Brazilionaires | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
69585 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
>>> Irene Ravache & Alma Despejada na programação online do Instituto Usiminas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Entrevista com Cardoso
>>> Além do mais
>>> Adeus, Orkut
>>> Sabe como é, pode rolar...
>>> Zeitgeist
>>> 9° Festival Internacional do Documentário Musical
>>> Até Faustão apoia os protestos
>>> Zastrozzi
Mais Recentes
>>> Veja 45 anos. Edição Especial. Ano 46 - 2013 de Vários pela Abril (2013)
>>> Revista Exame O consumidor no Vermelho. Edição 997 de Vários pela Abril (2011)
>>> Almanaque da Luluzinha e do Bolinha. Edição especial. de Vários pela Pixel (2011)
>>> Freud e a Educação - O Mestre do Impossível de Maria Cristina Kupfer pela Scipione (1997)
>>> Freud Antipedagogo de Catherine Millot pela Jorge Zahar (1987)
>>> Formação de professores indígenas: repensando trajetórias de Luis Donizete Benzi Grupioni (Org.) pela Unesco/Secad (2006)
>>> O Freudismo de Mikhail Bakhtin pela Perspectiva (2001)
>>> De Piaget a Freud - A (Psico)Pedagogia Entre o Conhecimento e o Saber de Leandro de Lajonquière pela Vozes (1998)
>>> Uma Breve História do Mundo de Geofrey Blainey pela Fundamento (2007)
>>> Piaget - O Diálogo com a Criança e o Desenvolvimento do Raciocínio de Maria da Glória Seber pela Scipione (1997)
>>> Cem Anos Com Piaget – Substratum Artes Médicas – Volume 1, Nº 1 de Ana Teberosky e Liliana Tolchinsky pela Artes Médicas (1997)
>>> Você e eu- martin buber, presença palavra de Roberto Bartholo Jr. pela Garamond (2001)
>>> Piaget - Experiências Básicas Para Utilização Pelo Professor de Iris Barbosa Goulart pela Vozes (1998)
>>> Revisitando Piaget de Fernando Becker e Sérgio Roberto K. Franco (Org.) pela Mediação (1998)
>>> Eu e Tu de Martin Buber pela Centauro (2001)
>>> Jean Piaget Sobre a Pedagogia - Textos Inéditos de Silvia Parrat e Anastasia Tryphon (Org.) pela Casa do Psicólogo (1998)
>>> Cinco Estudos de Educação Moral de Jean Piaget, Maria Suzana de Stefano Menin, Ulisses Ferreira de Araújo, Yves de La Taille, Lino de Macedo (Org) pela Casa do Psicólogo (1996)
>>> Percursos Piagetianos de Luci Banks-Leite (Org.) pela Cortez (1997)
>>> Piaget e a Intervenção Psicopedagógica de Maria Luiza Andreozzi da Costa pela Olho D'Água (1997)
>>> Fazer e Compreender de Jean Piaget pela Melhoramentos (1978)
>>> Dicionário do Renascimento Italiano de John R. Hale pela Jorge Zahar (1988)
>>> A Tomada de Consciência de Jean Piaget pela Melhoramentos (1978)
>>> Psicologia e Pedagogia de Jean Piaget pela Forense Universitária (1998)
>>> Dicionário Temático do Ocidente Medieval de Jacques Le Goff & Jean-Claude Schmitt pela Edusc (2002)
>>> Como Orientar a Criança Excepcional - vol. 8 - Curso de Orientação Educacional de Jay Aruda Piza pela Pontes (2020)
>>> O Estruturalismo de Jean Piaget pela Difel (1979)
>>> Higiene Mental das Crianças e Adolescentes- vol. 7 - Curso de Orientação e Educacional de Dep. de Instrução Pública de Genebra pela Ponte (1972)
>>> O Pós-dramático de J. Guinsburg e Silvia Fernandes pela Perspectiva (2009)
>>> Poesia soviética de Lauro Machado Coelho pela Algol (2007)
>>> Pétala Soletrada pelo Vento de Mariayne Nana pela Urutau (2018)
>>> Tomidez e Adolescência vol. 6 - Curso de Orientação Educacional de Jean Lacroix pela Pontes (1972)
>>> Ensaios Reunidos (1946-1971), V. 2 de Otto Maria Carpeaux pela Topbooks (2005)
>>> Como compreender seu Potencial de Myles Munroe pela Koinonia Comunidade (1995)
>>> Louvai a Deus Com Danças de Isabel Coimbra pela Profetizando Vida (2000)
>>> A missão de Interceder de Durvalina B. Bezerra pela Descoberta (2001)
>>> O Contrabandista de Deus de Irmão André. John e Elizabeth Sherrill pela Betânia (2003)
>>> Ensaios Reunidos 1942 - 1978 Vol. 1 de Otto Maria Carpeaux pela Topbooks (1999)
>>> O Dízimo e o Sábado não são Cristãos de Fernando César Roelis Padilha pela Xxxxxxxxxxxx (1995)
>>> Socorro, Temos Filhos! de Dr. Bruce Narramore pela Mundo Cristão (1992)
>>> Fale a verdade consigo mesmo de Willian Backus Marie Chapian pela Betânia (1989)
>>> Como controlar as Tensões no Camento de Bill e Vonette Bright pela Candeia (1990)
>>> Satanás está vivo e Ativo no planeta terra de Hal Lindsey pela Mundo Cristão (1981)
>>> Venha O Teu Reino de David W. Dyer pela Ministério Grão de trigo (1985)
>>> Eu, um Servo? Você está Brincando! de Charles Swindoll pela Betânia (1983)
>>> Que Há Por Trás Da Nova Ordem Mundial? de E. G. White pela Vida Plena (1995)
>>> Cerco de Jericó a caminho da vitoria de Pe. Alberto Gambarini pela Ágape (2005)
>>> Comunicação a Chave para o Seu Camento de H. Norman Wright pela Mundo Cristão (1983)
>>> Princípios de Interpretação da Bíblia de Walter A. Henrichsen pela Mundo Cristão (1983)
>>> Apocalipse versículo por versículo de Severino Pedro da Silva pela Cpad (1985)
>>> Boas Esposas de Louisa May Alcott pela Principis (2020)
COLUNAS

Sexta-feira, 4/6/2010
Brazilionaires
Marta Barcellos

+ de 3100 Acessos
+ 3 Comentário(s)


LIANA TIMM© (http://timm.art.br/)

Os brasileiros que visitam museus em outros países já estão acostumados: na hora de pegar fones para ouvir explicações sobre as obras expostas, ou folhetos com as informações do acervo, raramente há a opção do idioma português. Nos tempos em que éramos mais um país exótico do globo, onde muitos imaginavam que se falava espanhol, não me ocorria questionar a discriminação. Assisti com curiosidade até o chinês entrar no "cardápio" do turismo internacional, onde há décadas já eram obrigatórios os caracteres dos ricos japoneses, e continuava raciocinando que brasileiro tinha mesmo que conhecer um mínimo de inglês, ou pelo menos espanhol, para merecer o acesso a toda a grandeza da cultura europeia. Se não soubesse outras línguas, que se contentasse com aquela excursão "um ônibus brasileiro na Europa".

No entanto, em minha última viagem, em maio, acabei encasquetando. Em Paris, depois de dez dias na Itália, li na internet que os turistas brasileiros gastaram no exterior, segundo o Banco Central, US$ 4,6 bilhões no primeiro trimestre deste ano, 70,3% a mais do que no mesmo período de 2009. Nos noticiários das TVs italiana e francesa, só dava Lula, tratado como respeitada liderança internacional. Tinha acabado de me despedir de um casal amigo que partia para Atenas, atrás das pechinchas oferecidas pelo turismo local para tentar compensar os estragos da crise econômica. Na Itália, me deparei com três manifestações contra a perda de direitos de funcionários públicos ― incluindo dez minutos de um protesto solene do corpo de baile do Teatro Massimo, de Palermo, antes da apresentação da ópera Maria Stuarda. E logo constataria que Paris estava ainda mais invadida por brasileiros. Se eles andassem em grandes grupos, tivessem olhos puxados e fossem os únicos com pequenas câmeras nas mãos, certamente a ocupação seria tão evidente quanto à dos turistas japoneses décadas atrás.

Não fiz o tour completo de museus parisienses (alguém consegue?) ― ao contrário: como só tinha dois dias na cidade, escolhi a dedo o D'Orsay, meu preferido. Portanto, não posso afirmar estatisticamente a quantas anda a oferta do idioma português no circuito cultural de Paris ― onde, aliás, os brasileiros sempre são vistos com simpatia. Mas achei emblemático que, depois de tantas evidências da nova posição do Brasil no jogo de forças político-econômico internacional, eu chegasse ali e observasse uma enorme oferta de idiomas para guiar os visitantes pelo espetacular acervo do museu, com exceção do português. Lá estavam o chinês, o russo, o grego...

Para termos algum grau de comparação, a população da combalida Grécia soma 11 milhões de habitantes, e pode-se imaginar que hoje um reduzido percentual esteja apto a engrossar o turismo internacional. Enquanto isso, do lado de cá do Atlântico, no antigo "terceiro mundo", que virou "país em desenvolvimento" e evoluiu para "emergente" até ganhar o status de BRICs, 4% do populoso Brasil faz viagens anuais para o exterior, o que representa cerca de 7,6 milhões de pessoas.

Já de volta ao Brasil, eu reconheceria como precipitada a minha conclusão de que a nova posição do país no cenário global estava sendo ignorada. Na pilha de jornais e revistas acumulada durante a viagem, li uma nota d'O Globo comentando que a Galeries Lafayette contratou vendedoras brasileiras para aproveitar todo o potencial de consumo da legião verde-amarela em Paris. Lá, somos conhecidos como os "brazilionaires". No mesmo jornal, outra reportagem dava conta da maior procura por cursos de português no exterior: o número de alunos nas escolas credenciadas pelo Itamaraty no exterior pulou de 13 mil, em 2000, para 27 mil no ano passado. Na Argentina, o governo decidiu incentivar o ensino do português, colocando-o como opção em toda a rede fundamental de ensino.

A revista Época trazia uma explicação extra para a voracidade dos compradores brazucas em galerias e outlets estrangeiros. A nossa elevada carga tributária faz com que uma diversificada gama de produtos seja muito mais barata no exterior. Nada que alguém que já tentou comprar um iPod não tenha constatado, mas mesmo assim os dados da reportagem impressionavam. Por sinal, nesta viagem tive que dar o braço a torcer: depois de dez dias lutando contra o consumismo no pequeno grupo com quem descia de carro pela Itália, acabei convencida a gastar algumas horas comparando preços e fazendo compras ― e estava feliz com a economia que fizera. No entanto, fique claro, não me convidem para uma viagem de compras a Miami.

Tentando juntar a profusão de experiências e indícios, e ainda zonza pelo fuso horário, acabei na dúvida: o novo peso relativo do Brasil na economia e na política mundial vai levar a um maior reconhecimento global em relação à língua portuguesa? Ou será que as hordas de turistas que preferem as compras aos museus (culpa do câmbio e da política tributária?) conseguirão no máximo colocar o nosso idioma nos manuais dos produtos e no vocabulário dos vendedores? Só sei de uma coisa: depois de constatar o orgulho de italianos monoglotas ("Não falo inglês, sou italiano!"), e ver como tantas nacionalidades conseguem impor seus idiomas por não terem uma cultura multilíngue, acho que chegou a hora dessa gente bronzeada (e às vezes milionária) perder a vergonha de não falar inglês. E, por que não, reivindicar fones em português. Protestar, como fazem os europeus.

Nota do Editor
Marta Barcellos mantém o blog Espuminha.


Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 4/6/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A pandemia de Albert Camus de Wellington Machado
02. Treliças bem trançadas de Ana Elisa Ribeiro
03. A que ponto chegamos, EUA! de Celso A. Uequed Pitol
04. Na hora do batismo de Marta Barcellos
05. Caiu na rede, virou social de Fabio Gomes


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2010
01. Palmada dói - 6/8/2010
02. Com ventilador, mas sem educação - 12/3/2010
03. A suprema nostalgia - 15/10/2010
04. O futuro do ritual do cinema - 9/4/2010
05. Pelas mãos habilidosas dos grandes escritores - 17/9/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
4/6/2010
09h54min
Talvez, e eu disse só "talvez", o brasileiro, diferentemente de outros povos, não se incomode com o fato do português não ser falado em outros lugares. Estamos acostumados com o colonialismo e vamos carregar o "complexo de vira-lata" por muito tempo. Por outro lado, me incomoda a arrogância de quem chega em outro país e crê que sua lingua tem que ser falada no universo inteiro. Assim, não acho tão ruim a modéstia idiomática do brasileiro.
[Leia outros Comentários de Carlos Goettenauer]
7/6/2010
08h54min
O Tejo é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia, mas o Tejo não é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia, porque o Tejo não é o rio que corre pela minha aldeia. Para mim tanto faz se os outros sabem português. Quem não conhece, não sabe o que está perdendo. Antropofagicamente, eu como as outras línguas também. Quem só come um prato, não sabe o que está perdendo.
[Leia outros Comentários de Felipe Pait]
14/6/2010
09h01min
Eu pertenço a um outro mundo, daquela minoria que não vê na língua qualquer pretexto para se fazer política. Outro dia encontrei um colega que disse conhecer toda a Europa e EUA, mas não conhece uma só praia do nordeste brasileiro. Fala fluentemente inglês e não está preocupado com o fato de o português ser ou não falado lá fora. Assim como ele, a grande maioria dos turistas brasileiros no exterior são míopes para problemas brasileiros. O Lula quando vai ao exterior fala apenas o português, e não cobre dele outro idioma. O FHC até no paraguai falava em inglês. A língua, voltemos à sua origem, quer apenas possibilitar a comunicação. É apenas isso o que ela deseja. Não a tome em manifesto ufanista, pois a comunicação será preterida. Agora, com todas as ferramentas de comunicação que estão surgindo no embalo da internet, muito em breve surgirá uma língua universal, de modo natural, sem imposições. A língua será de fato um idioma universal. A exemplo do beijo de língua.
[Leia outros Comentários de Roberto Escritor]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




BRINCANDO COM TRAVA-LÍNGUAS - JACKSON DE ALENCAR (LITERATURA INFANTIL)
JACKSON DE ALENCAR (ORG.)
PAULUS
(2009)
R$ 8,00



A FORMAÇÃO DA PROFESSORA ALFABETIZADORA - 6ª ED.
REGINA LEITE GARCIA
CORTEZ
(1998)
R$ 36,00



TRÓPICO DOS PECADOS
RONALDO VAINFAS
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(2014)
R$ 200,00



GUIA GANHE DINHEIRO COM O YOU TUBE
VÁRIOS AUTORES - REVISTA
ON LINE
(2015)
R$ 24,90



VOCÊ PODE VIVER EM PLENITUDE
FREI CLEMENTE KESSELMEIRER
VOZES
(1999)
R$ 12,00



SOCIEDADE DOS MENINOS GÊNIOS
LEV AC ROSEN
NOVO CONCEITO
(2014)
R$ 49,90



INOVAÇÃO - COMO CRIAR IDEIAS QUE GERAM RESULTADOS
ANTONIO CARLOS TEIXEIRA DA SILVA
QUALITYMARK
(2004)
R$ 7,55



CHERNOBYL 1986 - 1996
SONIA SALEM - PESQUISA E TEXTO
GREENPEACE - APEOESP
(1996)
R$ 9,50



PAIXÃO ÍNDIA
JAVIER MORO
PLANETA
(2010)
R$ 16,00



PRIMEIRO LIVRO DE XADREZ
I. A. HOROWITZ E FRED REINFELD
IBRASA
(1992)
R$ 20,00





busca | avançada
69585 visitas/dia
2,2 milhões/mês