A odisseia do homem tecnomediado | Guilherme Mendes Pereira | Digestivo Cultural

busca | avançada
29267 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 3/12/2013
A odisseia do homem tecnomediado
Guilherme Mendes Pereira

+ de 2700 Acessos

No épico filme 2001: A Space Odyssey, de Stanley Kubric, numa das mais mencionadas e representativas cenas da história do cinema mundial, na qual os hominídeos descobrem usos para ossos encontrados (ferramentas para a caça e defesa), podemos vislumbrar uma menção a habilidades ancestrais que foram responsáveis pela sobrevivência do frágil homem primitivo num mundo brutal e caótico. Habilidades como a capacidade de observar, de racionalizar e de subjugar a natureza e as coisas através do conhecimento e do fazer técnicos.

Ao final da cena com os primatas para o início da cena do homem no espaço sideral há uma transição metafórica: um hominídeo, após intuir usos ao pedaço de osso o joga ao céu. A partir daí, na sequência, advém a cena do espaço sideral e do astronauta no interior de uma estação espacial, adormecido e com a sua caneta (outra ferramenta técnica crucial ao desenvolvimento e imperar do homem) flutuante ao seu lado devido a ausência de gravidade. Do osso, convertido a ferramenta tosca para caça, os hominídeos desenvolveram e aprimoraram durante a sua evolução outros recursos técnicos, como a oralidade e a capacidade de registro de seus conhecimentos empíricos através da escrita iconográfica e mais tarde fonética, por exemplo. Esta última representada na referida cena através da icônica caneta. Tais conhecimentos foram seminais à sobrevivência e desenvolvimento das sociedades humanas.

A técnica se revela de maneira explícita em objetos simples, complexos e sistemas tecnológicos. Mas como ilustrado no filme de Kubric, a técnica perpassa também nossas relações e corpos. Logo, nós também nos tornamos objetos técnicos.

Hoje, na medida em que nascemos e coexistimos num mundo completamente constituído e instituído pela técnica, a mesma acaba nos parecendo invisível e escapando do exercício reflexivo. Deste modo, o pensar sobre a técnica só pode acontecer a partir de um distanciamento filosófico.

Superando a acepção antropológica da técnica — a de um meio para determinado fim —, e marcando profundamente os rumos do pensamento ocidental moderno, o pensador alemão Martin Heidegger postulou que a técnica é um saber que interpela a tudo e a todos e que antevê toda a infinidade de práticas humanas.

Em suas reflexões, Heidegger explicou que tudo o que existe através do entendimento do homem é artificioso, tecnicamente forjado. Se antes a técnica antiga (techne para os gregos) tinha uma estreita relação com a ideia de uma essência etérea e seminal das coisas e com a revelação dessas coisas a partir da observação contemplativa (alethea), a tecnologia moderna, por sua vez, fundiu a técnica antiga com a palavra exata do saber científico esquemático (logos). Note aí a diferença entre técnica (techne) e tecnologia (techne + logos). Aquela refere-se a uma habilidade aprendida empiricamente mediante o domínio da natureza e a segunda trata dessa técnica agora automatizada pelo saber metódico e científico, e regulada por sistemas que passam a funcionar sem a interferência do homem.

Técnica e tecnologia são assim princípios para a construção de mundos. As ideias de técnica e tecnologia enquanto conhecimentos metafísicos, ou seja, que perpassam a todas as coisas, foram desconstruídas por Heidegger.

O pensador questionou se a técnica seria um elemento definidor do homem e de seu destino no mundo ocidental e como essa técnica existiria. O questionar é uma prática amplamente sustentada pelo filósofo por ser um contraponto ao imperar global da figura dominadora e repressora da tecnologia na modernidade.

Originariamente, segundo Heidegger, o mundo é algo poético (poiesis) e passa a existir em função da palavra criadora, que trouxe a possibilidade de pensar, compreender e criar mundos e existências. A palavra, essência das coisas, define assim os limites de mundos e de suas existências, constitui-os. Mundos, para o pensador, são as pluralidades, os modos de perceber as coisas e de conduzir as existências. A partir de um acordo entre pares surge um mundo.

Na contemporaneidade, a técnica e a tecnologia estão vinculadas a todas as nossas ações e desse modo acabam, muitas vezes, por nos alienar e sobrepujar-nos, prendendo-nos ao esquema denominado por Heidegger de armação. O mundo da armação é um mundo que em parte não depende mais de nós e que em parte passa a funcionar automaticamente.

A armação então se mostra como um fenômeno para além do homem e de seu movimento no mundo humano, atrelado a uma sede de poder, a vontade de vontade (conforme Friedrich Nietzsche). A armação, portanto, é uma convocação para um novo mundo, não mais humano, mas agora tencionado estritamente pelo pensamento científico-matemático. Seria o mundo pós-humano, um mundo o qual começamos a experenciar. Um mundo tecnologicamente autorregulado, no qual não caberia mais espaço para o homem e as competências humanas.

A questão da tecnologia atrelada a sistemas cibernéticos, no sentido de "apreensão e controle total da realidade", tão comum na atualidade, já traz o início de uma espécie de auto-regulação tecnológica do mundo. E isso tem demonstrado que cada vez menos precisaremos manifestar qualquer tipo de competência técnica ou humana já que os maquinismos passam a dar conta de tudo. Com isso, o fator humano acaba incidindo em sobra, resíduo ou erro, como no mundo de Hall 9000, o robô que controla a estação espacial no filme de Kubric, e que tenta eliminar o homem.

O prenúncio do império da armação, o pós-humano, advindo no acabamento do humano só poderia ser contornado, conforme Heidegger, através de um modo de ser diametralmente diverso: o agir reflexivo e meditativo, como o saber artístico, por exemplo, cada vez menos visitado.

Heidegger, ao argumentar sobre da questão da técnica, criticou os sistemas científico-matemáticos, pretensamente reguladores do mundo natural e do mundo humano em suas totalidades. Criticou o programar da existência, que tem promovido a redução do espaço poético, da espontaneidade e da autenticidade. O pensador defendeu a criatividade, o pensamento no sentido forte, o questionar incessante, a inquietação. Seriam essas as ações que trariam a inovação que transformaria e movimentaria os mundos através da dinâmica da diferença.

O fato é que, ansiosos e preocupados enquanto seres técnicos, buscamos sempre o avanço do destino, o movimento artificioso das coisas, pois não conseguimos aguentar o movimento intrínseco e incontrolável da existência, o devir espontâneo, nos termos de Heidegger, o ser-aí.

Procuramos a emancipação tendo apenas uma certeza em mente: a inevitabilidade de nossos destinos que culmina na morte. Talvez em função dessa única certeza é que surja a necessidade de ocuparmo-nos incessantemente, de nos deixarmos muitas vezes levar pelos sistemas tecnológicos e pelas utopias sociotécnicas, e assim, de certa forma, escaparmos do tédio e da melancolia, do inevitável niilismo.

O que resta a nós é talvez um estímulo ao pensar autêntico, questionador e ao exercício poético e da intuição. Somos provocados assim, pelo pensamento de Heidegger, a buscar a emancipação e a mudança criativa de mundos através da diferença e da pluralidade, e da aceitação de que nem tudo pode ser sujeitado e controlado ao domínio tecnológico (pós)humano. Uma compreensão talvez ainda humana.

Para ir Além:
HEIDEGGER, Martin. O Ser e o Tempo. Petrópolis: Vozes, 2012.
RÜDIGER, Francisco. Martin Heidegger e a Questão da Técnica: Prospectos Acerca do Futuro do Homem. Porto Alegre: Sulina, 2006.


Guilherme Mendes Pereira
São Paulo, 3/12/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Como eu escrevo de Luís Fernando Amâncio
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. Prólogo. Sem Alarde de Heloisa Pait
03. It's evolution, baby de Luís Fernando Amâncio
04. Se a vida começasse agora de Luís Fernando Amâncio
05. Escola, literatura e sociedade: esquizofrenia de Ana Elisa Ribeiro


Mais Guilherme Mendes Pereira
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CURSO DE ESPAÑOL LENGUA EXTRANJERA COLEGA 1 CUADERNO EJERCICIOS
MARÍA HOTELANO; ELENA HORTELANO; JOSÉ LORENTE
EDELSA
(2014)
R$ 30,00



ENGLISH WAY 14 - O CURSO DE INGLÊS DA ABRIL
ABRIL COLEÇÕES
ABRIL
(2009)
R$ 13,00



O OUTRO LADO DO PODER
HUGO ABREU
NOVA FRONTEIRA
(1979)
R$ 5,00



MANUAL DO COMPRADOR
MARIO DIAS & ROBERTO FIGUEIREDO COSTA
EDICTA
(2003)
R$ 20,00



O SALTO PARA A VIDA
CÉLIA VALENTE
FTD
(1999)
R$ 9,90



OBSESSÃO E DESOBSESSÃO - PROFILAXIA E TERAPÊUTICA ESPÍRITAS
SUELY CALDAS SCHUBERT
FED. ESPÍRITA BRASILEIRA
(1990)
R$ 11,00



PARA SEMPRE CONTIGO
EVANICE MARIA PEREIRA
PETIT
(2012)
R$ 20,00



ESTETICA DE LA INFORMACION
MAX BENSE
ALBERTO CORAZON
(1972)
R$ 35,02



APRENDER E ENSINAR COM TEXTOS DE ALUNOS VOL. 1 - (5ª ED.)
LIGIA CHIAPPINI (COORD.)
CORTEZ
(2002)
R$ 18,90



CORRER OU MORRER (MAZE RUNNER #1)
JAMES DASHNER
V&R
(2010)
R$ 12,00





busca | avançada
29267 visitas/dia
1,1 milhão/mês