Comum como uma tela perfeita | Paulo Polzonoff Jr | Digestivo Cultural

busca | avançada
79550 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Clássico de Charles Dickens retrata as misérias sociais da industrialização inglesa
>>> Clube latino-americano de Jazz por streaming terá transmissão gratuita no Brasil
>>> Fora da Casinha realizará apresentações circenses virtuais voltadas para toda família
>>> As Clês narram as vozes femininas do mundo
>>> Programa DIVERSAS estreia na Rádio USP dia 11 de março
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Tiro ao alvo
>>> A TETRALOGIA BUARQUEANA
>>> Bom de bico
>>> Diário oxigenado
>>> Canção corações separados
>>> Relógio de pulso
>>> Centopéia perambulante
>>> Fio desemcapado
>>> Verbo a(fiado)
>>> Janelário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Itinerário de leituras off-line
>>> Paying debt to karma
>>> O Riso dos Outros
>>> Brazil, por Django Reinhardt
>>> A crítica musical
>>> A melhor versão shakespeariana de Kurosawa
>>> Cultura às moscas
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Sobre A Produção Contemporânea
>>> Ingmar Bergman, cada um tem o seu
Mais Recentes
>>> O Mito da Beleza de Naomi Wolf pela Rocco (1992)
>>> Pra que serve Matemática ? Geometria de Imenes- Jakubo - Lellis pela Atual
>>> Mário Pedrosa, Retratos do Exílio de Carlos Eduardo de Senna Figueiredo pela Antares (1982)
>>> Pra Que Serve Matemática ? Semelhança de Imenes- Jakubo - Lellis pela Atual
>>> Pra Que Serve Matemática ? Equação do 2º Grau de Imenes- Jakubo - Lellis pela Atual
>>> Pra Que Serve Matemática ? Álgebra de Imenes- Jakubo - Lellis pela Atual
>>> A Viagem de Uma Alma de Peter Richelieu pela Pensamento (1972)
>>> Harry Potter e a Ordem da Fênix de J. K. Rowling pela Rocco (2003)
>>> O Sorriso do Lagarto de João Ubaldo Ribeiro pela Nova Fronteira (1989)
>>> As 10 Mulheres Que Você Vai Ser Até os 35 de Alison James pela Best Seller (2009)
>>> Histórias Extraordinárias de Edgar Allan Poe pela Martin Claret (2001)
>>> Cascata de Luz de Irene Pacheco Machado pela Recanto
>>> O Amanhã a Deus Pertence de Zibia Gasparetto pela Vida & Consciência (2006)
>>> A Insustentável Leveza do Ser de Milan Kundera pela Rio Gráfica
>>> Sheila Levine Está Morta e Vivendo Em Nova York de Gail Parent pela Bertrand Brasil (2007)
>>> Espelho Meu de Edgar J. Hyde pela Ciranda Cultural (2010)
>>> A 2ª Morte de R a Ranieri pela Edifrater (1997)
>>> O Melhor de Mim de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2014)
>>> Cem Melhoramentos Crônicas (que, na Verdade, São 129) de Mario Prata pela Planeta (2007)
>>> Pare de Sofrer de Zibia Gasparetto pela Vida e Consciência (1997)
>>> Harmonização de Francisco Cândido Xavier pela Geem
>>> Mulheres Alteradas 1 de Maitena pela Rocco
>>> Vernon God Little de Dbc Pierre pela Record (2004)
>>> Seja Líder de Si Mesmo de Augusto Cury pela Sextante (2004)
>>> Crônicas para Gostar de Ler Volume 5 de Carlos Drummond de Andrade pela Atica
COLUNAS >>> Especial Arte

Quarta-feira, 29/8/2001
Comum como uma tela perfeita
Paulo Polzonoff Jr

+ de 6100 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Tenho de pedir primeiro desculpas. Tenho um bom amigo que olhará o quadro sobre o qual escrevo e que dirá de si para si (ou de si para todos, se estiver num daqueles dias), que trata-se de um lugar-comum. Vou pedir então novamente desculpas, porque, meu bom amigo, são dois os lugares-comuns de que trato neste texto. Que posso fazer? Estou vivendo um dia comum hoje, de pensamentos comuns. Lia há pouco Fernando Sabino; ontem acabei um Rubem Braga. Nada mais comum e ao mesmo tempo perene que o cotidiano.

O quadro que você vêem acima chama-se Hotel Room e foi pintado por Edward Hopper, talvez o maior pintor americano de todos os tempos. Hopper faz uma arte que muitos consideram anacrônica porque, numa época em que era valorizada a abstração ou qualquer coisa que privilegiasse a imaginação (ou falta de) do pintor, ele fazia paisagens, cenas de rua e interiores. O quadro acima está num dos melhores museus europeus, o Tyssen-Bornemiza, em Madrid. Dê um pulo lá só para ver este quadro.

Hotel Room, vale a pena dizer, tem uma continuação, Summer Interior. Uso aqui o termo continuação de propósito, já que uma das influências claras de Hopper é o cinema. Vou falar sobre estes dois quadros, mas não como um expert, que não sou; vou falar como um subqualquercoisa, o que sou.

É difícil precisar a tristeza desta mulher sentada erroneamente na cama, neste quarto mequetrefe de hotel. Olhe para ela e verá que segura um pedaço de papel. Provavelmente uma carta, deduzo, sem nenhum brilhantismo. O que diz esta carta? Um homem a deixou, por certo. Disse que a amava, mas que não poderia continuar vivendo uma vida dupla com sua esposa. Sim, porque a mulher retratada no quadro deve ser uma prostituta ou uma destas “destruidora de lares”, como se dizia antigamente. Nosso julgamento moral, neste momento, diz que, então, ela que sofra mesmo, bitch! Só que. Olhe bem a luz entrando pela janela e iluminando aquele ser ali tão frágil e desprotegido. Sim, é uma luz divina que a ilumina e a transforma não num ser social, mas num indivíduo, cujas escolhas não nos cabe julgar. Desta mulher sentimos pena. Nossa mão quer se entender a ela, mas isso nos é vetado. Só nos resta a contemplação de sua dor. O gesto semi-perdido entre a tristeza e a tristeza. A mulher não se desesperou, ainda, mas vai se desesperar ao perceber-se só. E o homem, a quilômetros dali, também vai sentir-se só quando beijar a esposa que não ama. E quando deitar com ela, vai se lembrar daquela luz divina batendo nos cabelos da mulher que deixara sozinha no quarto de hotel. E rezará por ela.

A continuação do quadro chama-se Summer Interior. Não sei quanto a vocês, mas eu não vejo alegria nenhuma neste quadro. Sombrio, cheio de mofo e umidade, a figura feminina, ao menos para mim, é a mesma de Hotel Room. Só que nesta cena ela jaz no chão, semi-nua. O que passa por sua cabeça é o que queremos saber. Sofre, meu Deus!, mas como sofre. Ou será que deseja tanto que chega a doer?

O outro lugar-comum que evoco neste texto, peço mais uma vez perdão, é Van Gogh. Tentei ignorá-lo, mas ele está gritando. É um quadro perigoso. Campo de Trigo com Corvos. Escrevo centeio, mas alguns dizem o que é trigo. Eu, com meu parco conhecimento de agronomia, me abstenho de emitir algum comentário. Ora, há quem ache que é um quadro pessismista, mas eu discordo. Acho que trata-se de um quadro extremamente otimista. Até mesmo se levarmos em conta a situação em que foi pintado. Reza a lenda que Van Gogh o pintou pouco antes de se matar.

Acreditando nisso, vemos um caminho por entre uma plantação. No horizonte azul azul azul azul, corvos. Figuras de mau-agouro, mas que pairam acima de qualquer cabeça que almeje transpor aquele caminho. Um vento forte agita a plantação. É o sopro divino. E lá vai homem. Dá o primeiro passo, embaixo na tela. Ele nasce neste momento. E cada passo pode, às vezes, parecer uma eternidade, ainda mais com aqueles pássaros grandes e negros voando sobre nossas cabeças, mas quem dá o primeiro passo sabe, imediatamente, que chegará ao final daquele caminho. E cairá no poço azul profundo da morte. E é justamente esta consciência que o redimirá durante todo o percurso.

Desculpe se desaponto aquele que queriam análises sobre as pinceladas de Hopper e Van Gogh. Ao diabo com os experts! Confesso que, até escrever este humilde texto, tentei por duas vezes dissertar sobre quadros e temas. Só o que consegui foi ser entediante. Para quem chegou até aqui, aliás, eu sugiro que esqueça o que escrevi e que se detenha nos quadros de que trato. E que inventem histórias sobre aquela mulher no quarto de hotel e sobre aquele caminho no meio da plantação de centeio. E invente histórias sobre todos os quadros que vir, sejam eles comuns, como a Mona Lisa, ou enigmáticos, como os de Pollock. Surfe na onda de Katsushika Hokusai. Veja o mundo pelos olhos mais-que-perfeitos de Monet. Tema o mundo de Bosch. Masturbe-se com o erotismo galaniano de Dalí.

Em suma: seja comum como uma tela perfeita.


Paulo Polzonoff Jr
Rio de Janeiro, 29/8/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Desdizer: a poética de Antonio Carlos Secchin de Jardel Dias Cavalcanti
02. Rubem Fonseca (1925-2020) de Julio Daio Borges
03. Aqui sempre alguém morou de Elisa Andrade Buzzo
04. Tirem as Viseiras! de Heloisa Pait
05. Dando nome aos progres de Celso A. Uequed Pitol


Mais Paulo Polzonoff Jr
Mais Acessadas de Paulo Polzonoff Jr em 2001
01. Transei com minha mãe, matei meu pai - 17/10/2001
02. Está Consumado - 14/4/2001
03. A mentira crítica e literária de Umberto Eco - 24/10/2001
04. Reflexões a respeito de uma poça d´água - 19/12/2001
05. Deus - 25/7/2001


Mais Especial Arte
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
29/8/2002
21h00min
Paulo, o que te faz pensar que Monaliza é comum e Pollock é enigmático? Cara, vc consegue dormir depois do trabalho? Sinto informar vc, mas ambos, Da Vinci e Pollock, fundiram tua cuca amigo. Seus olhos são pelo menos bonitos Paulo?
[Leia outros Comentários de Tony Camargo]
18/7/2007
17h50min
Será que somente eu não consigo inventar um enredo quando vejo uma pintura? O que você irá fazer quando bater os olhos num Klein??? Abs!!!
[Leia outros Comentários de José Mianutti]
21/7/2007
22h10min
Caros amigos! Recomendo um singelo livrinho "Histórias de quadros e leitores", da Ed. Moderna, organizado por Marisa Lajolo. O livro trata justamente de textos escritos a partir de impressões que certos quadros nos trazem. São vários os autores e as obras que os inspiraram. Vale a pena dar uma olhadinha, quem sabe vocês não mudam de opinião. Um abraço, Sônia Maris
[Leia outros Comentários de sonia maris]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Pontes e Muralhas - Diferença, Lepra e Tragédia no Paraná
Beatriz Anselmo Olinto
Unicentro
(2007)
R$ 26,18



O Livro dos Médiuns
Allan Kardec
Feb
(2008)
R$ 10,00



Espaços de Memória uma Leitura de Crônica da Casa Assinada - 7961
Marta Cavalcante de Barros
Nova Alexandria
(2002)
R$ 10,00



Cerimônia Mortal
J. D. Robb
Bertrand Brasil
(2006)
R$ 15,00



A Última Namorada na Face da Terra
Simon Rich
Record
(2016)
R$ 9,96



The Musculoskeletal System - a Symposium Presented At the Twenty Th...
The New York Academy of Medicine A. Symposium
The Macmillan
(1952)
R$ 29,61



Método Dialético e Teoria Política - 4ª ed.
Michel Lowy
Paz e Terra
(1978)
R$ 50,75



Libro de Manuel
Julio Cortázar
Sudamericana
(1973)
R$ 80,00



Construindo uma Equipe de Sucesso
Richard Y. Chang
Futura
(1999)
R$ 9,42



Os Grandes Líderes - Trotsky
Hedda Garza
Nova Cultural
(1987)
R$ 5,00





busca | avançada
79550 visitas/dia
2,1 milhões/mês