Barba ensopada de sangue: a ilusão é humana | Isabella Ypiranga Monteiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
53121 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Projeto lança minidocumentário sobre a cultura do Gambá na Amazônia
>>> Cinema itinerante leva sessões gratuitas a cidades do Sudeste e do Sul
>>> Artistas abrem campanha de financiamento para publicação de graphic novel
>>> Projeto que une cultura e conscientização ambiental traz teatro gratuito a Minas Gerais
>>> Show da Percha com Circo do Asfalto
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Direitos e Deveres, a torto e a direita
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Por uma arquitetura de verdade
>>> O criador do algoritmo do YouTube
>>> Cisne Negro: por uma inversão na ditadura do gozar
>>> Filosofia teen
>>> Extraordinary Times
>>> O melhor programa cultural
>>> As estrelas e os mitos
>>> Open Culture
>>> Conselheiros não se aconselham
>>> Sartre e a idade da razão
Mais Recentes
>>> Orientação educacional o trabalho na escola de Regina Leite Garcia pela Loyola (1990)
>>> Navegar é Preciso? de Jack London pela Campus (2000)
>>> A República 3.000 de Menotti del Picchia pela Ediouro (1997)
>>> Lino pequeno de E. B. White pela Elefante
>>> O tesouro do lago da brisa um roubo no zoológico de Hans Jürgen Press pela Ática (1999)
>>> Auto da barca do inferno farsa de Inês Pereira auto da índia de Gil Vicente pela Ática (2006)
>>> A guerra doa botões de Louis Pergaud pela Ediouro (1994)
>>> A guerra doa botões de Louis Pergaud pela Ediouro (1994)
>>> A árvore que dava dinheiro de Domingos Pellegrini pela Moderna (1982)
>>> A árvore que dava dinheiro de Domingos Pellegrini pela Moderna (1983)
>>> A árvore que dava dinheiro vol. 3 novela de Domingos Pellegrini pela Ática (2002)
>>> Artemis fowl de Eoin Colfer pela Record (2008)
>>> A estranha Madame Mizu de Thierry Lenaín pela Companhia das Letrinhas (2003)
>>> Sherlock Holmes em: Os seis bustos de napoleão e outras histórias de Arthur Conan Doyle pela L&PM Pocket (1999)
>>> Universidade das crianças/Cientistas explicam os enigmas do mundo de Ulrich Janben e Ulla Steuernagel pela Planeta (2008)
>>> A formulação de objetivos de ensino de Robert F. Mager pela Globo (1980)
>>> Avaliação institucional da universidade de Antônio Amorim pela Cortez (1992)
>>> O estudante de Adelaide Carraro pela Global (2003)
>>> Símbolos Antigos e Sagrados - Biblioteca Rosacruz XXIII de Ralph M Lewis F.R.C. pela Renes (1979)
>>> Ab-reação Análise dos Sonhos, Transferência de C. G. Jung pela Vozes (1999)
>>> Leitura de Estudo: ler para aprender a estudar e estudar para aprender a ler de Leda Tessari Catello Pereira pela Alínea (2003)
>>> Pfuenprinzessin de Indu Sundaresan pela Fischer (2005)
>>> Espiritualidade e Transcendência de C. G. Jung pela Vozes (2007)
>>> Deuses Americanos de Neil Gaiman pela Intrínseca (2016)
>>> Amaldiçoado de Joe Hill pela Arqueiro (2015)
COLUNAS

Terça-feira, 14/1/2014
Barba ensopada de sangue: a ilusão é humana
Isabella Ypiranga Monteiro

+ de 4000 Acessos

Dizem as enciclopédias que Fata Morgana - do italiano fada Morgana - é o evento responsável por fazer com que objetos vistos no horizonte, como, por exemplo, ilhas, barcos e icebergs, adquiram uma aparência alargada e elevada devido à inversão térmica. Não há grande mistério nisso. Provavelmente, em maior ou menor grau, o leitor já testemunhou a ilusão de ótica durante um passeio corriqueiro pela orla. Em termos menos científicos, também é bastante comum nos depararmos com um outro gênero de miragem ao longo da vida. São aquelas metas que planejamos alcançar e que teimam em surgir diante de nossos olhos como promessas de solução para os conflitos humanos. Pode ser um emprego, casamento, filhos... Oásis, muitas vezes, tão inatingíveis quanto a tal linha do infinito. Com o personagem principal de Barba ensopada de sangue (Companhia das Letras, 2012), quarto e mais recente romance de Daniel Galera, não é diferente.

O enredo é simples. Um professor de educação física de trinta e poucos anos deixa Porto Alegre para viver em Garopaba, pequeno balneário de Santa Catarina, após o suicídio do pai. Com o firme propósito de descobrir a verdade sobre a morte de seu avô, um sujeito misterioso que teria sido assassinado décadas antes na mesma cidade, o protagonista aproveita ainda a distância que separa sua nova casa dos parentes e amigos para escapar da conturbada relação com o irmão e esquecer uma vida amorosa pregressa desastrada. A mudança geográfica é, na realidade, consequência do isolamento psíquico em que pretende imergir; a visita ao passado familiar, uma tentativa velada de reaver a própria identidade. Enquanto procura preencher seus buracos emocionais, ele vai acabar aprendendo que, como diz o velho clichê, o caminho pode ser mais interessante que a chegada.

Galera já havia explorado o argumento "recomeçando em outro lugar" no aclamado Cordilheira, embora, talvez, de uma maneira mais assertiva. Se o primeiro título da coleção Amores Expressos, publicado também pela Companhia das Letras e vencedor do Prêmio Machado de Assis 2008, ajudou a colocá-lo em evidência nas prateleiras das livrarias, Barba... garantiu de vez seu posto em um seleto grupo de novos e influentes autores. Não por acaso, o paulistano de ascendência gaúcha foi eleito um dos vinte jovens escritores brasileiros de maior destaque em 2012 - ao lado de figuras como Michel Laub, Ricardo Lísias e João Paulo Cuenca - pela prestigiada revista literária britânica Granta. O investimento pesado da editora nesse atual fenômeno da literatura nacional rendeu bons frutos. O livro levou o Prêmio São Paulo de Literatura e o Jabuti de terceiro melhor romance do ano passado, além de ser um dos finalistas do Prêmio Portugal Telecom 2013 na mesma categoria.

Barba ensopada de sangue pode ser encarado, na verdade, como um epítome da ainda acanhada obra de Daniel Galera. O estilo pessoal e muito bem definido do autor, qualidade incomum em artistas de parcos 34 anos e com relativa pouca experiência no meio, se impõe linha após linha desse último projeto de forma incontestável. Diálogos ágeis e um já característico realismo hiperdescritivo, em que cada vírgula parece gritar sua carga de relevância para a história, se misturam à aproximação com elementos ligados à natureza, outro tema presente em alguns de seus trabalhos anteriores como Cachalote, uma parceria com o quadrinista Rafael Coutinho, e Até o dia em que o cão morreu, cuja primeira edição saiu pela Livros do Mal, pequena editora cofundada pelo escritor em 2001.

"Ela se vira de costas e ergue a blusa. Está escrito em letras grandes, atravessado na lombar, DEUS ESTÁ MORTO.
Essa tatuagem é estranha.
Legal, né? Eu adoro Nietzsche.
Quem é Nietzsche mesmo?
É um filósofo. O bigodudo. Uma amiga minha botou essa frase no Orkut e eu gostei. Li um livro dele. 'Além do bem e do mal'.
Não li.
Vamos para o quarto, atleta.
Quanto é?
Cento e cinquenta.
Tu custa o mesmo que o vinho? Isso não tá certo.
Ela não diz nada".

Cachorros, aliás, costumam assumir papéis-chave nos romances de Galera. Para desvendar o enigma envolvendo o assassinato do avô Gaudério, o protagonista de Barba... conta com a companhia constante de Beta, cadela que funciona como uma espécie de derradeiro elo com seu pai. O mar e suas idiossincrasias, imprescindíveis na composição desta narrativa em específico, também receberam atenção especial do autor. Ele revelou durante entrevista ter morado um ano em Garopaba, o que explica como conseguiu descrever o clima da cidade litorânea fora de temporada tão vividamente. Esses ingredientes combinados acabam incitando a memória afetiva do leitor - seja pela lembrança daquelas férias de infância na praia ou pela saudade de um bicho de estimação querido -, servindo para criar uma identificação instantânea com o que está sendo relatado. E não são os únicos.

"O mar finalmente desponta no término da avenida principal da cidade, uma lasca azulada e fria no fim da reta de asfalto que cintila sob o sol latejante de uma da tarde. É o dia do seu aniversário. Trafega em segunda marcha, janelas abertas e ventiladores ligados para arejar o interior do carro num dia sem vento, o zunido abafado dos ventiladores misturado com o ronco tímido do motor 1.0 e a música do CD do Ben Harper, quase parando antes dos quebra-molas para não raspar o fundo do automóvel sobrecarregado".

Achou estranho o nome do protagonista não ter sido citado uma única vez ao longo deste texto? A culpa não é de quem vos escreve agora, mas sim do próprio Daniel Galera. O jovem professor de natação - ou "nadador" como é chamado pelos seus interlocutores - é tratado no decorrer de 422 páginas sempre pelo pronome pessoal reto ele, o que transmite a ideia de que qualquer um de nós poderia ocupar aquele lugar. A terceira pessoa, a propósito, é descartada apenas nas inusitadas notas de rodapé. Apesar de um pouco extensas, tais passagens cumprem bem a função de pontuar a relação dos demais personagens - sob a perspectiva deles - com o nosso herói anônimo. Outro recurso, desta vez bastante sutil e exterior ao conteúdo do livro, aparenta ter sido engenhosamente adotado a fim de causar empatia no público. Cercado de uma forte campanha midiática, o lançamento de Barba... inovou ao distribuir exemplares personalizados, com direito a capas de três diferentes cores - azul, verde e vermelho. Não havia a necessidade de apelar ao truque marqueteiro para vender o romance. O autor tem fôlego o bastante para despertar sensações de déjà vu com suas palavras e, assim, atrair mais leitores. Os homens, em particular, vão se rever nos trechos carregados de humor típico do universo masculino.

"Oi. Pensei muito antes de te escrever porque aquela última vez que te liguei ao saber do teu pai tu me deixou bem claro que preferia não ter mais notícias nossas. Pode ignorar esta mensagem se preferir, do mesmo jeito que ignorou as outras, e desculpa se eu estou te importunando. Mas eu suspeito que essa tua atitude é só para que as pessoas acabem te procurando, porque tu não quer falar primeiro, sabe? Se eu estiver enganada só vou piorar tudo, mas... resolvi correr o risco".

Com os direitos de tradução negociados para quatro países ainda antes de sair no Brasil, Barba ensopada de sangue mostra como é possível falar de fantasia abusando do realismo contemporâneo e, talvez, justamente nesse ponto esteja o seu quinhão poético e maior mérito. Portador de uma rara doença congênita que o impede de reconhecer rostos, o protagonista busca em cada pessoa com quem cruza - entre elas, uma garçonete e o filho pequeno, os alunos de natação, o divertido amigo budista e a secretária de uma agência de turismo - decifrar a si mesmo. A semelhança física com o ancestral morto, que chega, inclusive, a assustar os antigos moradores do balneário, nada mais é que uma sofisticada metáfora desse desejo inconsciente. Embora esclareça os mistérios a que se propôs investigar, a conquista provoca nele o exato efeito das Fata Morgana que consegue avistar das areias de Garopaba. De perto, miragens não são o que parecem ser. Sem as respostas de que precisa, só resta ao "nadador" reabrir um ciclo atávico e, dessa forma, se reconciliar com a própria trajetória e cumprir seu destino. Quem já não experimentou algo similar? Afinal, de ilusão, todos nós vivemos.


Isabella Ypiranga Monteiro
Rio de Janeiro, 14/1/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Velhice de Marilia Mota Silva
02. Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg de Jardel Dias Cavalcanti
03. Armando Freitas Filho, dossiê na Palavra de Jardel Dias Cavalcanti
04. Esboços de uma biografia precoce não autorizada de Cassionei Niches Petry
05. Viagem a 1968: Tropeços e Desventuras (2) de Marilia Mota Silva


Mais Isabella Ypiranga Monteiro
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Pais inteligentes formam sucessores, não herdeiros
Augusto Cury
Saraiva
(2014)



The Final Cut
Pink Floyd
Scotprint Ltd
(1983)



Dicionário da bíblia de almeida
Werner Kaschel
Sociedade Bíblica do Brasil
(2009)



2012 - Nas Cortes do Sol (lacrado)
Brian D Amato
Geração Editorial
(2012)



Respostas Que a Vida Dá
Nelson Moraes
Aulus



O Sucesso Através da Análise Transacional
Jut Meininger
Circulo do Livro
(1987)



Rio das Flores
Miguel Sousa Tavares
Companhia das Letras
(2008)



Irmãs pra valer
Thalia Kalkipsakis
Fundamento
(2006)



A Pata da Gazela.
José de Alencar
Ftd
(1996)



O Profeta
Khalil Gibran; Ana Guadalupe
Acigi
(2000)





busca | avançada
53121 visitas/dia
2,0 milhão/mês