As armas e os barões | Rafael Rodrigues | Digestivo Cultural

busca | avançada
32696 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Michael Jackson: a lenda viva
>>> Gente que corre
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Reinaldo Azevedo no Fórum CLP
>>> Introdução ao filosofar, de Gerd Bornheim
>>> Companheiro dileto
>>> O Vendedor de Passados
>>> Eugène Delacroix, um quadro uma revolução
>>> Meus Livros
Mais Recentes
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
>>> A Igreja Católica de Hans Kung pela Objetiva (2002)
>>> O Comunismo de Richard Pipes pela Objetiva (2002)
>>> Lições para o Cotidiano de Masaharu Taniguchi pela Seicho-No-Ie (1996)
>>> Guerra sem fim – Edição especial de Joe Haldeman pela Aleph (2019)
>>> O Renascimento de Paul Johnson pela Objetiva (2001)
>>> Homeopatia a Ciência e a Cura de Ralph Twentyman pela Círculo do livro (1989)
>>> A Descoberta do Amor em Versos de Diversos pela Cen (2003)
>>> O Islã de Karen Armastrong pela Objetiva (2001)
>>> O Sumiço do Mentiroso de Lourenço Cazarré pela Atual (1998)
>>> A Turma da Tia e os Bilhetes Misteriosos de Ganymédes José pela Ftd (1991)
>>> Camões Os Lusíadas de Luís Vaz de Camões pela L&PM Pocket (2008)
>>> Destruição e Equilíbrio de Sérgio de Almeida Rodrigues pela Atual (1989)
>>> Armadilha para Lobisomem de Luiz Roberto Guedes pela Cortez (2005)
>>> A Menina que Descobriu o Brasil de Ilka Brunhilde Laurito pela Ftd (2001)
>>> Guerra no Rio de Ganymédes José pela Moderna (1992)
>>> Paraíso de Toni Morrison pela Companhia das Letras (1998)
>>> Introduction à la Psycholinguistique de Hans Hörmann pela Larousse Université (1974)
>>> A idéia de cultura de Victor Hell pela Martins Fontes (1989)
>>> Poesia Concreta de Lumna Mara Simon (Org.) pela Abril (1982)
>>> Las Armas Secretas de Julio Cortazar pela Editorial sudamericana/ Buenos Aires (1970)
>>> Maio Apagou o Inverno de Carlos Roberto Douglas pela Ateniense/ S.P (1994)
>>> Utopia Selvagem de Darcy Ribeiro pela Nova Fronteira (1982)
>>> Twittando o Amor, Contando Uma História em 140 Caracteres de Teresa Medeiros pela Novo Conceito (2014)
>>> Estrela Oculta de Robert A. Heinlein pela Francisco Alves/ RJ. (1981)
>>> O Alimento dos Deuses de H. G. Wells (herbert George - 1866-1946) pela Francisco Alves/ RJ. (1984)
>>> Focus de Arthur Miller pela Ediouro (2001)
>>> Trinta Anos Depois da Volta - o Brasil na II Guerra Mundial de Octávio Costa (ilustr): Carlos Scliar pela Expressão e Cultura (1977)
>>> Tuareg (formato Original) de Alberto Vázquez- Figueiroa pela L&pm, Porto Alegre (2000)
>>> Cenas Noturnas na Bíblia (v. 1) : Tardes e Manhãs Que Conduzem... de Christian Chen pela Tesouro Aberto/ Belo Horizonte (2001)
>>> Fall of the House of Windsor (capa Dura; Sobrecapa) de Nigel Blundell & Susan Blackhall pela Contemporay Books/ L. A. (1992)
>>> Todos os Homens do Presidente de Carl Bernstein & Bob Woodward pela Francisco Alves/ RJ. (1977)
>>> A Primeira Comunhão de Verônica de Vários: Pia Sociedade de S. Paulo pela Edições Paulinas (1959)
>>> O Grande Livramento de Valdemiro Santiago: Apóstolo pela Impd (2009)
>>> Poema Sujo de Ferreira Gullar/ Pref.: Alcides Villaça pela Livr José Olympio Ed. (2001)
>>> Poema Sujo de Ferreira Gullar/ Pref.: Alcides Villaça pela Livr José Olympio Ed. (2001)
>>> Poema Sujo de Ferreira Gullar/ Pref.: Alcides Villaça pela Livr José Olympio Ed. (2001)
>>> Poema Sujo de Ferreira Gullar/ Pref.: Alcides Villaça pela Livr José Olympio Ed. (2001)
>>> Poema Sujo de Ferreira Gullar/ Pref.: Alcides Villaça pela Livr José Olympio Ed. (2001)
>>> O Poder dos Pais Que Oram de Stormie Omartian pela Mundo Cristão (2001)
COLUNAS

Terça-feira, 5/8/2008
As armas e os barões
Rafael Rodrigues

+ de 4100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

A matéria-prima da literatura é a vida. Mesmo em textos fantásticos. Os personagens de um livro podem ser magos, elfos, cabeças falantes, meninos bruxos etc., mas o que move qualquer história são os sentimentos, as relações entre os personagens (sejam eles seres humanos ou não) e os conflitos entre eles.

Então, por mais que um romance, conto ou poesia seja nada mais que pura ficção, ao menos a inspiração para sua concepção, sua "fagulha catalisadora", digamos assim, é e sempre será a realidade.

É o caso do romance As armas e os barões (Agir, 2008, 174 págs.), de Flávio Moreira da Costa. O livro é parcialmente autobiográfico e, se não fosse, se fosse totalmente ficção, certamente não teria sido escrito. Afinal, o que provocou a escritura do romance foram as situações que Flávio Moreira viveu na época da ditadura. Se ele não tivesse sido preso e, algum tempo depois, em 1966, ganhado uma bolsa de estudos do governo francês e não tivesse ido para a Europa, certamente As armas e os barões não existiria.

(Essa afirmação vai de encontro a uma teoria de Terry Eagleton. Para Eagleton, mesmo que, por exemplo, Dostoiévski não tivesse nascido, Crime e Castigo seria escrito. Alguém escreveria Guerra e Paz, mesmo que Tolstói não existisse. É óbvio que é uma teoria furada.)

Mais conhecido do grande público pelas antologias que organizou e tem organizado (são mais de vinte), Flávio Moreira da Costa é autor de uma considerável e respeitável obra de ficção (são mais de quinze livros), que tem sido reeditada pela editora Agir. Apesar de ter vencido dois prêmios Jabuti e outros tantos, Flávio é um autor que só agora está sendo descoberto por muitos leitores. Suas obras estavam fora de catálogo, e por isso é louvável o trabalho da editora Agir, que, além de reeditar seus livros, vem colocando no mercado títulos inéditos, como o único volume de poesias do escritor gaúcho de nascença e carioca de vivência, Livramento.

Segundo volume da Trilogia do Espanto (composta por O Desastronauta e o ainda inédito cujo título provisório é Diário estrangeiro), As armas e os barões pode ser considerado um romance de formação, apesar de se ater a apenas alguns anos da vida do personagem principal, Cláudio Crasso (ou Cláudio C.). Ambientado em cidades européias (não se sabe em qual delas o protagonista realmente está no momento das ações; mas certamente ele passa por Paris, Atenas, Amsterdã, Londres e Budapeste), o romance alterna narrativas em primeira e terceira pessoas. Cláudio C. é um jovem sem rumo que vaga desorientado pela Europa. No início, ele está só: absoluta e terrivelmente só. É quase um mendigo em terra estrangeira. Já não sabe o que é um banho ou uma refeição completa. Ele pensa em fingir-se doente, para ser internado e passar alguns dias num hospital. Ao menos teria uma cama (fora expulso da pensão onde morava, por falta de pagamento) e poderia se alimentar (já não tinha dinheiro nem para comer). Mas a interpretação de doente não é necessária: Cláudio realmente adoece e, debilitado, é internado num hospital.

Depois da tempestade, a bonança. A alta veio mais de um mês depois. Junto com ela, um emprego, indicação da freira/enfermeira que cuidava dele. A partir daí, a vida de Cláudio melhora um pouco: ao menos já pode se manter, mudar de cidade, comer, se vestir, ter um teto, mesmo que alugado ou de favor, no estúdio de uma nova amiga, pintora. Depois dessa temporada na Europa, Cláudio retorna ao Brasil. O último capítulo do livro revela um homem perdido, sem perspectiva alguma de futuro. Ele não é mais o mesmo. Seu país não é mais o mesmo. Sua mente não é mais a mesma, seus pensamentos são delírios. É o fim do livro e, talvez, o fim de Cláudio.

Os amores, questionamentos e medos do protagonista são relatados no livro por um narrador que pode muito bem ser Cláudio "falando" em terceira pessoa e também pelo próprio Cláudio, através de seus pensamentos e cartas que escreve a amigos - muito provavelmente imaginários. Mas Flávio Moreira da Costa não alterna essas narrativas entre um capítulo e outro. Às vezes algumas frases ou trechos mais longos em primeira pessoa se seguem a frases na terceira pessoa, numa mesma página. O autor utiliza também muitas reticências dentro do texto (não reticências assim: ...; mas reticências assim: ...................................................................................................
...............................................). Flávio mistura fluxos de consciência à quebra de padrões estruturais. Pequenas notas informando acontecimentos importantes ao redor do mundo começam a ser usadas perto do fim do livro. A idéia talvez seja mostrar ao leitor que não apenas Cláudio está perdido, em conflito, mas sim praticamente todo o planeta.

Poderia, então, As armas e os barões ser classificado como um romance político ou de protesto? Sim e não. O romance foi escrito sob a sombra da ditadura, mas não há nele nenhum posicionamento político. Apolítico certamente não é, mas político ou de protesto, também não. Com a palavra, o próprio autor, que via e-mail respondeu a seguinte pergunta: "O romance foi escrito sob a sombra da ditadura e dos movimentos sociais que ocorreram no fim da década de 1960. Uma época bem diferente da que vivemos hoje, como bem sabemos. Mas, se um autor brasileiro quisesse escrever um romance 'politizado', digamos assim, nos nossos dias, ele conseguiria? Há sobre o que escrever? Você escreveria? Se sim, como pensaria esse romance?" A resposta: "Se tivesse escrito 'As armas e os barões' como um reflexo direto da realidade da época, isto é, sobre o exílio político e não sobre o exílio existencial, o livro não teria sido reeditado décadas depois, pois seria datado e limitado ao fato. Qualquer um pode escrever um romance 'politizado', mas o risco de ser um mau romance é enorme. Lembro de Stendhal: 'misturar política num romance é como dar um tiro de chanhão no meio de uma orquestra sinfônica'. Se há sobre o que escrever? Sempre há. Se eu escreveria? Não."

É interessante ver que, mesmo escrito entre 1966 e 1967, certos comentários de Cláudio Crasso sobre o Brasil permanecem intactos: "é um país de uma estranha e irônica dialética: as coisas nunca são ou não são, elas são e não são ao mesmo tempo; quando alguém tem uma opinião, ele é a favor, mas... ou então ele é contra, mas... os políticos são artistas: o que seria deles se não existissem os 'mas', os 'poréns', os 'todavias'?" E certas discussões parecem não ter fim, como quando ele fala que em alguma cidade européia "parece que o governo dá uma ajuda aos artistas, mesmo aos escritores, uma mensalidade por mês e a única exigência ― o livro pronto ― é que seja publicado numa das editoras daqui; é uma boa solução para quem deseja se dedicar à sua vocação: as pessoas ficam livres para criar, embora muita mediocridade possa viver à sombra disso, mas não esqueça que os medíocres também fazem parte da paisagem, eles também precisam se justificar".

Talvez "engajado" seja a palavra que mais se aproxima da realidade, mesmo não sendo o termo correto. Mas Flávio prefere não classificar o romance, e afirma que "talvez o melhor do livro seja sua liberdade criativa, atento apenas à linguagem e à estrutura." Para que perder tempo com classificações, aliás? O livro foi escrito e publicado para ser lido. Ainda mais um romance como As armas e os barões, obra de inquestionável qualidade e importância. Classificá-lo é um trabalho para burocratas, e não para leitores.

Para ir além






Rafael Rodrigues
Feira de Santana, 5/8/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. André Bazin e a crítica como militância de Humberto Pereira da Silva
02. O mundo explicado por T.S. Spivet de Guilherme Pontes Coelho
03. Fatal: o livro e o filme de Marcelo Spalding
04. A preparação de um romance de Débora Costa e Silva
05. O mau legado de Paulo Francis de Paulo Polzonoff Jr


Mais Rafael Rodrigues
Mais Acessadas de Rafael Rodrigues em 2008
01. Caio Fernando Abreu, um perfil - 28/10/2008
02. Meus melhores filmes de 2008 - 30/12/2008
03. As horas podres, de Jerônimo Teixeira - 21/3/2008
04. Jovens blogueiros, envelheçam - 18/4/2008
05. A literatura e seus efeitos - 29/2/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
5/8/2008
10h29min
Pode ser um livro que eu leia ainda esse ano, graças à sua resenha. Confio muito no que você indica. Parabéns pelo texto.
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LITERATURA BRASILEIRA EM DIÁLOGO COM OUTRAS LIT E LING
WILLIAM ROBERTO CEREJA E THEREZA COCHAR MAGALHÃES
ATUAL
(2005)
R$ 18,00



VEJA 25 ANOS REFLEXÕES PARA O FUTURO
HEBERT DE SOUZA E OUTROS
ABRIL
R$ 12,00



DIE LANDUNG IN DER NORMANDIE
DR. CHRISTIAN ZENTNER
MOEWIG
(1998)
R$ 55,00



CONTOS CLASSICOS-PATINHO FEIO, O
VÁRIOS AUTORES
CIRANDA CULTURAL
(2011)
R$ 9,90



ESTUDOS DE LÍNGUA E LITERATURA
DOUGLAS TUFANO
MODERNA
(1978)
R$ 5,00



TRANSPORTES, SEGUROS E A DISTRIBUIÇÃO FÍSICA INTERNACIONAL DE MERCADOR
MARCOS MAIA PORTO; CLÁUDIO FERREIRA DA SILVA
ADUANEIRAS
(2000)
R$ 45,00



O SEGREDO DOS SONHOS
PEDRO MESEGUER
PAULINAS
(1965)
R$ 12,00



O MAPA DO AMOR
AHDAF SOUEIF
EDIOURO
R$ 12,80



VEDA - VISÃO CONTEMPORÂNEA DA MILENAR CULTURA VÉDICA
ISWARA SWAMI COORD. / EDITOR
BHAKTIVEDANTA
R$ 10,00



VOCÊ É INSUBSTITUÍVEL
AUGUSTO CURY
SEXTANTE
(2002)
R$ 7,00





busca | avançada
32696 visitas/dia
1,3 milhão/mês