Cuidar, cogitar, tratar, amar | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
53430 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Novo livro de Vera Saad resgata política brasileira dos anos 90 para destrinchar traumas familiares
>>> Festival de Cinema da Fronteira e Sur Frontera WIP LAB abrem inscrições
>>> O Pequeno Príncipe in Concert
>>> Estreia da Orquestra Jovem Musicarium ocorre nesta quarta, dia 21, com apresentação gratuita
>>> Banda Yahoo se apresenta na Blue Note SP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
>>> Minha história com o Starbucks Brasil
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
>>> Philip Glass tocando Opening (2024)
>>> Vision Pro, da Apple, no All-In (2024)
>>> Joel Spolsky, o fundador do Stack Overflow (2023)
>>> Pedro Cerize, o antigestor (2024)
>>> Andrej Karpathy, ex-Tesla, atual OpenAI (2022)
>>> Inteligência artificial em Davos (2024)
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> O maior programador do mundo? John Carmack (2022)
>>> Quando o AlphaGo venceu a humanidade (2020)
Últimos Posts
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
>>> Um verdadeiro romântico nunca se cala
>>> Democracia acima de tudo
>>> Podemos pegar no bufê
>>> Desobituário
>>> E no comércio da vida...
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Como ser um Medina
>>> Máfia do Dendê
>>> But I like it
>>> Abbas Kiarostami: o cineasta do nada e do tudo
>>> O enigma de Michael Jackson
>>> O tamanho do balde
>>> Baratas
>>> Ao Abrigo, poemas de Ronald Polito
>>> O dilúvio informacional, segundo a Economist
>>> Bruta manutenção urbana
Mais Recentes
>>> A arte de se tornar de Gennady Basin pela Madras (2003)
>>> Nhac de Canizales pela Telos (2017)
>>> Melusina de Ana Maria Machado pela Atica (2000)
>>> No Tempo em que a Televisão Mandava no Carlinhos de Ruth Rocha pela Ftd (2000)
>>> Lá é Aqui de Rogério Borges pela Positivo (2008)
>>> A Palavra, O Que É? de Luis Pimentel, Ionit Zilberman pela Positivo (2020)
>>> Volta Muriqui de Raquel Ribeiro pela Mib (2022)
>>> O Fantástico Misterio De Feiurinha de Pedro Bandeira pela Moderna (2009)
>>> Adormeceu a margarida? de Maria Heloísa Penteado pela Atual (2000)
>>> Juca Jabuti de Lessa Origenes pela Moderna (2002)
>>> Nós de Eva Furnari pela Moderna (2015)
>>> Drufs de Eva Furnari pela Moderna (2019)
>>> A Biblia da Aromaterapia de Gill Farrer-Halls pela Pensamento (2015)
>>> Yoga Para Nervosos de Hermógenes pela Nova era (1998)
>>> As sete leis do dinheiro de Michael Phillips pela Madras (1999)
>>> Direito Civil Brasileiro 3 de Carlos Roberto Gonçalves pela Saraiva (2010)
>>> Vidas e vindas dos ciganos espirituais de Elizabeth da Cigana Núbia pela Madras (2015)
>>> A Bíblia dos Chakras de Patricia Mercier pela Pensamento (2017)
>>> Taro Das Bruxas de Andre Mantovanni pela Madras (2004)
>>> Ideia Maluca de Cecilia Vasconcelos pela Nova Fronteira - Grupo Ediouro - Paradidatico (2014)
>>> Livro Astronomia os Caçadores de Vênus a Corrida para Medir o Céu de Andrea Wulf pela Paz e Terra (2012)
>>> O Texto sem Mistério de Norma Seltzer Goldstein pela Atica (2009)
>>> Mais esperto que o Diabo de Napoleon Hill pela Citadel (2017)
>>> Introdução ao Teste de Software de Márcio Eduardo Delamaro, José Carlos Maldonado pela Elsevier (2007)
>>> A jornada da alma livro do futuro de M. Nilsa pela Jca e Mna (2004)
COLUNAS

Quarta-feira, 1/11/2006
Cuidar, cogitar, tratar, amar
Ana Elisa Ribeiro
+ de 6300 Acessos
+ 6 Comentário(s)

Ao longo do dia e, mais especificamente, na hora do almoço, veio-me a palavra "cuidar" à cabeça. Os fatos imediatos a trouxeram como um relâmpago. Talvez porque houvesse à minha frente uma criança faminta e o pratinho colorido. Também talvez porque eu tivesse a massagem marcada para as cinco da tarde. Ou porque o marido queixasse febre desde a noite anterior. Também poderia ser porque, da mesa da sala, mirei a suculenta semimorta por falta d'água no parapeito da área de serviço. Ou porque tivesse visto CDs fora das capas na estante. Um livro aberto no sofá. Os óculos do Jorge no assento da cadeira, prontos para serem esmagados por um sentar distraído. Ou porque eu mesma tivesse me esquecido de mim durante muito tempo.

"Cuidar" ficou incomodando meu dia. Pensei mil vezes no dicionário etimológico que ficou na casa dos meus pais. De vez em quando ele me faz falta. Ou pensei em ligar o computador para consultar softwares inteligentes. Também pensei em "cuidar" mais da vida e deixar o trabalho um pouco para depois. Dei almoço ao guri, toquei o rosto do marido com as costas da mão, não era febre. Talvez fosse mais carência do que outra coisa. Eu ali, entre os dois, e ninguém para cuidar de mim. Acontece.

Mães não podem ceder. Quando cedem, cai o teto sobre suas cabeças. Diz o Aurélio século XXI que "cuidar" tem muitos sentidos. Interessante: vem do latim "cogitare". Então, quando alguém "cogita" está "cuidando" também. "Imaginar", "pensar" e "meditar". "Julgar" e "supor". "Aplicar a atenção". "Fazer os preparativos" e "tratar". Por último, bem na ordem da minha vida, "ter cuidado consigo mesmo, com a sua saúde, aparência ou apresentação". Necessariamente.

Eu passo o dia a cuidar dos outros, do emprego dos outros, das tarefas dos outros e do bem-estar de outro. Passo a vida discutindo o que fazer para melhorar isto ou aquilo, para os outros. Nem tanto que seja comunista, mas não menos do que o suficiente para que minha vida particular pareça distante de mim mesma.

Passei grande parte da vida dizendo que jamais teria um filho. Marido era improvável, embora eu admitisse certas idéias de consórcio. Minha argumentação se constituía de um pilar: não gosto de cuidar de nada. De fato, até o cacto que ganhei de presente morreu jovem. O bonsai, dado por um amigo, não durou uma semana.

Também espalhei por aí que detesto dar manutenção de qualquer espécie. Depilação no salão, unha feita, cabelo escovado ou chapado, maquiagem, tatuagem, sobrancelha. Vez ou outra, um incomodado vinha tentar me convencer de fazer sobrancelhas e deixar as pestanas mais leves. Mas nem que Malu Mader não fosse uma musa eu me submeteria a isso. Em geral, mulheres é que morriam de incômodo com meus pêlos. E eu passava a vida com a sobrancelha grossa e cincunflexa. Vez ou outra encontrei um tarado por mulheres assim. Ganhei apelidos: Patricia França, Teresa Batista, Marisa Monte. E não me inundei deles.

E de tanto descuidar, tive um filho, que me mostrou como a paciência e o cuidado nascem do amor. Pensando bem: embora eu não demonstrasse muito amor por mim, amava os livros e os discos como a nada mais na vida. Tanto é que são limpos e seminovos, mesmo quando são antigos. Também às pastinhas e aos papéis devotei horas de apreço dedicado. Coisa que não fiz aos meus cabelos e muito menos às unhas, que gosto de roer para sanar as pontadas de ansiedade no estômago.

O filho me obrigou à atenção quase exclusiva. Agora, mesmo, afirmava, aos prantos, que só dormiria comigo. O marido acabou em segundo plano, mesmo que eu o ajudasse a derrubar febres e tristezas de vez em quando.

A casa não merece grande parte da minha atenção. Mesmo não contando com uma secretária doméstica, não me perco na observação das poeiras e das manchas na parede. Apenas o escritório me deixa preocupada. Não me mordo de raiva das almofadas e nem dos brinquedos espalhados pelo chão. Mas tenho cá a preocupação de que a vida seja possível neste ambiente. O almoço quase sempre está pronto para ser servido na hora certa. Em geral, as roupas estão guardadas ou penduradas onde devem. Assim como os sapatos empilhados num canto. E embora eu teça isso todos os dias, nem sempre recebo presentinhos de atenção das outras partes. Quando alguém viaja, aquele que fica deveria preparar o lanche da volta do ausente com muito carinho. Como, em geral, sou eu que fico, preparo a mesa em que até as torradinhas têm forma de coração. Só não é melhor porque não sei fazer café. Mas quando viajo, o retorno é sempre mais triste do que a partida. Assim também é quando chego do trabalho e percebo que está tudo por fazer, inclusive o almoço.

De repente, hoje, senti imensa saudade dos dias em que minha mãe entrava no meu quarto para me tomar a temperatura. Quando me achava prostrada, trazia logo um arsenal de termômetros e uma caixinha de remédios. O pai médico também receitou suas doses de cuidado e antibióticos. Mesmo os irmãos mais desligados vieram trazer histórias e carinho de madrugada.

Alguns ex-namorados também souberam registrar seus cuidados. Gentilezas compradas em boas padarias, bombons finos, rosas de chocolate num dia comum. Ou aquele que, em minha rara visita noutro estado, comprou um jogo de cama novo para combinar com a felicidade do dia. E encheu os armários da cozinha de guloseimas do meu gosto mais íntimo. Além de apaixonado, que às vezes não é suficiente, ele se mostrava atencioso. Cuidava. Ou aquele que examinava meus olhos míopes, de vez em quando, para surpreender qualquer início de descolamento de retina.

Mesmo os amigos cultivaram os cuidados comigo. No presente, nas palavras, na companhia às estantes de livrarias, na conversa de bar, ao telefone, nos aniversários. Ou quando participavam dos projetos literários, mesmo quando eram do tipo "murro em ponta de faca". Estavam lá.

As mães costumam ser fortalezas. E todas elas ficam cansadas de vez em quando. E se habituam ao cansaço, porque percebem que todos têm o direito de se cansar antes delas. As mães sentem no coração que devem sustentar o mundo com os ombros. Se faltarem, tudo desabará nas cabeças dos amados. As mães costumam viver em tempos paralelos. O cuidado que têm com os outros abafa o que deveriam ter com elas mesmas. Mas as mães estariam salvas disso se os outros as obrigassem a serem objeto de cuidado de vez em quando. Se os outros parassem de pedir colo e oferecessem os ombros e todos os bombons do mundo, ao menos uma vez. Se no lugar da manha primogênita, pudessem cuidar da vida delas um pouco. As mães febris não têm tempo de se colocarem os termômetros ocupados com os outros. O cansaço das mães está sempre subavaliado, submetido ao alheio. É preciso cometer o desligamento para que o autocuidado aconteça. Mas é necessário lembrar aos outros que o cuidado mais brando garimpa momentos inesquecíveis na memória dos maiores amores do mundo.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 1/11/2006

Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2006
01. Digite seu nome no Google - 8/3/2006
02. Eu não uso brincos - 27/9/2006
03. Não quero encontrar você no Orkut - 8/2/2006
04. Poesia para os ouvidos e futebol de perebas - 7/6/2006
05. Ex-míope ou ficção científica? - 20/12/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
2/11/2006
21h34min
Cuidar é uma arte. E se descuidar também, embora esteja em desuso. É preciso ser muito confiante para viver como nasceu: cara limpa, cabelo encaracolado, unhas sem esmalte. Nesse mundão de preocupações narcisísticas quase ninguém deixa de se acarinhar, mas não olha para os lados alheios. Não há tempo. É um mundo fast-food, rapidinho e superficial. Mas as sobrancelhas são depiladas com desvelo, demoradamente. Talvez sejam muito importantes e eu não saiba! Eu bem que queria ser uma delas, negra, curva, altiva. Aí, sim, eu seria motivo de cuidado... Seu texto é muito bom. Assino em baixo.
[Leia outros Comentários de Dalila Flag]
3/11/2006
16h19min
Ana, como sempre , adorei e me identifiquei. É verdade, essa coisa de cuidar é muito de mãe. E a gente nem se permite ficar cansada ou doente. Lembro demais da minha mãe que teve 9 filhos e cuidava de todos, o mesmo tanto e de quem mais passasse na porta de casa. Cuidar dos outros é bom, mas é muito bom também quando conseguimos chutar o balde e cuidar de nós mesmas, mas com coisas que realmente nos dão prazer: comprar algo que se quer há muito tempo, um disco, um livro, uma roupa, ir ao cinema sozinha, nadar no meio da tarde, fugir de um compromisso, se dar um vaso de flores e dizer para si mesma o quanto a gente se ama.
[Leia outros Comentários de Áurea]
8/11/2006
20h45min
Ana, só quem é mãe sabe como é... cuidar de todos, pensar primeiro neles e depois em nós... e, lá no fundinho, esperar não a retribuição, mas, pelo menos, o reconhecimento do carinho e dos cuidados prestados. Geralmente não vêm nenhum deles. Mas um dia, sem esperar, descobrimos que eles reparam, sim, que cuidamos deles. Mas mãe não precisa que digam isso... elas sabem. (Mas isso não impede que gostemos de um cuidado de vez em quando...) Adorei o texto (como geralmente adoro todos os seus textos, continue escrevendo!) Um abraço.
[Leia outros Comentários de Cristine ]
16/11/2006
15h27min
Ana, o seu texto dá TANTO em que pensar!!! *Pensar uns dois dias pelo menos* Parabéns pela reflexão e obrigada por compartilhar. Um abraço.
[Leia outros Comentários de Lívia Santana]
18/11/2006
02h56min
Ana, seus textos são ótimos. Sempre consigo me transportar para as situaçoes que você esboça e sair delas me sentindo menos só, porque visitei um universo conhecido. Do dicionário deixado na casa do pai, até noites acordada com filho com asma, e o cansaço do dia seguinte, conheço tudo: a grandeza do cuidar e a tristeza de não ser cuidada. Belo texto.
[Leia outros Comentários de cissa lafayette]
2/2/2007
22h39min
Passei a semana pensando no "Cuidar", e seus adjetivos. Cuidar do outro, sempre, quase que o tempo todo. Sua crônica sou eu, mãe e mulher de marido pianista (de alma pluralista e clássica). Sei o quanto é difícil carregar o mundo nas costas... procuro desesperadamente um tempo para mim, às vezes acho que precisarei de uma outra vida, de uma outra vez para me encontrar de novo. A única coisa realmente minha é o meu riso escrachado, maravilhoso, que quase sempre me acompanha, além do meu olhar aparentemente tímido e conquistador na solidão dos dias tão cheios de gente. O jeito é tomar o sentimento na marra e viver do meu jeito, as cores e dores deste tempo de hoje... Alessandra
[Leia outros Comentários de Alessandra Alcântara]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Construindo o Saber
Maria Cecília M. de Carvalho
Papirus
(1995)



Handbook Of American Idioms asnd Idiomatic Usage
Harold C. Whitford e Outro
Regents Publishing
(1953)



Playback
Raymond Chandler
Artenova
(1974)



Livro de Bolso Literatura Estrangeira Pequenos Burgueses Mãe
Gorki
Abril
(1979)



Mpt
Henrique Correia
Juspodivm
(2019)



Américas, um sonho de escritores
Philippe Ollé-Laprune
Estação Liberdade
(2022)



The Tao Of Inner Peace - Ingles - literatura
Diane Dreher
Harper Collins
(1991)



Estudo de Problemas Brasileiros
Hilário Torloni
Pioneira
(1979)



Criando Meninos
Steve Biddulph
Fundamento
(2006)



A Grande Upanishad da Floresta (Brhâdaranyâka Upanishad)
Carlos Alberto Tinoco
Madras
(2013)





busca | avançada
53430 visitas/dia
1,8 milhão/mês