Comum como uma tela perfeita | Paulo Polzonoff Jr | Digestivo Cultural

busca | avançada
55373 visitas/dia
2,0 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Unil oferece abordagem diferenciada da gramática a preparadores e revisores de texto
>>> Conversas no MAB com Sergio Vidal e Ana Paula Lopes
>>> Escola francesa de Design, Artes e Comunicação Visual inaugura campus em São Paulo
>>> TEATRO & PODCAST_'Acervo e Memória', do Célia Helena, relembra entrevista com Nydia Licia_
>>> Projeto Cultural Samba do Caxinha cria arrecadação virtual para gravação de seu primeiro EP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Aos nossos olhos (e aos de Ernesto)
>>> Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo
>>> O fim dos livros físicos?
>>> A sujeira embaixo do tapete
>>> Moro no Morumbi, mas voto em Moema
>>> É breve a rosa alvorada
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> O poder da história
>>> Caraminholas
>>> ETC. E TAL
>>> Acalanto para a alma
>>> Desde que o mundo é mundo
>>> O velho suborno
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O do contra
>>> American Dream
>>> Todas as Tardes, Escondido, Eu a Contemplo
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Delicado, vulnerável, sensível
>>> De Kooning em retrospectiva
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> Aquele apoio
>>> A forca de cascavel — Angústia (Fuvest)
Mais Recentes
>>> Babbitt de Sinclair Lewis pela Nova Cultural (2002)
>>> Pesquisa FAPESP Nº 261 de Diversos Autores pela Fapesp (2017)
>>> Ana Karênina de Tolstói pela Nova Cultural (2002)
>>> Havia Gigantes Na Terra de Zecharia Sitchin pela Madras (2014)
>>> Pesquisa FAPESP Nº 260 de Diversos Autores pela Fapesp (2017)
>>> Divergente de Veronica Roth pela Rocco (2012)
>>> A Divina Comédia de Dante pela Nova Cultural (2002)
>>> Xeque E Mate - Xadrez Sem Mistério E Com Muito Suspense de Gilberto Milos Júnior & Davy D'Israel pela Adonis (2000)
>>> Rock Jazz Bossa Poética de João Dutra pela Do Autor (2014)
>>> Os Melhores Poemas de Mário de Andrade de Gilda de Mello e Souza pela Globo (1993)
>>> Revista Internacional de Espiritismo - RIE, Ano LXXV, Número 07, Agosto de Vários Colaboradores pela O Clarim (2000)
>>> Antes Que a Saudade Chegue de Sady Figueira pela Evangraf (2001)
>>> A Gata do Rio Nilo de Lia Neiva pela José Olympio (1999)
>>> Convergente de Veronica Roth pela Rocco (2014)
>>> III Prêmio Proex/UFPA de Literatura - Antologia Poesias, Crônicas e Contos de Vários Autores pela Ufpa (2013)
>>> Revista Galileu, Ano 12, Número 154, Maio de Vários Colaboradores pela Globo (2004)
>>> Quinze Anos (A Juventude Como Ela É) de Carlos Heitor Cony pela Tecno Print (1973)
>>> Fazendo meu filme 3 - Roteiro Inesperado de Fani de Paula Pimenta pela Gutenberg (2013)
>>> Revista Força Aérea Nº 05 de Diversos Autores pela Action (1996)
>>> Histórias Extraordinárias de Edgar Allan Poe pela Nova Cultural (2003)
>>> Revista Força Aérea Nº 03 de Diversos Autores pela Action (1996)
>>> Mulherzinhas de Louisa May Alcott pela Nova Cultural (2003)
>>> Decamerão de Boccaccio pela NOVA Culltural (2003)
>>> Historia Da Filosofia- Os Pensadores de Bernadette Siqueira abrão pela Nova cultural (2004)
>>> Revista Força Aérea Nº 49 de Diversos Autores pela Action (2007)
>>> Os Trabalhadores do Mar de Victor Hugo pela Nova Cultural (2002)
>>> Os Pensadores Husserl de Abril Cultural pela Abril Cultural (1980)
>>> Revista Força Aérea Nº 45 de Diversos Autores pela Action (2006)
>>> A Mulher de Trinta Anos de Balzac pela Nova Cultural (2003)
>>> Transformação Social da Humanidade de Samael Aun Weor pela Gnose (1986)
>>> Revista Força Aérea Nº Especial 01 de Diversos Autores pela Action (2003)
>>> Os Sertões de Euclides da Cunha pela Nova Cultural (2002)
>>> O Último Czar: a Vida e a Morte de Nicolau II de Edvard Radzinsky pela Best Seller (1992)
>>> Arquipélago Gulag de Alexandre Soljenítsin pela Círculo do Livro (1975)
>>> Nova Enciclopédia Católica (12 volumes) de Vários Autores pela Renes (1969)
>>> Diário íntimo e outros escritos de piedade de João XXIII pela Livraria Morais (1964)
>>> Louis XVI and Marie Antoinette during the Revolution de Nesta H. Webster pela G. P. Putnam´s Sons (1938)
>>> Apontamentos de História Eclesiástica de Dom Jaime de Barros Câmara pela Vozes (1942)
>>> O Cardeal Newman de Pe. M. Teixeira Leite Penido pela Vozes (1946)
>>> Um pastor luterano foi ver Pio XII de Richard Baumann pela Mensafé (1957)
>>> História Geral das Civilizações (17 volumes) de Maurice Crouzet pela Difusão Europeia do Livro (1965)
>>> História das Américas (14 volumes) de Ricardo Levene (Dir); Pedro Calmon (Dir) pela W. M. Jackson (1964)
>>> Gestão Estratégica em Farmácia Hospitalar de Sonia Lucena Cipriano, Vanusa Barbosa Pinto e Cleuber Esteves Chaves pela Atheneu (2009)
>>> Prourgen – Ciclo 2 Módulo 4 de Vários Autores pela Artmed / Panamericana (2009)
>>> O Acaso e a Necessidade de Jacques Monod pela Vozes (1971)
>>> Técnicas Básicas em Biologia Molecular de Maristella de Oliveira Azevedo... (et al.)(Orgs.) pela Unb (2003)
>>> Claud Jacq – Coleção Pensamento Contemporâneo Nº 4 de Maria Andréa Loyola e Marilena Corrêa pela Uerj (2004)
>>> Ivanhoé de Walter Scott pela Nova Cultural (2003)
>>> National Geographic Brasil Nº 233 - Edição Especial de Diversos Autores pela National Geographic (2019)
>>> O Ateneu de Raul Pompéia pela Nova Cultural (2003)
COLUNAS >>> Especial Arte

Quarta-feira, 29/8/2001
Comum como uma tela perfeita
Paulo Polzonoff Jr

+ de 5900 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Tenho de pedir primeiro desculpas. Tenho um bom amigo que olhará o quadro sobre o qual escrevo e que dirá de si para si (ou de si para todos, se estiver num daqueles dias), que trata-se de um lugar-comum. Vou pedir então novamente desculpas, porque, meu bom amigo, são dois os lugares-comuns de que trato neste texto. Que posso fazer? Estou vivendo um dia comum hoje, de pensamentos comuns. Lia há pouco Fernando Sabino; ontem acabei um Rubem Braga. Nada mais comum e ao mesmo tempo perene que o cotidiano.

O quadro que você vêem acima chama-se Hotel Room e foi pintado por Edward Hopper, talvez o maior pintor americano de todos os tempos. Hopper faz uma arte que muitos consideram anacrônica porque, numa época em que era valorizada a abstração ou qualquer coisa que privilegiasse a imaginação (ou falta de) do pintor, ele fazia paisagens, cenas de rua e interiores. O quadro acima está num dos melhores museus europeus, o Tyssen-Bornemiza, em Madrid. Dê um pulo lá só para ver este quadro.

Hotel Room, vale a pena dizer, tem uma continuação, Summer Interior. Uso aqui o termo continuação de propósito, já que uma das influências claras de Hopper é o cinema. Vou falar sobre estes dois quadros, mas não como um expert, que não sou; vou falar como um subqualquercoisa, o que sou.

É difícil precisar a tristeza desta mulher sentada erroneamente na cama, neste quarto mequetrefe de hotel. Olhe para ela e verá que segura um pedaço de papel. Provavelmente uma carta, deduzo, sem nenhum brilhantismo. O que diz esta carta? Um homem a deixou, por certo. Disse que a amava, mas que não poderia continuar vivendo uma vida dupla com sua esposa. Sim, porque a mulher retratada no quadro deve ser uma prostituta ou uma destas “destruidora de lares”, como se dizia antigamente. Nosso julgamento moral, neste momento, diz que, então, ela que sofra mesmo, bitch! Só que. Olhe bem a luz entrando pela janela e iluminando aquele ser ali tão frágil e desprotegido. Sim, é uma luz divina que a ilumina e a transforma não num ser social, mas num indivíduo, cujas escolhas não nos cabe julgar. Desta mulher sentimos pena. Nossa mão quer se entender a ela, mas isso nos é vetado. Só nos resta a contemplação de sua dor. O gesto semi-perdido entre a tristeza e a tristeza. A mulher não se desesperou, ainda, mas vai se desesperar ao perceber-se só. E o homem, a quilômetros dali, também vai sentir-se só quando beijar a esposa que não ama. E quando deitar com ela, vai se lembrar daquela luz divina batendo nos cabelos da mulher que deixara sozinha no quarto de hotel. E rezará por ela.

A continuação do quadro chama-se Summer Interior. Não sei quanto a vocês, mas eu não vejo alegria nenhuma neste quadro. Sombrio, cheio de mofo e umidade, a figura feminina, ao menos para mim, é a mesma de Hotel Room. Só que nesta cena ela jaz no chão, semi-nua. O que passa por sua cabeça é o que queremos saber. Sofre, meu Deus!, mas como sofre. Ou será que deseja tanto que chega a doer?

O outro lugar-comum que evoco neste texto, peço mais uma vez perdão, é Van Gogh. Tentei ignorá-lo, mas ele está gritando. É um quadro perigoso. Campo de Trigo com Corvos. Escrevo centeio, mas alguns dizem o que é trigo. Eu, com meu parco conhecimento de agronomia, me abstenho de emitir algum comentário. Ora, há quem ache que é um quadro pessismista, mas eu discordo. Acho que trata-se de um quadro extremamente otimista. Até mesmo se levarmos em conta a situação em que foi pintado. Reza a lenda que Van Gogh o pintou pouco antes de se matar.

Acreditando nisso, vemos um caminho por entre uma plantação. No horizonte azul azul azul azul, corvos. Figuras de mau-agouro, mas que pairam acima de qualquer cabeça que almeje transpor aquele caminho. Um vento forte agita a plantação. É o sopro divino. E lá vai homem. Dá o primeiro passo, embaixo na tela. Ele nasce neste momento. E cada passo pode, às vezes, parecer uma eternidade, ainda mais com aqueles pássaros grandes e negros voando sobre nossas cabeças, mas quem dá o primeiro passo sabe, imediatamente, que chegará ao final daquele caminho. E cairá no poço azul profundo da morte. E é justamente esta consciência que o redimirá durante todo o percurso.

Desculpe se desaponto aquele que queriam análises sobre as pinceladas de Hopper e Van Gogh. Ao diabo com os experts! Confesso que, até escrever este humilde texto, tentei por duas vezes dissertar sobre quadros e temas. Só o que consegui foi ser entediante. Para quem chegou até aqui, aliás, eu sugiro que esqueça o que escrevi e que se detenha nos quadros de que trato. E que inventem histórias sobre aquela mulher no quarto de hotel e sobre aquele caminho no meio da plantação de centeio. E invente histórias sobre todos os quadros que vir, sejam eles comuns, como a Mona Lisa, ou enigmáticos, como os de Pollock. Surfe na onda de Katsushika Hokusai. Veja o mundo pelos olhos mais-que-perfeitos de Monet. Tema o mundo de Bosch. Masturbe-se com o erotismo galaniano de Dalí.

Em suma: seja comum como uma tela perfeita.


Paulo Polzonoff Jr
Rio de Janeiro, 29/8/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Ler, escrever e fazer contas, só que hoje de Ana Elisa Ribeiro
02. Arte e liberdade de Diogo Salles
03. Impressões de Marta Barcellos
04. Quando escrevo, tenho dito de Ana Elisa Ribeiro
05. Mulheres de cérebro leve de Ana Elisa Ribeiro


Mais Paulo Polzonoff Jr
Mais Acessadas de Paulo Polzonoff Jr em 2001
01. Transei com minha mãe, matei meu pai - 17/10/2001
02. Está Consumado - 14/4/2001
03. A mentira crítica e literária de Umberto Eco - 24/10/2001
04. Reflexões a respeito de uma poça d´água - 19/12/2001
05. Deus - 25/7/2001


Mais Especial Arte
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
29/8/2002
21h00min
Paulo, o que te faz pensar que Monaliza é comum e Pollock é enigmático? Cara, vc consegue dormir depois do trabalho? Sinto informar vc, mas ambos, Da Vinci e Pollock, fundiram tua cuca amigo. Seus olhos são pelo menos bonitos Paulo?
[Leia outros Comentários de Tony Camargo]
18/7/2007
17h50min
Será que somente eu não consigo inventar um enredo quando vejo uma pintura? O que você irá fazer quando bater os olhos num Klein??? Abs!!!
[Leia outros Comentários de José Mianutti]
21/7/2007
22h10min
Caros amigos! Recomendo um singelo livrinho "Histórias de quadros e leitores", da Ed. Moderna, organizado por Marisa Lajolo. O livro trata justamente de textos escritos a partir de impressões que certos quadros nos trazem. São vários os autores e as obras que os inspiraram. Vale a pena dar uma olhadinha, quem sabe vocês não mudam de opinião. Um abraço, Sônia Maris
[Leia outros Comentários de sonia maris]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ANARQUISMO E ANARCOSSINDICALISMO
GIUSEPPINA SFERRA
ATICA
(1987)
R$ 22,12



NARUTO- VOLUME 12
MASASHI KISHIMOTO
PANINI COMICS
(1999)
R$ 20,00



PARA VIVER UM GRANDE AMOR
VINICIUS DE MORAES
FOLHA DE SÃO PAULO
(2008)
R$ 6,90



TABUAS DE ESTATISTICA E MATEMATICA.
BUSSAB E SEVERO.
BRASILIENSE.
(1974)
R$ 12,00



A PROSPERIDADE ESTÁ PRÓXIMA
HERMAN KAHN
NOVA FRONTEIRA
(1982)
R$ 5,00



DIÁRIO DE UM BANANA 5: A VERDADE NUA E CRUA
JEFF KINNEY
VERGARA E RIBA
(2016)
R$ 44,90



QUESTAO AGRARIA NO BRASIL
JOAO PEDRO STEDILE
ATUAL
(1997)
R$ 8,00



COMO FALAR COMO UM PROFISSIONAL
LEON FLETCHER
RECORD
(1983)
R$ 5,00



PSICANÁLISE: ONTEM E HOJE
REVISTA BRASILEIRA DE PSICANÁLISE VOL 37 Nº 4
RBP
(2003)
R$ 19,28



PARTE GENERALE - CHIRURGIA DEL CAPO, DEL COLLO, DEL TORACE E DELLA COL
LUIGI WULLSTEIN MAX WILMS SCHLOFFER TILMA...
TORINENSE
(1914)
R$ 71,07





busca | avançada
55373 visitas/dia
2,0 milhões/mês