Quando a cidade inteira é uma festa: Berlim! | Daniela Sandler | Digestivo Cultural

busca | avançada
75359 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Cia Fragmento de Dança lança seminário “Amor Mundi – Pensando com Hannah Arendt”
>>> Realidade e ficção na Terça Aberta na Quarentena de agosto
>>> OBMJazz: OBMJ lança primeiro clipe de novo projeto
>>> Serginho Rezende é entrevistado por Zé Guilherme na série EntreMeios
>>> TOGETHER WE RISE TRAZ UMA HOMENAGEM ÀS PESSOAS QUE FIZERAM PARTE DA HISTÓRIA DO GREEN VALLEY
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
>>> Meu reino por uma webcam
>>> Quincas Borba: um dia de cão (Fuvest)
>>> Pílulas Poéticas para uma quarentena
>>> Ficção e previsões para um futuro qualquer
>>> Freud explica
>>> Alma indígena minha
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma aula com Thiago Salomão do Stock Pickers
>>> MercadoLivre, a maior empresa da América Latina
>>> Víkingur Ólafsson toca Rameau
>>> Philip Glass tocando Mad Rush
>>> Elena Landau e o liberalismo à brasileira
>>> O autoritarismo de Bolsonaro avança
>>> Prelúdio e Fuga em Mi Menor, BWV 855
>>> Blooks Resiste
>>> Ambulante teve 3 mil livros queimados
>>> Paul Lewis e a Sonata ao Luar
Últimos Posts
>>> Coincidência?
>>> Gabbeh
>>> Dos segredos do pão
>>> Diário de um desenhista
>>> Uma pedra no caminho...
>>> Sustentar-se
>>> Spiritus sanus
>>> Num piscar de olhos
>>> Sexy Shop
>>> Assinatura
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Nelson Freire em DVD e Celso Furtado na Amazônia
>>> Um caos de informações inúteis
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Parei de fumar
>>> Ford e Eastwood: cineastas da (re)conciliação
>>> Amor à segunda vista
>>> O Gmail (e o E-mail)
>>> Diogo Salles no podcast Guide
Mais Recentes
>>> Paralelo 42 de John dos Passos pela Rocco (1987)
>>> Para onde você vai com Tanta Pressa de Christiane Singer pela Martins Fontes (2005)
>>> Carta Sobre o Comércio do Livro de Denis Diderot pela Casa da Palavra (2002)
>>> Rimas da Vida e da Morte de Amos Óz Amós Oz pela Companhia das Letras (2008)
>>> Uma Desolação de Yasmina Reza pela Rocco (2001)
>>> O Fio Perigoso Das Coisas de Michelangelo Antonioni pela Nova Fronteira (1990)
>>> Hacia un Teatro Pobre de Jerzy Grotowski pela Siglo Veintuno (1970)
>>> Este é Orson Welles de Peter Bogdanovich pela Globo (1995)
>>> À Espera do Tempo Filmando Com Kurosawa de Teruyo Nogami pela Companhia das Letras (2010)
>>> Invisible Man de Ralph Ellison pela Penguin (2009)
>>> The Plot Against America de Philip Roth pela Vintage (2005)
>>> Vida, o Filme. Como o Entretenimento Conquistou a Realidade de Neal Gabler pela Companhia das Letras (1999)
>>> Rituais de Sofrimento de Silvia Viana pela Boitempo (2012)
>>> Um Sussuro nas trevas de H. P. Lovecraft pela Francisco Alves (1983)
>>> O Aleph de Jorge Luis Borges pela Globo (1992)
>>> O Deslumbramento (le Ravissement de Lol. V. Stein) de Marguerite Duras pela Nova Fronteira (1986)
>>> O Segredo do Padre Brown de G. K. Chesterton pela Círculo do Livro (1986)
>>> Se Não Agora, Quando? de Primo Levi pela Companhia das Letras (1999)
>>> O compromisso da fé de Emmanuel Mounier pela Duas Cidades (1971)
>>> A Doutrina Secreta - Vol. 6 de Helena Petrovna Blavatsky pela Pensamento (1989)
>>> A Doutrina Secreta - Vol. 2 de Helena Petrovna Blavatsky pela Pensamento (1989)
>>> O Livro Tibetano Dos Mortos de Hans Evans-Wentz pela Pensamento (1989)
>>> Milarepa de Hans Evans-Wentz pela Pensamento (1990)
>>> A Jornada do Herói Vida - Obra Joseph Campbell de Phil Cousineau pela Saraiva (1994)
>>> A Jornada do Herói Vida - Obra Joseph Campbell de Phil Cousineau pela Saraiva (1994)
>>> O Tarô Mitológico - uma Nova Abordagem para a Leitura do Tarô de Juliet Sharman-burke e Liz Greene pela Siciliano (2002)
>>> Curso De Psicologia Geral Vol. IV de A. R. Luria pela Civilização Brasileira (1979)
>>> Breton - Trotski: por uma Arte Revolucionaria Independente de Valentim Facioli (org) pela Paz e Terra (1985)
>>> Manifestos do Surrealismo de André Breton pela Moraes (1969)
>>> Os Cantos de Maldoror de Conde de Lautréamont pela Moraes (1970)
>>> Escritos de Antonin Artaud de Artaud e Claudio Willer (org.) pela Lpm (1983)
>>> Memória de um Amnésico de Erik Satie pela Hiena (1992)
>>> Contos Cruéis de Villiers de Lisle-adam pela Iluminuras (1987)
>>> A Cruzada das Crianças de Marcel Schwob pela Iluminuras (1987)
>>> Moralidades Lendárias Fábulas Filosóficas de Jules Laforgue pela Iluminuras (1989)
>>> Caos - Crônicas Políticas de Pier Paolo Pasolini pela Brasiliense (1982)
>>> Os Jovens Infelizes - Antologia de Ensaios Corsários de Pier Paolo Pasolini pela Martins Fontes (2013)
>>> A Maçã no Escuro de Clarice Lispector pela Francisco Alves (1992)
>>> As Ultimas Palavras do Herege de Pier Paolo Pasolini pela Brasiliense (1983)
>>> Triângulo das Águas de Caio Fernando Abreu pela Siciliano (1997)
>>> Romanceiro da Inconfidência de Cecília Meireles pela Nova Fronteira (1989)
>>> A Importância do Ato de Ler de Paulo Freire pela Cortez (1989)
>>> As Idades da Vida de Romano Guardini pela Quadrante (1997)
>>> Cruz E Sousa E Baudelaire Satanismo Poético de Márie Helene Catherine Torres pela Ufsc (1998)
>>> A Morte dos Deuses de Michel Henry pela Jorge Zahar (1985)
>>> Vida Emocional dos Civilizados de Melanie Klein / Joan Riviere pela Zahar (1962)
>>> Um Simples Livro De Culinária Para As Classes Trabalhadoras de Charles Elmé Franvatelli pela Angra (2001)
>>> Meu Destino é Pecar de Suzana Flag (Nelson Rodrigues) pela Ediouro
>>> Guerra Dentro do Beco de Jorge de Lima pela Civilização Brasileira (1997)
>>> Avalovara de Osman Lins pela Melhoramentos (1975)
COLUNAS

Quarta-feira, 21/7/2004
Quando a cidade inteira é uma festa: Berlim!
Daniela Sandler

+ de 4600 Acessos

Berlim é uma festa. Uma, não - muitas, aliás, espalhadas pela cidade inteira, pelo ano inteiro, em todas as horas do dia. E digo isso não apenas por conta da vida noturna da cidade, cultivada em clubes, bares e shows todos os dias da semana. A festa berlinense não se resume a esses pontos isolados de diversão: esparrama-se pela cidade, toma as ruas, espaços abertos, espaços fechados, borrando a distinção entre público e privado e ganhando dimensão urbana.

Pois a mesma sede por diversão que anima a vida noturna e culmina na famosa Love Parade - uma espécie de carnaval tecno - é partilhada por gente de todas as idades e todos os gostos, e se manifesta numa atitude generalizada de aproveitar a cidade, ocupar seus espaços públicos, e festejar. No verão isso se evidencia com as festas de rua, tradicionais em toda a Alemanha: barraquinhas de comida, cerveja e artesanato tomam praças, calçadas e ruas de pedestres, em geral complementadas por um palco onde toca todo tipo de banda. No centro da metrópole a prefeitura organiza uma série de eventos ao ar livre durante toda a estação: óperas, shows, peças de teatro, happy hour e festas dançantes. O festival acontence na chamada “Ilha dos Museus” (Museumsinsel) - em si uma atração, um pedacinho de terra no meio do rio Spree ocupado por cinco edifícios históricos que abrigam arte e antigüidades - e no “Fórum Cultural” (Kulturforum), um conjunto de prédios modernos, também museus. No meio de arquitetura histórica e moderna, no coração de Berlim, o público toma o espaço aberto e conjuga a fruição do evento artístico à fruição da cidade.

Os shows da Ilha dos Museus são pagos, e alguns são caros - o que não diminui sua popularidade. Mas há inúmeras outras opções em que não se gasta um tostão. Entre elas, as paradas de rua, da qual a Love Parade é só um exemplo. Em maio, o “Carnaval das Culturas” dura quatro dias. Pelas ruas do bairro de Kreuzberg desfilam grupos de música e dança de várias nacionalidades (o Brasil tem sempre presença dominante), e nos parques e praças há shows de música, dança, capoeira, e barraquinhas com comidas típicas.

Em junho é a vez da “Christopher Street Day Parade”, a parada gay: carros de som apinhados de gente dançando tecno cruzam o Kurfürstendamm (avenida central em Berlim Ocidental) e se enfiam pelo bairro de Schöneberg (tradicional reduto da comunidade gay), em plena luz do dia, em meio a uma multidão dançante e fantasiada. A Love Parade é também um desfile tecno, que chegou a reunir um milhão de pessoas em seu auge, em 1999. Este ano, pela primeira vez desde seu início há quinze anos, a Love Parade não aconteceu - os organizadores não queriam arcar com os custos de limpeza, e a prefeitura proibiu. Em protesto, alguns entusiastas da parada organizaram - adivinhe! - uma demonstração em forma de festa, com som tecno e roupas coloridas no Kurfürstendamm.

Festas ilegais e casas ocupadas

Esse espírito de se apropriar da cidade e transformá-la numa festa ocupa tanto os espaços abertos das ruas como lugares fechados e privados. E se nas ruas o uso do espaço é regulado pelo governo, em espaços fechados esse nem sempre é o caso. Entre os clubes noturnos mais disputados estão os “clandestinos” ou “ilegais”, em que os organizadores utilizam espaços vazios ou abandonados para festas - casas, galpões, ruínas, até mesmo pontes. Essas festas são divulgadas no boca-a-boca e remontam à época da queda do Muro, em 1989, quando o centro de Berlim ainda estava semi-arruinado. Com o fim do regime comunista, a posse de imóveis em Berlim Oriental revelou-se uma questão complicada, e nos primeiros anos após a unificação muitos proprietários ainda não tinham sido definidos. No hiato entre a queda do Muro e a renovação urbana dos bairros centrais, sobravam lugares e oportunidades para as festas clandestinas, movidas pela euforia da nova era e pelo influxo de jovens e artistas de toda parte.

Essa efervescência temerária era, por natureza, fugaz, e assim como a cara da cidade foi se fixando em fachadas renovadas e vitrines de novos negócios, a vida noturna foi se cristalizando em clubes e bares fixos e oficiais. Hoje os clubes clandestinos rareiam. Mas a atitude das festividades nômades permanece na postura berlinense de enxergar a cidade como campo aberto para ação e transformação, rompendo limites estabelecidos por lei ou por hábito e criando algo novo, e em muitos casos melhor.

Essa atitude rebelde, utópica, já havia se manifestado, nos anos 70 e 80, na ocupação de edifícios antigos abandonados. Seus “invasores” eram comunidades de jovens desejosos por viver de uma maneira mais livre, regidos por espírito fraternal em vez de espírito comercial. As lendárias “casas ocupadas” de Kreuzberg, em Berlim Ocidental, e depois de 89 em Prenzlauer Berg e Friedrichshain, em Berlim Oriental, estão hoje quase todas regularizadas - devolvidas ao proprietário original, compradas pelos próprios “posseiros” ou por investores. Agora dentro da lei, a idéia de comunidade permanece em muitas delas, onde os habitantes-proprietários participam da restauração arquitetônica e colaboram na administração do edifício.

Celebrar a cidade

A vida festiva e pública dos berlinenses não se limita ao uso da cidade para celebrações, mas inclui também a própria celebração da cidade. Como, por exemplo, no “Dia da Arquitetura” (Tag der Architektur), um fim-de-semana em que mais de trinta escritórios de arquitetura abrem suas portas à visitação pública, e arquitetos conduzem visitas por suas obras recentes. Essas obras, que incluem casas particulares, hospitais, edifícios de escritórios, e restauração de prédios antigos, são selecionadas pela Câmara de Arquitetos de Berlim (Architektenkammer Berlin), e são apresentadas também numa exposição gratuita e num livro. As visitas guiadas também são gratuitas. Embora várias ocorram ao mesmo tempo, em cada uma há sempre no mínimo quinze ou vinte pessoas interessadas em aprender mais sobre sua cidade. Os arquitetos-guias dedicam algumas horas de seu dia para passear por suas obras e esclarecer dúvidas dos visitantes. Dessa maneira, os autores de edifícios - que, com seus projetos, inserem sua marca na face pública da cidade - desempenham eles próprios um papel público, entrando em diálogo com um grupo de desconhecidos, de todo tipo de profissão e idade, que normalmente não teriam a chance de um contato tão próximo com aqueles que estão produzindo a cidade. Alô, IAB (Instituto dos Arquitetos do Brasil) - que tal algo parecido em São Paulo?

Um evento similar, de maior porte, é dedicado a monumentos e edifícios históricos. No chamado “Tag des offenen Denkmals” - que pode ser traduzido como “Dia do Monumento Público” ou “Dia do Monumento Aberto” -, construções históricas abrem suas portas ao público, e a cidade é tomada por visitas guiadas em prédios, parques, quarteirões. Muitas vezes mais de cem pessoas participam das visitas gratuitas. O evento tem um clima festivo, de recreação; os passeios pela cidade são como pequenas incursões turísticas, e o acesso a locais normalmente fechados ao público dá um tom especial, celebratório. Por meio da festa, a história da cidade é revisitada e renovada pelo interesse dos participantes. No fim do dia, valorizam-se não apenas os locais e monumentos visitados, mas a cidade inteira. Pois, mais do que a data de construção ou o estilo arquitetônico deste ou daquele prédio, a beleza do “Dia do Monumento” está em pôr em prática a idéia de que a cidade merece um olhar atento, merece ser conhecida e descoberta em sua história e suas condições atuais - não para ser admirada com reverência, mas para ser conservada e melhorada.

Esses eventos não se resumem ao verão, nem a construções. Durante a “Longa Noite dos Museus” (Lange Nacht der Museen), ônibus especiais transportam as pessoas por uma rota com dezenas de atrações culturais, incluindo não só os excelentes e inúmeros museus de Berlim, como vernissages em embaixadas, galerias, e o aquário municipal. Com um ingresso apenas, que custa menos que duas entradas de museu, o acesso é livre a todos os locais na rota, e aos ônibus que circulam a noite inteira. A “Longa Noite das Ciências” (Lange Nacht der Wissenschaften) é similar, mas dedicada, como o nome diz, a temas científicos, em exposições, feiras e palestras.

Tradição de espaço público

E até mesmo na época mais fria do ano, quando escurece às quatro da tarde e as temperaturas caem fácil abaixo de zero, as pessoas saem às ruas para se divertir nos Mercados de Natal de Berlim (Weihnachtsmärkte). Uma espécie de festa junina, esses mercados são montados pela cidade inteira e duram de um a dois meses, de novembro até o fim de dezembro. Artesanato de Natal, como bonequinhos de madeira e enfeites de árvore, se misturam a comidas típicas: lingüiça, bolinhos-de-chuva (sua versão alemã, chamada Quarkbällchen), um tipo de pão-de-mel (Lebkuchen), e, claro, vinho quente (Glühwein), servido em canecas enormes.

Os mercados de Natal são um bom exemplo da utilização do espaço público urbano - ou, melhor dizendo, de como essa utilização está arraigada em práticas sociais. Esses mercados, tradicionais em toda a Alemanha, vêm sendo realizados desde a Idade Média - assim como os mercados urbanos normais, em que os agricultores e habitantes das cidades vinham vender sua produção. Essa apropriação do espaço coletivo e aberto da cidade - ruas, e a praça do mercado - era, é claro, controlada pelo governo. Assim como é hoje em dia. Mas esse controle, que tem como objetivo garantir a segurança e a organização para todos, não tolhe o caráter público do evento. Da mesma forma, o ingresso para a Longa Noite dos Museus ou para o festival na Museumsinsel não os torna “privados”, e não diminui a interação entre público e cidade, pessoas e espaço, pessoas e pessoas - interação que, afinal, é o que muitos de nós temos em mente quando, sonhadores, proferimos as palavrinhas mágicas: “espaço público”....


Daniela Sandler
Riverside, 21/7/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Paixões e baratas de Elisa Andrade Buzzo
02. Fake na art e a pet humana de Gian Danton
03. Meu Caro Amigo de Carina Destempero
04. Cachorros e Lágrimas de André Simões
05. Quatro autores e um sentimento do mundo de Marilia Mota Silva


Mais Daniela Sandler
Mais Acessadas de Daniela Sandler em 2004
01. Olá, Lênin! - 10/3/2004
02. Brasil em alemão - 7/7/2004
03. Muros em Berlim, quinze anos depois - 24/11/2004
04. Dia D, lembrança e esquecimento - 9/6/2004
05. Fritas acompanham? - 18/8/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A MORTE É CONTAGIOSA
CHARLIE HIGSON
RECORD
(2007)
R$ 25,28



MATEMATICA PROJETO MULTIPLO VOLUME 2 BOX COMPLETO
LUIZ ROBERTO DANTE
ATICA
(2014)
R$ 99,90



A GUERRA CONJUGAL
DALTON TREVISAN
RECORD
(1979)
R$ 10,00



DANÇANDO NA LUZ
SHIRLEY MACLAINE
RECORD
R$ 6,00



NO BALANCÊ DO ABECÊ
ELIAS JOS
PAULUS
(1996)
R$ 7,00



APRENDIZES COM AUSTISMO: APRENDIZAGEM POR EIXOS DE INTERESSE ...
SILVIA ESTER ORR
VOZES
(2016)
R$ 49,95



A VERDADE POR TRÁS DO GOOGLE
ALEJANDRO SUÁREZ SÁNCHEZ OCAÑA
PLANETA
(2013)
R$ 26,00



INTERVENTION
ROBIN COOK
BERKLEY NOVEL
R$ 49,16



AMAR PODE DAR CERTO - 48ª EDIÇÃO
ROBERTO T. SHINYASHIKI /ELIANA BITTENCOURT DUMET
GENTE
(1988)
R$ 6,00



MANUAL GLOBO DO AUTOMÓVEL : FUNILARIA E PINTURA
GLOBO
GLOBO
(1988)
R$ 7,90





busca | avançada
75359 visitas/dia
2,6 milhões/mês