Um software em crise existencial | Wellington Machado | Digestivo Cultural

busca | avançada
44089 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 12/3/2014
Um software em crise existencial
Wellington Machado

+ de 2600 Acessos

É provável que a ocorrência de uma fusão entre homem e máquina seja somente uma questão de tempo. A proliferação de dispositivos eletrônicos que nos cerca, cuja primeira função é facilitar nossas vidas, nos dá a sensação de conforto e satisfação. Sorrateiramente, esses gadgets estão se acoplando ao nosso corpo - sem falar nos experimentos científicos em nanotecnologia, com microchips surfando em nossas veias.

O mais recente filme de Spike Jonze, Ela (2013), leva-nos a refletir sobre a nossa condição num futuro não muito longínquo, diante da crescente autonomia das máquinas e sua aproximação com o homem. Sabemos que a discussão não é recente. É impossível não lembrar da ousadia de Hal 9000, o computador acoplado à nave Discovery em 2001: uma odisseia no espaço, de Stanley Kubrick, por exemplo. Vimos ali a primeira manifestação de uma máquina com sensibilidade para ver, conversar com os tripulantes, sugerir caminhos e, o que causou espanto, tomar decisões.

Mas essa autonomia das máquinas, retratada no filme de Jonze, atinge um campo bem caro ao ser humano: a afetividade. O filme narra a história do escritor Theodore (Joaquin Phoenix), que está em vias de se divorciar da esposa, mas sofre com toda essa situação, pois algo diz que havia ainda amor na relação, e ele pouco fez para salvar o casamento. Theodore é um cara solitário e vive num enorme apartamento - vazio! -, onde os espaços parecem ser metáfora para seu abismo interior. Desolado, ele se depara na rua com o anúncio de um sistema operacional (Samantha), uma espécie de inteligência artificial, cuja promessa é justamente proporcionar uma maior interatividade e, por que não, companhia para as pessoas.

Ao instalar o programa em seu computador, os dois iniciam um diálogo minucioso e investigativo, no qual o sistema colhe informações sobre vários aspectos da vida do escritor: amizades, profissão, leituras, preferências musicais; detalhes íntimos, fetiches, preferências sexuais etc. Tamanho é o número de informações trocadas entre os dois, que eles acabam se enveredando pela intimidade dele, se excitando e se apaixonando.

O modus operandi virtual
Ainda que pareça exagero, sabemos da real possibilidade de as máquinas adquirirem uma racionalidade própria. Grosso modo, basta haver uma combinação de memória (acúmulo de informações) com uma Unidade Lógica para combinar dados - ou seja, a base simples de qualquer computador. Samantha, a musa do filme, após conhecer Theodore a fundo, ganha autonomia para sugerir-lhe músicas de acordo com o seu estado de humor. Ela detecta seus momentos de tristeza e lhe propõe antídotos.

Dentro deste contexto um tanto exótico, podemos deixar fluir a imaginação. No filme A garota ideal (EUA, 2007), por exemplo, o protagonista adquire uma boneca inflável - pela qual se apaixona. A opção por adquirir o artefato é a saída encontrada pelo personagem para sanar suas dificuldades em conviver na sociedade e se relacionar com as pessoas. A boneca é um antídoto contra a sua timidez e uma solução para os problemas conjugais inerentes a qualquer relação. Se imaginarmos a mesma boneca com o "cérebro" de Samantha, chegaríamos a uma pessoa (homem ou mulher) perfeita.

A paixão entre Samantha e Theodore em Ela é recíproca. Caberia, portanto, uma análise nessa relação contemporânea entre o homem e as máquinas. Em que sentido caminhamos? Quem mais se aproxima em direção ao outro? Estamos presenciando uma "humanização das máquinas" ou uma "virtualização do homem"? No primeiro caso, poderíamos até cogitar pontos positivos, como as opções de lazer que Samantha oferecia a Theodore, mas ficaríamos sempre sob a ameaça de um rompante autônomo a Hall 9000. No segundo, um "homem-máquina" por definição seria menos afeito ao outro e um ser menos sensível, levando-nos a pensar sobre a solidão moderna.

Humanização da máquina
O computador autônomo, tal como é demonstrado no filme de Spike Jonze, pode nos auxiliar nas tarefas do dia a dia, como responder a email, anotar recados, controlar agenda, organizar listas de tarefas. Samantha entende a angústia de Theodore. Além de propor e compor músicas para ele, ela pronuncia palavras de incentivo e motivação, aponta-lhe caminhos onde ele possa encontrar a felicidade. Ela chega a sugerir-lhe um encontro "deles" com uma garota, apresentando-lhe uma variedade de opções, de mulheres com as quais eles pudessem se divertir.

A relação entre os dois ganha corpo e eles fazem amor com intensidade. A "racionalidade" de Samantha começa a se humanizar. Com o passar dos dias, ela passa a sentir ciúmes de Theodore, a ter seus próprios segredos; ela consegue tocar-se, sentir na pele a excitação. Samantha chega ao cúmulo de entrar em crise existencial, "quero ser complicada como as pessoas", diz. E como predizia o autônomo Hal 9000, ela trai Theodore. Com sua capacidade de processamento, Samantha consegue administrar vários parceiros ao mesmo tempo. Um tapa de luvas na ambição humana de encontrar um parceiro perfeito.

Virtualização humana

Mas o que está no cerne dessa ambição humana, dessa busca desenfreada por uma interação cada vez mais profunda entre homem e máquina, não é nada mais do que uma discussão sobre a solidão. E Spike Jonze percebe isto. Se observarmos as cenas externas do filme, vemos seres autocentrados andando pelas ruas, conversando com seus computadores (estes estão reduzidos a uma espécie de ponto eletrônico no ouvido). Seria o futuro próximo constituído de pessoas solitárias, buscando uma satisfação personalizada nas máquinas, talvez com uma explosão na venda de bonecos infláveis?

Se considerarmos as estatísticas de casamentos falidos, os inúmeros relacionamentos fracassados e a nossa atenção voltada cada vez mais para as telas, há de se perguntar até que ponto - ou o quanto - o outro nos importa. A busca de um parceiro ideal, idealizado em Samantha e na boneca inflável, aponta para uma certa impaciência em nos envolvermos em situações conflitantes. A nossa incapacidade de negociar desvela um hedonismo solitário permeado por um insensível aviltamento do outro.

Por outro lado, talvez estejamos realmente adotando um certo modo de operar cerebral e comportamental semelhante ao das máquinas, qual seja, uma constante curiosidade ágil pelo novo, um ciscar de um lado para o outro sem cometimento, uma desconcentração consciente. Transpondo essa lógica para o âmbito afetivo, parecemos vacilantes entre o que tínhamos como "tradicional" e as atuais relações curtas, superficiais e diversificadas; muitas delas tendentes a serem abertas e liberais. O risco é ficarmos saudosos de um pouco de imperfeição.


Wellington Machado
Belo Horizonte, 12/3/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Nuvem Negra* de Marilia Mota Silva
02. Rugas e rusgas de Elisa Andrade Buzzo
03. Amores, truques e outras versões, de Alex Andrade de Jardel Dias Cavalcanti
04. O cão da meia-noite de Gian Danton
05. Quando as rodas param de Elisa Andrade Buzzo


Mais Wellington Machado
Mais Acessadas de Wellington Machado em 2014
01. Marcador de página inteligente - 3/9/2014
02. Gullar X Nunos Ramos: o dilema da arte - 6/8/2014
03. Proust, rugas e colesterol - 9/4/2014
04. Ninfomaníaca: um ensaio sob forma de cinema - 12/2/2014
05. O luto e o luto de Valter Hugo Mãe - 2/7/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MIRIAM MEHLER - SENSIBILIDADE E PAIXÃO
VILMAR LEDESMA
IMPRENSA OFICIAL
(2005)
R$ 6,90



GRÉCIA UM OLHAR AMOROSO
JACQUES LACARRIÈRE
EDIOURO
(2003)
R$ 30,00



O EDUCADOR: VIDA E MORTE
CARLOS R. BRANDÃO E OUTROS ORGANIZADORES
GRAAL
(1984)
R$ 12,00



DESPERTAR PARA O OUTRO, O
COSTA, CLARICE MOURA
SUMMUS EDITORIAL
R$ 34,68



COMA
ROBIN COOK
CIRCULO DO LIVRO
R$ 4,00



MENTES QUE LIDERAM
HOWARD GARDNER
ARTES MEDICAS
(1996)
R$ 75,00



SESAME STREET - UNPAVED
DAVID BORGENICHT
HYPERION
(1998)
R$ 65,00
+ frete grátis



MANUALE DI PSICOANATOMIA
SEM AUTOR
EDIZIONI ICARO
R$ 6,28



TEORIA DE SISTEMAS OPTICOS
B. N. BEGUNOV. - N. P. ZAKAZNOV
MIR MOSCOU
(1976)
R$ 70,00



HELENA
MACHADO DE ASSIS
SEDEGRA
R$ 18,00





busca | avançada
44089 visitas/dia
1,2 milhão/mês