Desglobalização | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
82722 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Clube do Conto outubro - Sesc Carmo - literatura infantojuvenil
>>> Projeto seleciona as melhores imagens de natureza produzida por fotógrafos de Norte a Sul do país
>>> Infantil com a Companhia de Danças de Diadema tem sessão presencial em Ilhabela e Caraguatatuba
>>> Teatro do Incêndio realiza roda de conversa na Rua 13 de Maio sobre carnaval e identidade do Bixiga
>>> Mauro Mendes Dias lança Entre Baratas e Rinocerontes no encerramento da Semana da Estupidez
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Escrevo deus com letra minúscula
>>> O Anvil e o amor à música
>>> Devendra Banhart
>>> Reflexões praianas
>>> 2006 e os meus CDs
>>> Executivos
>>> Gripe Suína por Nani
>>> O filme é uma merda, mas o diretor é genial
>>> Christiane F., 13 anos, drogada, prostituída...
>>> O que é ser jornalista?
Mais Recentes
>>> O Romantismo - Coleção Stylus/ST. 03 de J. Guinsburg (Organização) pela Perspectiva (2013)
>>> Os Cangaceiros de Carlos D. Fernandes pela Fundação Ernani Sátyro (1997)
>>> Lampião As Mulheres E O Cangaço de Antonio A.C. Araujo pela Traço (2012)
>>> Lampião Contra o Mata Sete de Archimedes Marques pela Info Graphiqs (2012)
>>> Lampião e Zé Saturnino16 Anos de Luta de José Alves Sobrinho pela Bagaço (2006)
>>> Assim Morreu Lampião de Antonio Amaury Correa de Araujo pela Traço (2013)
>>> Geografia do Cangaço: Nomenclatura de Paulo Medeiros Gastão pela Sebo Vermelho (2016)
>>> Lampião o Rei dos Cangaceiros de Billy James Chandler pela Paz e Terra (1980)
>>> Medo de Voar de Erica Jong pela Nova Cultural (1986)
>>> Pecadores de Jackie Collins pela Nova Cultural (1986)
>>> Cérebro de Robin Cook pela Abril Cultural (1985)
>>> Os Insaciáveis de Harold Robbins pela Rio Gráfica (1985)
>>> Sempre um Colegial de John Le Carré pela Rio Gráfica (1985)
>>> O Cemitério de Stephen King pela Rio Gráfica (1986)
>>> Lembranças de Um Dia de Verão de Irwin Shaw pela Nova Cultural (1986)
>>> Amante Indócil de Janet Dailey pela Nova Cultural (1986)
>>> Máquinas Mortais de Philip Reeve pela Harper Collins (2018)
>>> O Chalé de Moorland de Elizabeth Gaskell pela Pedrazul (2019)
>>> Maria Madalena de Margaret George pela Geracao Editorial (2002)
>>> Stonehenge de Bernand Cornell pela Record (2008)
>>> Aves De Rapina de wILLBUR sMITH pela Record (2005)
>>> Cruzada: No Reino do Paraíso de H.Rider Haggard pela Geracao Editorial (2005)
>>> A Missao - A pergunta e a Resposta - Livro 2 de Patrick Ness pela PandorgA (2012)
>>> Traição em Veneza de Steve Berry pela Record (2010)
>>> Autografado - Noite Americana Doris Day By Night de Ronaldo Werneck pela Ibis Libris (2006)
COLUNAS >>> Especial Crise

Quarta-feira, 18/3/2009
Desglobalização
Luiz Rebinski Junior

+ de 4000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Depois de exatos 20 anos da derrocada do sistema socialista russo, quando o Muro de Berlin virou pó, o espectro comunista volta a assombrar o mundo capitalista. O capital, quem diria, se rende aos dogmas do comunismo. Essa é a face mais contraditória e curiosa da atual crise econômica que atinge os países mais ricos do mundo, os periféricos e os subdesenvolvidos ― ou seja, todos. Bancos sendo "resgatados" pelos governos em veladas operações de nacionalização e empresas privadas socorridas pela mão forte do estado. É o receituário socialista fazendo escola nos já escolados senhores neoliberais. É a tônica do momento, em que, entre alarmistas e otimistas em excesso, ora o mundo se acaba em barranco, ora se livra de mais um pequeno resfriado, incômodo, é verdade, mas que logo irá embora sem deixar rastro ou sequela.

Bem provável que nem uma coisa nem outra. Se é possível confiar em economistas, que seja nos menos radicais, muito mais por fé do que outra coisa. Pelo menos a crise econômica está servindo para ressuscitar gente que estava esquecida entre estantes cheias de ácaro. Sim, a volta de Keynes tem servido não só para rechear publicações que se debruçam sobre nossos atuais problemas financeiros, mas também para que nacionalistas enrustidos saiam do armário para dizer: "estão vendo, nosso amigo Keynes estava certo, só o estado salva!". E é o que tem acontecido, haja vista a dinheirama rolando nos Estados Unidos, na Europa, no Japão e até na Europa pobre, no Leste Europeu, onde países como a Ucrânia não conseguiram nem sentir o gostinho das benesses do capitalismo e já caíram em desgraça novamente, lembrando os anos de perrengue em que esteve sob o jugo russo.

E o caso da Ucrânia é emblemático de como os emergentes e subdesenvolvidos, mesmo estando distante do epicentro do terremoto, vão sofrer consequências graves. Afinal, a corda sempre arrebenta para os mais fracos, diz o chavão popular ― ainda que, neste caso em particular, os mais fortes também tenham ido ao chão. Além dos bilhões de dólares, euros e libras, a economia dos países mais ricos terá a seu favor muito protecionismo e, consequentemente, uma espécie de nacionalismo que se tornará cada vez mais intolerante com os imigrantes e seus subempregos ― haja vista Berlusconi e sua lei de imigração ilegal.

E os emergentes, como o Brasil, vão ter que se virar com seus mercados internos, porque suas commodities não terão mais os euros e dólares dos Estados Unidos e da Europa. É o "Buy american" fechando as portas ao nosso aço e ferro. Para a ministra da Fazenda da França, um "mal necessário". Para nós, apenas uma forma de deixar os pobres ainda mais pobres enquanto os ricos ganham fôlego.

É o sinal mais claro de que a tão propalada globalização não aguenta cinco minutos de recessão. Ao primeiro sinal de escassez, fecham-se as portas para o livre comércio ― que nunca foi tão livre assim ― e todo mundo volta a defender o seu quintal, no caso americano e francês, com muitos bilhões destinados a agricultores que ganham para não plantar.

A essa altura do campeonato integração comercial e cultural é coisa do passado. E, por ironia, a melhor definição para o momento vivido hoje veio de quem menos se esperava. Gordon Brown disse que "essa forma de desglobalização vai levar ao protecionismo comercial se não for interrompida". Com essa frase, ou melhor, com o termo desglobalização, o bonachão primeiro-ministro inglês captou o estado de coisas da atual economia mundial. Não interessa mais aproximar mercados, agora é cada um por si e quem tiver mais fôlego se salvará, já quem não tiver gordura para queimar vai, inevitavelmente, sucumbir e andar algumas casas para trás.

E as multinacionais seguem a mesma toada. As que não quebraram e foram socorridas pelos governos de seus países, sangram suas linhas de produção sem remorso algum. Muitas nem prejuízo tiveram, apenas lucros menores. Mesmo assim, haja demissão. Afinal, uma empresa acostumada a render lucros exorbitantes não pode se contentar, mesmo em um momento atípico de turbulência, com receitas menores. Os trabalhadores? É uma pena, mas é assim que se joga o jogo. A responsabilidade social virou apenas um bom mote para publicações internas coloridas e bem diagramadas. E assim o marketing se revela agora como apenas uma forma rasteira de propaganda enganosa. É a face mais cruel do capitalismo selvagem. Um capitalismo que, ao que tudo indica, será cada vez mais regido pelo estado, contrariando o movimento que há muitas décadas prega a não-intervenção no mercado.

Se nos serve de consolo, neste período de incertezas e névoa, a produção cultural tem grande chance de ganhar novo ânimo, independentemente de o mecenato estar mais pobre. Damian Hirst, pelo visto, continuará mantendo sua linha de produção artística e colecionado cada vez mais dólares e euros. E, como bem lembrou o colega Marcelo Spalding, a seca e a penúria talvez até sejam boa oportunidade para que Steinbecks e afins surjam para mostrar às gerações subsequentes como foi difícil nossa época.


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 18/3/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A desgraça de ser escritor de Luís Fernando Amâncio
02. Ao pai do meu amigo de Julio Daio Borges
03. Houston, we have a problem de Renato Alessandro dos Santos
04. Dor e Glória, de Pedro Almodóvar de Jardel Dias Cavalcanti
05. O bosque das almas infratoras de Elisa Andrade Buzzo


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2009
01. As cartas de Dostoiévski - 30/9/2009
02. Reinaldo Moraes fala de sua Pornopopéia - 2/12/2009
03. O primeiro parágrafo - 24/6/2009
04. Tarantino e o espírito do tempo - 28/10/2009
05. Dalton Trevisan revisitado - 29/7/2009


Mais Especial Crise
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/3/2009
00h41min
É preciso sempre lembrar que o processo de globalização resume-se em explorar a mão-de-obra do mundo, pagar salários de misérias e distribuir os produtos pelo mundo. A lógica é repensar o trabalhador, que não tem o seu direito internacionalizado, que não tem seu salário unificado mundialmente. E enquanto houver a exploração do ser humano por outro ser humano, sempre será tempo de repensar o socialismo, de rever apontamentos. É preciso que lembrar que Lenin dizia que os princípios da teoria marxista enriquecem-se continuamente com as experiências do desenvolvimento social e as novas conquistas científicas, pois o Marxismo é uma doutrina criadora em desenvolvimento.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Minha sombra
Sérgio Capparelli
L&Pm
(2001)



Dois Gigantes do Espiritismo
Orson Peter Carrara
Solidum
(2012)



O Tatuador de Auschwitz
Heather Morris
Planeta
(2019)
+ frete grátis



Dinastia Filipina (1581 - 1640) - uma cronologia
Fernando de Castro Brandão
Europress
(2012)



Diga Não À Violência Sexual Contra Crianças e Adolescentes ...
Maria Conceição O. Costa (coord.)
Do Autor
(2012)



The Beatles Complete-Piano Vocal - Easy Organ
Ray Connolly (org.)
Wise Publications /
(1976)



Outrarias
Paulo Ludmer
Massao Ohno
(1998)



Curso e Concurso - Direito Constitucional Volume 1
Barruffini Jose Carlos Tosetti
Saraiva
(2005)



O gênio nacional da historia do brasil
Roberto Sisson
Unidade
(1966)



Sherlock Holmes - o Vale do Terror
Sir Arthur Conan Doyle
Melhoramentos
(2006)





busca | avançada
82722 visitas/dia
1,8 milhão/mês