Quando a cidade inteira é uma festa: Berlim! | Daniela Sandler | Digestivo Cultural

busca | avançada
44867 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 21/7/2004
Quando a cidade inteira é uma festa: Berlim!
Daniela Sandler

+ de 4500 Acessos

Berlim é uma festa. Uma, não - muitas, aliás, espalhadas pela cidade inteira, pelo ano inteiro, em todas as horas do dia. E digo isso não apenas por conta da vida noturna da cidade, cultivada em clubes, bares e shows todos os dias da semana. A festa berlinense não se resume a esses pontos isolados de diversão: esparrama-se pela cidade, toma as ruas, espaços abertos, espaços fechados, borrando a distinção entre público e privado e ganhando dimensão urbana.

Pois a mesma sede por diversão que anima a vida noturna e culmina na famosa Love Parade - uma espécie de carnaval tecno - é partilhada por gente de todas as idades e todos os gostos, e se manifesta numa atitude generalizada de aproveitar a cidade, ocupar seus espaços públicos, e festejar. No verão isso se evidencia com as festas de rua, tradicionais em toda a Alemanha: barraquinhas de comida, cerveja e artesanato tomam praças, calçadas e ruas de pedestres, em geral complementadas por um palco onde toca todo tipo de banda. No centro da metrópole a prefeitura organiza uma série de eventos ao ar livre durante toda a estação: óperas, shows, peças de teatro, happy hour e festas dançantes. O festival acontence na chamada “Ilha dos Museus” (Museumsinsel) - em si uma atração, um pedacinho de terra no meio do rio Spree ocupado por cinco edifícios históricos que abrigam arte e antigüidades - e no “Fórum Cultural” (Kulturforum), um conjunto de prédios modernos, também museus. No meio de arquitetura histórica e moderna, no coração de Berlim, o público toma o espaço aberto e conjuga a fruição do evento artístico à fruição da cidade.

Os shows da Ilha dos Museus são pagos, e alguns são caros - o que não diminui sua popularidade. Mas há inúmeras outras opções em que não se gasta um tostão. Entre elas, as paradas de rua, da qual a Love Parade é só um exemplo. Em maio, o “Carnaval das Culturas” dura quatro dias. Pelas ruas do bairro de Kreuzberg desfilam grupos de música e dança de várias nacionalidades (o Brasil tem sempre presença dominante), e nos parques e praças há shows de música, dança, capoeira, e barraquinhas com comidas típicas.

Em junho é a vez da “Christopher Street Day Parade”, a parada gay: carros de som apinhados de gente dançando tecno cruzam o Kurfürstendamm (avenida central em Berlim Ocidental) e se enfiam pelo bairro de Schöneberg (tradicional reduto da comunidade gay), em plena luz do dia, em meio a uma multidão dançante e fantasiada. A Love Parade é também um desfile tecno, que chegou a reunir um milhão de pessoas em seu auge, em 1999. Este ano, pela primeira vez desde seu início há quinze anos, a Love Parade não aconteceu - os organizadores não queriam arcar com os custos de limpeza, e a prefeitura proibiu. Em protesto, alguns entusiastas da parada organizaram - adivinhe! - uma demonstração em forma de festa, com som tecno e roupas coloridas no Kurfürstendamm.

Festas ilegais e casas ocupadas

Esse espírito de se apropriar da cidade e transformá-la numa festa ocupa tanto os espaços abertos das ruas como lugares fechados e privados. E se nas ruas o uso do espaço é regulado pelo governo, em espaços fechados esse nem sempre é o caso. Entre os clubes noturnos mais disputados estão os “clandestinos” ou “ilegais”, em que os organizadores utilizam espaços vazios ou abandonados para festas - casas, galpões, ruínas, até mesmo pontes. Essas festas são divulgadas no boca-a-boca e remontam à época da queda do Muro, em 1989, quando o centro de Berlim ainda estava semi-arruinado. Com o fim do regime comunista, a posse de imóveis em Berlim Oriental revelou-se uma questão complicada, e nos primeiros anos após a unificação muitos proprietários ainda não tinham sido definidos. No hiato entre a queda do Muro e a renovação urbana dos bairros centrais, sobravam lugares e oportunidades para as festas clandestinas, movidas pela euforia da nova era e pelo influxo de jovens e artistas de toda parte.

Essa efervescência temerária era, por natureza, fugaz, e assim como a cara da cidade foi se fixando em fachadas renovadas e vitrines de novos negócios, a vida noturna foi se cristalizando em clubes e bares fixos e oficiais. Hoje os clubes clandestinos rareiam. Mas a atitude das festividades nômades permanece na postura berlinense de enxergar a cidade como campo aberto para ação e transformação, rompendo limites estabelecidos por lei ou por hábito e criando algo novo, e em muitos casos melhor.

Essa atitude rebelde, utópica, já havia se manifestado, nos anos 70 e 80, na ocupação de edifícios antigos abandonados. Seus “invasores” eram comunidades de jovens desejosos por viver de uma maneira mais livre, regidos por espírito fraternal em vez de espírito comercial. As lendárias “casas ocupadas” de Kreuzberg, em Berlim Ocidental, e depois de 89 em Prenzlauer Berg e Friedrichshain, em Berlim Oriental, estão hoje quase todas regularizadas - devolvidas ao proprietário original, compradas pelos próprios “posseiros” ou por investores. Agora dentro da lei, a idéia de comunidade permanece em muitas delas, onde os habitantes-proprietários participam da restauração arquitetônica e colaboram na administração do edifício.

Celebrar a cidade

A vida festiva e pública dos berlinenses não se limita ao uso da cidade para celebrações, mas inclui também a própria celebração da cidade. Como, por exemplo, no “Dia da Arquitetura” (Tag der Architektur), um fim-de-semana em que mais de trinta escritórios de arquitetura abrem suas portas à visitação pública, e arquitetos conduzem visitas por suas obras recentes. Essas obras, que incluem casas particulares, hospitais, edifícios de escritórios, e restauração de prédios antigos, são selecionadas pela Câmara de Arquitetos de Berlim (Architektenkammer Berlin), e são apresentadas também numa exposição gratuita e num livro. As visitas guiadas também são gratuitas. Embora várias ocorram ao mesmo tempo, em cada uma há sempre no mínimo quinze ou vinte pessoas interessadas em aprender mais sobre sua cidade. Os arquitetos-guias dedicam algumas horas de seu dia para passear por suas obras e esclarecer dúvidas dos visitantes. Dessa maneira, os autores de edifícios - que, com seus projetos, inserem sua marca na face pública da cidade - desempenham eles próprios um papel público, entrando em diálogo com um grupo de desconhecidos, de todo tipo de profissão e idade, que normalmente não teriam a chance de um contato tão próximo com aqueles que estão produzindo a cidade. Alô, IAB (Instituto dos Arquitetos do Brasil) - que tal algo parecido em São Paulo?

Um evento similar, de maior porte, é dedicado a monumentos e edifícios históricos. No chamado “Tag des offenen Denkmals” - que pode ser traduzido como “Dia do Monumento Público” ou “Dia do Monumento Aberto” -, construções históricas abrem suas portas ao público, e a cidade é tomada por visitas guiadas em prédios, parques, quarteirões. Muitas vezes mais de cem pessoas participam das visitas gratuitas. O evento tem um clima festivo, de recreação; os passeios pela cidade são como pequenas incursões turísticas, e o acesso a locais normalmente fechados ao público dá um tom especial, celebratório. Por meio da festa, a história da cidade é revisitada e renovada pelo interesse dos participantes. No fim do dia, valorizam-se não apenas os locais e monumentos visitados, mas a cidade inteira. Pois, mais do que a data de construção ou o estilo arquitetônico deste ou daquele prédio, a beleza do “Dia do Monumento” está em pôr em prática a idéia de que a cidade merece um olhar atento, merece ser conhecida e descoberta em sua história e suas condições atuais - não para ser admirada com reverência, mas para ser conservada e melhorada.

Esses eventos não se resumem ao verão, nem a construções. Durante a “Longa Noite dos Museus” (Lange Nacht der Museen), ônibus especiais transportam as pessoas por uma rota com dezenas de atrações culturais, incluindo não só os excelentes e inúmeros museus de Berlim, como vernissages em embaixadas, galerias, e o aquário municipal. Com um ingresso apenas, que custa menos que duas entradas de museu, o acesso é livre a todos os locais na rota, e aos ônibus que circulam a noite inteira. A “Longa Noite das Ciências” (Lange Nacht der Wissenschaften) é similar, mas dedicada, como o nome diz, a temas científicos, em exposições, feiras e palestras.

Tradição de espaço público

E até mesmo na época mais fria do ano, quando escurece às quatro da tarde e as temperaturas caem fácil abaixo de zero, as pessoas saem às ruas para se divertir nos Mercados de Natal de Berlim (Weihnachtsmärkte). Uma espécie de festa junina, esses mercados são montados pela cidade inteira e duram de um a dois meses, de novembro até o fim de dezembro. Artesanato de Natal, como bonequinhos de madeira e enfeites de árvore, se misturam a comidas típicas: lingüiça, bolinhos-de-chuva (sua versão alemã, chamada Quarkbällchen), um tipo de pão-de-mel (Lebkuchen), e, claro, vinho quente (Glühwein), servido em canecas enormes.

Os mercados de Natal são um bom exemplo da utilização do espaço público urbano - ou, melhor dizendo, de como essa utilização está arraigada em práticas sociais. Esses mercados, tradicionais em toda a Alemanha, vêm sendo realizados desde a Idade Média - assim como os mercados urbanos normais, em que os agricultores e habitantes das cidades vinham vender sua produção. Essa apropriação do espaço coletivo e aberto da cidade - ruas, e a praça do mercado - era, é claro, controlada pelo governo. Assim como é hoje em dia. Mas esse controle, que tem como objetivo garantir a segurança e a organização para todos, não tolhe o caráter público do evento. Da mesma forma, o ingresso para a Longa Noite dos Museus ou para o festival na Museumsinsel não os torna “privados”, e não diminui a interação entre público e cidade, pessoas e espaço, pessoas e pessoas - interação que, afinal, é o que muitos de nós temos em mente quando, sonhadores, proferimos as palavrinhas mágicas: “espaço público”....


Daniela Sandler
Berlim, 21/7/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Carnaval que passava embaixo da minha janela de Elisa Andrade Buzzo
02. Gabo, os escritores e a política de Wellington Machado
03. Eugène Delacroix, um quadro uma revolução de Jardel Dias Cavalcanti
04. Hitch 22 de Guilherme Pontes Coelho
05. Mp3: da pirataria ao Bolsa-Download? de Paulo de Resende


Mais Daniela Sandler
Mais Acessadas de Daniela Sandler em 2004
01. Olá, Lênin! - 10/3/2004
02. Brasil em alemão - 7/7/2004
03. Muros em Berlim, quinze anos depois - 24/11/2004
04. Dia D, lembrança e esquecimento - 9/6/2004
05. Fritas acompanham? - 18/8/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




NOVOS ESTUDOS CEBRAP 88
VARIOS
EDIÇÕES CEBRAP
(2010)
R$ 14,90



DEMOLIDOR: FIM DOS DIAS - VOLUME 1
BRIAN MICHAEL BENDIS & DAVID MACK
PANINI COMICS / MARVEL
(2015)
R$ 20,00



C++ PARA UNIVERSITÁRIOS (AUTOGRAFADO)
LINCOLN CÉSAR ZAMBONI E SERGIO VICENTE PAMBOUKIAN
PÁGINAS E LETRAS
(2006)
R$ 35,00



MATEMÁTICA APLICADA À GESTÃO CADERNO DE APOIO
JOSÉ MANUEL ZORRO MENDES
UNIVERSIDADE ABERTA
(1997)
R$ 24,97



PESQUISAS SOBRE O SENTIDO DA VIDA
PAULO FINOTTI
DO AUTOR
R$ 6,90



A HISTÓRIA DE DORA VOADORA LACRADO
TONI BRANDÃO
STUDIO NOBEL
(2003)
R$ 14,00



SIGNO SOLAR SIGNO LUNAR
CHARLES HARVEY E SUZI HARVEY
NOVA ERA
(1998)
R$ 12,00



DISCOURSES VOL 2
MEHER BABA
SUFISM REORIENTED
(1971)
R$ 29,82



A VERDADE DE CADA UM
AMIR LABAKI (ORG.)
COSAC NAIFY
(2015)
R$ 149,90



A ROMANA
ALBERTO MORAVIA
ABRIL
(1972)
R$ 15,00





busca | avançada
44867 visitas/dia
1,2 milhão/mês