Meu cinema em 2010 ― 1/2 | Wellington Machado | Digestivo Cultural

busca | avançada
24629 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Red Bull Station estreia exposições de letrista e de coletivo feminino em julho
>>> Alaíde Costa e Toninho Horta mostram CD em parceria na CAIXA Cultural São Paulo
>>> O Julgamento Secreto de Joana D'Arc com Silmara Deon estreia no Teatro Oficina
>>> Novo app conecta, de graça, clientes a profissionais e prestadores de serviço
>>> Inauguração da Spazeo com show do Circuladô de Fulô - 28/07
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Entrevista com a tradutora Denise Bottmann
>>> O Brasil que eu quero
>>> O dia em que não conheci Chico Buarque
>>> Um Furto
>>> Mais outro cais
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> O massacre da primavera
>>> Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Tempo & Espaço
>>> Mão única
>>> A passos de peregrinos ll
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES IV
>>> Shomin-Geki, vidas comuns no cinema japonês
>>> Con(fusões)
>>> A passos de peregrinos l
>>> Ocaso
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES I
>>> Sob o mesmo teto
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Brasil que eu quero
>>> Pensar sem memória
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> O Digestivo e o texto do Francisco Escorsim
>>> Restos, por Mário Araújo
>>> A maçã de Isaac Newton
>>> O que é um livro?
>>> Cisne Negro: por uma inversão na ditadura do gozar
>>> Lui Liu
>>> Sociedade dos Poetas Mortos
Mais Recentes
>>> Lia e o Sétimo Ano
>>> Quero ser Belo
>>> O Cão dos Baskervilles
>>> Feminismos, identidades, comparativismos: vertentes nas literaturas de língua inglesa Vol. IV
>>> A Saúde brota da Natureza
>>> Quatro Quartetos
>>> Quem é Você? Construindo a Pessoa à luz do Eneagrama
>>> Mecânica Vectorial para Engenheiros - Dinâmica (6ª ed.)
>>> O cachorro Skoz - Cão ao mar
>>> O cachorro Skoz - Passeio no ar
>>> Seu cliente pode pagar mais - 3ª edição
>>> O Pássaro Azul
>>> Zagreb
>>> The Rough Guide to Turkey
>>> Prague
>>> Dados Sobre a Coréia
>>> The Rough Guide to Morocco
>>> Lonely Planet - Argentina
>>> Lonely Planet - Bermuda
>>> Lonely Planet - Zimbabwe
>>> Hill Country
>>> Guatemala Sensacional
>>> Nova York no Meu Bolso
>>> Itália by Train
>>> Buenos Aires de A a Z
>>> Badajoz
>>> Imigrantes da Bessarábia - Jornada em Terras Tropicais
>>> Let's Visit Thailand
>>> The Man Who Deciphered Linear B - the Story of Michael Ventris
>>> Jean-Pierre Mocky
>>> Dialoguer Avec Son Ange - Une Voie Spirituelle Occidentale
>>> La Société de Consommation de Soi
>>> Cadernos de Lanzarote - Diário 1
>>> Marcelo Caetano - O Homem Que Perdeu a Fé
>>> A Construção da Beleza
>>> História dos Conceitos - Debates e Perspectivas
>>> Cidadania Proibida - O Caso Herzog Através da Imprensa
>>> Cleo e Daniel
>>> Children and Television
>>> Cholera and the Ecology of Vibrio Cholerae
>>> The Encyclopedia of Ancient Egypt
>>> Maravilhas do Conto de Aventuras
>>> Reproposta - a Revista da Terceira Idade para Todas as Idades
>>> Scribes, Warriors and Kings - The City of Copan and the Ancient Maya
>>> O'Neill - Long Day's Journey Into Night
>>> The Fall of Constantinople 1453
>>> Morality
>>> Collaboration in the Holocaust - Crimes of the Local Police in Belorussia and Ukraine, 1941-44
>>> Gandhara - The Memory of Afghanistan
>>> Tales, Speeches, Essays and Sketches
COLUNAS >>> Especial Melhores de 2010

Terça-feira, 28/12/2010
Meu cinema em 2010 ― 1/2
Wellington Machado

+ de 8700 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Assim como se especula o fim dos livros, com os lançamentos de inúmeras plataformas eletrônicas de leitura, há vários profetas prevendo o fim das salas de cinema. Sair de casa para assistir a um filme é um programa cada vez mais raro. Vários fatores conspiram a favor da desistência: trânsito carregado (mesmo em fins de semana), (falta de) segurança, estacionamento, filas etc. Muito mais atrativo é o conforto de casa, escornados em poltronas que mais estimulam o sono, com um equipamento high tech que nos faz abaixar quando um helicóptero atravessa a tela de TV de "led-slim-sei-lá-o-quê". Não é por não ter toda essa parafernália cinematográfica em casa que não abro mão ir ao cinema. É que sair de casa para ver um filme na telona, sala escura, sem campainha, telefone, internet, e logo depois comer uma massa, é para mim um programa em si.

* * *

Considero-me, com o perdão da expressão tosca, um "bígamo cultural". Literatura e cinema travam uma acirrada disputa em busca do meu tempo livre. Administrar internamente, de forma democrática, as duas paixões é complicado. Já tentei dedicar menos tempo aos filmes, abrindo mais espaço para os livros. Mas o cinema chegou antes para mim, quando era criança: é uma paixão antiga. Procuro, dentro da minha ansiedade em ler e ver tudo, intercalar livros e filmes. Com o consentimento da literatura, vou me ater aqui ao cinema.

* * *

Paciência e dedicação. A cada filme visto, uma fichinha de cartolina pautada (contendo o ano, país, diretor e sinopse) se junta às mais de quinhentas que coleciono sistematicamente desde 2005. Este pequeno arquivo, ordenado alfabeticamente por título, me auxilia nas pesquisas rápidas e na hora de saber se já assisti ou não a determinado filme. Paralelamente ao arquivo de fichas, adotei a prática de anotar os filmes vistos em um caderno médio de capa azul ― que já anda meio surrado. Um filme por linha, com a tradicional classificação cinco estrelas (ruim, razoável, bom, muito bom e ótimo). Na soma do presente ano, computando os filmes vistos no cinema e alugados em locadoras, lá se vão mais de 130 títulos ― dentro da minha média (em 2005, 120; em 2006, 135; 2007, 116; 2008, 105; 2009, 127). Já tentei informatizar isso tudo, mas notei que a absorção é maior quando anoto no papel.

* * *

Belo Horizonte já foi considerada a capital dos cinéfilos nos anos 80 e 90. Mas a cidade está decadente em decorrência do fechamento de várias salas alternativas, que exibiam filmes off-Hollywood. Em proporção inversa, as salas de cinema em shoppings se multiplicaram. E temos de admitir que são estilos de filmes bem distintos, se analisarmos a programação dos dois espaços. Sendo assim, vários filmes lançados no Brasil não passaram pela capital mineira. Ao percorrer a lista de filmes que aqui chegaram em 2010, separei alguns que mais me chamaram a atenção. Muitos deles chegaram às locadoras sem serem exibidos no cinema. São eles:

Aconteceu em Woodstock (Ang Lee, EUA, 2009) ― Um retrato de como se deu a arquitetura da realização do histórico festival em 1969. Um filme competente do diretor Ang Lee (O tigre e o dragão; O segredo de Brokeback Mountain; Razão e sensibilidade), que faz uma ótima reconstituição de época, fazendo o espectador entrar no clima do festival, sem mostrar uma banda sequer (apenas o som ao fundo). Destaque para uma cena "lisérgica" dentro de uma Kombi, só comparável a uma outra do mesmo estilo, feita em Sem Destino (1969), de Dennis Hopper.

O homem que engarrafava nuvens (Lírio Ferreira, Brasil, 2009) ― Um dos melhores documentários do ano. Para quem pensa que baião é coisa "só" de Luiz Gonzaga, não pode perder este filme. Tão importante quanto o "Gonzagão", o compositor Humberto Teixeira, figura um tanto ofuscada pelo sanfoneiro, tem seu merecido reconhecimento neste documentário. O filme é também uma verdadeira história do baião e uma genealogia da música brasileira, quase toda derivada do ritmo. Lírio Ferreira, diretor de Baile perfumado (1997), Árido movie (2006) e Cartola (2006), fez uma intensa pesquisa em jornais e levantou um raro acervo de imagens de Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira. Com uma montagem ágil, mesclando recortes de jornais, depoimentos de cantores contemporâneos e imagens de arquivo, o filme não é nem um pouco cansativo, apesar de didático. O homem que engarrafava nuvens mostra como o baião incrivelmente, nos anos 50, ganhou o mundo (há um depoimento de David Byrne sobre o ritmo) e influenciou a Bossa Nova. Certamente este documentário integrará a minha lista de melhores documentários brasileiros, juntando-se a Edifício Master, O fim e o princípio e Jogo de Cena (de Eduardo Coutinho), Garapa (José Padilha), Santiago (João Moreira Salles), A alma do osso (Cao Guimarães) e Estamira (Marcos prado).

Onde vivem os monstros (Spike Jonze, EUA, 2009) ― Adaptação do livro de Maurice Sendak lançado em 1963 (que já vendeu mais de 19 milhões de exemplares até hoje). O filme é interessante tanto para crianças como para adultos. A sensacional história de um garoto que foge da cidade para entrar em um mundo fantástico, onde se torna rei diante de animais selvagens, é uma obra-prima do diretor Spike Jonze (Quero ser John Malkovich e Adaptação). O grande mérito do filme é, ao contrário dos 99% dos filmes infanto-juvenis lançados, mostrar que a tristeza é uma realidade, até nos filmes de fantasia. O tom sombrio e lúgubre prende o espectador e o desfecho da história deixa as crianças um tanto decepcionadas ― o que é bom.

Guerra ao terror (Kathryn Bigelow, EUA, 2008) ― O filme chegou com atraso, mas faturou o Oscar em 2010. Assim como o Tropa de elite, mostra a guerra (do Iraque) sob o enfoque da tensão de um grupo de soldados especializado em desativar bombas deixadas pelos nativos resistentes à ocupação americana. Entende-se, diante da complexidade das situações postas ao exército nessa guerra insana, os motivos pelos quais os Estados Unidos têm dificuldades em deixar o país. Sem heroísmos e cenas sensacionalistas, Guerra ao terror é um filme enxuto que nos faz refletir o drama das famílias de americanos que têm seus filhos lutando no Iraque.

O segredo dos seus olhos (Juan José Campanella, Argentina, 2009) ― Sem sombra de dúvidas, o melhor filme de ficção do ano. É um policial (muita gente ignora isto) equilibrado, que mescla drama pessoal, investigação e paixão, com pitadas de humor. O filme aborda a história de um agente do judiciário que se propõe a escrever um livro ao se aposentar. Ele acaba rememorando um crime ocorrido em 1974, do qual participou da investigação. O segredo dos seus olhos representa o ápice do cinema argentino atual. Prova que os nossos vizinhos estão bem superiores ao Brasil no quesito cinema. Campanella e Daniel Burman (sobre quem falarei no próximo texto) são os melhores diretores argentinos em atividade. E o país tem também um dos melhores atores do mundo: Ricardo Darín. Os argentinos têm produzido filmes densos, abordando conflitos familiares, dramas pessoais e psicológicos, sem abrir mão de entreter. Enquanto o cinema argentino emplaca sucessos a cada ano, nós, brasileiros, continuamos achando graça do Tony Ramos depilando as costas...

No meu próximo texto, abordarei os outros cinco títulos. Também falarei sobre os filmes que não consegui ver, mas que certamente teriam boas chances de entrar na lista dos melhores de 2010. E, como estamos "fechando uma década" do novo século, elencarei os meus melhores filmes brasileiros nos anos 2000.

Nota do Editor
Wellington Machado de Carvalho mantém o blog Esquinas Lúdicas.


Wellington Machado
Belo Horizonte, 28/12/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O dia em que não conheci Chico Buarque de Elisa Andrade Buzzo
02. Um Furto de Ricardo de Mattos
03. Mais outro cais de Elisa Andrade Buzzo
04. A falta que Tom Wolfe fará de Rafael Lima
05. O massacre da primavera de Renato Alessandro dos Santos


Mais Wellington Machado
Mais Acessadas de Wellington Machado em 2010
01. A ilusão da alma, de Eduardo Giannetti - 31/8/2010
02. Enquanto agonizo, de William Faulkner - 18/1/2010
03. Meu cinema em 2010 ― 1/2 - 28/12/2010
04. Guimarães Rosa em Buenos Aires - 28/9/2010
05. A sombra de Saramago - 3/8/2010


Mais Especial Melhores de 2010
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
1/1/2011
19h21min
Gostei do texto! Legal, também faço minhas listas de filmes vistos, mas as minhas são escritas no computador. Fiquei impressionada com seus números de filmes que viu, pois esse ano anotei 101 filmes (apesar de não ter anotado todos) assistidos até o dia 31 de dezembro - e olha que pensava que estava assistindo filmes demais! Especialmente agora nas férias! Muito bom!
[Leia outros Comentários de Angélica]
3/1/2011
17h36min
Gostei muito da sua lista: quatro dos cinco filmes estariam na minha lista anual, se eu fosse fazê-la. Recomendo a todos assistirem "O homem que engarrafava nuvens", não só como filme propriamente dito, mas também para conhecer uma importante fase da música popular brasileira. "O segredo dos seus olhos" é imperdível, Darín está ótimo. Por outro lado, Tony Ramos é subaproveitado, basta ver sua atuação em "Tempos de Paz", no teatro e no cinema. "Guerra ao terror" foi um Oscar merecido. Aguardo, com espectativa, o restante da lista.
[Leia outros Comentários de José Frid]
3/1/2011
18h34min
Achei a terceira via. Quando pequena, lia exaustivamente as histórias de fadas, depois o Flash Gordon, o Fantasma, o Submarino, os gibis, o X-9 etc. Li "Os Miseráveis", "A dama das camélias", "Amor de perdição", "Amor de salvação", toda a coleção J. Cronin. Aí chegaram os filmes, "Perigos de Nioka" (seriado), "Tarzan", "Flash Gordon", "O Zorro", "Os três patetas", "Chaplin", "E o vento levou...". Conheci Miguel Ângelo, Rubens, Leonardo... e entao achei minha vocação. Sua lista fez tudo isso vir à tona. Obrigada.
[Leia outros Comentários de maria anna machado]
26/1/2011
22h26min
Me identifiquei com esse seu conflito interno entre cinema e literatura, tenho exatamente o mesmo problema. E só quem gosta muito dos dois sabe como é torturante ter de escolher entre um e outro. Por diversas vezes me peguei preocupado por ter assistido de mais e lido de menos. Ao mesmo tempo, me torturo ao pensar quantos títulos estou perdendo por não ter tempo de acompanhar tudo, sejam livros ou filmes. É um conflito sem fim...
[Leia outros Comentários de Guilherme Ferreira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




TRATADO DE CONCRETO ARMADO: EM 6 VOLUMES
A. GUERRIN
HEMUS
R$ 579,00



ANOS DE TERNURA - CAPA DURA
A. J. CRONIN
LIVRARIA JOSÉ OLYMPIO
(1947)
R$ 11,00



EIS À LUZ DE CRISTO. ROTEIROS HOMILÉTICOS PARA O TRÍDUO PASCAL E TEMPO PASCAL
CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL - CNBB
EDIÇÕES CNBB
(2014)
R$ 6,50



ESTAÇAO CARANDIRU.
DRAUZIO VARELLA.
COMPANHIA DAS LETRAS
(1999)
R$ 25,00
+ frete grátis



LICITAÇÕES E CONTRATOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
LEI 8.666 DE 21-06-1993
SARAIVA
(2004)
R$ 5,00



ISABEL OU OS SETE TESOUROS
LUCIA J. VILLELA
FLAMBOYANT
(1962)
R$ 8,99



O CARÁTER DO HOMEM DE DEUS MESTRE FIEL BOM SOLDADO ATLETA COROADO LAVRADOR QUE TRABALHA OBREIRO QUE NÃO TEM DO QUE SE ENVERGONHAR
DONG YU LAN
ÁRVORE DA VIDA
(1994)
R$ 8,90



CONFINADOS
WILLIAM GOLDING
FRANCISCO ALVES
(1989)
R$ 15,00



O OUTRO LADO DA COLINA
LIDDELL HART
BIBLIOTECA DO EXERCITO
(1980)
R$ 15,00



MOMENTOS DE ORAÇÃO - 4ª EDIÇÃO
ALMIR RIBEIRO GUIMARAES
VOZES
(1982)
R$ 8,98





busca | avançada
24629 visitas/dia
1,1 milhão/mês