Sem mistério em Gosford Park | Daniela Sandler | Digestivo Cultural

busca | avançada
37504 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Oscar 2002

Quarta-feira, 20/3/2002
Sem mistério em Gosford Park
Daniela Sandler

+ de 4300 Acessos

O filme Assassinato em Gosford Park (Gosford Park, Robert Altman, EUA, 2001) tem provocado crises de ansiedade por aqui. Diante da multidão de personagens, suas múltiplas biografias e histórias, além das reviravoltas e pistas falsas, a platéia é tomada pela síndrome do quebra-cabeça, no esforço de chegar a uma conclusão clara que una logicamente todos os mistérios da trama e explique todos os motivos e ações. Além disso, aqui nos Estados Unidos, a sensação de incompreensão - e a frustração decorrente - foram aumentadas pela estranheza, por assim dizer, causada pelo sotaque britânico - ou, como definiram alguns ilustrados espectadores: "Não dá para entender todas as palavras que eles falam!"

Sábios os distribuidores brasileiros, que decidiram colocar legenda em mais de um filme português exibido no Brasil (por exemplo, A Comédia de Deus). Por aqui, no entanto, a dicção pasteurizada de filmes britânicos para exportação, como os da célebre cepa Ivory-Merchant, parece ter desacostumado os ouvidos locais para as vozes de além-mar.

Para quem não está acostumado a ter de usar uma língua estrangeira, deve mesmo ser um pânico não compreender 100% das palavras. Quem já teve a experiência sabe que isso não é essencial. Muitas vezes, é preciso deixar passar as palavras incompreendidas, até chegar ao fim do diálogo e descobrir não só seu sentido geral, mas o significado daqueles pedacinhos misteriosos que ficaram pelo caminho. A compreensão não vem da análise imediata e cristalina de cada palavrinha, mas da percepção do todo e de seu contexto. Essa percepção é um tanto intuitiva e opaca - nem sempre é possível dizer como se chegou a ela -, mas tem a capacidade de iluminar, em retrospecto, as suas partes diversas.

É assim com a língua, é assim com o filme. A ansiedade de conhecimento completo, instantâneo e transparente é frustrada pela obra intrincada de Robert Altman. Quem insiste nesse "controle gnóstico total" certamente vai sair irritado da sala de cinema. Mas quem se deixar perder em suas obscuridades, ao menos temporariamente, será recompensado com uma obra sofisticada e sensível - sutil tanto no humor quanto no drama.

Em outras palavras: apesar do título, Assassinato em Gosford Park (o "assassinato", aliás, não está no nome original) não se enquadra no gênero do "whodunit", a clássica novela de detetive britânica em que o propósito é resolver o crime - e saciar a expectativa do leitor. No romance criminal, cada elemento se encaixa e cada peça é uma pista (ainda que falsa); o propósito narrativo de cada peça está ligado ao crime, o centro de gravidade. Elementos supérfluos são distrações, no máximo para criar a atmosfera, no mais das vezes ornamentais.

Subversão

Gosford Park, ainda que se refira diretamente ao gênero, subverte as suas convenções até mesmo quando parece aceitá-las. É fiel ao caráter, ambiente, composição social e enredo do "whodunit": mansão na Inglaterra, um bando de britânicos entre o nobre e o esnobe, um milionário assassinado, uma constelação de suspeitos - e um montão de mordomos de brinde. Detalhes de cena, figurinos, objetos e situações incidentais compõem a atmosfera, da porcelana do chá à caçada, da chuva ao jogo de cartas. Até mesmo a fotografia, que captura os exteriores em tons fleumáticos de cinza, verde e marrom, contrastando-os ao registro quente e acolhedor dos interiores da mansão, em âmbar e chiaroscuro, endossa as convenções estéticas das histórias de crime e mistério.

Mas, como afirmado, o filme adota a convenção subversivamente; utiliza os códigos para revertê-los; remete ao gênero para criticá-lo - não só a ele, mas ao sistema de valores sócio-culturais no qual ele se insere. A subversão começa pela profusão de personagens. O número de suspeitos, figurantes, cúmplices e rivais, motivos de crime, métodos e circunstâncias é muito maior do que o esperado num romance de mistério. A multiplicação torna hilária, quase absurda, a tentativa de catalogar e acompanhar cada personagem e cada movimentação da trama de Gosford Park.

O trabalho de investigação que Altman demanda do espectador é de outro calibre. As pistas do filme indicam muito mais que o crime: sinalizam tensões sociais, características culturais e conflitos pessoais, levantando a lebre de aspectos fundamentais da Inglaterra dos anos 30 (e do século que se seguiu, por que não).

O crime é secundário, e divide o espaço com todos esses outros temas - cuja exploração ocupa, aliás, boa parte do filme. Tanto ou mais que a investigação policial. Quem se deixar perder nessas aparentes digressões será recompensado, ao final, com o entendimento do todo. Num clique, sem que se saiba exatamente como, a solução para os mistérios fica clara, o culpado revela-se óbvio. E essa é apenas uma das graças da história.

Tela entupida de gente

O filme tem inspirado comentários humorísticos sobre a multidão de personagens e o elenco estelar, predominantemente britânico. Uma das piadas correntes é que o elenco do filme é composto por todos os atores britânicos que não atuaram nem em O Senhor dos Anéis nem em Harry Potter - além de alguns que estavam nesses dois filmes. Ainda que alguns personagens tenham precedência na narrativa, e que muitos deles roubem a cena, a sua quantidade resulta na ausência da hierarquia tradicional de personagens (e atores).

Por não haver protagonistas bem-definidos, também não há heróis e vilões claros, com os quais o público possa se identificar ou antagonizar. Isso torna mais difícil a tarefa de resolver o mistério, claro - mas Altman não frustra apenas os desejos detetivescos da platéia. Frustra também as expectativas convencionais em relação ao cinema de ficção - personagens carismáticos, conflitos envolventes, continuidade narrativa e centralização temática. Esses elementos facilitam o mergulho na história, a adesão afetiva aos personagens, e o consumo tranqüilo e satisfeito do produto cultural. A recusa de Altman em servi-los ao público é sua crítica mais ou menos velada ao seu próprio meio de comunicação (e ao seu establishment).

Ao entupir a tela de gente, Altman rejeita tanto o esquematismo do romance criminal tradicional quanto o do filme hollywoodiano. O recurso também permite ao diretor esboçar seu panorama social em contornos amplos, revelando a multiplicidade de intenções, personalidades e histórias em vez de reduzi-las a figuras rasas e unidimensionais. Altman já havia usado hordas de atores e múltiplas tramas em Short Cuts, em que a fragmentação narrativa era central ao filme.

Short Cuts, passado em Los Angeles, espalha suas muitas tramas sobre o vasto território da cidade californiana, fragmentando locações e enredo. Considerado um dos filmes "angelinos" por excelência, incorpora em sua própria estrutura estética e narrativa o caráter disperso da metrópole de subúrbios esparsos, entrecortada pelas vias expressas. Gosford Park pode ser visto sob a luz de Short Cuts como um desenvolvimento artístico de sua proposta.

Fraturas internas

Diferentemente de Short Cuts, Gosford Park concentra todo mundo no mesmo lugar e em torno da mesma linha narrativa principal. Nada mais apropriado ao caráter insular e autocentrado da Grã-Bretanha, país ao qual muita gente se refere como "as ilhas" e em que as estruturas arquitetônicas e urbanas são claramente definidas, tanto em termos de seus limites externos como de seu centro.

Não surpreende que a sensação resultante seja claustrofóbica, mas é curioso que tanta gente faça piada e se espante com a densidade populacional do filme. Talvez Altman tenha posto o dedo numa ferida mais funda do que imaginava. O que ele faz, afinal, é revelar as fissuras e intersecções inesperadas que recortam essa sociedade aparentemente centrada e coesa. Sob a superfície, dentro do espaço contido da mansão, a multiplicidade conflitante de interesses e histórias nega a pretensão de unidade e harmonia.

A sociedade urbana norte-americana de Short Cuts era, apesar de fragmentada, razoavelmente homogênea, horizontal. A sociedade de Gosford Park é vertical, rigidamente estruturada em divisões de classe, origem e região. Os empregados, instalados nos porões da casa, seguem a organização rígida que vem de cima, dos nobres e/ou abonados a quem servem.

A ordem, o bom funcionamento dessa sociedade afetada, esnobe e ritualística depende dessa submissão rígida, onde cada um sabe o seu lugar e segue a complicada rede de regras de comportamento correspondentes. Assim como o jantar servido à francesa, em que cada mordomo sabe qual parte da mesa espanar na hora certa, sem precisar trocar palavras.

Castelo de cartas

Ao mesmo tempo, esse edifício rigoroso está riscado por nuances e diferenças - discrepâncias econômicas entre os convidados, culturais (os norte-americanos), sociais, nacionais (a empregada escocesa, por exemplo). A rigidez e imobilidade social repousam numa sociedade cada vez mais diferenciada e fragmentária - prenúncio da multiplicidade cultural, étnica, social, nacional em que as "ilhas" se transformariam no fim-do-século, anúncio da fragilidade do império prestes a cair, e denúncia da diversidade e conflitos internos (de classe, religião e nação) que a pretensão de identidade nacional suprimia e que hoje, diante dos esforços mais ou menos pacíficos de independência dos países da Grã-Bretanha, é impossível negar.

Mais que isso: a fragmentação não vem simplesmente da diversidade econômica, social ou cultural. Vem justamente das tensões e ódios gerados por essa diversidade, a começar da opressão e violência com a qual a aristocracia britânica se sustenta, até seu resultado óbvio: os conflitos e rancores originados pelas injustiças dessa hierarquia. Gosford Park, a bela propriedade situada na idilíca zona rural britânica, não é menos simbólica que a alegoria suburbana e automotiva de Short Cuts.

A bela mansão é um castelo de cartas prestes a desabar sobre as fundações cada vez mais frágeis dos "servos" para quem a opressão social não é mais aceitável. Na Inglaterra dos anos 30, logo após a Grande Depressão mundial, logo antes da Segunda Guerra, em meio à massificação e crescimento da sociedade, as antigas regras de conduta - o complicado balé social pelo qual, por exemplo, os serviçais são chamados pelos nomes dos seus amos - tornam-se cada vez mais vazias e sem sentido.

Essa não é apenas uma leitura esotérica do filme. Essa é também a chave do mistério - o mistério "whodunit", tradicional, convencional. Que é, claro, elaborado de uma forma rica e interessante, que adiciona, à crítica social, retratos psicológicos sensíveis e emocionantes, ainda que contidos (assim como as piadas do filme). Ao fim do filme, resolvido o crime, é revelado também o mistério dramático. Apesar da multidão de nomes, personas e atores, há, sim, personagens principais. E o filme há de ser muito mais saboroso para quem entender quais são.


Daniela Sandler
Rochester, 20/3/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Coisa Mais Linda de Marilia Mota Silva
02. Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto de Jardel Dias Cavalcanti
03. Minimundos, exposição de Ronald Polito de Jardel Dias Cavalcanti
04. Lançamentos de literatura fantástica (1) de Luís Fernando Amâncio
05. As Lavadeiras, duas pinturas de Elias Layon de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Daniela Sandler
Mais Acessadas de Daniela Sandler em 2002
01. Virtudes e pecados (lavoura arcaica) - 9/1/2002
02. Nas garras do Iluminismo fácil - 10/4/2002
03. Iris, ou por que precisamos da tristeza - 24/4/2002
04. Crimes de guerra - 13/3/2002
05. Somos diferentes. E daí? - 30/1/2002


Mais Especial Oscar 2002
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO
SERGIO PINTO MARTINS
ATLAS
(2008)
R$ 15,00



A VIDA QUE A GENTE QUER DEPENDE DO QUE A GENTE FAZ
INSTITUTO ECO FUTURO
DO AUTOR
(2007)
R$ 13,00



PALAVRAS DO PAPA FRANCISCO NO BRASIL
BERNADETE BOFF (DIREÇÃO)
PAULINAS
(2013)
R$ 5,00



O FÃ
PETER ABRAHAMS
RECORD
(1996)
R$ 15,00



TRATTATO TEORICO PRATICO DI DIRITTO CIVILE: DEI BENI VOLUME UNICO
G BAUDRY - LACANTINERIE E ALBERTO WAHL
FRANCESCO VILLARDI MILAO
R$ 39,28



BATALHÃO DE MALDITOS
SIDNEY ARAUJO JUNIOR
NATIVA
(2002)
R$ 6,28



GUIA DE TINTOS E BRANCOS
SAUL GALVÃO
CODEX
(2004)
R$ 17,50



FASCINAÇÃO
LUCI COLLIN; FLÁVIO DE SOUZA
ATELIÊ
(2019)
R$ 51,73



OS SERTÕES
EUCLIDES DA CUNHA
RECORD
(2002)
R$ 30,00



ANTOLOGIA POÉTICA
JACQUES BREL
ASSÍRIO E ALVIM
(1997)
R$ 30,88





busca | avançada
37504 visitas/dia
1,3 milhão/mês