O espectro de Paulo Francis | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
29794 visitas/dia
891 mil/mês
Mais Recentes
>>> CRIANÇAS DE HELIÓPOLIS REALIZAM CONCERTO DE GENTE GRANDE
>>> Winter Fest agita Jurerê Internacional a partir deste final de semana
>>> Coletivo Roda Gigante inicia temporada no Jazz B a partir de 14 de julho
>>> Plataforma Shop Sui dança dois trabalhos no Centro de Referência da Dança
>>> Seminário 'Dança contemporânea, olhares plurais'
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
>>> O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite
>>> Carta ao(à) escritor(a) em sua primeira edição
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 3
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
Últimos Posts
>>> Pelagem de flor IV: AZUL
>>> Pelagem de flor IV: AZUL
>>> Pelagem de flor IV: AZUL
>>> É cena que segue...
>>> Imagens & Efeitos
>>> Segredos da alma
>>> O Mundo Nunca Foi Tão Intenso Nem Tão Frágil
>>> João Gilberto
>>> Retalhos ao pôr do sol
>>> Pelagem de flor III: AMARELO
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Copacabana-Paulista-Largo das Forras
>>> Palavras, muitas palavras
>>> Lula: sem condições nenhuma*
>>> Novos Melhores Blogs
>>> O primeiro Show do Milhão a gente nunca esquece
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> As pedras de Estevão Azevedo
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Historia de Hotmail
>>> Maria Rita: música em estado febril
Mais Recentes
>>> Em Busca de um Final Feliz de Katherine Boo pela Novo Conceito (2013)
>>> O Codigo Da Vinci de Dan Brown pela Sextante (2004)
>>> A Conquista da Confiança, A Conquista do poder de Michelle Celmer, Catherine Mann pela A Conquista (2015)
>>> Poder & Paixão - Atraente Desafio, Fruto de uma Noite - Edição 224 de Jennifer Hayward, Jennie Lucas pela Harlequin (2014)
>>> São Paulo 1975 - Crescimento e Pobreza de Vários pela Loyola
>>> Bagagem de Adélia Prado pela Record (2008)
>>> Futebol 2001 de José Ângelo Garsia pela Summus Editorial (2001)
>>> Preparar Apontar Fogo! Emoção em caça e pesca de Synesio Ascencio pela Troféu (1973)
>>> Fiesta - Curtindo Cada Segundo de Kate Cann pela Arxjovem (2003)
>>> Pesca Esportiva Maritima de Irineu Fabichak pela Nobel (1982)
>>> Diários do Vampiro - Confronto de L. J. Smith pela Galera Record (2010)
>>> ABC da Caça - Coleção Cultura e Tempos Livres de Fabiãn Abril pela Presença (1978)
>>> De Volta para Casa de Mary Sheldon pela Record (2004)
>>> Buracos Negras - Palestras da BBC Reith Lectures de Stephen Hawking pela Intríseca (2017)
>>> Poder Sexual Feminino de Márcia Goldschmidt pela Gente (2000)
>>> Iacocca – Uma autobiografia de Lee Iacocca e William Novak pela Cultura (1985)
>>> Voltando Para Casa com o Seu Bebê - Do Nascimento à Realidade de Laura A. Janna e Jennifer Shu pela Martins Fontes (2010)
>>> A Dominação Masculina - a Condição Feminina e a Violência Simbólica de Pierre Bourdieu pela Bertrand Brasil (2019)
>>> Pais Brilhantes, Professores Fascinantes de Augusto Cury pela Sextante (2003)
>>> Os Elementos - Capa Dura de Euclides pela Unesp (2009)
>>> Mauricio: A História Que Não Está No Gibi de Maurício De Sousa pela Sextante (2017)
>>> O Possuído - A besta toma posse de Tim LaHaye, Jerry B. Jenkins pela United Press (2010)
>>> Direita e Esquerda de Norberto Bobbio pela Unesp (2011)
>>> Sobre Educação, Política e Sindicalismo de Maurício Tragtenberg pela Unesp (2004)
>>> Mensagem do Outro Lado do Mundo de Marlo Morgan pela Rocco (2019)
>>> Dicionário de Políticas Públicas de Geraldo Di Giovanni/Marco Aurélio Nogueira (orgs) pela Unesp (2018)
>>> Zoom - Cinco Páginas Animadas de Chris Davis pela Ciranda Cultural (2010)
>>> Livro Nozes & Companhia - Um Livro de Receitas de Editora Lisma pela Lisma (2006)
>>> A Última Grande Lição - O Sentido da Vida de Mitch Albom pela Sextante (2010)
>>> A casa dos Bronzes de Ellery Queen pela Nova Fronteira
>>> Livro Coleção Fono na Escola de Márica Honora pela Ciranda Cultural (2009)
>>> Livro Irmãs vampiras - uma missão bem dentuça de Franziska Gehm pela V e R (2019)
>>> Infância dos Mortos de José Louzeiro pela Record (1981)
>>> Livro Dificuldades de Aprendizagem de Ana Maria Salgado Gómez pela Grupo Cultural (2018)
>>> O Misterioso Sr. Quin de Agatha Christie pela L&PM Pocket (2017)
>>> Rimbaud da América e Outras Iluminações de Maurício Salles Vasconcelos(Autografado) pela Estação da Liberdade (2000)
>>> Rimbaud da América e Outras Iluminações de Maurício Salles Vasconcelos(Autografado) pela Estação da Liberdade (2000)
>>> O Siciliano de Mario Puzo pela Circulo do Livro (1984)
>>> Cid-10 - Vol. 1: Classificação Estatistica Internacional de Doenças de Oms pela Edusp (2010)
>>> O Espírito de Liberdade de Erich Fromm pela Zahar (1981)
>>> Conversa na Catedral de Mario Vargas Llosa pela Circulo do Livro (1969)
>>> Livro Nada a perder 2 de Edir Macedo pela Planeta (2013)
>>> Livro Mundo Afora de Mel Lisboa pela Globo (2007)
>>> A Nova Ordem Mundial e os Conflitos Armados - Bilingue/ Capa Dura de Daniel Amin Ferraz/ Denise Hauser Coord. pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2002)
>>> Livro Maternidade Tardia. Mulheres Profissionais em Busca da Realização Plena de Sylvia Ann Hewlett pela Novo Século (2008)
>>> El Domador de Monstruos de Ana Maria Machado pela Sm (2007)
>>> Desafios do Trabalho de Ladislau Dowbor , Odair Furtado , leonardo Trevisan ,Hélio Silva pela Vozes (2004)
>>> Livro Bênção Diária 2 de Max Lucado pela Thomas Nelson (2014)
>>> Livro O grande livro das parlendas de Paulo F Netho pela Ciranda Cultural (2015)
>>> Sucessões - Teoria, Prática e Jurisprudência...Na Vigência do Código Civil 1916... de Wilson de Oliveira pela Del Rey/ Belo Horizonte (2004)
COLUNAS >>> Especial 10 anos sem Francis

Quinta-feira, 8/2/2007
O espectro de Paulo Francis
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 5900 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Paulo Francis era uma figura engraçada. Olhinhos puxados e uma forma de falar atípica (que alguns atribuem a uma prática que visava amenizar sua gagueira). Falava sobre as coisas mais imponentes e polêmicas com um riso contido (irônico?) no lado direito da boca. Parecia um moleque fazendo traquinagem e esperando o susto do espectador por sua atitude levada da breca. De uma coisa creio que ninguém tem dúvida: Francis era um polêmico, mas não para fazer tipo, como diziam seus opositores, ao contrário, sua crítica era séria e fundada numa espécie de razão interna (inteligência), sendo uma das mais intrigantes figuras do jornalismo cultural do Brasil.

Mas, como sabemos, ninguém nasce sábio nem se faz sábio da noite para o dia. É preciso uma vivência apaixonada no cerne da própria cultura para se fazer minimamente inteligente. Mais que um intelectual típico (aqueles formados em duros bancos universitários) talvez Francis tenha sido aquilo que chamamos de connaisseur. Aquele indivíduo que forma sua sensibilidade e inteligência na fruição amorosa dos livros dos grandes escritores. Fazendo um levantamento de autores por ele lidos e citados em diversas publicações ficamos espantados pela sua formação: Proust, Balzac, Melville, Thomas Mann, Nietzsche, Freud, Marx, Camus, Sartre, Agostinho, Gibbon, Eliot, Conrad, Joyce, Shakespeare, Kafka, Dickens, Zola, Edmund Wilson, Auden, Lawrence, Herbert Marcuse... mas vamos parar por aqui, pois o tamanho deste artigo não suportaria a lista dos autores que Francis admirava. Isso sem pensar no vasto universo do teatro, do cinema, da ciência política e da criação musical (alta cultura sem culpa, registre-se) que ele apreciava também.

Nesse sentido, Francis poderia ser um exemplo para os jovens que querem ingressar no jornalismo cultural. Teriam que aprender com ele a lição de que a experiência no trabalho é importante, mas só se realizará plenamente se for casada com uma vasta auto-educação na cultura erudita (num tempo em que, nas escolas brasileiras, boa parte dos adolescentes não sabe nem escrever o próprio nome, isso seria possível?).

A finesse de sua crítica, muito imitada, mas sem grande sucesso (não há fórmulas para ser um Paulo Francis) se deve, então, à relação que o jornalista estabeleceu entre o trabalho duro e apaixonado pelo jornalismo e sua vasta cultura livresca e pela freqüentação ao universo cultural de uma forma geral (museus, teatro, concertos).

Francis talvez seja o primeiro esquerdista (nunca aquele esquerdista militante fanático e cego às aberrações do comunismo) a se declarar um liberal no Brasil. Por isso também deve ter sofrido muito, deve ter sido castigado, criticado e até injustiçado. Corajoso ao ponto de citar e justificar algumas posturas intelectuais do liberal Raymond Aron ou elogiar J.G. Merquior ou de fazer sua crítica ao modelo totalitário do comunismo russo e chinês. Também de criticar a cultura nacionalista ingênua que se desenvolvia no Brasil a partir dos anos 60, aquela postura que achava, por exemplo, que fazer cinema nacional era colocar pobres e favelados nas películas e não investir numa produção técnica refinada e numa investigação estética mais séria.

Paulo Francis era mais Ipanema que USP. Por isso seu espírito despojado. Chega a ser engraçado ver certas assertivas de Francis, como por exemplo, ao comentar a problemática do excessivo número de abortos clandestinos no Brasil. Para explicar a situação no Brasil usou o texto bíblico que resumia tudo, dizendo: "Muitos são os chamados, poucos os escolhidos". Outra frase risível, mas inteligente: "Devemos a Napoleão Bonaparte a Biblioteca Nacional do Rio, por ter dado uma corrida em D. João VI, que fugiu para o Brasil, com cerca de 600 documentos raros, e abriu, se não os portos, alguma coisa, entre as quais a Biblioteca, em 1810". Acho que Francis iria vibrar com a frase de Octavio Paz que disse que a colonização espanhola não teve nada de negativo, ao contrário, só nos livrou dos rituais sanguinários e da escravidão típica da cultura inca e asteca, colocando no seu lugar os princípios universais da democracia e da justiça.

Também muito divertida sua explicação da relação entre a jovem virgem de 18 anos, Hanna Arendt, e o mestre filósofo de 35 anos, Martin Heidegger, dizendo que o que manteve a relação dos dois era o fato de que "o amor que fica é o amor de pica". E ainda, agora já seriamente, nadando na contra-corrente de uma série de tentativas de desclassificação do filósofo alemão, Francis afirmava que a obra filosófica de Heidegger não tinha nem uma linha de racismo, embora ele trabalhasse como professor para o Estado Nazista. O jornalista também lembra, em outro momento, que Nietzsche não tinha nada a ver com a filosofia nazista, como pensavam seus críticos apressados, e que o filósofo acharia Hitler um idiota.

Há um outro assunto que sempre voltava nos textos do jornalista e sobre o qual me parece ser ele o único interessado em comentar: o ateísmo. Acompanhava a produção intelectual de autores preocupados com o tema para dar suas alfinetadas de tabela: "A Igreja nunca aceitou o individualismo, a democracia política, a modernidade leiga e materialista que pôs em segundo plano o estado religioso". Fico imaginando, se Paulo Francis estivesse vivo hoje em dia, de que forma comentaria o retorno ao fundamentalismo que estamos assistindo, como numa nova idade-média bárbara, com fanatismos religiosos e bélicos se ajuntando como práticas inseparáveis. E quem não pagaria para ouvi-lo comentar o atentado de 11 de Setembro, começando com sua famosa e charmosa frase inicial: "aqui de Nova York...".

Francis não era fácil, sem papas na língua demolia alguns cânones literários como, por exemplo, Virgínia Woolf, dizendo: "Mas alguém se lembra realmente de seus romances? Citam-se a todo instante seus comentários em diários e cartas. A literatura parece diáfana, inconsistente e anêmica, de um bom gosto excessivo, que sai do terreno literário para o chique". A demolição continuava com comentários como: "Philip Roth é um Gulliver na literatura liliputiana dos nossos dias". Ou ainda: "Walter Scott, um autor menor sem nenhum significado literário para a sensibilidade moderna". Sobre nossa acadêmica e anêmica Nélida Piñon vaticinou: "Mordisquei seus livros. São ilegíveis. Ela não sabe escrever, ponto. Uma falsa angústia reprimida e um pseudomisticismo permeiam sua obra. A única questão interessante é saber se Ms. Piñon acredita na própria publicidade". Sobre Toni Morrison: "negra, semi-analfabeta".

Destratava alguns cânones ("quem lê Gidé se não a academia?"), mas reabilitava alguns dessacralizados pela academia, como Simenon: "Maigret consegue o milagre de ser high e low ao mesmo tempo".

Discutindo a indústria cultural, a partir da questão do fanatismo das massas pelos fãs (citando, a propósito, a frase de Hitler, de que as massas são como uma fêmea esperando o macho para dominá-la e possuí-la), Francis tenta explicar também a ojeriza de João Gilberto ao seu público nos seguintes termos: "Qual é a diferença entre esta gente que fica ululando diante de Madonnas e roqueiros da pesada e nazistas? Psicologicamente, nenhuma. Um artista popular é de certa maneira uma contradição em termos. O artista nos revela o que não sabemos sobre nós próprios ou sobre o mundo. Quem apenas massageia nossos preconceitos e pressuposições não é artista." O que pensaria Francis sobre as Danielas-Mercury e Ivetes-Sangalo da vida enchendo estádios de fãs fanáticas? Que elas são tudo (mercadorias brevemente descartáveis?), menos artistas. E o público, o que seria para Francis?

Nós sabemos o que o jornalista pensava sobre a cultura pop: "Uma das maiores provas biológicas da resistência do ser humano é que ele resista ou sobreviva a essa montanha infinita de lixo que é a cultura pop".

Francis escrevia sobre todas as áreas, com comentários imperdíveis. Suas frases são notáveis, nos causam inveja, destilam ironia fina a cada estocada. Politicamente incorreto, dispara críticas mordazes com sua metralhadora giratória. Não faz por mal, creio, apenas quer preservar a inteligência que espera do público leitor. Às vezes sua prática lhe arrumou dissabores. Talvez o alimento mais rico para seu jornalismo polêmico. Relê-lo é sempre uma prática rejuvenescedora para nossos cérebros acomodados à mesmice do mundo e da cultura. Numa época em que ficar em cima do muro parece a política mais saudável para agradar o mercado (que compra nossas consciências a peso de moedas de prata), Francis é um exemplo a ser seguido.

Se Francis estiver no inferno (deve estar), onde eu tentarei encontrá-lo assim que eu morrer, ele com certeza vai dizer, com um pequeno riso no canto dos lábios: "Aqui é quente, mas apesar disso, o inferno é que é divertido".

Ah! o título deste artigo? Ora, a viúva de Francis com coragem nas veias vai lançar um romance inacabado do jornalista: eis o espectro do escritor a nos rondar novamente. Direto do inferno. Estamos ansiosos pelo reencontro.

Para ir além






Jardel Dias Cavalcanti
Campinas, 8/2/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Voto de Meu Pai de Heloisa Pait
02. Sebastião Rodrigues Maia, ou Maia, Tim Maia de Renato Alessandro dos Santos
03. Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo de Jardel Dias Cavalcanti
04. Os dinossauros resistem, poesia de André L Pinto de Jardel Dias Cavalcanti
05. A literatura de Marcelo Mirisola não tem cura de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti
01. Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica - 17/12/2002
02. Davi, de Michelangelo: o corpo como Ideia - 3/11/2009
03. Felicidade: reflexões de Eduardo Giannetti - 3/2/2003
04. Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I) - 20/12/2011
05. Vanguarda e Ditadura Militar - 14/4/2004


Mais Especial 10 anos sem Francis
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/3/2007
16h10min
Jardel: achei divertido o texto, mas essa frase cafajeste para definir o romance (com evidentes afinidades espirituais) de Harendt e Heidegger foi terrível!
[Leia outros Comentários de Lúcio Emílio]
7/3/2007
19h55min
é, meu caro Lucio, assim era o Francis - a inteligência abusada e contraditória sem pedir desculpas. obrigado pela leitura.
[Leia outros Comentários de jardel]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A TORRE MAL-ASSOMBRADA
SUSANNAH LEIGH
SCIPIONE
(2006)
R$ 12,00



A CONSTITUIÇÃO COMO PRINCÍPIO
MÔNICA CLARISSA HENNIG LEAL
MANOLE
(2003)
R$ 7,00



LEE-LI YANG
CAMILA DE TOLEDO PIZA COSTA MACHADO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



PROJETO ARARIBÁ GEOGRAFIA 6ª SÉRIE
ORGANIZADORA EDITORA MORDENA
ED. MODERNA
(2006)
R$ 5,00



A LONGA NOITE
RAYMOND CHANDLER
CÍRCULO DO LIVRO
(1987)
R$ 12,00
+ frete grátis



O QUE E O FUTURO?
FRANCESCO MORACE
ESTAÇAO DAS LETRAS
(2013)
R$ 23,00
+ frete grátis



COMO E PORQUE SE FAZ ARTE
ELIZABETH NEWBERY
ATICA
(2011)
R$ 10,50



RUA DO MEDO A VIDENTE
R. L. STINE
ROCCO
(1999)
R$ 7,00



ELA SÓ QUERIA CASAR...
MARCELO CEZAR
VIDA & CONSCIÊNCIA
(2012)
R$ 15,00



A TRAVELERS GUIDE TO EL DORADOAND THE INCA EMPIRE: A SUPERBLY
LYNN MEISCH
PENGUIN BOOKS
(1984)
R$ 25,28





busca | avançada
29794 visitas/dia
891 mil/mês