Jean-Christophe Rufin e o Pau-Brasil | Helena Vasconcelos | Digestivo Cultural

busca | avançada
79822 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Máscaras Decoloniais: Dança e Performance (edição bilingue)
>>> Prêmio Sesc de Literatura abre hoje inscrições para edição 2021
>>> Jovens negros e indígenas são público-alvo de laboratório gratuito para curtas-metragens
>>> Peças de teatro serão transformadas em “radionovelas”
>>> Concurso literário vai premiar novos escritores locais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Kate Dias vive Campesina em “Elise
>>> Editora Sinna lança “Ninha, a Bolachinha”
>>> “Elise”: Lara Oliver representa Bernardina
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Um jornal que pensa ão?
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Que espécie de argumento é uma bunda?
>>> Que espécie de argumento é uma bunda?
>>> 7 de Setembro
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> O primeiro mico para o resto de nossas vidas
>>> O feitiço do tempo
>>> Antologia poética, de Carlos Drummond de Andrade
Mais Recentes
>>> Os Países Subdesenvolvidos de Yves Lacoste pela Bertrand Brasil (1988)
>>> Livros do conto à crônica / cada história é um conto. de Leo Cunha - Machado de Assis - Marcelo Coelho.. pela Salamandra (2021)
>>> Os Filhos Do Amor de Paulinho Santos pela O Artífice (1997)
>>> The 100: os Escolhidos de Kass Morgan pela Galera (2014)
>>> Mônica 82 - Outubro/1993 - Horacic Park de Maurício de Sousa pela Globo (1993)
>>> Mônica 133 - Dezembro/1997 - Férias de Verão de Maurício de Sousa pela Globo (1997)
>>> Mônica 113 - Maio/1996 - Mônica, Não Mande... Peça! de Maurício de Sousa pela Globo (1996)
>>> Mônica 176 - Abril/2001 - Eterna Criança de Maurício de Sousa pela Globo (2001)
>>> A Avaliação Psicopedagogica numa Abordagem Institucional de Carolina Provvidenti pela Qualidade (2010)
>>> Revista Uniclar - Ciências da Religião - ano 8 nº 1 de Vários Autores pela Faculdades Claretianas (2006)
>>> Contagem Regressiva de Ken Follett pela Arqueiro (2018)
>>> Manuel Bandeira - as Cidades e as Musas de Antônio Carlos Secchin Organização pela Desiderata (2008)
>>> Pequeno Segredo - A Lição de Vida de Kat para a Família Schurmann de Heloisa Schurmann pela Agir (2012)
>>> Doidas e Santas de Martha Medeiros pela L&pm (2008)
>>> Pelas Praias do Mundo de Pablo Neruda pela Bertrand Brasil (2005)
>>> Caim de José Saramago pela Companhia das Letras (2009)
>>> Abc de Rachel de Queiroz de Lilian Fontes pela José Olympio (2012)
>>> As Espiãs do Dia D de Ken Follett pela Arqueiro (2015)
>>> Coleção Abc Meus primeiros passos na Leitura e aprendizagem A Estação das Folhas secas o Outono de Malgorzata Strzalkolska pela Salvat (2011)
>>> Arquitetura & construçao--setembro de 2006--dossie cimento de Abril pela Abril (2006)
>>> Arquitetura & construçao--julho de 2008--renove as paredes de Abril pela Abril (2008)
>>> Arquitetura & construçao--março de 2001--pre-fabricada de madeira. de Abril pela Abril (2001)
>>> Arquitetura & construçao--outubro de 2012--como usar e onde comprar madeira sustentavel. de Abril pela Abril (2012)
>>> Os 13 Porquês de Jay Asher pela Ática (2009)
>>> Superando os Desafios Íntimos de Robson Pinheiro pela Casa dos Espíritos (2006)
>>> Sua Alteza Real (Royals 2) de Rachel Hawkins pela Alt (2020)
>>> A República Cantada do Choro ao Funk, a História do Brasil Através da Música de André Diniz e Diogo Cunha pela Zahar (2014)
>>> Uq Holder! - Vol. 5 EAN: 9788545702429 de Ken Akamatsu pela Jbc (2016)
>>> Peça e Será Atendido de Esther e Jerry Hicks pela Sextante (2007)
>>> Uq Holder! - Vol. 4 de Ken Akamatsu pela Jbc (2016)
>>> Mata-me de Prazer de Nicci French pela Record (2002)
>>> O Escaravelho do Diabo 2ªd. de Lúcia Machado de Almeida pela Ática (1974)
>>> Cangaceirismo do Nordeste de Antônio Barroso Pontes pela O Cruzeiro (1973)
>>> Uq Holder! - Vol. 2 de Ken Akamatsu pela Jbc (2016)
>>> Bíblia Sagrada de Não informado pela Presbiteriana (1993)
>>> Gramática Reflexiva de William Cereja e Thereza Cochar pela Atual (2013)
>>> Jornadas.geo: geografia 9º ano de Marcelo Moraes Paula e Ângela Rama pela Saraiva (2016)
>>> Magi: O labirinto da magia - Vol. 25 de Shinobu Ohtaka pela Jbc (2016)
>>> As Aventuras de Tibicuera de Erico Verissimo pela Globo (1997)
>>> I-World 4 de Michael Downie, David Gray e Juan Manuel Jimenez pela Edições SM (2018)
>>> Mulheres do Evangelho de Robson Pinheiro pela Casa dos Espíritos (2009)
>>> To Love Ru - Vol. 16 de Kentaro Yabuki e Saki Hasemi pela Jbc (2018)
>>> Retórica de Aristóteles pela Edipro (2013)
>>> Planejamento na Sala de Aula de Danilo Gandin e Carlos Henrique Carrilho Cruz pela Sem Identificação (1995)
>>> Língua Portuguesa 9 de Everaldo Nogueira, Greta Marchetti e Mirella L. Cleto pela Edições SM (2019)
>>> Quarta-feira de Eric Nepomuceno pela Record (1998)
>>> Araribá Plus - Ciências - 9 de Obra coletiva pela Moderna (2018)
>>> Saúde na Terceira Idade de Hermógenes pela Nova Era (1996)
>>> Estudar História - das origens do homem á era digital - 9º de Patrícia Ramos Braick e Anna Barreto pela Moderna (2018)
>>> Geografia 9º ano de Fernando dos Santos Sampaio e Marlon Clovis Medeiros pela Edições SM (2019)
COLUNAS

Segunda-feira, 22/7/2002
Jean-Christophe Rufin e o Pau-Brasil
Helena Vasconcelos

+ de 4000 Acessos

É comum dizer-se, neste nosso tempo dominado pela tecnologia, que já não há heróis. Ou, pior ainda, que existem, mas fabricados pelos poderosos "media" o que lhes confere um carácter efémero, fragilizado pela sua perversa relação com a fama, a qual, parafraseando Andy Wahrol está ao alcance de todos nem que seja por quinze minutos. A verdade é que essa mesma fama e consequente proveito é sistematicamente confundida com ideal e valor, tendo-se tornado numa das grandes armadilhas mais amplamente utilizadas, ao longo da História. É sabido que os sentimentos patrióticos com cariz nacionalista atingem até os historiadores mais isentos, o que faz da disciplina que desenvolvem uma sucessão de vitórias, de actos gloriosos e de acções perpetradas por personalidades sem mácula. Só a partir de há cerca de cinquenta anos a História ganhou uma dimensão mais crítica.

Jean-Christophe Rufin, ao escrever "Pau-Brasil", incorreu num duplo risco: o de não agradar pelo seu rigor na pesquisa de fontes - a partir dos quais divulga um episódio não muito lisonjeiro para a França e Portugal em particular, e para os europeus em geral - e por introduzir, nesse contexto, uma história ficcionada, a dos dois irmãos, Just e Colombe, que parece um pouco rocambolesca mas que acaba por funcionar bem e dar uma dimensão humanista à narrativa...

Talvez seja por estas razões que, numa finalíssima acirrada, "Pau-Brasil" acabou por arrecadar o Prémio Goncourt 2001, o que certamente teria agradado aos irmãos Jules e Edmond apreciadores de bons romances com descrições detalhadas num francês perfeito.

O autor, para além de romancista tem levado a cabo uma acção humanitária exemplar, tendo sido um dos pioneiros dos Médicos Sem Fronteiras. Para além do aspecto idealista e nobre desta missão - já que estamos a falar de heróis e colocando à margem todas as polémicas que, nos últimos tempos, têm rodeado estas organizações - é importante realçar o bem efectivo, real, prático, visível que estes homens e mulheres têm desenvolvido nos locais mais remotos e perigosos deste planeta. Esta referência é importante porque, como médico e humanista, Jean-Christophe Rufin é um homem pleno de (com)paixão, um sentimento que atravessa toda a sua obra e que o eleva e prestigia, como escritor e como ser humano.

Rufin entrou em contacto com a história verídica contada em "Pau-Brasil" num pequeno museu na cidade do Rio de Janeiro - o Paço Real - um edifício colonial português, estrangulado entre auto-estradas e arranha-céus. É interessante referir que este episódio, praticamente obliterado da História oficial, tanto do Brasil como da França, deu origem a um dos mais famosos ensaios de Montaigne, apropriadamente chamado "Dos Canibais". A trama refere-se a uma tentativa de colonização e penetração francesa no Brasil, em 1555, numa altura em que esse imenso, estranho e inóspito território já é pertença da coroa portuguesa.

Numa Europa em convulsão, cabe ao cavaleiro Nicolas de Villegagnon a tarefa de aparelhar uma expedição composta por gente das mais variadas origens que se predispõe, mais ou menos forçada pelas circunstâncias, a rumar em direcção ao Novo Mundo. Portugal e Espanha são as grandes potências mundiais e o xadrez político joga-se com base nas lutas de poder, alianças, negociações (com o seu cortejo de emissários, espiões, vilões, etc.), tendo a intervenção dos chefes religiosos um peso decisivo. O momento é de grandes movimentações - militares, religiosas, políticas, ideológicas. O grande Damião de Góis, amigo íntimo de Erasmo (e igualmente perseguido pelo Santo Ofício) é um dos que defende com ardor um humanismo esclarecido em que o poder dos príncipes seja mitigado pela grande força individual aplicada no ímpeto das descobertas e no alargamento das ideias. O Novo Mundo, cujas vias tinham sido rasgadas pelos portugueses, oferece-se assim à curiosidade do mundo e à necessidade expansionista dos povos. O Renascimento como momento de confrontação, de oposições irreconciliáveis - de um lado o dogma, do outro o livre arbítrio - torna-se num tempo convulso e simultaneamente dinâmico e complexo. Os horizontes abrem-se ao homem maravilhado perante a hipótese de um conhecimento cada vez mais vasto. A ciência desenvolve-se a passos de gigante, a ordem feudal é posta em causa e o ideal clássico serve de fonte de inspiração. Montaigne, que é contemporâneo dos acontecimentos descritos em "Pau-Brasil", torna-se o simbolo, o grande filósofo das ideias que contribuíram para uma revitalização das crenças do homem em si próprio e no mundo.

Villegagnon, o chefe da expedição personifica esse ideal de homem, aventureiro, disposto a aprender, carismático e ao mesmo tempo céptico, dividido entre uma herança feudal mais rígida e a força arrebatadora de um tempo novo. Poder-se-á dizer dele o que Montaigne escreveu sobre si próprio: "Não conheço maior monstro e maior milagre do que eu próprio".

Com os membros da expedição, depois de uma viagem aventurosa e deveras atribulada, instala-se numa ilha deserta em frente à baía de Guanabara, disposto a estabelecer uma sociedade ideal, com base numa liberdade ainda difícil de conceber. A colónia transforma-se rapidamente num microcosmos que reflecte o mundo ocidental e nos surge, aqui, como estranhamente familiar. O ideal - estabelecer uma França Antárctica, onde as ideias "civilizadas" dessa mesma França possam florescer - vai rapidamente dar lugar a conflitos de ordem moral, social, psicológica e religiosa. Num local em que a Natureza é soberana, brutal e avassaladora, as tentativas de preservar a unidade, as dúvidas e indecisões quanto á assunção da liderança e a dificuldade de integração num universo demasiado estranho, entram sistematicamente em choque uma vez que, como diz o autor, "a concepção de liberdade era muito própria de cada um e pressupunha a rendição das outras". A chegada de um grupo de Quackers, a dissensão dos anabaptistas e a defesa da integridade cristã, mais não são do que um reflexo da perturbação do Velho Mundo e um prenúncio das grandes lutas religiosas que se irão desencadear, na Europa, com toda a fúria. Na colónia, os calvinistas criam um mundo à parte, desafiando Villegagnon que, ao ler as "Ordenações" de Calvino que lhe chegam às mãos percebe que o homem que ele tanto admirara pela sua audácia e rebeldia contra uma ordem pré-estabelecida se encontra depois de "revolucionar" na posição de "reprimir" sob a forma de "regulamentos, punições e polícia". Longe da Europa, enfrentando perigos tantos externos como internos, vindos de todos os lados - os índios, os traficantes, os espiões, a ameaça dos portugueses estabelecidos mais ao norte, as lutas intestinas e a hostilidade da própria natureza - Villegagnon tenta conciliar os seus ideais com a autoridade, a defesa do nome da França com o apelo do caos num mundo totalmente diverso em termos de cultura, de hábitos de vida, de ética.

É este, evidentemente, o grande drama inerente a todas as revoluções. Tal como na ilha tropical de Villegagnon o entusiasmo dá rapidamente lugar à preguiça, à cupidez, à licenciosidade, à violência. As belas ideias que, a princípio, aparecem banhadas na claridade do ideal e das boas intenções, transformam-se na desordem da guerra, da vingança, das lutas de poder. Villegagnon que tem "a fragilidade funesta dos heróis" é o ser emblemático de toda esta situação, com a sua violência contida, o seu desejo de evangelização, os seus rompantes de ira, a sua estranha "bondade" que se manifesta nas circunstâncias mais peculiares. Curiosamente, ele, o descobridor e o curioso, é o que menos contacto tem com os índios, com os verdadeiros ocupantes daquele admirável universo em que o canibalismo é um acto ritual de apreço e respeito e os contactos entre os seres humanos se fazem com base em valores totalmente diferentes dos dos europeus. Sem grande intervencionismo, Villegagnon observa como os mais vis dos seus homens usam as mulheres, utilizam os escravos e introduzem a chamada "civilização" das armas, das doenças, do "pudor" hipócrita.

Ficam, como ponto de referência positiva, as figuras dos dois verdadeiros heróis desta história, os misteriosos órfãos que são arrastados à força como "interpretes", uma vez que, nestas expedições, era costume levarem-se crianças porque elas aprendiam com mais facilidade as línguas nativas. Numa extraordinária galeria de personagens - em que o sábio Pay-Lo, um francês que vive com os índios, é figura de destaque - Just e Colombe são o emblema das ideias do autor que confessa a sua obsessão por "esse momento do primeiro encontro de civilizações diferentes, o instante da descoberta que contém o germe de todas as paixões e de todos os futuros equívocos". Pay-Lo é o homem que encontrou numa civilização totalmente diferente um equilíbrio espiritual e psicológico bem como a comunhão perfeita com a poderosa Natureza. A certa altura ele afirma que "não foi o Homem que foi expulso do Paraíso terrestre mas sim Deus. O Homem apoderou-se da Criação para a destruir". Esta ideia será recuperada quase dois séculos depois por Rousseau que nega a ideia do Pecado Original e cria o mito do "bom selvagem", situando as causas da infelicidade humana na desordem social e na incapacidade dos homens, bem patente nesta história, de agir com uma componente racional numa base de respeito mútuo e de aceitação pacífica de outras formas culturais e civilizacionais.

É Colombe, a jovem loira de olhos cor de sol quem estabelece a verdadeira ponte entre os dois mundos, integrando-se profundamente nessa sociedade em estado puro. Entre os "canibais" e os franceses "civilizados" , ela opta decididamente pelos primeiros, despindo-se literalmente da sua duplamente pesada capa de "mulher" e de "branca". É ela quem percorre um glorioso, doloroso e corajoso caminho em busca de uma identidade, do amor, da amizade, do conhecimento humano.

A par e passo com os outros intervenientes nesta saga - Quentin, du Pont, Martin, Aude (a mulher "civilizada" manipuladora e manipulada), Dom Gonzagues, Gralha-Calva, Le Thoret e tantos outros - Just e Colombe surgem com um vigor especial, como a imagem de um tempo novo e cheio de curiosidade e energia, livre de preconceitos e disposto a enfrentar os riscos da descoberta.

No final, os portugueses recuperam o território de volta para a coroa portuguesa sem grande esforço ou glória, uma vez que num processo antropofágico são os membros da colónia que acabam por se "devorar" uns aos outros. Da aventura resta a lembrança dos dois "irmãos" juntos nas ideias de liberdade e de sentimentos. Just e Colombe, o "justo" e a "pomba" ficarão para contar a história de um aspecto da nossa humanidade que, apesar de tudo, teima em conservar-se viva.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pela autora. Publicado originalmente na Revista Storm, editada por Helena Vasconcelos em Portugal. (Foi mantida intacta também a grafia original.)


Helena Vasconcelos
Lisboa, 22/7/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Islã e seu Clone de Adriana Baggio


Mais Helena Vasconcelos
Mais Acessadas de Helena Vasconcelos em 2002
01. Mary McCarthy - 18/12/2002
02. Quando Paris era uma festa - 23/5/2002
03. Martin Amis - 14/6/2002
04. Jean-Christophe Rufin e o Pau-Brasil - 22/7/2002
05. Mademoiselle Colette - 1/7/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Ciência Da Saúde E Boa Alimentação
D. Nicolici
Missionária
R$ 12,00



Romance de Amadis
Alonso Lopes Vieira
Ulmeiro
(1998)
R$ 30,15



We Mean Business - Students Book
Susan Norman
Longman
(1989)
R$ 9,90



Précis de Médecine Opératoire
P. Lecéne
J B Baillière
(1921)
R$ 68,50



Crochê Passo a Passo Especial 1 - Patinho, Elefante, Girassóis, Borboletas...
Editora Casa Dois
Casa Dois
R$ 14,90



Racismo recreativo (Feminismos Plurais)
Adilson Moreira
Pólen
(2019)
R$ 28,00



A Vida Em Família
Rodolfo Calligaris
Ide
(1980)
R$ 4,08



urma da Mônica Jovem - Academia de Ninjas
Mauricio Sousa
Mauricio Sousa
(2014)
R$ 5,00



Ritos de Passagem de Nossa Infância e Adolescência: Antologia
Fanny Abramovich Org.
Summus
(1985)
R$ 10,00



Infedelidad Conyugal
Frank S. Caprio
Editorial Constancia
(1958)
R$ 12,00





busca | avançada
79822 visitas/dia
2,4 milhões/mês