Para entender os protestos e o momento histórico | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
77579 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Clássico de Charles Dickens retrata as misérias sociais da industrialização inglesa
>>> Clube latino-americano de Jazz por streaming terá transmissão gratuita no Brasil
>>> Fora da Casinha realizará apresentações circenses virtuais voltadas para toda família
>>> As Clês narram as vozes femininas do mundo
>>> Programa DIVERSAS estreia na Rádio USP dia 11 de março
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Tiro ao alvo
>>> A TETRALOGIA BUARQUEANA
>>> Bom de bico
>>> Diário oxigenado
>>> Canção corações separados
>>> Relógio de pulso
>>> Centopéia perambulante
>>> Fio desemcapado
>>> Verbo a(fiado)
>>> Janelário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A melhor versão shakespeariana de Kurosawa
>>> Cultura às moscas
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Sobre A Produção Contemporânea
>>> Ingmar Bergman, cada um tem o seu
>>> Entrevista com GermanoCWB
>>> A palavra silenciosa
>>> O menino e o Homem Aranha
>>> À beira do caminho
>>> William Faulkner e a aposta de Pascal
Mais Recentes
>>> Pra Que Serve Matemática ? Semelhança de Imenes- Jakubo - Lellis pela Atual
>>> Pra Que Serve Matemática ? Equação do 2º Grau de Imenes- Jakubo - Lellis pela Atual
>>> Pra Que Serve Matemática ? Álgebra de Imenes- Jakubo - Lellis pela Atual
>>> A Viagem de Uma Alma de Peter Richelieu pela Pensamento (1972)
>>> Harry Potter e a Ordem da Fênix de J. K. Rowling pela Rocco (2003)
>>> O Sorriso do Lagarto de João Ubaldo Ribeiro pela Nova Fronteira (1989)
>>> As 10 Mulheres Que Você Vai Ser Até os 35 de Alison James pela Best Seller (2009)
>>> Histórias Extraordinárias de Edgar Allan Poe pela Martin Claret (2001)
>>> Cascata de Luz de Irene Pacheco Machado pela Recanto
>>> O Amanhã a Deus Pertence de Zibia Gasparetto pela Vida & Consciência (2006)
>>> A Insustentável Leveza do Ser de Milan Kundera pela Rio Gráfica
>>> Sheila Levine Está Morta e Vivendo Em Nova York de Gail Parent pela Bertrand Brasil (2007)
>>> Espelho Meu de Edgar J. Hyde pela Ciranda Cultural (2010)
>>> A 2ª Morte de R a Ranieri pela Edifrater (1997)
>>> O Melhor de Mim de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2014)
>>> Cem Melhoramentos Crônicas (que, na Verdade, São 129) de Mario Prata pela Planeta (2007)
>>> Pare de Sofrer de Zibia Gasparetto pela Vida e Consciência (1997)
>>> Harmonização de Francisco Cândido Xavier pela Geem
>>> Mulheres Alteradas 1 de Maitena pela Rocco
>>> Vernon God Little de Dbc Pierre pela Record (2004)
>>> Seja Líder de Si Mesmo de Augusto Cury pela Sextante (2004)
>>> Crônicas para Gostar de Ler Volume 5 de Carlos Drummond de Andrade pela Atica
>>> As Ilusões Perdidas de Honor é de Balzac pela Victor Civita
>>> O Pequeno Príncipe 25 Edição de Antoine de Saint Exupéry pela Agir (1983)
>>> Autoridade Docente no Ensino Superior: Discussão e Encaminhamentos de Maria Lucia M. Carvalho Vasconcelos pela Intertexto (2006)
COLUNAS >>> Especial Protestos

Terça-feira, 25/6/2013
Para entender os protestos e o momento histórico
Julio Daio Borges

+ de 7100 Acessos


Como todo mundo, eu confesso que demorei a entender o que estava acontecendo no Brasil. Se eu não entendia, como poderia tentar explicar? Por essas e por outras, demorei a me manifestar.

Só começou a ficar mais claro, para mim, quando assisti ao pronunciamento da nossa Presidente da República. Aquele vídeo, que entrou em cadeia nacional, parecia enviado de outro planeta. Totalmente desconectado da nossa realidade, me fez pensar. Tive um brainstorm.

Política não é o meu forte (quem me lê, sabe). Mas ajudei a escrever algumas páginas da internet brasileira e, pela minha experiência e vivência, identifico uma grande "dissonância" entre a "visão de mundo" de nossos governantes e a dos jovens que estão liderando as manifestações.

Logo, me disponho a expor alguns conceitos, que são "chave", na época em que vivemos, e que, me parece não são suficientemente conhecidos, ou não foram devidamente assimilados, ou, talvez, devam ser melhor compreendidos por aqueles que nos governam.

Para começar, a internet é uma conversa. E a nossa sociedade caminha para uma "grande conversação" (mal traduzindo do inglês). Aquele vídeo, da Presidente Dilma, é um monólogo. Segue o modelo de "palestra", onde alguém "fala" e uma audiência, passivamente, "escuta".

Na internet ― e, portanto, na nossa sociedade ― não é mais assim que funciona. O modelo de broadcasting ― em que "poucos" falavam para "muitos" ― caiu por terra. Agora, o que existe é o que se chama de multicast ― em que "muitos" falam para "muitos" ― geralmente ao mesmo tempo.

Seguindo esse raciocínio, a postura de quem "detem o saber" e o "transmite" para quem, supostamente, "não sabe"... caiu de moda. Consultar "oráculos" ou impor "verdades reveladas" não funciona mais ― pois, dada a quantidade de informação disponível, acabou a antiga "omnisciência" e a ideia (antiga, também) de "versão oficial".

Aquele vídeo, da Presidente Dilma, era um "produto" (algo "acabado"). Eis outro conceito velho. Na internet ― e na nossa sociedade interconectada ― nada está "pronto" e tudo está "em construção". O desejo de ter "a palavra final" sobre qualquer assunto soa como uma tremenda ingenuidade, num universo em constante mutação.

Enquanto a Presidente, fechada num estúdio, tinha sua imagem "trabalhada" e seu discurso "construído", os manifestantes realizavam sua performance nas ruas, expondo a pele sem make-up, e sem Photoshop. Era um vídeo presidencial "de laboratório"... tentando "se harmonizar" com a realidade "nua e crua".

No 11 de Setembro, enquanto o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, foi duramente criticado pelo seu discurso ingênuo em "cadeia nacional de rádio e TV", o prefeito de Nova York, Rudolph Giuliani, foi devidamente elogiado por comparecer ― em pessoa ― em Times Square (no mesmo dia em que terroristas punham abaixo o World Trade Center).

Se a nossa Presidente mandou um vídeo direto da sua espaçonave, tampouco nossos digníssimos governador e prefeito, aqui em São Paulo, se dispuseram a comparecer, no auge das manifestações... Infelizmente, estamos percebendo que somos governados por "bonecos de ventríloquo" e não por gente de carne e osso.

Voltando à Presidente, é notório que ela fez uma carreira na burocracia, operando nos "bastidores", e trabalhando, como dizem os americanos, "by the book" (segundo a "cartilha"). Ocorre que, na era da internet, o que estamos assistindo, dos manifestantes, é, justamente, o contrário: uma aula de "jogo de cintura", de "improviso" e de "espontaneidade". À "perfeição" de um "arquétipo" (ou de um "avatar") ― construído pela propaganda política ―, o País contrapôe a "humanidade" de seus manifestantes. Ante a "indefectibilidade" de "especialistas", a "fragilidade" de uma repórter alvejada no olho...

Se a primeira mandatária da Nação enfrenta hoje uma multidão de "anônimos", é porque a internet, analogamente, não tem "centro". A rede é descentralizada. Pode ser "replicada" e "redistribuída", se necessário. Dificilmente pode ser "controlada". Assim: enquanto manifestantes mais exaltados atacam "alvos fixos" (prefeituras e palácios do governo), nem o prefeito, nem o governador, nem a Presidente tem como "se defender" de "franco-atiradores" eletrônicos.

Enfim: nossos representantes deveriam parar de ouvir a "sabedoria convencional", que não mais funciona, e passar o ouvir a "sabedoria das multidões". Como disse um internauta: "Não vou escutar o pronunciamento da Presidente Dilma, vou ler os comentários de vocês [meus pares] on-line". O que for imposto "de cima para baixo" (top-down) tende a ser rechaçado. Novos consensos serão construídos... só que na direção contrária: "de baixo para cima" (bottom-up).

A "megaprodução" do vídeo da Presidente Dilma convence menos que o "do it yourself" ("faça você mesmo") dos manifestantes. Ela optou pelo "horário nobre", enquanto eles trabalham com o a ideia de que "todo dia é dia", "toda hora é hora". Um "obra-prima" do marketing de um lado; um "work in progress", da população, de outro...

Eu poderia falar, ainda, do antigo "monopólio da informação" (falta de "transparência") versus a "informação livre" (que circula na rede). Também das "palavras escolhidas", pela Presidente, versus os "palavrões" dos manifestantes. Da postura "incolor, insípida e inodora" dela, no "pronunciamento", versus o discurso "incisivo e direto", das ruas. Das emoções "contidas" versus o sentimento "extravasado". Da distância, por fim, entre quem fala de um "pedestal" e quem se manifesta ao "rés-do-chão"...

É cedo para concluir o que restará da "velha ordem" política. Mas é certo que uma "nova ordem" vem emergindo. Quem "se fechar" em doutrinas, ideologias ou partidos, não terá espaço. Quem se prestar ao diálogo, a expor seu rosto em praça pública, ouvindo mais do que falando... tende a ganhar pontos com esta geração. A internet não é uma "força da natureza", é uma ferramenta ― mas entender como ela funciona é entender como a nossa sociedade se comportará daqui pra frente.

Para ir além
Think Different (Pense Diferente)


Julio Daio Borges
São Paulo, 25/6/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A difícil arte de viver em sociedade de Luis Eduardo Matta


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges
01. Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges - 29/1/1974
02. Freud e a mente humana - 21/11/2003
03. A internet e o amor virtual - 5/7/2002
04. É Julio mesmo, sem acento - 1/4/2005
05. Frida Kahlo e Diego Rivera nas telas - 25/4/2003


Mais Especial Protestos
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Textos Medievais Portuguêses e Seus Problemas
Serafim da Silva Neto
Ministério da Saúde e Educa
(1956)
R$ 24,50



A Linha Amarela - por Onde Passa e Proximidades
Vera Voto
Prefeitura do Rio de Janeiro
(1998)
R$ 9,80



Mr. North
Thornton Wilder
Best Seller
(1985)
R$ 10,00



Contabilidade Rural
Jospe Carlos Marion
Atlas
(2009)
R$ 20,00



Mies Van der Rohe Critical Essays
Vários Autores
Moma
(1990)
R$ 100,00



Histoire de Leurope et de La France - de 1610 a 1789 - 10412
Victor Duruy
Hachette
(1892)
R$ 85,00



Repressão Penal da Greve
Christiano Falk Fragoso
Lumen Juris
(2016)
R$ 115,00



O outro lado do tabuleiro (Literatura Infanto-Juvenil)
Eliane Ganem
Record
(2000)
R$ 10,00



Atenção Plena Mindfulness - Esoterico
Mark Williams E Dany Penman
Sextante
R$ 39,00



Quantificação Em Psicologia
W. L. Hays
Herder
(1970)
R$ 5,00





busca | avançada
77579 visitas/dia
2,1 milhões/mês