Le Bon Sebon | Luis Eduardo Matta | Digestivo Cultural

busca | avançada
74045 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Férias de Julho: Museu Catavento e Teatro Sérgio Cardoso recebem a Cia. BuZum!
>>> Neos firma parceria com Unicamp e oferece bolsas de estudo na área de inteligência artificial
>>> EcoPonte apresenta exposição Conexões a partir de 16 de julho em Niterói
>>> Centro em Concerto - Palestras
>>> Crônicas do Não Tempo – lançamento de livro sobre jovem que vê o passado ao tocar nos objetos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> PANFLETO AMAZÔNICO
>>> Coruja de papel
>>> Sou feliz, sou Samuel
>>> Andarilhos
>>> Melhores filme da semana em Cartaz no Cinema
>>> Casa ou Hotel: Entenda qual a melhor opção
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> A vida depende do ambiente, o ambiente depende de
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Os enciclopedistas franceses rolam nos túmulos
>>> Entrevista com Chico Pinheiro
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> Entrevista da Camille Paglia
>>> Vamos sentir saudades
>>> Sexo virtual
>>> The more you ignore me, the closer I get
>>> Padre chicoteia coquetes e dândies
Mais Recentes
>>> Brincar de Viver de Maggie Shayne pela Best Seller (2003)
>>> Só o Amor Constrói de Jose Severino Pessoa pela Edicon (2013)
>>> Seminário Sobre Racismo - Kampala / Uganda 29 Marzo - 8 Abril de Cosec pela Cosec / Cie (1961)
>>> Aborto e Contracepção - Atualidade e Complexidade da Questão de Celso Cezar Papaleo pela Renovar (2000)
>>> A Fascinação pelo Pior de Florian Zeller pela Rocco (2008)
>>> São Paulo Em 1836 - Ensaio Dum Quadro Estatistico da Província de Sp de Marechal D. P. Müller pela Reedição Litteral (1923)
>>> Amor de Natal de Leo Buscaglia pela Record (1987)
>>> Algumas Questões Polemicas do Novo Codigo Civil Brasileiro-2ª. de Marcos Antonio Benasse pela Bookseller (2004)
>>> Território V de Zizzy Ysatis (org.) / Giulia Moon / Cid Ferreira pela Terracota (2009)
>>> A Batalha do Apocalipse de Eduardo Spohr pela Verus (2010)
>>> O segredo de Rhonda Byrne pela Sextante (2015)
>>> Wanderweg de Jack Alain Leger pela Best Seller (1988)
>>> Três Mistérios de Lelis; Telma Guimarães Castro Andrade pela Atual Didáticos (2009)
>>> O Melhor de Mim de Nicholas Sparks; Fabiano Morais pela Arqueiro (2012)
>>> Tim de Colleen Mccullough pela Círculo do Livro (1974)
>>> Estrategia - uma Visao Executiva de Cornelis de Kluyver; John Pearce Ii pela Prentice Hall Brasil (2010)
>>> Pequena Abelha de Chris Cleave; Maria Luiza Newlands pela Intrinseca (2010)
>>> A Ponte dos Judeus de Martí Gironell pela Planeta do Brasil (2009)
>>> Compêndio de Biologia, Química e Física de Olentina de Souza Lima e Outros pela Iracema
>>> Os Mistérios das Múmias de Ciranda Cultural pela Ciranda Cultural
>>> Sistemas de Comunicação Popular de Joseph M. Luyten pela Ática (1988)
>>> Dados - Revista de Ciências Sociais - Volume 52 - 1 de Charles Pessanha - Edit. pela Iuperj (2009)
>>> A Death in Brazil - a Book of Omissions de Peter Robb pela Henry Holt
>>> Estórias ao Entardecer de William Netto Candido pela O Autor
>>> Prisioneiro do Caos de Vicente de Paulo Silva pela Via Sette (2001)
COLUNAS

Terça-feira, 13/12/2005
Le Bon Sebon
Luis Eduardo Matta

+ de 8100 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Em 2005, o bairro carioca do Leblon, que abriga algumas das mais charmosas e badaladas livrarias cariocas, foi abalado por uma notícia desalentadora: o simpático sebo Dantes, que por mais de uma década funcionou na rua Dias Ferreira, 45-B, resolveu se mudar para o cinema Odeon, na Cinelândia. O Leblon, no entanto, não sofreu qualquer prejuízo, já que, nesta mesma época e a apenas alguns poucos quarteirões do antigo endereço do Dantes, abria as portas aquele que viria a se tornar um dos mais dinâmicos, completos e irreverentes sebos de todo o Rio de Janeiro: o Le Bon Sebon, do qual, aliás, já me tornei freqüentador fiel.

Comandado pelo impagável Lisandro Gaertner, grande iconoclasta da sua geração e que já esteve à frente do célebre Baratos da Ribeiro, em Copacabana, o Le Bon Sebon possui um rico e variado acervo de livros, CDs, LPs, vídeos e revistas para todos os gostos - uma vantagem em relação ao Dantes, cujo perfil sempre foi meio "cabeça", direcionado a um público leitor, em tese, mais sofisticado e intelectualizado. Gaertner e seus sócios já anunciaram que não vão se limitar à venda e à permuta de livros e que o Le Bon Sebon será um ponto cativo de eventos que prometem sacudir o meio literário carioca. O primeiro deles acontecerá no dia 17 de dezembro e dá uma pista do que virá a partir de 2006. Brejeiramente intitulado "1º Festival de poesia duvidosa", será uma sátira provocativa às leituras de poesias que costumam acontecer nas cidades brasileiras, com o diferencial de que no Le Bon só serão lidos, como o próprio nome do evento se encarrega de sugerir, textos de qualidade duvidosa. É o próprio Gaertner quem nos anuncia:

Já se perguntou por que Peninha é considerado brega e Caetano cantando Peninha é CULT? Já ponderou sobre o que permitiu Adriana Calcanhoto transformar o funk melody de Claudinho e Buchecha num hino das estações de MPB? Ainda se espanta com a respeitabilidade adquirida por "Proibida pra Mim" do Charlie Brown Jr. depois da sua regravação por Zeca Baleiro? Nesse pequeno encontro estaremos com o microfone aberto para que todos possam declamar suas letras pref(t)eridas de Axé, Funk, Pagode, Sertanejo, Forró, Romântico e tudo mais que "o seu doído coração mandar".

Aguardem também a série de "Conversas ao pé do balcão", que deverá ser aberta com um controverso e politicamente incorreto debate sobre literatura marginal intitulado "Literatura marginal para quê, se bandido não sabe ler?".

O Le Bon Sebon fica na rua Conde de Bernadotte, 26, loja 107, atrás da Livraria Da Conde, numa galeria que ferve à noite com seus teatros e bares da moda. Aos que estiverem no Rio, sugiro que reservem um par de horas para fazer uma visita. Garanto que não irão se arrepender.

A boa Literatura que começa aos vinte

Desde muito jovem, quando eu ainda era um pré-adolescente imberbe, defendo a tese de que toda generalização é estúpida por não contemplar a diversidade da vida e não observar os aspectos individuais e intransferíveis que somente podem ser analisados isoladamente. Talvez por conta disso, eu jamais tenha me entregado cegamente ao fervor ideológico, religioso ou intelectual e tenha evitado ser afetado por qualquer tipo de sectarismo, buscando enxergar nas diferenças que nos rodeiam e colorem a realidade, um atrativo a mais neste percurso curto e tortuoso que é a vida.

Uma coisa é generalizar um tema sem prejudicá-lo, a fim de agilizar um debate onde o aprofundamento de determinada questão não é fundamental. Outra, é valer-se de uma generalização para, pomposamente, provar de maneira definitiva uma tese que se proponha a nortear mentes, impor verdades e ditar rumos. As páginas da imprensa, as salas de aula e os comitês partidários são pródigos nessa arte. De tanto alardear teorias as mais variadas, acabam tornando-as incontestáveis para uma opinião pública com cada vez menos juízo crítico. Uma das mais correntes é a de que é impossível escrever um bom livro, sobretudo em prosa, antes dos trinta anos, pois o autor não teria ainda maturidade suficiente e sua obra seria, necessariamente, amadora e inconsistente. Uma breve releitura da história da Literatura brasileira basta para desqualificar rapidamente esse discurso imbecil. Nela, veremos Clarice Lispector escrevendo Perto do Coração Selvagem, aos dezessete anos; Rachel de Queiroz lançando O Quinze, aos vinte; Nélida Piñon publicando Guia Mapa de Gabriel Arcanjo aos vinte e quatro, e Jorge Amado, no esplendor da sua primeira fase como escritor, brindando seus privilegiados leitores com verdadeiras obras-primas da nossa Literatura como Jubiabá, Mar Morto e Capitães da Areia, antes dos vinte e cinco anos. Todas são obras de incontestável valor, produzidas por consagrados autores ainda na flor da sua juventude, em pleno desabrochar da idade adulta. Tenho pensado bastante nisso, desde que fui, recentemente, apresentado ao primeiro livro de Julián Fuks, uma belíssima coletânea de contos intitulada Fragmentos de Alberto, Ulisses, Carolina e Eu (7 Letras; 68 páginas; 2004) e lançada quando o escritor tinha, ao que me parece, vinte e dois anos (provavelmente ele era ainda mais jovem, quando a escreveu).

Julián Fuks demonstra grande maturidade e habilidade na confecção de suas dezenove narrativas, todas muito breves, nas quais impera uma perceptível, embora não opressiva, atmosfera de melancolia e solidão, que inevitavelmente conduzirá o leitor a um incômodo sentimento de inquietude em relação à condição humana e à própria existência. Fuks põe em relevo a alma de seus personagens, justamente naquele instante mágico de catarse, por vezes, perturbador, em que é aberta para cada um a janela do autoconhecimento e da percepção da realidade. Aquilo que, em psicanálise, é chamado de insight, um momento de revelação, de súbita compreensão de questões até então nebulosas ou inexplicáveis, acompanhada de uma sensação indescritível que, via de regra, mescla alívio, angústia e, muitas vezes, resignação ante uma realidade muito mais poderosa do que os nossos anseios e a nossa tímida existência.

Alguns contos me atraíram especialmente a atenção, de maneira que acabei relendo-os depois, em separado e por mais de uma vez. E o mais interessante é que a cada releitura sempre me vinha uma percepção diferente, como se algo gravado nas entrelinhas me houvesse escapado nas leituras anteriores, o que é próprio da boa Literatura, quando um texto, por mais lido que seja, nunca se esgota na sua capacidade de nos surpreender com renovadas impressões. O primeiro deles é "Sobressalto", que, em menos de duas páginas, captura a personagem Carolina num daqueles momentos de reflexão que muitos de nós, certamente, já vivenciamos. Sentada, sozinha, num banco de praça, acompanhada unicamente das pombas que se aproximaram em revoada atraídas "pelas migalhas de pão oferecidas pelos tantos velhinhos que ali descansavam os pés, ou as costas", ela observa as pessoas espalhadas pela paisagem à sua volta. Tenta, assim, lhes esquadrinhar a intimidade, os sentimentos e as expectativas afetivas, buscando um sopro de renovação para a própria vida desgastada. Logo a seguir, em "O menino sobre a capela", nos deparamos com uma atmosfera de luto: duas crianças são veladas no altar de uma humilde e acanhada capela situada num pequeno vilarejo. Inesquecível a imagem triste, porém conformada da mãe, que está grávida de novo, andando de um lado ao outro, enquanto tenta mitigar a dor que lhe assalta o ventre inchado, segurando-o com a mão. No entanto, o conto que mais me envolveu foi "Relato de uma Senhora", lá pelo meio do livro, onde uma anciã narra uma prosaica viagem de trem para Veneza. Na cabine, a companhia silenciosa de um jovem estrangeiro desconhecido e ninguém mais. Veio-me, imediatamente, à memória, uma viagem semelhante que fiz, alguns anos atrás, se não me engano, entre Hamburgo e Zurique, num trem noturno. A atmosfera descrita por Fuks me tocou de forma considerável, pois eu, imediatamente, me vi dentro do conto, sentado naquele trem em movimento, tendo de compartilhar a intimidade de uma cabine com uma pessoa estranha, com sua própria história de vida, provavelmente muito diferente da minha, alguém de quem eu não sabia o nome e que, com toda a certeza, eu não veria nunca mais e nem me lembraria o rosto. De uma maneira quase cinematográfica, Fuks nos transporta para aquele cenário e posso jurar que cheguei, por um momento, a enxergar com nitidez o interior da cabine, o trem já parado na estação, o silêncio circundante "de pássaros no inverno", como se eu, Luis Eduardo Matta, também tivesse participado da viagem.

De todos os vários livros de autores nacionais que li da Coleção Rocinante da Editora 7 Letras, Fragmentos de Alberto, Ulisses, Carolina e Eu é, seguramente, um dos melhores, senão o melhor. Não consigo entender como um escritor como Julián Fuks não foi efusivamente saudado pela mídia, ele sim, como uma das grandes revelações da sua geração. Sua linguagem é madura, rica e caprichada, superior, inclusive, à de muitos autores veteranos e premiados. Fuks é a prova de que a literatura brasileira continua a ter grande potencial e que nem todos os novos autores se renderam à mesmice e à mediocridade umbiguista. E, sobretudo, que o bom escritor não tem idade e que os vinte anos, podem sim, nos brindar com a melhor Literatura, ao contrário do que prega o senso comum.

Para ir além






Luis Eduardo Matta
Rio de Janeiro, 13/12/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O fim dos livros físicos? de Luís Fernando Amâncio
02. É breve a rosa alvorada de Elisa Andrade Buzzo
03. Lira da resistência ao futebol gourmet de Luís Fernando Amâncio
04. Caí na besteira de ler Nietzsche de Marol Azevedo


Mais Luis Eduardo Matta
Mais Acessadas de Luis Eduardo Matta em 2005
01. Moda e modismos prêt-à-porter - 29/3/2005
02. O discreto charme dos sebos - 11/1/2005
03. Um romance de terror e de sombras - 1/3/2005
04. Henry Moore: o Rodin do século XX - 26/7/2005
05. O primeiro código de Brown - 10/5/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
14/12/2005
00h00min
Concordo com o autor desse texto. Não se pode generalizar. Cada pessoa tem um tempo para desenvolver seus potenciais. Pelo menos eu tenho que acreditar nisso.
[Leia outros Comentários de eduardo]
14/12/2005
01h28min
Mais uma vez o jovem maduro escritor, Luis Eduardo, nos brinda com um texto de incontestável elegância, onde aborda um tema profundo e complexo. Infelizmente, a visão crítica parece estar morrendo e a tendência é a de se seguir a opinião da maioria e não se escapar do dito politicamente correto. Não sei se por medo, por preguiça ou para não destoar, o fato é que se perdeu o hábito de pensar. Mas, para todo mal há uma saída. Se não quisermos produzir mais uma geração de ovelhas, devemos criar uma nova escola onde a hierarquia não seja sinônimo de saber absoluto e onde haja espaço para criatividade e troca entre alunos e professores. Não é fácil, desde que o poder é fascinante! Em relação àqueles que só admitem um bom escritor depois dos 30, certamente, nunca observaram um idoso imaturo! A experiência auxilia, sem dúvida, mas somente aos que souberam ou conseguiram absorver o que experienciaram.
[Leia outros Comentários de regina mas]
5/1/2006
22h31min
Le Best Sebon!
[Leia outros Comentários de Ram]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Eu Chovo, Tu Chove Ele Chove
Sylvia Orthof
Objetiva
(2003)



A Grande Esperança
Ellen G. White
Casa Publicadora Brasileira
(2012)



Ética - Fundamentos Sócio-históricos Volume 4
Maria Lucia S. Barroco
Cortez
(2008)



O Brilho da Estrela
Danielle Steel
Altaya Record
(2001)



As Brumas de Avalon - 4 Volumes
Marion Zimmer Bradley
Imago
(2008)



A Cura de Schopenhauer
Irvin D. Yalom; Beatriz Horta
Harper Collins Br
(2006)



Emergências Cirúrgicas Traumáticas e Não Traumáticas
José Cesar Assef
Atheneu
(2012)



Elementos de Semiologia
Roland Barthes
Cultrix
(1964)



Maria Madalena - a Testemunha da Paixão
José Carlos Leal
Ld
(2009)



A Relíquia
Eça de Queirós
Galex
(1997)





busca | avançada
74045 visitas/dia
1,8 milhão/mês