Pimenta no cérebro dos outros é refresco | Paulo Polzonoff Jr | Digestivo Cultural

busca | avançada
65370 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Missão à China
>>> Universidade do Livro desvenda os caminhos da preparação e revisão de texto
>>> Mississippi Delta Blues Festival será On-line
>>> Tykhe realiza encontro com Mauro Mendes Dias sobre O Discurso da Estupidez
>>> Trajetória para um novo cinema queer em debate no Diálogos da WEB-FAAP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Micronarrativa e pornografia
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> Viva a revolução
>>> AC/DC 1977
>>> As maravilhas do mundo que não terminam
>>> Nem Aos Domingos
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
Mais Recentes
>>> Los Condenados de la Tierra (Os Condenados da Terra) de Frantz Fanon pela Fondo de Cultura Econónica (2018)
>>> Les Confessions de Jean-Jacques Rousseau pela Hachete (1903)
>>> O primo Basílio de Eça de Queirós pela Abril Cultural (1979)
>>> Revue Française de Science Politique Volume XXI Numéro 3 juin 1971 de Jean Brusset, Mattei Dogan e outros pela Puf (1971)
>>> Introdução à Geografia da População de Wilbur Zelinsky pela Zahar (1974)
>>> Revista do Brasil de Antonio Candido, Celso Furtado, Julio Cortázar, Manoel Bonfim, Poty e outros pela Rioarte / Funarte (1984)
>>> Painel da Literatura em Língua Portuguesa de José de Nicola pela Scipione (2010)
>>> Crónica de una muerte anunciada de Gabriel García Márquez pela Plaza Janés (1999)
>>> Marlene D de Marlene Dietrich pela Nordica (1984)
>>> Notícia de un secuestro de Gabriel Gacía Máquez pela Plaza Janés (1999)
>>> Há Males Que Vêm Para Bem de Alec Guinness pela Francisco Alves (1990)
>>> Vivir para Contarla de Gabriel García Márquez pela Debolsillo (2017)
>>> Tango Solo de Anthony Quinn, Daniel Paisner pela Nova Fronteira (1995)
>>> El Coronel no Tiene Quien le Escriba de Gabriel Gacía Máquez pela Plaza Janés (1999)
>>> Laços Eternos de Zibia Gasparetto pela Edicel (1979)
>>> A garota que eu quero de Markus Zusak pela Intrínseca (2013)
>>> O inverno das fadas de Carolina Munhóz pela Casa da palavra (2012)
>>> Treinando a emoção para ser feliz de Augusto Cury pela Academia (2010)
>>> E se for você? de Rebecca Donovan pela Globo (2016)
>>> O guardião de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2013)
>>> O casamento de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2012)
>>> Inferno atlântico. Demonologia e colonização. Séculos XVI-XVIII de Laura de Mello e Souza pela Companhia das Letras (1993)
>>> Um porto seguro de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2012)
>>> Ouse ir Além - Coaching para Resultados Extraordinários de José Roberto Marques pela Ibc (2016)
>>> Segundo - Eu me chamo Antônio de Pedro Gabriel pela Intrínseca (2014)
>>> Doce Cuentos Peregrinos de Gabriel García Márques pela Plaza Janés (1999)
>>> A cadeira de prata - As crônicas de Nárnia de C. S. lewis pela Martins Fontes (2003)
>>> Ases nas alturas - Wild Cards de George R. R. Martin pela Leya (2013)
>>> Homens de grossa aventura. Acumulação e hierarquia na praça mercantil do Rio de Janeiro 1790-1830 de João Luís Fragoso pela Civilização Brasileira (1998)
>>> Anjos caídos de Asa Schwarz pela Planeta (2010)
>>> Um conto do destrino de Mark Helprin pela Novo Conceito (2014)
>>> O diabo e a Terra de Santa Cruz de Laura de Mello e Souza pela Companhia das Letras (1986)
>>> O Antigo Regime nos trópicos de João Fragoso & Maria Fernanda Bicalho & Maria de Fátima Gouvêa. Organizadores pela Civilização Brasileira (2010)
>>> Dominguinhos o Neném de Garanhuns de Antônio Vilela de Souza pela Garanhuns (2014)
>>> Viva a Vagina de Nina Brochman / Ellen Sorkken Dahl pela Pararela (2017)
>>> Grandes Pensadores em Psicologia - 10A de Rom Harré pela Roca (2009)
>>> A Amiga Genial de Elena Ferrante pela Biblioteca Azul/ Globo (2015)
>>> Steve Jobs : a biografia de Walter Isaacson pela Companhia Das Letras (2011)
>>> A Encantadora de Bebês de Tracy Hogg; Melinda Brau pela Manole (2006)
>>> Cien Años de Soledad de Gabriel Garcia Marques pela Plaza Janés (1999)
>>> O Taro Adivinhatório de Vários pela Pensamento
>>> Os Segredos de Uma Encantado de Bebês de Tracy Hogg; Melinda Brau pela Manole (2002)
>>> A Droga da Obediência de Pedro Bandeira pela Moderna (2009)
>>> O Paraíso na Outra Esquina de Mario Vargas Llosa pela Arx (2003)
>>> A Festa da Insignificância de Milan Kundera pela Companhia das Letras (2014)
>>> História da Menina Perdida de Elena Ferrante pela Biblioteca Azul/ Globo (2017)
>>> A Lenda do Graal (Do Ponto de Vista Psicológico) de Emma Jung e Marie Louise Von Franz pela Cultrix (1991)
>>> Capitães da Areia de Jorge Amado pela Record (1975)
>>> O Verão Sem Homens de Siri Hustvedt pela Companhia das Letras (2013)
>>> Hostória de Quem Foge e de Quem Fica de Elena Ferrante pela Biblioteca Azul/ Globo (2016)
COLUNAS

Segunda-feira, 9/4/2001
Pimenta no cérebro dos outros é refresco
Paulo Polzonoff Jr

+ de 3800 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Os puristas que me perdoem, mas este Hannibal (Idem, EUA, 2001), é melhor que O Silêncio dos Inocentes, que deu origem à lenda Hannibal Lecter. Sei que em cinema há muito deste conservadorismo tacanho, que não permite que uma continuação seja tão boa quanto ou supere o primeiro filme de uma série. Qualquer pessoa com dois neurônios há de concordar comigo, no entanto, que Hannibal é, na pior das hipóteses, tão bom quanto ao primeiro.

O Silêncio dos Inocentes, um dos poucos filmes que ganharam os cinco principais Oscars, filme, direção, ator, atriz e roteiro, é um thriler muito bem dirigido, delicioso de se assistir, assustador sem ser vulgar, sem precisar abusar das cenas de nojo para entreter a platéia. Só que Hannibal, o personagem, é quase um coadjuvante na história; em certo momento estamos mais preocupados com o serial killer que amava borboletas do que com o louco canibal que ajuda Clarice Starling a desvendar o paradeiro da filha de um senador, prestes a ser morta pelo maníaco. À época, muito se falou do enfoque psicológico do filme, que fugia à pancadaria que infestava produções do gênero. Se o primeiro é um thriller psicológico, o que dizer deste segundo? Só um verdadeiro tratado de psicanálise é capaz de superá-lo.

Cinema, contudo, desperta paixões por vezes arrebatadoras e sempre irracionais. Hannibal Lecter, magistralmente interpretado por Anthony Hopkins, a quem eu jamais pediria um autógrafo por seu desempenho neste papel (convenhamos, este galês de 63 anos já deve ter experimentado ao menos um naco de carne humana!), virou lenda e, como toda lenda, tende a ser intocada. Pior para Ridley Scott, que resolveu levá-lo novamente para as telas e acabou escutando todo o tipo de absurdos da crítica ortodoxa.

Primeiro disseram que o filme não é fiel ao livro. Para ser mais exato, quiseram fazer um trocadilho besta e escreveram que o filme "come" partes do livro. Como se isso fosse um demérito. Qualquer pessoa que já tenha visto dois filmes na vida sabe que é impossível se transpor com fidelidade um livro para a tela grande. São duas linguagens diferentes que se expressam de modos diferentes. À exceção, talvez (por favor sublinhe o talvez), de A Insustentável Leveza do Ser, não conheço um filme que seja fidedigno ao livro. Talvez aquela obscura adaptação de Guerra e Paz, de Tolstói, filmada na antiga União Soviética, a mando de Stálin e que, dizem, tem mais de oito horas de duração. São, no entanto, exceções que confirmam uma regra para mim muito clara: se você quer ver um filme fidelíssimo ao livro, não veja o filme. Releia o livro. Pelo menos assim não escreverá besteiras sobre a produção.

Como escrevo esta crítica com defasagem em relação aos críticos do Rio e São Paulo (digo isto porque sei de muita gente que escreve o filme sem vê-lo, com a desculpa, esfarrapadíssima, da exclusividade jornalística), como escrevo esta crítica depois das outras, sinto-me na obrigação de refutá-las. E refutá-las exatamente pelo olhar mais demorado e refletido.

Outra coisa que se escreveu sobre Hannibal foi que o filme substitui o medo do original (olha o puritanismo aí, gente!) pelo asco. Há, sim, cenas que se podem considerar nojentas em Hannibal, mas só vomita quem tiver estômago muito fraco. Não é como O Exorcista, em que a cena de maior pavor é a do famoso vômito verde. As cenas de "asco" de Hannibal são verossímeis e plausíveis com um personagem que, a despeito de sua elegância, jamais deixou de ser um louco. Quem escreve uma verdadeira heresia (eu sei que não existem heresias em cinema, leitor; é só uma frase de efeito) como esta prefere certamente ver uma adolescente histérica gritar durante duas horas e depois colocar a lanterna na cara cheia de ranho a gastar seu tempo saboreando, com o perdão do trocadilho, este Hannibal.

O que mais nos interessa no personagem do filme é sua elegância, seu amor pelo que é requintado, pelo erudito, que contrasta violentamente com suas práticas culinárias nada ortodoxas. E Anthony Hopkins consegue transmitir todo este ar de superioridade e até mesmo de comiseração para com os demais mortais com maestria. Disse o ator que se inspirou num felino para interpretar Lecter. Nada mais elegante que um felino comendo cérebros de pessoas desprezíveis.

Não posso deixar de falar sobre a fotografia e direção de arte deste filme. Mórbida, em tons quase sempre escuros, elegante em seus contrastes luminosos, a fotografia de John Mathieson é um show à parte. É certo que Florença ajuda. Outro ponto alto de Hannibal é a direção de arte, usada para definir o bem e o mal nas figuras, respectivamente, de Lecter e Mason Verger (Gary Oldman). Sim, leitor, a uma certa altura chegamos a pensar que Hannibal Lecter é o bem encarnado, assim uma espécie de anjo vingador. Para tanto, os diretores de arte usaram um artifício bastante interessante: Hannibal é representado pela sensibilidade, pela delicadeza, pela erudição, pelo bom gosto, em suma; Verger, seu inimigo, homossexual que foi desfigurado por Hannibal, é retratado como um homem riquíssimo, mas de extremo mau gosto. Reparem na casa de Verger. Quando ele aparece em cena, notem a música que toca; sim, é clássica. Sim, é uma valsa de Strauss. Sim, é o Danúbio Azul. Intragável.

Muito se falou, ainda, sobre a substituição de Jodie Foster por Julianne Moore. Nada que produza um efeito indesejado. Pelo contrário, Moore consegue dar uma dimensão mais humana e mais feminina a Starling. Seu principal medo não é, como em O Silêncio dos Inocentes, que descubram nela a mulher frágil que realmente é; seu medo é que percebam nela uma fracassada, uma mulher destinada a ser uma garçonete de motel na Route 66, como sua mãe. Mais Freud que isso só o próprio Sigmund pode nos oferecer.

Até quem não aprecia elucubrações psicológicas, contudo, vai admirar este Hannibal. Pela fluidez com que Scott o dirige. Pelos olhos de Hopkins. Pela inversão de valores que o filme nos proporciona. Quem não torcer por Lecter e não se aperceber disso merece virar comida de javali. Se é que me entendem.


Paulo Polzonoff Jr
Rio de Janeiro, 9/4/2001


Mais Paulo Polzonoff Jr
Mais Acessadas de Paulo Polzonoff Jr em 2001
01. Transei com minha mãe, matei meu pai - 17/10/2001
02. Está Consumado - 14/4/2001
03. A mentira crítica e literária de Umberto Eco - 24/10/2001
04. Reflexões a respeito de uma poça d´água - 19/12/2001
05. Deus - 25/7/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
4/2/2002
00h34min
ADOREI O COMENTARIO QUE FIZESTE SDBRE O FILME E SEM SOMBRA DE DUVIDAS TORCEREI PELO PELO ANTHONY EM TODAS A PREMIAÇOES QUE OUVER. MAIS PERFEITO QUE ANTHONY HOPKINS SO HANNIBAL LECTER.
[Leia outros Comentários de ANA PAULA]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CÁLCULO MATEMÁTICA PARA TODOS 41- EMPACADOS NO TEMPO
VÁRIOS AUTORES - REVISTA
SEGMENTO
(2014)
R$ 10,00



MARTIN MYSTÈRE 5
PAOLO MORALES
MYTHOS
(2019)
R$ 15,50



STARTERS
LISSA PRICE
NOVO CONCEITO
(2012)
R$ 15,00



WHATS THAT NOISE?
JADE MICHAELS
MACMILLAN
(2004)
R$ 6,00



TONICO E O SEGREDO
ANTONIETA DIAS DE MORAES
SALAMANDRA
(1980)
R$ 6,90



PRECIS D HYGIENE
P. COURMONT A. ROCHAIX
MASSON ET CIE
(1921)
R$ 87,54



CONFERÊNCIAS, DISCURSOS E PERFIS
JACINTO GUIMARÃES
IMPRENSA OFICIAL BELO HORIZON
(1961)
R$ 29,86



REVISTA MAD ESPECIAL HALLOWEEN Nº 3 - 9922
MARCO M LUPOL
MYTHOS
(2008)
R$ 17,00



DE FRENTE E PERFIL
SPENCER LUÍS MENDES
RAZÃO CULURAL
(1999)
R$ 9,80



JORNAL DE SERRA VERDE
WALDEMAR VERSIANI DOS ANJOS
ITATIAIA
(1960)
R$ 8,90





busca | avançada
65370 visitas/dia
2,1 milhões/mês