Mark Dery e o cotidiano virtualizado | Guilherme Mendes Pereira | Digestivo Cultural

busca | avançada
59908 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Baianas da Vai-Vai são convidadas de roda de conversa no Teatro do Incêndio
>>> Airto Moreira e Flora Purim se despedem dos palcos em duas apresentações no Sesc Belenzinho
>>> Jurema Pessanha apresenta sambas clássicos e contemporâneos no teatro do Sesc Belenzinho
>>> Como se prevenir dos golpes dos falsos agentes no mundo da música?
>>> Cia. Sansacroma estreia “Vala: Corpos Negros e Sobrevidas“ no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> O melhor da Deutsche Grammophon em 2021
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
Últimos Posts
>>> Brega Night Dance Club e o afrofuturismo amazônico
>>> Fazer o que?
>>> Olhar para longe
>>> Talvez assim
>>> Subversão da alma
>>> Bons e Maus
>>> Sempre há uma próxima vez
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O INVISÍVEL
>>> The Daily Zen Podcast
>>> O soldado absoluto
>>> Carta aos Amigos
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Eat the Rich
>>> The myth maker
>>> 19 de Dezembro #digestivo10anos
>>> O Blog da Livraria Cultura
>>> O século da canção
Mais Recentes
>>> Plantas que curam e cortam feitiços de Maria Helena Farelli pela Pallas (2022)
>>> Comida de santo de Maria Helena Fareli pela Pallas (2022)
>>> Oxum: a mãe da água doce de Luis Felipe de LIma pela Pallas (2007)
>>> Um quilombo no Leblon de Luciana Sandroni pela Pallas (2022)
>>> Edith e a velha sentada de Lázaro Ramos pela Pallas (2021)
>>> Neguinho aí de Luis Pimentel pela Pallas (2009)
>>> Saber Do Negro de Joel Rufino dos Santos pela Pallas (2015)
>>> Regeneração e Vida de Públio Carísio de Paula pela Minas (2003)
>>> Coleção Explorando o Ensino - Geografia: Ensiono Fundamental de Coord. Marísia Margarida e Santiago Buitoni pela Ministério Da Educação (2010)
>>> Retrato no Espelho de Teresa Noronha pela Ed. do Brasil
>>> Nova Visão de Francisco Cândido Xavier e Outro pela Ide (1987)
>>> O Mistério de Marie Rogêt de Edgar Allan Poe pela Ftd (1990)
>>> Os ibejis e o carnaval de Helena Theodoro pela Pallas (2019)
>>> Saber Atual: A álgebra moderna de M. Queysanne e A. Delachet pela Difusão Européia do Livro
>>> Errar é humano... Perdoar é canino! de Marcel Benedeti pela Mundo Maior (2010)
>>> 365 dias com a Bíblia - um texto para cada dia de Seleção de Paulo Sérgio Bazaglia pela Paulinas (1992)
>>> Cachorros do Céu de Wilson Bueno pela Planeta (2005)
>>> Denúncia Espontânea Em Direito Tributário de Antonio Sebastião Paloni pela Ágá Juris e Distribuidora (2000)
>>> Pequena Filocalia, o Livro Clássico da Igreja Oriental de José Comblin pela Paulus (2009)
>>> Experiência Mística de Lourenço da Ressurreição de Alexandre Sergio da Rocha pela Lotus do Saber (2000)
>>> O Caminho das Estrelas de Vera Lúcia Marinzeck De Carvalho ; Antonio Carlos pela Petit (2016)
>>> O Evangelho de Judas - O Texto Perdido que Revolucionou a História do Cristianismo de Rodolphe Kasser, Marvin Meyer e Gregor Wurst pela Prestígio (2006)
>>> A Grande Sacerdotisa de Nadir Gomes pela Girassol (2007)
>>> Encontros com o Griot Sotigui Kouyate de Isaac Bernat pela Pallas (2013)
>>> Xangô de Ildásio Tavares pela Pallas (2022)
COLUNAS

Quarta-feira, 3/4/2013
Mark Dery e o cotidiano virtualizado
Guilherme Mendes Pereira

+ de 2900 Acessos

"Estou comprometido com as políticas do politicamente incorreto - pensando o impensável e falando o indizível, os pensamentos ruins que enfurecem a polícia da mente nos dois extremos do espectro ideológico [...]. Eu me sinto atraído pelos recantos obscuros da sociedade, as regiões mais sombrias do self: o gótico, o grotesco, o carnavalesco - em resumo, extremos e excessos de todos os tipos. Eu quero induzir em você, meu leitor, a vertigem que vem de observar por tempo demais o abismo cultural - e então dar um amável empurrão, despenhadeiro abaixo"

(DERY, 2010, p.37).

Mark Dery - em Não devo pensar em coisas ruins: ensaios sobre o império americano, cultura digital, pornografia pós-humana e o simbolismo sexual do dedão da Madona - nos apresenta poeticamente alguns dos possíveis contextos, fluídos e incertos, da cultura e relações sociais cibermediadas. E ele vai além das causas conceituais fáusticas ou prometeicas. Articulando a oposição entre o idealismo conceitual e os desvendamento das práticas do dia-a-dia, Dery situou fantasticamente temáticas e paradoxos do trivial cotidiano. Enquanto crítico cultural, desbravou de forma irônica, divertida e ao mesmo tempo densa e reflexiva as mazelas e contradições do comum idealisticamente virtualizado.

Dery, admirador confesso das ficções de James Graham Ballard sustenta que graças as relações amparadas pelas redes telemáticas estamos nos tornando Ballardianos. Ser Ballardiano alude a maneiras de perceber e agir conforme o prisma apresentado nos enredos de Ballard e transpostos à situações cotidianas. Sob esta lógica ficcionalizada observa-se as distopias modernas, as paisagens construídas pelo homem e os efeitos psicológicos da evolução tecnológica, social e ambiental. "Após a exploração de Freud no interior da psique é agora o mundo exterior da realidade que deve ser quantificado e eroticizado".

Influenciado por essa inspiração, Dery, por exemplo, denunciou o Facebook dos mortos-vivos. Podemos agora nos reencontrar com tantos, mas ao mesmo tempo nossas interações ficam cada vez mais tênues e superficiais. Somos movidos a acumular o maior número de amigos em nossos perfis online. Compartilhamos, curtimos, lançamos pedaços daquilo que pretendemos que chame atenção e demostre nosso self idealizado. Esmolamos por curtidas e comentários. Ficamos dependentes de nossos dispositivos e interfaces, máscaras que encobrem nossas imperfeições e erros, que minam nossa espontaneidade. Circulamos entre interações sociais embriagantes e de curta duração. Encobrimos nossa realidade. Como estranhos seres espectrais andamos pelo submundo evocando impulsivamente uns aos outros, objetificando nossa amizade e reduzindo nossas relações online a um capital social medido pela contagem de cabeças.

Mas nem todos "curtem" (adotando a metáfora do Facebook) relações sociais cara a cara "intensas", "estáveis" e "plenas de afeto". É errado optar por relações virtualizadas e descompromissadas no lugar de vínculos corpóreos e antigas formas de interação social? Os tempos mudam, hábitos, valores e costumes também. É preciso parar de utopizar as coisas e procurar compreender as mudanças. Como Dery nos mostrou, talvez a virtualização dos vínculos e interações sociais e o reforço do individualismo não sejam coisas tão ruins assim. Cada um a sua maneira.

O pensador criticou também os blogs e algumas práticas de escrita atreladas a estes. Muitos blogs se prestam como ferramentas que possibilitam práticas sociais transgressoras, como o jornalismo livre de orientações "comerciais-político-ideológicas" advindas das grandes corporações de mídia. Essas variações jornalísticas podem servir como forma de legitimar/deslegitimar informações, por em cheque o que a mídia tradicional nos empurra. Mas essas práticas podem ser verificadas na maior parte dos casos como um pretenso "ativismo de cadeira". Os blogueiros escrevem e comentam em cima de matérias prontas. Não chegam na maioria das vezes as fontes da informação original a fim de captar um novo ponto de vista ou de verificar o anterior. Cobrem o que já foi coberto. Dery indicou a necessidade de ir além dos lugares-comuns oferecidos pela grande mídia. E apontou que talvez o "individualismo barroco de nossas mentes museus" seja uma saída, fazendo uma referência aos museus barrocos, idiossincráticos, curiosos e instigantes por natureza, como alguns blogs que existem como simples diários, construídos singularmente relatos de fragmentos do cotidiano, refletindo e expressando parte da natureza e espontaneidade de seus idealizadores.

E quanto ao espetacular no ciberespaço transfigurador de lugares comuns? Se antes a mídia espetacularizava o "real", agora todos nós temos a oportunidade de também o fazê-lo de forma mais ampla e massificada. Até as inteligências artificiais já o fazem. Como os spams surrealistas expostos por Dery. Saladas de palavras aleatórias que desconstroem nossa realidade e a remontam de forma tecnologicamente poética, aludindo ao dadaísmo escrachado dos ready mades de Duchamp. Tudo isso para driblar os mecanismos de filtragem de spams, os spambots, presentes em nossas caixas de e-mail contemporâneas. Para Dery enxergamos elos e sentidos onde queremos.

E a ficcionabilização ou potencialização da pornografia que flui através da virtualização do sexo e de suas subculturas? Dery também se lançou sobre isso. Uma pornografia online, "artificialmente delirante" e acessível para todos. O autor discorreu sobre essa pornografia pós-humana e pós-moderna em comparação a hiper-realidade revolucionária construída em The Matrix. O que o levou a questionar: seria o sexo virtualizado, transcrito em metáforas visuais hiper-realistas, uma "paródia do sexo real" ou seria a potencialização do ato em si? Através dessa "pornografia ciborguiana" o ato sexual é desconstruído por tecnologias e imaginários que estimulam a libido e a satisfação do desejo sexual de forma mais livre e criativa que por sua vez influem no futuro e no imaginário da pornografia e no imaginário social num sentido mais amplo.

Dery falou também do nosso apetite voraz pela informação, que é servida a moda fast food (metáfora nossa). Sincronizamos nossas práticas cotidianas aos hábitos caóticos e as correrias de um mundo interligado, motivado pelos novos modelos e dinâmicas econômicos. Quanto mais informação mais poder. E nesse contexto, não acompanhar o ritmo pode denotar ignorância cultural ou "descompasso existencial". Estreitamos nosso tempo tentando dar atenção a tudo, mesmo que superficialmente. As obras densas, os pesados livros carregados de simbolismo, fetiche e status social ficaram de lado, objetificados enquanto souvenires ornamentais. E isso parece indicar uma certa libertação da matéria. A informação cada vez mais onipotente e onipresente nos inunda e nos encerra. Buscamos dotar de sentido nossas existências. Dery alertou que esse sentido pode estar nas coisas mais simples as quais não temos tempo para ver, ler e compreender. O sentido buscado pode estar na pilha de jornais crescente ao nosso lado, nas entrelinhas do nosso cotidiano digitalizado ou até mesmo na frivolidade de nossas relações sociais.

Nunca tivemos tantos meios e artifícios facilitadores, tantos espetáculos, tantas oportunidades para o lazer e para o prazer, para estimular nosso imaginário e propiciar nossa plenitude existencial e o nosso gozo (literalmente também). E mesmo assim nunca satisfazemos completamente nossos organismos e mentes ávidos por novidade. Antes pela novidade objetificada, agora pela novidade virtualizada, sentida e experenciada. Como bem colocou Dery a vida vivida na web é paradoxal. Estamos em constante "inércia terminal". Viajamos a bilhões de bits por hora em paisagens espetaculares cravados em nossas confortáveis cadeiras.

Falando em gozar, aliás, passando pelas obsessões Freudianas até as peripécias Ballardianas, e chegando na virtualização e ficcionabilização do imaginário e dos ímpetos sexuais, Dery demonstrou que a sexualidade tem se mostrado como um dos aspectos fundamentais da cultura, ideologias e imaginários humanos. A sexualidade gera práticas, subculturas que são boas para se analisar, para se pensar e se compreender um pouco mais acerca das relações sociais. Aliás, o autor nos mostrou que tudo é bom para se pensar. Como suscitou Dery: "Seria a tendência intelectual de Sempre Conectar, e de igualar isso à inteligência, apenas um eco cognitivo do fato neurológico de que nossos pensamentos viajam em redes dentríticas?" (p.342).

A cultura é plural, as práticas sociais são muitas. Podemos pensar os problemas da sociedade contemporânea a partir de qualquer prisma. E Dery tratou a contemporaneidade e a cultura atual sem preconceitos, na plenitude de suas ambivalências e contradições.

Para ir além:

DERY, Mark. Não devo pensar em coisas ruins: ensaios sobre o império americano, cultura digital, pornografia pós-humana e o simbolismo sexual do dedão da Madona. Porto Alegre: Sulina, 2010.


Guilherme Mendes Pereira
Pelotas, 3/4/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Vida dos Obscuros de Marilia Mota Silva
02. O papel aceita tudo de Jardel Dias Cavalcanti
03. De volta à antiga roda rosa de Elisa Andrade Buzzo
04. O dia em que não conheci Chico Buarque de Elisa Andrade Buzzo
05. Primavera para iniciantes de Elisa Andrade Buzzo


Mais Guilherme Mendes Pereira
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Esperança
Ariovaldo Cavarzan
Eme
(2005)



Opus Dei- Os Bastidores
Dário Fontes Ferreira
Versus
(2005)



Interfaces da psicanálise
Renato Mezan
Blucher
(2020)



Revista de História da Biblioteca Nacional Nº 123
Diversos Autores
Biblioteca Nacional
(2016)



Espiritualidade Lugares Místicos e Sagrado
Espiritualidade Lugares Místicos e Sagrado
Escala



Passaporte para o Mundo
Nely Caixeta
Nobel
(2006)



Meu Próprio Negócio. Marketing Lucro Certo. Ed.32.
Vários
Online



Inovação na Gestão Pública
Richard Dubois João Lins
Saint Paul Pwc
(2012)



Descartes-os Pensadores
Descartes
Nova Cultural
(1999)



Percpectivas Sociales y Culturales en torno al desarrollo de capacidades en las Organizaciones Comunitarias
Jorge IvánBlandón Cardona (Org.)
Corporacion Cultural Nuestra Gente
(2006)





busca | avançada
59908 visitas/dia
1,9 milhão/mês