Barba ensopada de sangue: a ilusão é humana | Isabella Ypiranga Monteiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
35929 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 14/1/2014
Barba ensopada de sangue: a ilusão é humana
Isabella Ypiranga Monteiro

+ de 3300 Acessos

Dizem as enciclopédias que Fata Morgana - do italiano fada Morgana - é o evento responsável por fazer com que objetos vistos no horizonte, como, por exemplo, ilhas, barcos e icebergs, adquiram uma aparência alargada e elevada devido à inversão térmica. Não há grande mistério nisso. Provavelmente, em maior ou menor grau, o leitor já testemunhou a ilusão de ótica durante um passeio corriqueiro pela orla. Em termos menos científicos, também é bastante comum nos depararmos com um outro gênero de miragem ao longo da vida. São aquelas metas que planejamos alcançar e que teimam em surgir diante de nossos olhos como promessas de solução para os conflitos humanos. Pode ser um emprego, casamento, filhos... Oásis, muitas vezes, tão inatingíveis quanto a tal linha do infinito. Com o personagem principal de Barba ensopada de sangue (Companhia das Letras, 2012), quarto e mais recente romance de Daniel Galera, não é diferente.

O enredo é simples. Um professor de educação física de trinta e poucos anos deixa Porto Alegre para viver em Garopaba, pequeno balneário de Santa Catarina, após o suicídio do pai. Com o firme propósito de descobrir a verdade sobre a morte de seu avô, um sujeito misterioso que teria sido assassinado décadas antes na mesma cidade, o protagonista aproveita ainda a distância que separa sua nova casa dos parentes e amigos para escapar da conturbada relação com o irmão e esquecer uma vida amorosa pregressa desastrada. A mudança geográfica é, na realidade, consequência do isolamento psíquico em que pretende imergir; a visita ao passado familiar, uma tentativa velada de reaver a própria identidade. Enquanto procura preencher seus buracos emocionais, ele vai acabar aprendendo que, como diz o velho clichê, o caminho pode ser mais interessante que a chegada.

Galera já havia explorado o argumento "recomeçando em outro lugar" no aclamado Cordilheira, embora, talvez, de uma maneira mais assertiva. Se o primeiro título da coleção Amores Expressos, publicado também pela Companhia das Letras e vencedor do Prêmio Machado de Assis 2008, ajudou a colocá-lo em evidência nas prateleiras das livrarias, Barba... garantiu de vez seu posto em um seleto grupo de novos e influentes autores. Não por acaso, o paulistano de ascendência gaúcha foi eleito um dos vinte jovens escritores brasileiros de maior destaque em 2012 - ao lado de figuras como Michel Laub, Ricardo Lísias e João Paulo Cuenca - pela prestigiada revista literária britânica Granta. O investimento pesado da editora nesse atual fenômeno da literatura nacional rendeu bons frutos. O livro levou o Prêmio São Paulo de Literatura e o Jabuti de terceiro melhor romance do ano passado, além de ser um dos finalistas do Prêmio Portugal Telecom 2013 na mesma categoria.

Barba ensopada de sangue pode ser encarado, na verdade, como um epítome da ainda acanhada obra de Daniel Galera. O estilo pessoal e muito bem definido do autor, qualidade incomum em artistas de parcos 34 anos e com relativa pouca experiência no meio, se impõe linha após linha desse último projeto de forma incontestável. Diálogos ágeis e um já característico realismo hiperdescritivo, em que cada vírgula parece gritar sua carga de relevância para a história, se misturam à aproximação com elementos ligados à natureza, outro tema presente em alguns de seus trabalhos anteriores como Cachalote, uma parceria com o quadrinista Rafael Coutinho, e Até o dia em que o cão morreu, cuja primeira edição saiu pela Livros do Mal, pequena editora cofundada pelo escritor em 2001.

"Ela se vira de costas e ergue a blusa. Está escrito em letras grandes, atravessado na lombar, DEUS ESTÁ MORTO.
Essa tatuagem é estranha.
Legal, né? Eu adoro Nietzsche.
Quem é Nietzsche mesmo?
É um filósofo. O bigodudo. Uma amiga minha botou essa frase no Orkut e eu gostei. Li um livro dele. 'Além do bem e do mal'.
Não li.
Vamos para o quarto, atleta.
Quanto é?
Cento e cinquenta.
Tu custa o mesmo que o vinho? Isso não tá certo.
Ela não diz nada".

Cachorros, aliás, costumam assumir papéis-chave nos romances de Galera. Para desvendar o enigma envolvendo o assassinato do avô Gaudério, o protagonista de Barba... conta com a companhia constante de Beta, cadela que funciona como uma espécie de derradeiro elo com seu pai. O mar e suas idiossincrasias, imprescindíveis na composição desta narrativa em específico, também receberam atenção especial do autor. Ele revelou durante entrevista ter morado um ano em Garopaba, o que explica como conseguiu descrever o clima da cidade litorânea fora de temporada tão vividamente. Esses ingredientes combinados acabam incitando a memória afetiva do leitor - seja pela lembrança daquelas férias de infância na praia ou pela saudade de um bicho de estimação querido -, servindo para criar uma identificação instantânea com o que está sendo relatado. E não são os únicos.

"O mar finalmente desponta no término da avenida principal da cidade, uma lasca azulada e fria no fim da reta de asfalto que cintila sob o sol latejante de uma da tarde. É o dia do seu aniversário. Trafega em segunda marcha, janelas abertas e ventiladores ligados para arejar o interior do carro num dia sem vento, o zunido abafado dos ventiladores misturado com o ronco tímido do motor 1.0 e a música do CD do Ben Harper, quase parando antes dos quebra-molas para não raspar o fundo do automóvel sobrecarregado".

Achou estranho o nome do protagonista não ter sido citado uma única vez ao longo deste texto? A culpa não é de quem vos escreve agora, mas sim do próprio Daniel Galera. O jovem professor de natação - ou "nadador" como é chamado pelos seus interlocutores - é tratado no decorrer de 422 páginas sempre pelo pronome pessoal reto ele, o que transmite a ideia de que qualquer um de nós poderia ocupar aquele lugar. A terceira pessoa, a propósito, é descartada apenas nas inusitadas notas de rodapé. Apesar de um pouco extensas, tais passagens cumprem bem a função de pontuar a relação dos demais personagens - sob a perspectiva deles - com o nosso herói anônimo. Outro recurso, desta vez bastante sutil e exterior ao conteúdo do livro, aparenta ter sido engenhosamente adotado a fim de causar empatia no público. Cercado de uma forte campanha midiática, o lançamento de Barba... inovou ao distribuir exemplares personalizados, com direito a capas de três diferentes cores - azul, verde e vermelho. Não havia a necessidade de apelar ao truque marqueteiro para vender o romance. O autor tem fôlego o bastante para despertar sensações de déjà vu com suas palavras e, assim, atrair mais leitores. Os homens, em particular, vão se rever nos trechos carregados de humor típico do universo masculino.

"Oi. Pensei muito antes de te escrever porque aquela última vez que te liguei ao saber do teu pai tu me deixou bem claro que preferia não ter mais notícias nossas. Pode ignorar esta mensagem se preferir, do mesmo jeito que ignorou as outras, e desculpa se eu estou te importunando. Mas eu suspeito que essa tua atitude é só para que as pessoas acabem te procurando, porque tu não quer falar primeiro, sabe? Se eu estiver enganada só vou piorar tudo, mas... resolvi correr o risco".

Com os direitos de tradução negociados para quatro países ainda antes de sair no Brasil, Barba ensopada de sangue mostra como é possível falar de fantasia abusando do realismo contemporâneo e, talvez, justamente nesse ponto esteja o seu quinhão poético e maior mérito. Portador de uma rara doença congênita que o impede de reconhecer rostos, o protagonista busca em cada pessoa com quem cruza - entre elas, uma garçonete e o filho pequeno, os alunos de natação, o divertido amigo budista e a secretária de uma agência de turismo - decifrar a si mesmo. A semelhança física com o ancestral morto, que chega, inclusive, a assustar os antigos moradores do balneário, nada mais é que uma sofisticada metáfora desse desejo inconsciente. Embora esclareça os mistérios a que se propôs investigar, a conquista provoca nele o exato efeito das Fata Morgana que consegue avistar das areias de Garopaba. De perto, miragens não são o que parecem ser. Sem as respostas de que precisa, só resta ao "nadador" reabrir um ciclo atávico e, dessa forma, se reconciliar com a própria trajetória e cumprir seu destino. Quem já não experimentou algo similar? Afinal, de ilusão, todos nós vivemos.


Isabella Ypiranga Monteiro
Rio de Janeiro, 14/1/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Roland Barthes e o prazer do texto de Jardel Dias Cavalcanti
02. No futebol, como na vida de Marcelo Spalding
03. Meu eu escritora de Taís Kerche
04. Nunca mais do que a reportagem de Adriana Carvalho
05. We the Media, de Dan Gillmor de Julio Daio Borges


Mais Isabella Ypiranga Monteiro
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




BEST DETECTIVE STORIES OF AGATHA CHRISTIE
AGATHA CHRISTIE
LONGMAN
(1986)
R$ 9,90



CABUL NO INVERNO - VIDA SEM PAZ NO AFEGANISTÃO
ANN JONES
NOVO CONCEITO
(2006)
R$ 10,00



PROJETO DESIGN 306
VÁRIOS AUTORES
ARCO
R$ 20,00



JURISPRUDÊNCIA DA NOVA LEI DE RECUPERAÇÃO DE EMPRESAS E FALÊNCIAS
MANOEL JUSTINO / BEZERRA FILHO
REVISTA DOS TRIBUNAIS
(2006)
R$ 25,00



O LIVRO DAS LÍNGUAS
ROCHA RUTH
MELHORAMENTOS
(2005)
R$ 11,00



ONTEM EU CHOREI - CELEBRANDO AS LIÇÕES DA VIDA E DO AMOR
IYANLA VANZANT
SEXTANTE
(2001)
R$ 18,00



POLÍTICAS PÚBLICAS SOCIAIS E OS DESAFIOS PARA O JORNALISMO
GUILHERME CANELA (ORG)
CORTEZ
(2008)
R$ 20,00



ORACULO DO REIKI - 1ª EDIÇÃO
JOHNNY DECARLI
NOVA SENDA
(2015)
R$ 148,95



O FUTURO SEIS DESAFIOS PARA MUDAR O MUNDO
AL GORE
HSM
(2013)
R$ 20,00



DOIS AMIGOS E UM CHATO
STANISLAW PONTE PRETA
MODERNA
(1988)
R$ 8,00





busca | avançada
35929 visitas/dia
1,3 milhão/mês