Meus álbuns: '00 - '09 ― Pt. 2 | Rafael Fernandes | Digestivo Cultural

busca | avançada
74915 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Com 21 apresentações gratuitas, FLOW Literário aborda multi linguagens da literatura
>>> MASP, Osesp e B3 iniciam ciclo de concertos online e gratuitos
>>> Madeirite Rosa apresenta versão online de A Luta
>>> Zeca Camargo participa de webserie sobre produção sustentável de alimentos
>>> Valéria Chociai é uma das coautoras do novo livro Metamorfoses da Maturidade
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Fio desemcapado
>>> Verbo a(fiado)
>>> Janelário
>>> A vida é
>>> (...!)
>>> Notívagos
>>> Sou rosa do deserto
>>> Os Doidivanas: temporada começa com “O Protesto”
>>> Zé ninguém
>>> Também no Rio - Ao Pe. Júlio Lancellotti
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Os Axiomas de Zurique, de Max Gunther
>>> Sou diabético
>>> 3 de Maio #digestivo10anos
>>> O Joca me adora
>>> A volta das revistas eletrônicas
>>> As duas divas da moderna literatura romântica
>>> Entrevista com Rogério Pereira
>>> Bafana Bafana: very good futebol e só
>>> Suspense, Crimes ... e Livros!
>>> Entrevista com Michel Laub
Mais Recentes
>>> Contrapontos em Linguagem & Educação de Luciane de Lima - Márcia Letícia Gomes - Sérgio Nunes de Jesus pela Snj (2005)
>>> Titulo de Aut pela Abc (1999)
>>> Razão e Violência de R D Laing - D G Cooper pela Vozes (1976)
>>> Titulo de Aut pela Abc (1999)
>>> Titulo de Aut pela Abc (1999)
>>> Memórias de um Sargento de Milícias de Manuel Antônio de Almeida pela Principis (2021)
>>> A Revolução dos Bichos de George Orwell pela Principis (2021)
>>> A Decadência da Mentira e Outros Ensaios de Oscar Wilde pela Principis (2020)
>>> Histórias de Tia Nastácia de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Turma da Mônica Contos da Carochinha de Maurício de Sousa pela Girassol (2019)
>>> Procura-se Lobo de Ana Maria Machado pela Ática (2010)
>>> Mensagem de Fernando Pessoa pela Principis (2019)
>>> A Ilha do Tesouro Em Quadrinhos de Robert Louis Stevenson pela Principis (2020)
>>> Emília no País da Gramática de Monteiro Lobato pela Ciranda Cultural (2019)
>>> Tronos & Ossos a Batalha Final de Lou Anders pela Jangada (2018)
>>> Tronos & Ossos o Enigma do Chifre de Lou Anders pela Jangada (2017)
>>> Tronos & Ossos Jornada no Gelo de Lou Anders pela Jangada (2016)
>>> Minecraft Guia de Criação de Mojang pela Abril (1500)
>>> Minecraft Guia de Exploração de Mojang pela Abril (1500)
>>> O Poço e o Pêndulo e Outros Contos de Edgar Allan Poe pela Lafonte (2020)
>>> O Corvo e Outros Poemas de Edgar Allan Poe pela Lafonte (2020)
>>> O Gato Preto e Outras Histórias de Edgar Allan Poe pela Lafonte (2020)
>>> A Interpretação dos Sonhos Parte I e II de Sigmund Freud pela Lafonte (2014)
>>> Manancial - Meditações Diárias 17 de Vários Autores pela Ufbb (2020)
>>> Marketing - O Que É? Quem Faz? Quais Tendências? de Carlos Frederico de Andrade pela Ibpex (2010)
COLUNAS >>> Especial Melhores de 2000-2009

Quarta-feira, 17/3/2010
Meus álbuns: '00 - '09 ― Pt. 2
Rafael Fernandes

+ de 5200 Acessos

Continuando a lista dos meus álbuns preferidos de 2000 a 2009. Leia também a primeira parte.

* * *

11) Queens Of The Stone Age ― Songs for the deaf (2002)
Produzido por Josh Homme e Eric Valentine

Rated R é um grande disco e colocou o QOTSA na roda. Também gostei muito de Era Vulgaris. Porém, meu preferido ainda é Songs for the deaf, a partir da ironia do título. O disco se inicia com a potente (e também de ótimo nome) "You think I ain't worth a dollar, but I feel like a millionare", um rock curto e grosso. Segue com a mais famosa, um dos grande rocks da década: "No one knows". Suingada, com ótimas melodias e um instrumental variado, bem pensado. "First it giveth" é a cara da banda: um riff seco se repete, acompanhado de um vocal suave, até um refrão de apelo. "A song for the deaf" tem uma bateria tribal, ótimo refrão e bom dueto de guitarras.

Minhas preferidas do álbum: "You think I ain't worth a dollar, but I feel like a millionare", "No one knows", "First it giveth", "The sky is fallin'", "A song for the deaf"


Ouça um trecho de "A song for the deaf"

* * *

12) Radiohead ― In Rainbows (2007)
Produzido por Nigel Godrich

Do Radiohead dos anos 2000, Kid A pode até ser mais arrojado e simbólico. Mas prefiro In Rainbows. É a síntese do som do Radiohead; nele os arranjos são indissociados das músicas e os efeitos de baixa tecnologia soam contemporâneos. E sempre tendo como foco a canção, não deixando espaço para experimentações vazias. O disco é ótimo musicalmente. Varia de um rock sujo, com um grande riff, de "Bodysnatchers", à melancolia singela de "Videotape". Passa ainda por "Jigsaw falling into place", com arranjo crescente, pela bela e enigmática "All I Need" e pelos violões acompanhados de orquestração de "Faust arp", entre outras. É um trabalho bem equilibrado e com uma bela seleção de canções marcantes.

Minhas preferidas do álbum: "Bodysnatchers", "Videotape", "Jigsaw Falling into place", "All I Need"


Ouça um trecho de "All I Need"

* * *

13) Nine Inch Nails ― The Slip (2008)
Produzido por Alan Moulder, Trent Reznor e Atticus Ross

Em The Slip, Trent Reznor, o dono do NIN, resolveu apresentar canções mais direcionadas ao rock, sem deixar de inserir elementos eletrônicos e seus timbres característicos. O resultado é um som cru, direto e empolgante. Como o Radiohead, Reznor adotou uma estratégia de lançamento on-line. Mas de forma ainda mais extrema: deu o disco de graça ― recebendo em troca os e-mails dos usuários e, assim, os dados de sua localização. Conseguiu numa tacada só dar um presente aos fãs, ter acesso a dados sobre eles, divulgação gratuita e espontânea e ainda impulsionar a promoção da turnê que veio em seguida. Mais num texto meu.

Minhas preferidas do álbum: "1,000,000", "Letting You", "Discipline", "Lights In The Sky", "Echoplex"


Ouça um trecho de "Echoplex"

* * *

14) Frost ― Experiments In Mass Appeal (2008)
Produzido por Jem Godfrey

Experiments In Mass Appeal tem arranjos e instrumentação grandiosos. O Frost é composto por músicos experientes, então eles sabem fazer uma música ficar com a estrutura mais adequada a ela. Seja um épico de oito minutos (faixa-título) ou uma de três ("Toys"). Não é forçar a barra para uma música ficar longa e agradar os admiradores do progressivo. Nem sair podando supostos excessos para se encaixar na música comercial. É saber o que uma música específica pede, o que ela precisa. Gosto muito de "Toys", de intenção pop em sua construção e melodias. Começa discreta e vai crescendo até o refrão. "Wonderland" é a clássica faixa de encerramento com uma canção escondida depois de alguns segundos de silêncio. "Pocket Sun" tem uma veia roqueira muito boa, com bom instrumental; "Saline" é uma bela balada e "Falling down" tem um grande solo de teclados. É um disco altamente recomendável para amantes do rock progressivo.

Minhas preferidas do álbum: "Experiments in mass appeal", "Welcome to nowhere", "Pocket Sun", "Toys", "Saline", "Falling down", "Wonderland"


Ouça um trecho de "Toys"

* * *

15) Bjork ― Vespertine (2001)
Produzido por Björk, Thomas Knak, Martin Console, Marius de Vrie

Björk é uma artista brilhante e única. Sempre se expressa de diferentes maneiras. Ora usando só vozes (Medúlla), ora apostando numa parede de sopros (Volta) ou misturando texturas eletrônicas com arranjos de cordas, como nesse Vespertine. Uma coisa que não muda é sua atuação vocal. Sempre cheia de dinâmicas, de sutilezas à agressividade. Em Vespertine, como é praxe em seus discos, Björk apresenta canções pop: estruturas simples e boas melodias. Mas o diferencial, além da interpretação, está nos arranjos, muito bem elaborados e cheios de surpresas. "It's not up to you" começa sutil e vai crescendo até a explosão de um refrão arrebatador. "Harm of will" tem uma passagem cantada em islandês que é um primor.

Minhas preferidas do álbum: "It's not up to you" , "Harm of will", "Unison", "Hidden place", "Pagan poetry", "An echo, a stain", "Sun in my mouth"


Ouça um trecho de "Harm of will"

* * *

16) Deftones ― White Pony (2000)
Produzido por Deftones e Terry Date

O Deftones foi erroneamente associado ao new metal. Suas músicas têm vocais ora gritados, ora melódicos, mas raramente "rap" e um som mais sujo do que o estilo citado. Além disso, diferente de boa parte das bandas desse "movimento" (que, na verdade, nunca existiu), a banda soube evoluir, como prova Saturday Night Wrist (de 2006), do qual gosto muito. Porém, para esta lista é inevitável voltar um pouco e escolher White Pony, impecável, que não só deu exposição à banda como é a marca de seu estilo. Bons riffs e dissonâncias em músicas simples, que unem peso a boas melodias. Apesar das letras hoje soarem um pouco pueris, White Pony é uma bela audição para quem gosta do gênero.

Minhas preferidas do álbum: "Back to school (Mini Maggit)", "Digital Bath", "Knife party", "Pink maggit", "Change (house of the flies)", "Elite", "Feiticeira"


Ouça um trecho de "Change (house of the flies)"

* * *

17) Steve Vai ― Real Illusions (2005)
Produzido por Steve Vai

Em Real Illusions, Steve Vai fez um dos grandes discos de sua carreira. Só não foi além porque insistiu na sua grande deficiência: a voz. Desde Fire Garden tem cantado algumas de suas músicas. Apesar de alguns resultados satisfatórios e de apresentar certa evolução, claramente não é a dele. Além disso, boa parte dessas músicas é fraca em termos de composição. Mas Real Illusions se sustenta onde ele se sai muito bem: nas faixas instrumentais. Nesse caso, o músico está em ótima forma. Excluindo as músicas com voz, o disco tem uma sequência inicial arrebatadora: "Building the church", "Glorious" e "K'm-pee-du-wee". Ainda há espaço para influência de música búlgara ("Freak show excess"), um clima meio bizarro em "Midway Creatures", e "Lotus feet", um Vai "clássico" em que o sublime e o brega duelam numa mesma música.

Minhas preferidas do álbum: "Building the church", "Glorious", "K'm-pee-du-wee", "Midway Creatures", "Lotus feet", "Yai Yai"


Ouça um trecho de "Building the church"

* * *

18) Jeff Beck ― You Had It Coming (2001)
Produzido por Andy Wright

A partir do fim dos anos 90, Jeff Beck se arriscou inserindo elementos eletrônicos em seus discos. Grande artista que é, impôs seu som sobre a tecnologia. Ou seja, usou só o que interessa do estilo, como batidas, timbres, samplers e loops, mas sem excessos e sem sacrificar sua identidade sonora. Além disso, subverte o que se espera de um guitar hero: não entrega a guitarra num fraseado longo e de destaque, como é usual. O instrumento aparece em detalhes, sonoridades distintas e em momentos precisos, costurando as canções. Todos os álbuns dessa "fase" têm grandes achados, mas You Had It Coming é meu favorito. Não perde o pique e tem quatro músicas fora de série. Abre o disco com uma delas, "Earthquake", de Jennifer Batten, a excelente guitarrista de sua banda de apoio. É uma música tensa e pesada, com um Beck endiabrado. "Nadia" é fabulosa, uma canção de um dos mais interessantes músicos dos anos 2000, Nitin Sawhney. De tempero oriental e batida eletrônica intensa, tem uma linha melódica rara. Nela, o guitarrista tem um dos mais expressivos e inspirados momentos de sua carreira. "Blackbird", do próprio Beck, é uma pequena declaração de sutileza. No fim, "Suspension", maravilhosa, tem clima de saudade e desperta diversas sensações.

Minhas preferidas do álbum: "Earthquake", "Nadia", "Blackbird", "Suspension", "Roy's Toys", "Dirty Mind", "Rollin' and Tumblin'", "Loose Cannon"


Ouça um trecho de "Nadia"

* * *

19) A Perfect Circle ― Mer De Noms (2000)
Produzido por Billy Howerdel

A Perfect Circle é um projeto de Billy Howerdel, que trabalhou como técnico de guitarra de bandas como Nine Inch Nails, Smashing Pumpkins e Tool. Morou com o vocalista dessa última, Maynard James Keenan, que ouvindo as demos do projeto se ofereceu para cantar. Hoje os dois são a base da banda; outro membro frequente é nada menos que o fantástico baterista Josh Freese (Nine Inch Nails, Guns N' Roses etc). O som tem passagens melancólicas e emotivas, mas sem apelação. Não perde a pegada e tem um certo cinismo. As letras, assim como o som, são carregadas ― nada de facilidades. Mer De Noms começa com um anticlímax para um disco de rock. "The hollow" tem andamento médio e alguns momentos calmos. "Judith" teve clipe e é uma canção fabulosa, com uma letra que pode arrepiar os cabelos dos cristãos.

Minhas preferidas do álbum: "The hollow", "Judith", "Orestes", "3 libras", "Breña", "Renholdër"


Ouça um trecho de "Judith"

* * *

20) Tool ― 10,000 Days (2006)
Produzido por Tool

O Tool tem uma sonoridade compacta, seca e precisa. Tem influências do metal, mas nem por isso soa como os clichês do gênero ― toma só algumas coisas, como a pegada e os tipos de riff. Os vocais, embora agressivos, são mais sóbrios. As melodias, ora potentes, ora dramáticas, têm boas variações. As letras são sombrias, repletas de ironia e humor negro. Também é uma banda que poderia facilmente entrar com dois discos na lista: Lateralus (2001) ou 10,000 Days (2006). Fico com esse último, por hora. "Vicarious", a ótima faixa de abertura, começa com uma interessante conversa de riffs entre baixo guitarra; em seguida, eles se unem no riff principal da música. A melodia combina drama e consistência na medida certa e cai bem com a letra, que tem boa dose de cinismo.

Minhas preferidas do álbum: "Vicarious", "Jambi", "The Pot", "Rosetta Stoned", "10,000 Days (Wings Pt 2)"


Ouça um trecho de "Vicarious"



Rafael Fernandes
Sorocaba, 17/3/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Fazendo a coisa certa de Fabio Gomes
02. Ivanhoé de Gian Danton
03. Mark Dery e o cotidiano virtualizado de Guilherme Mendes Pereira
04. O que em silêncio sabemos de Marilia Mota Silva
05. Sobre o preço dos livros 1/2 de Rafael Rodrigues


Mais Rafael Fernandes
Mais Acessadas de Rafael Fernandes em 2010
01. Os piores músicos da década - 22/9/2010
02. Futebol: 10 mandamentos e 5 mitos - 9/6/2010
03. Meus álbuns: '00 - '09 ― Pt. 1 - 17/2/2010
04. Meus álbuns: '00 - '09 ― Pt. 3 - 26/5/2010
05. Meus álbuns: '00 - '09 ― Pt. 4 - 28/7/2010


Mais Especial Melhores de 2000-2009
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Êrro Essencial de Pessoa
João Medeiros Filho
José Konfino (rj)
(1954)
R$ 17,82



Revista da Associação Paulista de Medicina Vol 9 Nº 2
J. N. V. Sonnleithner e S. Hermeto Junior
Revista da Associação Pauli
(1936)
R$ 11,33



O Reizinho da Estrada
Pedro Bandeira
Melhoramentos
R$ 10,00



América Latina no Século XIX: Tramas, Telas e Textos
Mari Lígia Coelho Prado
Usp
(2014)
R$ 31,30
+ frete grátis



Superdeus
Warren Ellis; Garrie Gastonny
Mythos
(2017)
R$ 45,00



Cartas da Mãe
Henfil
Record
(1975)
R$ 37,43



Os Mistérios de Osíris - a Conspiração do Mal
Christian Jacq
Bertrand Brasil
(2011)
R$ 46,00



O Misterioso Rapto de Flo-do-sereno
Haroldo Bruno
Salamandra
(1980)
R$ 4,07



Rumo A Nova Economia -Administração
Peter Drucker
Campus
R$ 25,00



Prefiero Espanol 3
Gretel Eres Fernández (org)
Santillana
(2014)
R$ 9,00





busca | avançada
74915 visitas/dia
2,3 milhões/mês