Por um 2015 sem carteiradas | Marta Barcellos | Digestivo Cultural

busca | avançada
39185 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
Colunistas
Últimos Posts
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
>>> Marco Lisboa na Globonews
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Retomada do crescimento
>>> Drummond: o mundo como provocação
>>> Cigarro, apenas um substituto da masturbação?
>>> De volta às férias I
>>> Redes e protestos: paradoxos e incertezas
>>> 2005: Diário de bordo
>>> Alfa Romeo e os bloggers
>>> Defesa dos Rótulos
>>> O Jovem Bruxo
>>> Sua Excelência, o Ballet de Londrina
Mais Recentes
>>> Marcados pelo passado de Lourdes Carolina Gagete pela Mundo maior (2010)
>>> Espíritos entre Nós de James Van Praagh pela Sextante (2009)
>>> Novamente em casa de Francisco Cândido Xavier Caio Ramacciotti Espíritos Diversos pela Geem (1984)
>>> OS Valores e o Tempo de Alceu Costa Filho pela Petit (2004)
>>> Sementes de vida Eterna de Djalma Santos pela Novo Ser (2011)
>>> Tempo de Escolhas de Francisco Cajazeiras pela Novo Ser (2011)
>>> 7 Estados do Coração de Rodolfo Beuttenmüller pela Gospel (2008)
>>> Alguém bateu na minha Porta de Osvaldo Jorge Degrazia pela Novo Ser (2012)
>>> Prelúdio de Paz de Djalma Santos pela Novo Ser (2011)
>>> O Caráter Ecumênico do Espiritismo de Paulo Rzezinski pela Edição do Autor (1995)
>>> A verdadeira Alma Gêmea de Fausto Oliveira pela Seame (1998)
>>> Como tomar posse da Bênção de R.R. Soares pela Graça Arte (1987)
>>> A luz de um novo Dia de João Cuin pela Dpl (2001)
>>> A Última Grande lição ( O Sentido da vida) de Mitch Albom pela Sextante (1998)
>>> Historia de Cristo para as Crianças de Rafael A. Ranieri pela Lake (2003)
>>> Náufragos da vida ( Pelo Espírito Lenuz Aqoqo) de Luciana Cardoso pela Dpl (2000)
>>> Racionalismo Cristão Responde de Fernando Faria pela Diagrama (1998)
>>> O Poder do Jovem ( Você pode se acha que pode!) de Lauro Trvisan pela Mente (2010)
>>> O Que é o Espiritismo de Allan Kardec pela Ide (2008)
>>> Obra Póstumas de Allan Kardec pela Ide (2008)
>>> A Dança da paz de Giuliana Martirani pela Paulinas (2006)
>>> Suas verdades ( O Tempo não Apaga) de Américo Simões pela Barbara (2009)
>>> Organize-se num Minuto de Donna Smallin pela Gente (2005)
>>> Assassinato no Expresso do Oriente de Agatha Christie pela Nova Fronteira (2011)
>>> Quatrocentos Contra Um - Uma História do Comando Vermelho de William da Silva Lima pela Vozes (1991)
>>> Confronto pedagógico: Paulo Freire e Mobral de Gilberta Martina Jannuzi pela Cortez & Moraes (1979)
>>> Escravidão, Homossexualidade e Demonologia de Luiz Mott pela Icone (1988)
>>> Socialismo Síntese das origens e doutrinas de Edgar Rodrigues pela Porta Aberta (2003)
>>> Sentença: Padres e Posseiros do Araguaia de Rivaldo Chinem pela Paz E terra (2019)
>>> Pancho Villa O revolucionário Mexicano de Earl Shorris pela Francisco Alves (1983)
>>> México em Transe de Igor Fuser pela Scritta (1996)
>>> Sociologia Política da Guerra camponesa de Canudos - Da destruição do Belo Monte ao aparecimento do MST de Clóvis Moura pela Expressão Popular (2000)
>>> Exclusão Escolar Racializada - Implicações do Racismo na Trajetória de Educandos da EJA de Tayná Victória de Lima Mesquita pela Paco Editorial (2019)
>>> Crítica da Razão Negra de Achille Mbembe pela N-1 Edições (2018)
>>> Esferas da Insurreição - Notas para uma vida não cafetinada de Suely Rolnik pela N-1 Edições (2013)
>>> Arqueofeminismo - Mulheres filósofas e filósofos feministas – Séculos XVII-XVIII de Maxime Rovere (Org.) pela N-1 Edições (2019)
>>> A Doutrina Anarquista ao Alcance de Todos de José de Oiticica pela A Batalha (1976)
>>> Helena de Machado de Assis pela Ática (1994)
>>> A 3° Visão de T. Lobsang Rampa pela Record (1981)
>>> A História Da Indústria Têxtil Paulista de Francisco Teixeira pela Artemeios (2007)
>>> Ciência tecnologia e gênero abordagens Iberoamericanas de Marília Gomes de Carvalho (org.) pela utfPR (2011)
>>> A Jornada de Erin. E. Moulton pela Nova Conceito (2011)
>>> A Melodia Feroz de Victoria Schwab pela Seguinte (2016)
>>> Despertar ao Amanhecer de C.C. Hunter pela Jangada (2012)
>>> Sussurro - Coleção Hush Hush de Becca Fitzpatrick pela Intrínseca (2009)
>>> Holocausto Nunca mais de Augusto Cury pela Planeta
>>> Lusíada (Nº 1): Revista Ilustrada de Cultura.- Arte.- Literatura.- História.- Crítica de Martins Costa/ Portinari/ Texeira Pascoaes (obras de) pela Simão Guimarães & Filhos./ Porto (1952)
>>> Fábulas que Ajudam a Crescer de Vanderlei Danielski pela Ave Maria (1998)
>>> Ninguém é igual a ninguém de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (1994)
>>> Você Pode Escolher de Regina Rennó pela Do Brasil (1999)
COLUNAS

Sexta-feira, 9/1/2015
Por um 2015 sem carteiradas
Marta Barcellos

+ de 2300 Acessos

O Brasil de 2014 foi marcado por fortes emoções na política e no futebol, mas, em minha retrospectiva pessoal, nada aparece como mais sintomático do país que somos do que a carteirada do juiz que se julgava deus. A história foi divulgada no início de novembro, quando ainda estávamos atordoados com as emoções da Copa e das eleições: o juiz João Carlos de Souza Corrêa mandara prender, numa blitz da Lei Seca, uma agente de trânsito que ousou lembrá-lo da natureza não divina de seus poderes. Diante da carteirada, ela observou: é juiz mas não é deus.

A partir daí, todos conseguimos facilmente imaginar o juiz enfurecido, primeiro em sua ira bêbada, depois em sua vingança calculada (no processo judicial em que conseguiu penalizar a funcionária com uma multa). Tudo para provar que tem, sim, e pode usufruir dos poderes que acredita lhe terem sido outorgados (por deus?), ou ter conquistado (por mérito?).

A piada pronta da carteirada divina serviu para que outras semelhantes passassem a ser denunciadas. Isso mesmo, 'semelhantes', apesar de todo o estardalhaço da primeira delas na mídia. Apenas um mês depois, outro juiz deu ordem de prisão a três funcionários da TAM que o impediram de entrar atrasado em um voo, cujos procedimentos de embarque haviam sido encerrados. E, como se um exemplo negativo inspirasse o outro, no antepenúltimo dia do ano um tenente da Aeronáutica também resolveu dar voz de prisão a um funcionário da mesma companhia aérea, pelo mesmo motivo de não ter conseguido atrasar o voo para que tivesse o privilégio de embarcar com a família.

(Aqui uma pergunta-parênteses se impõe: o quanto as "autoridades" estão acostumadas a embarcar atrasadas em aeronaves, depois de devidamente identificadas?)

O lado positivo disso tudo é a percepção de que deixamos de nos intimidar tanto com as carteiradas, provavelmente porque confiamos mais nas instituições que zelam pelo velho preceito da igualdade entre nós. Vale lembrar, o "sabe com quem está falando" é tão antigo quanto o Brasil, usado sem cerimônia pelos bem nascidos da elite, cujos privilégios se estabeleciam desde a origem. Quando confundidos com o "resto", uma situação em si só constrangedora para eles, não hesitavam em apresentar suas credenciais, em geral o nome de família.

O que me intriga é que as carteiradas agora envolvam também alguma dose de "mérito". Explico. Os estudantes que conseguem entrar nas melhores faculdades de direito em geral são oriundos de famílias mais abastadas, porém não basta isso para se tornar juiz: é preciso um conhecimento excepcional, muita dedicação e uma inteligência acima de média para chegar aos primeiros lugares dos concursos públicos. Ou seja, não basta ser filhinho de papai. É preciso mérito para vencer uma disputa acirrada e sem direito a carteiradas - pelo menos durante o processo.

Mas eis que um dia, depois desta competição feroz na qual provou sua superioridade sobre tantos que sucumbiram pelo caminho, aqueles que não passaram pelo funil do mérito, eis que um dia este estudante "chega lá". Ele passou no vestibular para medicina na USP, o mais difícil do país; ele tirou o primeiro lugar no concurso público para iniciar uma brilhante carreira de juiz. Alcançando esta nova etapa - na qual, em muitos países, aí sim ele deveria sentir a responsabilidade de precisar provar à sociedade o seu valor -, lhe parece tudo conquistado. Ele "chegou lá", venceu, o futuro está garantido. Para completar, ele encontrará neste topo um ambiente de corporativismo, uma espécie de irmandade de vencedores que saberão se proteger do "resto", aqueles que não passaram pelo funil e não compreendem a natureza (quase divina) de um valor avalizado por dura competição (terrena).

Não se trata aqui de generalizar. A grande maioria dos juízes não dá carteirada, nem se julga acima do bem e do mal, assim como apenas uma minoria dos estudantes de medicina da USP esteve envolvida em episódios de estupros e acobertamentos. O que proponho aqui, neste raciocínio, é apenas questionar a eficácia de processos de seleção nos quais dificilmente se conseguirá avaliar a simples capacidade de se colocar no lugar dos outros - algo tão, tão imprescindível em profissões com estas.

Uma pesquisa com executivos de empresas certa vez constatou que os mais altos postos de comando com frequência são ocupados por profissionais com algum grau de psicopatia. A explicação era relativamente simples: para "chegar lá", na presidência, por exemplo, quase sempre é necessária uma boa dose de insensibilidade em relação aos outros. Claro que um psicopata na presidência também representa um risco para as companhias, que passaram a ficar mais atentas a outras características (não tão "vencedoras" e mais "humanas") entre os executivos que pretendem promover.

Pode ser utopia, mas, nestes tempos de aquecimento global, em que as ameaças pairam sobre uma coletividade, está mais do que na hora de valorizarmos outros tipos de competências/inteligências em nossas lideranças, e também nos postos chaves da nossa sociedade. A competição e o individualismo podem ter mostrado sua eficiência no sistema capitalista, mas as novas gerações começam a perceber os riscos dessa fórmula, e a limitação que ela impõe para o futuro. Um futuro que será, sempre, coletivo.



Marta Barcellos
Rio de Janeiro, 9/1/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Nós que aqui estamos pela ópera esperamos de Renato Alessandro dos Santos
02. O Mito da Eleição de Marilia Mota Silva
03. Algumas leituras de 2009 de Vicente Escudero
04. Eu e as Copas de Julio Daio Borges
05. Em busca da pureza perdida de Eduardo Carvalho


Mais Marta Barcellos
Mais Acessadas de Marta Barcellos em 2015
01. Contra a breguice no Facebook - 5/6/2015
02. Uma entrevista literária - 11/12/2015
03. Dando conta de Minas - 7/8/2015
04. Quem é o abutre - 6/2/2015
05. O gueto dos ricos - 20/3/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MITOLOGIA 5 - MINERVA
EDITORA ABRIL CULTURAL
ABRIL CULTURAL
(1976)
R$ 7,00



UM ELIXIR MISTERIOSO
AMANDA QUICK
ROCCO
(2001)
R$ 14,00



A CULPA É DAS ESTRELAS
JOHN GREEN; RENATA PETTENGILL
INTRINSECA
(2013)
R$ 15,00



A CIÊNCIA COM METAFÍSICA EM KARL POPPER
JOÃO BATISTA CICHERO SIECZKOWSKI
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 363,00



NIETZSCHE COMO PENSADOR POLÍTICO-UMA INTRODUÇÃO
KEITH ANSELL PEARSON
JORGE ZAHAR
(1997)
R$ 47,49



DEUS É INOCENTE - 3122
ZECA MARTINS
FUTURA
(2002)
R$ 8,00



ANAIS DO ARQUIVO PÚBLICO DA BAHIA VOL. XXXVI - 104
DIVERSOS
IMPRENSA OFICIAL DA BAHIA
(1961)
R$ 62,00



A FORMAÇÃO HUMANA NO PROJECTO DA MODERNIDADE
F. CABRAL PINTO
EDICOES PIAGET
(1996)
R$ 21,82



OUR WAY 3 - PREMIUM EDITION - CD-ROM
EDUARDO AMOS
RICHMOND
(2012)
R$ 104,00



BOLOS CRIATIVOS
ROMANA GARDANI
SENAC SP
(2010)
R$ 40,00





busca | avançada
39185 visitas/dia
1,1 milhão/mês