Sem mistério em Gosford Park | Daniela Sandler | Digestivo Cultural

busca | avançada
24586 visitas/dia
890 mil/mês
Mais Recentes
>>> Palavraria Conversa e Versa
>>> Supercombo no Templo Music: Tour “Adeus, Aurora'
>>> Barracão Cultural estreia montagem de rua a partir de livro de Eva Furnari
>>> Marina Peralta lança novo EP, 'Leve'
>>> Dan Stulbach faz ensaio aberto de Morte Acidental de um Anarquista para alunos da Escola Wolf Maya
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
>>> O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite
>>> Carta ao(à) escritor(a) em sua primeira edição
>>> Paris branca de neve
>>> A cidade e o que se espera dela
>>> De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto
>>> Nos braços de Tião e de Helena
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 3
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
Últimos Posts
>>> Efervescências
>>> Justoresoluto
>>> Em segundo plano
>>> A ver navios
>>> As esquinas dos amores
>>> Pelagem de flor I: VERMELHO
>>> Idade Mídia
>>> Quando a alma é visível
>>> A MECÂNICA CELESTE
>>> Diagnóstico falho
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O discreto charme dos sebos
>>> O assassinato de Herzog na arte
>>> Animismo
>>> Para tudo existe uma palavra
>>> Lendo Virgílio, ou: tentando ler os clássicos
>>> Entrevista com André Fonseca
>>> Google: utopia ou distopia?
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> A Casa do Saber no Rio de Janeiro
>>> Marcel Proust e o tempo reencontrado
Mais Recentes
>>> Sherlock Holmes - The complete facsimile edition de Arthur Conan Doyle pela Wordsworth Classics (1989)
>>> Pride and Prejudice and Zombies - The Graphic Novel de Jane Austen, Seth Grahame-Smith pela Quirk Classics (2010)
>>> Eating Animals de Jonathan Safran Foer pela Hamish Hamilton (2009)
>>> O desejo da escrita em Italo Calvino: para uma teoria da leitura de Rita de Cássia Maia e Silva Costa pela Companhia de Freud (2003)
>>> Lacrimae rerum: ensaios sobre cinema moderno de Slavoj Zizek pela Boitempo (2009)
>>> Ideografia dinâmica: para uma imaginação artifical? de Pierre Lévy pela Instituto Piaget (1997)
>>> Harry Potter and the Half-Blood Prince de J. K. Rowling pela Bloomsbury (2005)
>>> Orlando de Virginia Woolf pela Wordsworth Classics (2003)
>>> History of the Peloponnesian War de Thucydides pela Penguin Classics
>>> Manual do Roteiro de Syd Field pela Objetiva (2001)
>>> O mundo assombrado pelos demônios de Carl Sagan pela Companhia de Bolso (2016)
>>> Romeo and Juliet - Original + Inglês contemporâneo de William Shakespeare pela Lorenz Educational Publishers (2003)
>>> A hora da estrela de Clarice Lispector pela Rocco (1999)
>>> Guia Prático da Tradução Francesa de Paulo Rónai pela Nova Fronteira (1983)
>>> Reparação de Ian McEwan pela Companhia das Letras (2002)
>>> The Child in Time de Ian McEwan pela Vintage (1992)
>>> O Senhor dos Anéis - As Duas Torres de J. R. R. Tolkien pela Martins Fontes (2000)
>>> O Senhor dos Anéis - A Sociedade do Anel de J. R. R. Tolkien pela Martins Fontes (1999)
>>> 1984 - em inglês de George Orwell pela Penguin/Signet Classic
>>> Diary de Chuck Palahniuk pela Random House (2003)
>>> Pigmy de Chuck Palahniuk pela Anchor Books (2009)
>>> Tell-All de Chuck Palahniuk pela Anchor Books (2010)
>>> Damned de Chuck Palahniuk pela Anchor Books (2011)
>>> L'arrache coeur de Boris Vian pela Livre de Poche (1976)
>>> Musashi - Vol. 1 de Eiji Yoshikawa pela Estação Liberdade (1999)
>>> Tim Burton de Antoine de Baecque pela Cahiers du Cinéma (2011)
>>> O Jardim das Ilusões de Susan Trott pela Círculo do Livro (1992)
>>> Hermenêutica e Unidade Axiológica da Constituição de Glauco Barreira Magalhães Filho pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2004)
>>> Elizabeth Levanta Vôo de Elizabeth Taylor pela Círculo do Livro (1988)
>>> O Verão de Katya de Trevanian pela Círculo do Livro (1983)
>>> Dias na Birmânia/ Capa Dura de George Orwell pela Círculo do Livro (1988)
>>> Os Monstros da Alma de Athur Thompson pela Bruguera (1965)
>>> Changing Their Skies: Stories From Africa - Oxford Bookworms Stage 2 de Steve Chimombo (...) Retold By Jennifer Bassett pela Oxford University Press (2008)
>>> Changing Their Skies: Stories From Africa - Oxford Bookworms Stage 2 de Steve Chimombo (...) Retold By Jennifer Bassett pela Oxford University Press (2008)
>>> Changing Their Skies: Stories From Africa - Oxford Bookworms Stage 2 de Steve Chimombo (...) Retold By Jennifer Bassett pela Oxford University Press (2008)
>>> Changing Their Skies: Stories From Africa - Oxford Bookworms Stage 2 de Steve Chimombo (...) Retold By Jennifer Bassett pela Oxford University Press (2008)
>>> Direito Constitucional da Educação de José Luiz Borges Horta pela Decálogo/ Belo Horizonte (2007)
>>> Direito Constitucional da Educação de José Luiz Borges Horta pela Decálogo/ Belo Horizonte (2007)
>>> Direito Constitucional - Tomo I/ Capa Dura de José Luís Quadros de Magalhães pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2002)
>>> Diários do Vampiro - Reunião Sombria de L. J. Smith pela Galera Record (2011)
>>> Acima de Qualquer Suspeita de Scott Turow pela Record (1987)
>>> Poder Constituinte e Patriotismo Constitucional de Marcelo Cattoni pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2006)
>>> Acima de Qualquer Suspeita de Scott Turow pela Altaya/Record (1996)
>>> Enterrem-me de Botas (Tóxicos o sub-mundo dos tóxicos visto e vivido por uma adolescente) de Sally Trench pela Paulinas (1979)
>>> O Supremo Tribunal Federal e as Constituições Brasileiras de Luís Carlos Martins Alves Jr. pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2004)
>>> As Aventuras de Tom Sawyer (Grandes Sucessos) de Mark Twain pela Abril Cultural (1980)
>>> O Assassino Dentro de Mim de Jim Thompson pela Paulicéia (1991)
>>> A Era da Incerteza de John Kenneth pela Universidade de Brasil (1980)
>>> A Ideologia do Trabalho de Paulo Sérgio do Carmo pela Moderna (1993)
>>> A cabana do Pai Tomás de E. B. Stowe (Tradução Mario Gardelin) pela Paulinas (1966)
COLUNAS >>> Especial Oscar 2002

Quarta-feira, 20/3/2002
Sem mistério em Gosford Park
Daniela Sandler

+ de 4100 Acessos

O filme Assassinato em Gosford Park (Gosford Park, Robert Altman, EUA, 2001) tem provocado crises de ansiedade por aqui. Diante da multidão de personagens, suas múltiplas biografias e histórias, além das reviravoltas e pistas falsas, a platéia é tomada pela síndrome do quebra-cabeça, no esforço de chegar a uma conclusão clara que una logicamente todos os mistérios da trama e explique todos os motivos e ações. Além disso, aqui nos Estados Unidos, a sensação de incompreensão - e a frustração decorrente - foram aumentadas pela estranheza, por assim dizer, causada pelo sotaque britânico - ou, como definiram alguns ilustrados espectadores: "Não dá para entender todas as palavras que eles falam!"

Sábios os distribuidores brasileiros, que decidiram colocar legenda em mais de um filme português exibido no Brasil (por exemplo, A Comédia de Deus). Por aqui, no entanto, a dicção pasteurizada de filmes britânicos para exportação, como os da célebre cepa Ivory-Merchant, parece ter desacostumado os ouvidos locais para as vozes de além-mar.

Para quem não está acostumado a ter de usar uma língua estrangeira, deve mesmo ser um pânico não compreender 100% das palavras. Quem já teve a experiência sabe que isso não é essencial. Muitas vezes, é preciso deixar passar as palavras incompreendidas, até chegar ao fim do diálogo e descobrir não só seu sentido geral, mas o significado daqueles pedacinhos misteriosos que ficaram pelo caminho. A compreensão não vem da análise imediata e cristalina de cada palavrinha, mas da percepção do todo e de seu contexto. Essa percepção é um tanto intuitiva e opaca - nem sempre é possível dizer como se chegou a ela -, mas tem a capacidade de iluminar, em retrospecto, as suas partes diversas.

É assim com a língua, é assim com o filme. A ansiedade de conhecimento completo, instantâneo e transparente é frustrada pela obra intrincada de Robert Altman. Quem insiste nesse "controle gnóstico total" certamente vai sair irritado da sala de cinema. Mas quem se deixar perder em suas obscuridades, ao menos temporariamente, será recompensado com uma obra sofisticada e sensível - sutil tanto no humor quanto no drama.

Em outras palavras: apesar do título, Assassinato em Gosford Park (o "assassinato", aliás, não está no nome original) não se enquadra no gênero do "whodunit", a clássica novela de detetive britânica em que o propósito é resolver o crime - e saciar a expectativa do leitor. No romance criminal, cada elemento se encaixa e cada peça é uma pista (ainda que falsa); o propósito narrativo de cada peça está ligado ao crime, o centro de gravidade. Elementos supérfluos são distrações, no máximo para criar a atmosfera, no mais das vezes ornamentais.

Subversão

Gosford Park, ainda que se refira diretamente ao gênero, subverte as suas convenções até mesmo quando parece aceitá-las. É fiel ao caráter, ambiente, composição social e enredo do "whodunit": mansão na Inglaterra, um bando de britânicos entre o nobre e o esnobe, um milionário assassinado, uma constelação de suspeitos - e um montão de mordomos de brinde. Detalhes de cena, figurinos, objetos e situações incidentais compõem a atmosfera, da porcelana do chá à caçada, da chuva ao jogo de cartas. Até mesmo a fotografia, que captura os exteriores em tons fleumáticos de cinza, verde e marrom, contrastando-os ao registro quente e acolhedor dos interiores da mansão, em âmbar e chiaroscuro, endossa as convenções estéticas das histórias de crime e mistério.

Mas, como afirmado, o filme adota a convenção subversivamente; utiliza os códigos para revertê-los; remete ao gênero para criticá-lo - não só a ele, mas ao sistema de valores sócio-culturais no qual ele se insere. A subversão começa pela profusão de personagens. O número de suspeitos, figurantes, cúmplices e rivais, motivos de crime, métodos e circunstâncias é muito maior do que o esperado num romance de mistério. A multiplicação torna hilária, quase absurda, a tentativa de catalogar e acompanhar cada personagem e cada movimentação da trama de Gosford Park.

O trabalho de investigação que Altman demanda do espectador é de outro calibre. As pistas do filme indicam muito mais que o crime: sinalizam tensões sociais, características culturais e conflitos pessoais, levantando a lebre de aspectos fundamentais da Inglaterra dos anos 30 (e do século que se seguiu, por que não).

O crime é secundário, e divide o espaço com todos esses outros temas - cuja exploração ocupa, aliás, boa parte do filme. Tanto ou mais que a investigação policial. Quem se deixar perder nessas aparentes digressões será recompensado, ao final, com o entendimento do todo. Num clique, sem que se saiba exatamente como, a solução para os mistérios fica clara, o culpado revela-se óbvio. E essa é apenas uma das graças da história.

Tela entupida de gente

O filme tem inspirado comentários humorísticos sobre a multidão de personagens e o elenco estelar, predominantemente britânico. Uma das piadas correntes é que o elenco do filme é composto por todos os atores britânicos que não atuaram nem em O Senhor dos Anéis nem em Harry Potter - além de alguns que estavam nesses dois filmes. Ainda que alguns personagens tenham precedência na narrativa, e que muitos deles roubem a cena, a sua quantidade resulta na ausência da hierarquia tradicional de personagens (e atores).

Por não haver protagonistas bem-definidos, também não há heróis e vilões claros, com os quais o público possa se identificar ou antagonizar. Isso torna mais difícil a tarefa de resolver o mistério, claro - mas Altman não frustra apenas os desejos detetivescos da platéia. Frustra também as expectativas convencionais em relação ao cinema de ficção - personagens carismáticos, conflitos envolventes, continuidade narrativa e centralização temática. Esses elementos facilitam o mergulho na história, a adesão afetiva aos personagens, e o consumo tranqüilo e satisfeito do produto cultural. A recusa de Altman em servi-los ao público é sua crítica mais ou menos velada ao seu próprio meio de comunicação (e ao seu establishment).

Ao entupir a tela de gente, Altman rejeita tanto o esquematismo do romance criminal tradicional quanto o do filme hollywoodiano. O recurso também permite ao diretor esboçar seu panorama social em contornos amplos, revelando a multiplicidade de intenções, personalidades e histórias em vez de reduzi-las a figuras rasas e unidimensionais. Altman já havia usado hordas de atores e múltiplas tramas em Short Cuts, em que a fragmentação narrativa era central ao filme.

Short Cuts, passado em Los Angeles, espalha suas muitas tramas sobre o vasto território da cidade californiana, fragmentando locações e enredo. Considerado um dos filmes "angelinos" por excelência, incorpora em sua própria estrutura estética e narrativa o caráter disperso da metrópole de subúrbios esparsos, entrecortada pelas vias expressas. Gosford Park pode ser visto sob a luz de Short Cuts como um desenvolvimento artístico de sua proposta.

Fraturas internas

Diferentemente de Short Cuts, Gosford Park concentra todo mundo no mesmo lugar e em torno da mesma linha narrativa principal. Nada mais apropriado ao caráter insular e autocentrado da Grã-Bretanha, país ao qual muita gente se refere como "as ilhas" e em que as estruturas arquitetônicas e urbanas são claramente definidas, tanto em termos de seus limites externos como de seu centro.

Não surpreende que a sensação resultante seja claustrofóbica, mas é curioso que tanta gente faça piada e se espante com a densidade populacional do filme. Talvez Altman tenha posto o dedo numa ferida mais funda do que imaginava. O que ele faz, afinal, é revelar as fissuras e intersecções inesperadas que recortam essa sociedade aparentemente centrada e coesa. Sob a superfície, dentro do espaço contido da mansão, a multiplicidade conflitante de interesses e histórias nega a pretensão de unidade e harmonia.

A sociedade urbana norte-americana de Short Cuts era, apesar de fragmentada, razoavelmente homogênea, horizontal. A sociedade de Gosford Park é vertical, rigidamente estruturada em divisões de classe, origem e região. Os empregados, instalados nos porões da casa, seguem a organização rígida que vem de cima, dos nobres e/ou abonados a quem servem.

A ordem, o bom funcionamento dessa sociedade afetada, esnobe e ritualística depende dessa submissão rígida, onde cada um sabe o seu lugar e segue a complicada rede de regras de comportamento correspondentes. Assim como o jantar servido à francesa, em que cada mordomo sabe qual parte da mesa espanar na hora certa, sem precisar trocar palavras.

Castelo de cartas

Ao mesmo tempo, esse edifício rigoroso está riscado por nuances e diferenças - discrepâncias econômicas entre os convidados, culturais (os norte-americanos), sociais, nacionais (a empregada escocesa, por exemplo). A rigidez e imobilidade social repousam numa sociedade cada vez mais diferenciada e fragmentária - prenúncio da multiplicidade cultural, étnica, social, nacional em que as "ilhas" se transformariam no fim-do-século, anúncio da fragilidade do império prestes a cair, e denúncia da diversidade e conflitos internos (de classe, religião e nação) que a pretensão de identidade nacional suprimia e que hoje, diante dos esforços mais ou menos pacíficos de independência dos países da Grã-Bretanha, é impossível negar.

Mais que isso: a fragmentação não vem simplesmente da diversidade econômica, social ou cultural. Vem justamente das tensões e ódios gerados por essa diversidade, a começar da opressão e violência com a qual a aristocracia britânica se sustenta, até seu resultado óbvio: os conflitos e rancores originados pelas injustiças dessa hierarquia. Gosford Park, a bela propriedade situada na idilíca zona rural britânica, não é menos simbólica que a alegoria suburbana e automotiva de Short Cuts.

A bela mansão é um castelo de cartas prestes a desabar sobre as fundações cada vez mais frágeis dos "servos" para quem a opressão social não é mais aceitável. Na Inglaterra dos anos 30, logo após a Grande Depressão mundial, logo antes da Segunda Guerra, em meio à massificação e crescimento da sociedade, as antigas regras de conduta - o complicado balé social pelo qual, por exemplo, os serviçais são chamados pelos nomes dos seus amos - tornam-se cada vez mais vazias e sem sentido.

Essa não é apenas uma leitura esotérica do filme. Essa é também a chave do mistério - o mistério "whodunit", tradicional, convencional. Que é, claro, elaborado de uma forma rica e interessante, que adiciona, à crítica social, retratos psicológicos sensíveis e emocionantes, ainda que contidos (assim como as piadas do filme). Ao fim do filme, resolvido o crime, é revelado também o mistério dramático. Apesar da multidão de nomes, personas e atores, há, sim, personagens principais. E o filme há de ser muito mais saboroso para quem entender quais são.


Daniela Sandler
Rochester, 20/3/2002


Mais Daniela Sandler
Mais Acessadas de Daniela Sandler em 2002
01. Virtudes e pecados (lavoura arcaica) - 9/1/2002
02. Nas garras do Iluminismo fácil - 10/4/2002
03. Iris, ou por que precisamos da tristeza - 24/4/2002
04. Crimes de guerra - 13/3/2002
05. Somos diferentes. E daí? - 30/1/2002


Mais Especial Oscar 2002
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PLATÃO E O ORFISMO - DIÁLOGOS ENTRE RELIGIÃO E FILOSOFIA
ALBERTO BERNABÉ
ANNABLUME
(2011)
R$ 279,00



ADUBE SUA CARREIRA
GREG WRIGHT; ALAN A. VENGEL
GENTE
(2004)
R$ 15,00



HISTÓRIA DAS CIDADES BRASILEIRAS
ANTONIA TERRA
MELHORAMENTOS
(2012)
R$ 68,00



MALU E O PÔNEI DOS SONHOS - SUA MELHOR AMIGA NO MUNDO
ROS ASQUITH
FUNDAMENTO
(2010)
R$ 18,00



QUEM TEM MEDO DE VAMPIRO?
DALTON TREVISAN
ÁTICA
(2013)
R$ 9,78



MEDICINA PSICO-ESPIRITUAL (6517)
ANGELA MARIA LA SALA BATÀ
PENSAMENTO
(1980)
R$ 14,00



ARQUIVO DE CONDOMÍNIO: ESTUDOS NOS ACERVOS DOCUMENTAIS
TATIANE HELENA BORGES DE SALLES
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



RADIOCHEMISTRY
AN. N. NESMEYANOV
MIR PUBLISHERS
(1974)
R$ 186,00
+ frete grátis



POR QUE VOCÊ NÃO SE CASOU... AINDA
TRACY MCMILLAN
L&PM
(2012)
R$ 10,00



PROJETO DO TRABALHO HUMANO (430)
INGEBORG SELL
UFSC
(2002)
R$ 25,00





busca | avançada
24586 visitas/dia
890 mil/mês