Anything goes | Rafael Azevedo | Digestivo Cultural

busca | avançada
27782 visitas/dia
955 mil/mês
Mais Recentes
>>> MANU LAFER APRESENTA SHOW NOBODY BUT YOU - TRIBUTO A KIKA SAMPAIO
>>> Sesc Belenzinho recebe a banda E a Terra Nunca me Pareceu Tão Distante
>>> Sesc Belenzinho recebe a atriz e cantora Zezé Motta
>>> Psicólogo lança livro de preparação para concurseiros usando a Terapia Cognitiva-Comportamental
>>> O Sertão na Canção: Guimarães Rosa
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> K 466
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
>>> Famílias terríveis - um texto talvez indigesto
>>> O Carnaval que passava embaixo da minha janela
>>> A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto
>>> Lançamentos de literatura fantástica (1)
>>> Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva
>>> No palco da vida, o feitiço do escritor
Colunistas
Últimos Posts
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
Últimos Posts
>>> Kleber Mendonça volta a Cannes com 'Bacurau'
>>> Nem só de ilusão vive o Cinema
>>> As Expectativas de um Recrutador e um Desempregado
>>> A Independência Angolana além de Pepetela
>>> Porque dizer adeus?
>>> Direções da véspera IV
>>> Direções da véspera IV
>>> A pílula da felicidade
>>> Dispendioso
>>> O mês do Cinemão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Memorial de Berlim
>>> The Good Life
>>> O Natal quase sempre é um problema
>>> O físico que era médico
>>> O historiador das idéias
>>> Maria Antonieta, a última rainha da França
>>> Gentili sobre o 7 a 1
>>> Convivendo com a Gazeta e o Fim de Semana
>>> Uma pirueta, duas piruetas, bravo, bravo!
>>> O petista relutante
Mais Recentes
>>> Margarida La Rocque: a Ilha dos Demônios de Dinah Silveira de Queiroz pela Record (1991)
>>> Três famílias: identidades e trajetórias transgeracionais nas classes populares de Luiz Fernando Dias Duarte e Edlaine de Campos Gomes pela FGV (2008)
>>> Crítica da Divisão do Trabalho de André Gorz pela Martins Fontes (2001)
>>> O Mais Belo País é o Teu Sonho de Flávio Moreira da Costa (autografado) pela Record (1995)
>>> O sociologo e o historiador de Pierre Bourdieu e Roger Chartier pela Autentica (2011)
>>> Em defesa da sociologia de Anthony Giddens pela Unesp (2001)
>>> Irmã Morte de Justo Navarro pela Record (2011)
>>> Caos Total de Jean-claude Izzo pela Record (2002)
>>> Medicina Sexualidade e Natalidade de Henrique Augusto Lima (autografado) pela Byk (1999)
>>> Crônicas inéditas 2 de Manuel Bandeira pela Cosac Naify
>>> Adivinhadores de água de Eduardo Escorel pela Cosac Naify (2005)
>>> Flávio de Carvalho: Espaços da Arte Brasileira de Luiz Camillo Osorio pela Cosac Naify (2009)
>>> Cultura e materialismo de Raymond Williams pela Unesp (2011)
>>> O Eixo do Mal Latino-Americano e a Nova Ordem Mundial de Heitor de Paola pela Observatório Latino (2016)
>>> Marca, Imagem e Reputação: a Trajetória de Sucesso de Pessoas e Empresas de Fernanda de Carvalho e Francisco Britto e Richard House pela Da Boa Prosa (2012)
>>> Clarice, uma Biografia de Benjamin Moser pela Cosac Naify (2015)
>>> Um Barril de Risadas, um Vale de Lágrimas de Jules Feiffer pela Cia das Letras (2008)
>>> Inelegibilidades no Direito Brasileiro de Joel J. Cândido pela Edipro (2003)
>>> Recursos em matéria eleitoral de Tito Costa pela Revista dos Tribunais (2004)
>>> Direito Eleitoral & Questões Controvertidas de Antônio Carlos Martins Soares pela Lumen Juris (2008)
>>> Langage et pouvoir symbolique de Pierre Bourdieu pela Editions Fayard (2001)
>>> Les Règles de l'art de Pierre Bourdieu pela Editions du Seuil (1998)
>>> Princípios Estruturantes das Agências Reguladoras e os Mecanismos de Controle de Alexandra da Silva Amaral pela Lumen Juris (2008)
>>> Homo Academicus de Pierre Bourdieu pela Les Editions de Minuit (2005)
>>> A criança e a mídia: imagem, educação, participação de Cecilia Von Feilitzen; Ulla Carlsson pela Cortez (2002)
>>> Circulação internacional e formação intelectual das elites brasileiras de Ana Maria Almeida; Letícia Canêdo, Afrânio Garcia; Agueda Bittencourt pela Unicamp (2019)
>>> Crimes eleitorais de Suzana de Camargo Gomes pela Revista dos Tribunais (2008)
>>> Delegação e Avocação Administrativas de Regis Fernandes de Oliveira pela Revista dos Tribunais (2005)
>>> Probidade administrativa. Comentários à Lei 8.429/92 e legislação complementar de Marcelo Figueiredo pela Malheiros (2004)
>>> Inquérito Policial & Competências e Nulidades de Atos de Polícia Judiciária de Anderson Souza Daura pela Juruá (2008)
>>> Agora e Para Sempre Lara Jean de Jenny Han pela Intrínseca (2017)
>>> Michael Kohlhaas de Heinrich Von Kleist pela Grua (2014)
>>> Perícias judiciais de engenharia. Doutrina. Prática. Jurisprudência de Francisco Maia Neto pela Del Rey (1999)
>>> A Lição do Mestre de Henry James pela Grua (2014)
>>> Chega de Plástico de Varios Autores pela Sextante (2019)
>>> Os Doze Mandamentos de Sidney Sheldon pela Record (2011)
>>> O Outro de Bernhard Schlink pela Record (2009)
>>> Até Eu Te Encontrar de Graciela Mayrink pela Novas Páginas (2013)
>>> Abaixo de Zero de Bret Easton Ellis pela Rocco (1987)
>>> Suítes imperiais de Bret Easton Ellis pela Rocco (2011)
>>> Porto Seguro de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2013)
>>> Ação de Impugnação de Mandato Eletivo de José Rubens Costa pela Del Rey (2004)
>>> O Milagre de Nicholas Sparks pela Agir (2010)
>>> Zona de Perigo de Shirley Palmer pela Best Seller (2003)
>>> Da anulação ex officio do ato administrativo de João Antunes dos Santos Neto pela Fórum (2004)
>>> O Misterioso Caso de Styles de Agatha Christie pela Abril Cultural (1983)
>>> Conexões de Varios Autores pela Abril (2016)
>>> A Quarta Vítima de Théo Iemma pela Scortecci (2005)
>>> Crianças da Noite de Juliano Sasseron pela Novo Século (2011)
>>> Macunaíma de Mário de Andrade pela Ciranda Cultural (2016)
COLUNAS

Sexta-feira, 29/3/2002
Anything goes
Rafael Azevedo

+ de 2200 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Bienal
Antigamente havia sempre na Bienal, pelo menos, o tal do “Núcleo Histórico”, onde ainda podíamos encontrar arte de verdade. Agora, isso acabou; estamos entregues aos charlatões do mundo inteiro. Pessoas que imagino por absoluta falta de talento e capacidade para dedicarem-se a outro métier empulham-nos com, entre outras coisas, o que imaginam (ou querem que imaginemos) ser a sua visão sobre pobreza, poluição, trânsito e outros problemas que afligem as grandes metrópoles modernas. E tome as habituais instalações, nome repulsivo para algo ainda mais escatológico; impossível definir com exatidão, pois a definição engloba todo tipo de representação, desde aranhas gigantescas de metal a gigantescos videowalls mostrando imagens de japoneses nus, passando por vacas fatiadas e carros sendo esmigalhados a golpes de marreta. As grandes atrações deste ano? Bom, não iria ao pavilhão da Bienal nem que me pagassem os cachês somados de todos os “artistas” que lá se apresentam, mas a se julgar pela cobertura da imprensa, há a sala onde se pode ouvir e ver risadas (!), há a sala das privadas, a sala do... bem, vocês pegaram o espírito. Ah, como podia esquecer, há também as famosas 50 mulheres nuas! (você que me encontrou pelo Yahoo – sorry, nada de imagens aqui!), que poderiam até me agradar, fossem elas bonitas e não estivessem cobertas por tinta verde, vestindo perucas ridículas...
Se alguém aí conseguir entender algum significado minimamente profundo numa sala com um bando de privadas, ou n’outra onde se ouve e se vê um sujeito gargalhar, let me know. Há anos tenho estudado, pesquisado, lido, tentando compreender a burrice. Mas ainda não consegui “solucioná-la”. Existe ali um mistério que me é impenetrável; e talvez este seja o “elo perdido” que tanto tenho procurado.

In olden days
E pensar que já houve uma época em que a arte era realmente contestadora, opunha-se a algo, protestava, gritava, esperneava – pero sin perder la compostura jamás. E não está longe não, este tempo – esqueça Warhol, Duchamp, e outras empulhações; lembram-se de Stravinsky, Shostakovich? Kandinsky, Mondrian? Acho que não, vocês são todos tão novinhos. Acho que só nós mesmos, sexagenários natos, ainda gostamos dessas velharias.
Mas duro mesmo não é ter que se contentar com um mundo sem essa grande arte; é ter que aguentar os artistas soi-disants de nossos dias, apelando a toda espécie de vulgaridade, como colocar toda espécie de escatologias, vômitos, pessoas nuas, peidos, arrotos e merdas, e ainda discursarem durante laudas e laudas sobre a genial contestação de valores que eles e os coleguinhas realizam. Como crianças, sentadas no jardim de infância, rindo e lambuzando-se de massinha, à espera da bronca da tia que nunca vem. E ainda tem quem lhes aplauda...
Vale tudo, ou como diria o velho Cole, anything goes...


MST
Invasão constante de fazendas produtivas. Destruição de lavouras. Intromissão intolerável da privacidade do Presidente da República, farras em seu quarto, sobre sua cama, saque à sua adega. Garrafas de Johnny Walker e vinhos franceses pelo chão da sede. Vandalismo generalizado. Já não é hora de medidas mais drásticas serem tomadas quando aos chamados “sem-terra”, como por exemplo, o banimento da organização, e a prisão sumária de seus líderes? O movimento claramente não representa massas excluídas como apregoa; é político, e representa a mesma esquerda, perigosa e delinquente, que está no poder em Cuba e tenta tomar o poder na Colômbia através das FARC. Seus líderes seguem e pregam cegamente o retrocesso, tudo o que deu errado na história no século que passou, enquanto seus seguidores, uma turba ignara, semi-analfabeta e mal-intencionada, participa de ações assim muito mais pela baderna, ou por outros motivos igualmente torpes, do que propriamente pela esperança de conquistar um tão-sonhado “pedaço de terra”. Garrafas de whisky e vinho importado largadas pela fazenda, e objetos retirados da sede e jogados no mato dificilmente contribuirão para melhorar, se é que isso é possível, a imagem de “defensores dos oprimidos” deste bando de vagabundos.
O que me espanta na história toda é que o movimento parece possuir toda uma logística, uma infraestrutura, que já deveria ter sido desbaratada, ou pelo menos melhor monitorada, se houvesse uma central de inteligência no governo que pudesse, ainda que minimamente, ser assim denominada. Quem é que fornece ônibus para essa gente? Armas? Mantimentos? Quem é que lhes fornece todo o equipamento com que constroem assentamentos, quem lhes fornece as foices e facões com que ameaçam donos de fazendas? Não sei se estou sendo ingênuo, mas não seria mais fácil atrapalhá-los antes que cometessem seus delitos? Seria muito menos desgastante para o governo ter evitado a invasão à fazenda de Fernando Henrique, do que ter de desalojá-los, dando mais chance para os canalhas explorarem politicamente o ocorrido, inventando essa lorota de um “pacto” que teria sido feito para livrar o rabo deles da reta, e que não teria sido cumprido pelo governo. Mas pelo menos desta vez há de se louvar que nada foi feito com violência, e que alguém foi preso. Invasão de propriedade privada é crime, e nenhum país que quer ser levado a sério negocia perdão com criminosos.

He’s just the president, my dear...
Agora engraçado mesmo é ouvir certos idiotas que tiveram sua voz ampliadas pela mídia, bradando revoltados contra o fato do exército ter sido empregado no desalojamento dos sem-terra. O argumento que é expelido de suas cabeças, como excremento de um doente com diarréia, é de que seria injusto o exército e a polícia federal participar desta operação, e não de todas as outras terras invadidas por esta trupe fanfarrônica. Tá certo, afinal, é um cidadão como todos nós... dona nobis patientiam, domine – com o insignificante detalhe de ocupar o cargo mais alto do país. Mas é assim mesmo, tem gente que não enxergaria a verdade nem se ela lhe fosse enfiada goela abaixo, ou por outro lugar acima.


Faroeste caboclo
Dizer que as coisas não mudaram muito em nosso país desde a época das capitanias hereditárias é desnecessário; agora falar isso do Nordeste, e em especial de lugares como o Maranhão, é “chover no molhado”; esses lugares são feudos, pura e simplesmente. Tal como Antônio Carlos Magalhães há alguns anos atrás na Bahia (imagino que ele tenha se desgastado um pouco com os inúmeros escândalos envolvendo seu nome), a família Sarney manda e desmanda lá; possui canais de TV, rádio, deve ter conexões financeiras e inúmeros conchavos através do território do estado. Já imagino Don Sarney na varanda de sua casa de campo, de botas e chapéu na cabeça, sacolejando o braço à la Sinhozinho Malta e esbravejando: “aqui a cunvérsa é outra! Tudo esses cabra frôxo cómi na minha mão!”
Pois não é que ele aprontou mais uma? Não entendo, sinceramente, como não é feita alguma espécie de intervenção federal nestes estados. Alagoas é uma verdadeira terra de ninguém; em algum outro lugar o senador Ronaldo Cunha Lima, sentindo sua honra ofendida por Tarcísio Burity, que concorria com ele em alguma eleição local, simplesmente entrou num restaurante e deu-lhe um tiro na boca, na frente de todos – inclusive a família de seu rival, que observou tudo, atônita. Detalhe: Cunha Lima é até hoje o representante do estado no Senado Federal. Pois bem, Sir Ney não demorou a atender os choramingos de sua filhinha, melindrada e ofendida com a ousadia do governo em investigar as irregularidades encontradas em sua empresa, e o dinheiro “inexplicável” que lá se encontrava; fez discurso inflamado no Senado, deu entrevistas esculhambando o presidente, se acusou publicamente de ter cometido um crime, ao confessar que avisara o seu genro a se livrar de determinados documentos. Agora a famiglia conseguiu o impensável: resolveu peitar nada menos que a Polícia Federal. Até onde vai a falta de respeito pelas instituições nacionais, seja na forma da pessoa do presidente ou dos diversos órgãos governamentais, tanto pela parte da direita como da esquerda, é algo digno de ser estudado mais a fundo. Sir Ney conseguiu que uma juizinha qualquer expedisse um mandado de busca e apreensão a uma casa onde a PF se instalara enquanto realizava operações sigilosas; em pouco tempo vários carros da Polícia Militar maranhense estavam lá, fortemente armados, e com um oficial de justiça que portava o mandado. Segundo a UOL, pouco antes da “invasão” da PM um carro da televisão local que pertence a Sarney pôde ser visto rondando a casa; ao tentarem entrar em contato por celular com a juíza, os repórteres ouviram a “linha cair” (sic) quando ela foi perguntada sobre quem havia pedido a expedição do mandado. Logo chegaram mais policiais federais, também de armas em punho, e houve até um princípio de entrevero. Os PMs saíram de lá, é claro, sem ter apreendido nada; mas o estrago já estava feito.
Se isso não é uma declaração de guerra ao governo, não sei o que é. Resta saber se Fernando Henrique, que não primou exatamente pela coragem, em seu governo, irá comprar a briga.


Rafael Azevedo
São Paulo, 29/3/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Na hora do batismo de Marta Barcellos
02. A melhor Flip de Marta Barcellos
03. Wanda Louca Liberal de Marta Barcellos
04. Literatura engajada de Marta Barcellos
05. Fui pra Cuba de Marta Barcellos


Mais Rafael Azevedo
Mais Acessadas de Rafael Azevedo em 2002
01. Banana Republic - 19/4/2002
02. Terra Papagalli - 22/2/2002
03. Depois do ensaio - 1/3/2002
04. O injustificável - 12/4/2002
05. Intolerâncias e inconsequências - 5/4/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
28/3/2002
15h06min
A posição de advogado do diabo cai-me bem. Sou insuspeito de ter simpatias pelo MST, principalmente pelo medieval Stédile, figura assustadora por seu ar de certeza de tudo que compartilha com alguns intelectuais partidários.Acho ridículo queimar Macdonald's por ser o símbolo do imperialismo, é apenas o que chamamos de franchising, uma idéia brilhante e que funciona. Sou a favor da soja transgênica e acho que as ações de Stédile contra os campos experimentais um sinal de demência. Com todas essas evidências, qual a surpresa? Muitos intelectuais e padres argumentam que o MST é a fonte de pressão que justifica a ação intensa de reforma agrária do governo FHC. Fez isto invadindo a casa de todo mundo e mesmo pressionando comunidades pobres conformistas. O MST é mais um sinal de que para muitos a sociedade brasileira está à deriva e que a crise é profunda. Ações concretas de combate a pobreza valem mais que mil palavras de indignação. Agora, se o MST é político.. que politiquinhos ruins....
[Leia outros Comentários de Jose Maria Silveira]
29/3/2002
12h09min
Que o MST é mesmo um movimento político,construído de modo a desestruturar nosso descuidado Estado de Direito, é ponto pacífico e admitido pelos seus próprios líderes.Usa tintim por tintim as manobras bolcheviques de outrora, que incluem o terror, o desrespeito pelos direitos humanos das pessoas,a intimidação, a crueldade física e psíquica, a sabotagem, a exclusão de assentados que recusam o cabresto marxista imposto nos acampamentos, a compra e manipulação de parte da imprensa,etc. Só que nimguém faz nada disso sem dinheiro, como voce bem levantou em sua nota. E para onde estão indo os bilhões que o povo brasileiro, via Jungmann, está derramando na mão dos líderes desta malta? A quem eles prestam contas? Afinal, o MST não tem sequer estatuto jurídico, segundo me disseram- seria verdade?Estes vândalos agiram como bandidos, devem ser tratados como tal e com mais severidade ainda, poque estão atentando contra o Estado democrático legítimamente constituído, e detonando os direitos de cidadão do Presidente eleito pela maioria da população, detonam também o nosso. Endosso totalmente sua indignação, e qualquer movimento que se proponha a denunciar e destituir estes farsantes e seus planos totalitários. Cordialmente, S.Campos
[Leia outros Comentários de SOLANGE CAMPOS]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




JORNADAS DE REDENÇÃO
ARMANDO FERNANDES DE OLIVEIRA
DO LAR
(1986)
R$ 6,00



A HISTÓRIA DA MATEMÁTICA
ANTONIO CARLOS DE QUEIROZ SILVEIRA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



BLUES YOU CAN USE + CD
JOHN GANAPES
HAL LEONARD
R$ 80,00



STRIPTIRAS, V. 2
LAERTE
L PM EDITORES
(2007)
R$ 10,00



O USO DA CHAMADA VOZ PASSIVA SINTÉTICA EM ANÚNCIOS
REGINA MARIA GONÇALVES MENDES
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 293,00



DIREITO TRIBUTÁRIO VERSUS MERCADO: O LIBERALISMO NA REFORMA DO ES
MARCOS ROGÉRIO PALMEIRA
RENOVAR
(2005)
R$ 18,28



A STEAM ODYSSEY
THE RAILROAD, VICTOR HAND
NORTON
(2018)
R$ 200,00



VALORES JUDAICOS NO MUNDO EM TRANSICAO
RABINO YEHUDA AMITAL
SEFER
(2011)
R$ 12,00



BOTA DE GARRÃO 5 ED. (4268)
JAYME CAETANO BRAUN
SULINA
(1988)
R$ 18,00



BREVE SEGUNDA VIDA DE BREE TANNER: UMA HISTORIA DE
STEPHENIE MEYER
INTRINSECA
(2010)
R$ 9,20





busca | avançada
27782 visitas/dia
955 mil/mês