Antenas quebradas | Rafael Rodrigues | Digestivo Cultural

busca | avançada
74383 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Povo Fulni-ô Encontra Ponto BR
>>> QUEÑUAL
>>> Amilton Godoy Show 70 anos. Participação especial de Proveta
>>> Baccos promove evento ao ar livre na Lagoa dos Ingleses, em Alphaville
>>> Vera Athayde é convidada do projeto Terreiros Nômades em ação na EMEF Ana Maria Benetti sobre Cavalo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
Últimos Posts
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Por que as curitibanas não usam saia?
>>> Jobim: maestro ou compositor?
>>> 7 de Outubro #digestivo10anos
>>> A insignificância perfeita de Leonardo Fróes
>>> Soco no saco
>>> De Siegfried a São Jorge
>>> O Paulinho da Viola de Meu Tempo é Hoje
>>> Pelas curvas brasileiras
>>> A pintura admirável de Glória Nogueira
>>> A Flip como Ela é... I
Mais Recentes
>>> Ao Redor do Mundo de Fernando Dourado Filho pela Fernando Dourado Filho (2000)
>>> O Administrador do Rei - coleção aqui e agora de Aristides Fraga Lima pela Scipione (1991)
>>> Memória do Cinema de Henrique Alves Costa pela Afrontamento (2024)
>>> Os Filhos do Mundo - a face oculta da menoridade (1964-1979) de Gutemberg Alexandrino Rodrigues pela Ibccrim (2001)
>>> Arranca-me a Vida de Angeles Mastretta pela Siciliano (1992)
>>> Globalizacão, Fragmentacão E Reforma Urbana: O Futuro Das Cidades Brasileiras Na Crise de Luiz Cezar de Queiroz Ribeiro; Orlando Alves dos Santos Junior pela Civilização Brasileira (1997)
>>> Movimento dos Trabalhadores e a Nova Ordem Mundial de Clat pela Clat (1993)
>>> Falso Amanhecer: Os Equívocos Do Capitalismo Global de John Gray pela Record (1999)
>>> Os Colegas de Lygia Bojunga pela Casa Lygia Bojunga (1986)
>>> Amazonas um Rio Conta Historias de Sergio D. T. Macedo pela Record (1962)
>>> A História de Editora Sextante pela Sextante (2012)
>>> Villegagnon, Paixao E Guerra Na Guanabara: Romance de Assis Brasil pela Rio Fundo (1991)
>>> A Política de Aristóteles pela Ediouro
>>> A Morte no Paraíso a tragédia de Stefan Zweig de Alberto Dines pela Nova Fronteira (1981)
>>> Rin Tin Tin a vida e a lenda de Susan Orlean pela Valentina (2013)
>>> Estudos Brasileiros de População de Castro Barretto pela Do Autor (1947)
>>> A Origem do Dinheiro de Josef Robert pela Global (1989)
>>> Arquitetos De Sonhos de Ademar Bogo pela Expressão Popular (2024)
>>> Desafio no Pacífico de Robert Leckie pela Globo (1970)
>>> O Menino do DedoVerde de Maurice Druon pela José Olympio (1983)
>>> A Ciencia Da Propaganda de Claude Hopkins pela Cultrix (2005)
>>> Da Matriz Ao Beco E Depois de Flavio Carneiro pela Rocco (1994)
>>> Testemunho de Darcy Ribeiro pela Edições Siciliano (1990)
>>> Tarzan e o Leão de Ouro de Edgar Rice Burroughs pela Record (1982)
>>> Viagem de Graciliano Ramos pela Record (1984)
COLUNAS >>> Especial Eleições 2006

Segunda-feira, 2/10/2006
Antenas quebradas
Rafael Rodrigues
+ de 4500 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Em meu último texto, uma resenha de O soldado absoluto (biografia do marechal Henrique Lott), transcrevi o seguinte trecho do livro:

" - Presidente, o Lott não quer ser nada. Deseja vestir o pijama, e cuidar do jardim da casa que tem em Teresópolis. (...) Mas eu, se fosse você, lhe faria um apelo para continuar à frente do Exército. (...) Não acredite na conversa dos que (...) procuram jogá-lo fora do seu governo como meio de vê-lo nascer enfraquecido. Não hesite. Mande chamar o general Lott e insista para ele continuar na pasta da Guerra."

Por falta de espaço (se você clicou no link acima ou se já havia lido a coluna, notou que ela foi bem maior que as minhas anteriores) e também pensando em um próximo texto (este que você lê agora), deixei de dizer que o trecho citado foi um conselho que o então deputado federal Armando Falcão dera a Juscelino Kubitschek (não há a data exata da conversa, mas ela aconteceu pouco antes de JK tomar posse do cargo de presidente da república, em janeiro de 1956). O detalhe, catalisador desta coluna, é o fato de, naquela conversa, também estar presente o poeta e amigo de Juscelino, Augusto Frederico Schmidt. Que, aliás, fez coro com Armando Falcão, sobre a escolha de Lott para o Ministério da Guerra.

Quando li essa passagem do livro, lembrei de uma crônica de Fernando Sabino, na qual ele relatava um incidente ocorrido em uma viagem para Cuba que ele fizera junto com a comitiva de Jânio Quadros, em 1960. No grupo que acompanhava o então candidato à presidência, mais um escritor: Rubem Braga. Além de um bom número de jornalistas.

Lembrei também de outro caso envolvendo Fernando Sabino. Em 1944 ele se casara com a filha do na época governador do estado de Minas Gerais. O padrinho de casamento da noiva seria Getúlio Vargas. Para fazer uma espécie de protesto, Sabino convidou Mário de Andrade, "ilustre opositor" de Vargas, para ser o seu padrinho. Seria uma afronta ao sogro e ao padrinho da noiva. Acabou que nenhum dos dois se fez presente na cerimônia. Ocuparam seus lugares, respectivamente, Juscelino Kubitschek (então prefeito de Belo Horizonte) e Murilo Rubião, escritor e amigo de Sabino. (Maiores detalhes sobre o ocorrido em Cartas a um jovem escritor e suas respostas, de Fernando Sabino e Mário de Andrade).

O leitor pode estar confuso, pois até agora não mostrei onde quero chegar. Mas não perca a paciência, estimado leitor! Direi agora. Perguntarei, aliás.

Escritores e artistas, nos dias de hoje, não se envolvem com política como antigamente. Isso é bom ou ruim? Até que ponto? Ou não faz diferença alguma?

Em uma outra coluna citei Ezra Pound, que disse que "Os artistas são as antenas da raça". E eu completava: "O que ele quis dizer com isso? Que os escritores são aqueles que precisam estar a par do que acontece ao seu redor. Que também são aqueles que têm uma sensibilidade maior, e podem prever que algo está por vir. Se é algo de bom ou de ruim, não importa. O que importa é que os escritores são aqueles que, se presume, detêm o saber. São inteligentes, cultos, dinâmicos, interessados, polivalentes. Ou deveriam ser. Os escritores são homens que, com suas palavras, podem mudar vidas."

Me pergunto se, caso os artistas, escritores, intelectuais, fossem mais politizados, como eram há algumas décadas, o Brasil seria um país melhor. Não estou dizendo que artistas deveriam se candidatar a cargos públicos. Apenas acho que eles deveriam se aproximar mais da política, para quem sabe assim despertar, nos cidadãos comuns, um maior interesse no assunto. E, é claro, defendo que os artistas exponham suas opiniões, desde que sensatas e defendidas com bons argumentos. Sem politicagem barata.

Pensando nisso, e fazendo uma comparação com os Estados Unidos, fico inclinado a acreditar que, sim, nosso país seria melhor se os artistas fossem mais engajados. Vejamos.

O humorista norte-americano David Letterman faz, em todos os seus programas (um talk show), alguma referência a George W. Bush. Quase sempre uma piada, pegando o gancho de algum dos (são tantos!) deslizes do presidente dos EUA. E de vez em quando David leva ao programa senadores, jornalistas e ex-presidentes que procuram fazer algo pelo país. Como quando Al Gore, concorrente de Bush nas eleições presidenciais de 2000, foi ao programa para divulgar seu filme An inconvenient truth (Uma verdade inconveniente, em uma tradução literal), que procura mostrar aos americanos - e a quem mais interessar - a crise climática que o nosso planeta vem enfrentando já há um bom tempo (da qual todo mundo tem conhecimento, todo mundo vê e todo mundo sente na pele - literalmente). Mas Al Gore não apenas aponta os erros: ele propõe atitudes que, se tomadas, poderiam melhorar - e muito - o nosso planeta.

O Jô Soares até que tentou fazer algo no seu programa, quando das denúncias e apurações do famoso mensalão. Convidou jornalistas para compor uma espécie de mesa-redonda-sobre-política em seu programa e entrevistou uma série de políticos, mas não ajudou muito. Primeiro: a maioria de nossos jornalistas não é imparcial (nem o apresentador foi...). Segundo: a maioria de nossos políticos não presta mesmo.

Um exemplo? Nosso mais recente ex-presidente, que à custa da compra de deputados aprovou uma emenda que viabilizaria sua própria reeleição, critica o atual quadro político (que é basicamente igual ao que ele manteve), o atual governo (que basicamente segue as diretrizes da sua não tão ruim administração), sem sugerir melhoria alguma. Ele não faz críticas construtivas. Ele faz críticas destrutivas, que só pioram toda a situação. Quando não está fazendo isso, o nosso querido ex-presidente dá palestras por aí - cobrando caro, é claro - e assina polpudos contratos editoriais. Ou seja: cada um que cuide do seu e salve-se quem puder.

Pois. Além de nossos políticos serem incompetentes, corruptos, egoístas e outras coisas mais, nossos artistas ou fazem uma oposição burra ou apóiam políticos por razões que nem mesmo eles - os artistas - sabem.

Eu, sinceramente, me sinto perdido no meio de tudo isso (tanto que até este texto saiu meio que embriagado de indignação). Não há em quem confiar. Há, talvez, em quem menos desconfiar... Não posso afirmar com certeza que um maior engajamento por parte dos nossos artistas traria alguma melhoria para a nossa política, mas insisto: se eles fizessem isso de maneira responsável e sensata, ajudaria muito o nosso país.


Rafael Rodrigues
Feira de Santana, 2/10/2006

Quem leu este, tambm leu esse(s):
01. Romancis de Guga Schultze
02. Pagando promessas na terra do sol de Marcelo Miranda


Mais Rafael Rodrigues
Mais Acessadas de Rafael Rodrigues em 2006
01. A história do amor - 24/7/2006
02. O soldado absoluto - 18/9/2006
03. Livro dos Homens - 7/8/2006
04. O encontro marcado: 50 anos - 16/10/2006
05. Carta de um jovem contestador - 9/5/2006


Mais Especial Eleições 2006
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/10/2006
02h52min
É preocupante o fato de que perdemos, paulatinamente (ô palavra maluca, composta de pau e latino), algumas (a maioria) das cabeças pensantes em língua portuguesa e recebemos ondas e mais ondas (estranhamente telepáticas) de cabeças ôcas, cabeças duras, cabeças de bagre - um mar de cabeças quase vazias com seus pequenos pensamentos obscuros. Lembro-me de Francis, nas últimas páginas de seu livro Cabeça de Negro, onde o narrador cita Yeats, the Second Coming: "..and what rough beast, its hour come round at last/ slouches towards Bethlehem to be born?" "A besta, cuja hora finalmente chegou e que ruma lentamente para Belém, para nascer?". Já nasceu, e desce dos morros, desce dos prédios das cidades, das antenas de rádio e TV, e a raça dos Guardiões aos poucos se extingue.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
6/10/2006
11h19min
Atualmente, há um desencanto com a política, não só por parte da classe artística, mas também pelos jovens e a população em geral. A esquerda no poder provou não ser muito diferente dos PSDBs e PFLs do Brasil, e isso foi um grande golpe, tanto para a militância política, quanto para as classes populares, que acreditavam no pulso firme de um líder, oriundo da mesma classe social, para mudar o país. Entretanto, tornar-se alheio à política nacional não vai resolver o problema. Acredito que o maior engajamento, não só por parte dos artistas, mas também por toda população, é essencial para que ocorram mudanças efetivas na política nacional. Mas a conscientização sobre a importância da atuação do povo na política depende de uma questão muito delicada, a Educação. Enquanto as pessoas não tiverem um grau de instrução para compreender o processo político e emitir suas próprias opiniões, pensando no melhor para a coletividade, nada mudará!
[Leia outros Comentários de Fernanda da Silva]
9/10/2006
17h13min
Concordo em gênero, número e grau com a Fernanda da Silva. Sem educação, a coisa continuará nas trevas. E acrescento: também no âmbito dos artistas é preciso que aconteça uma "reeducação". É preciso que se pense um pouco mais seriamente e que se deixe de lado a triste pseudo-intelectualidade que impera nesse meio. Como sempre, o exemplo vem de cima... A "chefia" da Cultura neste nosso pobre Brasil teria de ser exercida por alguém realmente culto, por um intelectual verdadeiro. Alguém que tenha capacidade para discutir e argumentar com profundidade. Conseqüentemente, alguém que pense seriamente que cultura não é apenas mostrar shows de música, de danças e folclore, mas também literatura de peso e conteúdo.
[Leia outros Comentários de Ryoki Inoue]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Sem Pecado
Ana Miranda
Companhia das Letras
(1993)



Aprendendo o que jamais se ensina- o quê? Como ?
Celso Antunes
Livro Técnico
(2004)



The Open Society and Its Enemies - 2 Volumes
K. R. Popper
Routledge
(1986)



O Natural é Ser Inteligente
Dawna Markova
Summus
(2000)



Tex Desafio de Gigantes
Giannluigi Bonelli
Mythos
(2021)



Canto Para Uma Vida Que Não Faz Sentido
Anasio Silva
Autografia
(2018)



Livro Religião Reparando Erros
Vera Lúcia Marinzeck De Carvalho
Petit
(1998)



O Violoncelista
Kenji Miyazawa
Sm
(2009)



Ensaios do Assombro
Peter Pál Pelbart
N-1
(2019)



A história do futuro de Glory O'Brien
A.S. King
Gutenberg
(2017)





busca | avançada
74383 visitas/dia
2,4 milhões/mês