A história do amor | Rafael Rodrigues | Digestivo Cultural

busca | avançada
105 mil/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Novo livro de Nélio Silzantov, semifinalista do Jabuti de 2023, aborda geração nos anos 90
>>> PinForPeace realiza visita à Exposição “A Tragédia do Holocausto”
>>> ESTREIA ESPETÁCULO INFANTIL INSPIRADO NA TRAGÉDIA DE 31 DE JANEIRO DE 2022
>>> Documentário 'O Sal da Lagoa' estreia no Prime Box Brazil
>>> Mundo Suassuna viaja pelo sertão encantado do grande escritor brasileiro
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
Últimos Posts
>>> Salve Jorge
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Feliz Natal, Charlie Brown!
>>> O dinossauro de Augusto Monterroso
>>> Marketing de cabras
>>> Simplesmente tive sorte
>>> Sete tecnologias que marcaram meu 2006
>>> Maria Helena
>>> Sombras
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Aconselhamentos aos casais ― módulo II
>>> Perfil (& Entrevista)
Mais Recentes
>>> Elas e as Letras de Aldirene Máximo e Julie Veiga (org.) pela Versejar (2018)
>>> América Latina hoje: conceitos e interpretações de José Maurício Domingues e Maria Maneiro pela Civilização Brasileira (2006)
>>> Biblioteca de Ouro da Literatura Universal - O Cortiço - Tomo 1 de Aluísio Azevedo pela Minha (1988)
>>> Encadernado em capa dura: Wolverine - Thor - Camelot 3000 de Chris Claremont. Frank Miller. Walter Simonson. Mike W. Barr e Brian Bolland pela Abril Jovem (1987)
>>> Evolução Sócio-Econômica do Brasil de Otto Alcides Ohlweiler pela Tchê! (1988)
>>> Avenida Presidente Vargas: Um desfile pela história do Brasil de Eduardo Bueno. Paula Taitelbaum. Fernando Bueno e Dudu Contursi pela Arco (2010)
>>> A Mangueira da nossa infância de Alexandre Nobre pela Ficções (2012)
>>> Sobre a universidade de Max Weber pela Cortez (1989)
>>> Em Busca do Tempo Perdido vol 4 de Marcel Proust pela Nova Fronteira (2014)
>>> A relíquia de Eça de Queirós pela Ática (1999)
>>> Acqua Toffana de Patrícia Melo pela Companhia das Letras (1994)
>>> Anjos travados de Zé Elias pela n/d (1984)
>>> Legado de Mateus Ornellas e Lua Costa pela Independente (2016)
>>> Trato de Sara Lambranho pela Fundação Clóvis Salgado (2013)
>>> O Perfume de Patrick Süskind pela Círculo do Livro (1985)
>>> O Mestre de Quéops de Albert Salvaó pela Ediouro (2000)
>>> Garten der Lüste de Hieronymus Bosch pela Prestel (2003)
>>> A Cidade e as Serras de Eça de Queiroz pela Ática (2009)
>>> Inimigo Rumor 20 de Vários autores pela 7 letras/ Cosac Naify (2007)
>>> As Aventuras de Tartufo do Majestoso Mississipi de Phyllis Shalant pela Bertrand Brasil (2008)
>>> Bellini e a esfinge de Tony Bellotto pela Companhia das Letras (1995)
>>> The Black Angel de John Connolly pela Pocket Books International (2005)
>>> Na Casamata de Si de Pedro Tostes pela Patuá (2018)
>>> Cineastas e Imagens do Povo de Jean-Claude Bernardet pela Brasiliense (1985)
>>> Médée de Pier Paolo Pasolini pela Arléa (2007)
COLUNAS

Segunda-feira, 24/7/2006
A história do amor
Rafael Rodrigues
+ de 18500 Acessos
+ 2 Comentário(s)


Ilustra by Tartaruga Feliz

É interessante como nas artes, uma obra leva à outra. Na música é assim, quando ouvimos um grupo ou cantor(a) e procuramos saber quais foram suas influências. Ou no cinema, quando gostamos muito de um filme e procuramos saber quem foi o diretor, o roteirista, para poder assistir uma outra filmagem escrita ou dirigida por aqueles tais.

Na literatura isso também acontece. Sempre que posso, pesquiso autores citados pelo escritor do livro que estou lendo no momento. No caso de A história do amor (Companhia das Letras, 2006, 320 págs.), da americana Nicole Krauss, o que atiçou minha curiosidade foi o fato de ela ser esposa do também americano e escritor Jonathan Safran Foer, autor de Tudo se ilumina (Rocco, 2005, 368 págs), um excelente livro.

Depois de tê-lo lido, pensei: por que não ler também A história do amor? Não vi ninguém falando dele, mas fui no site da Companhia das Letras, li a sinopse, achei interessante, consegui o exemplar e pronto: lá estava eu, lendo o romance.

No começo a narrativa me pareceu um tanto quanto estranha. Mas depois de algumas páginas, a leitura prosseguiu sem nenhum obstáculo. Muito pelo contrário: à medida que ia avançando nas páginas, eu queria ler mais e mais, e ficava aborrecido quando precisava interromper a leitura por algum motivo. Mas enfim, vamos ao romance.

A história do amor é narrado por diferentes personagens que têm seus caminhos ligados, direta ou indiretamente, por um livro chamado justamente... A história do amor.

Ele foi escrito por Leopold Gursky, um jovem polonês de vinte anos de idade, como forma de declaração de amor à sua musa inspiradora, o amor de sua vida: Alma Meremski, com quem teve um curto relacionamento. Leopold precisou deixar a Polônia às pressas, devido aos nazistas estarem invadindo o país e dizimando os judeus (ele é um). Antes, deixou seu manuscrito aos cuidados de um amigo.

É Leopold Gursky (agora Leo Gursky) sessenta anos mais velho que inicia o romance de Nicole Krauss: "Quando escreverem meu obituário. Amanhã. Ou no dia seguinte. Vai estar escrito: 'Leo Gursky deixou um apartamento cheio de m...'".

Constantemente preocupado com sua morte, o velho e solitário polonês, que agora vive em Nova York, faz de tudo para chamar a atenção das pessoas aonde quer que vá: "Faço de tudo para ser visto. Às vezes, quando estou na rua, compro um suco mesmo sem estar com sede. Se a loja estiver cheia, sou capaz de derramar meus trocados no chão, espalhando os centavos por todo lado. E me ponho de joelhos. Ajoelhar. É para mim um grande esforço, e me erguer, um esforço ainda maior. E no entanto. Talvez eu pareça um idiota".

Além disso, ele carrega consigo uma ficha com os dizeres: "Meu nome é Leo Gursky não tenho família por favor ligue para o cemitério Pinelawn tenho um terreno lá na parte judaica obrigado pela consideração".

Outra narradora do romance é a jovem americana Alma Singer. "Quando nasci, minha mãe escolheu meu nome em homenagem a todas as garotas de um livro que meu pai havia dado (sic) a ela, intitulado A história do amor".

Alma é uma garota introspectiva e muito curiosa. Em diversos trechos ela diz estar pesquisando algo ou ter feito uma pesquisa no Google. Ela tem quinze anos e vive com sua mãe, uma tradutora de livros, e seu irmão mais novo, apelidado de Bird. Seu pai falecera há cerca de oito anos, e sua mãe não superou o fato, apesar de aparentemente levar uma vida normal. Mas Alma sabe que, no fundo, sua mãe não está bem e tenta conseguir alguém para lhe fazer companhia e, quem sabe, minimizar a tristeza que a acompanha desde a morte do marido. Por coincidência, um editor europeu envia uma carta à Charlotte, mãe de Alma, propondo-lhe o seguinte trabalho: traduzir um livro de um "escritor pouco conhecido, Zvi Litvinoff, que fugiu da Polônia para o Chile em 1941 e cujo único trabalho publicado, escrito em Espanhol, se chama A história do amor".

Alma lê a carta e tem a idéia de respondê-la como sendo sua mãe, "no final da carta eu acrescentaria alguma coisa no sentido de minha mãe ser solteira." O que ela realmente faz, mas sem sucesso.

Curiosa que é, Alma passa a ler os capítulos de A história do amor, à medida que sua mãe os vai traduzindo. E inicia uma busca incessante pela mulher que "lhe deu" o nome.

Há uma terceira voz narrativa no livro, que pode ser o narrador onisciente (o que tudo sabe, tudo vê e pouco - ou nada - interfere) ou um crítico literário escrevendo sobre Zvi Litvinoff. Sua função (da voz) é de, aos poucos, esclarecer como o manuscrito, escrito por Leo Gursky sessenta anos antes, foi publicado por um escritor de mesma nacionalidade, anos depois, no Chile.

As tramas paralelas ainda contam com o primeiro beijo de Alma, o filho que Leo Gursky tem, mas nunca teve coragem de assumir, e as interessantes e engraçadas aventuras de Bird, que é o responsável pelo encontro de Alma e Leo no desfecho do livro.

Nicole Krauss ainda encontra espaço para citar Jorge Luis Borges e Julio Cortázar em seu romance. Admiradora da literatura latino-americana, ela declarou em uma entrevista a um site americano, que leu Budapeste, de Chico Buarque, e iria reler, de tão bom que achou. (Pra quem não gostou do romance do Chico, como eu, não julguem a moça por esse deslize...).

A história do amor é muito bem escrito, sem explicações ou reviravoltas mirabolantes. Cada voz narrativa tem sua própria linguagem, seu próprio "jeito de falar". O que dá uma maior autenticidade aos escritos.

Nicole Krauss é uma das convidadas da FLIP (Festa Literária Internacional de Parati), que acontece em agosto, e virá acompanhada do marido, que também é um dos convidados.

Aliás, o primeiro romance de Jonathan, Tudo se ilumina, tem uma estrutura bem parecida com a de A história do amor, com mais de uma voz narrando o livro, além de ter como pano de fundo os terrores provocados pelos nazistas (tema explorado "mais a fundo" por Jonathan).

E aí fica a pergunta: será que Tudo se ilumina é o A história do amor de Nicole e Jonathan? Será que foi o romance dele que os "ligou"? Quem for à FLIP, faça essa "pergunta-de-tiete" a um dos dois, por favor. Eu agradeço.

Nota do Editor
Rafael Rodrigues é estudante de Letras e também publica no blog Entretantos.

Para ir além






Rafael Rodrigues
Feira de Santana, 24/7/2006

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Como Passar Um Ano Sem Facebook de Dani Arrais
02. Do amanhecer ao adormecer: leitura, ato de amor de Marcela Ortolan
03. O Natal do velho Dickens de Celso A. Uequed Pitol
04. Tiros, Pedras e Ocupação na USP de Duanne Ribeiro
05. Para que o Cristianismo? de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Rafael Rodrigues
Mais Acessadas de Rafael Rodrigues em 2006
01. A história do amor - 24/7/2006
02. O soldado absoluto - 18/9/2006
03. Livro dos Homens - 7/8/2006
04. O encontro marcado: 50 anos - 16/10/2006
05. Carta de um jovem contestador - 9/5/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
15/7/2006
15h17min
Nao li o livro da esposa. Mas pela sua descricao me parece que ela aderiu ao movimento de Princeton na literatura americana, com a ideia de personagens que revivem a historia de seus antepassados em um presente pos-moderno, sem referencias... A linguagem e os personagens costumam refletir isso... Por isso, acho mais plausivel que os livros sejam primos um do outro, e nao alguma respsota cuidadosa e trabalhada de um para outro... Eu prefiro o nosso casal de autores, que tiveram uma belissima historia de amor: Jorge Amado e Zelia Gattai. Dois autores muito bons por sinal.
[Leia outros Comentários de Ram]
13/9/2006
11h39min
O Safran Foer também gostou do Budapeste, aliás. hehe
[Leia outros Comentários de Jonas]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Pareidolia
Luiz Franco
Escape
(2016)



Der Seewolf
Jack London
Deutsche Buch-Gemeinschaft
(1954)



Livro de bolso Guerra Primeira Guerra Mundial Pocket Encyclopaedia 886
Michael Howard
Lpm
(2013)



Invente alguma coisa
Chuck Palahniuk
Leya
(2020)



Automóveis de Ouro para um Povo Descalço
Vasconcelos Torres
Brasília
(1977)



Iniciação ao Estudo da Sociologia
Caroline B. Rose
Zahar
(1976)



A sabedoria do não 334
Mariliz Vargas
Rosea Nigra
(2009)



Curso Completo de Fotografia 1
Diversos
Rio Gráfica
(1981)



Intervalos
Francisco C. Xavier
O Clarim
(1981)



Privatização das Prisões
João Marcello de Araujo Junior
Revista dos Tribunais
(1995)





busca | avançada
105 mil/dia
2,0 milhão/mês