Nova Gramática do Poder | Marilia Mota Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
60446 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Nasi e Scandurra apresentam clássicos do IRA! no Sesc Santo André
>>> Douglas Germano apresenta 'Umas e Outras'
>>> Mostra de Cinemas Africanos acontece em São Paulo e Curitiba a partir de 6 julho
>>> Iecine abre inscrições para a Oficina de Crítica e Fruição Cinematográfica
>>> Orquestra Modesta retorna ao Sesc Santo Amaro com 'Canções Para Pequenos Ouvidos 2'
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> O Apocalipse segundo Seu Tião
>>> A vida depende do ambiente, o ambiente depende de
>>> Para não dizer que eu não disse
>>> Espírito criança
>>> Poeta é aquele que cala
>>> A dor
>>> Parei de fumar
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Longa vida à fotografia
>>> iPad pra todo mundo
>>> Minha pátria é a língua portuguesa
>>> Minha pátria é a língua portuguesa
>>> Wikipedia e a informação livre
>>> Público, massa e multidão
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> Os Clássicos e a Educação Sentimental
>>> O youtuber é um novo dândi?
>>> Silêncio e grito
Mais Recentes
>>> Eu Como Assim Ou Assado? - Conhecendo Melhor o Que Você Come de Michele Iacocca pela Ática (2007)
>>> Onde Está Elizabeth? Como Resolver um Mistério sem Se Lembrar... de Emma Healey / 1ª Ed pela Record (2016)
>>> Ver!ssimo - Diálogos Impossíveis - 1 Edição de Luis Fernando pela Objetiva (2012)
>>> A Linguagem Falada Culta na Cidade de São Paulo - Vol. IV - Estudos de Dino Preti, Hudinilson Urbano pela T. A. Queiroz (1990)
>>> Acenos e Afagos - Confira! de João Gilberto Noll pela Record (2008)
>>> Urupês e Outros Contos - Confira! de Monteiro Lobato pela Principis (2019)
>>> Stopwatch 1 Students Book & Workbook Com Cd de Simon Brewster pela Richmond (2016)
>>> Princesa da Inocência (príncipes Di Castellani) / 1ª Ed - Confira !!! de Lani Queiroz pela 3dea (2019)
>>> Sangue no Inverno - Confira !!! de Mons Kallentoft pela Benvirá (2011)
>>> Robin Hood - Starter - Confira !!! de John Scott pela Oxford Bookworms (2008)
>>> Álvares de Azevedo : o Poeta Que Não Conheceu o Amor foi Noivo da Mort de Luciana Fátima da Silva/ Livro Assinado!! pela Annablume (2009)
>>> William Tell and Other Stories - Confira! de John Excott pela Oxford (2010)
>>> Engenharia Ambiental - Conceitos Tecnologia E Gestao de Maria Do Carmo Calijuri / Davi Gasparini Fernandes Cunha pela Elsevier (2013)
>>> Como Ficar Rico sem Cortar os Cartões de Crédito de Robert T. Kiyosaki / Sharon L. Lechter pela Elsevier / Campus (2004)
>>> Modern British Short Stories de Malcolm Bradbury pela Penguin Books (1988)
>>> Cultura do Medo - Confira! de Barry Glassner pela Francis (2003)
>>> A Mitopoese da Psique - Mito e Individuação (confira Agora!) de Walter Boechat pela Vozes (2008)
>>> High Up 2 Student´S Book de Vários Autores pela Macmillan (2013)
>>> Os Pensadores - Sócrates / Capa Dura de Nova Cultural pela Nova Cultural (1999)
>>> Maluca por Você de Rachel Gibson; Cassia Zanon pela Jardim dos Livros (2014)
>>> Sonho Grande: Como Jorge Paulo Lemann, Marcel Telles e Beto Sircupira de Cristiane Correa pela Primeira Pessoa (2013)
>>> Tutancâmon de T. G. Henry James pela Folio (2005)
>>> Um Holograma para o Rei de Dave Eggers pela Companhia das Letras (2015)
>>> Morrendo de Vergonha - um Guia para Tímidos e Ansiosos de Barbara G. Markway; Cheryl N. Carmin; Teresa Flynn pela Summus (1999)
>>> Uma Vida para Seu Filho de Bruno Bettelheim pela Campus (2022)
COLUNAS

Quarta-feira, 23/9/2015
Nova Gramática do Poder
Marilia Mota Silva

+ de 2700 Acessos

Nova Gramática Finlandesa, de Diego Marani, tradução de Eduardo Brandão, Companhia das Letras: o título desenxabido desafia qualquer beabá de marketing. Parece livro didático. Fala, sim, da complexa linguagem finlandesa, mas não é um livro-texto. É um romance. Modesto, menos de 180 páginas, capa de cores tímidas.
Mas essa simplicidade se resume à apresentação do livro.

Sua tese principal é complexa e difícil de resolver: Não temos identidade salvo por meio de uma lingua-mãe.

A história, simples, emerge do caos da Segunda Guerra Mundial.

In 1943, um homem, com ferimentos graves na cabeça, é encontrado em coma nas docas de Trieste. Não há indícios de sua identidade, a não ser um nome finlandês, Sampo Karjalainen, costurado na etiqueta da sua jaqueta de marinheiro e um lenço com as iniciais bordadas S.K .

Recolhido a um navio-hospital alemão, ele é tratado por um médico finlandês que servia no exército alemão. Na Segunda Guerra, a Finlândia, temendo nova invasão dos russos, aliou-se aos alemães.

Esse médico, Dr. Friari, tinha fugido de seu país em 1918, depois que seu pai foi morto como um traidor comunista, durante a guerra civil na Finlândia. Embora ressentido com seu país e exilado há mais de vinte anos, Dr. Friari ainda sente uma profunda identidade e amor por sua terra.

Depois de algum tempo, seu paciente recupera a consciência mas não a memória, nem a linguagem. O médico, talvez por saudades de sua terra, sua situação de exilado, decide acreditar, baseado em tão poucas evidências, que seu paciente era mesmo finlandês. E passa a ensinar-lhe sua "língua nativa", com a esperança de que isso o ajude a se lembrar do passado .

Feito algum progresso, e tendo que partir, o médico faz arranjos para enviar Sampo para um hospital militar em Helsinky onde espera que, cercado de finlandeses, ele consiga recobrar a memória mais depressa.

Mas, embora acredite que está em sua terra natal e se empenhe em aprender o finlandês, sua história, seus mitos fundadores, embora frequente um bar onde faz alguns contatos e pequenos trabalhos para jornalistas que cobrem a guerra, embora conquiste, aos poucos, a capacidade de se expressar.

É notável a capacidade do autor de criar verbalmente os estados psicológicos da não identidade. Sampo sente-se distante de si mesmo, sem raízes, incapaz inclusive de responder ao afeto de uma mulher que se interessa por ele. É um livro de amor à linguagem, de investigação sobre até qe ponto ela define quem somos.

É um livro sobre a Europa de hoje, aquela babel de línguas, dialetos, com sua longa história de guerras, genocídios, limpezas étnicas, ódios seculares, onde, à medida que as fronteiras se atenuam, suplantadas pela Eurozona, mais cresce a necessidade de cada povo proteger sua identidade, o que o faz únicos, suas tradições, sua linguagem. A Europa de hoje, que se vê às voltas com multidões de imigrantes e refugiados - com outros códigos de comportamento, valores, religiões, e de algum modo, tem que assimilá-los. E eles tem, como Sampo, que adquirir outro idioma, criar novas raízes, nova identidade. Todo imigrante sabe até que ponto isso é possível. Se é possível.

Um romance sombrio, sobre perdas, sobre não ter. É a história da Europa.

" Muitas vezes, inclusive dentro de um mesmo povo, a pátria de um nega a dos outros.Nasce disso a loucura que reduziu a Europa a cinzas. Déspotas disfarçados de patriotas impõem a retórica de seus mitos e sentenciam que fora deles não há amor à pátria. A pátria se reduz assim a um perímetro de fronteiras que cada uma das pátrias proclama sagradas contra todas as outras, às vezes até em nome de Deus. Os líderes que hoje se arrogam o mérito de ter reunificado uma Finlândia dividida entre vermelhos e brancos não veem que fronteira muito mais profunda cavaram entre nossa gente".


Quando se pensa nisso, na quantidade de povos, idiomas, etnias que convivem naquele território, na fluidez de suas fronteiras, na violência de sua história, a comparação conosco é inevitável.

Temos um continente inteiro, onde caberiam inúmeras Europas, falando apenas dois idiomas! E idiomas tão parecidos que, com pequeno esforço, nos entendemos.

Não há abismos entre nós, não há fanatismo, segregação de raças, religiões, nacionalismos. As mágoas, se existem, se referem a futebol. Não duram mais que uma cerveja. Um patrimônio admirável, mas que não significa nada se não beneficia seus habitantes. Se não se traduz em segurança, confiança nas instituições, boa escola para as crianças, postos de saúde, água e esgoto, ruas calçadas e estradas, a infra-estrutura básica. Para todos. É possível mudar essa história de fracassos?

Hoje vivemos mudanças tecnológicas que dão voz aos que não tinham antes, aos 99%, à maioria, não mais silenciosa. Esse é um fator novo que está nos transformando como sociedade, e com isso, também, deve mudar essa estrutura viciada de poder e privilégios escabrosos que, desde a colônia, nos mantém no atraso. Podemos aprender com a história da Europa, com o que acontece em todo o mundo, e nos unir nesse trabalho.



PS.: Diego Marani, linguista senior da União Europeia ( EU), escreveu alguns livros em Europanto, uma linguagem que ele inventou, meio de brincadeira, juntando palavras de várias línguas. Mais ou menos como nosso portunhol, que praticamos, temerariamente, "duela em quem duela"!


Marilia Mota Silva
Washington, 23/9/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Ribamar, de José Castello de Isabel Furini
02. A seleção de Dunga de Humberto Pereira da Silva
03. Conta-gotas de Adriana Baggio


Mais Marilia Mota Silva
Mais Acessadas de Marilia Mota Silva em 2015
01. Memorial de Berlim - 23/12/2015
02. O Velho e Bom Complexo de Inferioridade - 4/2/2015
03. Minha Terra Tem Palmeiras - 15/7/2015
04. Viagem a 1968: Tropeços e Desventuras (2) - 25/2/2015
05. Pendurados no Pincel - 18/3/2015


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Em Nome da Segurança Nacional
Maria Helena Simões Paes
Atual
(1995)



Crianças sem problemas
Eduardo Goldenstein Luiz A. S. Freitas
Clinch
(1992)



Divórcio Em Buda - Confira!
Sándor Márai
Companhia das Letras
(2003)



Lá Vem História: Contos do Folclore Mundial
Heloisa Prieto
Companhia das Letrinhas
(1997)



O Livro das Virtudes para Crianças
William J. Bennett
Nova Fronteira
(1997)



Não Leve a Vida tão a Sério
Hugh Prather
Sextante
(2003)



Um minuto para mim
Spencer Johnson
Record
(2008)



Ser Protagonista - Matematica - 1º Ano
Felipe Fugita e Outros
Sm
(2015)



O ônus da Prova
Scott Turow
Supersellers
(1990)



Terminal
Robin Cook
Record
(1997)





busca | avançada
60446 visitas/dia
1,8 milhão/mês