29ª Bienal de São Paulo: a politica da arte | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
75847 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> 10º FRAPA divulga primeiras atrações
>>> Concerto cênico Realejo de vida e morte, de Jocy de Oliveira, estreia no teatro do Sesc Pompeia
>>> Seminário Trajetórias do Ambientalismo Brasileiro, parceria entre Sesc e Unifesp, no Sesc Belenzinho
>>> Laura Dalmás lança Show 'Minha Essência' no YouTube
>>> A Mãe Morta
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> O Apocalipse segundo Seu Tião
>>> A vida depende do ambiente, o ambiente depende de
>>> Para não dizer que eu não disse
>>> Espírito criança
>>> Poeta é aquele que cala
>>> A dor
>>> Parei de fumar
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Deepak Chopra Speaker Series
>>> Boates
>>> A alegria de não ensaiar
>>> Tempo vida poesia 4/5
>>> The flow state
>>> O batom
>>> Como num filme
>>> Only time will tell
>>> Política - da filosofia à neurociência.
>>> Ideologia: você quer uma pra viver? Eu, não
Mais Recentes
>>> O Cortiço de Aluísio De Azevedo pela Ciranda Cultural (2010)
>>> Cinquenta Tons do Sr. Darcy - uma Paródia de Emma Thomas pela Bertrand Brasil (2012)
>>> Esquecer para Lembrar: Boitempo III de Carlos Drummond Andrade pela José Olympio
>>> O Guardião de Memórias de Kim Edwards; Kim Edwards pela Arqueiro (2007)
>>> Monster High 4: Mais Mortos do Que Nunca! de Lisi Harrison pela Moderna (2012)
>>> E-mail Que Funciona! de Fernando Andrade pela Nobel (2006)
>>> Inside Girl, V. 4 - Nem Tudo Que Reluz e Ouro de J. Minter; Noely Russo pela Id (2013)
>>> Matemática Financeira Aplicada de Nelson Pereira Castanheira pela Intersaberes (2010)
>>> Não Entendo Muito de Vinho, Mas Sei do Que Gosto de Simon Woods pela Sextante (2007)
>>> A Relíquia Apresentaçao e Notas Fernando Marcilio L Couto de Eça de Queirós pela Atelie (2001)
>>> A Espada Selvagem de Conan a Coleção - a Torre do Elefante 8 de Roy Thomas / John Buscema pela Panini Comics (2019)
>>> Iwoz de Steve Wosniak; Gina Smith pela Évora (2011)
>>> Sinopse Tributaria de Mattos Filho pela Mattos Filho
>>> Competências Coletivas no Limiar da Estratégia de Christian Defelix; Thierry Picq; Didier Retour pela Bookman (2011)
>>> Pretty Little Liars - Impiedosas de Sara Shepard pela Rocco (2012)
>>> Memórias de um Sargento de Milícias de Manuel Antônio de Almeida pela Atica (2004)
>>> Livro Aberto de Sylvia Orthof pela Atual Didáticos (2006)
>>> Inocência Ordinária de Emmanuelle pela Futurama (2017)
>>> É Preciso Lutar ! de Marcia Kupstas pela Ftd
>>> Arte Em Deslocamento Transitos Geopoeticos de Priscila Arantes pela Paço das Artes (2015)
>>> O Livro de Informática do Menino Maluquinho-livro de Ziraldo Alves Pinto pela Melhoramentos (2009)
>>> Plano Diretor do Mercado de Capitais Parceria Público-privada de Suces de Ney Carvalho pela Publit
>>> O Poder Interior de Lauro Trevisan pela Da Mente (1982)
>>> Daqui de Lilian Aquino pela Patuá (2017)
>>> Para Sempre Sua de Sylvia Day; Alexandre Boide pela Paralela (2013)
COLUNAS

Terça-feira, 12/10/2010
29ª Bienal de São Paulo: a politica da arte
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 18100 Acessos
+ 1 Comentário(s)


LIANA TIMM© (http://timm.art.br/)

A Petrobrás, através de seu blog, me convidou para visitar a 29ª Bienal de Arte de São Paulo. Além do passeio entre as obras, fui convidado para debater nos "Terreiros" da Bienal com Vânia Rall, pesquisadora do Laboratório de Estudos sobre a Intolerância da USP, o tema "Arte e ética: o uso de animais nas obras de arte". O convite foi estendido a um grupo de artistas e produtores culturais de várias partes do Brasil que têm uma significativa inserção na internet.

Parte das reflexões que vão se seguir são pessoais, mas devo registrar a contribuição das responsáveis pelo site e dos outros convidados da Petrobrás que debateram, desde o jantar na noite anterior em um hotel de São Paulo até durante a visita, algumas das questões relativas à 29ª Bienal.

A Bienal deste ano tem como tema a relação entre arte e política, e seu título reproduz um belo verso do poeta Jorge de Lima: "Há sempre um corpo de mar para o homem navegar". Embora o título possa sugerir uma relação imediata entre arte e política, não é bem o conceito tradicional e caquético de arte engajada que está em jogo. Isso, de per si, já é uma novidade. Desligar a arte da visão tradicional do que seja uma reflexão política já é apontar para uma interpretação mais radical do que seja o valor da arte na sociedade.

Liberar a arte de seu caráter puramente panfletário e apontar a sua natureza incômoda pelo simples fato de ser arte, por seu desejo de revisar criticamente a própria realidade, refazê-la, reinventá-la, poetizá-la, introduzindo contradições, abismos, inclusive chamando atenção, mesmo que de forma extrema, para aspectos de seus limites éticos ou não, eis o verdadeiro caráter político da arte.

Baudelaire, ao comentar Os Miseráveis, de Victor Hugo, dizia que o artista, por vezes, deveria enfiar o nariz do espectador na lama. Ou seja, revelar para ele as injustiças do mundo, a desumanidade da sociedade. Foi o que Picasso fez com Guernica, não de uma forma panfletária, mas mostrando no próprio dilaceramento da forma da arte o dilaceramento de um mundo violento. Ali talvez estivesse contida a ideia mais radical de uma dialética entre forma e conteúdo na arte, ou aquilo que T. W. Adorno dizia: na grande obra de arte a forma é o próprio conteúdo.

Nesta Bienal podemos perceber, desde a sua forma de organização labiríntica, cheia de meandros serpentinados por onde facilmente nos perdemos, e por seus artistas, com propostas vertiginosas e de alta voltagem crítica e emocional, que vivemos num mundo desorganizado, contraditório, paradoxal, difícil de entender, conflituoso e ao mesmo tempo rico de sugestões de morte, desalento, desespero, mas também de vida, poesia e possibilidades de enfrentamento da realidade.

Esse delicioso perder-se dentro de uma labiríntica Bienal é resultado do projeto de expografia da arquiteta Marta Borgéa e alude àquilo que Beckett definiu muito bem como "um soberano desprezo dostoievskiano pela trivialidade de um encadeamento plausível", que é típico na arte desde a ideia de um "barco bêbado" de Rimbaud até as ousadias da arte contemporânea.

A rede de significados também é ampla nas obras, desde o singelo e doloroso coração sentido de Leonilson ao impactante vídeo Je vous salue Saravejo, de Jean-Luc Godard, tudo nos leva a vertigens incontestes e talvez à verdadeira definição dessa Bienal na seguinte frase estampada no vídeo do cineasta francês: "A cultura é a regra, a arte a exceção".

E pelo fato de a arte ser exceção é que sua condição política deve ser pensada de forma ampliada. Os termos colocados por Albert Camus nos indica essa posição: "Em arte, a revolta se completa e perpetua na verdadeira criação, não apenas na crítica ou no comentário".

A ideia de estranhamento expande nessa Bienal o conceito de política, pois tirar o espectador de suas zonas de conforto acaba por surpreender seu repertório em relação inclusive com a própria arte. O curador Moacir dos Anjos diz que o que interessou foi a ideia de política como o encontro com o desentendimento. Claro e acertado, pois se alguém quer uma postura político-ideológica clara que procure panfletos políticos, e não arte.

O próprio uso do verso de "Invenção de Orfeu", de Jorge de Lima, como tema escolhido, aponta a possibilidade utópica da arte como possibilidade de um outro entendimento do mundo, mais complexo, mais sensível, mais paradoxal. Por isso a própria indeterminação de caminhos no percurso às obras já é em si uma posição política da Bienal, que leva os espectadores a experimentarem a sensação do barco sem leme do já citado Rimbaud.

Os espaços de descanso, chamados nessa Bienal de "terreiros" também é outra forma de dar à Bienal uma nova qualidade. Ali se discute a própria Bienal, se apresenta performances, vídeos, dança, teatro, filmes e espetáculos de música.

Esta Bienal retoma também suportes e práticas antes bastante negligenciadas, como o desenho, a pintura, a escultura e a fotografia (esta menos). Dentre as obras, a polêmica série de desenhos em nanquim ou carvão do artista plástico Gil Vicente. Inimigos é um conjunto de desenhos onde aparecem retratos de personalidades do mundo da política tendo uma arma apontada para si. Dentre elas, George Bush, o Papa, a rainha Elizabeth II e o nosso presidente Lula, que tem sua cabeça sendo decepada por uma faca. A OAB se pronunciou contra a exposição das obras, pois, segundo a entidade, o trabalho do artista despertaria o desejo de violência nos espectadores. Mas a OAB não parece ter percebido em que direção o ódio dos espectadores seria direcionado: na dos políticos falastrões, os dominadores da política que tanto fizeram para piorar o mundo. E não é esse mesmo o interesse da obra, já que se trata de odiar os inimigos? Pelo que percebi no grande número de escolares que param imediatamente frente ao trabalho de Vicente, a obra virou um fetiche na Bienal, uma espécie de Mona Lisa do evento.

Diversão é o que não falta nessa Bienal, e uma delas é a obra de Henrique Oliveira. A origem do terceiro mundo remete à vagina pintada por Gustave Courbet e que se chamou A origem do mundo, hoje exposta no Museu D'Orsay, em Paris. A instalação de Oliveira é a reconstituição em tamanho gigante de uma vagina, feita com materiais nada nobres como tapumes e madeira compensada, geralmente materiais recolhidos pelas ruas da cidade. A diversão é garantida, como eu disse, pois a sensação de entrar dentro da vagina e percorrer seus corredores labirínticos tem garantido uma animada participação das crianças e dos jovens. Os mais maduros, já complexados moralmente, relutam à primeira vista, mas depois se entregam ao prazer desta penetração. É divertido ver a criançada saindo da vagina e gritando: "estou nascendo de novo", como pude presenciar em minha visita.

Umas das obras surpreendentes é com certeza a instalação Bandeira branca, do artista Nuno Ramos, que praticamente reconstitui gravuras de Oswald Goeldi onde aparecem urubus (também apresentadas nesta Bienal). Para além da polêmica ambientalista de maltrato a animais usados em obras de arte, o que nos interessa é perceber esse caráter de indeterminação que a obra causa, seu tamanho gigante nos lembrando a ideia do sublime, de algo que não podemos alcançar com a mente e nos leva à sensação de imprevisibilidade diante da impossibilidade de termos o conjunto da obra, de chofre, à nossa frente, predisposta ao nosso entendimento.

Outra instalação interessante é a do músico Livio Tragtenberg, que construiu um estúdio-jaula onde maneja sons colhidos da participação dos visitantes ou que podem ser enviados diretamente ao artista por e-mail. Livio se transforma em Dr. Estranho e compõe sua sinfonia com cacos de sons variados, tão estranhos quanto o mundo em que vivemos e tão estranhos quanto a paisagem sonora que nos rodeia hoje.

Retomando a história da intervenção, também em um sentido mais amplo de participação política, a Bienal apresenta artistas já consagrados pela nossa história da arte. Dentre eles Helio Oiticica e o multiartista Flávio de Carvalho. São expostos registros de suas experiências, na forma de fotografias e documentos, como, por exemplo, a Experiência n. 2, onde Flávio de Carvalho invade uma procissão de Corpus Christi no centro de São Paulo, andando em direção contrária aos fiéis e vestindo um boné verde, deixando claro sua crítica ao catolicismo, religião que ele abominava. Na ocasião, ele quase foi linchado.

Ainda vale registrar a obra O que é arte? Para que serve?, do artista Paulo Bruscky, que faz uma crítica ao sistema das galerias de arte e museus como instituições duvidosas. A própria arte mostrando que a arte pode estar em outros lugares que não apenas nos espaços institucionalizados.

Nosso espaço é pequeno para discutir tão ampla Bienal. Ao contrário da exposição anterior, que ficou marcada pela alcunha de "Bienal do vazio", esta é repleta de sugestões visuais, táteis, sonoras. Um encontro fecundo com o projeto contemporâneo da arte como um mundo flutuante, irreverente, mas pleno de sugestões. Ao contrário do mundo ordinário, da razão instrumental, a arte possibilita vivências de uma outra ordem, a ordem do sensível, e é este conhecimento, esta experiência, que a Bienal decidiu chamar corretamente de arte política.

Para ir além
29ª Bienal de São Paulo.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 12/10/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Capitalista de Daniel Bushatsky
02. O grande jogo de Billy Phelan de Rafael Rodrigues
03. A Onda, de Dennis Gansel de Ana Seffrin
04. Namoro de portão de Verônica Mambrini
05. Um teatro que foge do óbvio de Guilherme Conte


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2010
01. Poesia sem ancoradouro: Ana Martins Marques - 23/3/2010
02. Rimbaud, biografia do poeta maldito - 10/8/2010
03. 29ª Bienal de São Paulo: a politica da arte - 12/10/2010
04. A letargia crítica na feira do vale-tudo da arte - 5/1/2010
05. Inhotim: arte contemporânea e natureza - 2/3/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
15/10/2010
12h12min
Jardel, gostei inteiramente de sua crítica positiva à Bienal, concordo em quase tudo, só achei que a frase de Adorno fica deslocada, talvez coubesse na discussão com Godard.
[Leia outros Comentários de Marcos Aulicino]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Teorema Katherine
John Green
Intrínseca
(2013)



Histórias sem Data - Confira!
Machado de Assis
Civilização Brasileira
(1975)



Santa Catarina - Patrimônio Histórico
Rosange Sena N21698
Secco
(2010)



Como É Ruim Ser Diferente!
Giselda Laporta Nicolelis
Quinteto
(2005)



Heróis - Coleção Mitologia
Ivan Rendall
Abril
(1995)



Os Presidentes
Rodrigo Vizeu
Harper Collins Br
(2019)



As Sandálias do Pescador - Supersellers
Morris West
Altaya/Record
(1974)
+ frete grátis



Do Povo para o Povo
Roger Osborne
Bertrand Brasil
(2013)



A prova
Agota Kristof
Rocco
(1989)



Conecte Biologia - Caderno de Competência
Sônia Lopes Sergio Rosso
Saraiva Didatico
(2014)





busca | avançada
75847 visitas/dia
1,8 milhão/mês