Digestivo nº 140 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
51627 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> PAULUS Editora promove a 6º edição do Simpósio de Catequese
>>> Victor Arruda, Marcus Lontra, Daniela Bousso e Francisco Hurtz em conversa na BELIZARIO Galeria
>>> Ana Cañas e Raíces de América abrem a programação musical de junho, no Sesc Santo André
>>> Sesc Santo André recebe Cia. Vagalum Tum Tum, em junho
>>> 3º K-Pop Joinville Festival já está com inscrições abertas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> La Cena
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Uma história da Sambatech
>>> The Shallows chegou
>>> Ceifadores
>>> É hoje (de novo)!
>>> Trump e adjacências
>>> Entrevista com Pollyana Ferrari
>>> O novo sempre vem
>>> O estilo de Freddie Hubbard
Mais Recentes
>>> A Arte da Guerra - Os Documentos perdidos de Sun Tzu II pela Record (1996)
>>> Competindo pelo Futuro de Gary Hamel e C K Prahald pela Campus (1995)
>>> 80 Mágicas com cartas de 80 Mágicas com cartas pela COPAg (1985)
>>> Idade do Zero de Zeh Gustavo pela Escrituras (2005)
>>> Os Três Ratos Cegos e Outras Histórias de Agatha Christie pela Nova Fronteira (1979)
>>> Outra Independência o Federalismo Pernambucano de 1817 a 1824 de Evaldo Cabral de Mello pela 34 (2004)
>>> A Décima Profecia de James Redfield pela Objetiva (1996)
>>> Condutas no Paciente Grave Nº 1 e 2 de Elias Knobel pela Atheneu (1998)
>>> Na Palma da Minha Mão de Leilah Assumpção pela Globo (1998)
>>> Missão no Oriente de Luiz Puntel pela Atica (1999)
>>> Previsão e controle das fundações de Urbano Rodriguez Alonso pela Edgard Blucher (1995)
>>> A Riqueza das Nações 1 e 2 de Adam Smith pela Nova Cultural (1985)
>>> Moreninha de Joaquim Manuel de Machado pela Moderna (1993)
>>> Diário de um cucaracha de Henfil pela Record (1984)
>>> Sinais de Esperança: uma Leitura Surpreendente dos Acontecimentos Atua de Alejandro Bullón pela Casa Publicadora (2008)
>>> Manual de Bioquimica de Conn Stumpf pela Edgar Blucher (1972)
>>> O Senhor March de Geraldine Brooks; Marcos Malvezzi Leal pela Ediouro (2009)
>>> Devezenquandario de Leita Rosa Cangucu de Lourenço Cazarre pela Lge (2003)
>>> Clássicos Literatura Juvenil 12 - Aventuras de Huck de Mark Twain pela Abril (1972)
>>> Naruto 58 de Masashi Kishimoto pela Panini Comics
>>> Super Seek and Find Students Book & Digital Pack (volume 2) de Lucy Crichton pela Macmilian Education (2018)
>>> O jovem Torless de Robert Musil pela O globo (2009)
>>> Triste Fim de Policarpo Quaresma - Série Bom Livro de Lima Barreto pela Ática (1989)
>>> Naruto 57 de Masashi Kishimoto pela Panini Comics
>>> O Veneno da Madrugada de Gabriel García Márquez pela Sabiá (1970)
DIGESTIVOS

Terça-feira, 5/8/2003
Digestivo nº 140
Julio Daio Borges

+ de 7600 Acessos
+ 1 Comentário(s)




Imprensa >>> Aforismos com juízo
Daniel Piza, como Edmund Wilson, se orgulha de ser um jornalista cultural. Tanto que aceitou o convite da editora Contexto e, engrossando a sua coleção sobre jornalismo, encarregou-se do volume que trata do “cultural”. Daniel chama a atenção para o fato de que talvez seja a primeira obra do gênero no Brasil. E tem razão: além de relegado a um “segundo plano”, na ordem de prioridades das revistas e dos jornais, o jornalismo cultural nunca foi objeto de alguma sistematização, ou mesmo do escrutínio de profissionais gabaritados. Num país em que o noticioso tem um peso mais forte, arrastando consigo multidões, é natural que a análise raramente se afirme ou sequer desperte curiosidade. E como a cultura deve ser alvo de reflexão sempre, o jornalismo a ela associado não provoca no brasileiro, digamos, as paixões mais avassaladoras. Daniel Piza, no entanto, ao abraçar essa vocação, desde 1991 (porém, mais intensamente, desde 1995, ao editar, na “Gazeta Mercantil”, o “Caderno Fim de Semana”), vem arrebanhando um público que parecia perdido ou então estava órfão (tendo de se contentar com as manifestações episódicas dos nossos diários e semanários). Sua carreira, e a projeção por ele alcançada através dela, é de alguma maneira a prova de que o “jornalista cultural” pode (e deve) ocupar uma posição de destaque, e de que o “jornalismo cultural” tem uma audiência cativa, ávida por que lhe dirijam a palavra. O livro, portanto, é quase uma defesa de tese – já que Daniel passa por todas as suas experiências na área (Estadão, Folha, Gazeta e Estadão, de novo), concluindo que a cultura merece do jornalismo brasileiro mais respeito e do leitor, um olhar mais aguçado. Além de carregar essa bandeira, o autor aproveita para traçar, nos primeiros capítulos, uma “genealogia” do jornalismo cultural no mundo e no Brasil. Retrocede até o século XVIII, na Inglaterra, e vai encontrar as últimas iniciativas nacionais no segmento, como, por exemplo, a revista “Bravo!”, da editora D’Avila. O tom é pessoal e Daniel Piza, insiste, não tem a pretensão de contar uma “História”. De qualquer jeito, acaba contando, e fazendo em quase 150 páginas (incluindo bibliografia comentada ao final) justiça à tarefa que lhe foi confiada. [Comente esta Nota]
>>> Jornalismo cultural - Daniel Piza - 143 págs. - Contexto
 



Música >>> Vou deixar a vida me levar
“Cosmotron”, o sétimo álbum do Skank, tem sido divulgado como uma imersão no universo dos Beatles e do Clube da Esquina, mas talvez seja mais que isso. É verdade que pode parecer de um certo oportunismo embarcar no “revival” do rock dos anos 60, que começou em meados da década de 90, com o Oasis, até porque Samuel Rosa poderia, inclusive, aproveitar de sua semelhança física e concorrer com os sobrancelhudos Irmãos Gallagher no exterior. Mas isso seria acreditar em teoria da conspiração; afinal, as letras são todas em português e o Skank soube incorporar o tal estilo deixando sua marca nele. “Cosmotron”, logo de início, produz um considerável estranhamento, pois parece saído de uma máquina do tempo, entre 1966 (do “Revolver”, dos Beatles) e 1972 (do “Clube da Esquina”, de Milton Nascimento e Lô Borges). O fato é que o Skank passou daquela fase de refrões renitentes, irradiados em escala planetária, no rádio e na tevê. Abandonou os metais e os sopros (uma referência aos Paralamas de Herbert Vianna?), e saltou do reggae para o rock. Segundo os entendidos, havia indicativos disso nos álbuns de estúdio imediatamente anteriores – mas a confirmação provavelmente veio com o “MTV ao Vivo” (2001) em Ouro Preto. Nele, a banda soava mais coesa do que o normal, Samuel estava catando melhor e até as canções mais estridentes, das novelas e do “hit parade”, ressurgiam palatáveis. Se na primeira metade da década de 90, era pretensioso declarar uma aproximação com João Gilberto na capa de uma revista de música, hoje fica claro que o Skank, aos trancos e barrancos, aprendeu a valorizar a canção. Independente do gênero, e da guinada, é ela que sai vitoriosa em “Cosmotron”. Numa época de enxugamento, as 14 (catorze) faixas não soam exageradas e apontam para um novo ciclo criativo. A crítica não teve (como sempre) tempo para apreciar esse trabalho, mas o disco parece resistir a inúmeras e criteriosas audições. Talvez porque seja simplesmente bom. E talvez porque o Skank mereça realmente uma reavaliação. [Comente esta Nota]
>>> Cosmotron - Skank - Sony
 



Teatro >>> Teatro de revista
O teatro brasileiro oscila muito. Ou vence o apelo televisivo; ou o desejo de fazer “arte” é maior, e o espectador fica em último plano. Então termina assim: ou o público leva uma coleção de risadas para casa e nenhuma lembrança marcante do espetáculo; ou sai sem entender nada, com raiva de ter se arrastado até o centro da cidade, divorciando-se eternamente do palco. Não parece haver solução, mas há. No meio termo entre uma condição e outra, nem tanto à terra nem tanto ao mar, a “Terça Insana” vem se consagrando e recentemente comemorou mais de 100 apresentações. O número é representativo porque, além de ter se mantido semanalmente em cartaz durante todo esse tempo, o grupo nunca repetiu sequer um programa. O conjunto de “esquetes” (quadros, cenas, situações) é renovado a cada terça-feira, demonstrando que existe criatividade, aceitação e vitalidade para tanto. A trupe é comandada por Grace Gianoukas, uma cara conhecida da televisão, mas uma tremenda comediante gaúcha radicada há quase 20 anos em São Paulo. Junto a ela estão, fixos toda semana, Graziella Moretto, Luis Miranda, Marcelo Mansfield, Octávio Mendes e Roberto Camargo. Volta e meia, novos nomes são convidados, arejando o “cast” e demonstrando que o marasmo teatral é injustificável. Quem teve a oportunidade de conferir “O Melhor da Terça Insana”, que ficou pouquíssimo tempo em cartaz no Tom Brasil, pôde rir descontroladamente enquanto guardou a imagem de uma produção inteligente. O sexteto, depois dessas 100 e 1 noites, desenvolveu tipos que são aqueles que comumente encontramos, mas que não remetem aos velhos clichês de sempre. Assim, topamos com o guardador de carros diplomado, com a ex-diva de voz embargada, com a debutante de língua presa, com o moderninho da Avenida Paulista e com o executivo de mil e uma utilidades. A “Terça Insana” não tem papas na língua, o que já lhe rendeu e rende processos. Não tem medo de falar o que pensa e, nesse sentido, é impagável uma apresentação ao vivo dos “Tribalistas”, ops!, “Herbalistas”. Fica provado que o teatro pode ser interessante e fazer valer o ingresso. [1 Comentário(s)]
>>> Terça Insana
 



Literatura >>> Os grilos não cantam mais
Fernando Sabino e a editora Record têm feito um belo trabalho com a coleção de cartas do escritor. Primeiro, editou-se sua correspondência com Clarice Lispector (“Cartas Perto do Coração”, 2001). Depois, as missivas compartilhadas entre os amigos da vida inteira: Hélio, Paulo e Otto (“Cartas na mesa”, 2002). Agora, surge mais um volume com a troca de gentilezas (e de grosserias também) entre um incipiente Fernando Sabino e um Mário de Andrade no fim da linha (“Cartas a um jovem escritor e suas respostas”, 2003). O “establishment” literário brasileiro tinha muita curiosidade por esse material – quase sempre referido como de um tempo longínquo, por vezes, inacessível. A impressão inicial é de que Mário foi o grande tutor de Fernando, então com 18 anos, quando o intercâmbio se iniciou. Com a leitura, porém, vamos percebendo que o escritor precoce adquire “maioridade”, publica a consagrada novela “A Marca” (1944), e rompe com Mário de Andrade. Há suspeitas de que o Papa do Modernismo tenha desdenhado do sucesso de seu “protegido” e, enciumado, sugerindo abandono, direcionado-lhe farpas numa carta a Paulo Mendes Campos (parcialmente reproduzida no volume). São futricas – ainda que futricas de grandes nomes da nossa literatura. Talvez não merecessem menção, mas é por causa delas que a correspondência se interrompe e o livro se arrasta, alquebrado, até a morte de Mário (1945). O que há para se destacar é o prefácio carinhoso, do Fernando Sabino de hoje (que, em outubro, completa 80 anos), e a paixão (no melhor sentido do termo) nascida entre os dois homens. O jovem num ardor e numa desorientação que não cabiam no mundo; e o velho “vampirizando-o” (também no bom sentido), dividindo um pouco do seu saber e de suas conclusões sobre os tempos idos. Achados: Mário de Andrade chamando Jorge Amado de ignorante e preferindo Portinari a Lasar Segall; também revendo os “erros” de Macunaíma e compondo o célebre “Frederico Paciência”. Talvez uma das maiores contribuições desse Andrade tenha sido mesmo a epistolar. E Sabino, para a nossa sorte, soube aproveitar. [Comente esta Nota]
>>> Cartas a um jovem escritor e suas respostas - Fernando Sabino e Mário de Andrade - 218 págs. - Record
 
>>> MAU HUMOR

“As coisas mais desagradáveis que os nossos piores inimigos nos dizem pela frente não se comparam com as que nossos amigos dizem de nós pelas costas.” (Alfred Musset)

* do livro Mau humor: uma antologia definitiva de frases venenosas, com tradução e organização de Ruy Castro (autorizado)
 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
24/7/2003
13h27min
Grande preciosidade para quem sempre tem interesse pelos "bastidores" na vida dos escritores. Tanto para desmitificar, quanto para contribuir ainda mais com a imagem e os detalhes que garantem a aura encantadora destes seres. Sendo Fernando Sabino e Mário de Andrade, então, a preciosidade é ainda maior.
[Leia outros Comentários de Alessandro Garcia]

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




La France En Direct 2 a - Cahier Dexercices
Janine Capelle / Guy Capelle
Educom



O Diário Roubado
Régine Deforges
Klick



O Canto da Sereia
Juliana Messenberg
Nova Bandeira
(2011)



Vida Maravilhosa
Stehen Jayt Gould
Círculo do Livro
(1992)



A Instituição Imaginária da Sociedade - 3ª Edição
Cornelius Castoriadis
Paz e Terra
(1995)



Português Básico para Cursos Superiores
Antonio Fernando de Almeida
Atlas
(1980)



Triste Fim de Policarpo Quaresma Série Bom Livro
Lima Barreto
Atica



Oxford Business English: Grammar & Practice
Michael Duckworth
Oxford University Press
(1997)



O cavalheiro de domingo
Irving Wallace
Nova Fronteira
(1965)



A Ameaça Sombria 2
Melissa Grey
Seguinte
(2017)





busca | avançada
51627 visitas/dia
1,8 milhão/mês