A longa noite do Irã | Luis Eduardo Matta | Digestivo Cultural

busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Livro beneficente ensina concurseiros a superar desafios e conquistar sonhos
>>> Cia Triptal celebra a obra de Jorge Andrade no centenário do autor
>>> Sesc Santana apresenta SCinestesia com a Companhia de Danças de Diadema
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Queen na pandemia
>>> A história do Olist
>>> Kubrick, o iluminado
>>> Mr. Sandman
>>> Unchained by Sophie Burrell
>>> Reflexões na fila
>>> Papo com Alessandro Martins
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
Mais Recentes
>>> A Ciência Médica de House de Andrew Holtz pela Best Seller (2008)
>>> Três Mistérios de Lelis; Telma Guimarães Castro Andrade pela Atual Didáticos (2009)
>>> Cure Seu Corpo as Causas Mentais dos Males Físicos... de Louise L. Hay pela Best Seller (1988)
>>> Vinho Tinto para Leigos de Ed Maccarthy pela Mandarim (1998)
>>> Os Direitos Humanos na Sala de Aula - a Ética Como Tema Transversal de Ulisses F. Araújo e Júlio Groppa Aquino pela Moderna (2001)
>>> Radiologia Odontologica de Aguinaldo de Freitas e Outros pela Arte Medicas (1984)
>>> Infinity da Scorlatti de John Mcnally pela Irado (2014)
>>> Quero Viver de Fernando Carraro; Lima pela Ftd (2007)
>>> Vale a Pena Esperar de Tim Stafford pela Vida (1992)
>>> Além dos Marimbus de Herberto Sales pela Aché
>>> Conecte Matematica - 1 - Primeira Parte de Osvaldo Dolce; David Degenszajn; Nilze de Almeida pela Atual Didáticos (2014)
>>> Jack Sparrow - a Espada de Cortés Vol 4 de Rob Kidd pela Melhoramentos (2007)
>>> Mwninas e Meninos de Domingos Pellegrini pela Ática (2011)
>>> Out of This Century: Confessions of An Art Addict de Peggy Guggenheim pela Anchor Books (1980)
>>> Padre Germano- Memórias de Amalia Domingo Soler; Germano; Eudaldo Pages pela Instituto Lachatre (2011)
>>> Reflexoes politica-poeticas de Jose Olinto pela marx (2000)
>>> As Mil e uma Noites - as Paixões Viajantes de Rene Khawam pela Brasiliense (1991)
>>> Infância de Graciliano Ramos pela Folha de São Paulo (2008)
>>> Shanghai Girls de Lisa See pela Random House (2010)
>>> Larousse Ortografia de Reglas y 4ejercicios pela Larousse (1996)
>>> O Colecionador de Crespúsculos de Anna Maria cascudo Barreto pela Do Autor (2003)
>>> Law of Attraction de Allison Leotta pela Touchstone Books (2010)
>>> Truques, Trotes, Brincadeiras de Robert Nyberg; Lasse Rade pela Callis (1996)
>>> Sociedade dos Pais Mortos de Matt Haig pela Record (2011)
>>> Biologia para um Planeta Sustentável (em Portuguese do Brasil) de Armênio Uzunian pela Harbra (2016)
COLUNAS

Terça-feira, 12/7/2005
A longa noite do Irã
Luis Eduardo Matta

+ de 5100 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Para compreender o Oriente Médio contemporâneo, infestado pelo ódio, pelo fanatismo religioso, pelo terrorismo endêmico e por um visceral sentimento antiamericano, é imperioso retroceder até meados do século XX, uma época de profunda transição no mundo, quando dois acontecimentos de capital importância alteraram dramaticamente o curso da região. O primeiro deles, foi a fundação do Estado de Israel, em 1948, uma antiga reivindicação do movimento sionista criado no final do século XIX, e que lançou árabes e judeus num longo conflito que se arrasta até os nossos dias. Já o segundo, embora aparentemente menos marcante, foi tão incrivelmente determinante para os rumos políticos do Oriente Médio que, caso não tivesse ocorrido, provavelmente viveríamos, atualmente, num mundo muito mais pacificado. Refiro-me, é claro, ao odioso golpe de estado patrocinado pela CIA que, em agosto de 1953, depôs o governo democrático e constitucional do Irã, encabeçado pelo primeiro-ministro Mohamed Mossadegh.

Mossadegh era uma figura política titânica e de ética inabalável, além de um arrebatado nacionalista ferreamente comprometido com a autonomia do seu país e o bem-estar do seu povo, que, por sua vez, o adorava maciçamente. O Irã do início dos anos 1950, quando ele foi eleito primeiro-ministro, era uma terra economicamente arrasada. Durante décadas, soberanos corruptos, despóticos e hedonistas, a fim de sustentar seus vícios e luxos, literalmente pilharam o Irã, contraindo dívidas impagáveis e, mais tarde, já no século XX, entregando à cobiça estrangeira o ativo, ainda hoje, mais precioso do país: o petróleo. Dessa maneira, nasceu uma das maiores aberrações corporativas do século XX, a Anglo-Iranian Oil Company, uma empresa estatal britânica que se apoderou do petróleo iraniano, com o beneplácito dos governantes do país e explorou-o livremente e de maneira predatória por anos ininterruptos sem dar à miserável e alquebrada população local, as devidas contrapartidas financeiras a que teria direito. Desde sempre revoltado com essa vergonhosa e humilhante submissão ao poder estrangeiro, Mohamed Mossadegh, ao chegar ao poder, tratou de nacionalizar a Anglo-Iranian Oil Company e tomar posse da monumental refinaria de Abadan - a maior do planeta - construída pelos ingleses, na costa do Golfo Pérsico. A Anglo-Iranian era o negócio mais lucrativo da Inglaterra em todo o mundo e a sua nacionalização gerou uma caudalosa crise internacional que culminou com a conspiração que depôs Mossadegh - apelidada de "Operação Ajax".

No livro Todos os Homens do Xá (Bertrand Brasil; 282 páginas; 2004), o jornalista norte-americano Stephen Kinzer, veterano correspondente do The New York Times e que já trabalhou em mais de cinqüenta países, não somente reconstitui, com detalhes, os bastidores desse episódio trágico e decisivo da história iraniana, como nos revela os seus desdobramentos, ao sugerir uma evidente conexão com diversos acontecimentos que, anos mais tarde incendiaram o Irã e o Oriente Médio - e conseqüentemente o mundo. Os Estados Unidos, que até 1953 eram vistos com grande simpatia pelos iranianos, como um país democrático e promotor das liberdades, ao contrário da Inglaterra ainda presa a obtusas práticas colonialistas, tornaram-se imediatamente alvo de grande ressentimento. Ressentimento esse que, por sinal, perdura até hoje, já que os iranianos nunca perdoaram os norte-americanos pelo golpe e por torpedear a única oportunidade concreta de democracia que o Irã teve em toda a sua História. A queda de Mossadegh, deu ao soberano do Irã, o xá Mohamed Reza Pahlavi uma força extraordinária para se impor como ditador. Durante vinte e cinco anos, apoiado por uma polícia truculenta, a SAVAK, o xá tiranizou o país, perseguiu sistematicamente os opositores do regime, fechou sindicatos e restringiu liberdades civis, levando a resistência a se cristalizar em torno do Islã que, já no final dos anos sessenta, com o declínio dos movimentos nacionalistas como o Pan-Arabismo, emergia no Oriente Médio como a grande ideologia predominante. Foram essas circunstâncias que favoreceram o fortalecimento do clero xiita radical na posição de opositores maiores do regime, abrindo caminho para a tempestuosa Revolução Islâmica de 1979, comandada pelo aiatolá Khomeini, que depôs o xá e instalou uma teocracia no Irã.


A queda de Mossadegh (E) levou à revolução de Khomeini e aos ataques aos EUA

De acordo com o raciocínio de Stephen Kinzer - raciocínio este que, se pensarmos bem, faz todo o sentido - o elo entre a Operação Ajax e os monumentais atentados de 11 de setembro de 2001 nos Estados Unidos é inegável. Em primeiro lugar, porque uma das causas do ódio que muitos muçulmanos, não somente iranianos, dedicam aos Estados Unidos foi, sem dúvida alguma, o golpe de 1953. E, além do mais, a Revolução Islâmica de Khomeini - que jamais teria acontecido, caso Mossadegh não houvesse sido deposto e substituído por uma ditadura pró-Ocidente - contagiou os corações de fundamentalistas em todo o mundo muçulmano, incentivando, a partir da década de oitenta, a aparição de inúmeros movimentos beligerantes de inspiração religiosa como o Hamas, o Hezbollah e o Talibã.

No entanto, o maior mérito de Todos os Homens do Xá é esclarecer alguns pontos que permanecem obscuros na mente da maioria das pessoas que acompanham, à distância, o desenrolar dos acontecimentos no Oriente Médio sem compreender direito porque o mundo muçulmano alimenta tanta animosidade contra o Ocidente, seu estilo de vida e suas conquistas civis e comportamentais. No caso do Irã, o livro é bastante claro ao demonstrar como o isolamento voluntário do atual regime islâmico é nada mais do que uma reação natural aos muitos anos em que o país foi explorado por interesses estrangeiros. Não é exagerado afirmar que o Irã só assumiu a sua plena soberania como nação a partir da revolução de 1979, quando passou a guardar um estratégico distanciamento de todos os outros países, incluindo os seus vizinhos árabes.

Já no que tange à política externa norte-americana, a narrativa de Stephen Kinzer apenas reforça aquilo que todos nós já estamos fartos de saber: que a atual onda de terrorismo que apavora os Estados Unidos e seus aliados é, acima de tudo, uma conseqüência óbvia das várias intervenções americanas no Oriente Médio - da queda de Mossadegh, passando pelo financiamento do regime de Saddam Hussein, no Iraque e pelo apoio ao movimento Talibã, no Afeganistão. E sugere que a cura para o antiamericanismo depende, exclusivamente, dos próprios Estados Unidos. Ou seja, enquanto os norte-americanos não adotarem uma postura menos arrogante em relação aos países muçulmanos e não aprenderem a tratá-los decentemente, respeitando as diferenças culturais e não colocando os interesses econômicos (leia-se petróleo) acima de tudo, o diálogo entre Islã e Ocidente permanecerá crítico, o mundo seguirá inseguro e bombas continuarão explodindo, seja em Nova York ou Londres, seja em Cabul ou Bagdá, alimentando uma espiral insana de violência, cujo fim, a cada dia, parece mais improvável.

Para ir além






Luis Eduardo Matta
Rio de Janeiro, 12/7/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. História da leitura (I): as tábuas da lei e o rolo de Marcelo Spalding
02. Por que quero sair do Orkut (mas não consigo) de Fabio Silvestre Cardoso


Mais Luis Eduardo Matta
Mais Acessadas de Luis Eduardo Matta em 2005
01. Moda e modismos prêt-à-porter - 29/3/2005
02. O discreto charme dos sebos - 11/1/2005
03. Um romance de terror e de sombras - 1/3/2005
04. Henry Moore: o Rodin do século XX - 26/7/2005
05. O primeiro código de Brown - 10/5/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
15/7/2005
11h50min
No 9/11, as crianças perguntavam a seus pais: por que eles nos odeiam tanto? O triste é que nem eles sabiam. Para o americano médio tudo se explica com outra frase infantil: É porque eles odeiam nossa liberdade! Liberdade é o melhor dos mundos, mas tem que ser praticada dentro e fora de casa. Americanos e ingleses ainda não entenderam isto até hoje.
[Leia outros Comentários de Sergio ]
23/7/2005
16h51min
Nenhum evento pode ou deve ser analisado pontualmente, como algo isolado, solto no espaço e no tempo. Os ataques terroristas que têm abalado o mundo, causando a morte de crianças e de pessoas inocentes, nos enchem de horror e nos causam repugnância. Entretanto, como bem mostrou seu artigo, eles não passam de uma reação de quem não possui outras armas a não ser o terror. Costumo comparar os atuais atos terroristas com o que aconteceu na segunda guerra mundial, quando civis organizaram-se formando a resistência francesa, comandados pelo general De Gaule desde a Inglaterra. Os atos dos resistentes eram de sabotagem explodindo trens, pontes e fosse lá o que fosse, para impedir o avanço das tropas alemães. Por nós, aliados, eram considerados heróis - os heróis da resistência. Será que pelos alemães foram também considerados heróis ou meros terroristas? Ridícula e descabida é a "guerra" contra o terror pois ele não se origina em um país, mas em uma ideologia ou reivindicação. A batalha contra o terror só pode ser vencida ao redor de uma mesa, ou seja, de forma política, através de discussões e acordos. Ainda assim, não será fácil, como não é fácil a solução de qualquer problema onde esteja envolvido poder econômico e fanatismo religioso e, pior que tudo, a hipocrisia e a ambição inerentes aos humanos. A situação é escabrosa e a curto prazo não vejo solução satisfatória. Infelizmente os humanos tornam-se a cada dia piores. A evolução científica não corre paralelamente à evolução espiritual. A última está muito aquém do desejado, especialmente em termos coletivos. Individualmente o homem quer a paz, mas, coletivamente, não trabalha para alcançá-la. Parece mesmo que quanto mais avança na tecnologia, mais engatinha e cai na escala espiritual de homo sapiens. Afinal de que adiantou a postura ereta se não sabemos andar? Na mente não passamos de quadrúpedes!
[Leia outros Comentários de regina mas]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Para Gostar de Ler, Contos Brasileiros 2
Clarice Lispector; Outros
Atica
(2006)



O Segredo do Genesis
Tom Knox; Angela Pessoa
Suma de Letras Brasi
(2010)



O Gatinho Fofo Gueiro
Elaine de Prá
Paulinas
(2017)



Help! Sistema de Consulta Interativa - Língua Portuguesa
Estadão
Klick



Cândido Ou o Otimismo - Série Reencontro
Voltaire / José Arrabal
Scipione
(1991)



Nietzsche para Estressados
Allan Percy
Sextante
(2011)



O Livro de Jó - Saga O Turno da Noite Vol.3
Andre Vianco
Novo Seculo
(2007)



Tudo por um Feriado
Thalita Rebouças
Rocco
(2007)



Elis 1977
Folha de São Paulo
Folha de São Paulo



O Valor Terapêutico do Perdão
Francisco Cajazeiras
Eme
(2010)





busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês