Pimenta no cérebro dos outros é refresco | Paulo Polzonoff Jr | Digestivo Cultural

busca | avançada
59013 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Festival Brincando na Praça acontece em versão online com atrações para toda a família
>>> IED lança blogs sobre Design
>>> SENTENÇA DISCUTE VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER E TRAZ CRÍTICA AO SISTEMA LEGAL BRASILEIRO
>>> Universidades públicas apresentam lições aprendidas com as crises
>>> Mega evento de preparação ao ENEM reúne personalidades e conteúdo exclusivo ao público jovem
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Coisa mais bonita é São Paulo...
>>> Cuba e O Direito de Amar (1)
>>> Aos nossos olhos (e aos de Ernesto)
>>> Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo
>>> O fim dos livros físicos?
>>> A sujeira embaixo do tapete
>>> Moro no Morumbi, mas voto em Moema
>>> É breve a rosa alvorada
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> Toma Vacilão: clip de Natasha Sahar no YouTube
>>> Startup lança projeto para retorno às aulas
>>> Os Doidivanas chegam às plataformas de podcasts
>>> Saudade do amanhã
>>> Cata-lata
>>> A busca
>>> O poder da história
>>> Caraminholas
>>> ETC. E TAL
>>> Acalanto para a alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> Roots, bloody roots
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Escritor: jovem, bonito, simpático...
>>> O iPad, da Apple e de Steve Jobs
>>> Poesia para os ouvidos e futebol de perebas
>>> Hell’s Angels
>>> Desfile de homens ocos
>>> Na casa do mouro
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Mais Recentes
>>> Senhor das Moscas de William Golding pela Alfaguara (2014)
>>> Guia Politicamente Incorreto da História do Mundo de Leandro Narloch pela Leya (2013)
>>> Guia Politicamente Incorreto da História do Mundo de Leandro Narloch pela Leya (2013)
>>> Dez Mulheres de Marcela Serrano pela Alfaguara (2012)
>>> Quem Tem Medo de Escuro ? de Sidney Sheldon pela Record (2005)
>>> Manual de Direito das Famílias de Maria Berenice Dias pela Revista dos Tribunais (2015)
>>> O infame comércio de Jaime Rodrigues pela Unicamp (2000)
>>> O Clube do Livro do Fim da Vida de Will Schwalbe pela Objetiva (2013)
>>> O Amigo de Infância de Donna Tartt pela Companhia das Letras (2004)
>>> Antologia dos Santos padres de C. Folch Gomes pela Paulinas (1979)
>>> Mentiras no divã de Irvin D. Yalom pela Ediouuro (2006)
>>> Construção da nação e escravidão no pensamento de José Bonifácio de Ana Rosa Cloclet da Silva pela Unicap (1999)
>>> As Forças do Bem de Diamantino Coelho Fernandes pela Freitas Bastos (1979)
>>> Francisco Félix de Souza: mercador de escravos de Alberto da Costa e Silva pela Nova Fronteira (2004)
>>> Francisco Félix de Souza: mercador de escravos de Alberto da Costa e Silva pela Nova Fronteira (2004)
>>> Bravo! 90 - Março 2005 - Zé Celso e o Teatro de Michel Laub pela Abril (2005)
>>> As muitas mães de Ariel de Mirna Pinsky pela Melhoramentos
>>> Bravo! 108 - Agosto 2006 - Jorge Amado de Ricardo Lombardi pela Abril (2006)
>>> Um Passeio pelo Tempo Machadiano - Suplemento Pedagógico de Adriane Gomes Farah e Outros pela Rovelle (2009)
>>> As 16 Leis do Sucesso de Napoleon Hill pela Faro Editorial (2017)
>>> O Segredo do Meu Marido de Liane Moriarty pela Intrínseca (2014)
>>> Bravo! 95 - Agosto 2005 - Cinema: os Brasileiros no Exterior de Almir de Freitas pela Abril (2005)
>>> O milagre da manhã para se tornar um milionário de Hal Elrod pela Best Seller (2019)
>>> O símbolo perdido de Dan Brown pela Arqueiro (2009)
>>> As 5 Habilidades Essenciais do Relacionamento de Dale Carnegie pela Companhia Nacional (2012)
>>> Uma breve história do Universo de Ken Wilber pela Nova Era (2006)
>>> História 2° Ano Ensino Fundamental de Cândido Domingues Grangeiro pela Cereja (2014)
>>> Oye orixa - umbanda e a síntese dos princípios do Branco de Rafael Alves; Marcelo Costa Nunes pela Casa Das Musas (2009)
>>> De costa a costa de Jaime rodrigues pela Companhia das letras (2005)
>>> Dicionário de teatro de Patrice Pavis pela Perspectiva (2005)
>>> Historia da África: Anterior aos descobrimentos de Mário Curtis Giordani pela Vozes (2007)
>>> O Papel do Corpo no Corpo do Ator de Sônia Machado De Azevedo pela Perspectiva (2008)
>>> Longe é Um Lugar Que Não Existe de Richard Bach pela Record (1979)
>>> Muita Alma Nessa Hora - Lições para Empreender com Propósito de Kiko Kislansky pela Voo (2018)
>>> Etnologia africana de Eduardo dos Santos pela J. Castelo Branco, Lisboa (1969)
>>> Decifre e Influencie Pessoas de Paulo Vieira + Deibson Silva pela Gente (2018)
>>> Bravo! 105 - Maio 2006 - Degas de Ricardo Lombardi pela Abril (2006)
>>> Que mundo? que homem? que Deus? de Juan Luis Segundo pela Paulinas (1995)
>>> Consciéncia -Volume 8 -/2p de instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo pela Lilacl (2000)
>>> Amor Com Amor Se Paga: a nova moeda no mundo do trabalho de Dulce Ribeiro pela Doravante (2005)
>>> As origens cristãs a partir da mulher: uma nova hermenêutica de Elisabeth S. Fiorenza pela Paulinas (1992)
>>> Fama, fortuna e ambição de Osho pela Academia (2012)
>>> Mistérios Ocultos de Joshua David Stone pela Pensamento (1995)
>>> Como Fazer : Guia Pratico de Tecnicas ,projetos e Ideias para o Lar -Vol3 = de Jorge Adib pela Rio Grafica (2000)
>>> Luta por um mundo Melhor de Robert F. Kennedy+ Álvaro Cabral pela Biblioteca do Exercito (1968)
>>> Luta por um mundo Melhor de Robert F. Kennedy+ Álvaro Cabral pela Biblioteca do Exercito (2020)
>>> A hora da estrela de Clarice Lispector pela Rocco (1998)
>>> Encontro: Fragmentos Autobiográficos de Martin Buber pela Vozes (1991)
>>> Triste fim de Policarpo Quaresma de Lima Barreto pela Penguin (2020)
>>> O livro da sabedoria de Pe. Mário de Oliveira pela Edium editores (2020)
COLUNAS

Segunda-feira, 9/4/2001
Pimenta no cérebro dos outros é refresco
Paulo Polzonoff Jr

+ de 3800 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Os puristas que me perdoem, mas este Hannibal (Idem, EUA, 2001), é melhor que O Silêncio dos Inocentes, que deu origem à lenda Hannibal Lecter. Sei que em cinema há muito deste conservadorismo tacanho, que não permite que uma continuação seja tão boa quanto ou supere o primeiro filme de uma série. Qualquer pessoa com dois neurônios há de concordar comigo, no entanto, que Hannibal é, na pior das hipóteses, tão bom quanto ao primeiro.

O Silêncio dos Inocentes, um dos poucos filmes que ganharam os cinco principais Oscars, filme, direção, ator, atriz e roteiro, é um thriler muito bem dirigido, delicioso de se assistir, assustador sem ser vulgar, sem precisar abusar das cenas de nojo para entreter a platéia. Só que Hannibal, o personagem, é quase um coadjuvante na história; em certo momento estamos mais preocupados com o serial killer que amava borboletas do que com o louco canibal que ajuda Clarice Starling a desvendar o paradeiro da filha de um senador, prestes a ser morta pelo maníaco. À época, muito se falou do enfoque psicológico do filme, que fugia à pancadaria que infestava produções do gênero. Se o primeiro é um thriller psicológico, o que dizer deste segundo? Só um verdadeiro tratado de psicanálise é capaz de superá-lo.

Cinema, contudo, desperta paixões por vezes arrebatadoras e sempre irracionais. Hannibal Lecter, magistralmente interpretado por Anthony Hopkins, a quem eu jamais pediria um autógrafo por seu desempenho neste papel (convenhamos, este galês de 63 anos já deve ter experimentado ao menos um naco de carne humana!), virou lenda e, como toda lenda, tende a ser intocada. Pior para Ridley Scott, que resolveu levá-lo novamente para as telas e acabou escutando todo o tipo de absurdos da crítica ortodoxa.

Primeiro disseram que o filme não é fiel ao livro. Para ser mais exato, quiseram fazer um trocadilho besta e escreveram que o filme "come" partes do livro. Como se isso fosse um demérito. Qualquer pessoa que já tenha visto dois filmes na vida sabe que é impossível se transpor com fidelidade um livro para a tela grande. São duas linguagens diferentes que se expressam de modos diferentes. À exceção, talvez (por favor sublinhe o talvez), de A Insustentável Leveza do Ser, não conheço um filme que seja fidedigno ao livro. Talvez aquela obscura adaptação de Guerra e Paz, de Tolstói, filmada na antiga União Soviética, a mando de Stálin e que, dizem, tem mais de oito horas de duração. São, no entanto, exceções que confirmam uma regra para mim muito clara: se você quer ver um filme fidelíssimo ao livro, não veja o filme. Releia o livro. Pelo menos assim não escreverá besteiras sobre a produção.

Como escrevo esta crítica com defasagem em relação aos críticos do Rio e São Paulo (digo isto porque sei de muita gente que escreve o filme sem vê-lo, com a desculpa, esfarrapadíssima, da exclusividade jornalística), como escrevo esta crítica depois das outras, sinto-me na obrigação de refutá-las. E refutá-las exatamente pelo olhar mais demorado e refletido.

Outra coisa que se escreveu sobre Hannibal foi que o filme substitui o medo do original (olha o puritanismo aí, gente!) pelo asco. Há, sim, cenas que se podem considerar nojentas em Hannibal, mas só vomita quem tiver estômago muito fraco. Não é como O Exorcista, em que a cena de maior pavor é a do famoso vômito verde. As cenas de "asco" de Hannibal são verossímeis e plausíveis com um personagem que, a despeito de sua elegância, jamais deixou de ser um louco. Quem escreve uma verdadeira heresia (eu sei que não existem heresias em cinema, leitor; é só uma frase de efeito) como esta prefere certamente ver uma adolescente histérica gritar durante duas horas e depois colocar a lanterna na cara cheia de ranho a gastar seu tempo saboreando, com o perdão do trocadilho, este Hannibal.

O que mais nos interessa no personagem do filme é sua elegância, seu amor pelo que é requintado, pelo erudito, que contrasta violentamente com suas práticas culinárias nada ortodoxas. E Anthony Hopkins consegue transmitir todo este ar de superioridade e até mesmo de comiseração para com os demais mortais com maestria. Disse o ator que se inspirou num felino para interpretar Lecter. Nada mais elegante que um felino comendo cérebros de pessoas desprezíveis.

Não posso deixar de falar sobre a fotografia e direção de arte deste filme. Mórbida, em tons quase sempre escuros, elegante em seus contrastes luminosos, a fotografia de John Mathieson é um show à parte. É certo que Florença ajuda. Outro ponto alto de Hannibal é a direção de arte, usada para definir o bem e o mal nas figuras, respectivamente, de Lecter e Mason Verger (Gary Oldman). Sim, leitor, a uma certa altura chegamos a pensar que Hannibal Lecter é o bem encarnado, assim uma espécie de anjo vingador. Para tanto, os diretores de arte usaram um artifício bastante interessante: Hannibal é representado pela sensibilidade, pela delicadeza, pela erudição, pelo bom gosto, em suma; Verger, seu inimigo, homossexual que foi desfigurado por Hannibal, é retratado como um homem riquíssimo, mas de extremo mau gosto. Reparem na casa de Verger. Quando ele aparece em cena, notem a música que toca; sim, é clássica. Sim, é uma valsa de Strauss. Sim, é o Danúbio Azul. Intragável.

Muito se falou, ainda, sobre a substituição de Jodie Foster por Julianne Moore. Nada que produza um efeito indesejado. Pelo contrário, Moore consegue dar uma dimensão mais humana e mais feminina a Starling. Seu principal medo não é, como em O Silêncio dos Inocentes, que descubram nela a mulher frágil que realmente é; seu medo é que percebam nela uma fracassada, uma mulher destinada a ser uma garçonete de motel na Route 66, como sua mãe. Mais Freud que isso só o próprio Sigmund pode nos oferecer.

Até quem não aprecia elucubrações psicológicas, contudo, vai admirar este Hannibal. Pela fluidez com que Scott o dirige. Pelos olhos de Hopkins. Pela inversão de valores que o filme nos proporciona. Quem não torcer por Lecter e não se aperceber disso merece virar comida de javali. Se é que me entendem.


Paulo Polzonoff Jr
Rio de Janeiro, 9/4/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Contentamento descontente: Niketche e poligamia de Renato Alessandro dos Santos
02. O sublime Ballet de Londrina de Jardel Dias Cavalcanti
03. Necrológico da Biblioteca de Viegas Fernandes da Costa
04. Consumidor, você tem toda a razão! de Daniel Bushatsky
05. Alguns momentos com Daniel Piza de Eduardo Carvalho


Mais Paulo Polzonoff Jr
Mais Acessadas de Paulo Polzonoff Jr em 2001
01. Transei com minha mãe, matei meu pai - 17/10/2001
02. Está Consumado - 14/4/2001
03. A mentira crítica e literária de Umberto Eco - 24/10/2001
04. Reflexões a respeito de uma poça d´água - 19/12/2001
05. Deus - 25/7/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
4/2/2002
00h34min
ADOREI O COMENTARIO QUE FIZESTE SDBRE O FILME E SEM SOMBRA DE DUVIDAS TORCEREI PELO PELO ANTHONY EM TODAS A PREMIAÇOES QUE OUVER. MAIS PERFEITO QUE ANTHONY HOPKINS SO HANNIBAL LECTER.
[Leia outros Comentários de ANA PAULA]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PARA MINHA ASSISTENTE COISAS QUE EU NUNCA FAREI PARA VOÇÊ
LYDIA WHITLOCK
PLANETA
(2014)
R$ 9,90



EU MEREÇO TER DINHEIRO!
REINALDO DOMINGOS
DSOP
(2013)
R$ 9,90



MACHADO DE ASSIS, PERSONAGENS E DESTINOS
ANTENOR SALZER RODRIGUES
BOM TEXTO
(2008)
R$ 24,90



ENCONTRO MARCADO
FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER
FEB
(1992)
R$ 5,00



PRETÉRITO QUASE PERFEITO
RONALD GUIMARÃES
RHJ
(2004)
R$ 9,90



POLÍTICA EDUCATIVA COMO TECNOLOGIA SOCIAL, AS REFORMAS DO ENSINO
SÉRGIO GRÁCIO
LIVROS HORIZONTE
(1986)
R$ 31,88



O MAL NO PENSAMENTO MODERNO - UMA HISTÓRIA ALTERNATIVA DA FILOSOFIA
SUSAN NEIMAN
DIFEL
(2003)
R$ 100,00



AO CORRER DA PENA
JOSE DE ALENCAR
MELHORAMENTOS
R$ 6,90



A DANÇA DA SERPENTE
SEBASTIÃO MARTINS

(1990)
R$ 8,00



CURSO DE INTRODUÇÃO À CIÊNCIA DO DIREITO
PAULINO JACQUES
FORENSE
(1971)
R$ 22,50





busca | avançada
59013 visitas/dia
2,0 milhão/mês