Mariana sob as brumas: a arte de Elias Layon | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
63818 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Diálogos na Web FAAP: Na pauta, festivais de cinema e crítica cinematográfica
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Morando sozinha II
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> A Piauí tergiversando sobre o fim dos jornais
>>> Mário Sérgio Cortella #EuMaior
>>> O Gabinete do Dr. Caligari
>>> Ser intelectual dói
>>> Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge
>>> É Julio mesmo, sem acento
Mais Recentes
>>> Dicionário Inglês/português Português/inglês: Mini Yes de Larousse pela Larousse (2005)
>>> O encontro marcado de Fernando Sabino pela Record (1975)
>>> Larousse de Poche de Précis de Grammaire pela Librairie Larousse (1979)
>>> A Burrice do demônio de Hélio Pellegrino pela Rocco (1988)
>>> Curso de Decoração Casa Claudia de Vários Autores pela Abril (1990)
>>> Verdades e Mistérios da Amazônia de Barros Ferreira pela Clube do livro (1967)
>>> Tempo de Esperas de Pe. Fabio de Melo pela Planeta (2011)
>>> Romance com cocaína de M. Aguêiev pela Círculo do Livro (1983)
>>> O Clube do Filme de David Gilmour pela Intrínseca (2009)
>>> O Alquimista de Paulo Coelho pela Klick (1988)
>>> Vida e contemplação de P. Nelson Carloni pela Loyola (1975)
>>> Sem Rodeios de Oscar Niemeyer pela Revan (2006)
>>> Brida de Paulo Coelho pela Klick (1990)
>>> Zélia, uma Paixão de Fernando Sabino pela Record (1991)
>>> H. Stern Um Passeio pelas Curvas Infinitas de Oscar Niemeyer de Oscar Niemeyer e outros pela H. Stern
>>> Tempo de esperança. 24 horas para você renovar suas energias. de Mark Finley pela Casa Publicadora Brasileira (2009)
>>> O Monstro de Olhos Azuis (memórias) de Tonia Carrero pela Lpm (1986)
>>> Introdução à Crítica do Direito do Trabalho de Tarso Genro pela Lpm (1979)
>>> Virando a Própria Mesa de Ricardo Semler pela Best Seller (1998)
>>> O Segredo das Quatro Letras de Gabriel Chalita pela PlugMe
>>> Elisão Tributária de Diva Prestes Marcondes Malerbi pela Revista dos Tribunais (1984)
>>> Linux - Guia do Administrador do Sistema de Rubem E. Ferreira pela Novatec (2003)
>>> Bellini e os Espíritos de Tony Bellotto pela Companhia das Letras (2005)
>>> O menino e o bruxo de Moacyr Scliar ; Maurício Veneza pela Ática (2007)
>>> Sou João : verdade e diálogo por uma Igreja-comunhão de João Braz Aviz pela Cidade nova (2015)
>>> Elt Pocket Dictionary de Ronald Ridout pela Nelson (1979)
>>> Ensaio Avaliação e Políticas Públicas em Educação 48 Volume 13 Julho Setembro 2005 de Fundação Cesgranrio pela Fundação Cesgranrio (2005)
>>> Relações desumanas no trabalho: da primeira entrevista à aposentadoria de Max Gehringer pela Casa da qualidade (1998)
>>> O Manual do Guerreiro da Luz de Paulo Coelho pela Klick (1997)
>>> Revista de Teatro n. 475 de Aldo Calvet pela Cbag (1990)
>>> Revista de Teatro n. 468 de H.Pereira da Silva pela Sbat (1988)
>>> Revista de Teatro n. 467 de H.Pereira da Silva pela Sbat (1988)
>>> O Processo Tributário - Edição ampliada e atualizada de Cleide Previtalli Cais pela Revista dos Tribunais (1996)
>>> Revista de Teatro n. 466 de H.Pereira da Silva pela Sbat (1988)
>>> Justiça Distributiva e Aplicação de Direito de Plauto Faraco de Azevedo pela Fabris (1983)
>>> O Conto da Ilha Desconhecida de José Saramago pela Companhia das Letras (1999)
>>> Confia filho ... de Pe. Fernando Maria Alvarez de Miranda pela Loyola (1983)
>>> Revista Economia y Sociedad Enero Junio 2016 de Roxana Morales Ramos Editora pela Euna (2016)
>>> Revista de Teatro n. 465 de Sbat pela H.Pereira da Silva (1988)
>>> Direito Internacional Público de Ivo Sefton de Azevedo pela Jurídica/Acadêmica (1982)
>>> A senhora do jogo de Sidney Sheldon e Tilly Bagshawe pela Record (2009)
>>> Evangelização e libertação de J. B. Libânio pela Vozes (1976)
>>> Revista de Teatro n. 452 (Out.Nov.Dez.1984) de H.Pereira da Silva pela Dalugraf (1984)
>>> Direito Internacional Público de Ivo Sefton de Azevedo pela Jurídica/Acadêmica (1982)
>>> Álbum de Retratos Ferreira Gullar de Por: Geraldo Carneiro pela Folha Seca (2008)
>>> O Direito Penal e o Novo Código Penal Brasileiro de Vladimir Giacomuzzi org. pela Fabris (1985)
>>> Depois da escuridão de Sidney Sheldon e Tilly Bagshawe pela Record (2011)
>>> Legislação Aduaneira comentada - Mercosul, Aladi, Gatt, Dumping, Drawback e Zona Franca de Guilherme A. dos Santos Mendes pela Meta (1995)
>>> Anuário 1918 =1978 Casa dos Artistas de Francisco Moreno pela Gráfica Jóia (1978)
>>> O Leitor de Bernhard Schlink pela Record (2009)
COLUNAS

Segunda-feira, 10/2/2003
Mariana sob as brumas: a arte de Elias Layon
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 8800 Acessos
+ 1 Comentário(s)

"Nas muitas viagens que fiz pelo Brasil em busca de material para meu livro História da Arte Brasileira, encontrei em Mariana, Minas Gerais, o artista plástico Elias Layon, de raro talento, que se dedica a pintar, impregnando de poesia e lirismo, o casario colonial da região envolto em brumas". (Pietro Maria Bardi)

Quem visita a histórica Mariana, em Minas Gerais, deveria, antes de percorrer a cidade, entrar no atelier do artista Elias Layon. De lá sairia com o olhar contaminado por uma imagem poética da cidade que a realidade está longe de proporcionar.

Mais importante do que os casarios coloniais, na pintura de Layon as brumas são seu fundamento constitutivo. No rigor de cada composição, a palpabilidade do mundo desaparece e o motivo das brumas se impõe preponderantemente - as brumas são o leitmotiv da sua arte, podemos dizer.

Para Layon, a paisagem é o lugar onde as brumas eclodem. Ele é o artista do transitório, da mobilidade efêmera das brumas. Nas suas telas vagos personagens, paisagens e motivos urbanos, mal distinguido pela vista, são obrigados a adaptar-se ao vago misterioso das penumbras e se acham mergulhados na suavidade uniforme e líquida das brumas. A bruma, tornada forma plástica, é poderosa e se impõe inabalavelmente. A paisagem transformada e transfigurada pela operação artística torna-se fonte de fascinação.

Ao falar do mistério da aparição das brumas na natureza, o que a arte de Layon quer é que o mundo das brumas seja restituído em sua plenitude. O artista soube deter o movimento das horas naquele instante luminoso em que as brumas dão a impressão mais fugidia, no momento em que iam se desfazer com o nascer do sol, como que dizendo que a vida passa e que os instantes mostrados por tantas luzes, não tornamos a reencontrá-los senão através da arte. À fidelidade fugidia das brumas, Layon responde com sua arte intantaneizando-as numa espécie de realidade vivida no pretérito perfeito.

Na sua obra a cor, as linhas e as massas pictóricas refletem a essência dessa toalha fina de neblina fresca, a bruma, em sua profundidade, no seu aveludado, na sua maciez - pode-se até dizer, no seu odor.

A cada nova tela do artista, o mundo se dissolve sobre os reflexos da bruma. A cidade, com seus monumentos altivos onde as brumas se agarram, parece transfigurada por uma atmosfera mágica. Layon não quer, portanto, revelar os mistérios da cidade, quer torná-la uma terra de mistérios.

Suas telas refletem cada pequeno espaço da cidade, de sua natureza, de suas luzes. Mas tornando magníficos todos estes espaços, porque revelando o que eles têm de mais íntimo e sublime.

Uma amanhecer suave, outonal, uma bruma invernal, os lampiões da noite, são detonadores que apenas esperam seus pincéis. Estas aparições são capturadas em um momento delicado de suas existências, no trágico momento de sua instabilidade, no perpétuo momento de sua aniquilação. Mas o artista, ao compor cada tela de forma fecunda, acaba eternizando o universo destas aparições, negando suas possíveis ameaças e vertigens.

A partir da obra de Layon, Mariana passa a possuir uma autoconsciência transcendente, pode-se dizer, sem sombra de dúvida, uma consciência metafísica. Como se cada tela fizesse ecoar a recordação de secretas harmonias, cujo gesto o pincel traduz como o movimento íntimo da beleza.

Ao mergulhar em cada tela do artista parece que provamos do hálito de eternidade que o movimento da arte nos traz, nos transportando para além dos limites toscos da aparência, ampliando nossas esferas de sensibilidade, levando-nos para além do tempo físico e nos mantendo suspensos numa atenção antemporal, diante de uma visão só possível de ser capturada pelos pincéis do artista.

Como dizia Marcel Proust, "um quadro é uma espécie de aparição de um recanto misterioso do mundo, do qual só podemos conhecer através das telas do artista". Layon comunga com essas palavras. Sua arte devolve à cidade de Mariana a sua condição perdida, condição poética que é redescoberta e iluminada pela arte, sabendo que é a obra de arte que a torna perene, indestrutível.

O artista realiza o milagre de tornar cada pequeno facho de luz, cada movimento da neblina, cada frescor matinal e folhas de árvores que dançam ao sabor do vento, num edifício imenso de força viva, que transpira uma permanência indefinida. Provamos de uma alegria, que à simples lembrança de suas telas, sempre retorna. Pois, como dizia o poeta Keats, "uma coisa bela é uma alegria para sempre".

Mas nosso artista não apenas é pintor. Como se dentro do pintor estivesse sendo cultivado um outro artista, guardado silenciosamente para esse momento vital da sabedoria, que é a idade adulta, Elias Layon descobriu, após uma vida dedicada à pintura, a expressão artística da escultura. E essa descoberta da escultura já surpreende em sua riqueza de expressão e qualidade técnica.

O sublime de sua arte se manifesta no talhe cuidadoso da madeira, na riqueza de gestos que suas figuras contêm, nas expressões dos traços dos rostos mergulhados em vibrações divinas, nas escolhas das cores que já trazem em si a sua própria expressão espiritual. A glorificação das figuras criadas se apresenta nos gestos das mãos, no movimento da cabeça, na qualidade nobre da indumentária. A serenidade das atitudes e a calma das expressões faciais mostram sua forma inspirada. Para ele, é a figura humana que fornecerá à escultura o tipo ideal para sua busca do belo e do espiritual. Pois sabe que a escultura do humano, ordenada plasticamente pelo artista, é o veículo que se relaciona mais diretamente com a interioridade do espírito.

A espiritualização da matéria pela arte não é novidade para Layon, suas telas o comprovam. Seu diálogo com as formas invisíveis está presente em suas paisagens serenas, nas brumas etéreas, nos casarões que se impõem poderosos ao nosso olhar. Essa experiência o artista traz para sua nova forma de criar artisticamente: a escultura.

Agora ele talha a madeira, toca-a, tateia-a, acaricia-a, mede os espaços, modela a fluidez na prefiguração da forma. Como meios para traduzir a diversidade da plenitude da obra insere um tom quente aqui, outro frio ali, outro pesado acolá, uma linha dura ascende, outra flexível descende, movimentos que obedecem ao seu toque para compor a visão total da obra. A sensibilidade táctil não cria apenas o relevo e o volume, são forças musculares provindas de um movimento interior a partir do qual vemos emergir, de um simples tronco tosco de árvore que o artista despe de sua vestimenta rugosa, um universo de segredos e maravilhas.

O que se pode ver hoje pelo chão de seu atelier são sobras que estão por toda parte, como documento dessa luta contra a matéria bruta quando, então, através do engenho do artista, novos seres se erguem diante de nós.

A matéria de que se serve e sobre a qual pinta ricos tons, penetra nas sombras douradas do tempo que não morre. É então que se faz ouvir, com um encanto religioso em que se confundem sensualidade e espiritualidade, o cântico da arte.

Utilizamos para ilustrar nosso artigo três obras do artista, duas pinturas onde aparecem a Rua Direita e a Praça Gomes Freire e uma escultura policromada de Santa Rita de Cássia, além de uma foto do artista no seu atelier.

Para saber mais
www.eliaslayon.com.br
www.asminasgerais.com.br


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 10/2/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Dooois ou um? de Adriane Pasa
02. Paulo Leminski, o Paulo Coelho da Poesia de Luis Dolhnikoff


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2003
01. Felicidade: reflexões de Eduardo Giannetti - 3/2/2003
02. Entrevista com o poeta Augusto de Campos - 24/3/2003
03. John Fante: literatura como heroína e jazz - 21/7/2003
04. Os Dez Grandes Livros - 15/10/2003
05. O Fel da Caricatura: André de Pádua - 3/3/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
19/2/2003
10h03min
Gostei do texto e a forma como se abordaram "as brumas" como elemento temático e como "artifício". Para quem, estando muito perto e ao mesmo tempo distante, esse texto me fez reavaliar minha posição sobre Layon e sua arte, numa perspectiva de reabilitação. Quando via os quadros de Layon, por limitação talvez, só me lembrava de que são surpreendentemente técnicos, belos, bem pintados (um equívoco?). Quem sabe não é chegada a hora de me deter mais e esperar a emoção, ficar para sentir.Obrigado pelo texto. Abraços, Jardem Cavalcanti, abraços...
[Leia outros Comentários de Vinícius Passos]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




UMA VIDA INVENTADA
MAITÊ PROENÇA
AGIR
(2008)
R$ 5,00



MOTIVADO PARA VENCER VOL. 2 HISTORIAS PARA TRANSFORMAR SUA VIDA
D. DCARTIO
LIO
(2008)
R$ 5,00



UM PRESENTE DE NATAL
MARY HIGGINS CLARK E CAROL HIGGINS CLARK
RECORD
(2006)
R$ 7,50



A MAIOR POÇA DE LAMA DO MUNDO
MARK BAKER
SALAMANDRA
(2014)
R$ 7,50



REVISTA BRASILEIRA DE ECONOMIA - VOL. 26/ Nº 1/ JAN./MAR 1972
FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS
FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS
(1972)
R$ 5,00



DEUS E MEU SUCESSO - COMO TRANSFORMAR OBSTACULOS EM VANTAGENS
LARRY S. JULIAN
LAROUSSE
(2008)
R$ 5,99



O COMUNICADOR
RENATO CASTELO BRANCO
PRESTIGIO
(2004)
R$ 6,90



HEADWAY ELEMENTARY STUDENTS BOOK
LIZ & JOHN SOARS E PAUL HANCOCK
OXFORD
(2019)
R$ 239,90



UM NOVO MUNDO
ALFONS BALBACH
EDIFICAÇAO DO LAR
R$ 6,90



NOVAS BASES DA BIOLOGIA - SERES VIVOS E COMUNIDADES
NÉLI BIZZO
ÁTICA
(2011)
R$ 12,00





busca | avançada
63818 visitas/dia
2,2 milhões/mês