Setembro | Nemo Nox | Digestivo Cultural

busca | avançada
49702 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> De Kombi na Praça - Pateo do Collegio
>>> Primeiras edições de Machado de Assis são objeto de exposição e catálogos lançados pela USP
>>> Projeto lança minidocumentário sobre a cultura do Gambá na Amazônia
>>> Cinema itinerante leva sessões gratuitas a cidades do Sudeste e do Sul
>>> Artistas abrem campanha de financiamento para publicação de graphic novel
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Direitos e Deveres, a torto e a direita
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Hasta la vista, baby
>>> O amor é importante, porra
>>> Por uma arquitetura de verdade
>>> O criador do algoritmo do YouTube
>>> Cisne Negro: por uma inversão na ditadura do gozar
>>> Filosofia teen
>>> Extraordinary Times
>>> O melhor programa cultural
>>> As estrelas e os mitos
>>> Open Culture
Mais Recentes
>>> Politica. os Textos Centrais de Roberto Mangabeira Unger pela Boitempo (2001)
>>> Perdas e ganhos de Lya Luft pela Record (2004)
>>> Zizek e Seu Diálogo Com Marx, Lacan e Lenin de Claudia Cinatti e Cecilia Feijoo e Gastor Gutie... pela Iskra (2015)
>>> Classe operária, sindicatos e partido no Brasil de Ricardo Antunes pela Cortez (1982)
>>> O lugar do marxismo na história de Ernest Mandel pela Xamã (2001)
>>> Um Brasileiro na China de Gilberto Scofield Jr. pela Ediouro (2007)
>>> Traité Pratique D Iridologie Médicale de Gilbert Jausas pela Dangles (1985)
>>> A inocência e o pecado de Graham Greene pela Verbo
>>> Carlos Marx y Rosa Luxemburgo - La acumulación de capital en debate de Severo Salles pela Peña lillo (2009)
>>> Narcotráfico um jogo de poder nas Américas de José Arbex Jr. pela Moderna (2003)
>>> O Método Em Karl Marx Antologia de Gilson Dantas e Iuri Tonelo Orgs pela Iskra (2010)
>>> China Moderna de Rana Mitter pela L&PM (2008)
>>> Vendedoras boazinhas enriquecem de Elinor Stutz pela Gente (2007)
>>> Gossip Girl - Você sabe que me ama vol 2 de Cecily Von Ziegesar pela Galera (2010)
>>> O Perfume da Folha de Chá de Dinah Jefferies pela Paralela (2017)
>>> O partido Político em Marx e Engels de Orides Mezzaroba pela Paralelo 27 (1998)
>>> Novissima Enciclopedia Mundial de Arte Culinaria de Mestre Cuca pela Formar
>>> Escritos Filosóficos de Leon Trotsky pela Edições Centelha Cultural (2015)
>>> O espírito da coisa de Liber Matteucci pela Prumo (2013)
>>> A Medicina dos Sintomas de Gilson Dantas pela Itacaiúnas (2015)
>>> Pão e Rosas de Andrea D`Atri pela Iskra (2008)
>>> Ícone de Frederick Forsyth pela Record (1997)
>>> A Esposa Americana de Curtis Sittenfeld pela Record (2010)
>>> O Marxismo e a Nossa Época de Leon Trotski pela Iskra/centelha Cultural (2016)
>>> Trabalho e proletariado no capitalismo contemporâneo de Sérgio Lessa pela Cortez (2007)
COLUNAS

Quarta-feira, 28/8/2002
Setembro
Nemo Nox

+ de 4000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Como seu personagem Zelig, Woody Allen sempre gostou de se fingir de outra pessoa, assumindo personalidades cinematográficas de outros diretores, ao mesmo tempo como homenagem, paráfrase e experimentação. De pastiche de documentário (Um Assaltante Bem Trapalhão) a arroubos fellinianos (A Rosa Púrpura do Cairo), sem deixar de lado flertes com o expressionismo alemão (Shadows and Fog) e com os musicais (Everyone Says I Love You), ele passou por muitas estéticas. Mas o diretor que mais vezes Allen tentou emular foi sem dúvida Ingmar Bergman. Filmes como A Midsummer Night's Sex Comedy ou Interiors são paráfrases diretas do cineasta sueco. Mas seu filme mais próximo do universo bergmaniano é sem dúvida Setembro (September, EUA, 1987).

Tudo se passa durante um fim-de-semana numa casa de campo em Vermont, e a ação é sempre claustrofóbica, impedida de sair ao ar livre ou mesmo de vislumbrar uma janela aberta. Lane (Mia Farrow) é uma mulher que ainda luta contra os fantasmas da pré-adolescência: aos quatorze anos, assassinou a tiros o amante da mãe. E é justamente essa mãe, Diane (Elaine Stritch), atriz aposentada com planos de botar sua vida em livro, que aparece para pisotear as últimas e raquíticas flores do jardinzinho interior de Lane. As diferenças entre as duas não poderiam ser maiores. Enquanto Lane é um prodígio de introversão e culpa, sua mãe necessita desesperadamente de uma platéia para cada um de seus gestos e pensamentos, como se sem o testemunho do público sua vida não existisse.

Circulando em volta desta dupla central e antagônica, temos uma coleção de coadjuvantes que parecem saídos do poema de Drummond. Howard (Denholm Elliott) é o vizinho-professor-de-francês-em-fim-de-carreira apaixonado por Lane, que por sua vez se apaixonou pelo inquilino-publicitário-que-quer-ser-escritor Peter (Sam Waterston), que tenta conquistar a amiga-casada-com-filhos-mas-romanticamente-frustrada Stephanie (Dianne Wiest), que retribui as atenções e aumenta a carga de tensão no ar. Fazendo par com Diane, temos seu namorado Lloyd (Jack Warden), um físico aposentado que traz o contraponto científico para as discussões psicológicas e só confirma a inutilidade de qualquer ação humana frente ao caos geral do universo.

Completamente feito em estúdio, numa brilhante combinação âmbar dos esforços do diretor de fotografia Carlo Di Palma e do diretor de arte Santo Loquasto, Setembro teve um percurso conturbado. Depois de terminadas as filmagens, Allen resolveu que poderia fazer melhor e simplesmente decidiu refilmar tudo. Alguns atores se recusaram e outros não puderam comparecer por já terem compromissos assumidos. Assim, Sam Waterston ganhou o papel que era de Sam Shepard, Elaine Stritch substituiu Maureen O'Sullivan, e Denholm Elliott passou a ser o vizinho que antes era interpretando por Charles Durning, deixando o papel de Lloyd para Jack Warden.

Ao contrário de muitos filmes de Woody Allen, aqui a miséria humana nunca chega a ser engraçada, nem mesmo através do sarcasmo ou do humor negro. Quando muito, podemos enxergar ironia em algumas situações, mas definitivamente Setembro não é um filme para sorrisos. Mesmo assim, paradoxalmente poderia ser considerado uma história otimista. Basicamente, Setembro é um filme sobre insegurança. Insegurança emocional, insegurança intelectual, insegurança existencial. E a conclusão, ultrapassados os conflitos apresentados, é que a única resposta é seguir em frente. Apesar do título, a ação se passa toda em agosto. Setembro é o que há de vir.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Nemo Nox é editor do blog Por um Punhado de Pixels e do site Burburinho, onde este texto foi originalmente publicado.


Nemo Nox
Washington, 28/8/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Uma livrada na cara de Guilherme Carvalhal
02. A cultura visual e a emancipação do receptor de Gian Danton
03. Queridos amigos de Luiz Rebinski Junior
04. José Tonezzi: Arte e Pesquisa Sem Fronteiras de Rennata Airoldi


Mais Nemo Nox
Mais Acessadas de Nemo Nox em 2002
01. O apanhador no campo de centeio - 8/7/2002
02. Dilbert - 7/6/2002
03. Um Bonde Chamado Desejo - 22/10/2002
04. Os Impossíveis - 11/9/2002
05. Modelos de beleza - 28/10/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
1/9/2002
1.
18h13min
O cara ruim de texto hein? Vai escrever mal assim em miami! putz.
[Leia outros Comentários de Robson]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Depois da Meia Noite
Diana Palmer
Harlequin
(2007)



Enfoques Doutrinários
Danilo C. Villela
Lar Fabiano de Cristo
(2005)



O Mistério da Múmia Sussurrante
Alfred Hitchcock
Clássica
(1988)



Confissões verídicas de um terrorista albino
Breyten Breytenbach
Rocco
(1985)



A Aventura do Universo
Luis E. Navia
Melhoramentos
(1977)



Além do Cordão de Prata, Labirinto dos Sonhos
Patrícia Fernandez
Travassos
(2015)



Enciclopédia do Patrimônio da Humanidade - Europa 1 - Grécia e Chipre
Altaya
Altaya
(1998)



A literatura e os Deuses
Roberto Calasso
Companhia das letras
(2004)



Lendas do Folclore Popular
Beto Brito e Tatiana Móes
Prazer de Ler
(2006)



J. Carlos Em Revista
Julieta Sobral
São Paulo
(2016)





busca | avançada
49702 visitas/dia
2,0 milhão/mês