Vanilla Ninja: a hora e a vez do pop estoniano | Debora Batello | Digestivo Cultural

busca | avançada
46024 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> De quantos modos um menino queima?
>>> Mastigar minhas relações
>>> Vaguidão específica
>>> As pedras de Estevão Azevedo
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> Festa na floresta
>>> A crítica musical
>>> 26 de Julho #digestivo10anos
>>> Por que escrevo
>>> História dos Estados Unidos
Mais Recentes
>>> Coleção para gostar de ler de Varios pela Atica (1985)
>>> Grande Enciclopédia de Modelismo - Cor e Pintura de Walquir Baptista de Moura - Produção pela Século Futuro
>>> Meu pequeno fim de Fabrício Marques pela Segrac (2002)
>>> Grande Enciclopédia de Modelismo - Materiais e Ferramentas de Walquir Baptista de Moura - Produção pela Século Futuro
>>> Livro Dicionário Enciclopédico Veja Larousse - Volume 1 de Eurípedes Alcântara , Diretor Editorial pela Abril (2006)
>>> O diário de Larissa de Larissa Manoela pela Harper Collins (2016)
>>> Corpo de delito de Patricia Cornwell pela Paralela (2000)
>>> A Arte da guerra de Sun Tzu pela Pé da letra (2016)
>>> O fio do bisturi de Tess Gerritsen pela Harper Collins (2016)
>>> A garota dinamarquesa de Davdid Ebershoff pela Fabrica 231 (2000)
>>> Uma auto biografia de Rita Lee pela Globo livros (2016)
>>> Songbook Caetano Veloso Volume 2 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> A Sentinela de Lya Luft pela Record (2005)
>>> O teorema Katherine de John Green pela Intriseca (2006)
>>> Louco por viver de Roberto Shiyashiki pela Gente (2015)
>>> A ilha dos dissidentes de Barbara Morais pela Gutemberg (2013)
>>> Sentido e intertextualidade de Emanuel Cardoso Silva pela Unimarco (1997)
>>> Mistérios do Coração de Roberto Shinyashiki pela Gente (1990)
>>> Interrelacionamento das Ciências da Linguagem de Monica Rector Toledo Silva pela Edições Gernasa (1974)
>>> Sociologia e Desenvolvimento de Costa Pinto pela Civilização Brasileira (1963)
>>> O Coronel Chabert e Um Caso Tenebroso de Honoré de Balzac pela Otto Pierre Editores (1978)
>>> O golpe de 68 no Peru: Do caudilhismo ao nacionalismo? de Major Victor Villanueva pela Civilização Brasileira (1969)
>>> Recordações da casa dos mortos de Fiodor Dostoiévski pela Nova Alexandria (2006)
>>> Elric de Melniboné: a traição ao imperador de Michael Moorcock pela Generale (2015)
>>> O Príncipe de Nicolau Maquiavel pela Vozes de Bolso (2018)
>>> Deuses Americanos de Neil Gaiman pela Conrad (2002)
>>> Deus é inocente – a imprensa, não de Carlos Dorneles pela Globo (2003)
>>> Memórias do subsolo de Fiodor Dostoiévski pela 34 (2000)
>>> Songbook - Tom Jobim, Volume 3 de Almir Chediak pela Lumiar (1990)
>>> Comunicação e contra-hegemonia de Eduardo Granja Coutinho (org.) pela EdUFRJ (2008)
>>> Caetano Veloso Songbook V. 1 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> Origami a Milenar Arte das Dobraduras de Carlos Genova pela Escrituras (2004)
>>> O vampiro Lestat de Anne Rice pela Rocco (1999)
>>> Nova enciclopédia ilustrada Folha volume 2 de Folha de São Paulo pela Publifolha (1996)
>>> Esperança para a família de Willie e Elaine Oliver pela Cpb (2018)
>>> Leituras do presente de Valdir Prigol pela Argos (2007)
>>> Insight de Daniel C. Luz pela Dvs (2001)
>>> Política e relações internacionais de Marcus Faro de Castro pela UnB (2005)
>>> Harry Potter e a Pedra Filosofal de J. K. Rowling pela Rocco (2000)
>>> Infinite Jest de David Foster Wallace pela Back Bay Books (1996)
>>> Nine Dragons de Michael Connelly pela Hieronymus (2009)
>>> The Innocent de Taylor Stevens pela Crown Publishers (2011)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> Filosofia Para Crianças e Adolescentes de Maria Luiza Silveira Teles pela Vozes (2008)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> Vida de São Francisco de Assis de Tomás de Celano pela Vozes (2018)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
COLUNAS

Terça-feira, 25/1/2005
Vanilla Ninja: a hora e a vez do pop estoniano
Debora Batello

+ de 8400 Acessos

Qual de vocês, leitores, já sintonizou entre as ondas do rádio algum hit vindo diretamente da Estônia? Se torceu o nariz porque se lembrou do Ultima Thoule, saudoso grupo de rock'n'roll muito criativo - mas pouco acessível por ter as letras de música no idioma russo e estoniano - você está por fora. Agora é a hora de conhecer um dos maiores fenômenos vindo do pequeno país da Europa báltica. Estamos falando da girl band Vanilla Ninja.

Fundado em 2002, o grupo nasceu da idéia de formar uma banda de garotas, mas com um conceito um pouco diferente das já conhecidas no mercado, como as Spice Girls. A idéia era que as moças seguissem a nova onda, meio bad boy do mercado, encabeçado pela Avril Lavigne, mas sem perder a doçura feminina. Foram escaladas quatro garotas, entre elas, uma estrela da música pop da Estônia, Maarja Kivi. Completam o grupo, Lenna Kuurmaa, Katrin Siska e Piret Järvis, que já ganhou a vida sendo apresentadora de um programa de televisão em sua terra. O primeiro hit veio com a música "Club Kung Fu", do álbum de estréia, que fez um pequeno sucesso na Estônia e em algumas paradas européias. A propósito, as letras são em inglês.

Como o início não teve o resultado esperado, as quatro garotas foram adotadas por outra gravadora e outro produtor. Foi em 2004 que as meninas começaram a trilhar o caminho certo, ou melhor, o caminho da fama. Ao lado do produtor David Brandes, elas lançaram o disco Traces Of Sadness, que chegou ao Brasil em dezembro do ano passado, através da Hellion Records.

Traces of Sadness segue uma linha bastante pop, com grande tendência para o house e todos aqueles gêneros tocados em danceterias no início da década de 90. Mas nem só de pop music esse disco é feito. Um dos pontos diferenciais é a maquiagem rock'n'roll - explicando: ouvindo o disco você é capaz de identificar influências de grupos de hard rock, seja em um solo melódico ou na força dos acordes de guitarra, mas nada que vá espantar os fãs de easy-listening. Além disso, a inserção do rock "poseur" cria o meio-termo que separa as garotas Ninja de outros artistas do segmento, como Britney Spears.

A faixa que abre o disco é a explosiva "Tough Enough", e é também a primeira música a estourar nas rádios européias, atingindo a 13ª colocação em paradas de alguns países. Sintetizadores, teclados e batidas eletrônicas mostram o perfil bem pop. O refrão forte vem para grudar no ouvido. Um autêntico hit que tem tudo para estourar nas rádios daqui. Quando você menos esperar, vai ouvir a caminho do trabalho os versos "So keep on kickin'/ The bomb is tickin'/ Don't stop - don't be a runaway/ Go for the fire/ Baby you are tough enough". Sim! São as belas moças daquele país cravado entre a Letônia e a Rússia que invadiram as nossas estações.

Porém, Traces of Sadness não é daqueles álbuns "de uma faixa só". Músicas como "Stay", "Don't go too fast", "Heartless" são outros trunfos, ótimas para se ouvir, que atingem com facilidade a audiência adoradora de música pop. A vocalista Maarja não possui aquele timbre enjoativo e pouco convincente de boa moça. Ela é uma Ninja e coloca sua voz como uma cantora de rock e country music o faria.

Outras faixas revelam grande afinidade com o hard rock - mesmo que se precise de algum impulso para reconhecer esses vestígios -, como "Traces of Sadness", que além de dar nome ao disco, carrega influências do grupo Europe. "Destroyed by you", uma baladinha estilo anos 80 que lembra a banda Jaded Heart. "Liar", outra faixa single deste trabalho, tem bons versos com ritmo dentro da própria letra, além de um arranjo bastante trabalhado para o lado rock. Vocais com muita raiva gritam "Liar" no refrão da música. Fazê-las dar um ar furioso à música é algo bem diferente. Afinal, elas não são Courtney Love.

"Metal queen" é outra música que fica dentro da faceta hard rock, com uma pegada totalmente rock'n'roll, destoa do resto do disco. E para encerrar, a balada "When the indians cry" e a romântica "Looking for a hero", trazem uma sonoridade parecida com o rock dos anos 80 - para variar - lembrando Bon Jovi e uma infinidade de outras bandas que marcaram essa época.

As faixas "Don't you realize" e "Wherever" mostram que os argumentos para esse disco estavam no fim. Não acrescentam muito ao repertório.

Traces of Sadness é um disco bem-sucedido, recheado de hits em potencial, que deve muito de seus créditos ao produtor David Brandes. Brandes responde pelo nome real de David Brändle e começou sua carreira como músico, lançando discos solos no começo da década de 90. Pouco depois, integrou o grupo pop alemão Xanadu. Em 1994, emplacou seu maior hit com a banda E-rotic, "Max don't have sex with your ex", além de "Fred Come to Bed". Como produtor do grupo, David Brandes, assumia o vocal masculino no estúdio, além de compor as músicas e as letras.

David Brandes aparece em Traces of Sadness como o produtor e o arrajador de todas as faixas. Inclusive o outro nome que figura nos créditos como arranjadora, Jane Tempest, nada mais é que outro pseudônimo de Brändle. Desde a época do Europe, Brändle divide o sucesso com o letrista John O'Flynns, nome artístico de Bernd Meinunger, compositor muito famoso na Alemanha, já representou seu país 11 vezes no Eurovision Song Contest, uma espécie de Grammy da televisão européia, que vem sendo realizado desde 1955. A dupla de produtores-midas também trabalhou com o cantor Chris Norman e a boy band Bad Boys Blue. Juntos eles provam que é preciso mais que quatro rostinhos angelicais para levar uma banda ao topo das paradas.

Para ir além









Debora Batello
São Paulo, 25/1/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Duas formas de perder a virgindade no West End de Arcano9


Mais Debora Batello
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A FORTUNA DE GASPAR (LITERATURA INFANTO-JUVENIL)
CONDESSA DE SÉGUR
DO BRASIL
R$ 10,00



CYRANO DE BERGERAC
EDMOND ROSTAND
OBJETIVO
R$ 6,00



DE OLHO NA MORTE E ANTES
FERNANDO FORTES
ATELIÊ EDITORIAL
(2012)
R$ 22,00



OXFORD ADVANCED LEARNERS DICTIONARY
A. S. HORBNY
OXFORD
(2000)
R$ 30,00



ALICE PARA SEMPRE
ELTON LICKS
BESOUROBOX
R$ 26,00



FISIOLOGIA CELULAR
DAVID LANDOWNE
MCGRAW HILL ARTMED
(2006)
R$ 67,00



NEW ENGLISH 900 BOOK 1
COLLIER MACMILLAN INTERNACIONAL
ENGLISH LANGUAGE SERVICES
(1978)
R$ 15,00



IL NUOVO DOMANI
MAEVE BINCHY
SPERLING & KUPFER
(1998)
R$ 50,00
+ frete grátis



SÓ O AMOR É REAL
BRIAN L. WEISS
ALAMANDRA
(1996)
R$ 4,00



CRIME E CASTIGO
FIÓDOR DOSTOIÉVSKI
NOVA CULTURAL
(2002)
R$ 28,00





busca | avançada
46024 visitas/dia
1,1 milhão/mês