Crônicas do anonimato | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
49037 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 19/3/2008
Crônicas do anonimato
Luiz Rebinski Junior

+ de 5100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

"Se tiver de morrer, é melhor morrer no Times". A frase do jornalista A. M. Rosenthal que Matinas Suzuki Jr. tomou como epígrafe para seu texto que fecha O livro das vidas ― Obituários do New York Times, é representativa da importância que os necrológios têm na imprensa de língua inglesa.

O livro é o mais novo lançamento da coleção Jornalismo Literário, da editora Companhia das Letras, que, entre outros, já publicou clássicos do gênero como Fama e anonimato (Gay Talese), Hiroshima (John Hersey) e O Super-Homem vai ao supermercado (Norman Mailer). A coletânea traz mais de cinqüenta obituários publicados no mais importante e influente diário do mundo, todos escritos ao longo da década de 1990.

Tradicionais nos Estados Unidos, como escreve Suzuki Jr. no esclarecedor posfácio que acompanha a edição (o texto é tão bom e bem escrito quanto qualquer obituário do livro), o obituário literário passou por diversas transformações ao longo das últimas quatro décadas, quando deixou o formato de "tributo" ― geralmente escrito por familiares ou pessoas próximas do morto ―, para finalmente adquirir caráter jornalístico e, na seqüência, requintes de literatura. Entre as mudanças significativas que as seções de obituários sofreram, talvez a mais emblemática seja a que mudou o foco dos textos, que passaram a contemplar não apenas personalidades famosas ou pseudo-estrelas, trazendo para as páginas dos jornais gente "comum" ou pouco conhecida. E é esse tipo de pessoa que figura nas páginas de O livro das vidas; anônimos que fizeram algo relevante e que merecem ser conhecidos.

Assim ficamos conhecendo pessoas talentosas, como Russell Colley, estilista frustrado que encontrou abrigo na engenharia mecânica e ficou conhecido como o "Calvin Klein das roupas espaciais"; e Edward Lowe, que em 1947 inventou a areia higiênica para gatos e fez com que os "cães passassem a ter um rival nos lares americanos". Quando comparado com os perfis de gente famosa, em que a probabilidade de se conseguir informações exclusivas é bem menor, os obituários de anônimos são bem mais interessantes, já que obrigam a uma maior e mais minuciosa pesquisa acerca do personagem. Bom exemplo disso é o obituário de Jerry Siegel, o criador do Super-Homem que passou a maior parte da vida na miséria após ter vendido a sua melhor criação ― que se tornaria um produto cultural bilionário ― por míseros 130 dólares.

O texto de tiro curto dos obituários também dá ao jornalista maior possibilidade de extrair o inesperado, pois trafega em um território aparentemente inexplorado, o que lhe amplia as possibilidades de investigação. Mas um dos aspectos mais interessantes de O livro das vidas é que os textos não tentam resumir a vida de seus personagens, nem traçar uma ordem cronológica dos acontecimentos, mas sim mostrar o que de mais interessante ― não necessariamente o fato mais bondoso ou louvável ― o obituariado fez em vida ― como no hilário "Entrando na história pelo lado errado", em que Robert McG. Thomas Jr. conta como o aviador Douglas Corrigan fez um malfadado vôo do Brooklyn a Los Angeles que, inexplicavelmente, terminou em Dublin, depois de 28 horas de vôo.

Para o jornalista e editor do site TextoVivo, Sergio Vilas Boas, os obituários da coletânea demonstram que é possível ser profundo no jornalismo diário. "O que gosto em O livro das vidas é a capacidade de síntese dos textos, sem perda da expressão clara, robusta e inspiradora. Isso mostra, entre outras coisas, que jornalismo em profundidade não necessariamente tem a ver com 'texto longo'. Pode-se ser profundo em textos de cinco ou oito mil caracteres, por exemplo".

Jornalismo literário brasileiro
O obituário é também um ótimo desafio ao jornalista/escritor, pois dá a ele a chance de transformar algo aparentemente insignificante em uma história interessante, caso tenha talento para tal, é claro. É aí que o jornalismo cruza com a literatura. Com boa dose de elegância, muita apuração e algum estilo, pode-se transformar uma notícia corriqueira em um grande texto ― haja vista a maneira como Capote deu a partida para seu clássico A sangue frio.

Posto disputado dentro dos jornais americanos, a função de obituarista relegou a alguns profissionais fama e prestígio. Entre os autores que figuram na coletânea, certamente Robert McG. Thomas Jr. é o que mais se destaca. Thomas Jr. é responsável por alguns dos mais interessantes obituários do volume, que se destacam pelo texto sublime, leve e, muitas vezes, sarcástico. Não é preciso muito tempo para perceber como o jornalista consegue conciliar com maestria a concisão exigida pelo jornalismo diário e a elegância de um texto mais apurado e com tratamento literário. Levam sua assinatura, entre outros, "O rei dos danos", sobre um advogado com um poder de oratória espetacular, e a "Musa junkie", que revela a vida errante de Herbert Huncke, o homem que cunhou a expressão beatnik, anos depois utilizada para descrever a geração de escritores encabeçada por Jack Kerouac.

Por se tratar de um texto (também) jornalístico, os obituários de O livro das vidas iniciam sempre com uma espécie de lead padrão, em que a informação da morte do personagem (com hora e data) é precedida por um pequeno resumo de suas realizações em vida. Esse epíteto ficou conhecido na redação do Times como "a clausula quem", e foi aperfeiçoado por Robert McG. Thomas Jr., que escreveu 657 obituários para o jornal ― devido ao alto grau de excelência de seus textos, os obituários do jornalista ficaram conhecidos como os "McGs".

No Brasil os obituários nunca emplacaram. Os perfis de gente morta, em geral, espalham-se por diferentes editorias nos jornais brasileiros, sem um espaço específico, como na imprensa americana e inglesa. Recentemente a Folha de São Paulo criou uma seção para obituários nas páginas do caderno "Cotidiano". Ainda que bem menor do que os textos do New York Times, a coluna tem sido vista com bons olhos por gente da área.

"A seção é um pequeno texto, uma pequena história, muito bem escolhida e muito bem escrita por um jovem jornalista chamado Willian Vieira que vem na tradição do melhor obituário moderno da imprensa anglo-saxã, que é, eu acho, o grande obituário que a imprensa tem hoje", disse Suzuki Jr. em entrevista ao Observatório da Imprensa.

Vilas Boas também acha que a iniciativa da Folha pode sugerir uma mudança de postura do jornalismo brasileiro com relação às "narrativas da vida real", mas realça que ainda engatinhamos na seara do jornalismo literário.

"A recém-criada seção de obituários sinaliza uma sutil (muito tênue ainda, mas importante) mudança no fazer jornalístico da Folha, principalmente. Independentemente disso, é fato que não temos tradição de fazer jornalismo narrativo em profundidade. Nossa tradição é em fazer jornalismo superficial, tosco, insosso. Tivemos, em nossa história, bons repórteres, evidentemente. Gente batalhadora, que sujou os sapatos, pesquisou, investigou, conversou, imergiu no mundo. Apuração sólida, aliás, é o mais importante do jornalismo literário. Mas nosso país é parco em autores que encarnam (na mesma pessoa) o apurador insaciável e o escritor brilhante. Mas agora a tendência é isso mudar. O jornalismo convencional está em franca desconstrução".

Boa prova disso é o fato de que, nos últimos anos, o mercado editorial brasileiro tem tentado recuperar o tempo perdido. A chegada às bancas de revistas como Piauí e Brasileiros e a publicação de clássicos do jornalismo literário norte-americano até então inéditos por aqui tem demonstrado que há interesse do leitor brasileiro por um outro tipo de texto jornalístico, bem mais apurado e criativo. Diante de tal cenário, O livro das vidas certamente é mais uma fagulha a reacender o interesse de profissionais e leitores por um tipo de jornalismo que anda fazendo falta por aqui.

Para ir além






Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 19/3/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A poesia de pedra de Beatriz Luz de Jardel Dias Cavalcanti
02. O mundo explicado por T.S. Spivet de Guilherme Pontes Coelho
03. Encontro com o peixe-boi de Adriana Baggio


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2008
01. O jornalismo cultural no Brasil - 2/1/2008
02. Bukowski e as boas histórias - 15/10/2008
03. Despindo o Sargento Pimenta - 16/7/2008
04. O óbvio ululante da crônica esportiva - 27/8/2008
05. Dobradinha pernambucana - 23/1/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
23/9/2008
17h55min
sou fã dessa coleção da Companhia! tenho alguns títulos dela por aqui e, sempre que posso, me pego comprando mais algum. dificilmente me decepciono. com "O livro das vidas", que estou lendo atualmente, não tem sido diferente. incrível como um obituário pode ser tão prazeiroso de ser lido!
[Leia outros Comentários de Jorge Wagner]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ERA UMA VEZ UM SONHO
J. D. VANCE
LEYA
(2017)
R$ 30,00



HISTÓRIA DA AMÉRICA
RAYMUNDO CAMPOS
ED. ATUAL
(1991)
R$ 5,00



TRAPAÇA
JAMES STEGEL
RECORD
(2011)
R$ 18,00



O TIGRE ADORMECIDO
ROSAMUNDE PILCHER
BERTRAND BRASIL
(1996)
R$ 19,90
+ frete grátis



MENTES CONSUMISTAS DO CONSUMO À COMPULSÃO POR COMPRAS
ANA BEATRIZ BARBOSA SILVA
PRINCIPIUM
(2014)
R$ 22,00



LIVRO: DIREITO CIVIL BRASILEIRO - PARTE GERAL, VOL 1
CARLOS ROBERTO GONÇALVES
SARAIVA JUR
(2019)
R$ 95,00



NEM SÓ DE CAVIAR VIVE O HOMEM
J. M. SIMMEL
NOVA FRONTEIRA
(1967)
R$ 12,00



EVANGELHO NO LAR
MARIA T. COMPRI
FEDERAÇÃO ESPÍRITA
(1997)
R$ 10,00



PALMEIRAS DE INTERIOR, COLECÇÃO HABITAT
ELVIRA GROSS
PRESENÇA
(1997)
R$ 24,56



REPENTES
VALDIR ROCHA
ARC
(2015)
R$ 22,00





busca | avançada
49037 visitas/dia
1,4 milhão/mês