Uma virada especial | Rodrigo Herrero | Digestivo Cultural

busca | avançada
74501 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Péricles Cavalcanti - lançamento de SALTANDO COMPASSOS
>>> Espetáculo “Canções Para Pequenos Ouvidos” chega ao Teatro Clara Nunes, em Diadema
>>> (Abre 11/10) Mostra BAÚ DA DGT_curadores Francisco Gaspar,Tuna Dwek, Donny Correia e Diego da Costa
>>> Escrever outros Corpos - Criar outras Margens || BELIZARIO Galeria
>>> SESC 24 DE MAIO RECEBE EVENTO DE LANÇAMENTO DA COLEÇÃO ARQUITETOS DA CIDADE
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
Colunistas
Últimos Posts
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
Últimos Posts
>>> Universos paralelos
>>> Deseduquei
>>> Cuidado com a mentira!
>>> E agora? Vai ter pesquisa novamente?
>>> Cabelos brancos
>>> Liberdade
>>> Idênticos
>>> Bizarro ou sem noção
>>> Sete Belo
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
Blogueiros
Mais Recentes
>>> perversão sexual
>>> Trailer do Fim do Mundo
>>> Uísque ruim, degustador incompetente
>>> O bom e velho jornalismo de sempre
>>> Apresentação
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> A fragilidade dos laços humanos
>>> Anomailas, por Gauguin
>>> Felicidade
>>> Ano novo, vida nova.
Mais Recentes
>>> A Jornada Para Casa Uma Parabola De Kryon - A Historia De Michael Thomas E Os Sete Anjos de Lee Carroll pela Madras (2011)
>>> No Vale Dos Suicidas - Madras de Evaristo Humbertto De Araujo pela Madras (2009)
>>> Os Segredos Do Karate Shotokan de Robin L Rielly pela Madras (2011)
>>> História social da criança e da família de Philippe Ariés pela Guanabara (1981)
>>> A revolução da palavra - Uma visão do homo loquens de Pedro Paulo Filho pela Siciliano (1987)
>>> A Sombra de uma Paixão de Tanya Oliveira pela Lúmen (2007)
>>> A evolução da consciência de Robert Ornstein pela Best Seller (1991)
>>> Iracema de José de Alencar pela L&Pm Pocket (2009)
>>> Ciência e fé: O reencontro pela- Física quântica de Bispo Rodovalho pela Lua de mel (2013)
>>> A ponte clandestina - Teorias de cinema na América Latina de José Carlos Avelar pela 34 (1995)
>>> As Fortunas do Cortesão de Peter Burke pela Unesp (1997)
>>> O barão das árvores de Italo Calvino pela Companhia Das Letras (1991)
>>> Cultura Brasileira - Temas e Situações de Alfredo Bosi pela Atica (1992)
>>> Poemas de Rainer Maria Rilke pela Companhia Das Letras (1993)
>>> A Feira das Vaidades - I e II Volume de William Makepeace Thackeray pela Civilização Brasileira (1963)
>>> Cinema marginal (1968/1973) - A representação em seu limite de Fernão Ramos pela Brasiliense (1987)
>>> O Circo da Noite de Erin Morgenstern pela Intrínseca (2012)
>>> A vida viaja na luz de Carlos A. Baccelli Inácio Ferreira pela Leepp (2011)
>>> Por que perdeu ?: Dez desfiles derrotados que fizeram história de Marcelo de Mello pela Record (2018)
>>> Cultura de Massa e Cultura Popular de Ecléa Bosi pela Vozes (1973)
>>> Antes de dormir de S. J. Watson pela Record (2012)
>>> História da Civilização - Idade Média, Moderna e Contemporânea de António G. Mattoso pela Lisboa - Livraria Sá da Costa (1956)
>>> Uma história da república de Lincoln de Abreu Penna pela Nova Fronteira (1989)
>>> Adestramento de Cães para Leigos de Jack Volhard / Wendy Volhard pela Alta Books (2005)
>>> Capitalismo, trabalho e educação de José Claudinei Lombardi pela Autores Associados (2004)
COLUNAS

Segunda-feira, 19/5/2008
Uma virada especial
Rodrigo Herrero

+ de 5100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

A Virada Cultural deste ano foi especial para mim. Foi a primeira tendo eu como morador do centro. Estava perto de tudo, cercado de atrações musicais, teatrais e que tais por todos os lados. Mas não foi diferente apenas para mim. Este ano não houve confusão, briga durante show na praça da Sé, polícia batendo nas pessoas, intolerância de alguns, ignorância de tantos outros. Com um público recorde, cerca de quatro milhões de pessoas, segundo a Secretaria Municipal de Cultura, as mais de 24 horas de eventos na região central e em diversas outras praças de São Paulo tiveram um clima de calmaria e confraternização. Claro que o fluxo de pessoas foi tamanho que gerou algum desconforto, principalmente madrugada a dentro. Mas nada que estragasse a festa e a overdose gostosa de shows e apresentações artísticas das mais diversas.

Parti de casa por volta das 18h, já ouvindo o barulho do palco rock na praça da República, que fica a menos de 500 metros do edifício onde resido. Mas rumei sentido Pateo do Colégio, onde às 18h45 o Mundo Livre abriria os trabalhos no palco de bandas independentes. Show curto, intenso e que serviu para encontrar alguns amigos. Mas antes, no caminho, aconteciam várias outras coisas: estátuas vivas no Viaduto do Chá chamavam a atenção dos transeuntes, que aproveitavam para tirar muitas fotos e brincar com eles. Deu até pra ver, dali do viaduto, o início das apresentações de dança no Vale do Anhangabaú, além de uma bicicleta com dois homens que se equilibrava em cima de um cabo de aço, do alto do prédio da prefeitura até o antigo edifício da Light, hoje um shopping.

Na praça do Patriarca era exibido o Festival do Minuto. Era só sentar no chão e se deliciar com os filmetes, dos mais variados temas, a maioria premiados no referido festival, que ocorre tradicionalmente na capital paulista. Depois de um tempo ali, o celular toca e nos dirigimos até o Boulevard São João, para encontrar mais gente e acompanhar o palco do jazz. Encontra um, aparecem outros, nos despedimos e já partimos para outra atração: os velhos roqueiros da Casa das Máquinas no palco rock.

Há um detalhe que deve ser destacado à parte: eu prefiro escolher apenas algumas atrações e perambular pelos palcos, meio à deriva, parar quando vejo um espetáculo interessante. Pra poder ver a movimentação das pessoas nas ruas, me surpreender com algo que ocorre no caminho ver as pessoas, os espetáculos. Isso aconteceu diversas vezes na noite de sábado. Voltando do Boulevard São João, pude me entreter, por exemplo, no Largo do Paissandu, com uma roda de capoeira. Durante a madrugada, enquanto passava com outro grupo de amigos pelo Festival do Minuto, um grupo de maracatu circulou por ali batucando seus tambores, levando metade do público pelas vielas da Sé a pular e a cantar.

Outra coisa bem saborosa na Virada Cultural é a possibilidade de encontrar os amigos a cada lugar que você vai. Porque na semana que antecede a maratona, você liga pra meio mundo, manda e-mail, combina uma série de coisas. Faz lista de eventos que gostaria de assistir, manda para os mais chegados para ver se "batem" os gostos de um com o outro. Se sim, já deixa tudo acertado. Caso contrário, vê se outra pessoa topa ir junto. No mais: "A gente se vê lá na Virada. Eu te ligo quando estiver por lá". E tome celular ligando pra fulano, mensagem de texto pra sicrano. "Onde você tá?" "Não, eu tô na avenida São João pra ver o Zé Ramalho à meia-noite, vem pra cá." A resposta: "Tô indo, só acabar de ver o teatro na praça Roosevelt que eu já tô descendo praí". E assim vão os diálogos. E uma dificuldade pra encontrar alguém... "Meu, tô aqui no ponto de táxi da São João com a rua Aurora, não foi aqui que combinamos?" "Ah, eu me enganei, estou no ponto da rua Aurora." Ou: "Não consigo chegar aí, tem muita gente nas ruas, não dá pra andar".

E realmente estava difícil. Acompanhei o, na minha opinião, ponto alto da programação na madrugada: Zé Ramalho no palco dos grandes shows na avenida São João, ao lado da praça Júlio de Mesquita. Milhares de pessoas ocuparam o asfalto até a esquina com a avenida Ipiranga. Um mar de gente incalculável. O show foi muito bom, mas o excesso de público caminhando, empurrando, dificultou a possibilidade de curti-lo plenamente. Fora que, após a apresentação, parece que as linhas telefônicas entraram em colapso. Era quase impossível conseguir fazer uma ligação. Para ter sinal era preciso esticar o braço com o celular na mão. Um ato bizarro, de fato.

Depois de diversos desencontros, consegui achar outro grupo e passeamos por vários palcos, entre eles o de rock e blues, na rua Barão de Itapetininga, culminando com o piano na praça Dom José Gaspar às 5h da manhã, bem propício inclusive para começar a ninar o sono que chegava implacável. Fui dormir com um barulho ensurdecedor da banda Overdose no palco rock e acordei com o Bando do Velho Jack gritando por lá também. Foi engraçado porque só fui pra Virada à tarde pra ver a Orquestra Imperial e voltar pra casa, já que estava exausto da noite anterior. Mas, antes de sair, enquanto me arrumava e cozinhava em casa, conseguia ouvir Cachorro Grande ao vivo da praça. Um privilégio, né? E ainda fui dormir cedo ao som de Ultraje a Rigor, fechando o palco roqueiro na Virada.

O ambiente no centro, chamado de velho por todos, é formidável para abrigar um evento dessa magnitude. Tem um quê de antigo resistindo firme à onda "modernosa" que agride e tenta acabar com o pouco que restou do passado de São Paulo por ali. E a cada rua que você entra, cada praça que pára, cada espetáculo que assiste, uma sensação agradável toma conta de si, de que é possível ainda ter coisas positivas num centro costumeiramente abandonado, sujo, perdido, como seus moradores de rua, largados a nenhuma perspectiva de vida, como o centro antigo da cidade.


Rodrigo Herrero
São Paulo, 19/5/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Notas confessionais de um angustiado (VII) de Cassionei Niches Petry
02. Como se vive uma vida vazia? de Roberta Resende
03. 2009: intolerância e arte de Gian Danton
04. Murilo Rubião e o chocolate de Wellington Machado
05. Quanto vale blogar? de Rafael Fernandes


Mais Rodrigo Herrero
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
19/5/2008
00h49min
Puxa! Que bonito!
[Leia outros Comentários de Camilla Elizabeth]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Encontro com o Mestre
DeRose
matrix
(2002)



Iluminação Interior
John White. Org
Cultrix
(1998)



O Sonhador a Fábrica de Sonhos
João Berbel
Farol das Três Colinas
(2014)



O Melhor da Cronica
Lindolfo Paoliello
Del Rey
(2003)



A Teia do Homem Aranha - Vol. 5
Marvel
Panini Comics
(2011)



Simpatias e Segredos Populares - 4ª Edição
Nivio Ramos Sales
Pallas
(2008)



Histórias "Animais" que as Pessoas Contam
Marcel Benedeti
mundo maior
(2006)



Brincando Com Colagens, Recortes e Dobraduras
Rosangela P. Nascimento
Global
(2002)



Livro - Série Bom Livro - o Alienista
Machado de Assis
Ática
(2002)



Sangue e Esplendor
Daniel Myerson
ediouro
(2003)





busca | avançada
74501 visitas/dia
2,0 milhão/mês