Para além da coleção de receitas | Daniela Sandler | Digestivo Cultural

busca | avançada
74501 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Péricles Cavalcanti - lançamento de SALTANDO COMPASSOS
>>> Espetáculo “Canções Para Pequenos Ouvidos” chega ao Teatro Clara Nunes, em Diadema
>>> (Abre 11/10) Mostra BAÚ DA DGT_curadores Francisco Gaspar,Tuna Dwek, Donny Correia e Diego da Costa
>>> Escrever outros Corpos - Criar outras Margens || BELIZARIO Galeria
>>> SESC 24 DE MAIO RECEBE EVENTO DE LANÇAMENTO DA COLEÇÃO ARQUITETOS DA CIDADE
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
Colunistas
Últimos Posts
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
Últimos Posts
>>> Universos paralelos
>>> Deseduquei
>>> Cuidado com a mentira!
>>> E agora? Vai ter pesquisa novamente?
>>> Cabelos brancos
>>> Liberdade
>>> Idênticos
>>> Bizarro ou sem noção
>>> Sete Belo
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
Blogueiros
Mais Recentes
>>> perversão sexual
>>> Trailer do Fim do Mundo
>>> Uísque ruim, degustador incompetente
>>> O bom e velho jornalismo de sempre
>>> Apresentação
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> A fragilidade dos laços humanos
>>> Anomailas, por Gauguin
>>> Felicidade
>>> Ano novo, vida nova.
Mais Recentes
>>> A Jornada Para Casa Uma Parabola De Kryon - A Historia De Michael Thomas E Os Sete Anjos de Lee Carroll pela Madras (2011)
>>> No Vale Dos Suicidas - Madras de Evaristo Humbertto De Araujo pela Madras (2009)
>>> Os Segredos Do Karate Shotokan de Robin L Rielly pela Madras (2011)
>>> História social da criança e da família de Philippe Ariés pela Guanabara (1981)
>>> A revolução da palavra - Uma visão do homo loquens de Pedro Paulo Filho pela Siciliano (1987)
>>> A Sombra de uma Paixão de Tanya Oliveira pela Lúmen (2007)
>>> A evolução da consciência de Robert Ornstein pela Best Seller (1991)
>>> Iracema de José de Alencar pela L&Pm Pocket (2009)
>>> Ciência e fé: O reencontro pela- Física quântica de Bispo Rodovalho pela Lua de mel (2013)
>>> A ponte clandestina - Teorias de cinema na América Latina de José Carlos Avelar pela 34 (1995)
>>> As Fortunas do Cortesão de Peter Burke pela Unesp (1997)
>>> O barão das árvores de Italo Calvino pela Companhia Das Letras (1991)
>>> Cultura Brasileira - Temas e Situações de Alfredo Bosi pela Atica (1992)
>>> Poemas de Rainer Maria Rilke pela Companhia Das Letras (1993)
>>> A Feira das Vaidades - I e II Volume de William Makepeace Thackeray pela Civilização Brasileira (1963)
>>> Cinema marginal (1968/1973) - A representação em seu limite de Fernão Ramos pela Brasiliense (1987)
>>> O Circo da Noite de Erin Morgenstern pela Intrínseca (2012)
>>> A vida viaja na luz de Carlos A. Baccelli Inácio Ferreira pela Leepp (2011)
>>> Por que perdeu ?: Dez desfiles derrotados que fizeram história de Marcelo de Mello pela Record (2018)
>>> Cultura de Massa e Cultura Popular de Ecléa Bosi pela Vozes (1973)
>>> Antes de dormir de S. J. Watson pela Record (2012)
>>> História da Civilização - Idade Média, Moderna e Contemporânea de António G. Mattoso pela Lisboa - Livraria Sá da Costa (1956)
>>> Uma história da república de Lincoln de Abreu Penna pela Nova Fronteira (1989)
>>> Adestramento de Cães para Leigos de Jack Volhard / Wendy Volhard pela Alta Books (2005)
>>> Capitalismo, trabalho e educação de José Claudinei Lombardi pela Autores Associados (2004)
COLUNAS

Quarta-feira, 15/5/2002
Para além da coleção de receitas
Daniela Sandler

+ de 5100 Acessos

Livro sobre comida não é só coleção de receitas. É um deleite deitar os olhos em textos que usam seus ingredientes para fazer mais do que listas e instruções. Nada contra estas, claro. Mas não são muito apetitosas como livro de cabeceira ou distração em dia de chuva. Na última vez em que levei um livro de receitas para a cama, acabei adormecendo com fome.

Por isso, sempre me animo com os títulos deste que é um nicho crescente no mercado de livros. Comercialismo à parte, o nicho é bem-vindo. Recentemente, li dois dos exemplares mais famosos por aqui – ainda sem lançamento no Brasil, embora já tenham sido resenhados em jornais brasileiros. Um dos títulos é Kitchen confidential, do chef Anthony Bourdain – quem já leu ou ouviu falar costuma identificá-lo como “aquele que explica por que não pedir peixe em restaurante na segunda-feira.” O outro é Comfort me with apples, da jornalista gastronômica Ruth Reichl.

Os dois livros são “romances de formação”. Em Kitchen confidential, Bourdain narra sua trajetória desde a pós-adolescência, quando foi trabalhar num restaurante apenas para pagar as próprias férias, até seu desenvolvimento profissional como chef de um dos restaurantes mais movimentados de Nova York. Comfort me with apples também começa no momento decisivo em que, quase por acaso, Ruth Reichl selou sua vocação de crítica gastronômica, aceitando um emprego numa revista para se manter enquanto a carreira literária não decolava, e descobrindo que sua carreira literária, afinal, estava na comida.

Literatura autocentrada

Não é à toa que os dois são autobiográficos. Muito da literatura sobre comida é baseada em memórias, experiências pessoais, viagens. Em The soul of a chef, por exemplo, Michael Ruhlman, observa e descreve a prática e as idéias de dois chefs norte-americanos: Michael Symon, do Lola Bistro, em Cleveland, e o célebre Thomas Keller, do restaurante French Laundry, considerado um dos melhores do país. Em O homem que comeu de tudo, Jeffrey Steingarten reúne crônicas sobre suas obsessões culinárias, experiências, amigos cozinheiros... E o livro mais recente de Bourdain, A cook’s tour, acompanha o chef em “aventuras” gastronômicas pelo mundo.

É de esperar que a literatura culinária seja autocentrada, ao menos em parte, já que a elaboração intelectual sobre a comida em geral vem depois da experiência pessoal de degustação. A vivência individual de um prato ou de um ingrediente é na maioria das vezes a fonte necessária das idéias, a base da inspiração e da informação. Críticas gastronômicas, por exemplo – a unidade mais “básica” da literatura do gênero –, são essencialmente relatos pessoais, memórias de uma visita a um restaurante, do que foi provado, como foi servido, do ambiente...

Claro, numa crítica de jornal, o foco é no recheio do relato – a reportagem, o objeto concreto. Nos livros – ou em colunas mais livres, como a de Nina Horta, na Folha de São Paulo – os autores colocam mais de suas impressões subjetivas, indo além da apreciação gastronômica e incluindo estados de espírito, anedotas, eventos de suas vidas.

Mas nem todo livro sobre comida precisa ser assim – há autores que abordam o tema com interesse mais filosófico ou histórico, tentanto talvez alcançar uma dimensão mais coletiva ou geral. Por exemplo, A cultura da comida, em que o historiador italiano Massimo Montanari narra os hábitos culinários europeus desde a Antiguidade, demorando-se especialmente na Idade Média. Montanari interpreta os modos de comer de acordo com sua significação social, cultural, econômica e até política, e destaca as implicações materiais e simbólicas desses hábitos, e como eles são afetados por eventos históricos ou naturais.

História do peixe

Mas as semelhanças entre Bourdain e Reichl param por aí. Bourdain faz o estilo garoto contando vantagem em bar; entremeia sua narração com gírias e várias “lições de moral” que repete inúmeras vezes, destilando sua “filosofia de trabalho”. Ainda que mostre sensibilidade e perspicácia na descrição dos tipos que povoam as cozinhas de restaurante (o mundo que habita), e ainda que a sua narrativa siga (mais ou menos) a cronologia de sua vida, a estrutura do livro é solta, quase caótica. Os eventos vão sendo servidos como um jantar profuso, mas não planejado. E, como num desses jantares, o resultado às vezes é delicioso – mas, muitas vezes, falta apuro e acabamento.

Sobram, no entanto, informações saborosas e histórias pitorescas. As tais denúncias dos “segredos inconfessáveis” do negócio, que muita gente achou que custariam a reputação de Bourdain entre seus colegas, por exemplo. No fim, a imprensa fez mais barulho sobre isso do que os colegas, que nem se importaram tanto – Bourdain ganhou mais prestígio, aliás, depois de publicar o livro. Ele mesmo disse que a “história do peixe” era um aspecto secundário do livro.

De fato, o livro é muito mais do que isso. Mais interessante é a caracterização do cotidiano e da carreira profissional dos cozinheiros. A obra vem a calhar, agora que a profissão está cada vez mais badalada, temperada pelo glamour que cerca os “chefes-celebridade” e difundida em cursos e faculdades que proliferam. Para quem sonha acordado em trocar um emprego árido num escritório pelo romance do avental, o livro não poupa advertências: a vida é dura, duríssima. Exige tempo, energia e dedicação quase totais, numa rotina massacrante e muito menos remunerada do que se imagina, impondo uma sobrecarga física e mental impressionante.

Se a falta de estrutura e a verborragia do autor não chegam a estragar o livro, há uma outra decepção: Bourdain é surpreendemente frustrante quando escreve sobre comida propriamente dita. Apesar de enumerar pratos, ingredientes, iguarias e preparos, o autor só consegue descrever a experiência de prová-los com expressões vagas e subjetivas como “delicioso” ou “maravilhoso” ou “melhor refeição da vida”. Não descreve formas nem cores, não caracteriza a textura ou consistência, não indica as sensações de paladar, os sabores, os aromas. O livro dá uma idéia muito vívida do que é ser cozinheiro, e ao chegar ao fim tem-se a impressão de ter percorrido o mundo das cozinhas profissionais junto com o autor; mas, paradoxalmente, não há cheiro de comida no ar, e a sensação final é de barriga vazia.

Se, por um lado, essa ausência do prato principal é desconcertante em se tratando de um chef, por outro ela reflete um pouco da própria agrura da profissão: passar quinze, dezessete horas diárias numa cozinha escaldante, trabalhando duro sobre tábuas de cortar, panelas ferventes e grelhas, e provando muito pouco das iguarias preparadas para servir no salão ao lado. De fato, em mais de uma ocasião, Bourdain escreve sobre as monótonas e humildes refeições servidas aos cozinheiros dos vários restaurantes onde trabalhou.

Filé de lesma

Ruth Reichl é o oposto. Claro, é crítica gastronômica por profissão – escreveu para o Los Angeles Times e o The New York Times, e hoje é editora de uma das melhores revistas culinárias norte-americanas, a Gourmet. Seu livro é generoso em detalhadas descrições de pratos, que capturam vivamente não só as suas propriedades físicas “objetivas” como também o gosto e as impressões de senso que a autora experimentou. Uma das qualidades de um crítico gastronômico é o seu poder de evocar essas sensações no leitor, e não são muitos os que conseguem – boa parte fica apenas na resenha técnica, julgando o ponto da carne ou o preparo do risoto.

Ainda que isso dê uma idéia teórica sobre a competência (ou não) de um restaurante, acaba soando como jargão, linguagem de experts em que devemos acreditar e que devemos seguir, sem saber direito o que significa. Mas alguns, como Reichl, conseguem dar ao leitor a idéia de por que e, mais importante, de como um prato é bom ou ruim. A beleza disso é que, além de entender a avaliação da crítica, o leitor aprende com seu texto a incorporar os critérios de avaliação e a julgar por si próprio.

Além disso, Reichl é uma escritora meticulosa. A seqüência de seu livro é cuidadosamente preparada e organizada, ainda que nem sempre aparente à primeira vista. Essa estrutura tem uma função: prepara o terreno e constrói uma crescente intensidade dramática, com direito a clímax e desenvolvimento de personagens, tecendo uma novela – e das boas – sob a trama das memórias da autora. Não admira que ela tenha pensado em ser romancista. O livro leva ao riso e ao choro, tem passagens emocionantes, faz o leitor se angustiar, enraivecer, vibrar e se surpreender junto com Ruth, a narradora/protagonista. Do mesmo modo como ela aproxima o leitor dos pratos que experimenta, ela convida seu público a seguir com ela em suas aventuras pessoais.

O texto de Reichl é polido, preciso e conciso – diferentemente de Bourdain. Seu ponto fraco está em alguns dos episódios que narra em crescendo, em que tenta reproduzir sua tensão emocional e o momento final de surpresa, alívio ou decepção com que cada um desses episódios termina. O problema é que Ruth capricha demais na construção da cena, usando os mesmos recursos com os quais evoca vivamente as comidas; mas a descrição é tão elaborada que acaba ficando aparente. Dá para adivinhar o final de cada uma dessas anedotas, especialmente depois de ler a primeira: a estratégia fica aparente nas outras.

Mas esse é um pecado menor numa obra excelente, gostosa de ler, sensível e significativa. Sim, significativa: pois, como Ruth sugere e demonstra, gastronomia não é simplesmente um acessório cosmético à necessidade biológica de comer. A importância da comida vai além de sua utilidade física para a nossa sobrevivência e toca em pontos fundamentais de nossa vivência emocional e intelectual.

Ela oferece passagens memoráveis, em que narra a experiência “mística” de um etéreo macarrão com limão; a aventura de desvendar comidas exóticas, como filé de lesma e salada de água-viva; e o conforto precioso e essencial de um camarão com curry feito em grupo para uma dezena de amigos. E, para completar, cada capítulo tem uma ou mais receitas que não só permitem ao leitor reproduzir (ou tentar) as comidas provadas por Ruth, como também – o que talvez seja mais importante – prolongam o prazer do próprio livro, permitindo reviver a experiência literária mesmo depois de virar a página.


Daniela Sandler
Riverside, 15/5/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Coro dos Maus Alunos de Duanne Ribeiro
02. Da necessidade de dizer a que vim de Alessandro Garcia
03. Notas Musicais de Rafael Azevedo
04. Paulo Maluf, Crowding Out e o fim da Democracia de Marcelo Brisac


Mais Daniela Sandler
Mais Acessadas de Daniela Sandler em 2002
01. Virtudes e pecados (lavoura arcaica) - 9/1/2002
02. Nas garras do Iluminismo fácil - 10/4/2002
03. Iris, ou por que precisamos da tristeza - 24/4/2002
04. Crimes de guerra - 13/3/2002
05. Somos diferentes. E daí? - 30/1/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Conspiração
John Hersey
Bloch
(1972)



Congo
Michael Crichton
círculo do livro
(1980)



O Falecido Mattia Pascal / Seis Personagens à Procura de um Autor
Pirandello
Abril
(1978)



Coringa: Arte de Lee Bermejo
Brian Azzarello
Panini Comics
(2015)



Alma e Coração
Francisco Cândido Xavier
pensamento



Raiva e Retorno À Calma - Volume 3 Coleção Cadernos das Emoções
Isabelle Filliozart; Virginie Limousin; éric Veilé
Ftd
(2019)



Livro - A Revolução Inglesa - Col. Tudo é História - Volume 82
José Jobson de Andrade Arruda
Brasiliense
(1990)



Angry Birds Dedoche - Red ao Resgate!
Tradução Sara G. Martins
Vale das Letras
(2014)



Amor e Ambição Pelo Espírito Helena
Maria Nazareth Dória
lúmen
(2003)



Introduçao a Sociologia
Persio Santos de Oliveira
Atica
(2008)





busca | avançada
74501 visitas/dia
2,0 milhão/mês