Amando quem não existe | Alexandre Soares Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
74378 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Zé Guilherme recebe o pianista Matheus Ferreira na série EntreMeios
>>> Chamada Vale recebe cadastro de cerca de 3 mil projetos
>>> Lançamento do Mini Doc Tempo dell'Anima
>>> Cinema in Concert com João Carlos Martins une o cinema à música sinfônica em espetáculo audiovisual
>>> Editora Unesp lança 20 livros para download gratuito
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Filmes de saiote
>>> Aerosmith no Morumbi
>>> E aí...
>>> Goodbye, virtual. Hello, new.
>>> Alguém ainda acredita em Deus?
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> As Cem Melhores Crônicas Brasileiras
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> A soberba de Beauvoir
>>> Somos todos consumidores
Mais Recentes
>>> Triste Fim de Policarpo Quaresma de Lima Barreto pela Objetivo (2000)
>>> Quincas Borba -Texto Completo de Machado de Assis pela Avenida (2000)
>>> Mojo The Collectors´ Series de Led Zeppelin 1968 - 1973 pela Bauer Media (2020)
>>> O Cortiço [Coleção Vestibular] de Aluisio Azevedo pela Klick (2000)
>>> Psicologia Para A Vida Familiar – Uma Abordagem Situacional de Paul Hersey e Kenneth H. Blanchard pela Epu (1986)
>>> Julio Cesar de William Shakespeare de William Shakespere pela Ediouro (2015)
>>> Personalidade de Dante Moreira Leite pela Nacional (1967)
>>> He – A Chave do Entendimento da Psicologia Masculina de Robert A. Johnson pela Mercuryo (1987)
>>> O Cão de Baskerville -uma aventura de Sherlock Holmes de Sir Arthur Conan Doyle pela Lpm pocket (2015)
>>> Introdução à Psicologia das Relações Humanas de Irene Mello Carvalho pela Fundação Getúlio Vargas (1964)
>>> A Arte do Aconselhamento Psicológico de Rollo May pela Vozes (1987)
>>> Entre o sertão e Sevilha - de Joao Cabral de Melo Neto pela Ediouro (1997)
>>> Maturidade Psicológica de Angela Maria La Sala Batà pela Pensamento (1983)
>>> Um olhar sobre as serviçais domésticas na literatura portuguesa de Sonia Mara Ruiz Brown pela Brazil Publishing (2020)
>>> o Feiticeiro da Montanha de Fogo - de Steve Jackson pela Jambo (2010)
>>> A definição da psicologia de Fred S.Keller pela E.p.u (1975)
>>> CD Gaúcho da fronteira de Warner music Brasil pela Chantêcler Sonopress (1994)
>>> A inteligência aprisionada de Alicia Fernández pela Artmed (1991)
>>> Veja 25 anos - Reflexões para o Futuro de Diversos pela Abril (1990)
>>> O Enorme livro dos pensamentos de Casseta volume 2 - de Casseta&Planeta pela Record (2012)
>>> Uma Teoria da Justiça de John Rawls pela Presença (2016)
>>> "Encaramujado" ,uma viagem de Kombi pelo Brasil - n de Antoio Lino pela Creative Commons (2011)
>>> Para Leer El Capital - Biblioteca Del Pensamiento Socialista de Louis Althusser; Etienne Balibar pela Siglo Veintiuno (1977)
>>> Aa 500 Melhores coisas de ser pai . de Sérgio Franco pela Matrix (2009)
>>> Três Sombras - em quadrinhos de Cyril Pedrosa pela Quadrinhos na Companhia (2009)
>>> A Arte de ser leve de Leila Ferreira pela Globo (2010)
>>> Construindo uma Vida de Roberto Justus pela Larousse (2007)
>>> Espaço de G. Carmo pela Ibrasa (1984)
>>> Senha: "Coragem ! " de John Castle pela Flamboyant (1965)
>>> Don Quixote Americano de Richard Powell pela Nova Fronteira (2003)
>>> As Duas Vidas de Audrey Rose de Frank de Fellita pela Circulo do Livro (1975)
>>> O Duelo de Roger Pla pela Brasileira (1951)
>>> Freud e o Desejo de Marie Cariou pela Imago (1978)
>>> O Ponto da Virada de Malcolm Gladwell pela Sextante (2009)
>>> Passeando Pela Vida Lições de Filosofia de Lúcio Packter pela Garapuvu (1999)
>>> A vulnerabilidade do ser de Claudia Andujar pela Cosac Naif (2005)
>>> A Relação ao Outro em Husserl e Levinas de Marcelo Luiz Pelizzoli pela Edipucrs (1994)
>>> O Pensamento Vivo de Teilhard de Chardin de José Luiz Archanjo pela Martin Claret (1988)
>>> Revista Brasileira de Filosofia – Volume XLVI – Fascículo 190 de Vários Autores pela Instituto Brasileira de Filosofia (1998)
>>> Grandes Tendências na Filosofia do Século XX e Sua Influência no Brasil de Urbano Zilles pela Educs (1987)
>>> Descartes – Os Pensadores de Rene Descartes pela Abril Cultural (1983)
>>> O mistério da estrela cadente de Vários Autores pela Ftd (1996)
>>> Lydia e Eu de Dimia Fargon pela Literis (2010)
>>> Na saga dos anos 60 de Carlos Olavo da Cunha Pereira pela Geração (2013)
>>> O paraíso dos desafortunados de Amanda Hernández Marques pela Chiado (2013)
>>> Madamme C 05 de Vinícius Ulrich pela Rocco (2000)
>>> Bodas de Pedra de Kissyan Castro pela Chiado (2013)
>>> Apague o cigarro da sua vida de Dra. Cammille pela Alaúde (2006)
>>> Transição Revolucionária de David Carneiro pela Atena
>>> Quem sou eu? Como o Evangelho Completo devolve a verdadeira identidade de Willy Torresin de Oliveira pela Victory (2017)
COLUNAS

Sexta-feira, 26/7/2002
Amando quem não existe
Alexandre Soares Silva

+ de 7800 Acessos
+ 14 Comentário(s)

Para mostrar o quanto era pecador no passado, Santo Agostinho diz (logo no início das "Confissões") que quando jovem não chorava nunca pela própria morte espiritual em que vivia, mas que era capaz de chorar pela morte de um personagem de ficção saído da Eneida de Virgílio. "Nada mais digno de compaixão do que o infeliz que derrama lágrimas pela morte de Dido, (...), sem se compadecer de si mesmo nem chorar a própria morte por falta de amor para convosco, ó meu Deus, luz da minha alma..." ("Confissões", Livro Um).

Bom, me lembrei disso outro dia ao quase chorar (quase, quase) a morte de um detetive melômano e alcólatra chamado Inspetor Morse. Que jamais existiu no mesmo universo em que eu existo; que, em outras palavras, é um personagem de ficção. Mas ele morreu no livro, e as lágrimas ameaçaram sair. As luzes da cidade lá fora chegaram a virar cruzinhas. "É só um livro", eu pensei, olhando para a capa; "é só um livro, feito de papel." Olhei a cara do autor, Colin Dexter, na contracapa: um homem gordinho, sexagenário, num pub, sorrindo com um copo de cerveja na mão. Me forcei a lembrar que aquele homem tinha pensado num inglês imaginário, um detetive ríspido e presunçoso, e depois tinha pensado na morte dele; tudo tinha se passado dentro daquela cabeça redonda, e se repetido dentro da minha cabeça oval; e ninguém tinha morrido de fato. Mas eu não sentia que isso era assim.

Amamos alguns personagens. Santo Agostinho amou Dido, ou não teria chorado a morte dela. Há quem ame personagens de novela e chore quando a novela acaba. Paulo Francis, como todos nós que lemos Guerra e Paz e Suave é a Noite, amou Natascha Rostov e Nicole Diver. E eu também tenho a minha lista - começando com Hercule Poirot, que foi o primeiro personagem que eu amei. Emília, Don Quixote, Pedro Bezúkov, Tom Ripley, Philip Marlowe, Emma Woodehouse, Sherlock Holmes, Aslan. Que essas pessoas não existam é um detalhe irrelevante, e ficar insistindo nesse ponto é tão grosseiro quanto não gostar de uma pessoa porque ela tem hemorróidas. É um pequeno defeito; a polidez manda que não se mencione o assunto.

Mas há um ponto em que existir ou não existir, no objeto amado, faz muita diferença; há um ponto em que não existir é definitivamente uma vantagem no objeto amado. Morreu alguém que você ama - e tudo o que você tem é a lembrança. Lembrança é bom, mas não é a mesma coisa que a pessoa em si. Aquele clichê de fulano ou fulana que "viverá em nossos corações" é um consolo, mas um consolo pobre. A pessoa "que vive em nossos corações" é uma cópia pálida - não tem de modo algum a mesma natureza da pessoa que de fato viveu. Não é só uma questão de intensidade de existência - é uma questão de natureza de existência. Um era uma pessoa, o outro é uma lembrança de uma pessoa.

Mas veja o caso de alguém que nunca existiu. Veja o caso do bom e velho e ríspido Inspetor Endeavour Morse. Ele morreu na página 420 do romance "The Remorseful Day", "e eu aceitei que ele tivesse morrido. Minutos depois, no entanto, já com saudades, abri o livro na página 7, e lá estava Morse na sala dele, de noitinha, ouvindo Schubert. E o Morse que agora ouvia Schubert não era uma lembrança de Morse, mas o verdadeiro Morse, em nada modificado na sua natureza, e tão verdadeiramente vivo quanto jamais tinha estado.

Melhor ainda: a qualquer momento posso pegar o primeiro livro em que Morse apareceu ("Last Bus to Woodstock", 1975), e vê-lo lá, bebendo cerveja, resolvendo palavras cruzadas - inteiramente vivo, vivo de verdade, tanto quanto a ficção permite, e tanto quanto ele jamais esteve - e a décadas da própria morte.

A Série
Há uma série sobre o Inspetor Morse passando atualmente no canal Film & Arts, com John Thaw no papel de Morse. A série é boa - não tão boa quanto os livros, mas é boa. Vários diretores ingleses agora famosos começaram as carreiras por lá (Danny Boyle, Anthony Minghella, etc). E é impossível imaginar agora o Inspetor Morse com outra cara ou outra voz que não a de John Thaw (1942-2002).

No Love
Passemos rapidamente por um livro chamado "Personae" (Ed. Senac, Org. por Lourenço Dantas Mota e Benjamim Abdala Junior). Neste livro, doze professores e escritores falam sobre as vidas de doze personagens de romances brasileiros: Iracema, Capitu, etc. Mas é sem amor. Está certo que deve ser difícil amar um chato como Paulo Honório, o protagonista de São Bernardo, de Graciliano Ramos. É um grande personagem; mas inamável. Não há quem ame aquela besta, e o escritor que escreve sobre ele nem tenta fingir. Só Marisa Lajolo parece escrever com o amor do qual eu estava falando lá em cima - e o ensaio dela sobre a Emília quase vale pelo livro todo.

Quase. Para um livro de introdução aos personagens, não há sentido em que os ensaios introdutórios sejam mais chatos do que os livros em que os personagens aparecem. Não há entusiasmo algum. Por algum motivo, professores brasileiros de literatura sentem vergonha de amar personagens. Parece simplório demais; um "nível de leitura" (argh) primitivo. Lembro bem de uma enquete feita pela Folha, faz pouco, entre professores de literatura, para saber quais os personagens preferidos deles na literatura nacional. A maioria pareceu responder com um certo nojo; diziam algum nome, mas também diziam algo do tipo "não penso em termos de personagem, penso em termos de estrutura verbal, o jogo lúdico autor-leitor", etc. O resultado de tanto desamor é este livro; e a única criatura amada neste livro é uma bonequinha recheada de macela, malvada e petulante, cujas primeiras palavras na vida são as que eu quero dizer também, depois de ter lido este livro: Estou com um horrível gosto de sapo na boca.

No Mundo da Muóda
O que eu não entendo no mundo da moda é o seguinte.

Bom, muita coisa. Mas principalmente isto. Fui no tal do São Paulo (desculpe) Fashion Week, para ver um desfile de biquíni, com a vaga esperança de que as modelos de biquíni fossem mais cheínhas. Não eram, é claro; as brancas, especialmente, eram um pouquinho aflitivas. Digamos que se uma delas estivesse na cama com você numa manhã fria, e você tocasse no ombro dela para acordá-la, machucaria a mão. (Ou se ela se virasse e o joelho dela batesse no seu. Dói só de pensar.) Mas não é da magreza delas que quero falar, porque todo mundo sabe que elas são horrivelmente magras. Às vezes, com uma roupa cobrindo os feixinhos, elas ficam bem; se não fosse o rosto quase sempre vazio de quem não tem propriamente um espírito, mas mais algo parecido com um princípio vital ou algo assim - como uma trepadeira ou uma baratinha. Mas vá lá, algumas delas até tem espírito. Tenho certeza que algumas delas devem ser interessantes, devem ter lido Milton, devem ouvir Wagner. Sou otimista. Pense em Lauren Hutton.

E andam mal. Usavam salto alto e quase todas elas mancavam. Se ninguém tivesse dado para elas a maldita aula de andar, elas andariam melhor. Mas chega, este não é um texto anti-modelo. Até porque acho ridículos esses textos em que nerds ridicularizam a Gisele Bündchen, quando é óbvio que se ela desse bola pra eles na vida real eles cairiam de joelhos agradecidos. Eu cairia. (Mas pode ser que em algum momento da noite eu me assustasse ao agarrar desavisadamente a canela dela).

Não, é a moda em si que eu não entendo. Os biquínis. Como todo mundo, prestei atenção neles, porque não havia muito o que ver nas modelos. E eram só biquínis. Não eram "malucos"; não eram feito de cacos de vidro, nem de tentáculos de polvo, nem de testículos de iguana, nem nada assim. Eram iguais a centenas de outros que se vê nas praias. Não posso acreditar que a mulher que desenhou aquilo (Paola Anita Robba, da Poko Pano) tenha sido a primeira a inventar faixas horizontais em laranja e amarelo. Ou que só ela tenha criado aquelas faixas naquela proporção específica. Não; necessariamente, aquilo já foi feito milhares de vezes ao longo dos últimos quarenta anos.

É como se todos os pintores, por exemplo, fossem reduzidos a copiar Mondrian, só variando sutilmente o tamanho dos quadrados. Do jeito que a pintura está, isso seria até um avanço; mas dificilmente despertaria algum entusiasmo genuíno. E no entanto, acabado o desfile, dezenas de pessoas deram urros de entusiasmo epiceno. Juro, urros. Não entendi. Não entendo. Nunca vou entender.

Mas me diverti. A certa altura tirei os óculos e as modelos viraram ovóides de luz branca. Desapareceram as expressões de tédio e nem dava pra perceber que os ovóides mancavam. Eu só via uma larga faixa laranja, que era a passarela, com os ovóides andando em cima. Muito bonito. Recomendo o mundo da moda a todos os míopes.

Jolly Good!



(Agradecimento: ao meu amigo Fabio Danesi - ex-Digestivo, atualmente escrevendo o FDR - pela companhia; e à Milene Chaves, da Elle - que, além do charme, nos contrabandeou para dentro daquele prédio alienígena no Ibirapuera...)


Alexandre Soares Silva
São Paulo, 26/7/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. estar onde eu não estou de Luís Fernando Amâncio
02. A grama do vizinho de Adriane Pasa
03. Meu Caro Amigo de Carina Destempero
04. Nem Aos Domingos de Marilia Mota Silva
05. Propostas para o nosso milênio (I) de Marcelo Spalding


Mais Alexandre Soares Silva
Mais Acessadas de Alexandre Soares Silva em 2002
01. Polêmicas - 29/11/2002
02. Filhos de Francis - 15/11/2002
03. Quem Não Lê Não É Humano - 3/5/2002
04. Psiquiatra declara Japão Oficialmente Maluco - 31/5/2002
05. Grandes Carcamanos da História - 21/6/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
26/7/2002
1.
11h40min
Ola Alexandre! Seu texto me confortou! Sempre achei que eu fosse meio, bem, esquisita, pela maneira como me envolvo com os livros que leio e os filmes que assisto. Eu me apaixono pelos personagens (veja so voce o que tenho passado ultimamente, depois de assistir Lilo and Stitch... aiaiai, aquele monstrinho azul... preciso ir ao Havai), choro por eles (tinha 9 anos quando chorei a morte de Jack, o cachorrinho de Laura Ingalls) e, pra sair da tristeza, so repetindo incessantemente: "Eh so um livro, eh so um livro...". Quantas vezes me senti ridicula por causa disto! Quanto aos ovoides... Tem certeza que eram ovoides? Nao seriam longas linhas verticais? Nao? Tenho estado sem internet ultimamente, resultado de uma mudanca de casa, de micro, de ares, enfim... e senti muita falta de seus textos. Definitivamente, preciso comprar "A Coisa não Deus". Para nao sofrer de crise de abstinencia quando estiver sem internet. Beijos. Kelly.
[Leia outros Comentários de Kelly Hatanaka]
26/7/2002
2.
23h21min
Adorei o texto, pois eu também me envolvo de maneira absoluta com personagens de filmes e de livros. Alías além do amor que chegamos a sentir como não comentar do ódio que certos personagens nos causam e, em analogia ao texto, quando e se morrem em algum momento do livro/filme sentimos uma satisfação tão intensa que voltamos a ler/ver o trecho só para satisfazer nossos instintos?? ROmulo
[Leia outros Comentários de Romulo Provinzano]
27/7/2002
03h41min
Olá, Kelly! Como foi de viagem? A Rive Gauche continua do lado esquerdo, a Droite do direito? A cúpula dos Invalides continua brilhando sob o sol? Quanto aos ovóides, esse é o benefício de ser bem míope...Kelly, bem-vinda de volta, apareça sempre; e se algum dia você ler o "A Coisa Não-Deus", espero que não se desaponte e me diga, depois, o que achou. Está bem? Beijos, Alexandre.- PS: Meus modos! Nem agradeci a sua mensagem simpática! Obrigado, Kelly!
[Leia outros Comentários de Alexandre]
27/7/2002
03h49min
Romulo, é verdade, acontece comigo também; me lembro de ter relido certas passagens de pulps algumas vezes para ver de novo alguém partindo desta para a (supostamente) melhor...Isso não deve ser um bom sinal sobre as nossas personalidades, deve? O que isso significa? Fizemos mal em confessar? ;>)Um abraço, volte sempre- Alexandre.
[Leia outros Comentários de Alexandre]
27/7/2002
14h33min
nunca vi descrição tão lúcida do mundo da moda!
[Leia outros Comentários de el guapo]
27/7/2002
16h02min
Vou fazer uma analogia macabra, mas meu envolvimento literário vai ao ponto da de terminar a obra e sentir o mesmo vazio de quando retornamos de um enterro de algum parente, fica aquela sensação de tristeza e ao mesmo tempo a necessidade de se voltar a viver sem aquilo que se foi. O envolvimento emocional com a obra é proporcional a inteligência expressa nela, duvido que alguém se importe de eliminar o personagem que anda pelo deserto em busca de sei lá o que, em o Diário de um Mago.....
[Leia outros Comentários de Eduardo Vianna]
31/7/2002
18h59min
Caro Alexandre, eu sou igualmente sensível aos altos e baixos dos personagens de ficção; sofro com eles, fico irritado, indignado, alegre, tristíssimo e, quando algum deles (no grupo dos mais chegados) comete a suprema indelicadeza de morrer... ah, ponho-me de luto, claro. Adorei todo o texto, Alexandre. Também li as 'Confissões de Santo Agostinho' e fiquei meio deprimido, "confesso". Quanto ao trôpego andar das modelos, ele se deve também ao que chamam de 'distúrbio motor dos membros inferiores' no estágio avançado da anorexia nervosa ou da bulimia crônica. Pode reparar, nos shoppings da vida, que muitas garotas com pernas de "Palitos Gina" têm dificuldades para caminhar e seus passos claudicantes se assemelham aos daquela atleta burra (não me lembro do nome) que ficou famosa por chegar ao fim de uma maratona parecendo o corcunda de Notre Dame depois do linchamento. E o povo ainda apludiu aquele ato de pura imbecilidade e desrespeito aos limites do próprio corpo. Alexandre, parabéns pelo texto, e obrigado pela dica dos óculos! Quem é miope, como nós, tem a alternativa de recriar visualmente o mundo. Abração! / Dennis
[Leia outros Comentários de Dennis]
1/8/2002
14h20min
Eh exatamente assim que me sinto, me envolvo a tal ponto com os personagens de livros que muitas vezes a noite, depois de ler, fico imaginando que o personagem devesse agir diferente, fico brava as vezes com as atitudes dele (a), fico triste...O meu envolvimento eh tanto que chego a ter vontade de dar conselhos em algumas ocasioes...beijos
[Leia outros Comentários de Carol]
2/8/2002
10h16min
Alexandre, Essas mulheres não tem charme Catherine Denueve, o sorriso da Malyn Moore, os cabelos enrolados da Ana Paula Arósio ou os defeitos daquela mulher que você amou por alguns instantes. Elas não são reais. Talvez faltam os defeitos das nossas namoradas. Parabéns pelo texto.
[Leia outros Comentários de Otavio]
4/8/2002
10. Thanks
00h16min
Ao misterioso "El Guapo", ao Eduardo, Cathi, Überdennis, Carol e Otavio - obrigado pelas mensagens. Não, digo mais: obrigado por me lerem. Um abraço, e beijos (quando for o caso...), do Alexandre.
[Leia outros Comentários de Alexandre]
6/8/2002
15h45min
Olá, Grande Alexandre Na adolescência me ensinaram o seguinte: namore uma mulher magra, pois se você chegar a se casar com ela, terá a mulher ideal. O fato é que elas costumam engordar depois do casamento. Então é bom dar o desconto quando ainda são jovens. Quanto à relação que se estabelece entre leitor e personagem, acontece algo perigoso comigo: envolvo-me facilmente na atmosfera do texto. Mordi até sangrar os lábios enquanto lia O Processo. Raskólnikov me lançou numa turbilhão angustiante. Orwel me deixou sem fôlego com a opressão de 1984. O vôo de passarola ao lado de Baltasar Sete-Sóis e Blimunda me fez sentir no rosto a suave brisa da liberdade (apesar de Memorial do Convento ter sido escrito por um comunista). Enfim... como é bom esse negócio de ler, né?
[Leia outros Comentários de Rogério Macedo]
9/8/2002
17h07min
Alexandre, meu caro, você anda bastante seduzido pelo mundo fashon. Deve andar lendo muito os cadernos de cultura da Folha, Estadão etc. Deixa disso, meu jovem! Continue amando os "não vivos", nunca são tão magros assim e não machucariam personagens da sua estirpe (de manhã)... Beijinhos.
[Leia outros Comentários de Zuleide Hoffmann]
12/8/2002
13.
17h20min
Sempre um prazer,ler estes saborosos e engraçados textos teus. Um beijão, C.
[Leia outros Comentários de Cynthia]
15/8/2002
22h07min
Se assim podem, quero voltar para as páginas do início dos anos 70, ali estava toda a vida que hoje são só lembranças. Com saudades, MM
[Leia outros Comentários de Marisa]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LIVRO DO TRABALHADOR: DA INDÚSTRIA, TRANSPORTE, PESCA E COMUNICAÇÕES
SESI SENAI
SESI SENAI
R$ 5,00



PARA VER A BANDA TOCAR - HISTORIA PATRIMONIAL EM MARIANA
VARIOS AUTORES
A HISTORIA E ARTE
(2008)
R$ 7,90



GUIA DE USO DE PORTUGUÊS
MARIA HELENA DE MOURA NEVES
UNESP
(2003)
R$ 39,90



LÚCIFER - SANDMAN APRESENTA - N°2
DC COMICS / VERTIGO
BRAIN STORE
(2002)
R$ 12,00



ORIGINE DELLE DECANDENZE
VINCENZO CONSTANTINI
CESCHINA
R$ 204,27



UM CRIME ENTRE CAVALHEIROS - COL. SUPERTÍTULOS
JOHN LE CARRÉ
KLICK
(1997)
R$ 7,00



PAIS OK FILHOS OK
DOROTHY E. BABCOCK / TERRY D. KEEPERS
ARTENOVA
(1977)
R$ 17,00



NA ROTA DO PERIGO-SERIE VAGA-LUME
MARCOS REY
ÁTICA
(1991)
R$ 7,00



GUERREIROS DE DARINKA
RENATA CANTANHEDE
NOVO SECULO
(2005)
R$ 9,90



HP 12C MANUAL DO PROPRIETÁRIO E GUIA PARA SOLUÇÃO DE PROBLEMAS
HEWLETT PACKARD
HEWLETT PACKARD
(1981)
R$ 7,00





busca | avançada
74378 visitas/dia
2,1 milhões/mês