A Crise da música ― Parte 3/3 | Rafael Fernandes | Digestivo Cultural

busca | avançada
73958 visitas/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> 3ª Mostra de Teatro de Heliópolis recebe inscrições até 31 de maio
>>> Minute Media anuncia lançamento da plataforma The Players’ Tribune no Brasil
>>> Leonardo Brant ministra curso gratuito de documentários
>>> ESG como parâmetro do investimento responsável será debatido em evento da Amec em parceria com a CFA
>>> Jornalista e escritor Pedro Doria participa do Dilemas Éticos da CIP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
>>> PoloAC retoma temporada de Os Doidivanas
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Hitler, de Ian Kershaw, pela Companhia das Letras
>>> Livrarias em tempos modernos
>>> O que é a memética?
>>> O dinossauro de Augusto Monterroso
>>> Sobre o Jabá
>>> Você viveria sua vida de novo?
>>> Suicídio, parte 2
>>> Ferreira Gullar em dose única
>>> MPB: raízes e antenas conectadas
>>> Bernstein: 5ª de Shostakovich
Mais Recentes
>>> Milagres e Aparições de Nossa Senhora de Bridget Curran pela Fundamento (2010)
>>> Bible Time Bible readong era de Sociedade Bíblica do Brasil pela Sociedade Bíblica do Brasil (2000)
>>> El puñal magico de Vários Autores pela Ediciones en lenguas extranjeras beijing (1980)
>>> Epitaph of a small winner de Machado de Assis pela Bard (1979)
>>> The Peter Principles de Dr. Laurene J. Peter e Raymond Hull pela William Morrow and Company (1969)
>>> Mistery behind the wall de Gertrude Chandler Warner pela Scholastic inc (1991)
>>> Trotz allem ein Stuck Himmel de Max Ronner pela Gotthelf Verlag (1979)
>>> There is a tide de Agatha Christie pela Dell (1970)
>>> Cantora Revelação de Roberto Belli pela BrasiLeitura (2015)
>>> He - A Chave do Entendimento da Psicologia masculina de Robert A, Johnson pela Mercuryo (1987)
>>> She - A Chave do Entendimento da Psicologia Feminina de Robert A. Johnson pela Mercuryo (1987)
>>> Samuel Hazzan e José Nicolau Pompeo de Matemática Financeira pela Saraiva (2007)
>>> Jogos para a Estimulação das Múltiplas Inteligências de Celso Antunes pela Vozes (1998)
>>> Ao ponto da tristeza de Aaron Appelfeld pela Kinnet, Zmora-Bitan, Dvir (2012)
>>> Conhecer & Aprender - Sabedoria dos Limites e Desafios de Pedro Demo pela Artmed (2021)
>>> Stiletto de Harold Robbins pela Record (1980)
>>> Tudo Pela Vida de Danielle Steel pela Record (2003)
>>> Autobiografia De Malcolm X de Malcom X e Alex Haley pela Record (1992)
>>> Uma verdade inconveniente: O que devemos saber (e fazer) sobre o aquecimento global de Al Gore pela Manole (2021)
>>> Estatística Aplicada Às Ciências Sociais de Pedro Alberto Barbetta pela Ufsc (2006)
>>> Asas de Sandra Lya pela All Print (2000)
>>> Pedro A. Morettin; Wilton Oliveira Bussab de Estatística Básica pela Saraiva (2005)
>>> Estórias para contar de William Netto Candido pela Própria (2002)
>>> Matemática financeira e suas aplicações de Alexandre assaf Neto pela Atlas (2021)
>>> Ameaçada pelo Amor de Joanna Maitland pela Harlequin (2003)
COLUNAS >>> Especial Crise

Quarta-feira, 8/7/2009
A Crise da música ― Parte 3/3
Rafael Fernandes

+ de 7500 Acessos

Música em videogames
Uma das fontes de renda para bandas atualmente é a inclusão de músicas em jogos de videogame, como Guitar Hero ou Rock Band. Isso seria inimaginável há alguns anos, mas é assim que as coisas acontecem agora. Já existem até competições e "shows" com gente "tocando" os jogos. Não é loucura imaginar que próximo passo pode ser os jogadores criando suas próprias músicas a partir dos comandos aprendidos e distribuindo isso na rede. Esse tipo de estratégia é parte do que é chamado de "sincronização": a inclusão de músicas em filmes, séries etc. Não é algo absolutamente novo, mas tem ganhado destaque como mais uma forma de receita para os músicos.

Celulares
Cada vez mais são nosso centro de entretenimento e comunicação ― não foi à toa que Steve Jobs lançou o iPhone. Há dez anos, precisávamos de aparelhos de som, TV, video-cassete/DVD, computador, telefone fixo, máquina fotográfica, filmadora, videogame e computador. Agora, esse conteúdo migra para o que achávamos ser apenas um telefone móvel. No caso da música, vários são os sinais da sua importância: as operadoras já têm suas lojas de MP3 e há alguns anos têm sido lançados aparelhos temáticos com conteúdo de artistas, de High School Musical a U2. O Nine Inch Nails lançou recentemente uma aplicação para iPhone.

Investimento
Um artista que quer viver de sua música deve encarar a carreira como outro empreendimento qualquer ― como uma padaria ou um café. É preciso planejar, investir tempo e dinheiro e esperar o retorno ― que demora. Primeiro, há a preocupação em fazer uma música memorável e honesta: a criação artística deve ser intocável. A partir daí, é negócio. Então, só vai funcionar em vendas em grande escala ou num nicho que explore a diferenciação, para se ganhar em valor. Senão, tenha um outro trabalho e faça música no seu tempo livre ― a teoria do "sex & cash" de Hugh McLeod. Se você é produtor, ache um artista ou um modelo que venda. O governo pode ajudar em algum ponto, mas ele não pode e nem deve te salvar. Se você tem a síndrome de gênio incompreendido, achando sua "arte" é especial... Bem, pense de novo. Há milhões de outros "artistas" por aí. E ninguém se importa com você até que faça algo que preste.

Artista igual pedreiro
"Artista igual pedreiro" é a versão atual e brasileira do "do it yourself". É o título do álbum de estreia da boa banda Macaco Bong, de Cuiabá. Que é o conceito ― que eles usam ― do artista correr atrás, suar e fazer as coisas acontecerem, construindo tijolo por tijolo sua trajetória. Algo que também acontece com a Dani Gurgel, que está gravando seu disco novo via ArtistShare, e muitos outros da nova geração. O artista tem que se virar, além da parte artística em si: precisa ser o produtor, o vendedor de shows, o divulgador; deve saber criar orçamentos, escrever uma proposta de patrocínio, controlar dinheiro etc. Não adianta ficar esperando apoio ou produtores. Ajuda externa é sempre bem-vinda e num dado momento pode ser necessária. Porém, com o mercado duro e saturado, se o artista não andar com as próprias pernas e se não jogar nas 11 nada acontece. Tem que ser como o Didi naquele filme com o Pelé: cobrar escanteio e correr para a área para cabecear.

Shows?
Uma tendência comentada, quase unânime, é de que os artistas agora vão ganhar com shows. Correto. Mas há ao menos dois problemas:
1) Isso, obviamente, há anos já é uma fonte de renda dos músicos. Para muitos, inclusive, também há tempos a principal fonte de receita. A partir daqui, portanto, os músicos continuam com seu dinheiro das apresentações, mas não conseguem substituir as receitas perdidas com venda dos discos.
2) Qual a consequência? Maior concorrência para espetáculos musicais. Isso deve gerar um aumento de custos de produção, na tentativa de diferenciação e numa possível diminuição de valor dos ingressos. Um ponto positivo é que, diferente do que ocorre com um disco, quanto melhor e mais concorrido for seu show, mais é possível cobrar por ele. A questão é como chegar num nível em que se possa fazer um bom número de concertos com ingressos valorizados.

Esqueça do disco (ou quase isso)
Um álbum em formato físico não é mais o centro do negócio. Deve sobreviver, mas seu valor pode ser o mesmo que vender uma camiseta: só vai atender a um certo tipo de público. É claro que se ainda tiver demanda que justifique uma prensagem, o artista deve lançar. Como colocar suas músicas em sites como iMúsica, iTunes, eMusic etc.: a receita pode ser irrisória, mas é melhor ter do que não. Alguém pode argumentar que o CD é interessante para discos conceituais, que tenham uma história, ou algo assim. Mas o disco é uma limitação tecnológica: não é necessário para criar um conceito. O artista pode lançar uma música por mês, em datas significativas, a cada estação do ano, junto com um livro de fotos ou com uma camiseta ― as possibilidades são incontáveis. O Nine Inch Nails tem usado bem o disco como divulgação da turnê: em 2008 lançou The Slip de graça na internet (divulgando também versões físicas pagas) e anunciou as datas em seguida. Neste ano acertou uma série de shows com o Jane's Addiction e com o Street Sweeper Social Club (nova banda de Tom Morello). Juntos lançaram um EP com seis músicas, sendo duas músicas inéditas de cada banda. Também pode fazer sentido uma boa variedade de merchandising (se houver demanda) e edições especias (vide o próprio NIN, Dream Theater e Franz Ferdinand): se a venda em escala de um só produto está em queda, novos produtos podem valer à pena.

Contestando padrões
É preciso lembrar que houve um tempo em que a música só era executada ao vivo, em concertos. Depois, o negócio da música virou a edição de partituras. Em seguida, apareceram as jukeboxes. Daí os discos. Com isso o formato da música popular se difundiu nos três minutos de duração porque era o que cabia no disco, ou seja, uma limitação tecnológica. Quando eles ficaram com mais capacidade, começaram os lançamentos de coletâneas de músicas de diferentes artistas. Daí prum disco inteiro de apenas um músico foi um pulo. E desde então isso é tido como regra, mas é apenas uma limitação e um padrão de tecnologia. É preciso um rompimento para a descoberta do que funciona para cada artista. Por que é preciso juntar algumas músicas e lançar um disco? Por que é preciso repetir sempre o ciclo disco -> turnê de um ou dois anos? Por que é preciso fazer músicas de três minutos? Por que preciso de uma gravadora ou de um selo? Ou de uma distribuidora? Como posso fazer um show diferente? Como posso divulgar minha música de outra forma? Por mais tolas que pareçam ser essas perguntas, é necessário ampliar nossas visões, desatar os nós que o mercado um dia amarrou.

Finalmentes
Já é considerado falido o antigo modelo. Todos estão procurando outras formas de criar, divulgar e vender a música. É preciso mudar a mentalidade ao analisar esse mercado, deixando para trás boa parte dos conceitos de outrora. O momento, como no caso do jornalismo, é de apreensão: o que se conhecia como padrão, ruiu. O novo ainda é incerto e disperso. O que não muda: se você vai montar uma banda ou gravar algumas músicas, trabalhe duro, seja diferenciado e memorável. Como já disse Seth Godin: "Se as pessoas não falam de você é porque você é chato". Seja criativo, ofereça às pessoas algo que valha a pena e cuide bem de seus fãs. Apareça e deixe a música fluir e ser compartilhada, mas sem avacalhar e permitir que ela seja banalizada: valorize seu trabalho.

Leituras recomendadas
Há muitas ideias interessantes sendo trocadas na internet sobre o mercado da música. A leitura de sites, blogs, PDFs e afins ajuda a clarear as ideias. Eis alguns sites e pessoas que tenho acompanhado.

10 PDFs sobre música (em inglês)
Derek Silvers (criador do CDBaby)
Future of music
Hypebot
Media Futurist
Music Think Tank
Música LíquidaPena Schmidt
― Pedro Alexandre Sanches, no blog auto-intitulado e no Ruído. Destaque para entrevistas de categoria com o Pena Schimdt e com o André Midani
Remixtures
Seth Godin
Think Tank brasileiro


Rafael Fernandes
Sorocaba, 8/7/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A entranha aberta da literatura de Márcia Barbieri de Jardel Dias Cavalcanti
02. A Carmen Miranda de Ruy Castro de Julio Daio Borges
03. Invasões bárbaras de Urariano Mota


Mais Rafael Fernandes
Mais Acessadas de Rafael Fernandes em 2009
01. 10 músicas: Michael Jackson - 22/7/2009
02. A Crise da música ― Parte 1/3 - 25/3/2009
03. A Crise da música ― Parte 2/3 - 29/4/2009
04. Chinese Democracy: grande disco - 25/2/2009
05. A Crise da música ― Parte 3/3 - 8/7/2009


Mais Especial Crise
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




José Resende Entrevista a Lúcia Carneiro
José Resende
Lacerda
(1999)



Máscaras Reveladas
M. L. Pontes
Modo
(2014)



Natal Especial
Halia Pauliv de Souza
Vozes
(2003)



Histoire de La Civilisation Antique
Th Zielinski
Payot
(1931)



Os Fornecedores de Cana e o Estado Intervencionista
Delma Pessanha Neves
Uff
(1997)



Etat et Société En Allemagne Sous Iii Reich
Gilbert Krebs e Gérard Schneilin
Presses Sorbonne Nouvelle
(1997)



La Roja Lampara del Incesto
Robin Fox
Fondo de Cultura Economica
(1990)



Histórico dos Logradouros de Carazinho
Lio Guerra Bocorny
Fundescar
(1995)



Reforma Essencial, A
Roberto Nogueira Ferreira
Geração
(2002)



Juventude, Realidade de Hoje, Perspectivas para o Amanhã
Associação Cultural Arquidiocese de S S do Rj
Acassrj
(2000)





busca | avançada
73958 visitas/dia
2,5 milhões/mês