Mariana sob as brumas: a arte de Elias Layon | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
46852 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 10/2/2003
Mariana sob as brumas: a arte de Elias Layon
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 8100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

"Nas muitas viagens que fiz pelo Brasil em busca de material para meu livro História da Arte Brasileira, encontrei em Mariana, Minas Gerais, o artista plástico Elias Layon, de raro talento, que se dedica a pintar, impregnando de poesia e lirismo, o casario colonial da região envolto em brumas". (Pietro Maria Bardi)

Quem visita a histórica Mariana, em Minas Gerais, deveria, antes de percorrer a cidade, entrar no atelier do artista Elias Layon. De lá sairia com o olhar contaminado por uma imagem poética da cidade que a realidade está longe de proporcionar.

Mais importante do que os casarios coloniais, na pintura de Layon as brumas são seu fundamento constitutivo. No rigor de cada composição, a palpabilidade do mundo desaparece e o motivo das brumas se impõe preponderantemente - as brumas são o leitmotiv da sua arte, podemos dizer.

Para Layon, a paisagem é o lugar onde as brumas eclodem. Ele é o artista do transitório, da mobilidade efêmera das brumas. Nas suas telas vagos personagens, paisagens e motivos urbanos, mal distinguido pela vista, são obrigados a adaptar-se ao vago misterioso das penumbras e se acham mergulhados na suavidade uniforme e líquida das brumas. A bruma, tornada forma plástica, é poderosa e se impõe inabalavelmente. A paisagem transformada e transfigurada pela operação artística torna-se fonte de fascinação.

Ao falar do mistério da aparição das brumas na natureza, o que a arte de Layon quer é que o mundo das brumas seja restituído em sua plenitude. O artista soube deter o movimento das horas naquele instante luminoso em que as brumas dão a impressão mais fugidia, no momento em que iam se desfazer com o nascer do sol, como que dizendo que a vida passa e que os instantes mostrados por tantas luzes, não tornamos a reencontrá-los senão através da arte. À fidelidade fugidia das brumas, Layon responde com sua arte intantaneizando-as numa espécie de realidade vivida no pretérito perfeito.

Na sua obra a cor, as linhas e as massas pictóricas refletem a essência dessa toalha fina de neblina fresca, a bruma, em sua profundidade, no seu aveludado, na sua maciez - pode-se até dizer, no seu odor.

A cada nova tela do artista, o mundo se dissolve sobre os reflexos da bruma. A cidade, com seus monumentos altivos onde as brumas se agarram, parece transfigurada por uma atmosfera mágica. Layon não quer, portanto, revelar os mistérios da cidade, quer torná-la uma terra de mistérios.

Suas telas refletem cada pequeno espaço da cidade, de sua natureza, de suas luzes. Mas tornando magníficos todos estes espaços, porque revelando o que eles têm de mais íntimo e sublime.

Uma amanhecer suave, outonal, uma bruma invernal, os lampiões da noite, são detonadores que apenas esperam seus pincéis. Estas aparições são capturadas em um momento delicado de suas existências, no trágico momento de sua instabilidade, no perpétuo momento de sua aniquilação. Mas o artista, ao compor cada tela de forma fecunda, acaba eternizando o universo destas aparições, negando suas possíveis ameaças e vertigens.

A partir da obra de Layon, Mariana passa a possuir uma autoconsciência transcendente, pode-se dizer, sem sombra de dúvida, uma consciência metafísica. Como se cada tela fizesse ecoar a recordação de secretas harmonias, cujo gesto o pincel traduz como o movimento íntimo da beleza.

Ao mergulhar em cada tela do artista parece que provamos do hálito de eternidade que o movimento da arte nos traz, nos transportando para além dos limites toscos da aparência, ampliando nossas esferas de sensibilidade, levando-nos para além do tempo físico e nos mantendo suspensos numa atenção antemporal, diante de uma visão só possível de ser capturada pelos pincéis do artista.

Como dizia Marcel Proust, "um quadro é uma espécie de aparição de um recanto misterioso do mundo, do qual só podemos conhecer através das telas do artista". Layon comunga com essas palavras. Sua arte devolve à cidade de Mariana a sua condição perdida, condição poética que é redescoberta e iluminada pela arte, sabendo que é a obra de arte que a torna perene, indestrutível.

O artista realiza o milagre de tornar cada pequeno facho de luz, cada movimento da neblina, cada frescor matinal e folhas de árvores que dançam ao sabor do vento, num edifício imenso de força viva, que transpira uma permanência indefinida. Provamos de uma alegria, que à simples lembrança de suas telas, sempre retorna. Pois, como dizia o poeta Keats, "uma coisa bela é uma alegria para sempre".

Mas nosso artista não apenas é pintor. Como se dentro do pintor estivesse sendo cultivado um outro artista, guardado silenciosamente para esse momento vital da sabedoria, que é a idade adulta, Elias Layon descobriu, após uma vida dedicada à pintura, a expressão artística da escultura. E essa descoberta da escultura já surpreende em sua riqueza de expressão e qualidade técnica.

O sublime de sua arte se manifesta no talhe cuidadoso da madeira, na riqueza de gestos que suas figuras contêm, nas expressões dos traços dos rostos mergulhados em vibrações divinas, nas escolhas das cores que já trazem em si a sua própria expressão espiritual. A glorificação das figuras criadas se apresenta nos gestos das mãos, no movimento da cabeça, na qualidade nobre da indumentária. A serenidade das atitudes e a calma das expressões faciais mostram sua forma inspirada. Para ele, é a figura humana que fornecerá à escultura o tipo ideal para sua busca do belo e do espiritual. Pois sabe que a escultura do humano, ordenada plasticamente pelo artista, é o veículo que se relaciona mais diretamente com a interioridade do espírito.

A espiritualização da matéria pela arte não é novidade para Layon, suas telas o comprovam. Seu diálogo com as formas invisíveis está presente em suas paisagens serenas, nas brumas etéreas, nos casarões que se impõem poderosos ao nosso olhar. Essa experiência o artista traz para sua nova forma de criar artisticamente: a escultura.

Agora ele talha a madeira, toca-a, tateia-a, acaricia-a, mede os espaços, modela a fluidez na prefiguração da forma. Como meios para traduzir a diversidade da plenitude da obra insere um tom quente aqui, outro frio ali, outro pesado acolá, uma linha dura ascende, outra flexível descende, movimentos que obedecem ao seu toque para compor a visão total da obra. A sensibilidade táctil não cria apenas o relevo e o volume, são forças musculares provindas de um movimento interior a partir do qual vemos emergir, de um simples tronco tosco de árvore que o artista despe de sua vestimenta rugosa, um universo de segredos e maravilhas.

O que se pode ver hoje pelo chão de seu atelier são sobras que estão por toda parte, como documento dessa luta contra a matéria bruta quando, então, através do engenho do artista, novos seres se erguem diante de nós.

A matéria de que se serve e sobre a qual pinta ricos tons, penetra nas sombras douradas do tempo que não morre. É então que se faz ouvir, com um encanto religioso em que se confundem sensualidade e espiritualidade, o cântico da arte.

Utilizamos para ilustrar nosso artigo três obras do artista, duas pinturas onde aparecem a Rua Direita e a Praça Gomes Freire e uma escultura policromada de Santa Rita de Cássia, além de uma foto do artista no seu atelier.

Para saber mais
www.eliaslayon.com.br
www.asminasgerais.com.br


Jardel Dias Cavalcanti
Campinas, 10/2/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Inferno em digestão de Renato Alessandro dos Santos
02. Nobel, novo romance de Jacques Fux de Jardel Dias Cavalcanti
03. Sebastião Rodrigues Maia, ou Maia, Tim Maia de Renato Alessandro dos Santos
04. Viena expõe obra radical de Egon Schiele de Jardel Dias Cavalcanti
05. Blockchain Revolution, o livro - ou: blockchain(s) de Julio Daio Borges


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2003
01. Felicidade: reflexões de Eduardo Giannetti - 3/2/2003
02. Entrevista com o poeta Augusto de Campos - 24/3/2003
03. John Fante: literatura como heroína e jazz - 21/7/2003
04. Os Dez Grandes Livros - 15/10/2003
05. O Fel da Caricatura: André de Pádua - 3/3/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
19/2/2003
10h03min
Gostei do texto e a forma como se abordaram "as brumas" como elemento temático e como "artifício". Para quem, estando muito perto e ao mesmo tempo distante, esse texto me fez reavaliar minha posição sobre Layon e sua arte, numa perspectiva de reabilitação. Quando via os quadros de Layon, por limitação talvez, só me lembrava de que são surpreendentemente técnicos, belos, bem pintados (um equívoco?). Quem sabe não é chegada a hora de me deter mais e esperar a emoção, ficar para sentir.Obrigado pelo texto. Abraços, Jardem Cavalcanti, abraços...
[Leia outros Comentários de Vinícius Passos]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MANUAL DE DIREITO COMERCIAL 8ª EDIÇÃO
WALDO FAZZIO JUNIOR
ATLAS
(2007)
R$ 40,00



ENSINANDO A CUIDAR DE CRIANÇA
NÉBIA MARIA A. DE FIGUEIREDO
DIFUSÃO ENFERMAGEM
(2003)
R$ 16,00



O BRASIL TEM CURA
RACHEL SHEHERAZADE
MUNDO CRISTÃO
(2015)
R$ 10,00



AQUARELA BRASILEIRA
BETH CANÇADO
CORTE
(1995)
R$ 10,00



FISISCA SER PROTAGONISTA BOX- VL. UNICO
ADRIANA BENETTI MARQUES VALIO E OUTRO
SM
(2016)
R$ 220,00



TEATRO CUBANO: TEATRO CUBANO ACTUAL
ADYS GONZALO DE LA ROSA (ED.)
ALCALÁ
(2003)
R$ 22,00



FILOSOFIA NA ANTIGUIDADE - SÓCRATES E PLATÃO
RÉGIS FERNANDES DE OLIVEIRA
REVISTA DOS TRIBUNAIS
(2012)
R$ 28,00



MARKETING ESSENCIAL: CONCEITOS, ESTRATÉGIAS E CASOS
PHILIP KOTLER
PRENTICE HALL BRASIL
(2013)
R$ 50,00



O LIVRO DO PENDULO
SIG LONEGREN
BERTRAND
(1997)
R$ 20,00



A TERAPIA MAIS BREVE POSSÍVEL - AVANÇOS EM PRÁTICAS PSICANALÍTICAS
SOPHIA ROZZANNA CARACUSHANSKY
SUMMUS
(1990)
R$ 50,00





busca | avançada
46852 visitas/dia
1,1 milhão/mês