Crônicas do anonimato | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
28879 visitas/dia
957 mil/mês
Mais Recentes
>>> 'D. Quixote de La Mancha pelas mãos de Canato'
>>> Projeto nacional de educação musical estará em santos no próximo dia 24.10, em Guarujá 25.09 e Santo
>>> Teatro Fase abre palco para comédia
>>> Artistas da 33ª Bienal participam do open studio na Residência Artística da FAAP
>>> Europa de Portas Abertas 2018
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Alice in Chains, Rainier Fog (2018)
>>> Cidades do Algarve
>>> Gosta de escrever? Como não leu este livro ainda?
>>> Assum Preto, Me Responde?
>>> Os olhos de Ingrid Bergman
>>> Não quero ser Capitu
>>> Desdizer: a poética de Antonio Carlos Secchin
>>> Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba
>>> De quantos modos um menino queima?
>>> Entrevista com a tradutora Denise Bottmann
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> O conservadorismo e a refrega de símbolos
>>> Ingmar Bergman, cada um tem o seu
>>> Em defesa do preconceito, de Theodore Dalrymple
>>> BRASIL, UM CORPO SEM ALMA E ACÉFALO
>>> Meus encontros com Luiz Melodia
>>> Evasivas admiráveis, de Theodore Dalrymple
>>> O testemunho nos caminhos de Israel
>>> UM OLHAR SOBRE A FILOSOFIA (PARTE FINAL)
>>> Os livros sem nome
>>> O mundo era mais aberto, mãe...
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
>>> Retrato em branco e preto
>>> Dilma na Copa 2014
>>> Receita para se esquecer um grande amor
>>> Duas escritoras contemporâneas
>>> Henry Moore: o Rodin do século XX
>>> Entrevista com Antonio Henrique Amaral
>>> O assassinato de Jesse James pelo covarde Robert Ford
>>> Dando nome aos progres
Mais Recentes
>>> Analise de credito e risco de Christian marcelo rodrigues pela Ibpex
>>> Judas--maxi-serie-1-3-4-5-7-9-10-11-12-13-14-16. de Sergio bonelli pela Record
>>> Richard ferber de Bom sono pela Celebris
>>> Ze colmeia--numero 1--raro. de Editora abril pela Abril
>>> Turma da monica-coleçao coca cola de Editora globo pela Globo
>>> Almanaque do popeye--2--raro. de Editora rge pela Rge
>>> Cura pela agua--a nova ciencia de curar. de Louis kuhne pela Hemus
>>> Mandrake--254. de Editora rge pela Rge
>>> Gibi de ouro-os classicos em quadrinhos-mandrake-cavaleiro negro-ferdinando--nick holmes de Editora rge pela Rge
>>> Popeye--13--rge. de Editora rge pela Rge
>>> Maldito-a vida e o cinema de jose mojica marins,o ze do caixao. de Andre barcinski e ivan finotti pela 34
>>> Materiais de construçao de W. j. patton pela E. p. u (1978)
>>> Diferentes formas de amar de Susana balan pela Best seller
>>> O novo paradigma dos negocios de Michael ray e alan rizsler pela Um
>>> Prisma--girando a piramide corporativa. de Werner k. p. kugelmeier pela Publit
>>> A fazenda mal assombrada de Alexandre dias pela Lachatre
>>> Conhecendo e trabalhando com o visual basic 6.0. de Pedro luiz cortes e roberto alessandre scherr. pela Erica
>>> Aguerra se torna mundial de Folha de sao paulo pela Folha de sao paulo
>>> Visual basic--simples e objetivo 3.0. de Ignacio c. m. massum. pela Erica
>>> Windows 98--answers--certified tech support. de Martin s. mattews an carole boggs mattews pela Mcgraw-hill
>>> Wit: Jornada de um Poema de Margaret Edson pela Peixoto Neto (2000)
>>> Bestiário de Júlio Cortázar pela Edibolso (1977)
>>> Conflito de Culturas de Coelho de Sousa pela Ministério da Educação e Saúde (1953)
>>> Segredo Rebelde de Marcelo Ferla pela Futuro (2006)
>>> Planejamento e Organização do Turismo de Ivan Fernandes pela Campus (2011)
>>> Turismo e Empreendedorismo de Jovo Ateljevic pela Campus (2011)
>>> Stagium: As Paixões da Dança de Décio Otero pela Hucitec (1999)
>>> A Capitania das Minas Gerais de Augusto de Lima Júnior pela Livraria Itatiaia (1978)
>>> Histórias do Japão de José Arrabal pela Peirópolis (2004)
>>> As brumas de avalon de Marion zimmer Bradley pela Imago (1985)
>>> As brumas de avalon de Marion zimmer Bradley pela Imago (1985)
>>> Recordação da casa dos mortos de Dostoievski pela Saraiva (1949)
>>> Era no tempo do Rei de Luiz Antonio Aguir pela Ática (2009)
>>> Planejamento e gestao estrategica nas empresas. de Luiz alberto a. dos santos. pela Atlas
>>> Comportamento organizacional de John a. wagner e john r. hollenbeck pela Saraiva
>>> Bom sono de Richard ferber pela Celebris
>>> Em dia com a digestao de Serafina petrocca pela Epoca
>>> Religioes do povo de Giorgio paliari pela Am
>>> Escoliose--a causa das nossa dores fisicas. de Antonio benedito do nascimento pela Ottoni
>>> Gibi audax-ano 1-numero 5. de Editora abril pela Abril
>>> Gibi nick raider--4--chinatow de Ediroa record pela Record (2018)
>>> Programando em clipper 5.01. de Stephen j. straley pela Berkeley ebras
>>> Priv@cidade.com de Charles jennigs e lori fena pela Futura
>>> Adobe photoshop 5 in 24 hours de Carla rose pela Sams
>>> Liebieghaus de Vierte auflage pela Verte auflage
>>> Roses de David Squire pela Tiger Books International (1995)
>>> Sime Gen: The Unity Trilogy de Jacqueline Lichtenberg e Jean Lorrah pela Meisha Merlin Publishing (2003)
>>> O Poder Regulamentar Autônomo do Presidente da República de André Rodrigues Cyrino pela Fórum (2005)
>>> Los Llamados a Seguir a Cristo de Serafin Matellán pela Instituto Teológico de Vida Religiosa (1973)
>>> Reencarnação e Emigração Planetária de Dinkel Dias da Cunha pela Cátedra (1989)
COLUNAS

Quarta-feira, 19/3/2008
Crônicas do anonimato
Luiz Rebinski Junior

+ de 4700 Acessos
+ 1 Comentário(s)

"Se tiver de morrer, é melhor morrer no Times". A frase do jornalista A. M. Rosenthal que Matinas Suzuki Jr. tomou como epígrafe para seu texto que fecha O livro das vidas ― Obituários do New York Times, é representativa da importância que os necrológios têm na imprensa de língua inglesa.

O livro é o mais novo lançamento da coleção Jornalismo Literário, da editora Companhia das Letras, que, entre outros, já publicou clássicos do gênero como Fama e anonimato (Gay Talese), Hiroshima (John Hersey) e O Super-Homem vai ao supermercado (Norman Mailer). A coletânea traz mais de cinqüenta obituários publicados no mais importante e influente diário do mundo, todos escritos ao longo da década de 1990.

Tradicionais nos Estados Unidos, como escreve Suzuki Jr. no esclarecedor posfácio que acompanha a edição (o texto é tão bom e bem escrito quanto qualquer obituário do livro), o obituário literário passou por diversas transformações ao longo das últimas quatro décadas, quando deixou o formato de "tributo" ― geralmente escrito por familiares ou pessoas próximas do morto ―, para finalmente adquirir caráter jornalístico e, na seqüência, requintes de literatura. Entre as mudanças significativas que as seções de obituários sofreram, talvez a mais emblemática seja a que mudou o foco dos textos, que passaram a contemplar não apenas personalidades famosas ou pseudo-estrelas, trazendo para as páginas dos jornais gente "comum" ou pouco conhecida. E é esse tipo de pessoa que figura nas páginas de O livro das vidas; anônimos que fizeram algo relevante e que merecem ser conhecidos.

Assim ficamos conhecendo pessoas talentosas, como Russell Colley, estilista frustrado que encontrou abrigo na engenharia mecânica e ficou conhecido como o "Calvin Klein das roupas espaciais"; e Edward Lowe, que em 1947 inventou a areia higiênica para gatos e fez com que os "cães passassem a ter um rival nos lares americanos". Quando comparado com os perfis de gente famosa, em que a probabilidade de se conseguir informações exclusivas é bem menor, os obituários de anônimos são bem mais interessantes, já que obrigam a uma maior e mais minuciosa pesquisa acerca do personagem. Bom exemplo disso é o obituário de Jerry Siegel, o criador do Super-Homem que passou a maior parte da vida na miséria após ter vendido a sua melhor criação ― que se tornaria um produto cultural bilionário ― por míseros 130 dólares.

O texto de tiro curto dos obituários também dá ao jornalista maior possibilidade de extrair o inesperado, pois trafega em um território aparentemente inexplorado, o que lhe amplia as possibilidades de investigação. Mas um dos aspectos mais interessantes de O livro das vidas é que os textos não tentam resumir a vida de seus personagens, nem traçar uma ordem cronológica dos acontecimentos, mas sim mostrar o que de mais interessante ― não necessariamente o fato mais bondoso ou louvável ― o obituariado fez em vida ― como no hilário "Entrando na história pelo lado errado", em que Robert McG. Thomas Jr. conta como o aviador Douglas Corrigan fez um malfadado vôo do Brooklyn a Los Angeles que, inexplicavelmente, terminou em Dublin, depois de 28 horas de vôo.

Para o jornalista e editor do site TextoVivo, Sergio Vilas Boas, os obituários da coletânea demonstram que é possível ser profundo no jornalismo diário. "O que gosto em O livro das vidas é a capacidade de síntese dos textos, sem perda da expressão clara, robusta e inspiradora. Isso mostra, entre outras coisas, que jornalismo em profundidade não necessariamente tem a ver com 'texto longo'. Pode-se ser profundo em textos de cinco ou oito mil caracteres, por exemplo".

Jornalismo literário brasileiro
O obituário é também um ótimo desafio ao jornalista/escritor, pois dá a ele a chance de transformar algo aparentemente insignificante em uma história interessante, caso tenha talento para tal, é claro. É aí que o jornalismo cruza com a literatura. Com boa dose de elegância, muita apuração e algum estilo, pode-se transformar uma notícia corriqueira em um grande texto ― haja vista a maneira como Capote deu a partida para seu clássico A sangue frio.

Posto disputado dentro dos jornais americanos, a função de obituarista relegou a alguns profissionais fama e prestígio. Entre os autores que figuram na coletânea, certamente Robert McG. Thomas Jr. é o que mais se destaca. Thomas Jr. é responsável por alguns dos mais interessantes obituários do volume, que se destacam pelo texto sublime, leve e, muitas vezes, sarcástico. Não é preciso muito tempo para perceber como o jornalista consegue conciliar com maestria a concisão exigida pelo jornalismo diário e a elegância de um texto mais apurado e com tratamento literário. Levam sua assinatura, entre outros, "O rei dos danos", sobre um advogado com um poder de oratória espetacular, e a "Musa junkie", que revela a vida errante de Herbert Huncke, o homem que cunhou a expressão beatnik, anos depois utilizada para descrever a geração de escritores encabeçada por Jack Kerouac.

Por se tratar de um texto (também) jornalístico, os obituários de O livro das vidas iniciam sempre com uma espécie de lead padrão, em que a informação da morte do personagem (com hora e data) é precedida por um pequeno resumo de suas realizações em vida. Esse epíteto ficou conhecido na redação do Times como "a clausula quem", e foi aperfeiçoado por Robert McG. Thomas Jr., que escreveu 657 obituários para o jornal ― devido ao alto grau de excelência de seus textos, os obituários do jornalista ficaram conhecidos como os "McGs".

No Brasil os obituários nunca emplacaram. Os perfis de gente morta, em geral, espalham-se por diferentes editorias nos jornais brasileiros, sem um espaço específico, como na imprensa americana e inglesa. Recentemente a Folha de São Paulo criou uma seção para obituários nas páginas do caderno "Cotidiano". Ainda que bem menor do que os textos do New York Times, a coluna tem sido vista com bons olhos por gente da área.

"A seção é um pequeno texto, uma pequena história, muito bem escolhida e muito bem escrita por um jovem jornalista chamado Willian Vieira que vem na tradição do melhor obituário moderno da imprensa anglo-saxã, que é, eu acho, o grande obituário que a imprensa tem hoje", disse Suzuki Jr. em entrevista ao Observatório da Imprensa.

Vilas Boas também acha que a iniciativa da Folha pode sugerir uma mudança de postura do jornalismo brasileiro com relação às "narrativas da vida real", mas realça que ainda engatinhamos na seara do jornalismo literário.

"A recém-criada seção de obituários sinaliza uma sutil (muito tênue ainda, mas importante) mudança no fazer jornalístico da Folha, principalmente. Independentemente disso, é fato que não temos tradição de fazer jornalismo narrativo em profundidade. Nossa tradição é em fazer jornalismo superficial, tosco, insosso. Tivemos, em nossa história, bons repórteres, evidentemente. Gente batalhadora, que sujou os sapatos, pesquisou, investigou, conversou, imergiu no mundo. Apuração sólida, aliás, é o mais importante do jornalismo literário. Mas nosso país é parco em autores que encarnam (na mesma pessoa) o apurador insaciável e o escritor brilhante. Mas agora a tendência é isso mudar. O jornalismo convencional está em franca desconstrução".

Boa prova disso é o fato de que, nos últimos anos, o mercado editorial brasileiro tem tentado recuperar o tempo perdido. A chegada às bancas de revistas como Piauí e Brasileiros e a publicação de clássicos do jornalismo literário norte-americano até então inéditos por aqui tem demonstrado que há interesse do leitor brasileiro por um outro tipo de texto jornalístico, bem mais apurado e criativo. Diante de tal cenário, O livro das vidas certamente é mais uma fagulha a reacender o interesse de profissionais e leitores por um tipo de jornalismo que anda fazendo falta por aqui.

Para ir além






Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 19/3/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Corot em exposição de Jardel Dias Cavalcanti
02. Saudade de ser 'professor' de Filosofia de Cassionei Niches Petry
03. Dilúvio, de Gerald Thomas de Jardel Dias Cavalcanti
04. Reflexões sobre o ato de fotografar de Celso A. Uequed Pitol
05. A vida dos pardais e outros esquisitos pássaros de Elisa Andrade Buzzo


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2008
01. O jornalismo cultural no Brasil - 2/1/2008
02. Bukowski e as boas histórias - 15/10/2008
03. Despindo o Sargento Pimenta - 16/7/2008
04. O óbvio ululante da crônica esportiva - 27/8/2008
05. Crônicas do anonimato - 19/3/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
23/9/2008
17h55min
sou fã dessa coleção da Companhia! tenho alguns títulos dela por aqui e, sempre que posso, me pego comprando mais algum. dificilmente me decepciono. com "O livro das vidas", que estou lendo atualmente, não tem sido diferente. incrível como um obituário pode ser tão prazeiroso de ser lido!
[Leia outros Comentários de Jorge Wagner]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PRECISO DE VOCÊ
SÔNIA SALERNO FORJAZ

(1996)
R$ 8,98



DULCINA E O TEATRO DE SEU TEMPO
SÉRGIO VIOTTI
LACERDA
(1987)
R$ 38,00



CASAIS INTELIGENTES ENRIQUECEM JUNTOS - FINANÇAS PARA CASAIS - 141ª E
GUSTAVO CERBASI
GENTE
(2008)
R$ 9,90



OS CÉUS PROCLAMAM - LETRA E PARTITURA - VOLUME 5
JOÃO WILSON FAUTINI
IMPRENSA METODISTA
(1988)
R$ 70,00



AVENTURA NA HISTÓRIA - A ARCA PERDIDA (REVISTA) - ED. Nº 44
PATRICIA HARGREVES- REDADORA CHEFE
ABRIL CULTURAL
(2007)
R$ 8,90



A FUNÇÃO SOCIOECONÔMICA DA PROPRIEDADE
CÁSSICA CELINA PAULO MOREIRA DA COSTA
AMÉRICA JURÍDICA
(2006)
R$ 20,00



SOLO DE CLARINETA
ÉRICO VERÍSSIMO
GLOBO
(1976)
R$ 5,00



CARTA AOS ESTUDANTES - FAUSTO WOLFF (LITERATURA JUVENIL)
FAUSTO WOLFF
CIA. NACIONAL
(1987)
R$ 4,00



O HOMEM DA GLOBO - 1003
CLETO FALCÃO
GERAÇÃO
(1996)
R$ 10,00



DOIS MUNDOS UM HEROI: UMA AVENTURA NÃO OFICIAL DE MINECRAFT
REZENDEEVIL (PEDRO AFONSO REZENDE)
OBJETIVA/SUMA LETRAS
(2015)
R$ 9,00





busca | avançada
28879 visitas/dia
957 mil/mês