Financiamento público para o Jornalismo? | Victor Barone | Digestivo Cultural

busca | avançada
51146 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Evoluir celebra o mês das crianças com contação de história
>>> Editora H1 chega com proposta de modelo híbrido de apresentação de conteúdo
>>> CONCERTO OSESP MASP TEM NOVA APRESENTAÇÃO GRATUITA DIA 20 DE OUTUBRO
>>> 14ª Visões Urbanas tem Urbaninhas com quatro espetáculos para crianças
>>> Visões Urbanas permanece online em sua 14ª edição
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> José Moutinho
>>> Palavra na Tela – Crítica
>>> Paternidade
>>> Soul Bossa Nova
>>> Walking Dead - O caminho dos mortos na cultura pop
>>> Anomailas, por Gauguin
>>> Público, massa e multidão
>>> Saints and Sinners
>>> Teledramaturgia ao vivo
>>> Os narradores de Eliane Caffé
Mais Recentes
>>> Curso de Direito Comercial - Direito de Empresa de Fábio Ulhoa Coelho pela Saraiva (2014)
>>> Direito Civil Brasileiro - Contratos e Atos Unilaterais vol. 3 de Carlos Roberto Gonçalves pela Saraiva (2012)
>>> Dicionário de Biblioteconomia e Arquivologia de Murilo Bastos da Cunha- Cordélia Robalinho Cavalcanti pela Briquet de Lemos (2008)
>>> A Year of Being Single de Fiona Collins pela Hq (2016)
>>> The Brightest Star in the Sky de Marian Keyes pela Penguin Books (2011)
>>> Contos Sombrios de Gabriel Maia pela Linhas Tortas (2019)
>>> Essentials of Marketing de McCarthy e Perreault pela Sixth Edition
>>> Java como Programar de Deitel pela Prentice Hall (2005)
>>> Leis do Amor de Francisco Candido Xavier pela Feb (1965)
>>> Seara dos Médiuns de Francisco Candido Xavier pela Feb (1985)
>>> Se Eu Não Te Amasse Tanto Assim de Valter Turini pela O Clarim (2009)
>>> Os Segredos do Casarão de Elizabeth Artmann pela Petit (1999)
>>> A Segunda Chance... de Alfredo Pardini pela O Clarim (2009)
>>> O Segredo das Bem Aventuranças de José Lázaro Boberg pela Eme (2009)
>>> Sementes e Contos de Lauro Pereira pela Procriart (1985)
>>> Segue-Me!... de Francisco Cândido Xavier pela O Clarim (1978)
>>> Direito Civil Brasileiro - Direito Família vol. 6 de Carlos Roberto Gonçalves pela Saraiva (2013)
>>> A Caçada Ao Lobo de Wall Street de Jordan Belfort pela Planeta (2014)
>>> Direito Civil Brasileiro - Direito das Coisas vol 5 de Carlos Roberto Gonçalves pela Saraiva (2007)
>>> Diário do Chaves de Roberto Gomez Bolanos pela Suma (2006)
>>> O Aliciador - Ele está sempre um passo à Frente de Donato Carrisi pela Record (2019)
>>> Isaac Newton e Sua Maçã de Kjartan Poskitt pela Cia. das Letras (2021)
>>> A riqueza da vida simples - Como escolhas mais inteligentes podem antecipar a conquista de seus sonhos de Gustavo Cerbasi pela Sextante (2019)
>>> Fênix: A Ilha - Livro 1 de John Diox pela Novo Conceito (2014)
>>> Direito do Trabalho 23 ª ed. de Sérgio Pinto Martins pela Atlas (2007)
COLUNAS

Sexta-feira, 5/12/2008
Financiamento público para o Jornalismo?
Victor Barone

+ de 5400 Acessos

Enquanto por aqui sindicatos e parte substancial da academia perdem tempo com uma luta de caráter corporativista que ganho nenhum trará ao Jornalismo ou aos jornalistas, lá fora novos olhares sobre as formas do "fazer jornalístico" são lançados sobre o mercado. Salvo um ou outro raio de luz dos que tentam clarear o debate aqui no Brasil, o que resta são trevas. Continuamos focados no mainstream.

Uma análise superficial sobre os canais de discussão do Jornalismo brasileiro deixa nítida a insatisfação de profissionais e gente interessada em boa informação com o que hoje está sendo feito nos "jornalões" e nas emissoras de TV. Um jornalismo de qualidade duvidosa, comprometido com o poder econômico, seduzido pela "espetacularização" da notícia, pouco comprometido com a essência do ofício.

Há saídas? Arrisco dizer que não há saídas fáceis. Para encontrá-las é preciso despir-se de dogmas e verdades absolutas sobre a profissão.

Algumas propostas têm surgido, em especial nos Estados Unidos. Se elas se adaptam à realidade brasileira, é algo a ser analisado com cuidado. O debate local já teve início em alguns blogs de cunho jornalístico como o Gjol e o Webmanario.

De imediato, o que estas propostas sugerem é que é possível estabelecer uma prática jornalística diferente do que está posto como única alternativa, do que é oferecido como prato feito aos milhares de recém-formados e profissionais que gravitam um mercado de trabalho saturado.

É fato que já há algum tempo jornalistas incentivam seus leitores a colaborarem financeiramente com seus blogs. Lá fora, Josh Marshall, Andrew Sullivan, Jason Kottke e Jim Hopkins adotaram esta tática com sucesso. Da mesma forma, o jornalista Chris Allbritton levantou US$ 15 mil entre seus leitores para financiar sua viagem ao Iraque em 2003, que rendeu o blog Back to Iraq. No Brasil, jornalistas como Pedro Doria e Alex Castro ― para citar alguns ― também descobriram o caminho das pedras. A novidade é a sistematização deste conceito como opção para o mercado.

Entre as propostas já em andamento está o jornalismo representativo, preconizado pelo professor Leonard Witt ― da Kennesaw State University ― e o jornalismo financiado (crowdfunding journalism), defendido por David Cohn. Ambos propõem um modelo no qual jornalistas sejam financiados diretamente por parcelas da população para desenvolverem pautas do interesse destas comunidades.

Uma das primeiras experiências concretas de um jornalismo financiado pela população ― ainda que mesclado com o chamado citizen journalism ― ocorreu ano passado por meio de uma parceria entre Cohn e Jay Rosen, professor da New York University. Ambos desenvolveram o projeto Assignment Zero, que não vingou. Hoje, duas experiências de jornalismo financiado estão em andamento, o Spot.us e o Representative Journalism.

No Spot.us, jornalistas freelancers são alimentados por sugestões de pauta e recursos financeiros provenientes da população residente na Bay Area de San Francisco. O Representative Journalism (ou RepJ), testa a idéia em Northfield (Minnesota), a partir de um jornalista full time que cobre assuntos de interesse da comunidade local e publica o material no site Locally Grown.

O Spot.us é fruto do trabalho de David Cohn, que investiu no projeto os US$ 340 mil que ganhou como bolsa da Knight Foundation.

Assim trabalha o Spot.us:

1. Qualquer pessoa sugere uma pauta que gostaria de ver transformada em reportagem.

2. Jornalistas freelancers se propõem a escrever estas reportagens, propondo um valor por este trabalho.

3. Uma vez que um jornalista tenha sido designado para uma determinada reportagem, as pessoas podem doar recursos para viabilizá-la (mas ninguém pode doar mais que 20% do custo total dela).

4. Quando a reportagem tiver angariado recursos suficientes para ser viabilizada, o jornalista a escreve. Neste momento, 10% do valor angariado é pago para custos de edição e revisão.

5. Com a reportagem pronta, veículos de comunicação têm uma oportunidade de adquirir os direitos exclusivos de sua publicação, pagando o custo integral por ela. Neste caso, os fundos adquiridos como doação popular são devolvidos aos doadores. Caso nenhum veículo se interesse em publicar a reportagem exclusivamente, ela é postada na Internet (no site Spot.us) e qualquer veículo de comunicação passa a ter o direito de reproduzi-la gratuitamente.

Em reportagem assinada pelo jornalista Mark Glaser, publicada no Mediashift, David Cohn assegura que esta é apenas uma forma de viabilizar este modelo de jornalismo. "Nunca tentei vender o Spot.us como fórmula para todas as organizações de mídia, embora possa vê-la ajudando a mostrar que é possível fazer algo além dos meios já estabelecidos. O Jornalismo baseado na comunidade repousa sobre dois pilares básicos. Primeiro: o leitor tem que pensar o Jornalismo como um bem público, como arte, algo que pode sustentar com seu próprio dinheiro. Segundo: os jornalistas têm que se envolver e dar sua marca pessoal para conquistar o público", afirma.

O RepJ trabalha de outra forma. Em vez de jornalistas freelancers designados e pagos por cada reportagem, optou-se por um jornalista contratado para trabalhar para uma determinada comunidade ou para desenvolver um assunto específico. Leonard Witt sugeriu a idéia para a Harnisch Family Foundation e obteve um investimento de US$ 51 mil para estabelecê-la na comunidade de Northfield, em Minnesota.

Para financiar o projeto, pretende-se reunir mil pessoas (ou grupos) que se comprometam a pagar anualmente a quantia de US$ 100,00. Para isso, o jornalista Bonnie Obremski iniciou um trabalho de imersão na comunidade, cuja população chega a 17 mil pessoas. "Temos que trabalhar em três fronts. 1) Temos que prover jornalismo de alta qualidade; 2) temos que fazer nosso jornalista conhecido pela comunidade; e 3) a comunidade tem que sentir que o seu jornalista e as notícias e informações que ele produz possuem valor parelho ao suporte financeiro provido por ela", afirma Witt.

Experiências do gênero, com diferenças sutis em seu formato, têm surgido com freqüência. Nelson de Sá publicou, no blog Toda Mídia, uma nota intitulada "Os novos cães de guarda?", onde cita reportagem do jornalista Richard Pérez-Peña, publicada no New York Times, sobre o site Voice of San Diego, um dos mais vigilantes veículos de comunicação no que diz respeito a fiscalização sobre o estado. O Voice of San Diego funciona no estilo "nonprofit", vive de doações, assim como o Propublica e o pequenino Crosscut.

Há quem critique estas propostas sob a égide da ética. Discutível, em especial frente ao direcionamento gerado por interesse econômico que vemos na grande mídia. Será pior escrever mediante o interesse de um setor da comunidade? Além disso, pode-se dizer que um "financiamento público do Jornalismo" teria características semelhantes à de uma assessoria de imprensa. Ocorre que, no Brasil, diferentemente de outros países como os Estados Unidos, a assessoria de imprensa é atribuição do jornalista. Portanto...

Outras objeções questionam se haverá público disposto a pagar pelas reportagens, ou se o alcance delas ― se limitadas aos sites das próprias organizações ― valerá o dinheiro investido. São questões importantes e que ― creio ― serão analisadas durante as experiências em vigência e em outras que virão. O importante é percebermos que há alternativas para o "fazer jornalístico" além das tradicionais e saturadas redações.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no Escrevinhamentos, blog de Victor Barone.


Victor Barone
Campo Grande, 5/12/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A firma como ela é de Adriane Pasa
02. Diário da Guerra do Corpo de Vicente Escudero
03. A vida sexual da mulher feia de Fabrício Carpinejar
04. Causos e coisas da internet de Daniela Castilho


Mais Victor Barone
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O monopólio do sagrado
Francisco Catão & Magno Vilela
Best Seller
(1994)



O Cérebro Consciente
Steven Rose
Alfa-omega
(1984)



Dom Casmurro
Machado de Assis
Circulo do Livro
(1992)



John Lennon
Juacir Alves
Usina de Letras
(1905)



Ritos de Passagem de Nossa Infância e Adolescência: Antologia
Fanny Abramovich Org.
Summus
(1985)



Tolerância Zero Ou Nova Prevenção
Letícia Núñez Almeida
Lumen Juris
(2015)



Projeto Carol Buffara. Dicas de Bem-estar, Alimentação Saudável
Carol Buffara
Arte Ensaio
(2014)



Vidas sem Norte
Eduardo Maffei
Brasiliense
(1980)



The Meaning of de Glorius Koran
Mohammed Marmaduke Pickthall
Mentor



Como Trabalhar os Sentimentos
Miguel Lucas
Loyola
(1990)





busca | avançada
51146 visitas/dia
1,8 milhão/mês