Como se vive uma vida vazia? | Roberta Resende | Digestivo Cultural

busca | avançada
76521 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Rodolpho Parigi participa de live da FAAP
>>> Para fugir de ex-companheiro brasileira dá volta ao mundo com pouco dinheiro
>>> Zé Guilherme encerra série EntreMeios com participação da cantora Vania Abreu
>>> Bricksave oferece vistos em troca de investimentos em Portugal
>>> Projeto ‘Benzedeiras, tradição milenar de cura pela fé’ é lançado em multiplataformas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Cinema e os Direitos Humanos
>>> Elogio Discreto: Lorena Calábria e Roland Barthes
>>> Se a vida começasse agora
>>> 9/11 books
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Cidade de Deus, de Paulo Lins
>>> Humberto Alitto
>>> Orra, meu
>>> A forca de cascavel — Angústia (Fuvest)
>>> Meu tio
Mais Recentes
>>> Ilustrado de Miguel Syjuco pela Companhia das Letras (2011)
>>> Revista Viagem e Turismo - Ano 20 – Nº 2 - Quatro Roteiros na Itália Pra Ver Antes de Morrer de Vários Autores pela Abril (2015)
>>> Guia do Executivo Porto Alegre 1998 de Vários Autores pela Gazeta Mercantil (1998)
>>> Guia Quatro Rodas Brasil 2002 de Vários Autores pela Abril (2002)
>>> Éfeso de Naci Keskin pela Keskin Colors (2012)
>>> Clube do Livro, Ser Leitor - que diferença faz? de Luzia de Maria pela Literária (2009)
>>> The Good Life Guide to Sydney de Tessa Mountstephens pela Hark! (1996)
>>> Matemática - 8º Ano - 6º Edição de Edwaldo Bianchini pela Moderna (2006)
>>> Encontro com a Begõnia de Nilza de Oliveira pela Imagem (2014)
>>> Buenos Aires de Boca a River de Joaquim da Fonseca pela Artes e Ofícios (1996)
>>> Brisa Bia, Brisa Bel de Ana Maria Machado pela Record (1999)
>>> Barcelona – Um Ano Com 365 Dias de Marcos Eizerik pela Age (2008)
>>> De Mala e Cuia – Tudo o Que Você Precisa Saber Para Morar, Estudar, Trabalhar e se Divertir na Europa de Adriana Setti pela Jaboticaba (2005)
>>> Quebra de Confiança de Quebra de Confiança Harlan Coben pela Arqueiro (2011)
>>> Viajando pela Europa e Pelo Mundo de José Cretella Júnior pela T. A. Queiroz (1985)
>>> Silêncio na Floresta de Harlan Coben pela Benvirá (2009)
>>> A Nova História Cultural de Lynn Hunt pela Martins Fontes (1992)
>>> O Livro dos Espíritos de Allan Kardec pela Círculo do Livro (1993)
>>> Não Conte a Ninguém de Harlan Coben pela Arqueiro (2009)
>>> Cyrano de Bergerac de Edmond Rostand pela Nova Cultural (2003)
>>> O Livro dos Incensos de Steven R. Smith pela Roca (1994)
>>> Confie Em Mim de Harlan Coben pela Arqueiro (2009)
>>> Romeu e Julieta - Macbeth - Otelo, O Mouro de Veneza de William Shakespeare pela Nova Cultural (2003)
>>> Consciência Cósmica de Rosabis Camaysar pela Lorenz (1994)
>>> Alta Tensão de Harlan Coben pela Arqueiro (2011)
>>> Os Sentidos do Trabalho - Ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho de Ricardo Antunes pela Boitempo (2000)
>>> Luta Armada no Brasil do Anos 60 e 70 de Jaime Sautchuk pela Anita Garibaldi (1995)
>>> Jogada Mortal de Harlan Coben pela Arqueiro (2011)
>>> Quando Ela Se Foi de Harlan Coben pela Arqueiro (2011)
>>> Descartes The Project of Pure Enquiry de Bernard Williams pela Routledge (2005)
>>> Desaparecido para Sempre de Harlan Coben pela Arqueiro (2010)
>>> Seis Anos Depois de Harlan Coben pela Arqueiro (2014)
>>> Estatuto da Criança e do Adolescente de Vários Autores pela Pmpa (2003)
>>> O Inocente de Harlan Coben pela Arqueiro (2013)
>>> A Dama das Camélias de Alexandre Dumas Filho pela Nova Cultural (2003)
>>> Equilíbrio Total Através da Parapsicologia de Miguel Lucas pela Almed (1981)
>>> Casa de Bonecas de Henrik Ibsen pela Nova Cultural (2003)
>>> O Poder da Oração para Mulheres de Jackie M. Johnson pela Povket ouro (2013)
>>> Jesus como Terapeuta - O Poder Curador das Palavras de Anselm Grün pela Vozes (2013)
>>> Manual do Astrônomo Amador de Jean Nicolini pela Papirus (1991)
>>> As Três Irmãs de Anton Tchekov pela Nova Cultural (2002)
>>> Constituição da República Federativa do Brasil de Alexandre de Moraes (Org.) pela Atlas (2001)
>>> Constituição da República Federativa do Brasil de Vários Autores pela Saraiva (2000)
>>> O Livro Secreto do Banheiro Feminino de Jo Barrett pela Essência/Planeta (2008)
>>> Código de Hamurabi – Código de Manu – Lei das XII Tábuas de Jair Lot Vieira (Superv.) pela Edipro (2002)
>>> Manual de Prática Forense Civil de Edson Cosac Bortolai pela Revista dos Tribunais (2003)
>>> Vade Mecum Método Cívil 2016 de Vários Autores pela Método (2016)
>>> Nossa próxima atração. O interprograma do Canal 3 de Mário Fanucchi pela Edusp (1996)
>>> Evaristo de Moraes Filho – 100 Anos de Vida Contribuição à Sociologia e ao Direito do Trabalho de Eliana Gonçalves da Fonte Pessanha e Outros (Orgs.) pela Ministério do Trabalho (2016)
>>> O tempo e a alma de Jacob Needleman pela Ediouro (1999)
COLUNAS

Quinta-feira, 1/4/2010
Como se vive uma vida vazia?
Roberta Resende

+ de 5700 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Em que pese todo o auê a respeito do filme argentino que levou o Oscar de melhor filme estrangeiro (O segredo dos seus olhos), tenho que dizer que não gostei tudo isso do filme. Ele é muitíssimo bem-feito, sem dúvida nenhuma. Prende a atenção, é bem filmado. O que me incomodou não está aí, na parte técnica. Tampouco na trama principal. Explico. A história principal é boa, forte, é capaz de prender-nos e de mostrar-se verossímil. A narrativa que corre por baixo, o crime ocorrido no passado, contudo, é que me desagradou. Soou-me norte-americano demais, tanto em sua temática quanto no abuso de alguns recursos. Explico-me novamente.

Benjamín Espósito é funcionário de um fórum em Buenos Aires; trabalha em um gabinete judicial que concentra também funções investigativas. O gabinete comporta um juiz titular mais antigo e uma juíza assistente, novata, uma jovem e bela mulher por quem Benjamín se enamora (apaixona?). Acontece um crime violento e Benjamín, chamado para atuar no caso, acaba se envolvendo mais do que profissionalmente com alguns de seus personagens ― principalmente o viúvo e o executor do crime.

Em paralelo, Benjamín é correspondido em seu interesse pela juíza, mas nunca se declara. O crime que buscam desvendar os une, trabalham juntos pela mesma causa, passam perigos juntos, mas não tratam, em nenhum momento, do assunto da atração mútua, que permanece restrita aos olhares que trocam.

Há um momento da investigação, contudo, que se aproximam por demais do perigo. É bom lembrar que a história se passa na década de 70, época em que a Argentina vivia uma ditadura cruel, que "sumia" com os opositores do regime sem pestanejar. Essa mesma força podia ser usada também para calar qualquer um que desagradasse uma autoridade, caso de Benjamín, que tinha um desafeto na polícia. Não há outra saída para Benjamín a não ser deixar Buenos Aires, mudar-se para o interior. A juíza poderia ficar, era "uma Menendéz Hastings", seu pai estava avisado do perigo, ela seria protegida ― e aqui entrevemos a nossa América Latina, onde alguns são mais cidadãos que outros. E eles se separam.

A vida de Benjamín, no presente, é olhar para aquele ponto fixado há 25 anos e se fazer perguntas. O crime foi desvendado: a partir dos olhares que o assassino deitava para a vítima, Benjamín chegou à autoria, e percebendo a perversão nesse mesmo olhar, a juíza levou o autor à confissão. Mas Benjamín não desvendou como o viúvo, Ricardo Morales, fez para preencher "uma vida vazia". Morales não pôde viver o seu grande amor porque sua esposa foi brutalmente assassinada. Mas e ele, Benjamín, por que não viveu o algo que sentia pela juíza? Nunca o nomeou, nunca o soube nomear nem para si ― faltou-lhe, por muitos anos, uma letra para completar-lhe o sentido do que nutria por ela, conforme a metáfora de que se vale a película. Por que Sandoval, seu colega de repartição, morreu em seu lugar, deixando para ele a vida (vazia) para ser vivida?

Como se vive uma vida vazia é a pergunta que o alimenta, que não lhe sai da cabeça. Foi para respondê-la que viveu, que escreve um romance sobre o passado. E, ao terminá-lo, consegue a letra que faltava para ressignificar o que sentia pela juíza.

Esse percurso narrativo é inteligente, charmoso, reúne elementos atraentes: romance, investigação, destino, passado, amores não vividos, escrever para entender-se; as perguntas postas são instigantes e universais, pertinentes a todos os seres humanos, argentinos ou não, sul-americanos ou não. Os atores são sobretudo carismáticos ― (a produção não se arrisca muito, escolhe o rosto mais conhecido do cinema argentino na atualidade, o já popular Ricardo Darín).

O que incomoda, no entanto, é a temática e o tom conferidos à história que se entremeia à narrativa principal. Trata-se, o crime, de estupro seguido de morte de jovem e bela mulher, feliz em seu recente casamento. O filme trabalha incessantemente com a imagem chocante da moça morta, nua, ensanguentada e muito machucada, em contraponto à fotografia em que aparece sorridente. A cena é trazida à baila repetidas vezes, sempre a partir de cortes abruptos na sequência do filme, retomando a atenção/tensão da plateia. A tara sexual do homicida também é intensamente explorada ― é percebida pela juíza (que se lança como isca) e a usa para obter-lhe a confissão. E o que dizer, então, da norte-americaníssima solução encontrada pelo viúvo para viver a sua vida vazia?

Sob esse aspecto, a meu ver, o filme decepciona. O cinema argentino vinha ganhando respeito e admiração mundo afora exatamente por ousar contar histórias simples, cotidianas, de maneira sedutora. Ostentaria uma maneira diferente, nova, criativa de fazer cinema. Diferente de nós, brasileiros, que ainda fazemos teses sociológicas para tentar explicar nossa sociedade injusta e desigual, mas também diferente dos norte-americanos, do cinemão hollywoodiano, onde qualquer homem comum tem que virar herói para figurar em uma película, onde o mal tem que ser extremo para se distinguir do bem.

No entanto, o crime que persegue Benjamín em seu passado reúne exatamente os ingredientes pelos quais são obcecados os norte-americanos, para quem o mal se encarna sob a forma de crimes sexuais e precisa ser banido, perseguido policialmente, ou revidado em moeda igualmente violenta, torturante.

Confesso que preferia ver o cinema argentino valendo-se de outros recursos. Poderia ser outro o crime, outras as circunstâncias, o mote principal se sustentaria sem o apelo proporcionado pelo estupro seguido de morte, pela vingança lenta e fria. Será que precisamos ― agora até os argentinos (!), tão ciosos de suas particularidades ― copiar nesse grau a cultura norte-americana? Não terá sido fácil agradar a Academia, com a reunião desses elementos?

Há, não tenho dúvida, outros crimes para serem contados, outras maneiras de preencher nossas vidas, que facilmente podem ser vazias, inclusive de criatividade.


Roberta Resende
São Paulo, 1/4/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Uma suposta I.C. de Elisa Andrade Buzzo
02. O tremor na poesia, Fábio Weintraub de Jardel Dias Cavalcanti
03. Neste Natal etc. e tal de Elisa Andrade Buzzo
04. Os dinossauros resistem, poesia de André L Pinto de Jardel Dias Cavalcanti
05. O bosque das almas infratoras de Elisa Andrade Buzzo


Mais Roberta Resende
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
2/4/2010
12h09min
Concordo plenamente com o artigo. O filme é muito bonito, enche os olhos, tem um ritmo que respeita a inteligência humana, diferente do cinema USA - onde se tenta a todo custo esconder as deficiências e a precariedade de enredo e roteiro geralmente superficiais e moralistas. Mas "O Segredo..." tem um clima conservador pairando o tempo todo, e, embora citique a ditadura, acaba agindo como a mesma: perseguindo e pré-julgando, tornando a investigação policial em objeto fetichizado, voyerizado, suscitando sentimentos de justiça com as própiras mãos na plateia, despertando pena em vez de consciência crítica. Por trás de um verniz de arte se esconde a lógica e a ideologia de nosso tempo, sem contestação de suas mazelas, tão gritantes na Argentina e no restante da América Latina de nossos dias. O filme, ao ir na direção do Oscar, deixou de lado sua chance de reflexão e arte verdadeira, e essa influência, com certeza, será sentida, queira ou não, nas produções latinas que ainda virão.
[Leia outros Comentários de Luciano ]
5/4/2010
07h27min
Pobre Campanella. Depois de fazer mais um filme de sua obra extraordinária, é brindado pelo mais tosco dos clichês: o do texto crítico metido a politicamente correto, como se ganhar o Oscar fosse uma espécie de condenação no tribunal da pseudovanguarda cultural. Pobre Ricardo Darin, que ao protagonizar novamente mais um filme de Campanella, como faz desde o início da carreira, é acusado de "popular", como se sua presença fosse uma espécie de apelação comercial, enquanto nada mais é do que a coerente atuação na melhor e mais importante linhagem cinematográfica do nosso tempo. Pobre cinema brasileiro, que caiu, com algumas exceções, no ramerrão da pornografia depois de ter atingido o esplendor, numa decadência que atinge de frente a crítica cinematográfica. Pobre jornalismo cultural, que se quer acima do talento invocando o plágio dos americanos onde existe um filme que navega nas águas da liteatura policial clássica e na tradição de cinema de denúncia. Chore por nós, Argentina.
[Leia outros Comentários de Nei Duclós]
12/4/2010
16h56min
Assisti ao filme e discordo da autora com relação à sua "norte-americanização". Ele é basicamente policial e por isso precisa partir de um crime, desenvolver um processo de investigação e descobrir quem foi o assassino e quais foram suas motivações. A escolha do crime de estupro com morte da vítima não foi gratuita, muito pelo contrário, apropriada ao se relacionar com as outras vertentes do filme: o interesse de Espósito pela juíza, o vício (paixão) de Sandoval pelo álcool, a paixão do assassino pela vítima, a fixação do marido na justiça correta (prisão perpétua) etc. Como Sandoval explica no filme, a pessoa pode mudar tudo, menos sua paixão. A exposição do corpo mutilado não foi excessiva, apenas o suficiente para marcar a fixação dos envolvidos com o crime, que altera bastante a vida deles. Darín, mais que popular, está ótimo no seu personagem, uma escolha acertada do diretor. A única coisa que não gostei foi o final feliz para Espósito e a juíza, ranço americano.
[Leia outros Comentários de José Frid]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




EU VIM NU/ DEPOIS DA TEMPESTADE/ MOZART PARTE AS 9/ QUANDO LEÃO FOME
AUTORES DIVERSOS
YPIRANGA
(1965)
R$ 10,00



AS PUPILAS DO SENHOR REITOR (TOMO II)
JÚLIO DINIZ
MINHA
R$ 4,35



MEMÓRIAS DE VIAGEM DOS PROFESSORES DO RECIFE
VÁRIOS
PCR
(2003)
R$ 20,00



COLEÇÃO ANALYTICA EM 5 VOLUMES
DIREÇÃO; JAYME SALOMÃO
IMAGO
(1981)
R$ 150,00



PS BEIJEI
ADRIANA FALCÃO E MARIANA VERÍSSIMO
SALAMANDRA
(2004)
R$ 9,80



PARA GOSTAR DE LER VOL 15 A CADEIRA DO DENTISTA
CARLOS EDUARDO NOVAES
ATICA
(2008)
R$ 9,90



BECKY BLOOM - DELÍRIOS DE CONSUMO NA 5º AVENIDA
SOPHIE KINSELLA
RECORD
(2003)
R$ 10,00



PETITE CHIRURGIE
J. MAISONNET
OCTAVE DOIN
(1928)
R$ 39,20



SER SOCIAL 8: DIREITOS HUMANOS E POLÍTICAS SOCIAIS
REVISTA SER SOCIAL
UNB
(2001)
R$ 8,00



PENSAMENTOS QUOTIDIANOS, VOL 10
OMRAAM MIKHAEL AIVANHOV
PROSVETA
(1997)
R$ 27,70





busca | avançada
76521 visitas/dia
2,1 milhões/mês