Natureza Humana Morta | Vicente Escudero | Digestivo Cultural

busca | avançada
50081 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Balé de repertório, D. Quixote estará no Teatro Alfa dia 27/1
>>> Show de Zé Guilherme no Teatro da Rotina marca lançamento do EP ZÉ
>>> Baianas da Vai-Vai são convidadas de roda de conversa no Teatro do Incêndio
>>> Airto Moreira e Flora Purim se despedem dos palcos em duas apresentações no Sesc Belenzinho
>>> Jurema Pessanha apresenta sambas clássicos e contemporâneos no teatro do Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> O melhor da Deutsche Grammophon em 2021
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
Últimos Posts
>>> Brega Night Dance Club e o afrofuturismo amazônico
>>> Fazer o que?
>>> Olhar para longe
>>> Talvez assim
>>> Subversão da alma
>>> Bons e Maus
>>> Sempre há uma próxima vez
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Na minha opinião...
>>> Tempo vida poesia 4/5
>>> Torce, retorce, procuro, mas não vejo...
>>> Lambidinha
>>> Lambidinha
>>> 12 tipos de cliente do revisor de textos
>>> A Grande História da Evolução, de Richard Dawkins
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Malcolm, jornalismo em quadrinhos
>>> PETITE FLEUR
Mais Recentes
>>> Jogos para a Estimulação das Múltiplas Inteligências de Celso Antunes pela Vozes (1999)
>>> Por Amor de Nossos Filhos - de Dietmar Rost pela Paulinas (1985)
>>> O jogo do anjo de Carlos Ruiz Zafón pela Objetiva (2011)
>>> Reflexões Sobre O Ensino Da Leitura E Da Escrita de Ana Teberosky e Beatriz Cardoso pela Unicamp (1991)
>>> Reflexões Sobre O Ensino Da Leitura E Da Escrita de Ana Teberosky e Beatriz Cardoso pela Unicamp (1991)
>>> Os 100 Segredos dos Bons Relacionamentos de Davd Niven pela Sextante (2003)
>>> Minha Vida de Walter Sandro pela Wgs Group (2004)
>>> Minha Vida de Walter Sandro pela Wgs Group (2004)
>>> Apologia de Sócrates-Banquete-Platão de Platão pela Martin Claret (2008)
>>> Manual de Direito Penal volume 3 de Julio Fabbrini Mirabete pela Atlas (1987)
>>> Motivação e Sucesso de Walter Sandro pela Wgs Group (1990)
>>> Manual de Direito Penal volume 2 de Julio Fabbrini Mirabete pela Atlas (1987)
>>> Cigarros Coleção Doutor Drauzio Varella de Drauzio Varella pela Gold (2009)
>>> Teoria Geral da Administração de Antonio Cesar Amaru Maximiano pela Atlas (2000)
>>> Matemática Financeira de João Carlos dos Santos pela Educacional (2015)
>>> Contabilidade de Gisele Zanardi P Wagner Luiz V Willian F dos Santos pela Educacional (2015)
>>> Elementos de Direito Constitucional de Michel Temer pela Revista Dos Tribunais (1983)
>>> Solanin 2 - Pocket de Inio Asano pela L&pm Pocket (2006)
>>> Niño y adolescentes creciente en contextos de pobreza de Irene Rizzini, Maria Helena Zamora e Ricardo Fletes Corona pela Puc (2006)
>>> Solanin 1 - Pocket de Inio Asano pela L&pm Pocket Manga (2006)
>>> 25 Anos do Menino Maluquinho - Já? Nem Parece! de Ziraldo pela Globinho (2006)
>>> Todos os Milhões do Tio Patinhas - Volume 1 de Vitaliano; Fausto pela Panini Comics (2020)
>>> Chavez Nuestro de Rosa Miriam Elizalde e Luis Báez pela Abril
>>> Nos labirintos da moral de Mario Sergio Cortella e Yves de La Taille pela Nos labirintos da moral (2005)
>>> Minha Imagem -Romance Espirita de Schellida / Eliana Machado Coelho pela Lumen (2013)
COLUNAS

Quinta-feira, 15/3/2012
Natureza Humana Morta
Vicente Escudero

+ de 3000 Acessos

David Fincher tornou-se o primeiro grande diretor de cinema a interpretar de forma convincente o mundo pós-internet, com uma estética baseada na reprodução sombria de lugares reconhecidos por altos valores morais e humanos, como a Universidade de Harvard em A Rede Social e a Suécia de Os Homens que Não Amavam as Mulheres, habitados por personagens lutando sem descanso contra a superfície medíocre e corrupta do cotidiano. São como os caranguejos da fábula, tentando escalar para fora do aprisionamento do balde, mas puxados de volta pela ação conjunta dos mais fracos para forçá-los a compartilhar o destino trágico da maioria. David Fincher produziu nestes últimos filmes os dois personagens mais próximos da mística de um indivíduo construído exclusivamente pelos valores prevalecentes na internet, como a solidão compartilhada e o ativismo anarquista. Em um mundo onde a vida orgânica dos personagens não entra em contato com a paisagem, que serve apenas para reprimir os desejos, a resistência individual apresenta-se como o único oxigênio a impulsionar a vida.

Lisbeth Salander e Mark Zuckerberg, personalidades danificadas e muito inteligentes, que não atuam dentro das regras tradicionais da sociedade e arriscam tudo para transformá-la, são diferentes nos limites da origem ficcional e real de cada um, mas compartilham o mesmo caráter e a moral relativista de justificativa dos meios pelos fins. Lisbeth Salander, a garota da tatuagem de dragão, não se preocupa em extrapolar os limites éticos e legais do que poderia ser uma investigação policial convencional, nem se preocupa em reprimir o desejo sádico no momento de punir seu algoz sexual. Abandonada no labirinto da burocracia pública, retratado por David Fincher como uma coleção de corredores silenciosos e salas vazias com portas trancadas, Lisbeth é a única pulsão de vida dentro de um organismo em decomposição. Seu moicano serve como uma couraça de espinhos contra a repressão da tutela exercida pelo Estado e suas tatuagens são verdadeiros símbolos religiosos servindo de proteção contra o mal. Nesse exercício de sobrevivência, não surpreende que muitas vezes acabe criando mesmo mal que combate.

Mark Zuckerberg também não se conecta com o mundo real, em A Rede Social, e consegue manter o equilíbrio nas suas relações apenas enquanto não existem disputas. A Harvard onde programa as primeiras linhas de código do Facebook não passa de um desfile de membros de fraternidades pelo prêmio do homem mais popular. Estranho imaginar os irmãos gêmeos Winklevoss, que completam as frases um do outro e se vestem da mesma forma, como pessoas reais e não uma invenção ficcional macabra. O cacoete aristocrático da dupla, no filme, transforma as instalações da Universidade, por onde passam, em vestíbulos de um castelo. Quando nasce o conflito pelo controle do Facebook, a personalidade arrogante e controladora dos irmãos vem à tona e encontra um páreo imbatível na mistura de coragem e impertinência de Zuckerberg. A narrativa da história, a partir da sala de negociações onde são ouvidas as testemunhas preliminares da disputa judicial pelo controle do Facebook é reproduzida por Fincher no mesmo estilo da Suécia de Millenium. As luzes são fracas e as cores, sem vida. Os personagens estão sentados lado a lado, mas a hostilidade dos diálogos, principalmente das falas de Zuckerberg, retratam uma disputa entre o moderno e o antigo, entre o mundo da produção burocrática do século XX e o território de conquistadores disléxicos do século XXI.

Em circunstâncias normais estas características modernas dos personagens não seriam relevantes, mas dentro da estética desenvolvida por David Fincher, em que a luz parece nunca ser suficiente para vencer a escuridão, mesmo durante o dia, elas representam a expressão mais forte da resistência, da pulsão da vida, uma espécie de adaptação genética às condições hostis de um ambiente extremamente repressivo e resistente a transformações. Essa mesma luz imobiliza os dramas e esconde da cena tudo que é acessório aos conflitos. Na Suécia de Millenium os únicos espaços iluminados são a redação da revista de Blomkvist e a casa do reencontro de Henrik e Anita Vanger. Já em A Rede Social, os momentos de claridade são o surgimento de Sean Parker, na cama com uma estudante, e seu primeiro encontro com Zuckerberg e Eduardo Saverin, num restaurante.

As personalidades de Lisbeth e Zuckerberg, nas produções de Fincher, revelam-se apenas quando retratadas no contraste com o ambiente sombrio, como pinturas da natureza morta, de objetos imóveis e solitários, iluminados por uns poucos raios de luz. A simplicidade e a falta de sentido da pintura de objetos vulgares assemelha-se à estética adotada na reprodução destes personagens por Fincher. Objetos e personagens transformam-se em arte apenas quando revelados pela luz precisa de um grande artista.


Vicente Escudero
Campinas, 15/3/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Cinema de autor de Marta Barcellos
02. A crise da pauta de Débora Costa e Silva
03. Your mother should know de Pilar Fazito
04. Tem fim do mundo para todo mundo de Alexandre Ramos
05. Procura-se a década de 60 de Sonia Pereira


Mais Vicente Escudero
Mais Acessadas de Vicente Escudero em 2012
01. A mitologia original de Prometheus - 2/8/2012
02. Ao Sul da Liberdade - 14/6/2012
03. Uma nova corrida espacial? - 17/5/2012
04. Deixa se manifestar - 20/12/2012
05. Tolos Vorazes - 19/4/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O reino de Campbell
Hammond Innes
Mérito



Entre Irmãs - 1ª Edição
Frances de Pontes Peebles
Arqueiro
(2017)



Planejamento e Estratégia Empresarial
Carlos Thomaz Guimarães Lopes
Saraiva
(1984)



Quatro Cenário para o Brasil 2005 - 2007
Claudio Porto - ( Org)
Do Autor
(2005)



America Latina - Historia, Crise e Movimento
Luiz Bernanrdo Pericás, Paulo Barsotti
Xamã
(1999)
+ frete grátis



Casa de Pedra
Vicente Ataide
H. D. V
(1985)



Domingo Dia de Cachimbo
Giselda Laporta Nicolelis
Vértice
(1974)



Diário de Rabiscos
Adriana Barbosa Ferreira
Ícone
(2008)



Capitalismo Climático
L. Huntere Lovins, Boyd Cohen
Cultrix
(2013)



Fetish: Fashion, Sex & Power
Valerie Steele
Oxford University Press,
(1997)
+ frete grátis





busca | avançada
50081 visitas/dia
1,9 milhão/mês