Qual é a alma da cidade? | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
22991 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Mostra Primeiros Passos
>>> José Patrício inaugura exposição inédita em Brasília
>>> Livro mostra a ambiguidade entre amor e desamor
>>> Red Bull Station estreia exposições de letrista e de coletivo feminino em julho
>>> Alaíde Costa e Toninho Horta mostram CD em parceria na CAIXA Cultural São Paulo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Entrevista com a tradutora Denise Bottmann
>>> O Brasil que eu quero
>>> O dia em que não conheci Chico Buarque
>>> Um Furto
>>> Mais outro cais
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> O massacre da primavera
>>> Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> A luz da alma - Haifa Israel
>>> Tempo & Espaço
>>> Mão única
>>> A passos de peregrinos ll
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES IV
>>> Shomin-Geki, vidas comuns no cinema japonês
>>> Con(fusões)
>>> A passos de peregrinos l
>>> Ocaso
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES I
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A música clássica ensurdece a democracia caótica
>>> Dê-me liberdade e dê-me morte
>>> Telemarketing, o anti-marketing dos idiotas
>>> Memórias da revista Senhor
>>> É o Fim Do Caminho.
>>> Ao Abrigo, poemas de Ronald Polito
>>> O massacre da primavera
>>> Raio-X do imperialismo
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> O Brasil que eu quero
Mais Recentes
>>> A aventura é sua - Labirinto de jogos
>>> The Mysteries of Isis - Her Worship and Magick
>>> Araquém Alcântara - Fotografias
>>> O Observador in Natura
>>> Cómo Mirar un Cuadro
>>> Dicas Para um Primeiro Encontro com Final Feliz
>>> A Essência da Maturidade
>>> Biomusica
>>> Liberte-se do Passado
>>> Benjamim
>>> Diário
>>> La Hechicería - Técnica de los maleficios
>>> Maiden, Mother, Crone - The Myth & Reality of the Triple Goddess
>>> Técnicas de Alta Magia - Manual de Autoiniciación - Em Espanhol
>>> Curso de Filosofia Grega + Do século VI a.C. ao século III d.C.
>>> Manual do candidato às eleições & Carta do bom administrador público + Pensamentos políticos selecionados
>>> Platão
>>> Guia Prático da Wicca - A Magia do bem explicada passo a passo
>>> História & Religião VIII Encontro Regional de História RJ
>>> Magia Cigana - Encantamentos, Ervas Mágicas e Adivinhação
>>> Para conhecer o pensamento de Hegel
>>> Ética para executivos
>>> Coffee break produtivo
>>> O Secular Livro da Bruxa
>>> Direito Médico
>>> Audiovisual Español estructural
>>> Tomás de Aquino
>>> Minha limpeza corporal - Le grand Ménage
>>> Max Weber e a política alemã
>>> Isaiah Berlin
>>> La Magia en Acción
>>> Introdução à epistemologia
>>> As causas da grandeza do romanos e da sua decadência
>>> Hannah Arendt
>>> Paixão por vencer. A bíblia do sucesso
>>> O Livro Completo de Bruxaria do Buckland
>>> O Escaravelho do Diabo
>>> Llora Herraiz
>>> Festa no Covil
>>> O Fazedor de Velhos
>>> Mentes Tranquilas, Almas Felizes
>>> Contabilidade Pública: da Teoria à Prática
>>> Estudo de Movimentos e Tempos
>>> Cartas Comerciais em Espanhol
>>> Organização , Sistemas e Métodos e As Tecnologias de Gestão Organizacional
>>> Perdas & Ganhos
>>> Dom Casmurro
>>> História da Arte
>>> O sentido da realidade. Estudos das ideias e de sua história
>>> Práticas de Linguagem - Leitura & Produção de Textos
COLUNAS

Sexta-feira, 7/1/2011
Qual é a alma da cidade?
Ana Elisa Ribeiro

+ de 3200 Acessos
+ 3 Comentário(s)

O ano já apresenta suas entradas calvíssimas e nós, na sala, discutíamos a alma das cidades. Mas como se define isso? Como capturá-la? No burburinho? Nas pessoas? Nas práticas dos habitantes? No sotaque? Numa índole que só vê quem é de fora? Um nativo pode perceber a mesma alma que eu? Onde está ela? Vista de fora ou vista de dentro? Panorâmica? Na miudeza?

Eu dizia, de saída, que a alma de Belo Horizonte ainda é indecisa. Moro na cidade desde pequena, mas consigo ver que mal se insinua um jeito belo-horizontino de ser (vejam se tem cabimento um gentílico com hífen!). Há estudos românticos sobre uma tal indefinível mineiridade. E adianto que nesta acredito. Ser mineiro é uma construção histórica, terrena, chão, ideológica, com, literalmente, altos e baixos. Já ser belo-horizontino é fugidio.

Começa que já não temos os sotaques de Minas inteira. E são vários. Ao norte, dizem que somos Bahia. A oeste, há um quê do interior de Goiás. Ao sul, vinga a São Paulo caipira. E a sudeste existe mesmo, eu vi, o legendário sotaque fluminense (às vezes o próprio carioca) do Rio de Janeiro próximo. Por onde o trem passa vai arrastado um falar errante, talvez com comércio e com mistura. Já o centro, onde fica mais ou menos Belo Horizonte, fala um sotaque só dali, sem caipirês direito, sem carioquês perfeito, sem baianês seguro. É um revés de tudo, meio sem espaços.

Chegando na capital por qualquer lado, já que ela tem tantas entradas e saídas, chega-se a um emaranhado de possibilidades que podem levar, também, ao Centro. Lá, é possível ver o traçado da cidade planejada quadriculada, positivista, higiênica, de ruas largas, praças sem bancos, luzes elétricas, esquinas frequentes. Lá é a capital dos funcionários, onde alguém logo indica passeios pelo Mercado Central, pela Feira Hippie, pela legendária Savassi, um "bairro" que não existe fisicamente, cartograficamente, mas que é presente na vida dos cidadãos, nem que seja como a representação mais burguesa da cidade.

Qual é a alma desta capital? De uns tempos para cá, vêm tentando fazer engolir um certo jeito belo-horizontino eleito por um marketing de turismo mal-feito, campanha alinhavada com cadeias de hotéis, lá vamos nós assumir que a alma da cidade é dos botecos, da bebida, do pão de queijo com cerveja. Santa Tereza, meu amor, nem só de botecos e botequeiros vive a cidade. E isso é bonito?, alguém se pergunta. Já ouvi de todo lado que "os mineiros que eu conheço bebem muito", vai saber. Que "não tem mar, mas tem bar". Que alma é esta? E a câmara propõe e aprova um projeto, real, que decreta BH a capital mundial dos botecos. Santo Antônio, querido, é, isso mesmo? Vão vender a cidade assim?

Qual é a alma de Ouro Preto? Sim, esta tem alma. Um sentido ouropretano logo surge quando se desce do ônibus, na rodoviária alta. A cidade foi a capital de Minas, antes de tomarem outras decisões. Qual é a alma de Timóteo? Qual é a alma de Juiz de Fora? E a de Uberlândia? Qual é a alma de Minas, lugar de passagem, corredor obrigatório para quase qualquer outro lugar? Qual é o elemento que se constrói no jeito de viver nesse lugar?

O que é a alma carioca? A alma de São Paulo? A alma de Salvador? O que é a alma recifense? A porto-alegrense? Mas separe aí a alma do lugar do marketing que nos é imposto. Veja, separe aí o jeito como vendem a cidade e o que realmente se vive nela. Difícil separar. Qual é a alma da cidade?

Um estrangeiro me dizia, nesta sala, que achou BH uma cidade "completamente sem alma". Será possível, meu Deus? Mas tão habitada! Pode um lugar cheio de gente não ter alma? Ou talvez uma alma tão mestiça de que não se pareça com nada? Quem sabe é isso? Também tenho uma impressão insossa de Brasília, que não parece ter tanta alma assim. Estou sugestionada por algo? Alguma contrapropaganda? Campos de Goytacazes não me parece ter alma, pelo menos não a descubro, mas me garantiram que tem "uma alma terrível". Esse tipo de qualificação pede uma explicação de horas-aula. Como vou saber o que é tão terrível assim? Ouro Preto tem uma alma terrível também, mas posso dizer que a história conhecida pesa muito em meu julgamento. Como não?

São João Del Rei tem alma. Para mim, uma alma limpa, fresca, generosa, que a vizinha Tiradentes não tem. Mas aí é que me vem a questão na contramão: como você vive a alma da cidade? O que é sua vivência da cidade? São João me parece doce. Tiradentes me rememora algo antipático, algo que eu consigo localizar no tempo e na minha história. Já um casal de amigos ama tanto aquele lugar que deu jeito de fazer a cerimônia de casamento lá. Tiradentes é, para eles, uma outra experiência. São Paulo me dá uma sensação que o Rio nunca me deu. Confesso que a alma do Rio só me chega pelos jornais, e não gosto dela. Já outras capitais sequer me parecem ter alma, já que quase não são citadas. Garanto, no entanto, que têm. O que é Fortaleza para mim? E Porto Alegre, tão distantes no mapa? Porto Alegre me lembra tanta coisa boa que a localizei no melhor espaço das minhas lembranças. E que alma dei a BH? Talvez eu saiba mais sobre a alma do meu bairro, que é um ponto na fisiologia da cidade. Talvez seja assim que as almas se componham de verdade: nas nossas vivências, no dinamismo das nossas experiências.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 7/1/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Desejo do momento é o caramba de Marta Barcellos
02. Era uma vez de Carina Destempero
03. Exceção e regra de Eduardo Mineo
04. Sobre palavras mal ditas de Rafael Rodrigues
05. Defesa dos Rótulos de Alexandre Soares Silva


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2011
01. É possível conquistar alguém pela escrita? - 21/1/2011
02. Meus livros, meus tablets e eu - 15/4/2011
03. Você viveria sua vida de novo? - 18/2/2011
04. Pressione desfazer para viver - 17/6/2011
05. Bibliotecas públicas, escolares e particulares - 20/5/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/1/2011
17h20min
Também acho que BH não tem alma. Mas Juiz de Fora tem alma de estudante, de vento, de frio gostoso. Dizem até que de brisas marinhas, rsrs... Bjs.
[Leia outros Comentários de Fátima]
8/1/2011
16h29min
Evidente que a crônica da vida existe na alma das conversas, na ternura artística dos edifícios, na leitura lírica dos jardins, e cada cidade mantém a sua identidade, à qual a mídia se faz míope, não conseguindo revelar a beleza e a alma...
[Leia outros Comentários de manoel Messias perei]
10/1/2011
16h39min
É, Ana, BH tem mesmo muitas almas, e por isso é difícil eleger uma só... Muito bom te ter de volta no Digestivo. Quem foi que autorizou essas férias gigantescas??? Humph! (kkk, inda bem q num te demitiram.) =]
[Leia outros Comentários de Dayse Vilas Boas]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MINERVINO FRANCISCO SILVA (LITERATURA DE CORDEL)
MINERVINO FRANCISCO SILVA
HEDRA
(1999)
R$ 14,00



UM POMBO E UM MENINO
MEIR SHALEV
BERTRAND BRASIL
(2010)
R$ 10,00



BEIJING - CHINA
JD BY BOOK
JD BY BOOK
(2002)
R$ 20,92



ANJOS E DEMÔNIOS - CAPA DO FILME
DAN BROWN
SEXTANTE
(2004)
R$ 13,55



A MENINA QUE BRINCAVA COM FOGO
STIEG LARSSON
COMPANHIA DAS LETRAS
(2009)
R$ 6,00



VIAGEM PELAS PROVINCIAS DO RIO DE JANEIRO E MINAS GERAIS
AUGUSTE DE SAINT HILARE
ITATIAIA
(2018)
R$ 30,00



PAES SEM SEGREDO
SARA LEWIS
MARCO ZERO
(2010)
R$ 30,00



CARTAS DE ANIVERSÁRIO - EDIÇÃO BILÍNGUE
TED HUGHES
RECORD
(1999)
R$ 15,00
+ frete grátis



LAÇOS ETERNOS
ZIBIA GASPARETTO
VIDA E CONSCIÊNCIA
(2003)
R$ 19,90



COURS SUPÉRIEUR DORTHOGRAPHE
E. BLED / O. BLED
CLASSIQUES HACHETTE
(1954)
R$ 28,84





busca | avançada
22991 visitas/dia
1,1 milhão/mês