Web 2.0 (ou uma tentativa de) | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
32662 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Vocalista da banda Big Mountain, Quino apresenta-se no Sesc Belenzinho dia 15 de dezembro
>>> Sesc Belenzinho apresenta show que celebra Declaração Universal do Direitos Humanos
>>> Mosteiro de São Bento: 50 anos da morte de Thomas Merton
>>> Residência Artística FAAP: espaço democrático onde os artistas de todo o mundo se encontram
>>> Última Terça Aberta do ano apresenta dois solos no Kasulo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As palmeiras da Politécnica
>>> Como eu escrevo
>>> Goeldi, o Brasil sombrio
>>> Do canto ao silêncio das sereias
>>> Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela
>>> A barata na cozinha
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O Voto de Meu Pai
>>> Inferno em digestão
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
Colunistas
Últimos Posts
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
Últimos Posts
>>> A verdade? É isso, meme!
>>> Ser pai, sendo filho - poema
>>> A massa não entende
>>> ARCHITECTURA
>>> Os Efeitos Colaterais do Ano no Mundo
>>> A Claustrofobia em Edgar Allan Poe - Parte I
>>> Casa de couro V
>>> Heróis improváveis telefonam...
>>> Um lance de escadas
>>> No tinir dos metais
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Paco e Raphael Rabello
>>> Borges e Osvaldo Ferrari, Diálogos
>>> A deliciosa estética gay de Pierre et Gilles
>>> O estilo de Freddie Hubbard
>>> Cartas a um jovem escritor
>>> Livros, brinquedos, bichos de estimação e imagens
>>> 8º Cordas na Mantiqueira, em São Francisco Xavier
>>> Corpo é matéria, corpo é sociedade, corpo é ideia
>>> Mostra SP: EUA Contra Lennon
>>> Cores Paulistas e os Quatro Anos da IQ Art Gallery
Mais Recentes
>>> A revolução cubana de Emir Sader pela Moderna (1985)
>>> O beijo da mulher aranha de Manuel Puig pela Codecri (1982)
>>> Elegias de Duíno de Rainer Maria Rilke pela Globo (1972)
>>> Coisas para o povo não fazer. Carnaval em Porto Alegre (1870-1915) de Alexandre Lazzari pela Unicamp (2001)
>>> O homem e a comunicação. O livro da escrita. de Ruth Rocha. Otávio Roth pela Melhoramentos (2004)
>>> Gestão em Educação. Estratégia, qualidade e recursos de Margaret Preedy, Ron Latter, Rosalind Levacic pela Artmed (2006)
>>> Desafios da educação municipal. de Donaldo Bello de Souza, Lia C. Macedo de Faria (orgs pela DP&A (2003)
>>> Assombrações de um padre regente. Diogo Antonio Feijó (1784-1843) de Magda Ricci pela Unicamp (2001)
>>> Pajens da casa imperial. Jurisconsultos, escravidão e lei de 1871 de Eduardo Spiller Pena pela Unicamp (2001)
>>> Em defesa da honra. Moralidade, modernidade e nação no Rio de Janeiro (1918-1940) de Sueann Caulfield pela Unicamp (2000)
>>> As noites do Ginásio. Teatro e tensões culturais na corte (1832-1868) de Silvia Cristina Martins de Souza pela Unicamp (2002)
>>> Castas, Estamentos e Classes Sociais de Sedi Hirano pela Unicamp (2002)
>>> Dicionário Oxford de Filosofia de Simon Blackburn pela Jorge Zahar (1997)
>>> Conjugação dos Verbos Em Português de Maria Aparecida Ryan pela Ática (2012)
>>> Em Busca do Sonho, Vinte Anos de Aventuras da Família Schurmann de Heloisa Schurmann pela Record (2006)
>>> As Cidades do Brasil - Florianópolis de José Geraldo Couto e Caio Vilela pela PubliFolha (2006)
>>> Recursos Pesqueiros Estuarinos e Marinhos do Brasil de Melquíades Pinto Paiva (Coord.) pela Ufc (1997)
>>> La Nausée de Jean-Paul Sartre pela Le Livre de Poche (1966)
>>> A Fishkeeper's Guide to Marine Fishes de Dick Mills pela Salamander (1985)
>>> Nada de Novo no Front de Erich Maria Remarque pela Edibolso (1977)
>>> O Médico e o Monstro de Robert Luis Stevenson pela Bup (1963)
>>> Teoria e Prática em Aquarismo Marinho de W. Naccarato pela Direkta (1983)
>>> Cristo Minha Vida de Clarence J. Enzler pela Paulinas (1974)
>>> Princípios de Filosofia de René Descartes pela Guimarães (1984)
>>> Problemática de Estética e Estética Fenomenológica de Moritz Geiger pela Progresso (1958)
>>> O Papel da Violência na História de Friedrich Engels pela Poveira
>>> Le Nouveau Roman de Jean Ricardou pela Editions du Seuil (1973)
>>> Quints 1, 2, 3, 4, 5 - The Cleanup de Little Golden Book pela A Golden Book (1990)
>>> Winnie the Pooh and the Missing Bullhorn de Walt Disney's pela A Golden Book (1991)
>>> Mickey's Christmas Carol de Walt Disney Productions pela A Golden Book (1991)
>>> The Little Mermaid de Walt Disney Pictures pela A Golden Book (1991)
>>> Lady and the Tramp de Walt Disney's pela A Golden Book (1991)
>>> Geografia Interativa 8º Ano: A estrutura do Poder: América e África de Luís Roberto Halama e Sandra Lessa da Silva Ferreira pela Casa Publicadora Brasileira (2011)
>>> História Interativa: 9º Ano: Integrada de Ubirajara F. Prestes Filho e Edson Xavier pela Casa Publicadora Brasileira (2012)
>>> Geografia Interativa 9º Ano: Recursos Naturais, Europa, Ásia e Oceania de Luís Roberto Halama e Sandra Lessa da Silva Ferreira pela Casa Publicadora Brasileira (2012)
>>> Ensino Religioso: Conexão Essencial: 8ª Série - 9º Ano de Adolfo S. Suárez e Marcos De Benedicto e Rodrigo P. Silva pela Casa Publicadora Brasileira (2012)
>>> O caso Oppenheimer de Heimar Kipphardt pela Brasiliense (1966)
>>> Renato Russo - O filho da Revolução - Edição especial de Carlos Marcelo pela Agir (2009)
>>> Renato Russo - O filho da Revolução de Carlos Marcelo pela Agir (2013)
>>> A Fera de Macabu (A História e o Romance de Um Condenado à Morte) de Carlos Marchi pela Record (1998)
>>> Foklore fondano de Insegnante Dario Lo Sordo pela Associazione maestri Cattolici
>>> A Assombração da Casa da Colina de Shirley Jackson pela Suma (2018)
>>> A Assombração da Casa da Colina de Shirley Jackson pela Suma (2018)
>>> O Demônio do Meio Dia um Anonimato da Depressão de Andrew Solomon pela Companhia das Letras (2018)
>>> O Demônio do Meio Dia um Anonimato da Depressão de Andrew Solomon pela Companhia das Letras (2018)
>>> O Demônio do Meio Dia um Anonimato da Depressão de Andrew Solomon pela Companhia das Letras (2018)
>>> Fogo & Sangue - Volume 1 de George R. R. Martin pela Suma (2018)
>>> Fogo & Sangue - Volume 1 de George R. R. Martin pela Suma (2018)
>>> Apontamentos De Viagem de Moraes, Joaquim De Almeida Leite pela Penguin Companhia (2011)
>>> Apontamentos De Viagem de Moraes, Joaquim De Almeida Leite pela Penguin Companhia (2011)
COLUNAS

Sexta-feira, 14/4/2006
Web 2.0 (ou uma tentativa de)
Julio Daio Borges

+ de 15100 Acessos
+ 9 Comentário(s)


A Web 2.0, ilustrada por Kevin Cornell

Desde o final do ano passado, eu não paro de ler sobre Web 2.0. Eu ia dizer "eu não canso de ler sobre Web 2.0", mas não é verdade: estou ficando cansado já. Então chegou a hora de escrever a respeito. De certa forma, esgotei o terma, para as minhas pretensões de pesquisa. E de certa forma também, novidades toda semana aparecem, a Web 2.0 não pára nunca. Então, em ambos os sentidos, é melhor escrever logo sobre o assunto antes que a hora passe.

Foi por culpa dos agregadores de conteúdo que eu descobri a Web 2.0. Tentei explicar, para as pessoas, o que são os agregadores de conteúdo, ainda no ano passado, mas não sei se fui muito bem-sucedido, porque o feedback foi praticamente inexistente. Em compensação, escrevi recentemente sobre o Gmail e o feedback, tanto em termos de acessos, quanto em termos de qualidade nos comentários, foi surpreendente. É sinal de que, em alguns meses, já está mudando a percepção das pessoas em relação à Web 2.0.

Mas o que é Web 2.0? Então: esse é o problema. Definições estritas não existem, e naturalmente eu não me arriscaria. Tentar responder é como tentar responder a Sócrates quando ele pergunta "o que é o belo?", nos diálogos de Platão. Eu, como os interlocutores de Sócrates, não vou tentar responder o que é "o próprio belo", a natureza do belo - ou da Web 2.0 -, mas vou responder com exemplos do belo - com exemplos de Web 2.0. Para mim, a Web 2.0 diz respeito a três aspectos, que acontecem na seguinte ordem: o tecnológico, o social e o econômico.


Foto de Anna Maj Michelson, retrabalhada por Leigh Blackall

O tecnológico diz respeito ao Ajax. O que é Ajax? (Pô, esse cara não define nada...) A melhor definição que eu encontrei para Ajax foi: Ajax é o Javascript que deu certo. Há dez anos, quando eu era estagiário, o "quente" era Java (pelo que sei, uma decorrência da linguagem C). E quando eu entrei na faculdade, um colega me gozava porque eu conhecia Basic(!): "Basic já era, meu; o negócio agora é C". Na época, estudávamos Pascal (uma linguagem que, acho, precedeu o C...).

Bem, não quero entrar aqui numa discussão muito técnica sobre linguagens de programação, embora já tenha entrado. Enfim, desde que eu comecei a programar, em 1985, assisto a uma disputa eterna entre o Basic e o C. O Basic, só para te situar, se manteve graças ao Visual Basic, padrão Microsoft, que se expandiu graças à ampla adoção do MS Office. Já o C ressuscitou com a Web, que começou com HTML, depois adotou Javascript - e, por fim, desenvolveu a manipulação de bases de dados, e as tais páginas dinâmicas, graças ao ASP (descendente - adivinhe - do Basic...!).

Para resumir a ópera, embora o Javascript tenha caído um pouco em desuso, como caiu o Flash e as aplicações em Flash (aqueles filminhos, por outros motivos), continuou se desenvolvendo e, agora com a Web 2.0, desembocou no Ajax. O Ajax, para entrar num exemplo prático, permite que se tenha uma verdadeira aplicação na Web, como se ela estivesse instalada (e rodando) em seu computador, como um outro software qualquer. (Vamos lá, vamos lá, leitor, já estamos no meio do aspecto técnico da Web 2.0, daqui a pouco acaba...)

Quem usa o Gmail, sabe do que eu estou falando. O Gmail não parece que roda na Web, porque responde rapidamente aos comandos e não atualiza a página inteira toda vez em que você executa uma ação. Graças ao Ajax, o servidor Web é acionado menos vezes do que o normal e a página é atualizada parcialmente, quando muda um dado ou outro - o que dá esse aspecto geral de movimento.

Por que dizem que o Google vai acabar com a Microsoft? Entrando um pouco no aspecto econômico, porque o Google, passo a passo, está acabando com o MS Office, o produto de maior rentabilidade da Microsoft Corporation. No meu texto sobre o Gmail, eu disse que havia aposentado o meu Outlook. Uma ou duas semanas depois, a Microsoft anunciou que vai aposentar também o Outlook, em favor do que estão chamando de Windows Live Mail: uma mistura do velho Outlook com o Hotmail (que a Microsoft habilmente adquiriu mas não teve tempo de adaptar...). O Gmail, então, é o sonho de juntar as duas coisas. Só que realizado.

Do mesmo jeito, o Google adquiriu, há poucas semanas também, o Writely. O Writely é o MS Word na internet. Não foi o Google quem fez, mas foi o Google quem comprou. Agora adivinhe se ele não vai destruir o Word, como o Gmail destruiu o Outlook? Não espanta, portanto, que a Microsoft tenha atrasado, para o ano que vem, a entrega do novo Windows Vista - depois de cinco anos de último lançamento, o Windows XP. Quem sabe a Microsoft não desiste do Word também (como já desistiu do Outlook)...?

Isso é Web 2.0. Ainda no aspecto técnico, além do Ajax, e da aplicação na Web, vai acabar esse negócio de lançamento e de atualização de softwares. Como o exemplo do Gmail, a atualização vai ser feita - sempre - na Web. E você, usuário, nem vai perceber, porque não vai ter de instalar mais nada na sua máquina, só vai ter de acessar. O Digestivo não é Web 2.0 ainda, mas quando eu atualizo aqui, você não sente aí, eu só te aviso - e você já passa a usar. Web 2.0 é assim, mas com aplicações muito mais sofisticadas.

Por isso, uma das marcas registradas da Web 2.0 são os sites permanentemente em versão "beta". Já fizeram até piada sobre isso. Repare nos logotipos. "Beta", antes da Web 2.0, era uma versão que se disponibilizava - antes da versão final - para testes e que, portanto, poderia conter alguns erros - os usuários, que faziam uso por sua própria conta, não podiam reparar. Aliás, não podiam reclamar, mas eram incentivados no sentido de apontar falhas - para que o software se aperfeiçoasse.

Assim, você entra no Gmail e ele é "beta", mas não porque contenha ainda erros, e, sim, porque está constantemente mudando. Afinal, quando eu finalizei meu texto sobre o Gmail, eles tinham acabado de inaugurar a função de chat, para você conversar com outros usuários de Gmail enquanto respondia às suas mensagens (e, sim, você acertou: visando acabar com o MSN também). Por isso, é impossível concluir qualquer coisa sobre a Web 2.0: ela muda o tempo todo.


Foto de Leigh Blackall, retrabalhada por ele mesmo

Agora, o aspecto social. A Web 2.0 se caracteriza pelo que estão chamando de "social media". No Brasil, o exemplo mais patente - e mais próximo a você, muito provavelmente - é o Orkut. Já reparou que o Orkut ninguém controla? Você vai lá e faz, e publica, o que bem entende. Isso é "mídia das pessoas", para as pessoas, pelas pessoas. Ao contrário de uma publicação tradicional (sei que não é exatamente o caso...), o Orkut não tem editores. O Orkut não tem, nem nos fóruns, mediadores apontados pelo próprio Orkut. O Orkut será - como eu já disse aqui - o que as pessoas fizerem dele.

Do mesmo jeito, é o Digg, que não é o exemplo mais citado de Web 2.0 (normalmente preferem o Slashdot), mas é o que eu prefiro usar aqui. O Digg, de certa maneira, é uma publicação, é um tipo de site de conteúdo. Mas o Digg não produz conteúdo. A equipe do Digg não produz conteúdo. Como funciona então? Os usuários do Digg indicam, por meio de links, matérias publicadas por toda a Web e eles mesmos votam, para que as matérias entrem na homepage, e eles mesmos comentam, no Digg, as matérias indicadas. O Digg se alimenta das indicações das pessoas. Os donos do Digg não têm de fazer nada, a não ser dar manutenção ou aperfeiçoar o site.

Outro exemplo - esse muito citado - é o Flickr. No Brasil, "pegaram" os fotologs (blogs de fotos ou imagens), mas, nos Estados Unidos, o que "pegou" mesmo foi o Flickr. O Flickr é uma imensa comunidade de fotógrafos, amantes de fotografia ou simples usuários de câmeras digitais. Você está cansado de ter de descarregar suas fotos e de ter de enviá-las pelo e-mail aos familiares e amigos (entupindo a caixa postal deles)? Ou então está cansado daqueles "albinhos" vagabundos da Web 1.0? Para você, existe o Flickr. No Flickr, você cria sua área (ou seção), descarrega suas fotos de graça (até determinada cota mensal), e disponibiliza imediatamente para todo mundo acessar. Monta, igualmente, álbuns (e slideshows), abre para comentários de outros usuários do Flickr - e pode classificar suas fotos com rótulos, labels ou etiquetas virtuais (tags).

Você tira uma foto da sua geladeira, por exemplo, faz o upload dela no Flickr e classifica-a com o rótulo "geladeira". Outras milhões de pessoas estão fazendo, ao mesmo tempo, isso, com suas fotos, então quando você clica no link "geladeira" (gerado a partir do rótulo), você vai ver milhões de geladeiras ao redor do mundo. Esse rótulo é o que estão chamando de "tag" e esse processo, de classificar, de clicar e de encontrar - através das tags - os conteúdos de outras pessoas, é o que estão chamando de "tagging" ou "folksonomy", a "taxonomia das pessoas".

Na Web 2.0, são as pessoas que editam e são as pessoas que classificam o conteúdo. Isso quando elas próprias não geram o conteúdo inteiro, como no caso do Orkut, no Brasil, e como no caso do MySpace ou do Slashdot (entre outros), nos Estados Unidos. Na Inglaterra, muitos jornais, em sua versão eletrônica, estão começando a se pautar de acordo com os interesses das pessoas que lêem - e não mais de acordo com os interesses da redação, ou dos donos do jornal (ou das assessorias de imprensa).

Existe, ainda, um site de bookmarks (ou favoritos), que é outro grande exemplo de Web 2.0: o Delicious. No Delicious, você abre uma conta e vai estocando links interessantes que encontra. Mais ou menos como nos seus favoritos, do Internet Explorer, mas sem limitação de espaço e por assunto ("tags" e não pastas). Se você usa - outro exemplo clássico - a tag "web 2.0", para classificar este artigo, pode clicar sobre ela depois e ver o que o mundo inteiro está classificando como "web 2.0". O Delicious, uma invenção de um rapaz de pouco mais de trinta anos, nas suas horas vagas, foi vendido para o Yahoo por 30 milhões de dólares (logo depois do Flickr). E, agora, entramos no aspecto econômico da Web 2.0...


Foto de Tom Harpel, retrabalhada por Leigh Blackall

Lembra do "open source", que você ignorou porque achou que fosse algum slogan da esquerda festiva então ligada ao socialismo retrô? Ou ainda uma bandeira desses ativistas chatos que aparecem por aí e que macaqueiam o discurso sem nem saber do que estão falando? Acontece que o "open source" não é brincadeira, não. O open source nada mais é que o chamado "código aberto". Uma história que começou com o Linux e que se espalhou graças à internet.

O fato é que, enquanto o Windows mantinha seu código "fechado", e o seu desenvolvimento guardado a sete chaves, o Linux (nada mais nada menos que outra plataforma ou outro sistema operacional) ganhou a adesão de programadores voluntários no mundo todo, e até o apoio de governos, como o brasileiro. O resultado é que a Microsoft, mesmo com os seus bilhões de dólares, foi se sentindo ameaçada pelo padrão Linux, até que teve de abrir também o seu padrão Windows...

O que isso tem a ver com Web 2.0? Tem muito... A história da conquista dos mercados pelo Linux, que é gratuito, contra o Windows, que é pago, ilustra o conceito de colaboração que se espalhou pela internet como um vírus. Do mesmo modo que a Microsoft, com seus milhares de programadores de Windows, de repente percebeu que não consegue competir com os milhões de programadores, anônimos e não-remunerados, do Linux, o New York Times já assumiu, publicamente, que, por maior e "melhor" que seja a sua redação, ele não tem como competir - pela notícia - com milhões de bloggers pelo mundo inteiro. Ah, e o Guardian, inglês, também já admitiu o mesmo, há poucas semanas. O Guardian, inclusive, declarou que o jornalismo que se faz na Web hoje é melhor do que o que se faz no papel. (Melhor e, não, "maior".)

Os blogs são pré-Web 2.0, conceitualmente falando, mas ilustram bem o fato de que as tecnologias estão cada vez mais baratas e mais acessíveis a todos. Com ferramentas, virtualmente, ao alcance de todo mundo, a inovação será cada vez mais rápida e a competição, cada vez mais acirrada. Dos exemplos que eu dei de Web 2.0, só o Gmail foi desenvolvido pelo Google: o Delicious, como eu disse, por um único executivo inglês, na casa dos 30 anos; o Digg, por dois norte-americanos na casa dos 20; e o Flickr, se eu não me engano (correct me if I'm wrong), por um casal de fotógrafos, na casa dos 40.

A onda de inovação da Web 2.0, que vai muito além desses exemplos considerados básicos, está tão violenta agora nos Estados Unidos que os especialistas já estão prevendo um novo boom (e, não, uma nova bolha). Boom porque as aquisições, principalmente por parte do Yahoo e do Google, já estão chacoalhando, novamente, o mercado das start-ups - a ponto de "veteranos" da internet pré-Bolha estarem retornando. Um deles é Marc Andreessen, o lendário engenheiro da Netscape, a primeira IPO da História, com seu Ning (uma solução para redes sociais, como o Orkut). E outro é Sabeer Bhatia, um dos criadores do Hotmail, um dos cases mais bem-sucedidos de marketing viral.

O boom vai acontecer também por causa da Microsoft, que, a exemplo do Google e do Yahoo, vai ter de fazer algumas aquisições, se quiser sobreviver na Web 2.0. E dizem que a Microsoft tem 40 (quarenta) bilhões de dólares em caixa, para investir. Você sabe o que é isso? É o dobro do que a Alemanha pretende atrair em investimentos para o país durante a Copa 2006. E vocês ainda se preocupam com Ronaldinhos e afins? Deveriam é olhar para a Web 2.0!

Reza a lenda que Michael Arrington - aquele do blog de Web 2.0, que eu citei em outro texto - foi, finalmente, chamado para almoçar na Microsoft, por Robert Scoble, o blogueiro oficial da empresa de Bill Gates (que eu também já citei). A idéia era que Arrington - um blogger (vale repetir) - conhecesse Ray Ozzie, o CTO, ou Chief Technology Officer, da Microsoft Corp. No meio do almoço, Scoble anuncia uma surpresa para Arrington: Ozzie não poderá vir; no seu lugar, Bill Gates.

Vamos recapitular (se você se perdeu no raciocínio...): um blogueiro de Web 2.0 e o fundador da Microsoft Corporation (40 bilhões de dólares, no bolso, para investir) almoçando juntos. Depois de amenidades mil, em torno de risotos e "comidinhas" no refeitório da Microsoft, com seguranças espalhados até pelo teto, Bill Gates enfim pergunta a Michael Arrington: "Mike, se você tivesse X milhões de dólares, hoje, onde investiria?"

A resposta não importa tanto quanto a conclusão a que chego neste momento: a Web 2.0 é questão de Estado agora. É a revolução dentro da revolução (ou, para quem prefere suavizar, é a evolução dentro da evolução), acontecendo debaixo do nariz de gente como eu e você. É por isso que eu sempre digo aqui (e como é chato ser repetitivo): leiam a internet, informem-se pela internet, não percam mais tempo com as fontes tradicionais de informação. Os jornalistas não sabem patavina do que está acontecendo; os jornalistas não têm a menor idéia... Estão mais desinformados que eu e você. E pior: fazem questão de estar. Uma coisa é certa, porém: quem compreender a Web 2.0, vai sobreviver na internet e nas suas ramificações; quem não compreender... será engolido por elas.

O Digestivo, como você percebeu, caminha para a Web 2.0.

Bill Gates talking with Michael Arrington of TechCrunch
Bill Gates e Michael Arrington em foto de Robert Scoble no último dia 20

Para ir além
All Things Web 2.0 (the list)


Julio Daio Borges
São Paulo, 14/4/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os olhos brancos de Deus de Elisa Andrade Buzzo
02. Os bastidores de Psicose de Gian Danton
03. Expressar é libertar de Paula Ignacio
04. Twitter: A Crítica Como Vocação de Regina Lacerda
05. Rememórias e túmulos multimídia de Carla Ceres


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2006
01. O Gmail (e o E-mail) - 3/3/2006
02. Novos Melhores Blogs - 17/3/2006
03. Por que os blogs de jornalistas não funcionam - 22/9/2006
04. Desconstruindo o Russo - 21/7/2006
05. The Search, John Battelle e a história do Google - 6/1/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
13/4/2006
10h01min
Parabéns pelo artigo, Julio. Ele está coerente e bastante claro sobre os conceitos abordados. Eu acrescentaria uma dimensão a mais no que vem sendo chamado web 2.0, uma dimensão que vai além do aspecto social: a da possibilidade do movimento social. Hoje é possível tirar uma foto com um telefone celular comum e enviá-la para o Flickr com algum texto explicativo e tags, também. Ela será publicada imediatamente no Flickr e num blog do Blogger, que vai difundir esta matéria por rss. Com um pequeno esforço a mais podemos acrescentar-lhe tags da technorati e del.icio.us indexando a nossa matéria para o mundo. Isso, ao alcance de cada vez mais pessoas, rompe com a forma tradicional de divulgação da notícia, transgride filtros e censuras. Neste sentido, a web 2.0 traz em si uma contradição que pode revolucionar o padrão capitalista no qual ela vem tentando ser fechada. Abraço, Suzana
[Leia outros Comentários de Suzana Gutierrez]
13/4/2006
14h21min
Obrigado por me poupar longas horas de explicação sobre o que é a web 2.0 para meus amigos e companheiros de trabalho digital, gente que ainda lê jornal e não se informa pela internet.
[Leia outros Comentários de Eric Moreira]
13/4/2006
23h35min
Oi, Julio, o texto está excelente. Agora vai ficar facílimo pro pessoal entender a revolução da Web 2.0. Quando saiu o resultado das melhores Webs 2.0, parece que muita gente ficou perdida e não conseguiu entender bem os critérios definidos para as opções premiadas, e as discussões foram irrelevantes... Parece, mesmo, que tem gente só lendo jornal.
[Leia outros Comentários de Fátima]
21/4/2006
20h33min
Bem nem sei por onde começar, depois de tanta informação. Julio, em primeiro lugar, não se preocupe tanto assim com o feedback, porque realmente esse asssunto de WEB.2.0 e' complicado (desconheso muitos dos termos que você citou). Mas seja repetitivo o quanto for necessário, porque acredito que você esta usando esse espaço como uma espécie de "utilidade pública". Para tentar entrar no raciocinio, tive que ler tambem O Gmail, de 3/03/06, e clareou as idéias. Mas volto a dizer que e' complicado para leigos, eu, digerir a Web 2.0, visualizar essa tal "revolução dentro da revolução", o novo boom, mesmo que de baixo do nosso nariz e' dificil. Por isso, meu caro "provocador", seja repetitivo. Talves eu seja um incentivo: você conseguiu me monstrar a ponta do meu nariz. Acho que valeu. Um abraço, Patricia R.Lara
[Leia outros Comentários de Patricia]
12/5/2006
13h49min
Olá, Julio. Valeu pelos esclarecimentos. Eu estava por dentro de todos os novos serviços e tecnologias citados por vc - e sou usuário de vários deles (espero ansiosamente meu convite para o Writely) - mas, de modo geral, com relação ao conceito de Web 2.0 estava como Santo Agostinho: Se não me perguntam, sei o que é. Se me perguntam, não sei... ;) Enfim, abraços de outro que também começou com o Basic num CP400 Color. Yuri
[Leia outros Comentários de yuri vieira]
5/9/2006
11h43min
A web 2.0 nao esta' revolucionando apenas a comunicaçao, mas o nosso dia a dia, a nossa interação com proximo...
[Leia outros Comentários de Marco Antonio Mucci ]
12/9/2006
19h13min
Valeu, Julio. Agora entendi tudo.
[Leia outros Comentários de Guy José]
4/1/2007
19h37min
Extremamente esclarecedor e bem concatenado. Faz entender a lógica subjacente a essa (r)evolução que tá rolando. Abraço, Patricia
[Leia outros Comentários de Pati Rabelo]
4/1/2007
20h42min
Julio, o seu artigo é excelente. Estou escrevendo uma monografia sobre o tema. Na realidade, não sou da área de informática. Eu iria escrever sobre direitos autorais na Web 2.0, mas quando comecei a fazer minha pesuisa, percebi que a maior parte das pessoas utilizam as ferramentas da Web 2.0 e nem sabe o que é. Isso sem contar as que acham que Web 2.0 é a Internet 2.0... que é aquela rede super rápida que interliga instuições. Bom, o tema me fascinou muito, e o seu texto é mesmo muito bom. Parabéns!
[Leia outros Comentários de Déa]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




UM CURUPIRA ATRAPALHADO
NEUZA LOZANO PERES
BEST BOOK
(2010)
R$ 22,00



VERSOS DE OUTRO TEMPO ...
J. MÉLO MACEDO
NÃO INFORMADA
(1946)
R$ 150,00



DESENHO DE PAISAGEM URBANA
PAULA DA CRUZ LANDIM
UNESP
(2004)
R$ 18,00



MAZE RUNNER 2 PROVA DE FOGO
JAMES DASHNER
PLATAFORMA 21
(2011)
R$ 43,00
+ frete grátis



CAUSOS RUSSOS (CAUSOS DE HUMOR) - MIKHAÍL M. ZÓCHTCHENKO (LITERATURA RUSSA)
MIKHAÍL M. ZÓCHTCHENKO (TRADUÇÃO: TATIANA BELINKY)
EDIÇÕES PAULINAS
(1988)
R$ 5,00



TEATRO DE GOLDONI (TEATRO ITALIANO)
CARLO GOLDONI
LIVRARIA CIVILIZAÇÃO
(1964)
R$ 30,00



VIAGEM PITORESCA E HISTÓRICA AO BRASIL VOL. 1
JEAN BAPTISTE DEBRET
CÍRCULO DO LIVRO
(1985)
R$ 39,90



KEYNOTE INTERMEDIATE STUDENTS BOOK - COM DVD
PAUL DUMMETT E OUTROS
CENGAGE
(2016)
R$ 127,90



ENCICLOPÉDIA DAS ARTES PLÁSTICAS EM TODOS OS TEMPOS - MUNDO ISLÂMICO
ERNST J. GRUBE
ENCYCLOPEDIA BRITÂNICA DO BRASIL LTDA
(1979)
R$ 25,00



A MORTALHA DE ALZIRA - ALUÍZIO AZEVEDO (LITERATURA BRASILEIRA)
ALUÍZIO AZEVEDO
F. BRIGUIET & CIA.
(1940)
R$ 15,00





busca | avançada
32662 visitas/dia
1,1 milhão/mês