Pimenta no cérebro dos outros é refresco | Paulo Polzonoff Jr | Digestivo Cultural

busca | avançada
89721 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Castelo realiza piqueniques com contemplação do pôr do sol ao ar livre
>>> A bailarina Ana Paula Oliveira dança com pássaro em videoinstalação de Eder Santos
>>> Festival junino online celebra 143 da cidade de Joanópolis
>>> Nova Exposição no Sesc Santos tem abertura online nessa quinta, 17/06
>>> Arte dentro de casa: museus e eventos culturais com exposições virtuais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> Virtual: Conselheiro do Sertão estreia quinta, 24
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Escafandro e a Borboleta, com Mathieu Amalric
>>> A literatura contra o sistema
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Uma vida para James Joyce
>>> As Classes e as Redes Sociais
>>> Crônica de um jantar em São Paulo
>>> Defesa eloqüente do Twitter
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Margarita Paksa: Percepção e Política
>>> A primeira ofensa recebida sobre algo que escrevi
Mais Recentes
>>> Comunicação Tecnoestética Nas Mídias Audiovisuais de Denise Azevedo Duarte Guimarães pela Sulina (2007)
>>> A Filha mais Velha - Uma Imagem de Família de Selma Carvalho Souza pela Catavento (2005)
>>> Livro da Sorte e do Destino de J. Della Monica pela Madras (2000)
>>> Vencedor de Varios Autores pela New Live
>>> O Livro do Bem de F. Ramon pela Espaço e Tempo (1994)
>>> Pequeno Livro da Sorte de Heloisa Galves pela AlemdaLenda (2016)
>>> Ânimo de Lourival Lopes pela Otimismo (2007)
>>> Minuto Mediúnico de Vitor Ronaldo Costa pela Seda
>>> Memorização - Aumente em até 10 vezes a Capacidade da Memorização de Varios Autores pela Sintec
>>> Sexo e Felicidade de L. Silveira pela Saúde Brasil (1992)
>>> O Evangelho Segundo o Espiritismo de Allan Kardec pela Feesp (1991)
>>> Reiki, Guia de Referência Livro 3 de 3 de Joel Cardoso pela Escala (2000)
>>> Uma Viagem Entre o Céu e o Inferno de Luiz H. Leite Lopes - Maria Ziravello pela Planeta (2007)
>>> O Testamento de São João de J.J. Benítez pela Mercuryo (2006)
>>> Série Terapia - Edição Especial de Tom Mcgrath pela Planeta (1997)
>>> Nosso Lar de Francisco Cândido Xavier pela Feb (1944)
>>> Metafísica 4 em 1 de Conny Mendez pela Lusoimpress (2008)
>>> Uma Voz na Escuridão de Sandra Brown pela Rocco (2006)
>>> Vegetais A Natureza em Nossa Vida de Gonçalves Ribeiro e Outros pela Sugestões Literárias (1976)
>>> Reiki, Guia de Referência Livro 2 de 3 de Joel Cardoso pela Escala (2000)
>>> Iniciação Junto ao Nilo de Mona Rolfe pela Pensamento (1999)
>>> Como Montar e Administrar Bares e Restaurantes de Percival Maricato pela Senac São Paulo (2001)
>>> O Livro dos Médiuns de Allan Kardec pela Feesp (1992)
>>> Sonhando - Santos Dumont de Sylvia Orthof pela Salamandra (1997)
>>> A Lista de Bergoglio de Nello Scavo pela Paulinas (2013)
COLUNAS

Segunda-feira, 9/4/2001
Pimenta no cérebro dos outros é refresco
Paulo Polzonoff Jr

+ de 4000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Os puristas que me perdoem, mas este Hannibal (Idem, EUA, 2001), é melhor que O Silêncio dos Inocentes, que deu origem à lenda Hannibal Lecter. Sei que em cinema há muito deste conservadorismo tacanho, que não permite que uma continuação seja tão boa quanto ou supere o primeiro filme de uma série. Qualquer pessoa com dois neurônios há de concordar comigo, no entanto, que Hannibal é, na pior das hipóteses, tão bom quanto ao primeiro.

O Silêncio dos Inocentes, um dos poucos filmes que ganharam os cinco principais Oscars, filme, direção, ator, atriz e roteiro, é um thriler muito bem dirigido, delicioso de se assistir, assustador sem ser vulgar, sem precisar abusar das cenas de nojo para entreter a platéia. Só que Hannibal, o personagem, é quase um coadjuvante na história; em certo momento estamos mais preocupados com o serial killer que amava borboletas do que com o louco canibal que ajuda Clarice Starling a desvendar o paradeiro da filha de um senador, prestes a ser morta pelo maníaco. À época, muito se falou do enfoque psicológico do filme, que fugia à pancadaria que infestava produções do gênero. Se o primeiro é um thriller psicológico, o que dizer deste segundo? Só um verdadeiro tratado de psicanálise é capaz de superá-lo.

Cinema, contudo, desperta paixões por vezes arrebatadoras e sempre irracionais. Hannibal Lecter, magistralmente interpretado por Anthony Hopkins, a quem eu jamais pediria um autógrafo por seu desempenho neste papel (convenhamos, este galês de 63 anos já deve ter experimentado ao menos um naco de carne humana!), virou lenda e, como toda lenda, tende a ser intocada. Pior para Ridley Scott, que resolveu levá-lo novamente para as telas e acabou escutando todo o tipo de absurdos da crítica ortodoxa.

Primeiro disseram que o filme não é fiel ao livro. Para ser mais exato, quiseram fazer um trocadilho besta e escreveram que o filme "come" partes do livro. Como se isso fosse um demérito. Qualquer pessoa que já tenha visto dois filmes na vida sabe que é impossível se transpor com fidelidade um livro para a tela grande. São duas linguagens diferentes que se expressam de modos diferentes. À exceção, talvez (por favor sublinhe o talvez), de A Insustentável Leveza do Ser, não conheço um filme que seja fidedigno ao livro. Talvez aquela obscura adaptação de Guerra e Paz, de Tolstói, filmada na antiga União Soviética, a mando de Stálin e que, dizem, tem mais de oito horas de duração. São, no entanto, exceções que confirmam uma regra para mim muito clara: se você quer ver um filme fidelíssimo ao livro, não veja o filme. Releia o livro. Pelo menos assim não escreverá besteiras sobre a produção.

Como escrevo esta crítica com defasagem em relação aos críticos do Rio e São Paulo (digo isto porque sei de muita gente que escreve o filme sem vê-lo, com a desculpa, esfarrapadíssima, da exclusividade jornalística), como escrevo esta crítica depois das outras, sinto-me na obrigação de refutá-las. E refutá-las exatamente pelo olhar mais demorado e refletido.

Outra coisa que se escreveu sobre Hannibal foi que o filme substitui o medo do original (olha o puritanismo aí, gente!) pelo asco. Há, sim, cenas que se podem considerar nojentas em Hannibal, mas só vomita quem tiver estômago muito fraco. Não é como O Exorcista, em que a cena de maior pavor é a do famoso vômito verde. As cenas de "asco" de Hannibal são verossímeis e plausíveis com um personagem que, a despeito de sua elegância, jamais deixou de ser um louco. Quem escreve uma verdadeira heresia (eu sei que não existem heresias em cinema, leitor; é só uma frase de efeito) como esta prefere certamente ver uma adolescente histérica gritar durante duas horas e depois colocar a lanterna na cara cheia de ranho a gastar seu tempo saboreando, com o perdão do trocadilho, este Hannibal.

O que mais nos interessa no personagem do filme é sua elegância, seu amor pelo que é requintado, pelo erudito, que contrasta violentamente com suas práticas culinárias nada ortodoxas. E Anthony Hopkins consegue transmitir todo este ar de superioridade e até mesmo de comiseração para com os demais mortais com maestria. Disse o ator que se inspirou num felino para interpretar Lecter. Nada mais elegante que um felino comendo cérebros de pessoas desprezíveis.

Não posso deixar de falar sobre a fotografia e direção de arte deste filme. Mórbida, em tons quase sempre escuros, elegante em seus contrastes luminosos, a fotografia de John Mathieson é um show à parte. É certo que Florença ajuda. Outro ponto alto de Hannibal é a direção de arte, usada para definir o bem e o mal nas figuras, respectivamente, de Lecter e Mason Verger (Gary Oldman). Sim, leitor, a uma certa altura chegamos a pensar que Hannibal Lecter é o bem encarnado, assim uma espécie de anjo vingador. Para tanto, os diretores de arte usaram um artifício bastante interessante: Hannibal é representado pela sensibilidade, pela delicadeza, pela erudição, pelo bom gosto, em suma; Verger, seu inimigo, homossexual que foi desfigurado por Hannibal, é retratado como um homem riquíssimo, mas de extremo mau gosto. Reparem na casa de Verger. Quando ele aparece em cena, notem a música que toca; sim, é clássica. Sim, é uma valsa de Strauss. Sim, é o Danúbio Azul. Intragável.

Muito se falou, ainda, sobre a substituição de Jodie Foster por Julianne Moore. Nada que produza um efeito indesejado. Pelo contrário, Moore consegue dar uma dimensão mais humana e mais feminina a Starling. Seu principal medo não é, como em O Silêncio dos Inocentes, que descubram nela a mulher frágil que realmente é; seu medo é que percebam nela uma fracassada, uma mulher destinada a ser uma garçonete de motel na Route 66, como sua mãe. Mais Freud que isso só o próprio Sigmund pode nos oferecer.

Até quem não aprecia elucubrações psicológicas, contudo, vai admirar este Hannibal. Pela fluidez com que Scott o dirige. Pelos olhos de Hopkins. Pela inversão de valores que o filme nos proporciona. Quem não torcer por Lecter e não se aperceber disso merece virar comida de javali. Se é que me entendem.


Paulo Polzonoff Jr
Rio de Janeiro, 9/4/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia de Jardel Dias Cavalcanti
02. Da Renovação Papal de Ricardo de Mattos
03. Moda em 20 textos de Adriana Baggio
04. Baudelaire, um pária genial (parte II) de Jardel Dias Cavalcanti
05. Graciliano Ramos, o gigante de Daniel Lopes


Mais Paulo Polzonoff Jr
Mais Acessadas de Paulo Polzonoff Jr em 2001
01. Transei com minha mãe, matei meu pai - 17/10/2001
02. Está Consumado - 14/4/2001
03. A mentira crítica e literária de Umberto Eco - 24/10/2001
04. Reflexões a respeito de uma poça d´água - 19/12/2001
05. Deus - 25/7/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
4/2/2002
00h34min
ADOREI O COMENTARIO QUE FIZESTE SDBRE O FILME E SEM SOMBRA DE DUVIDAS TORCEREI PELO PELO ANTHONY EM TODAS A PREMIAÇOES QUE OUVER. MAIS PERFEITO QUE ANTHONY HOPKINS SO HANNIBAL LECTER.
[Leia outros Comentários de ANA PAULA]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Grupo de Vanguarda
Vicente Sanches
Cotovia (lisboa)
(1997)



Administração: Oportunidades, Desafios e Ameaças
Wagner Siqueira
Reichmann & Affonso
(2002)



Historias do Roseiral
Vários Autores
Pentagrama
(2003)



Edifícios Comerciais. Megastore Rio Center. Felipe Bezerra
Fernando Serapião
Ateliê Editorial
(2004)



Governabilidade e Reformas
João Paulo dos Reis Velloso e Roberto Cavalcanti
José Olympio
(1995)



The Place At the Edge of the Earth
Bebe Faas Rice
Clarion Books
(2002)



Consciência e Valor
Samuel Rawet
Orfeu (rj)
(1969)



The Shorter Cambridge Medieval History (volume 2)
C. W. Previté-orton (editor)
Cambridge University Press
(1953)



La Logique de Lantisémitisme; de La Question Antisémite
Revista Temps Critiques, Nº 2 de 1990
Impliqué
(1990)



Tristezas à Beira-mar
Manuel Pinheiro Chagas
Saraiva
(1960)





busca | avançada
89721 visitas/dia
2,7 milhões/mês