As armas e os barões | Rafael Rodrigues | Digestivo Cultural

busca | avançada
47592 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Bossa Nova Mall homenageia músicos brasileiros com a programação especial Cantos e Encantos do Brasi
>>> SESC CARMO REALIZA CICLO DE OFICINAS VIRTUAIS SOBRE DIREITOS SOCIAIS E PRIMEIRA INFÂNCIA
>>> Tiras da Niara viram livro
>>> “Relatos da Era Digital”: novo álbum celebra a cultura sound system
>>> Abertas as Inscrições para a Oficina Conteúdo Audiovisual Infantil e Infantojuvenil
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Olavo de Carvalho (1947-2022)
>>> Maradona, a série
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
Colunistas
Últimos Posts
>>> O melhor da Deutsche Grammophon em 2021
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
Últimos Posts
>>> Brega Night Dance Club e o afrofuturismo amazônico
>>> Fazer o que?
>>> Olhar para longe
>>> Talvez assim
>>> Subversão da alma
>>> Bons e Maus
>>> Sempre há uma próxima vez
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Wear Sunscreen
>>> Millôr no IMS Paulista
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> L.S.D.eus
>>> Vida Virtual? Quase 10 anos de Digestivo
>>> Also known as
>>> No line on the horizon, do U2
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> Carteiros do Condado
>>> Amor fati
Mais Recentes
>>> A Revolução Russa - 4ª Edição - Série Discutindo a História de Maurício Tragtenberg pela Atual (1988)
>>> Apostila SESI 9º Ano Ensino Fundamental Anos Finais Caderno 1 de Serviço Social da Industria pela Somos (2020)
>>> O vencedor está só de Paulo Coelho pela Agir (2008)
>>> A Chave do Tesouro de J. Carlos de Assis pela Paz e Terra (1983)
>>> Apostila SESI Ensino Fundamental Ano Finais - Linguagens: Língua Espanhola 1 de Serviço Social da Industria pela Sesi (2020)
>>> Tudo Sobre Meninas para Meninos de Cláudia Felício pela Planeta (2006)
>>> Apostila SESI Ensino Fundamental Ano Finais - Linguagens: Língua Espanhola 3 de Serviço Social da Industria pela Sesi (2021)
>>> Comentários as Súmulas do Tst de Francisco Antonio de Oliveira pela Revista dos Tribunais (2005)
>>> Ecologia Objetiva de Dervile Ariza pela Nobel (1979)
>>> Diário de Um Fantasminha 2 de Adeilson Salles pela Letra Jovem (2018)
>>> Diário de Um Fantasminha 2 de Adeilson Salles pela Letra Jovem (2018)
>>> A Importância de Crer de R R Soares pela Graça (1999)
>>> O Desafio das Emoções Biblioteca Mente e Cérebro de Gláucia Leal Org. pela Duetto (2013)
>>> O Melhor do humor na internet - volume 2 de Netto Augusto M. Costa pela Best Seller (2010)
>>> Apostila SESI Ensino Fundamental Ano Finais - Linguagens: Língua Espanhola 2 de Serviço Social da Industria pela Sesi (2021)
>>> O Resgate - Ele Não Desistiu de Você de Sergio Corrêa pela Unipro (2018)
>>> Sobre a China de Karl Marx e Friedrich Engels pela Publicações Escorpião (1974)
>>> O livreiro de cabul de Asne Seierstad; Grete Skevik pela Record (2006)
>>> O livro do bar de Carlos hauber pela Ediouro (1987)
>>> Ramses v.2 - the eternal temple de Christian Jacq pela Warner Books (1998)
>>> A Travessa Americana de Carlos Eduardo Novaes pela Ática (1985)
>>> Educar sem Culpa - a Gênese da Ética de Tania Zagury pela Record (2003)
>>> A História da Aranha de Berny Stringle (Autor), Jackie Robb (Autor) pela Atica (2004)
>>> O Bichinho Da Maca de Ziraldo pela Melhoramentos (2001)
>>> Mr. Romance de Leisa Rayven pela Globo Alt (2017)
COLUNAS

Terça-feira, 5/8/2008
As armas e os barões
Rafael Rodrigues

+ de 5200 Acessos
+ 1 Comentário(s)

A matéria-prima da literatura é a vida. Mesmo em textos fantásticos. Os personagens de um livro podem ser magos, elfos, cabeças falantes, meninos bruxos etc., mas o que move qualquer história são os sentimentos, as relações entre os personagens (sejam eles seres humanos ou não) e os conflitos entre eles.

Então, por mais que um romance, conto ou poesia seja nada mais que pura ficção, ao menos a inspiração para sua concepção, sua "fagulha catalisadora", digamos assim, é e sempre será a realidade.

É o caso do romance As armas e os barões (Agir, 2008, 174 págs.), de Flávio Moreira da Costa. O livro é parcialmente autobiográfico e, se não fosse, se fosse totalmente ficção, certamente não teria sido escrito. Afinal, o que provocou a escritura do romance foram as situações que Flávio Moreira viveu na época da ditadura. Se ele não tivesse sido preso e, algum tempo depois, em 1966, ganhado uma bolsa de estudos do governo francês e não tivesse ido para a Europa, certamente As armas e os barões não existiria.

(Essa afirmação vai de encontro a uma teoria de Terry Eagleton. Para Eagleton, mesmo que, por exemplo, Dostoiévski não tivesse nascido, Crime e Castigo seria escrito. Alguém escreveria Guerra e Paz, mesmo que Tolstói não existisse. É óbvio que é uma teoria furada.)

Mais conhecido do grande público pelas antologias que organizou e tem organizado (são mais de vinte), Flávio Moreira da Costa é autor de uma considerável e respeitável obra de ficção (são mais de quinze livros), que tem sido reeditada pela editora Agir. Apesar de ter vencido dois prêmios Jabuti e outros tantos, Flávio é um autor que só agora está sendo descoberto por muitos leitores. Suas obras estavam fora de catálogo, e por isso é louvável o trabalho da editora Agir, que, além de reeditar seus livros, vem colocando no mercado títulos inéditos, como o único volume de poesias do escritor gaúcho de nascença e carioca de vivência, Livramento.

Segundo volume da Trilogia do Espanto (composta por O Desastronauta e o ainda inédito cujo título provisório é Diário estrangeiro), As armas e os barões pode ser considerado um romance de formação, apesar de se ater a apenas alguns anos da vida do personagem principal, Cláudio Crasso (ou Cláudio C.). Ambientado em cidades européias (não se sabe em qual delas o protagonista realmente está no momento das ações; mas certamente ele passa por Paris, Atenas, Amsterdã, Londres e Budapeste), o romance alterna narrativas em primeira e terceira pessoas. Cláudio C. é um jovem sem rumo que vaga desorientado pela Europa. No início, ele está só: absoluta e terrivelmente só. É quase um mendigo em terra estrangeira. Já não sabe o que é um banho ou uma refeição completa. Ele pensa em fingir-se doente, para ser internado e passar alguns dias num hospital. Ao menos teria uma cama (fora expulso da pensão onde morava, por falta de pagamento) e poderia se alimentar (já não tinha dinheiro nem para comer). Mas a interpretação de doente não é necessária: Cláudio realmente adoece e, debilitado, é internado num hospital.

Depois da tempestade, a bonança. A alta veio mais de um mês depois. Junto com ela, um emprego, indicação da freira/enfermeira que cuidava dele. A partir daí, a vida de Cláudio melhora um pouco: ao menos já pode se manter, mudar de cidade, comer, se vestir, ter um teto, mesmo que alugado ou de favor, no estúdio de uma nova amiga, pintora. Depois dessa temporada na Europa, Cláudio retorna ao Brasil. O último capítulo do livro revela um homem perdido, sem perspectiva alguma de futuro. Ele não é mais o mesmo. Seu país não é mais o mesmo. Sua mente não é mais a mesma, seus pensamentos são delírios. É o fim do livro e, talvez, o fim de Cláudio.

Os amores, questionamentos e medos do protagonista são relatados no livro por um narrador que pode muito bem ser Cláudio "falando" em terceira pessoa e também pelo próprio Cláudio, através de seus pensamentos e cartas que escreve a amigos - muito provavelmente imaginários. Mas Flávio Moreira da Costa não alterna essas narrativas entre um capítulo e outro. Às vezes algumas frases ou trechos mais longos em primeira pessoa se seguem a frases na terceira pessoa, numa mesma página. O autor utiliza também muitas reticências dentro do texto (não reticências assim: ...; mas reticências assim: ...................................................................................................
...............................................). Flávio mistura fluxos de consciência à quebra de padrões estruturais. Pequenas notas informando acontecimentos importantes ao redor do mundo começam a ser usadas perto do fim do livro. A idéia talvez seja mostrar ao leitor que não apenas Cláudio está perdido, em conflito, mas sim praticamente todo o planeta.

Poderia, então, As armas e os barões ser classificado como um romance político ou de protesto? Sim e não. O romance foi escrito sob a sombra da ditadura, mas não há nele nenhum posicionamento político. Apolítico certamente não é, mas político ou de protesto, também não. Com a palavra, o próprio autor, que via e-mail respondeu a seguinte pergunta: "O romance foi escrito sob a sombra da ditadura e dos movimentos sociais que ocorreram no fim da década de 1960. Uma época bem diferente da que vivemos hoje, como bem sabemos. Mas, se um autor brasileiro quisesse escrever um romance 'politizado', digamos assim, nos nossos dias, ele conseguiria? Há sobre o que escrever? Você escreveria? Se sim, como pensaria esse romance?" A resposta: "Se tivesse escrito 'As armas e os barões' como um reflexo direto da realidade da época, isto é, sobre o exílio político e não sobre o exílio existencial, o livro não teria sido reeditado décadas depois, pois seria datado e limitado ao fato. Qualquer um pode escrever um romance 'politizado', mas o risco de ser um mau romance é enorme. Lembro de Stendhal: 'misturar política num romance é como dar um tiro de chanhão no meio de uma orquestra sinfônica'. Se há sobre o que escrever? Sempre há. Se eu escreveria? Não."

É interessante ver que, mesmo escrito entre 1966 e 1967, certos comentários de Cláudio Crasso sobre o Brasil permanecem intactos: "é um país de uma estranha e irônica dialética: as coisas nunca são ou não são, elas são e não são ao mesmo tempo; quando alguém tem uma opinião, ele é a favor, mas... ou então ele é contra, mas... os políticos são artistas: o que seria deles se não existissem os 'mas', os 'poréns', os 'todavias'?" E certas discussões parecem não ter fim, como quando ele fala que em alguma cidade européia "parece que o governo dá uma ajuda aos artistas, mesmo aos escritores, uma mensalidade por mês e a única exigência ― o livro pronto ― é que seja publicado numa das editoras daqui; é uma boa solução para quem deseja se dedicar à sua vocação: as pessoas ficam livres para criar, embora muita mediocridade possa viver à sombra disso, mas não esqueça que os medíocres também fazem parte da paisagem, eles também precisam se justificar".

Talvez "engajado" seja a palavra que mais se aproxima da realidade, mesmo não sendo o termo correto. Mas Flávio prefere não classificar o romance, e afirma que "talvez o melhor do livro seja sua liberdade criativa, atento apenas à linguagem e à estrutura." Para que perder tempo com classificações, aliás? O livro foi escrito e publicado para ser lido. Ainda mais um romance como As armas e os barões, obra de inquestionável qualidade e importância. Classificá-lo é um trabalho para burocratas, e não para leitores.

Para ir além






Rafael Rodrigues
Feira de Santana, 5/8/2008


Mais Rafael Rodrigues
Mais Acessadas de Rafael Rodrigues em 2008
01. Caio Fernando Abreu, um perfil - 28/10/2008
02. Meus melhores filmes de 2008 - 30/12/2008
03. As horas podres, de Jerônimo Teixeira - 21/3/2008
04. Jovens blogueiros, envelheçam - 18/4/2008
05. A última casa de ópio, de Nick Tosches - 19/8/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
5/8/2008
10h29min
Pode ser um livro que eu leia ainda esse ano, graças à sua resenha. Confio muito no que você indica. Parabéns pelo texto.
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




130 anos - Em Busca da República
9788551004968
Intrínseca
(2019)



As lutas do povo brasileiro - Do descobrimento a Canudos (História do Brasil)
Júlio José Chiavenato
Moderna
(1988)



Iracema / Ubirajara
José de Alencar
Edigraf



Mensagens Espirituais
Kahlil Gibran
Record



Educação e Reflexão
Pierre Furter
Vozes
(1973)



Das Confusões Desse Mundo de Águas
Adelson José Fontes Santos
Angellara
(1996)



O Fenômeno Humano Vol 16
Pierre Teilhard de Chardin
Tavares Martins
(1970)



Club Penguin - um Dia de Puffle
Disney
Melhoramentos
(2010)



Jango e Eu - Memórias de um Exílio sem Volta
João Vicente Goulart
Civilização Brasileira
(2016)



Vivendo Durante um Cancer
Marie Paule
Edusc
(1999)





busca | avançada
47592 visitas/dia
1,9 milhão/mês