O Leão e o Unicórnio II | Guga Schultze | Digestivo Cultural

busca | avançada
67107 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Filó Machado encerra circulação do concerto 60 Anos de Música com apresentação no MIS
>>> Mundo Suassuna, no Sesc Bom Retiro, apresenta o universo da cultura popular na obra do autor paraiba
>>> Liberdade Só - A Sombra da Montanha é a Montanha”: A Reflexão de Marisa Nunes na ART LAB Gallery
>>> Evento beneficente celebra as memórias de pais e filhos com menu de Neka M. Barreto e Martin Casilli
>>> Tião Carvalho participa de Terreiros Nômades Encontro com a Comunidade que reúne escola, família e c
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Marcelo Mirisola e o açougue virtual do Tinder
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
Colunistas
Últimos Posts
>>> A melhor análise da Nucoin (2024)
>>> Dario Amodei da Anthropic no In Good Company
>>> A história do PyTorch
>>> Leif Ove Andsnes na casa de Mozart em Viena
>>> O passado e o futuro da inteligência artificial
>>> Marcio Appel no Stock Pickers (2024)
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Diga: trinta e três
>>> O Casal 2000 da literatura brasileira
>>> Lucas vs. Spielberg
>>> Do desprezo e da admiração
>>> A pulsão Oblómov
>>> Arte Brasileira Hoje: um arquipélago
>>> Sobre o som e a fúria
>>> O fim do livro, não do mundo
>>> Jornal: o cadáver impresso
>>> O naufrágio é do escritor
Mais Recentes
>>> O Castelo De Otranto de Horace Walpole pela Nova Alexandria (1996)
>>> O Ânus Solar de Georges Bataille pela Hiena (1985)
>>> O Perigo das Radiações de Jack Schubert; Ralph E. Lapp pela Ibrasa (1960)
>>> Apometria: Um instrumento para a harmonia e para a felicidade a nova ciencia da alma de J S Godinho pela Holus (2012)
>>> The Little Prince de Antoine de Saint-Exupéry pela Harbrace (1971)
>>> Livro MILAGRES de Vera Nappi pela A Vida é Bela (2003)
>>> Você Pode Curar Sua Vida 126ª edição. de Louise L Hay pela Best Seller (2021)
>>> Livro CANTO ALGUM de Flávia Reis pela Reformátório (2020)
>>> Apologia de Sócrates - clássicos de bolso ediouro de Platão ( tradução de Maria Lacerda de Moura) pela Ediouro (2002)
>>> Mediunidade e Apometria: Terapêutica e Apometria edição. revista e atualizada de J S Godinho pela Holus (2012)
>>> Livro Mulher V Moderna, à moda antiga de Cristiane Cardoso pela Thomas Nelson (2013)
>>> Der Kleine Prinz de Antoine de Saint-Exupéry pela Harbrace (1971)
>>> Der Kleine Prinz de Antoine de Saint-Exupéry pela Karl Rauch
>>> Brief an Den Vater de Franz Kafka pela Fischer (1989)
>>> Sonhos de Bunker Hill de John Fante pela L&pm (2003)
>>> I Ching - O Livro das Mutações de Desconhecido pela Trevo (2004)
>>> O Mistério dos Temperamentos de Rudolf Steiner pela Antroposofica (1994)
>>> O Verdadeiro Livro dos Sonhos e da Sorte de Ahmed El-Khatib pela Rígel
>>> Capitães de Areia de Jorge Amado pela Companhia de Bolso (2009)
>>> Baudolino de Umberto Eco pela Record (2001)
>>> Dangerous - O Maior Perigo é a Censura de Milo pela Milo Yannopoulos (2018)
>>> Los Celtas: Magia, Mitos Y Tradicion de Roberto Rosaspini Reynolds pela Continente (1998)
>>> Cinco Anos - Julgamento Político na União Soviética de J. Oliveira Freitas Trad pela Intercontinental
>>> Feng Shui no Trabalho de Darrin Zeer pela Sextante (2008)
>>> O Poder do Hábito de Charles Duhigg pela Objetiva (2012)
COLUNAS

Quarta-feira, 19/9/2007
O Leão e o Unicórnio II
Guga Schultze
+ de 6200 Acessos
+ 6 Comentário(s)

Entre os poucos e-mails que recebi por esses dias, havia um me perguntando se eu estava brincando quando escrevi, há algum tempo, sobre a "rivalidade filosófica" entre Karl Marx e Lewis Carroll. Assegurei que eu estava brincando, claro, mas senti que minha resposta não satisfazia as expectativas da pergunta. Marx e Carroll são famosos, mas nem tanto. Quase todo mundo já ouviu falar de Karl Marx e, da mesma forma, ouviu falar de Alice no País das Maravilhas, o livro mais famoso de Lewis Carroll, mas geralmente é só.

Não sou, ou não fui, um leitor de Marx - me parece que ninguém consegue atravessar sua extensa produção sem ter, previamente, a intenção de tornar-se marxista. Mesmo que essa intenção não seja consciente, há uma infinidade de fatores que predispõe a pessoa a se tornar um marxista, fatores muito pouco discutidos e, entre eles, uma religiosidade disfarçada ou insatisfeita.

Marx, apesar de ateu confesso, atinge almas religiosas. É um aparente contra-senso, mas a necessidade de um poder qualquer, superior ao âmbito individual - que regule, oriente e ampare a nossa existência no caos -, é típica, tanto no marxista quanto no carola. Há muitos outros pontos comuns, como a visão, sempre materialista (nos dois casos), do conflito entre ricos e pobres ou a crença (não materialista) na eficácia da fé - tanto a que é dirigida para as esferas celestes quanto a que aponta para as instituições sacrossantas de um estado ideal.

Marx e Carroll têm em comum o fato de que são escritores às voltas com a lógica. No caso desse último, isso é uma coisa literal - era matemático e como C. L. Dodgson, seu nome verdadeiro, assinou alguns trabalhos sobre lógica booleana.

Mas o negócio de Carroll, não de Dodgson, é que ele tinha uma lógica estranha. Pensava coisas diferentes sobre as palavras. Se ele fosse brasileiro, ia ser da turma do Guimarães Rosa, talvez. Só que ele foi além, porque brincava com a semântica, o significado das palavras. A gente leu adaptações infantis do Alice no País das Maravilhas, que não é um livro infantil. Era pra ser, mas não é. O próprio Carroll achava que era.

Carroll escreveu aquilo numa época que, paradoxalmente, era mais liberal que a de hoje, sob certos aspectos. O cidadão inglês, vitoriano, não conhecia psicólogos, nem TV, nem mídia. Não tinha a menor idéia do que fosse ecologia, direitos humanos ou do que seria o politicamente correto. Sherlock Holmes aparecia nos livros como dependente de morfina e outros opiáceos sem que seu público leitor se sentisse atacado em seus valores vitorianos, por exemplo.

Dá a impressão de que, se a gente pudesse seguir um inglês qualquer daquela época, no momento em que ele entrasse em casa, a gente veria ele se despir da pose, das roupas, do chapéu côco e do guarda-chuva, acender um narguilé de haxixe, agarrar um chicote e começar uma orgia sado-masoquista com algumas mulheres hindus, vestidas de odaliscas, que ele guardava, confinadas, num porão. Os hooligans estavam todos lá, dentro daquelas fachadas tranquilas, naquelas casas semelhantes entre si mas, lá fora, o clima vitoriano permanecia intocável.

Hoje em dia, neo-calvinistas, fomos informados que Carroll era, vamos dizer, uma espécie de tarado. Hoje, ele não iria escrever livro nenhum, ia virar um hacker na Internet (tinha uma mente afiada pra lógica, matemáticas, xadrez, mecanismos diversos - coisas que fazem um hacker - e era muito criativo), ia deixar as polícias internacionais, o pessoal dos direitos humanos, dos direitos das crianças, completamente malucos, tentando rastrear os sites que ele ia fazer sobre nudez infantil. Nunca molestou criança nenhuma, que eu saiba. O negócio dele era só ver nus, voyer. Ia ser, hoje, uma espécie de gênio do mal.

E ele escrevia coisas assim:

- Alice encontra o Gato de Cheshire (Cheshire é um lugar da Inglaterra), um gato que aparece e desaparece, às vezes de repente, às vezes aos poucos, deixando apenas um sorriso no ar.

- Alice pensa que já viu muitos gatos sem sorriso algum, mas nunca viu um sorriso sem gato.

- Alice pergunta ao gato qual caminho ela precisa tomar pra sair dali. O gato responde que isso depende de para onde ela quer ir. Alice fala que não importa, quer apenas sair dali. O gato responde que, nesse caso, qualquer caminho serve.

- Alice encontra o Cavaleiro Branco, que diz que está compondo uma canção que, ele espera, trará lágrimas aos olhos das pessoas, senão... Alice pergunta: senão o quê? Senão ninguém chora, responde o cavaleiro.

- Outra vez, o gato aparece num jogo de cricket da Rainha de Copas, que é uma megera louca que a toda hora manda cortar a cabeça de alguém. Não dá outra: a rainha vê o gato e ordena: Cortem-lhe a cabeça! O gato desaparece e deixa só a cabeça no ar, rindo. Há uma discussão acalorada:

- o ponto de vista do carrasco é que ele não pode decapitar uma cabeça sem o corpo.

- O ponto de vista do rei é que qualquer coisa que possua ao menos uma cabeça, poderá ser decapitada.

- O ponto de vista da rainha é que se não lhe obedecerem a ordem, todas as cabeças vão rolar. Por isso estão todos tão nervosos.

- Alice encontra o rato que lhe diz que vai contar uma história. Em inglês a palavra é "tale", uma história, uma lenda. Alice está sonolenta e observa a cauda do rato enquanto ele conta sua história. Cauda, rabo, em inglês é "tail", a mesma pronúncia de "tale".
Alice ouve a história do rato que,
graficamente, no livro, vai
tomando a forma de
uma cauda, rabo,
mais ou me-
nos nesse
forma-
to.

Carroll escreveu muitas coisas como essas nos dois livros que o fizeram famoso, Alice no País das Maravilhas (Alice in Wondeland) e Alice através do espelho (Trough the Looking-Glass). Além disso, existem poemas estranhos, sátiras sutis à poesia inglesa da época, como o "Jabberwocky" - o "Jaguadarte", na tradução mestra de Augusto de Campos (aqui, a primeira estrofe):

"Jabberwocky":

"Twas brillig, and the slithy toves
Did gyre and gimble in the wabe:
All mimsy were the borogoves
And the mome raths outgrabe.
"

"Jaguadarte":

"Era briluz. As lesmolisas touvas
Roldavam e relviam nos gramilvos
Estavam mimsicais as pintalouvas
E os momirratos davam grilvos."

Aqui, os versos são formalmente rimados, o sentido é captado, as palavras soam familiares, como em velhos poemas que a gente aprende na escola, mas são neologismos. Um deles, pelo menos, entrou, através de dicionários ingleses, para a língua oficial: galumphing (galunfante), o ato de galopar em triunfo. Há quebra-cabeças e charadas, variações brincalhonas de nursery rhymes ou seja, parlendas, poemas infantis ingleses, tradicionais.

Há ainda uma série de insinuações perturbadoras sobre tempo e espaço, dimensões, coisas que a física moderna pesquisa com frequência, alucinógenos e, conseqüentemente, alucinações. A Lebre de Março é louca porque Março é o mês em que as lebres inglesas entram no cio e ficam descuidadas frente aos caçadores. O Chapeleiro Maluco é maluco provavelmente porque os chapeleiros ingleses usavam uma cola, que era alucinógena, na fabricação de chapéus e, na verdade, alguns ficavam doidões.

Além desses dois livros, Carroll escreveu outra obra prima: o longo e hilário poema The Hunting of the Snark (A caça ao Turpente), sendo "Snark" uma palavra possívelmente formada da aglutinação de shark (tubarão) e snake (serpente). O livro é dividido em eight fits, ou seja, em oito ataques. São oito ataques de riso, no mínimo.

Carroll, sem ele mesmo esperar, ficou famoso com sua Alice. Creio que não tinha pretensões de ser escritor mas, consagrado como tal, tentou um romance "sério", As aventuras de Sylvie e Bruno. É um livro enfadonho, no geral. Levou longos dezesseis anos para escrevê-lo. É um livro escrito por Charles Lutwidge Dodgson, o nome verdadeiro de Lewis Carroll, ainda que o autor não pudesse mais se esquivar de seu alter-ego e há muitas coisas de Carroll no livro.

Como Dodgson ele ainda produziu alguns trabalhos matemáticos de lógica, como já foi dito, problemas de jogo de xadrez, uma série de retratos (era fotógrafo), a maioria de crianças. Meninas - "Adoro crianças, exceto meninos". Algumas nuas.

Sabe-se que Dodgson era gago, tímido. Gagueira tem a ver com culpa. Foi nomeado diácono da Igreja Anglicana a certa altura da vida. Diácono, uma espécie de sub-pastor, sub-padre. Mas em Lewis Carroll você não encontra um único traço do diácono. Escreveu ainda alguns pequenos trabalhos, humorísticos, aplicando uma lógica formal sobre situações e criando resultados inesperados, evidenciando a fragilidade de algumas certezas corriqueiras que a gente tem sobre as coisas.

Agora, quanto a Karl Marx, que era um pensador/escritor da pesada, tenho pouco a dizer. Li pouco. O suficiente para notar a argumentação farta, precisa e lógica. A obra é extensa e pesada o suficiente para achatar um leitor desavisado. No entanto, tenho meu sensores (válvulas antigas, que esquentam lentamente e apitam, luzes vermelhas piscando, lentas, no inconsciente) e percebo Marx como um alemão (só podia ser alemão) "ingênio", ou seja, um gênio ingênuo. Uma certa ingenuidade cristã permeia o manifesto escrito do ateu.

Lembro-me que Paulo Francis, um leitor respeitável, de Marx inclusive, observou que Marx nunca levou em conta "o cerne incivilizado" do ser humano, que Freud apontou. Francis observa ainda que esse cerne é intratável. É inconsciente mas, nem por isso, menos atuante. A gente lê sobre o "cerne incivilizado" todos os dias, nos jornais. Marx não levava isso em conta, acreditava no homem e se preocupava mais com a tentativa de uma elucidação possível sobre um processo econômico qualquer.

Imaginei então Carroll lendo, por exemplo, O Capital. Ele poderia, também por exemplo, pegar a teoria da mais-valia e, como dizem os paulistas, virá-la de ponta-cabeça. Poderia provar o contrário. Ou que não funciona assim, ou que trata-se de outra coisa. Seria, claro, uma brincadeira. Mas as brincadeiras de Carroll são de uma lógica afiada e demonstram, como eu já disse, que a lógica, nas mãos de Carroll, pode ser usada para provar qualquer coisa.

Os enunciados de Marx baseiam-se em lógica formal. Ou em lógica humanitária, cristã. Ao famoso "a cada um, conforme suas necessidades; de cada um, conforme suas capacidades", Carroll poderia responder provando que a única capacidade que ele tinha era a de aumentar suas necessidades, entre elas a necessidade de aumentar a própria capacidade, de forma que não gostaria de pensar sobre isso ou, talvez, provar logicamente que tanto suas capacidades quanto suas necessidades são imensuráveis, não há como medi-las. Carroll era, ou é, um perigo.

Pensando nessas bobagens, eu quis fazer minha brincadeira particular e colocar ambos, Marx e Carroll, como adversários. Não eram, na verdade. Mas escrever é brincar, ainda que brincar não seja escrever, como diria o gato de Cheshire.


Guga Schultze
Belo Horizonte, 19/9/2007

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Fahrenheit 451, Oralidade e Memória de Mariana Portela


Mais Guga Schultze
Mais Acessadas de Guga Schultze em 2007
01. Outra leitura para O pequeno Príncipe - 17/1/2007
02. Pela estrada afora - 14/11/2007
03. Barba e bigode - 4/7/2007
04. Tropikaos - 19/12/2007
05. Lennon engano - 14/2/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
19/9/2007
08h31min
Creio que a maioria das obras que tenho comprado ultimamente não vem de recomendações, mas de percepções...Percebo que já está na hora de comprá-las, explicando melhor. Vou mais longe: percebo que está na hora de comprá-las, mas isso não significa que já está na minha hora de lê-las. Tenho então, "armazenados" em minha estante, nada menos que uns quarenta livros a espera de "sua" hora. Pode levar anos, mas é muito interessante perceber como, chegando o momento certo, a hora da obra e a minha se encontram, então desfruto de uma leitura que nunca antes haveria de ter sido tão fundamental. É uma espécie de dejavu onde, na verdade, nunca sonhei com o que veio a ocorrer, mas compreendo que o que vejo é algo que já antevia. É assim com Carroll da mesma forma que ainda não o é com Marx. E do jeito que esse bonde vai, será logo (ou não). Duro é explicar para minha mulher porque estou comprando mais livros se há tantos outros esperando sua vez. Não sei como explicar...
[Leia outros Comentários de Albarus Andreos]
19/9/2007
10h26min
Eu ia fazer algum comentário que eu esqueci quando li "como dizem os paulistas, virá-la de ponta-cabeça". Como assim, meu, como assim? Em Minas não se usa isso? Que ultraje! hehe.
[Leia outros Comentários de Eduardo Mineo]
19/9/2007
16h38min
Guga, você costuma fazer associações bem interessantes nos seus textos. Tem dia que tudo que preciso é ler algo assim, repleto de brincadeiras e charadas. Quem se dispõe a desvendar? Carroll era mestre nisso, um perigo mesmo. Uma lógica capaz de torcer certezas sempre parece ameaça. E não é necessário que ao menos se pense a respeito do que está estabelecido como o certo? Não é importante perguntarmos quem e de que modo estabeleceu? Pensar diferente não é ser adversário, como alguns acham. A diferença pode até aproximar mais, despertando curiosidade, interesse. Será que o perigo não está na própria linguagem, por possuir ambivalências, sentidos duplos e ambíguos? Ou está mesmo em quem a percebe e a emprega em suas múltiplas possibilidades?! Beijos pra você!
[Leia outros Comentários de Cristina Sampaio]
20/9/2007
22h46min
Tanto a busca de semelhanças quanto a de diferenças é um bom pretexto para investigar a trajetória destes dois escritores. Gostei mesmo foi de perceber o quanto esta nossa época politicamente correta é conservadora e castradora na acepção mais radical destas expressões. Acredito que Dodgson falava mais como alguém que ele gostaria de ser ao menos integralmente e encontrou a expressividade mais intensa em Carroll. Quanto a Marx, sinto que falava para o seu tempo numa reflexão sobre a conseqüência da sociedade hierarquizada. O aspecto messiânico tem a ver com a construção de uma utopia e elas só encontram força no íntimo do homem crédulo, sobre o ateísmo de Marx ainda falta qualificar em quem ele não acreditava, pois a área que o seu pensamento delimitou é dos que tem sim a ingenuidade e a generosidade como elemento humano. Marx dizia do homem de forma geral e da relação possível no seu tempo, enquanto Carroll sorvia o individuo numa espiral de desejos e compulsões. Nada mais humano...
[Leia outros Comentários de Carlos E. Oliveira]
24/9/2007
12h31min
Guga, é o seguinte. Li e reli as duas obras em momentos diferentes da vida. É aquela coisa do sonho...e do sonho. Ambos me levaram a sonhar um mundo diferente, um pouco mais louco, um pouco mais justo, um pouco mais possível. Ambos queriam um mundo melhor, cada um a sua maneira. Foram usados de acordo com os interesses de quem os usava, assim é a humanidade. Sempre vou procurar o sorriso e o gato de Alice juntos, sempre vou tentar acreditar que a utopia (possível) de Marx faça algum sentido e creio que não há verdadeiramente antagonismo entre os dois Carrol e Marx: são complementares. Beijos, Dri
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy]
22/10/2007
20h40min
Ei Guga, ótimo texto. Li até o final! Porém quando li aquele trecho do Jabberwocky quis desistir da profissão... quê que é aquilo?! Depois me passa - see ya!
[Leia outros Comentários de Claudia Serretti]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Almanaque Pró Games Minecraft nº 01
EscolaStudio
On line



Moranguinho Baby
Ciranda Cultural
Ciranda Cultural
(2013)



Bibliotecas do Mundo
Daniela Chindler
Casa Da Palavra
(2012)



Amor e Amizade
Whit Stillman
Gutenberg
(2016)



Creative Painting of Everyday Subjects
Ted Smuskiewixz
Watson
(1986)



Patris Corde
Papa Francisco
Fons Sapientiae
(2020)



Fisica Basica - caderno de revisão
Nicolau toledo
Atual
(2013)



Português Linguagens 2
William Roberto Cereja
Atual
(2012)



A Universidade Impossível
Jacques Marcovitch
Futura
(1998)



Aspectos Jurídicos da Inseminação Artificial Heteróloga
Eliane Oliveira Barros
Fórum
(2010)





busca | avançada
67107 visitas/dia
2,1 milhões/mês