Nós, os escritores derrotados | Marcelo Maroldi | Digestivo Cultural

busca | avançada
67078 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Mega evento de preparação ao ENEM reúne personalidades e conteúdo exclusivo ao público jovem
>>> Lançamento do livro 'Pesquisa e ensino de história na Amazônia'
>>> Maurício Limeira lança coronavídeo GUERRA
>>> Mostra de Teatro traz quatro peças para assistir on-line
>>> Festival Som na Faixa apresenta edição online com atrações da música instrumental
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Coisa mais bonita é São Paulo...
>>> Cuba e O Direito de Amar (1)
>>> Aos nossos olhos (e aos de Ernesto)
>>> Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo
>>> O fim dos livros físicos?
>>> A sujeira embaixo do tapete
>>> Moro no Morumbi, mas voto em Moema
>>> É breve a rosa alvorada
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> Saudade do amanhã
>>> Cata-lata
>>> A busca
>>> O poder da história
>>> Caraminholas
>>> ETC. E TAL
>>> Acalanto para a alma
>>> Desde que o mundo é mundo
>>> O velho suborno
>>> Normal!
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Bailes & Festas
>>> Une jeune fille normale
>>> O retorno dos que não foram
>>> A Música Erudita no Brasil
>>> Vândalos são eles
>>> Nelson ao vivo, como num palco
>>> Nelson ao vivo, como num palco
>>> Suzana Andres
>>> Que exemplo arrebatador a Colômbia dá ao mundo
>>> Poeira, pra que te quero?
Mais Recentes
>>> Coleção Concursos - Volume.11 de Aniello Aufiero pela E.Aufiero (2007)
>>> Coleção Concursos - Volume.11 de Aniello Aufiero pela E.Aufiero (2007)
>>> Escritos e ambiente do Novo Testamento de Odette Mainville (org) pela Vozes (2002)
>>> Nunca pare de lutar de Ludmila Ferber pela Thomas Nelson (2012)
>>> The secret / o segredo de Rhonda Byrne pela Ediouro (2007)
>>> Medical update. Demência vascular n°20 / 2005 de Vários pela Bolina (2005)
>>> As Dez Leis da Realização e A força de Ian Mecler pela Best bolso (2012)
>>> Diário de um Banana Volume 7: Segurando Vela de Jeff Kinney pela V&R (2013)
>>> Diário de um Banana Volume 12: Apertem os Cintos de Jeff Kinney pela V&R (2017)
>>> Diário de um Banana Volume 9: Caindo na Estrada de Jeff Kinney pela Vr (2015)
>>> O conceito de amor em Santo Agostinho de Hannah Arendt pela Instituto Piaget
>>> O inusitado na vida e na morte de Ellio Tigger-Hiriesty de J. V. Di Bobbo pela J. V. Di Bobbo (1982)
>>> Os quatro grandes de Agatha Christie pela L&Pm Pocket (2014)
>>> A mulher que escreveu a biblia de Moacyr Scliar pela Companhia de Bolso (2007)
>>> 1919 de John dos Passos pela Abril Cultural (1983)
>>> As Brumas de Avalon: O prisioneiro da árvore de Marion Zimmer Bradley pela Círculo do livro
>>> As Brumas de Avalon: A grande Rainha livro dois de Marion Zimmer Bradley pela Imago (1982)
>>> As Brumas de Avalon: A senhora da Magia de Marion Zimmer Bradley pela Imago (1982)
>>> Sem olhos em gaza de Aldous Huxley pela Abril Cultural (1985)
>>> A igreja Latino-americana no contexto mundial de Martin N. Dreher pela Sinodal (1999)
>>> Se houver amanhã; Nada dura pra sempre de Sidney Shedon pela Best-Bolso (2010)
>>> A teia da aranha de Agatha Christie pela L&Pm Pocket (2014)
>>> Um brinde de de Agatha Christie pela L&Pm Pocket (2014)
>>> Punição para a inocência de Agatha Christie pela L&Pm Pocket (2014)
>>> Diário de um Banana Volume 8: Maré de Azar de Jeff Kinney pela Vr (2014)
>>> As Brumas de Avalon: O gamo-rei de Marion Zimmer Bradley pela Imago (1982)
>>> O senhor dos ladrões de Cornelia Funke pela A página (2012)
>>> Coração de tinta de Cornelia Funke pela A página (2010)
>>> O Mistério de Jesus de Vamberto Morais pela Edições (1990)
>>> O Gesto Essencial - Literatura, Politica e Lugares de Nadine Gordimer pela Rocco (1995)
>>> Brandão Entre o Mar e o Amor de Jorge Amado;José Lins e outros pela Record (2000)
>>> Getting Things Done: A Arte de Fazer Acontecer de David Allen pela Elsevier (2005)
>>> Dracula - Pre-Intermediate - Acompanha CD de Bram Stoker pela Disal (2011)
>>> O Jovem Torless de Robert Musil pela Biblioteca Folha (2003)
>>> O Andar do Bêbado: Como o Acaso Determina Nossas Vidas de Leonard Mlodinow pela Zahar (2009)
>>> Questões Comentadas - Direito Administrativo de Matheus Carvalho e Raphael Santana pela Juspodivm (2016)
>>> Inteligência Emocional no Trabalho de Hendrie Weisinger,PhD pela Objetiva (1997)
>>> O caçador de pipas de Khaled Hosseini pela Nova Fronteira (2006)
>>> Encontro com o Cristo de Jesus de Wilson Ribeiro pela Master Book (1999)
>>> A História do Século 20 Para Quem Tem Pressa: Tudo Sobre os 100 Anos que Mudaram a Humanidade em 200 Páginas! de Nicola Chalton; Meredith MacArdle pela Valentina (2017)
>>> Ficando Longe do Fato de Já Estar Meio que Longe de Tudo de David Foster Wallace pela Companhia das Letras (2012)
>>> A novela do curioso impertinente - Edição Bilíngue de Miguel De Cervantes Saavedra pela Relume Dumara (2005)
>>> Gestão da Educação Corporativa: Cases, Reflexões e Ações em Educação a Distância de Eleonora Jorge Ricardo pela Pearson Prentice Hall (2007)
>>> Porongos: Fatos e Fábulas de Cesar Pires Machado pela Praça da Matriz (2011)
>>> Maomé - Uma Biografia do Profeta de Karen Armstrong pela Companhia das Letras (2002)
>>> Merlin Volume 3: Teia de Traições de M. K. Hume pela Novo Século (2014)
>>> APRENDENDO A ESCREVER (AZUL) de EDITORA TODOLIVRO pela TODOLIVRO
>>> 13 Razões Para Votar no PT de BITTENCOURT, AURELIO MARCONDES E LINS pela MATRIX
>>> #Por Que Eu Leio de HARPER COLLINS pela HARPERCOLLINS
>>> La Sabiduría Para Ser Feliz y Crear la Paz de Daisaku Ikeda pela Azul Índigo (2019)
COLUNAS

Segunda-feira, 16/5/2005
Nós, os escritores derrotados
Marcelo Maroldi

+ de 6700 Acessos
+ 7 Comentário(s)

Eu sempre tive pouquíssimas certezas na minha vida. Uma delas era a certeza de que me tornaria um escritor... As primeiras lembranças de minha existência me remetem a sala de aula da primeira série na escola pública onde estudei, e eu lendo a cartilha. E lembro que ia semanalmente à biblioteca municipal aos 7 anos, como já citei aqui no Digestivo. Não sei precisamente quando e nem o motivo, mas os livros monopolizaram grande parte da minha vida, fizeram-me escravo das palavras e minha certeza primeira ia se fortalecendo, crescendo no meu peito sonhador. Não havia nenhuma dúvida! Mas jamais alguém soube disso... só eu mesmo. Era como se tivesse feito um pacto com alguém superior e eu tivesse tanto convicção do que me tornaria escritor que não precisaria correr atrás do meu sonho, não era importante compartilhá-lo, pois ele estava ali me aguardando e era questão de tempo até se consolidar e as pessoas verem o resultado... e ninguém iria assassinar meu maior sonho!

Aos sete anos, ainda, escrevi meu primeiro poema, lembro de um dos versos até hoje... Depois não parei, até que aos 17 anos escrevi meu primeiro livro, já com mais seriedade. Era um romance que hoje classificaria como existencial, e que me fez acreditar no meu suposto destino. Sem ajuda de ninguém e sem que nem um outro ser humano soubesse, imprimi 3 cópias e enviei a 3 grandes editoras brasileiras. Até hoje eu mal sei o que é uma editora, então escolhi pelo nome, pela fama, pelo tamanho. Uma delas jamais respondeu. As outras, sim. Uns 7 ou 8 meses depois, recebi um telefonema de uma pessoa. Queriam conversar a respeito da obra. Disseram explicitamente que iam publicar... E então, ruma à capital o menino do interior, sem que sua mãe desconfie. Na primeira reunião, ouvi: nossa, não esperava alguém tão jovem... ninguém aos 17 anos escreve assim... Hoje rio disso... No começo, pediram para eu mudar algumas "coisinhas", como nomes dos personagens. Concordei, não vi problema nisso. Depois, começaram a querer que eu refizesse parágrafos inteiros... a pressão editorial foi aumentando e já falavam em mudar o final... Um pouco desanimado, mas ainda entorpecido pelo perfume do sonho de escritor, ia aceitando (nessa época, não tinha muita convicção do que desejava publicar). Assinei algo como um pré-contrato que dava prioridade a eles se quisessem publicar meu livro naqueles próximos 5 anos (que tolice a minha!). Até que um dia vieram dizer que, sendo eu jovem, desconhecido e tendo uma obra tão "seca e dura" (isto é, pouco comercial), eu teria que investir na publicação da obra... Eu não tinha dinheiro para um sorvete, e, ainda que tivesse, não sei se teria aceitado. Só sei que virei as costas e voltei para casa, totalmente derrotado. Não é fácil dizer isso, mas um pedaço de mim morreu naquele dia... Até hoje lembro da cara dessas pessoas, mas me permiti esquecer seus nomes, os nomes de suas empresas, etc., e fiquei só, cozinhando meu primeiro grande revés em fogo baixo, em uma chama bem pequena e lenta, eterna... Lembro muito bem dessa volta para casa... (a propósito, a outra editora também quis publicar meu livro, por isso a primeira me fez assinar um pré-contrato).

Os meses seguintes ao fato foram terríveis... Então, recém completos 19 anos, ingressava na Universidade de São Paulo(USP), onde cometi a incomensurável estupidez de estudar ciências de computação. Meu primeiro ano foi difícil, talvez o mais difícil de toda minha vida... Por mais que eu tentasse, só uma lembrança ocupava minha mente, só uma idéia conduzia minha vida, eu era, ainda que debutante na vida, um fracassado. Afastei-me dos livros, das pessoas, do meu próprio livro. Não tinha cópias impressas, apenas no computador, o que facilitou sobremaneira a exclusão daquela prova factível de minha condição (mas, se um dia contar esse fato aos meus netos, direi que o queimei no quintal, pois é muito mais poético).

Um ano depois resolvi reagir. Esqueci dessa conversa de ser escritor... E deixei de ler e escrever. E só voltei a fazê-lo quando me apaixonei, e naquelas separações ordinárias que descreve tão bem o Fabrício Carpinejar, escrevi uns poemas. Terríveis, aliás... creio que meu cérebro fora lesado no episódio supracitado. Fiquei sozinho, com minha predileção pela chuva, pela madrugada e pelas histórias de velhos. Só alguns anos depois retornei a leitura... (ainda na universidade, estive próximo de publicar um livro técnico, mas aquilo foi uma bobeira de minha parte que nem menciono e considero).

Voltei a escrever há uns 2 anos... Precisava voltar a confeccionar frases ou não sei o que seria de mim! Já tinha uma idéia e um título: Confissões de um jovem arrogante. Que belo título! Eu compraria um livro que tivesse um título desses, mesmo que o escritor fosse um derrotado (bem, acho que isso não é possível, pois um escritor derrotado não publica). Mas logo vieram os problemas... as confissões não poderiam ser feitas, pois eram íntimas demais. E eram tão arrogantes! Se escrevesse o livro, teria que mutilar tantas partes boas que desfigurariam toda a obra... Ai, Deus... isso não tem fim?

Outras idéias vieram, novas páginas foram escritas, muitas delas apaguei... e começou tudo de novo. Diferente da primeira vez, não enviei cópias às editoras... Confiei num sonho! Eu, que tenho uma visão freudiana do sonho, tive uma alucinação (ou sonho) que me apontou um nome de uma editora. Puf... foi incrível! Acordei e ela estava na minha mente, prometendo que me levaria as livrarias do país, onde a falsa intelectualidade vai "ler" e bebericar café, citando nas rodinhas escritores arrogantes recém surgidos (sic) e que escrevem em blogs formidáveis que ninguém jamais lê. Não, leitor, não sei dizer se foi a tequila a autora do sonho... Sei apenas que imprimi uma única cópia e enviei. Não precisava correr atrás disso (mais uma vez!), afinal, eu houvera sonhado! Dessa vez sim era questão de tempo... 60 Dias depois recebo uma carta (que, para quem não sabe, já demonstra a derrota de quem enviou um original para análise). Eu não me enquadrava na linha editorial deles. Curioso isso, qualquer coisa que se faça eles enviam a mesma carta. Você pode ser péssimo, você pode não se encaixar na linha editorial deles, eles podem já estar com a programação completa, podem só publicar autores consagrados, não importa! Você sempre está fora da linha editorial deles... O sonho errara! Diabo! Não é possível... Ai, Deus... isso não tem fim?

Todos os dias surgem novos escritores derrotados. Alguns devem ser bons, mas serão sempre derrotados, até que a linha editorial os obrigue a trabalhar em um escritório qualquer ou abrirem uma loja de roupas, esquecendo-se de que um dia ousaram tentar publicar. Infelizmente, são sempre os mesmos que estão na livraria e lá não há espaço para derrotados. Os problemas são muitos e aqui no Digestivo Cultural o assunto é sempre abordado. Alguns escritores derrotados sonham em ter sua própria editora... E, então, daqui uns anos dirão a nova geração de escritores derrotados: venha retirar seu original, você não se encaixa na nossa linha editorial. O ciclo se fecha... E eu me respondo: sim, isso não tem fim. Ah, perdoe-me, leitor, eu nem me apresentei: meu nome é Marcelo Maroldi e eu sou um escritor derrotado... E joguei fora as minhas certezas lá em cima, aos 17...

Nota do Autor
Copiei descaradamente o título dessa coluna do Julio Daio Borges, que escreveu "Nós - os jornalistas de alma vendida" (outra coisa, aliás... só roubei o título mesmo). Ela iria se chamar "Confissões de um jovem arrogante" e ter continuação, mas já não tenho muito a dizer...

Nota do Editor
Sobre o mesmo assunto, leia também "Os desafios de publicar o primeiro livro", de Luis Eduardo Matta.


Marcelo Maroldi
São Paulo, 16/5/2005



Quem leu este, também leu esse(s):
01. 1998 ― 2008: Dez anos de charges de Diogo Salles
02. A volta de Paulo Polzonoff Jr
03. Quadraturas de Paulo Salles


Mais Marcelo Maroldi
Mais Acessadas de Marcelo Maroldi em 2005
01. Como escrever bem — parte 1 - 13/6/2005
02. Como escrever bem — parte 2 - 27/6/2005
03. Como escrever bem – parte 3 - 11/7/2005
04. A ousadia de mudar de profissão - 28/11/2005
05. O que é ser jornalista? - 22/8/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
16/5/2005
17h30min
Você não está derrotado. Tampouco sofreu alguma lesão com as decepções sofridas. Só precisa recuperar a esperança.
[Leia outros Comentários de Claire]
19/5/2005
13h22min
Sou absolutamente solidário a você. No meu caso, eu me consideraria um crítico de cinema frustrado - não diria derrotado, acho que estou no ramo há pouco tempo. Ainda mantenho esperanças de um dia conseguir dar uma guinada, repercutir meu trabalho, gerar discussões. Escrever aqui no Digestivo, como tenho feito, é um grande passo pra isso - e acredito que para você também, que não está derrotado. Uma pessoa que escreve tão bem, se expressa de maneira tão sincera, franca e emotiva não pode se considerar um derrotado. Os caminhos continuam. Abraço!
[Leia outros Comentários de Marcelo Miranda]
3/8/2005
18h38min
Acredite: exitem situações em que é melhor não ter sua obra publicada do que vê-la com grande vendagem e não receber nada por isso.
[Leia outros Comentários de Marcos Garcia]
6/1/2006
20h14min
meu caro, na verdade, ser escritor no brasil, significa quase utopia, assim como nas outras artes, como cinema e musica... mas acredite... acredite sempre.
[Leia outros Comentários de mayanna]
24/7/2006
13h27min
Puxa... ótimo texto. Relato intrínseco de um escritor "derrotado".
[Leia outros Comentários de Anderson Castro]
4/8/2006
14h24min
Eu leio muitos romances, percebo que, na sua maioria, os autores são estrangeiros, então tive a brilhante idéia de começar a escrever um, hoje me pego sozinha, sem apoio algum, quando meu marido me vê escrevendo no computador, ele balança a cabeça em sinal negativo me deixando arrassada. Creio que não é só a dificuldade com as editoras, mas também a falta de cultura e apoio das pessoas, hoje tenho dúvidas se prossigo no sonho ou se enterro ele no jardim?
[Leia outros Comentários de Vera Raganhan]
4/8/2006
16h51min
Marcelo, sou escritora. Desde que resolvi publicar meu segundo conto sabia exatamente como iria acontecer. Paguei para publicar minha primeira obra, vou pagar pelo segunda e não vou me arrepender. Prefiro pagar por eles e deixar que o leitor decida se é bom ou não. Depois se alguma editora se interessar, podemos conversar. Acho uma humilhação o autor enviar uma obra para as editoras e esperar até seis meses ou mais para receber uma carta te aceitando ou não, ou simplesmente não receber resposta nenhuma. Quanto a termos outro emprego, é verdade. No Brasil, escritor tem que ter um emprego fixo e fazer de seu dom literário um hobby. Ou seja, quando der publica-se algo que esteja guardado na gaveta. Bem, esse artigo foi publicado em 2005 e, como estou chegando agora, quem sabe você já publicou algo. Caso contrário, espero que não desista. abrs... Elaine Paiva
[Leia outros Comentários de Elaine Paiva]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




UMA OU OUTRA FORMA DE TIRANIA
MARCOS VINÍCIUS FERREIRA DE OLIVEIRA
7 LETRAS
(2006)
R$ 12,00



NIETZSCHE: FILOSOFIA E PENSAMENTOS - A INFLUÊNCIA DO PENSAMENTO E
EDITORA GEEK
GEEK
R$ 25,82



CAMINHOS DO MUNDO E DA VIDA
ANTONIO DE SOUSA
SCORTECCI
(2008)
R$ 15,00



O FANTASMA QUE FALAVA ESPANHOL - COL. QUE MISTÉRIO É ESSE ?
LUIZ GALDINO - 4ª EDIÇÃO
FTD
(1991)
R$ 7,00



PROENF: SAÚDE DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE: CICLO 6. MÓDULO 3
CARMEN ELIZABETH KALINOWSKI
ARTMED
(2006)
R$ 9,90



O PENSAMENTO VIVO DE DA VINCI
DA VINCI
MARTIN CLARET
(1985)
R$ 6,90



SOMOS AS ÁGUAS PURAS
CARLOS RODRIGUES BRANDÃO
PAPIRUS
(1994)
R$ 15,00



DIGITAL FORTRESS
DAN BROWN
ST MARTINS PRESS
(2004)
R$ 20,00
+ frete grátis



A PROFECIA DO MAGO
RENATA DE CASTRO MELO-MAURÍCIO MONTNOVE
FREITAS BASTOS
(1992)
R$ 27,65



COMO VOCÊ SE CHAMA?
R. MAGALHÃES JR.
EDITORA DOCUMENTÁRIO
(1974)
R$ 10,00





busca | avançada
67078 visitas/dia
2,0 milhão/mês