>> Especial 1964-2004

Segunda-feira, 19/4/2004
O Rei Roberto Carlos e a Ditadura
Urariano Mota
+ de 15900 Acessos
+ 7 Comentário(s)

As datas, os aniversários, têm um poder evocativo muito forte. Assim foi, assim tem sido, nesses dias de abril. Esta semana, no ônibus, me veio de súbito uma pergunta: que música seria mais representativa do golpe militar de 64? E outras perguntas, semelhantes: que canção, que canções, que compositor seria mais representativo daqueles anos inaugurados em um primeiro de abril? E não sei se por acaso, ou se por felicidade do acaso, no rádio do ônibus começou a tocar:

"Meu amor está tão longe de mim
Meu bem não seja tão ruim
Escreva uma carta, meu amor
E diga alguma coisa, por favor

Diga que você não me esqueceu
E que o seu coração ainda é meu
Escreva uma carta, meu amor
E diga alguma coisa, por favor

O beijo que você me deu
Eu guardo até hoje o calor
Escreva uma carta, meu amor
E diga alguma coisa, por favor"

Esta canção me fez lembrar, como num estalo, que Roberto Carlos foi o compositor mais representativo daqueles anos. Não sei se conseguirei me fazer entender.

Quando falamos em música, a associação imediata aos anos de ditadura é sempre a dos grandes compositores, que contra o golpe militar se viram metidos num embate. Então nos lembramos de imediato de Chico Buarque, de Geraldo Vandré. Fica mal com Deus quem assim não se lembrar. Mas a associação imediata é sempre a da superfície. O imediato sempre vem ao que estamos acostumados por tradição, por uso, e até por força da lei do menor esforço. Lembrar de fato é mergulhar, reviver, viver, entrar de volta na pele daqueles anos. Quando assim mergulhamos, quando voltamos a ser aquele rapazinho magriço, perdido em uma estação rodoviária, em 1965:

"Meu amor está tão longe de mim
Meu bem não seja tão ruim
Escreva uma carta, meu amor
E diga alguma coisa, por favor..."

Essa voz suave que nos chega abre espaço para uma segunda voz, que nos sopra, "o diabo não tem chifres". Entendam. Sabemos, claro, que a lembrança mais funda de uma época vem misturada a pó, a disfarces. Não sei se me explico bem. Quero dizer, a lembrança mais funda pode não ser a época objetiva. Mas o que será mesmo a realidade objetiva sem a apreensão dela por um homem? Quero dizer, o que há mesmo de objetivo na beleza de um rio sem olhos que o vejam? Dizem-nos "se os teus olhos se fecharem, o rio continuará lá, independente dos teus olhos. Isto é objetivo". Ao que respondemos, para que mesmo serve esse rio objetivo sem olhos que bebam a sua beleza? Água em si não é bela. É líquido, fórmula química, fria natureza. Então voltamos. A gente sabe que a lembrança daqueles anos muito tem a ver com todos os rádios, em todos os lugares, tocando:

"De que vale o céu azul e o sol sempre a brilhar
se você não vem e eu estou a lhe esperar
só tenho você no meu pensamento
e a sua ausência é todo meu tormento
quero que você me aqueça nesse inverno
e que tudo mais vá pro inferno

De que vale a minha boa vida de playboy
se entro no meu carro e a solidão me dói
onde quer que eu ande, tudo é tão triste
não me interessa o que de mais existe
quero que você me aqueça nesse inverno
e que tudo mais vá pro inferno

Não suporto mais você longe de mim
quero até morrer do que viver assim
só quero que você me aqueça nesse inverno
e que tudo mais vá pro inferno"

A gente sabe. Então vêm perguntas dos resistentes velhinhos do fã-clube do Rei: "Fazer sucesso naqueles anos da ditadura é o mesmo que ser o compositor da ditadura? Por acaso a música do Rei saía da boca dos generais? Roberto Carlos tem culpa de ter sido sucesso estrondoso em 65, 66, 67, 68, 69, 70, 71, 72, 73...?" Por esse critério, reconhecemos, arrastaríamos todos os grandes sucessos desses anos, e diríamos que seus autores foram e são por isso culpados. Então entendam, por favor, que o sucesso não é o critério - embora, forçoso é dizer, possa oferecer uma pista daqueles anos. Para melhor compreensão, nos aproximemos de 1965.

Quando Roberto Carlos cantou em todos os rádios do Brasil, ele veio dentro de um projeto, de um programa que arrebentou em 65. "Em 1965, estreou ao lado de Erasmo e Wanderlea o programa Jovem Guarda, que daria nome ao movimento", dizem as notas. O Jovem Guarda se opunha ao O Fino da Bossa, com Elis Regina. Enquanto O Fino da Bossa fazia uma ponte entre os compositores da velha guarda do samba e os compositores de esquerda, de convicções socialistas, o Jovem Guarda...

"Eu vou contar pra todos a história de um rapaz
que tinha há muito tempo a fama de ser mau
seu nome era temido sabia atirar bem
seu gênio violento jamais gostou de alguém

E ninguém jamais viveu pra dizer
que o contrariou sem depois morrer
nos duelos nem piscava,
no gatilho ele era o tal
todos que o desafiavam
tinham o seu final..."

ou

"Quem não acreditar
venha ver a multidão
que com ela quer dançar
ela adivinha que eu
estou sofrendo
também querendo
com ela dançar..."

"O Rei, o Rei não tem culpa...", diz-nos um senhor encanecido, ex-jovem guarda (e como envelheceu a jovem guarda!). "O Rei não tem culpa...". Sim, compreendemos: quem assim nos fala quer apenas dizer, Roberto Carlos não tem culpa de fazer o medíocre, que falava aos corações da massa jovem daqueles anos. À juventude alienada, certamente, mas juventude de peso, em número, que ganha sempre da minoria de jovens estudiosos. Que mal há em falar para a sensibilidade embrutecida mais ampla? Certo, Roberto Carlos não tem culpa de não compor algo como:

"Tristeza não tem fim,
felicidade, sim.

A felicidade é como a pluma
que o vento vai levando pelo ar
voa tão leve, mas tem a vida breve
precisa que haja vento sem parar..."

Certo, compreendemos: ninguém é louco de pedir ao Rei o impossível! Certo, concordamos que ele não tem culpa de macaquear a revolução musical dos Beatles, de macaquear em versões bárbaras, em caricaturas dos cabelos longos, alisados a ferro e banha, para lisos ficarem como os dos jovens de Liverpool. Toucas, acordes "jovens", vestuário, um arrebentar de norte a sul do Brasil, que mal há? Claro que não há. Mas...

Meus amigos, chega de rodeios. Tentemos atingir a raiz, o específico do específico. Vamos adiante, pois começaremos por dizer: em relação à música popular, o que caracterizou a ditadura militar no Brasil foi o veto, a censura absoluta a qualquer alusão política nas letras. O veto, o corte, o mutilar a canção por qualquer insinuação política foi ampliado até a mais leve crítica a qualquer aspecto social ou físico da paisagem brasileira. Tinham passagem pelo apertado funil, ou melhor, eram bem-vindas as canções mais ufanistas como

"As praias do Brasil ensolaradas,
o chão onde o país se elevou,
a mão de Deus abençoou
mulher que nasce aqui tem muito mais amor.

O céu do meu Brasil tem mais estrelas,
o sol do meu país mais esplendor.
A mão de Deus abençoou,
em terras brasileiras vou plantar amor.

Eu te amo, meu Brasil, eu te amo!
Meu coração é verde, amarelo, branco, azul anil.
eu te amo, meu Brasil, eu te amo!
Ninguém segura a juventude do Brasil..."
(Don e Ravel)

É sintomático em Roberto Carlos a passagem de cantor da juventude, da jovem guarda, para cantor "romântico". Essa passagem se dá na medida em que os jovens de todo o mundo deixam de ser apenas um mercado de calças Lee e Coca-Cola, e passam a explodir em protestos contra a guerra do Vietnã, até mesmo em festivais de rock, como em Woodstock. Ou, se quiserem numa versão mais brasileira, o Rei Roberto se torna um senhor "romântico" na medida mesma em que as botas militares pisam com mais força a vida brasileira. Ora, nesses angustiantes anos o que compõe o jovem, o ex-jovem, que um dia desejou que tudo mais fosse para o inferno? - "Eu te amo, te amo, te amo"; "As canções que você fez pra mim"; "As flores do jardim da nossa casa"; e, claro, para que não me vejam má vontade, "Sua Estupidez":

"Meu bem, meu bem,
você tem que acreditar em mim
ninguém pode destruir assim
um grande amor..."

É claro, já se vê, a passagem do Roberto Carlos Jovem Guarda para o senhor "romântico" não se dá pelo envelhecimento do seu público. Ora, de 1965 a 1970 correm apenas 5 anos. O envelhecimento é outro. Nesses 5 correm sangue e enfurecimento da ditadura militar, no Brasil, e crescimento da revolta do público "jovem", no mundo. Enquanto explodem conflitos, a canção de Roberto Carlos que toca nos rádios de todo o Brasil é "Vista a roupa, meu bem" (e vamos nos casar). Ora. Se fizéssemos um gráfico, se projetássemos curvas de repressão política e de "romantismo" de Roberto Carlos, veríamos que o ápice das duas curvas é seu ponto de encontro. O que é uma coincidência, quero dizer, os dois pontos coincidem.

O namoro do Rei Roberto Carlos com o regime não foi um breve piscar de olhos, um flerte, um aceno a distância. Não sei se me explico bem. O Rei Roberto não compôs só a música permitida naqueles anos de proibição. O Rei não foi só o "jovem" bem-comportado, que não pisava na grama, porque assim lhe ordenavam. Ele não foi apenas o homem livre que somente fazia o que o regime mandava. Não. Roberto Carlos foi capaz de compor pérolas, diamantes, que levantavam o mundo ordenado pelo regime. Ora, enquanto jovens estudantes eram fuzilados e caçados, enquanto na televisão, nas telas dos cinemas, exibe-se a brilhante propaganda "Brasil, ame-o ou deixe-o", o que faz o nosso Rei? O Rei irrompe com uma canção que é um hino, um gospel de corações ocos, um som sem fúria de negros norte-americanos. Ora, ora, o Rei ora:

"Jesus Cristo, Jesus Cristo, eu estou aqui
olho pro céu e vejo uma nuvem branca que vai passando
olho pra terra e vejo uma multidão que vai caminhando
como essa nuvem branca, essa gente não sabe aonde vai
quem poderá dizer o caminho certo é Você, meu Pai

Toda essa multidão tem no peito amor e procura a paz
e apesar de tudo a esperança não se desfaz
olhando a flor que nasce no chão daquele que tem amor
olho pro céu e sinto crescer a fé no meu Salvador..."

É certo que no ano seguinte, em 1971, depois de erguer multidões em estádios de futebol para em uníssono gritar Jesus Cristo, é certo que Roberto Carlos gravou "Como Dois e Dois", de Caetano Veloso. E não só. No mesmo disco fez a Caetano uma declaração de amor, sem ousar dizer-lhe o nome: "Debaixo dos caracóis dos seus cabelos". O que é bem compreensível. Todos no Brasil sabemos que Deus primeiro criou Caetano Veloso. Depois criou o mundo, para que o mundo aplaudisse Caetano. O Rei Roberto, ao compor "Debaixo dos caracóis", manteve a velha coerência: cumpriu uma ordem divina.


Urariano Mota
Olinda, 19/4/2004

Mais Urariano Mota
Mais Acessadas de Urariano Mota
01. Lulu Santos versus Faustão - 11/7/2003
02. O Rei Roberto Carlos e a Ditadura - 19/4/2004
03. A nova escola - 29/8/2003
04. São Paulo, PS - 30/1/2004
05. Alfredo Bosi e a dignidade da crítica - 18/4/2003


Mais Especial 1964-2004
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
20/4/2004
11h33min
Ao longo do texto vc repete exaustivamente a expressão “Não sei se me explico bem” (ou um equivalente). Vc se explica, o problema é que seu ponto de vista é batido. Como batida é a juventude que num festival vaiou Tom Jobim e Chico Buarque, porque essa juventude queria o harmonicamente paupérrimo Vandré. Falar mal de Roberto Carlos hoje em dia é chutar um cachorro que, se não está morto, está moribundo. E a quem interessa isso? Ele tem um peso histórico. E não era dele “a única música possível da época”. No mesmo período os Mutantes tocavam suas guitarras e viajavam com suas drogas, como os jovens de Londres ou São Francisco. E Jorge Ben fundia samba com guitarras. Não eram políticos, eram músicos. Não estavam a fim de fomentar luta armada, mas de viver. Como a grande maioria da população brasileira. E quanto a sua referência a ‘Jesus Cristo’ o “gospel de corações ocos”, é bom lembrar que Maria Bethânia, uma das musas do show Opinião, o regravou poucos anos depois.
[Leia outros Comentários de Ana Couto]
20/4/2004
22h04min
Urariano, mais uma vez, com muita propriedade, brinda-nos com uma linda crônica, como esta, intitulada "O Rei Roberto Carlos e a Ditadura." Gostei muito do que li. Parabéns ao site pela publicação! Lucivânio Jatobá, do Recife
[Leia outros Comentários de Lucivânio Jatobá]
30/4/2004
21h51min
Posso ter entendido tudo errado, mas de repente todas as letras do RC aqui apresentadas são uma declaração de amor à velha e boa democracia, uma espécie de namorada escondida.
[Leia outros Comentários de Eleutério Langowski]
12/5/2004
11h39min
Uriano, apesar de concordar que nos momentos mais cruéis da ditadura militar, de 1965 a 1974, Roberto Carlos compunha as melhores canções de seu repertório, não posso achar que ele fazia tudo que os mestres militares, com suas botas pisando duro em qualquer manifestação crítica ao regime, desejassem. Daí fazer uma comparação entre sua arte e o regime, vai uma grande diferença. Muitos músicos criativos na época também não faziam nenhuma menção à ditadura, como os próprios Mutantes, Jorge Ben e até a Elis Regina, que resolveu manifestar-se bem depois. Não é porque é um músico de sucesso que o sujeito precisa se manifestar politicamente. Até hoje o "Rei" é assim, nunca mostrou nenhum engajamento político. E como você colocou, foi o único a mostrar solidariedade através de sua arte, ao exilado Caetano Veloso, com uma linda canção, que, acredito, emocionou o remetente. Beijos, Nádia Costa (Assessora de Comunicação da Fundação de Saúde de Mato Grosso do Sul, Funsau/MS)
[Leia outros Comentários de Nádia Costa ]
2/6/2006
22h35min
Descobri o Digestivo e estou lendo todos os artigos. Inclusive os antigos. Ao ler a coluna do Urariano Mota, intitulada "O Rei Roberto Carlos e a ditadura", gostaria somente de expressar uma opinião: Cada indivíduo se encontra em um nível de conhecimento e compreensão. Em uma guerra, nem todos são linha de frente. Muitos cuidam de defender a retaguarda... Cuidar dos feridos, balsamizar suas chagas. E, enquanto alguns vêem o azul, alguns enxergam o verde. Poucos enxergam as duas cores. Avaliando uma das melodias sugeridas nesta crônica, repare nestes versos: "como essa nuvem branca, essa gente não sabe aonde vai", ou, "e apesar de tudo a esperança não se desfaz". Uma das coisas mais subjetivas que pode existir é avaliar a intenção alheia. Quem sabe não existisse um revolucionário dentro dele?
[Leia outros Comentários de Ivan James Vieira]
29/12/2009
17h06min
Interessante lembrar que os talentosos Caetano, Chico e outros grandes da nossa música eram "engajados" como meio de vida, ganharam bastante dinheiro gravando suas músicas em gravadoras multinacionais, protestar dava uma boa grana...
[Leia outros Comentários de Ed]
30/12/2009
17h54min
É impossível comparar um com outro. Falar dos tempos de ditadura lembramos logo de Vandré, Chico Buarque, Caetano e Gil, não sei o que eles fizeram a não ser música que os débeis aquartelados achavam que eram piadinhas de mal gosto e direcionadas a eles. Nunca entendi O Chico, que defendia Fidel armado e era contra a Ditadura brasileira. E Roberto, que eu nunca fui fã, nada tem com isso, ele estava em outra, vivendo outro sonho. E se falarmos das letras, Roberto também fez "piadinhas contra os enverdejados que torturavam e matavam"; talvez tenha sido mais astuto do que os que se expuseram, mas deixou sua marca, a marca de amor e paixão dos jovens namorados lembradas até hoje pelos que você chama de velhinhos. Se é assim, sou velho com muito orgulho.
[Leia outros Comentários de Candido Rubim Rios]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




No colo do pai
Hanif Kureishi
Companhia das letras
(2006)



Agir e pensar com um gato
Stéphane Garnier
Valentina
(2019)



Projeto Apoema - Matematica - 9º Ano
Silvia Maria de Sousa; Linos Galdonne; Karla Faria
Do Brasil
(2013)



Lapa do desterro e do desvario: uma antologia
Isabel Lustosa
Casa da palavra
(2001)



Ciência e Pobreza no Séc. XXI
Dominique Ribeiro e Erika Franzisca Herd Werneck
Faperj
(2002)



O cinema dos anos 80
Amir Labaki
Brasiliense
(1991)



Educação Escolar Brasileira (lacrado)
Clóvis Roberto dos Santos
Cengage Learning
(2003)



The Participation Game: How the Top 100 Brands Build Loyalty in a Skeptical World
Norty Cohen
Ideapress
(2017)



A Bela Adormecida - Coleção Fantasminha
Cordélia Dias D Aguiar
Ediouro
(1975)



Q: Skills For Success 4 Reading and Writing With Online Practice
Charl Norloff, Debra Daise, Paul Carne
Oxford University Press
(2011)





busca | avançada
48523 visitas/dia
1,8 milhão/mês