O soldado absoluto | Rafael Rodrigues | Digestivo Cultural

busca | avançada
46744 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
Colunistas
Últimos Posts
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
>>> Marco Lisboa na Globonews
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Redes e protestos: paradoxos e incertezas
>>> 2005: Diário de bordo
>>> Alfa Romeo e os bloggers
>>> Defesa dos Rótulos
>>> O Jovem Bruxo
>>> Sua Excelência, o Ballet de Londrina
>>> O diabo veste Prada
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
>>> Daniel Piza by Otavio Mesquita
>>> The Making of A Kind of Blue
Mais Recentes
>>> México em Transe de Igor Fuser pela Scritta (1996)
>>> Sociologia Política da Guerra camponesa de Canudos - Da destruição do Belo Monte ao aparecimento do MST de Clóvis Moura pela Expressão Popular (2000)
>>> Exclusão Escolar Racializada - Implicações do Racismo na Trajetória de Educandos da EJA de Tayná Victória de Lima Mesquita pela Paco Editorial (2019)
>>> Crítica da Razão Negra de Achille Mbembe pela N-1 Edições (2018)
>>> Esferas da Insurreição - Notas para uma vida não cafetinada de Suely Rolnik pela N-1 Edições (2013)
>>> Arqueofeminismo - Mulheres filósofas e filósofos feministas – Séculos XVII-XVIII de Maxime Rovere (Org.) pela N-1 Edições (2019)
>>> A Doutrina Anarquista ao Alcance de Todos de José de Oiticica pela A Batalha (1976)
>>> Helena de Machado de Assis pela Ática (1994)
>>> A 3° Visão de T. Lobsang Rampa pela Record (1981)
>>> A História Da Indústria Têxtil Paulista de Francisco Teixeira pela Artemeios (2007)
>>> Ciência tecnologia e gênero abordagens Iberoamericanas de Marília Gomes de Carvalho (org.) pela utfPR (2011)
>>> A Jornada de Erin. E. Moulton pela Nova Conceito (2011)
>>> A Melodia Feroz de Victoria Schwab pela Seguinte (2016)
>>> Despertar ao Amanhecer de C.C. Hunter pela Jangada (2012)
>>> Sussurro - Coleção Hush Hush de Becca Fitzpatrick pela Intrínseca (2009)
>>> Holocausto Nunca mais de Augusto Cury pela Planeta
>>> Lusíada (Nº 1): Revista Ilustrada de Cultura.- Arte.- Literatura.- História.- Crítica de Martins Costa/ Portinari/ Texeira Pascoaes (obras de) pela Simão Guimarães & Filhos./ Porto (1952)
>>> Fábulas que Ajudam a Crescer de Vanderlei Danielski pela Ave Maria (1998)
>>> Ninguém é igual a ninguém de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (1994)
>>> Você Pode Escolher de Regina Rennó pela Do Brasil (1999)
>>> Apelido não tem cola de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (2019)
>>> Coração que bate, sente de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (1994)
>>> A galinha que criava um ratinho de Ana Maria Machado pela Ática (1995)
>>> Pinote, o fracote e Janjão, o fortão de Fernanda Lopes de Almeida pela Ática (2000)
>>> A lenda da noite de Guido Heleno pela José Olympio (1997)
>>> A História de uma Folha de Leo Buscaglia pela Record (1999)
>>> Chapeuzinho Amarelo de Chico Buarque pela José Olympio (1999)
>>> O último judeu: uma história de terror na Inquisição de Noah Gordon pela Racco (2000)
>>> Confissões de um Torcedor: Quatro copas e uma Paixão de Nelson Motta pela Objetiva (1998)
>>> Controle de Infecções e a Prática Odontológica em Tempos de Aids de Vários pela Brasília (2000)
>>> A Roda do Mundo de Edimilson de Almeida Pereira e Ricardo Aleixo pela Mazza/ Belo Horizonte (1996)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> A Propagação do Amor: Sobre o Plantio e a Colheita do Bem de Betty J. Eadie pela Nova Era/ Record (2003)
>>> Auto- Estima: Amar a Si Mesmo para Conviver Melhor Com os Outros de Christophe André - Françoise Lelord pela Nova Era/ Record (2003)
>>> Os Lusíadas: Reprodução Paralela das duas Edições de 1572 / Ed. Ltd. de Luis de Camões pela Impr. Nac. Casa da Moeda/ Lis (1982)
>>> Administração de Marketing: Desvendando os segredos de: Vendas. Promoç de Stephen Morse pela McGraw Hill (1988)
>>> Obras Completas de Álvares de Azevedo - 02 Tomos ) de Álvares de Azevedo/ Org. Notas: Homero Pires pela Companhia Ed. Nacional (1942)
>>> Obras Completas (Poesia, Prosa e Gramática) de Laurindo José da Silva Rabelo/ Org: O. de M. Braga pela Companhia Ed. Nacional (1946)
>>> Sempre Em Desvantagem de Walter Mosley pela Record (2001)
>>> Sempre Em Desvantagem de Walter Mosley pela Record (2001)
>>> Os Anos 80: Contagem Regressiva para o Juízo Final de Hall Lindsey pela Record/ RJ.
>>> Na Linha de Frente de Lawrence Block pela Companhia das Letras/ SP. (2010)
>>> Na Linha de Frente de Lawrence Block pela Companhia das Letras/ SP. (2010)
>>> O Fator Psicológico na Evolução Sintática (Encadernado) de Cândido Jucá (filho)/ Autografado pela Organização Simões/ Rio (1958)
>>> Príncipe das Trevas, Ou Monsieur - o Quinteto de Avignon- I de Lawrence Durrell pela Estação da Liberdade (1989)
>>> Pare de Engordar- Obesidade: um Problema Psicológico de Dr. Nelson Senise pela Record/ RJ.
>>> Os Hospedeiros de Belém de Maria Pires pela Imprensa Oficial/ B. Horizonte (1984)
>>> Os Hospedeiros de Belém de Maria Pires (autografado) pela Imprensa Oficial/ B. Horizonte (1984)
COLUNAS

Segunda-feira, 18/9/2006
O soldado absoluto
Rafael Rodrigues

+ de 12100 Acessos
+ 2 Comentário(s)

"De um lado, oficiais getulistas que seguiam sua cartilha e defendiam idéias nacionalistas mostravam-se inconformados com a perda de Vargas. (...) De outro, coronéis insubordinados que defendiam a intervenção militar nos temas políticos, graças à - conforme acreditavam - incapacidade civil de administrar o país."

Era assim que se encontrava o exército em 1954, logo após o suicídio de Getúlio Vargas, no mês de agosto mais famoso de nossa história.

"Falava-se muito na unidade militar, o que era uma lenda", naquela época. Foi nesse clima de instabilidade que Café Filho, vice-presidente de Getúlio, assumiu a presidência do Brasil.

Com o "racha" no exército, Café Filho tinha um grande problema. A qualquer momento poderia eclodir um golpe militar para destituí-lo do cargo de presidente. Ele precisava de alguém para apaziguar os militares e acalmar a população, que organizava constantes manifestações públicas, culpando os antigetulistas pela morte de Vargas. Café Filho teria que encontrar um militar neutro, imparcial e sem ligações com qualquer corrente política para assumir o mais importante dos ministérios naquela época: o da Guerra (hoje, do Exército). O único que preencheu todos esses pré-requisitos foi o (na época) general Henrique Duffles Baptista Teixeira Lott.

Esse é apenas o início de O soldado absoluto - uma biografia do marechal Henrique Lott, (Record, 2005, 552 págs), do jornalista Wagner William.

Nascido no dia 16 de novembro de 1894 em Sítio (que depois teria seu nome mudado para "Antonio Carlos"), um subdistrito de Barbacena, Minas Gerais, Henrique Lott não teve uma vida fácil. Primeiro dos onze filhos do casal Henrique Matthew Caldeira Lott (que a essa altura era proprietário de uma olaria) e Maria Baptistina Duffles Teixeira (que era professora primária), Henrique Lott teve uma educação rígida. Seu pai, por exemplo, que era descendente de ingleses, ensinava inglês exaustivamente ao futuro marechal. O pequeno Henrique chegava a cochilar em algumas aulas, de tão cansado. Era acordado pelo pai aos cascudos. O avô materno do pequeno Henrique, o português João Baptista da Costa Teixeira, foi responsável pelo costume que acompanharia o marechal Henrique Lott até o fim de seus dias. "João Baptista costumava dormir muito cedo. Impunha então uma regra aos netos: perguntava qual deles desejava acordar de madrugada, sendo que quem não levantasse não seria mais chamado. O menino Henrique sempre respondia ao despertar do avô. Nunca ficou dormindo. E durante toda a sua vida continuaria acordando de madrugada."

Sempre muito estudioso e dedicado, Henrique Lott foi o aluno destaque em todos os estabelecimentos de ensino pelos quais passou. Tanto nos infantis colégios primários quanto nos rígidos colégios militares.

Aos dezessete anos Lott perde o pai. Além da dor da perda, Lott precisou lidar com a responsabilidade que lhe caía nos ombros. A situação financeira da família não era nada boa, os negócios de seu pai vinham declinando já há algum tempo. Com a morte do chefe da família, o filho mais velho teria de, mais do que nunca, honrar o dinheiro investido por seus pais em sua educação. Para se ter uma idéia, a taxa trimestral cobrada pela escola militar, na época, era maior que o salário mensal da mãe de Henrique. É bom lembrar que o casal tinha dez filhos, sem contar o futuro marechal.

Os irmãos de Lott o tinham como ídolo e "rezavam sempre para que ele tivesse boas notas e fosse o primeiro da turma", mas "havia algo além de amor fraternal naquelas orações. Dona Baptistina estabelecera um prêmio para as crianças que, curiosamente, seria medido pelas notas do filho mais velho: eles teriam direito a uma lata de sardinha, da marca Felipe Canot, nos almoços de sábado, desde que Lott se mantivesse em primeiro lugar na escola. Não houve um só sábado sem sardinha naquela casa."

No exército, a carreira de Lott foi marcada pela sua integridade, dedicação e sucesso - ainda que um pouco prejudicado pela sua integridade. Por incrível que isso possa parecer.

Por ser um homem de opinião forte, honesto e de integridade (insisto na palavra por vê-la tão pouco utilizada e praticada hoje) inabalável, Henrique Lott, já ministro da Guerra, incomodou muita gente. Principalmente os próprios militares.

Em novembro de 1955, Lott liderou o movimento que deu condições para que Juscelino Kubitschek, eleito pelo voto popular, assumisse a presidência da república. (Um golpe militar fora articulado para evitar a posse de Juscelino, mas um outro grupo de militares, liderado por Lott, fez com que o resultado da eleição fosse cumprido.)

A influência dele era tão grande que Juscelino tinha medo de ter Henrique Lott como ministro da Guerra em seu governo. Mas o deputado e seu amigo pessoal Armando Falcão o tranqüilizou:

" - Presidente, o Lott não quer ser nada. Deseja vestir o pijama, e cuidar do jardim da casa que tem em Teresópolis. (...) Mas eu, se fosse você, lhe faria um apelo para continuar à frente do Exército. (...) Não acredite na conversa dos que (...) procuram jogá-lo fora do seu governo como meio de vê-lo nascer enfraquecido. Não hesite. Mande chamar o general Lott e insista para ele continuar na pasta da Guerra."

Durante o período em que foi ministro de JK, o nome de Lott se popularizou, principalmente por causa do "11 de novembro" (nome pelo qual ficou conhecido o "contragolpe"). Tanto que foi praticamente obrigado a ser candidato à presidência para suceder Juscelino.

Uma eleição no mínimo curiosa. Os dois principais candidatos eram Lott e Jânio Quadros (que por duas vezes renunciou a candidatura). Entre os candidatos a vice (na época o vice-presidente também era eleito pelo voto popular), estava João Goulart, que se dizia candidato tanto de Jânio quanto de Lott.

Além dessas curiosidades, havia o fato de o marechal não ser um "bom" candidato. Ao invés de fazer promessas que não poderiam ser cumpridas, Lott mantinha um discurso honesto, e nunca escondeu suas opiniões ou fantasiou suas propostas. A sinceridade rendeu à campanha de Lott pouquíssimas doações em dinheiro e a perda de muitos votos. Sem contar que Juscelino jamais deu grande apoio à candidatura de Lott. Na verdade, JK desejava que ele não ganhasse. Sendo mais específico: que nenhum candidato do governo ganhasse. Para que ele pudesse ser oposição em 1965 e assim ter uma vitória mais fácil.

Assim, Jânio Quadros venceu. Tomou posse do cargo em janeiro de 1961. Sete meses mais tarde, renunciava à presidência. Com esse ato, teve início uma série de manobras políticas e militares para impedir que João Goulart, vencedor da eleição para a vice-presidência, assumisse o cargo de presidente.

E mais uma vez Lott teve papel fundamental na organização de uma resistência contra os militares e na manutenção da ordem política do país. Para tanto, Lott precisou apenas dar alguns telefonemas e indicar a Leonel Brizola o caminho correto de como se evitar mais aquele golpe. Lott também divulgou um manifesto repudiando a ação dos golpistas.

Fonte: Cpdoc

Por conta disso, teve prisão declarada, fato que rende o trecho mais engraçado do livro.

Primeiro, o marechal simplesmente se negou a atender um coronel que desejava fazer ele mesmo a prisão de Lott. Coisa que não poderia acontecer, por causa da patente de Lott ser bem superior à do coronel. Depois, quando enfim um marechal chegou a seu apartamento, Lott o fez esperar por bem mais de uma hora. Enquanto isso, manteve sua rotina: fez exercícios, tomou banho, barbeou-se e tomou seu café da manhã. Quando lhe perguntaram, enquanto ele tomava banho, se precisava de alguma coisa (dando a entender que Lott estava demorando), respondeu que não precisava de nada e que "esses patriotas não sabem que não se invade a casa de um cidadão antes das seis da manhã. Então eles vão ficar esperando para aprender." Poucos dias depois Lott seria solto. Não sem ter dito tudo o que pensava sobre os militares envolvidos no golpe e na sua ordem de prisão, na cara deles. Inclusive na do então ministro da Guerra.

Os capítulos finais dão destaque à Nelson Lott, neto de Henrique, que foi preso e torturado entre o fim da década de 60 e o início da década de 70, por estar envolvido em grupos contra o regime militar.

O marechal, já fora da vida política e militar, nada pôde fazer para ajudar o jovem neto, que tinha apenas vinte anos quando foi preso. Qualquer atitude de Lott poderia prejudicar Nelson. O exército era comandado por pessoas que viam Lott como o maior responsável pelo insucesso das duas tentativas de golpe anteriores. Definitivamente, não seria uma boa idéia Henrique Lott tentar intervir a favor do neto.

Em maio de 1964 o Brasil perdeu um de seus filhos mais notáveis. Seu enterro aconteceu sem honras militares, fato que não tem explicação. O já ministério do Exército tentou minimizar e justificar o fato, mas a imprensa da época divulgou a ausência das honras militares no enterro de Lott.

O soldado absoluto traz uma enorme quantidade de informações sobre um brasileiro que deveria servir de exemplo para qualquer um. Seja quem ou de onde for. E, apesar de a narrativa envolver temas que muitos não consideram (erroneamente) interessantes, Wagner William consegue, de maneira competente, contar a vida de Lott sem causar enfado. Muito pelo contrário. Eu, particularmente, devorei as 300 páginas finais do livro em poucas horas, interrompendo a leitura apenas para tomar um café, que também não sou de ferro.

No enterro do marechal Henrique Lott, seu velho amigo Sobral Pinto dá uma declaração à imprensa que mostra o quanto Lott foi - e continua sendo - importante para a história do nosso país:

"... se tivesse ido para a presidência do Brasil, teria instaurado um governo de legabilidade e de respeito à pessoa humana, e uma vinculação com partidos políticos, porque era um democrata sincero, inteligente e honrado. Com Lott na presidência, não teríamos ditadura militar durante vinte anos, não teríamos a falência nacional. Nada disso teria acontecido."

Para ir além






Rafael Rodrigues
Feira de Santana, 18/9/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Claudio Willer e a poesia em transe de Renato Alessandro dos Santos
02. Longa vida à fotografia de Fabio Gomes
03. Malcolm, jornalismo em quadrinhos de Luís Fernando Amâncio
04. Super Campeões, trocas culturais de Brasil e Japão de Luís Fernando Amâncio
05. A literatura de Marcelo Mirisola não tem cura de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Rafael Rodrigues
Mais Acessadas de Rafael Rodrigues em 2006
01. A história do amor - 24/7/2006
02. Livro dos Homens - 7/8/2006
03. O soldado absoluto - 18/9/2006
04. O encontro marcado: 50 anos - 16/10/2006
05. Carta de um jovem contestador - 9/5/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
20/9/2006
16h48min
"Em novembro de 1955, Lott liderou o movimento que deu condições para que Juscelino Kubitschek, eleito pelo voto popular, assumisse a presidência da república. (Um golpe militar fora articulado para evitar a posse de Juscelino, mas um outro grupo de militares, liderado por Lott, fez com que o resultado da eleição fosse cumprido.)" Foi isso que eu vi na minissérie JK esses dias. As cenas são divertidas e inteligentes.
[Leia outros Comentários de Maria Celina]
17/11/2008
21h54min
Emocionante! Uma pequena mas valiosa resenha que nos estimula a ler o livro. O Marechal Lott, de quem eu ouvia falar quando criança, sempre me despertou admiração por conta da atitude de todos em minha casa, que o idolatravam. Depois, lendo a biografia de outros grandes homens, pude ver o respeito com que a ele se referiam, mesmo os que lhe eram contrários. O Brasil sente falta de um líder assim.
[Leia outros Comentários de Miguel Accacio]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CONSOLIDADORES DE TURISMO: SERVIÇOS E DISTRIBUIÇÃO
CÉLIA MARIA DOS SANTOS EDMIR KUAZAQUI
THONSON
(2004)
R$ 10,00



A CRÔNICA ESCANDALOSA DO AMOR
PIERRE DE BOURDEILLE

R$ 25,00



FABIANO DE CRISTO
ROQUE JACINTHO (2ª EDIÇÃO)
LUZ NO LAR
(1987)
R$ 25,00



A UNIFICAÇÃO DA EUROPA
VAMIREH CHACON
SCIPIONE
(1992)
R$ 7,00



LA DOCTRINE CORPORATIVE 8294
MAURICE BOUVIER-AJAM
DU RECUEIL SIREY
(1937)
R$ 70,00



UM CERTO DIA DE MARÇO
LUCILIA JUNQUEIRA DE ALMEIDA PRADO
PIONEIRA
(1979)
R$ 12,00



TRIP PARA MULHERES ANO 03 2007
MARCELO SERRADO
TRIP
(2003)
R$ 30,00



INTERESSE PÚBLICO ESPECIAL: LICITAÇÃO E OS TRIBUNAIS DE CONTAS
CONS. HELIO SAUL MILESKI (APRESENTAÇÃO)
NOTADEZ (SAPUCAIA DO SUL)
(2001)
R$ 19,28



NOSSAS CRIANÇAS VOLUME 2
VÁRIOS AUTORES
ABRIL CULTURAL
R$ 5,00



FILA, A
BASMA ABDEL AZIZ
ROCCO
(2018)
R$ 31,84





busca | avançada
46744 visitas/dia
1,1 milhão/mês