Como se vive uma vida vazia? | Roberta Resende | Digestivo Cultural

busca | avançada
37024 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 1/4/2010
Como se vive uma vida vazia?
Roberta Resende

+ de 5600 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Em que pese todo o auê a respeito do filme argentino que levou o Oscar de melhor filme estrangeiro (O segredo dos seus olhos), tenho que dizer que não gostei tudo isso do filme. Ele é muitíssimo bem-feito, sem dúvida nenhuma. Prende a atenção, é bem filmado. O que me incomodou não está aí, na parte técnica. Tampouco na trama principal. Explico. A história principal é boa, forte, é capaz de prender-nos e de mostrar-se verossímil. A narrativa que corre por baixo, o crime ocorrido no passado, contudo, é que me desagradou. Soou-me norte-americano demais, tanto em sua temática quanto no abuso de alguns recursos. Explico-me novamente.

Benjamín Espósito é funcionário de um fórum em Buenos Aires; trabalha em um gabinete judicial que concentra também funções investigativas. O gabinete comporta um juiz titular mais antigo e uma juíza assistente, novata, uma jovem e bela mulher por quem Benjamín se enamora (apaixona?). Acontece um crime violento e Benjamín, chamado para atuar no caso, acaba se envolvendo mais do que profissionalmente com alguns de seus personagens ― principalmente o viúvo e o executor do crime.

Em paralelo, Benjamín é correspondido em seu interesse pela juíza, mas nunca se declara. O crime que buscam desvendar os une, trabalham juntos pela mesma causa, passam perigos juntos, mas não tratam, em nenhum momento, do assunto da atração mútua, que permanece restrita aos olhares que trocam.

Há um momento da investigação, contudo, que se aproximam por demais do perigo. É bom lembrar que a história se passa na década de 70, época em que a Argentina vivia uma ditadura cruel, que "sumia" com os opositores do regime sem pestanejar. Essa mesma força podia ser usada também para calar qualquer um que desagradasse uma autoridade, caso de Benjamín, que tinha um desafeto na polícia. Não há outra saída para Benjamín a não ser deixar Buenos Aires, mudar-se para o interior. A juíza poderia ficar, era "uma Menendéz Hastings", seu pai estava avisado do perigo, ela seria protegida ― e aqui entrevemos a nossa América Latina, onde alguns são mais cidadãos que outros. E eles se separam.

A vida de Benjamín, no presente, é olhar para aquele ponto fixado há 25 anos e se fazer perguntas. O crime foi desvendado: a partir dos olhares que o assassino deitava para a vítima, Benjamín chegou à autoria, e percebendo a perversão nesse mesmo olhar, a juíza levou o autor à confissão. Mas Benjamín não desvendou como o viúvo, Ricardo Morales, fez para preencher "uma vida vazia". Morales não pôde viver o seu grande amor porque sua esposa foi brutalmente assassinada. Mas e ele, Benjamín, por que não viveu o algo que sentia pela juíza? Nunca o nomeou, nunca o soube nomear nem para si ― faltou-lhe, por muitos anos, uma letra para completar-lhe o sentido do que nutria por ela, conforme a metáfora de que se vale a película. Por que Sandoval, seu colega de repartição, morreu em seu lugar, deixando para ele a vida (vazia) para ser vivida?

Como se vive uma vida vazia é a pergunta que o alimenta, que não lhe sai da cabeça. Foi para respondê-la que viveu, que escreve um romance sobre o passado. E, ao terminá-lo, consegue a letra que faltava para ressignificar o que sentia pela juíza.

Esse percurso narrativo é inteligente, charmoso, reúne elementos atraentes: romance, investigação, destino, passado, amores não vividos, escrever para entender-se; as perguntas postas são instigantes e universais, pertinentes a todos os seres humanos, argentinos ou não, sul-americanos ou não. Os atores são sobretudo carismáticos ― (a produção não se arrisca muito, escolhe o rosto mais conhecido do cinema argentino na atualidade, o já popular Ricardo Darín).

O que incomoda, no entanto, é a temática e o tom conferidos à história que se entremeia à narrativa principal. Trata-se, o crime, de estupro seguido de morte de jovem e bela mulher, feliz em seu recente casamento. O filme trabalha incessantemente com a imagem chocante da moça morta, nua, ensanguentada e muito machucada, em contraponto à fotografia em que aparece sorridente. A cena é trazida à baila repetidas vezes, sempre a partir de cortes abruptos na sequência do filme, retomando a atenção/tensão da plateia. A tara sexual do homicida também é intensamente explorada ― é percebida pela juíza (que se lança como isca) e a usa para obter-lhe a confissão. E o que dizer, então, da norte-americaníssima solução encontrada pelo viúvo para viver a sua vida vazia?

Sob esse aspecto, a meu ver, o filme decepciona. O cinema argentino vinha ganhando respeito e admiração mundo afora exatamente por ousar contar histórias simples, cotidianas, de maneira sedutora. Ostentaria uma maneira diferente, nova, criativa de fazer cinema. Diferente de nós, brasileiros, que ainda fazemos teses sociológicas para tentar explicar nossa sociedade injusta e desigual, mas também diferente dos norte-americanos, do cinemão hollywoodiano, onde qualquer homem comum tem que virar herói para figurar em uma película, onde o mal tem que ser extremo para se distinguir do bem.

No entanto, o crime que persegue Benjamín em seu passado reúne exatamente os ingredientes pelos quais são obcecados os norte-americanos, para quem o mal se encarna sob a forma de crimes sexuais e precisa ser banido, perseguido policialmente, ou revidado em moeda igualmente violenta, torturante.

Confesso que preferia ver o cinema argentino valendo-se de outros recursos. Poderia ser outro o crime, outras as circunstâncias, o mote principal se sustentaria sem o apelo proporcionado pelo estupro seguido de morte, pela vingança lenta e fria. Será que precisamos ― agora até os argentinos (!), tão ciosos de suas particularidades ― copiar nesse grau a cultura norte-americana? Não terá sido fácil agradar a Academia, com a reunião desses elementos?

Há, não tenho dúvida, outros crimes para serem contados, outras maneiras de preencher nossas vidas, que facilmente podem ser vazias, inclusive de criatividade.


Roberta Resende
São Paulo, 1/4/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Meio-dia no Rio de Janeiro de Marta Barcellos
02. A eterna Sagração da Primavera, de Stravinsky de Jardel Dias Cavalcanti
03. E-mails a um jovem resenhista de Rafael Rodrigues
04. Diálogos improváveis de Fabio Silvestre Cardoso
05. Trocando os presentes do Natal passado de Sol Moras


Mais Roberta Resende
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
2/4/2010
12h09min
Concordo plenamente com o artigo. O filme é muito bonito, enche os olhos, tem um ritmo que respeita a inteligência humana, diferente do cinema USA - onde se tenta a todo custo esconder as deficiências e a precariedade de enredo e roteiro geralmente superficiais e moralistas. Mas "O Segredo..." tem um clima conservador pairando o tempo todo, e, embora citique a ditadura, acaba agindo como a mesma: perseguindo e pré-julgando, tornando a investigação policial em objeto fetichizado, voyerizado, suscitando sentimentos de justiça com as própiras mãos na plateia, despertando pena em vez de consciência crítica. Por trás de um verniz de arte se esconde a lógica e a ideologia de nosso tempo, sem contestação de suas mazelas, tão gritantes na Argentina e no restante da América Latina de nossos dias. O filme, ao ir na direção do Oscar, deixou de lado sua chance de reflexão e arte verdadeira, e essa influência, com certeza, será sentida, queira ou não, nas produções latinas que ainda virão.
[Leia outros Comentários de Luciano ]
5/4/2010
07h27min
Pobre Campanella. Depois de fazer mais um filme de sua obra extraordinária, é brindado pelo mais tosco dos clichês: o do texto crítico metido a politicamente correto, como se ganhar o Oscar fosse uma espécie de condenação no tribunal da pseudovanguarda cultural. Pobre Ricardo Darin, que ao protagonizar novamente mais um filme de Campanella, como faz desde o início da carreira, é acusado de "popular", como se sua presença fosse uma espécie de apelação comercial, enquanto nada mais é do que a coerente atuação na melhor e mais importante linhagem cinematográfica do nosso tempo. Pobre cinema brasileiro, que caiu, com algumas exceções, no ramerrão da pornografia depois de ter atingido o esplendor, numa decadência que atinge de frente a crítica cinematográfica. Pobre jornalismo cultural, que se quer acima do talento invocando o plágio dos americanos onde existe um filme que navega nas águas da liteatura policial clássica e na tradição de cinema de denúncia. Chore por nós, Argentina.
[Leia outros Comentários de Nei Duclós]
12/4/2010
16h56min
Assisti ao filme e discordo da autora com relação à sua "norte-americanização". Ele é basicamente policial e por isso precisa partir de um crime, desenvolver um processo de investigação e descobrir quem foi o assassino e quais foram suas motivações. A escolha do crime de estupro com morte da vítima não foi gratuita, muito pelo contrário, apropriada ao se relacionar com as outras vertentes do filme: o interesse de Espósito pela juíza, o vício (paixão) de Sandoval pelo álcool, a paixão do assassino pela vítima, a fixação do marido na justiça correta (prisão perpétua) etc. Como Sandoval explica no filme, a pessoa pode mudar tudo, menos sua paixão. A exposição do corpo mutilado não foi excessiva, apenas o suficiente para marcar a fixação dos envolvidos com o crime, que altera bastante a vida deles. Darín, mais que popular, está ótimo no seu personagem, uma escolha acertada do diretor. A única coisa que não gostei foi o final feliz para Espósito e a juíza, ranço americano.
[Leia outros Comentários de José Frid]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




OBRAS PÚBLICAS - LICITAÇÃO, CONTRATAÇÃO, FISCALIZAÇÃO E UTILIZAÇÃO - NOVOS TEXTOS SOBRE BDI, REGIME DE EXECUÇÃO, PREGÃO, MEDIÇÕES, PROJETO E ADITIVOS.
CLÁUDIO SARIAN ALTOUNIAN
FÓRUM
(2009)
R$ 6,00



LUXÚRIA DOIS
JUDITH KRANTZ
RECORD
(1994)
R$ 5,00



PROJETO ARARIBÁ GEOGRAFIA 7º ANO
ED. MODERNA
MODERNA
(2010)
R$ 6,00



TEX Nº 77 - JULHO 1977 - PESADELO!
G. L. BONELLI
VECCHI
(1977)
R$ 8,00



FINAL TARGET
IRIS JOHANSEN
BANTAM BOOKS
(2001)
R$ 10,00



O GALO QUE PERDEU O CANTO - COLEÇÃO GIRASSOL
JULIETA DE GODOY LADEIRA
MODERNA
(1990)
R$ 14,50



VISIONS OF THE EAST: ORIENTALISM IN FILM
MATTHEW BERNSTEIN; GAYLYN STUDLAR
RUTGERS UNIVERSITY PRESS
(1997)
R$ 80,00



PRA VALER
MAURICIO LOUZADA
ALL PRINT
(2011)
R$ 10,00



O PRÍNCIPE MAQUIAVEL
MAQUIAVEL
LPM POCKET
(2009)
R$ 5,00



UM DIA DAQUELES
BRADLEY TREVOS GREIVE
SEXTANTE
(2001)
R$ 5,00





busca | avançada
37024 visitas/dia
1,4 milhão/mês