Brazilionaires | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
67107 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Filó Machado encerra circulação do concerto 60 Anos de Música com apresentação no MIS
>>> Mundo Suassuna, no Sesc Bom Retiro, apresenta o universo da cultura popular na obra do autor paraiba
>>> Liberdade Só - A Sombra da Montanha é a Montanha”: A Reflexão de Marisa Nunes na ART LAB Gallery
>>> Evento beneficente celebra as memórias de pais e filhos com menu de Neka M. Barreto e Martin Casilli
>>> Tião Carvalho participa de Terreiros Nômades Encontro com a Comunidade que reúne escola, família e c
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Marcelo Mirisola e o açougue virtual do Tinder
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
Colunistas
Últimos Posts
>>> A melhor análise da Nucoin (2024)
>>> Dario Amodei da Anthropic no In Good Company
>>> A história do PyTorch
>>> Leif Ove Andsnes na casa de Mozart em Viena
>>> O passado e o futuro da inteligência artificial
>>> Marcio Appel no Stock Pickers (2024)
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Entrevista com Ruy Castro
>>> Diga: trinta e três
>>> O Casal 2000 da literatura brasileira
>>> Lucas vs. Spielberg
>>> Do desprezo e da admiração
>>> A pulsão Oblómov
>>> Arte Brasileira Hoje: um arquipélago
>>> Sobre o som e a fúria
>>> O fim do livro, não do mundo
>>> Jornal: o cadáver impresso
Mais Recentes
>>> Que Es El Tiempo ? de Damm Antje pela Iamique (2011)
>>> A Colonização Alemã no Rio Grande do Sul de Aldair Marli Lando; Eliane Cruxên Barros pela Movimento (1982)
>>> Encontro Poesia Brasília de Arisnaldo dos Santos Januário pela Da Autore (1984)
>>> Onde Moras? Moradia e Fraternidade de Campanha da Fraternidade pela Aec (1993)
>>> Festa na Floresta Itaúna de Márcia Regina Morais pela Vile (2008)
>>> Anime Do Especial Número 9 Dragon Ball de Lisa Matsuzaka pela Escala
>>> Revista Anime Do Número 5 de Lilian Maruyama pela Escala
>>> Defensores de Tóquio Número 3 de Eduardo Leão pela Trama
>>> O Castelo De Otranto de Horace Walpole pela Nova Alexandria (1996)
>>> O Ânus Solar de Georges Bataille pela Hiena (1985)
>>> O Perigo das Radiações de Jack Schubert; Ralph E. Lapp pela Ibrasa (1960)
>>> Apometria: Um instrumento para a harmonia e para a felicidade a nova ciencia da alma de J S Godinho pela Holus (2012)
>>> The Little Prince de Antoine de Saint-Exupéry pela Harbrace (1971)
>>> Livro MILAGRES de Vera Nappi pela A Vida é Bela (2003)
>>> Você Pode Curar Sua Vida 126ª edição. de Louise L Hay pela Best Seller (2021)
>>> Livro CANTO ALGUM de Flávia Reis pela Reformátório (2020)
>>> Apologia de Sócrates - clássicos de bolso ediouro de Platão ( tradução de Maria Lacerda de Moura) pela Ediouro (2002)
>>> Mediunidade e Apometria: Terapêutica e Apometria edição. revista e atualizada de J S Godinho pela Holus (2012)
>>> Livro Mulher V Moderna, à moda antiga de Cristiane Cardoso pela Thomas Nelson (2013)
>>> Der Kleine Prinz de Antoine de Saint-Exupéry pela Harbrace (1971)
>>> Der Kleine Prinz de Antoine de Saint-Exupéry pela Karl Rauch
>>> Brief an Den Vater de Franz Kafka pela Fischer (1989)
>>> Sonhos de Bunker Hill de John Fante pela L&pm (2003)
>>> I Ching - O Livro das Mutações de Desconhecido pela Trevo (2004)
>>> O Mistério dos Temperamentos de Rudolf Steiner pela Antroposofica (1994)
COLUNAS

Sexta-feira, 4/6/2010
Brazilionaires
Marta Barcellos
+ de 4000 Acessos
+ 3 Comentário(s)


LIANA TIMM© (http://timm.art.br/)

Os brasileiros que visitam museus em outros países já estão acostumados: na hora de pegar fones para ouvir explicações sobre as obras expostas, ou folhetos com as informações do acervo, raramente há a opção do idioma português. Nos tempos em que éramos mais um país exótico do globo, onde muitos imaginavam que se falava espanhol, não me ocorria questionar a discriminação. Assisti com curiosidade até o chinês entrar no "cardápio" do turismo internacional, onde há décadas já eram obrigatórios os caracteres dos ricos japoneses, e continuava raciocinando que brasileiro tinha mesmo que conhecer um mínimo de inglês, ou pelo menos espanhol, para merecer o acesso a toda a grandeza da cultura europeia. Se não soubesse outras línguas, que se contentasse com aquela excursão "um ônibus brasileiro na Europa".

No entanto, em minha última viagem, em maio, acabei encasquetando. Em Paris, depois de dez dias na Itália, li na internet que os turistas brasileiros gastaram no exterior, segundo o Banco Central, US$ 4,6 bilhões no primeiro trimestre deste ano, 70,3% a mais do que no mesmo período de 2009. Nos noticiários das TVs italiana e francesa, só dava Lula, tratado como respeitada liderança internacional. Tinha acabado de me despedir de um casal amigo que partia para Atenas, atrás das pechinchas oferecidas pelo turismo local para tentar compensar os estragos da crise econômica. Na Itália, me deparei com três manifestações contra a perda de direitos de funcionários públicos ― incluindo dez minutos de um protesto solene do corpo de baile do Teatro Massimo, de Palermo, antes da apresentação da ópera Maria Stuarda. E logo constataria que Paris estava ainda mais invadida por brasileiros. Se eles andassem em grandes grupos, tivessem olhos puxados e fossem os únicos com pequenas câmeras nas mãos, certamente a ocupação seria tão evidente quanto à dos turistas japoneses décadas atrás.

Não fiz o tour completo de museus parisienses (alguém consegue?) ― ao contrário: como só tinha dois dias na cidade, escolhi a dedo o D'Orsay, meu preferido. Portanto, não posso afirmar estatisticamente a quantas anda a oferta do idioma português no circuito cultural de Paris ― onde, aliás, os brasileiros sempre são vistos com simpatia. Mas achei emblemático que, depois de tantas evidências da nova posição do Brasil no jogo de forças político-econômico internacional, eu chegasse ali e observasse uma enorme oferta de idiomas para guiar os visitantes pelo espetacular acervo do museu, com exceção do português. Lá estavam o chinês, o russo, o grego...

Para termos algum grau de comparação, a população da combalida Grécia soma 11 milhões de habitantes, e pode-se imaginar que hoje um reduzido percentual esteja apto a engrossar o turismo internacional. Enquanto isso, do lado de cá do Atlântico, no antigo "terceiro mundo", que virou "país em desenvolvimento" e evoluiu para "emergente" até ganhar o status de BRICs, 4% do populoso Brasil faz viagens anuais para o exterior, o que representa cerca de 7,6 milhões de pessoas.

Já de volta ao Brasil, eu reconheceria como precipitada a minha conclusão de que a nova posição do país no cenário global estava sendo ignorada. Na pilha de jornais e revistas acumulada durante a viagem, li uma nota d'O Globo comentando que a Galeries Lafayette contratou vendedoras brasileiras para aproveitar todo o potencial de consumo da legião verde-amarela em Paris. Lá, somos conhecidos como os "brazilionaires". No mesmo jornal, outra reportagem dava conta da maior procura por cursos de português no exterior: o número de alunos nas escolas credenciadas pelo Itamaraty no exterior pulou de 13 mil, em 2000, para 27 mil no ano passado. Na Argentina, o governo decidiu incentivar o ensino do português, colocando-o como opção em toda a rede fundamental de ensino.

A revista Época trazia uma explicação extra para a voracidade dos compradores brazucas em galerias e outlets estrangeiros. A nossa elevada carga tributária faz com que uma diversificada gama de produtos seja muito mais barata no exterior. Nada que alguém que já tentou comprar um iPod não tenha constatado, mas mesmo assim os dados da reportagem impressionavam. Por sinal, nesta viagem tive que dar o braço a torcer: depois de dez dias lutando contra o consumismo no pequeno grupo com quem descia de carro pela Itália, acabei convencida a gastar algumas horas comparando preços e fazendo compras ― e estava feliz com a economia que fizera. No entanto, fique claro, não me convidem para uma viagem de compras a Miami.

Tentando juntar a profusão de experiências e indícios, e ainda zonza pelo fuso horário, acabei na dúvida: o novo peso relativo do Brasil na economia e na política mundial vai levar a um maior reconhecimento global em relação à língua portuguesa? Ou será que as hordas de turistas que preferem as compras aos museus (culpa do câmbio e da política tributária?) conseguirão no máximo colocar o nosso idioma nos manuais dos produtos e no vocabulário dos vendedores? Só sei de uma coisa: depois de constatar o orgulho de italianos monoglotas ("Não falo inglês, sou italiano!"), e ver como tantas nacionalidades conseguem impor seus idiomas por não terem uma cultura multilíngue, acho que chegou a hora dessa gente bronzeada (e às vezes milionária) perder a vergonha de não falar inglês. E, por que não, reivindicar fones em português. Protestar, como fazem os europeus.

Nota do Editor
Marta Barcellos mantém o blog Espuminha.


Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 4/6/2010

Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2010
01. Palmada dói - 6/8/2010
02. Com ventilador, mas sem educação - 12/3/2010
03. A suprema nostalgia - 15/10/2010
04. Pelas mãos habilidosas dos grandes escritores - 17/9/2010
05. O futuro do ritual do cinema - 9/4/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
4/6/2010
09h54min
Talvez, e eu disse só "talvez", o brasileiro, diferentemente de outros povos, não se incomode com o fato do português não ser falado em outros lugares. Estamos acostumados com o colonialismo e vamos carregar o "complexo de vira-lata" por muito tempo. Por outro lado, me incomoda a arrogância de quem chega em outro país e crê que sua lingua tem que ser falada no universo inteiro. Assim, não acho tão ruim a modéstia idiomática do brasileiro.
[Leia outros Comentários de Carlos Goettenauer]
7/6/2010
08h54min
O Tejo é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia, mas o Tejo não é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia, porque o Tejo não é o rio que corre pela minha aldeia. Para mim tanto faz se os outros sabem português. Quem não conhece, não sabe o que está perdendo. Antropofagicamente, eu como as outras línguas também. Quem só come um prato, não sabe o que está perdendo.
[Leia outros Comentários de Felipe Pait]
14/6/2010
09h01min
Eu pertenço a um outro mundo, daquela minoria que não vê na língua qualquer pretexto para se fazer política. Outro dia encontrei um colega que disse conhecer toda a Europa e EUA, mas não conhece uma só praia do nordeste brasileiro. Fala fluentemente inglês e não está preocupado com o fato de o português ser ou não falado lá fora. Assim como ele, a grande maioria dos turistas brasileiros no exterior são míopes para problemas brasileiros. O Lula quando vai ao exterior fala apenas o português, e não cobre dele outro idioma. O FHC até no paraguai falava em inglês. A língua, voltemos à sua origem, quer apenas possibilitar a comunicação. É apenas isso o que ela deseja. Não a tome em manifesto ufanista, pois a comunicação será preterida. Agora, com todas as ferramentas de comunicação que estão surgindo no embalo da internet, muito em breve surgirá uma língua universal, de modo natural, sem imposições. A língua será de fato um idioma universal. A exemplo do beijo de língua.
[Leia outros Comentários de Roberto Escritor]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Hacia La Reponsabilidad Familiar Corporativa
Patricia Debeljuh
Sem
(2013)



Cenas Admiráveis II - Manifestações de Jesus Crucificado e Ressuscitad
Max Seltmann
Nova Revelação
(1998)



Livro Biografias Pavarotti Meu Mundo
Luciano Pavarotti
Rocco
(1996)



Guia Completo Sobre Diabetes da American Diabetes Association
Bruce R Zimmerman e Elizabeth a Walker
Anima
(2002)



LJA - Nova Ordem Mundial
Diversos Autores
Dc Comics
(2017)



Livro de Bolso Ecologia O Aquecimento Global Folha Explica 75
Claudio Angelo
Publifolha
(2008)



Ethics In Marketing: International Cases And Perspectives
Patrick E., Laczniak, Gene R. Murphy; Andrea Prothero
Routledge
(2012)



A Volta ao Mundo Em 80 Dias
Julio Verne
Abril Cultural
(1979)



Introdução a Turismo e Hotelaria
Vários autores
Senac
(1998)



Lobo Negro
Antoine Guilloppé
Melhoramentos
(2007)





busca | avançada
67107 visitas/dia
2,1 milhões/mês