O descobrimento da internet | Gian Danton | Digestivo Cultural

busca | avançada
70192 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Cassio Scapin e artistas de grandes musicais fazem campanha contra o abuso sexual infantil
>>> Terça Aberta na Quarentena une teatro e a dança
>>> “Um pé de biblioteca” estimula imaginação e ajuda a criar novas bibliotecas pelo Brasil
>>> Diálogos na Web FAAP: Na pauta, festivais de cinema e crítica cinematográfica
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Jingle Bells
>>> Mano Juan, de Marcos Rey
>>> Relationships Matter
>>> Apesar da democracia
>>> Onze pontos sobre literatura
>>> A maçã de Isaac Newton
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Lucas vs. Spielberg
>>> Morando sozinha II
>>> É Julio mesmo, sem acento
Mais Recentes
>>> O Maior Homem que já viveu de Sociedade Torre de Vigia de Bíblias e Tratados pela Sociedade Torre de Vigia (2020)
>>> Pequot de Vitor Ramil pela Artes e Ofícios (1995)
>>> Quando o espiritual domina de Simone de Beauvoir pela Record (1979)
>>> O resto é silêncio de Érico Veríssimo pela Globo (1998)
>>> Angústia de Graciliano Ramos pela Globo (2013)
>>> O Recurso de John Grisham pela Rocco (2015)
>>> Os doze mandamentos de Sidney Sheldon pela Record (2020)
>>> Direito Ambiental Positivo de Fabrício Gaspar Rodrigues pela Campus (2012)
>>> Mandado de Segurança de Luiz Fux pela Dir (2011)
>>> Lula: A opção mais que o voto de Cândido Mendes pela Garamond (2006)
>>> Latinomérica de Marcus Accioly pela Topbooks (2015)
>>> Levando a vida leve de Laura Medioli pela Justo Junior (2005)
>>> Les Filles du Feu / Les Chimères de Gérard de Nerval pela Garnier-Flammarion (1965)
>>> Revolucione sua qualidade de vida - Navegando nas ondas da emoção de Augusto Cury pela Sextante (2002)
>>> Mulheres certas que amam homens errados de Kristina Grish pela Gente (2007)
>>> Pequenos Poemas em Prosa de Charles Baudelaire pela Nova Fronteira (1981)
>>> E de Evidência de Sue Grafton pela Ediouro (1999)
>>> M - O Homem Sensual de Record pela Record (1997)
>>> Verdura? Não! de Claire Llewellyn; Mike Gordon pela Scipione (2011)
>>> @s [email protected] de [email protected] York - as Senhoritas de Nova York de Daniel Piza pela Ftd (1999)
>>> 1 Real de Federico Delicado pela Pulo do Gato (2014)
>>> 1 Real de Federico Delicado pela Pulo do Gato (2014)
>>> 10 Anos Brasil MTV de MTV pela Mtv
>>> 10 Contos de Natal de Gilberto de Nichile pela Scortecci (2015)
>>> 100 Jogos para Grupos de Ronaldo Yudi K. Yozo pela Agora (1996)
>>> 100 Magias para Aumentar Sua Autoconfiança - os Livros Secretos Witch de Disney pela Edelbra (2004)
>>> 100 Magias para Ter um Supergrupo - os Livros Secretos Witch de Disney pela Edelbra (2002)
>>> 100 Magias para Ter um Supergrupo - os Livros Secretos Witch de Disney pela Edelbra (2002)
>>> 100 Segredos das Pessoas de Sucesso de David Niven pela Sextante (2002)
>>> 1000 Formas de Interpretar o Seu Horoscopo de Girassol Edicoes pela Girassol (2006)
>>> 1000 Lugares para Conhecer Antes de Morrer de Patricia Schultz pela Sextante (2006)
>>> 1000 Lugares para Conhecer Antes de Morrer de Patricia Schultz pela Sextante (2006)
>>> 1000 Melhores Segredos Rapidos e Faceis para Voce de Jamie Novak pela Arx (2007)
>>> 1001 E-mails de Cynthia Dornelles pela Record (2003)
>>> 1001 Fantasmas de Heloisa Prieto pela Companhia das Letras (2002)
>>> 1001 Fantasmas de Heloisa Prieto pela Companhia das Letras (2002)
>>> 1001 Fantasmas de Heloisa Prieto pela Companhia das Letras (2002)
>>> 1001 Maneiras de Enriquecer (livro Muito Raro!) de Joseph Murphy pela Record (1966)
>>> 1001 Maneiras de Enriquecer (livro Muito Raro!) de Joseph Murphy pela Record (1966)
>>> 101 Brasileiros Que Fizeram História de Jorge Caldeira pela Estação Brasil (2016)
>>> 101 Experiências de Filosofia Cotidiana de Roger Pol Droit pela Sextante (2002)
>>> 101 Livros Que Mudaram a Humanidade - Coleção Super Essencial de Superinteressante pela Superinteressante (2005)
>>> 101 Lugares para Fazer Sexo Antes de Morrer de Marsha Normandy; Joseph St. James; Alexandre Rosas pela Best Seller (2010)
>>> 102 Minutos: a História Inédita da Luta de Outros; Jim Dwyer pela Jorge Zahar (2005)
>>> 111 Poemas para Crianças de Sérgio Capparelli pela L&pm (2009)
>>> 117 Maneiras de Enlouquecer um Homem na Cama de Margot Saint-loup pela Ediouro (2005)
>>> 12 Anos de Escravidão de Solomon Northup pela Lafonte (2019)
>>> 12 Fábulas de Esopo de Fernanda Lopes de Almeida; Hans Gartner; pela Atica (2000)
>>> 12 Horas de Terror de Marcos Rey pela Global (2012)
>>> 12 Lições para Ser o Pai Ideal de Kevin Leman pela Portico (2015)
COLUNAS >>> Especial Internet 10 anos

Terça-feira, 15/11/2005
O descobrimento da internet
Gian Danton

+ de 8200 Acessos

A primeira vez em que ouvi falar em internet foi em 1995. Nessa época eu tinha acabado de entrar no mestrado da Universidade Metodista de São Paulo e um amigo me mostrou uma sala na biblioteca da universidade onde ficava um computador que pegava a tal internet. Havia apenas um professor que usava a sala, pois estava pesquisando sobre o Mercosul. O local era uma espécie de santuário onde só entravam escolhidos, que, através dela, poderiam ter acesso a todo um mundo mágico e incompreensível para nós, pobre mortais.

Nessa época, alguém que tinha acesso a essa internet pré-histórica conseguiu para mim uma entrevista do quadrinista inglês Alan Moore, em inglês, que foi de grande utilidade para minha dissertação de mestrado sobre Watchmen e a teoria do caos.

Mas eu só fui ver a internet na tela de um computador em 1997, quando visitei um amigo em Belém e ele me mostrou a novidade. Esse mesmo foi o que me convidou uma vez, no início da década de 90, para ver seu computador, na época em que a tela era um televisor e tudo que se ia fazer deveria ser antes programado. Depois de passar horas programando, quando ia finalmente mostrar o resultado de seu trabalho grandioso para nós, faltou energia e tudo que lhe restou foi ficar nos olhando com cara de bobo. Assim, quando ele disse que ia me mostrar a internet, pensei: "Lá vem outra maçada!". Ele entrou no site do Lulu Santos e mandou uma mensagem perguntando quando ele iria a Belém. Só não dormi por respeito.

Poucos meses depois, visitei amigos em Curitiba e eles me deixaram passear pela internet. Acessei o Cadê e digitei Alan Moore. Vieram todos os Alan e todos os Moore do mundo e pouca coisa tinha a ver com o que eu queria. Concluí que, ou eu era muito burro, ou aquilo tinha pouca utilidade para quem não conhecesse o caminho das pedras. Nessa época um amigo quadrinista, o Rovel - o primeiro cara a lançar um CD de quadrinhos no Brasil -, publicava meus textos em listas de discussão e me mandava os comentários do pessoal. Era muito estranho para mim aquelas páginas e páginas repletas de "Eh, naum, ateh" e eu podia apenas imaginar do que se tratava.

Em 1998, eu comecei a dar aulas, comprei um computador, mas não se sabia muito o que era possível fazer com ele. Minha mulher, que também era professora, reclamou quando eu peguei a mesa de estudos para colocar o novo utensílio doméstico: "Onde é que eu vou fazer minhas transparências?" Pouco tempo depois, ela descobriu que podia fazer transparência no Power Point e isso foi uma revolução pedagógica (algum tempo depois, ironia do destino, ela viria a fazer pós-graduação em Informática na Educação).

Aliás, foi minha esposa quem assistiu a uma palestra com um representante da UOL na qual ganhou um CD de instalação e veio toda feliz me mostrar a novidade. No mesmo dia, nós instalamos e ficamos viciados. Eu fiquei particularmente fascinado com a possibilidade de ler jornais e revistas na tela do computador. Para quem morava em Macapá, talvez a região mais isolada do país (e a única capital para a qual você não consegue viajar de carro ou ônibus), era como de um momento para outro descobrir o que estava acontecendo no mundo. A verdade não estava lá fora, estava na tela do computador.

A internet virou para nós um vício. Eu passava às vezes a madrugada inteira navegando, trocando e-mails, pesquisando, imprimindo. Era uma coisa meio desenfreada e até doentia. Eu ficava aguardando ansioso pela atualização de alguns sites, especialmente os que tinham como timoneiro o Nemo Nox, como o Esfera e o Pijama Selvagem. O Esfera era uma revista virtual, talvez a primeira a aparecer no Brasil, que se destacava por fugir do que normalmente se considera arte, dando espaço para assuntos como televisão e quadrinhos. Já o Pijama Selvagem era composto, basicamente, por crônicas humorísticas. Eu, de fã, virei colaborador. Um dia mandei um texto para o Nemo e ele publicou.

Quando percebi, já era colaborador tanto do Esfera quanto do Pijama. Hoje, nenhum dos dois sites existe mais. O Esfera foi substituído pelo Burburinho, que não parece ter a mesma magia do anterior. O Pijama não foi substituído por outro, e sobreviveu apenas na memória de quem o leu.

Em menos de um mês, a internet já deixara de ser um vício, mas continuou mostrando que ainda tinha algo de novo a oferecer. Certo dia encontrei a biblioteca Virtual Books e baixei um livro de contos de H.G. Wells. Não era ainda no Acrobat Reader, formato que praticamente dominou o mercado de livros virtual. Na época, era algo diferente, que rodava em uma página muito parecida com um livro. A idéia era imitar a leitura de um livro de papel, e, embora fosse interessante, não foi em frente. Como tinha vários textos produzidos para a editora Gaveta, comecei a enviar alguns para a Virtual Books, que publicou com prazer, pois, na época, eles praticamente não tinham autores novos. Quase todo o catálogo era composto de clássicos. Hoje, já me disseram que é difícil conseguir publicar pelo site, mas naquele tempo era fácil e a boa aceitação das obras abriu caminho para que eles publicassem praticamente tudo que saía da minha lavra. Até a minha dissertação de mestrado foi publicada e conquistou mais de sete mil leitores...

Então, um conhecido chamado Rafael Lima me indicou para ser colunista do Digestivo Cultural. Aliás, conhecido talvez seja forçar a barra, pois só trocamos até hoje dois ou três e-mails e nunca nos vimos pessoalmente.

Aliás, aí está um traço interessante da internet: parece que os espaços geográficos foram eliminados. Dia desses, um autor cuja obra foi resenhada por mim me mandou um e-mail elogiando a resenha e sugerindo que nos encontrássemos para tomar um café em algum lugar do centro de São Paulo. Quando expliquei a ele que moro em Macapá e que gastaria pelo menos uns 5 mil reais para ir tomar café no centro de Sampa, ele me respondeu abismado. Pensando bem, não é tanto que a internet tenha eliminado as distâncias geográficas. O que aconteceu foi que todo mundo que tem algum destaque na rede passou a ser visto como morador da região Sudeste...

Hoje, quando a internet parece entrar em uma nova fase, começo a perceber novamente o afastamento que sentia antes de entrar na rede. Em Macapá, ainda não existe internet rápida para pessoas físicas (para ser mais exato, existe, mas custa uma fortuna). Eu, com conexão discada, me sinto como as pessoas do século XIX cujas ruas eram iluminadas por lampiões quando esses vislumbravam as cidades movidas a eletricidade. Parece que estamos em mundos diferentes. Amigos que moram em outros locais me mandam mensagens com anexos pesadíssimos, que levam até meia hora para serem baixadas. Quando reclamo, eles respondem: "Pensei que estivesse leve. Só gastei alguns segundos para enviar...".

Aliás, se você gostar deste texto, por favor, não me mande nada mais pesado que 100 k. É que minha conexão ainda funciona a vapor...

Nota do Editor
Gian Danton assina o blog Idéias de Jeca-Tatu.


Gian Danton
Goiânia, 15/11/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Crítica à internet chega à ficção de Marta Barcellos
02. Considerações de um Rabugento de Abdalan da Gama
03. O bom humor do mal-humorado Jamelão de Airton Gontow
04. Preconceitos de Diogo Salles
05. Os Melhores de Sempre Desta Semana de Nemo Nox


Mais Gian Danton
Mais Acessadas de Gian Danton
01. Uma norma para acabar com os quadrinhos nacionais? - 25/7/2014
02. A Teoria Hipodérmica da Mídia - 19/7/2002
03. A teoria do caos - 22/11/2002
04. Público, massa e multidão - 30/8/2002
05. A maçã de Isaac Newton - 16/8/2002


Mais Especial Internet 10 anos
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A HISTÓRIA DE CÂNDIDO URBANO URUBU
CARLOS EDUARDO NOVAES / VILMAR RODRIGUES
NORDICA
(2000)
R$ 5,00



O CÓDIGO DA VINCI
DAN BROWN
SEXTANTE
(2004)
R$ 25,00



LITERATURA COMENTADA - JOÃO ANTÔNIO
NOVA CULTURAL
NOVA CULTURAL
(1988)
R$ 10,00



SUA JUVENTUDE O MELHOR MODO DE USUFRUI-LA
WATCHTOWER BIBLE AND TRACT SOCIETY OF NEW YORK
WATCHTOWER BIBLE AND TRACT
R$ 11,76



PRIMEIRO ENCONTRO SOBRE O ENSINO DA HISTÓRIA COMUNICAÇÕES
DIVERSOS AUTORES
FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN
(1992)
R$ 23,45



VERSO IL POLO CON ARMADUK
AMBROGIO FOGAR
RIZZOLI
(1983)
R$ 20,00



FULGOR E MORTE DE JOAQUÍN MURIETA
PABLO NERUDA
BERTRAND BRASIL
(2007)
R$ 15,00



CASA LIMPA, ROUPA LAVADA, COMIDA NA MESA
SENAC NACIONAL
SENAC NACIONAL
(2009)
R$ 25,00



COMO DEFENDER A ECOLOGIA
GUIAS PRÁTICOS NOVA CULTURA
NOVA CULTURAL
(1998)
R$ 5,00



ARTE BRASILEIRA
ABRIL CULTURAL
ABRIL CULTURAL
(1976)
R$ 9,99





busca | avançada
70192 visitas/dia
2,2 milhões/mês