Digestivo nº 140 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
70483 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Live: Como a cultura nos livros didáticos influencia a formação da criança
>>> Projeto: Encontro ás escuras - Contos e cantos ancestrais
>>> Primeira edição do ZporZ Fest Verão acontece em janeiro
>>> Sesc Cultura ConVIDA! apresenta mostras temáticas
>>> Oficina de Objetos de Cena nas redes do Sesc 24 de Maio
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
>>> A Velhice
>>> Casa, poemas de Mário Alex Rosa
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
>>> Clownstico de Antonio Ginco no YouTube
>>> A Ceia de Natal de Os Doidivanas
>>> Drag Queen Natasha Sahar interpreta Albertina
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Um olhar sobre Múcio Teixeira
>>> A coisa tá preta
>>> Fugindo do apocalipse
>>> Sonhos Sujos
>>> Eu acho que alguém aqui pirou
>>> Ideologias em forma de spam
>>> Neste Natal etc. e tal
>>> Lula, o filme
>>> Mauro Henrique
>>> Uma pirueta, duas piruetas, bravo, bravo!
Mais Recentes
>>> Amor de Perdição - Coleção Travessias de Camilo Castelo Branco pela Moderna (2007)
>>> Elementos de Estatística de Leomar O. Garcia pela Rio (1975)
>>> Um Caminho de Flores 75 Histórias para Mudar Sua Vida de Kentetsu Takamori pela Satry (2012)
>>> Mulher Livre de Adelaide Carraro pela L. Oren (1977)
>>> Reflexões Sobre o Exemplo de Nelson Savioli pela QualityMark (2005)
>>> Chasing the Dime de Michael Connelly pela Warner Vision (2003)
>>> Álbum de Família de Nelson Rodrigues pela Nova Fronteira (2012)
>>> Gestão de Mudança Em Tempos de Oportunidades de Mario Persona pela Futura (2003)
>>> Um Gato de Rua Chamado Bob de James Bowen pela Novo Conceito (2014)
>>> Henriqueta Lisboa: o Mistério da Criação Poética de Ângela Vaz Leão pela PUCMinas (2004)
>>> O diário de Suzana para Nicolas de James Patterson pela Arqueiro (2011)
>>> Brincando com Fogo de Gordon Ramsay pela BestSeller (2010)
>>> Le Coeur net de Chris Marker pela Du Seuil (1949)
>>> Fernando pessoa, o Menino da Sua Mãe de Amélia Pinto Pais pela Cia das Letras (2011)
>>> Arquitetura & construçao--agosto de 2007--vidros. de Abril pela Abril (2007)
>>> Ensayos Sobre Metodologia Sociológica de Max Weber pela Amorrortu (1973)
>>> Beyond the Brain de Stanislav Grof pela Suny Press (1986)
>>> Twentieth-century Mystics and Sages de Anne Bancroft pela Arkana (2021)
>>> Sobre o Amor de Jacob Needleman pela Ediouro (1998)
>>> O Enigma da Esfinge - a Sexualidade de Antônio Moser pela Vozes (2001)
>>> El Estructuralismo de Jean Piaget pela Proteo (1971)
>>> Arquitetura & construçao--fevereiro de 2006--37 ideias de reforma em casa e apartamento de Abril pela Abril (2006)
>>> Análise Financeira de Balanços - Abordagem Básico e Gerencial de Dante C. Matarazzo pela Atlas (2003)
>>> Arquitetura & construçao--dezembro de 2006--28 ideias praticas para reformar o apartamento pequeno. de Abril pela Abril (2006)
>>> Ovelhas Negras de Caio Fernando Abreu pela Sulina (1995)
>>> Navegue tranquilo vol. 2 de Helvir A. W. Cantanhede pela Edições náuticas
>>> Navegue tranquilo vol. 2 de Helvir A. W. Cantanhede pela Edições náuticas
>>> A Nova Classe Média de Marcelo Neri pela Saraiva (2011)
>>> Vozes Anoitecidas de Mia Couto pela Companhia das Letras (2013)
>>> Navegue tranquilo vol. 2 de Helvir A. W. Cantanhede pela Edições náuticas
>>> Atlas Geográfico Saraiva de Vera Caldini & Leda Ísola pela Saraiva (2009)
>>> Música ao Longe de Erico Verissimo pela Globo (1995)
>>> Atlas Geográfico Saraiva de Vera Caldini & Leda Ísola pela Saraiva (2013)
>>> A Economia Em Machado de Assis de Gustavo H. B. Franco pela Zahar (2007)
>>> O Võo da Madrugada de Sergio Sant'Anna pela Companhia das Letras (2008)
>>> Atlas Geográfico Espaço Mundial de Graça Maria Lemos Ferreira pela Moderna (2006)
>>> Single & Single de John Le Carré pela Record (1999)
>>> Atlas Geográfico Escolar de Maria Elena Simielli & Mário de Biasi pela Ática (1990)
>>> Anatomia do Estado de Murray H. Rothbard pela Lvm
>>> GeoAtlas Básico de Maria Elena Simielli pela Ática (2010)
>>> Minidicionário Escolar Espanhol de Oscar Rojas pela Dcl (2004)
>>> Tony e Susan de Austin Wright pela Austin Wright (2011)
>>> Ícones: Seu Coração Só Pode Bater Com a Permissão Deles de Margaret Stohl pela Galera Record (2014)
>>> Michaelis Minidicionário alemão / português - português / alemão de Alfred Josef Keller pela Melhoramentos (2010)
>>> Visagismo - Harmonia e Estética de Philip Hallawell pela Senac Sp (2008)
>>> Sob a Pele das Palavras de Celso Cunha pela Nova Fronteira (2004)
>>> Radcliffe- Brown: Coleção Grandes Cientistas Sociais. Número 3 de Júlio Cezar Melatti; Florestan Fernandes (org.) pela Ática (1995)
>>> Troppo Facile - Receitas e Notícias Sobre Comida Boa de Gaspare Tusa Di Gruppazzi pela Via Nuova (1990)
>>> Tradução das Catilinárias de Cícero de Maximiniano Augusto Gonçalves pela Livraria H. Antunes (1955)
>>> Cisnes Selvagens de Jung Chang pela Companhia das Letras (1994)
DIGESTIVOS

Terça-feira, 5/8/2003
Digestivo nº 140
Julio Daio Borges

+ de 6500 Acessos
+ 1 Comentário(s)




Imprensa >>> Aforismos com juízo
Daniel Piza, como Edmund Wilson, se orgulha de ser um jornalista cultural. Tanto que aceitou o convite da editora Contexto e, engrossando a sua coleção sobre jornalismo, encarregou-se do volume que trata do “cultural”. Daniel chama a atenção para o fato de que talvez seja a primeira obra do gênero no Brasil. E tem razão: além de relegado a um “segundo plano”, na ordem de prioridades das revistas e dos jornais, o jornalismo cultural nunca foi objeto de alguma sistematização, ou mesmo do escrutínio de profissionais gabaritados. Num país em que o noticioso tem um peso mais forte, arrastando consigo multidões, é natural que a análise raramente se afirme ou sequer desperte curiosidade. E como a cultura deve ser alvo de reflexão sempre, o jornalismo a ela associado não provoca no brasileiro, digamos, as paixões mais avassaladoras. Daniel Piza, no entanto, ao abraçar essa vocação, desde 1991 (porém, mais intensamente, desde 1995, ao editar, na “Gazeta Mercantil”, o “Caderno Fim de Semana”), vem arrebanhando um público que parecia perdido ou então estava órfão (tendo de se contentar com as manifestações episódicas dos nossos diários e semanários). Sua carreira, e a projeção por ele alcançada através dela, é de alguma maneira a prova de que o “jornalista cultural” pode (e deve) ocupar uma posição de destaque, e de que o “jornalismo cultural” tem uma audiência cativa, ávida por que lhe dirijam a palavra. O livro, portanto, é quase uma defesa de tese – já que Daniel passa por todas as suas experiências na área (Estadão, Folha, Gazeta e Estadão, de novo), concluindo que a cultura merece do jornalismo brasileiro mais respeito e do leitor, um olhar mais aguçado. Além de carregar essa bandeira, o autor aproveita para traçar, nos primeiros capítulos, uma “genealogia” do jornalismo cultural no mundo e no Brasil. Retrocede até o século XVIII, na Inglaterra, e vai encontrar as últimas iniciativas nacionais no segmento, como, por exemplo, a revista “Bravo!”, da editora D’Avila. O tom é pessoal e Daniel Piza, insiste, não tem a pretensão de contar uma “História”. De qualquer jeito, acaba contando, e fazendo em quase 150 páginas (incluindo bibliografia comentada ao final) justiça à tarefa que lhe foi confiada. [Comente esta Nota]
>>> Jornalismo cultural - Daniel Piza - 143 págs. - Contexto
 



Música >>> Vou deixar a vida me levar
“Cosmotron”, o sétimo álbum do Skank, tem sido divulgado como uma imersão no universo dos Beatles e do Clube da Esquina, mas talvez seja mais que isso. É verdade que pode parecer de um certo oportunismo embarcar no “revival” do rock dos anos 60, que começou em meados da década de 90, com o Oasis, até porque Samuel Rosa poderia, inclusive, aproveitar de sua semelhança física e concorrer com os sobrancelhudos Irmãos Gallagher no exterior. Mas isso seria acreditar em teoria da conspiração; afinal, as letras são todas em português e o Skank soube incorporar o tal estilo deixando sua marca nele. “Cosmotron”, logo de início, produz um considerável estranhamento, pois parece saído de uma máquina do tempo, entre 1966 (do “Revolver”, dos Beatles) e 1972 (do “Clube da Esquina”, de Milton Nascimento e Lô Borges). O fato é que o Skank passou daquela fase de refrões renitentes, irradiados em escala planetária, no rádio e na tevê. Abandonou os metais e os sopros (uma referência aos Paralamas de Herbert Vianna?), e saltou do reggae para o rock. Segundo os entendidos, havia indicativos disso nos álbuns de estúdio imediatamente anteriores – mas a confirmação provavelmente veio com o “MTV ao Vivo” (2001) em Ouro Preto. Nele, a banda soava mais coesa do que o normal, Samuel estava catando melhor e até as canções mais estridentes, das novelas e do “hit parade”, ressurgiam palatáveis. Se na primeira metade da década de 90, era pretensioso declarar uma aproximação com João Gilberto na capa de uma revista de música, hoje fica claro que o Skank, aos trancos e barrancos, aprendeu a valorizar a canção. Independente do gênero, e da guinada, é ela que sai vitoriosa em “Cosmotron”. Numa época de enxugamento, as 14 (catorze) faixas não soam exageradas e apontam para um novo ciclo criativo. A crítica não teve (como sempre) tempo para apreciar esse trabalho, mas o disco parece resistir a inúmeras e criteriosas audições. Talvez porque seja simplesmente bom. E talvez porque o Skank mereça realmente uma reavaliação. [Comente esta Nota]
>>> Cosmotron - Skank - Sony
 



Teatro >>> Teatro de revista
O teatro brasileiro oscila muito. Ou vence o apelo televisivo; ou o desejo de fazer “arte” é maior, e o espectador fica em último plano. Então termina assim: ou o público leva uma coleção de risadas para casa e nenhuma lembrança marcante do espetáculo; ou sai sem entender nada, com raiva de ter se arrastado até o centro da cidade, divorciando-se eternamente do palco. Não parece haver solução, mas há. No meio termo entre uma condição e outra, nem tanto à terra nem tanto ao mar, a “Terça Insana” vem se consagrando e recentemente comemorou mais de 100 apresentações. O número é representativo porque, além de ter se mantido semanalmente em cartaz durante todo esse tempo, o grupo nunca repetiu sequer um programa. O conjunto de “esquetes” (quadros, cenas, situações) é renovado a cada terça-feira, demonstrando que existe criatividade, aceitação e vitalidade para tanto. A trupe é comandada por Grace Gianoukas, uma cara conhecida da televisão, mas uma tremenda comediante gaúcha radicada há quase 20 anos em São Paulo. Junto a ela estão, fixos toda semana, Graziella Moretto, Luis Miranda, Marcelo Mansfield, Octávio Mendes e Roberto Camargo. Volta e meia, novos nomes são convidados, arejando o “cast” e demonstrando que o marasmo teatral é injustificável. Quem teve a oportunidade de conferir “O Melhor da Terça Insana”, que ficou pouquíssimo tempo em cartaz no Tom Brasil, pôde rir descontroladamente enquanto guardou a imagem de uma produção inteligente. O sexteto, depois dessas 100 e 1 noites, desenvolveu tipos que são aqueles que comumente encontramos, mas que não remetem aos velhos clichês de sempre. Assim, topamos com o guardador de carros diplomado, com a ex-diva de voz embargada, com a debutante de língua presa, com o moderninho da Avenida Paulista e com o executivo de mil e uma utilidades. A “Terça Insana” não tem papas na língua, o que já lhe rendeu e rende processos. Não tem medo de falar o que pensa e, nesse sentido, é impagável uma apresentação ao vivo dos “Tribalistas”, ops!, “Herbalistas”. Fica provado que o teatro pode ser interessante e fazer valer o ingresso. [1 Comentário(s)]
>>> Terça Insana
 



Literatura >>> Os grilos não cantam mais
Fernando Sabino e a editora Record têm feito um belo trabalho com a coleção de cartas do escritor. Primeiro, editou-se sua correspondência com Clarice Lispector (“Cartas Perto do Coração”, 2001). Depois, as missivas compartilhadas entre os amigos da vida inteira: Hélio, Paulo e Otto (“Cartas na mesa”, 2002). Agora, surge mais um volume com a troca de gentilezas (e de grosserias também) entre um incipiente Fernando Sabino e um Mário de Andrade no fim da linha (“Cartas a um jovem escritor e suas respostas”, 2003). O “establishment” literário brasileiro tinha muita curiosidade por esse material – quase sempre referido como de um tempo longínquo, por vezes, inacessível. A impressão inicial é de que Mário foi o grande tutor de Fernando, então com 18 anos, quando o intercâmbio se iniciou. Com a leitura, porém, vamos percebendo que o escritor precoce adquire “maioridade”, publica a consagrada novela “A Marca” (1944), e rompe com Mário de Andrade. Há suspeitas de que o Papa do Modernismo tenha desdenhado do sucesso de seu “protegido” e, enciumado, sugerindo abandono, direcionado-lhe farpas numa carta a Paulo Mendes Campos (parcialmente reproduzida no volume). São futricas – ainda que futricas de grandes nomes da nossa literatura. Talvez não merecessem menção, mas é por causa delas que a correspondência se interrompe e o livro se arrasta, alquebrado, até a morte de Mário (1945). O que há para se destacar é o prefácio carinhoso, do Fernando Sabino de hoje (que, em outubro, completa 80 anos), e a paixão (no melhor sentido do termo) nascida entre os dois homens. O jovem num ardor e numa desorientação que não cabiam no mundo; e o velho “vampirizando-o” (também no bom sentido), dividindo um pouco do seu saber e de suas conclusões sobre os tempos idos. Achados: Mário de Andrade chamando Jorge Amado de ignorante e preferindo Portinari a Lasar Segall; também revendo os “erros” de Macunaíma e compondo o célebre “Frederico Paciência”. Talvez uma das maiores contribuições desse Andrade tenha sido mesmo a epistolar. E Sabino, para a nossa sorte, soube aproveitar. [Comente esta Nota]
>>> Cartas a um jovem escritor e suas respostas - Fernando Sabino e Mário de Andrade - 218 págs. - Record
 
>>> MAU HUMOR

“As coisas mais desagradáveis que os nossos piores inimigos nos dizem pela frente não se comparam com as que nossos amigos dizem de nós pelas costas.” (Alfred Musset)

* do livro Mau humor: uma antologia definitiva de frases venenosas, com tradução e organização de Ruy Castro (autorizado)
 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
24/7/2003
13h27min
Grande preciosidade para quem sempre tem interesse pelos "bastidores" na vida dos escritores. Tanto para desmitificar, quanto para contribuir ainda mais com a imagem e os detalhes que garantem a aura encantadora destes seres. Sendo Fernando Sabino e Mário de Andrade, então, a preciosidade é ainda maior.
[Leia outros Comentários de Alessandro Garcia]

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Aventuras de uma Criminóloga
Sergio Bonelli
Mythos
R$ 10,00



Desde as Missões... Saudades Lutas Esperanças
Daniel Krieger
José Olympio
(1976)
R$ 10,00



Textos escolhidos; Contingências do reforço uma análise teórica
Ivan Petrovich Pavlov e Burrhus Frederic Skinner
Abril Cultural
(1980)
R$ 10,00



De volta ao jogo
Rezendeevil
Suma das letras
(2016)
R$ 10,00



The Red Balloon
Eduardo Amos
Richmond
(2005)
R$ 10,00



O Pequeno Príncipe para colorir a partir das ilustrações originais do autor
Antoine de Saint-Exupéry
Harper Collins
(2016)
R$ 10,00



Tratamento e Análise de Dados Em Física Experimental
Ricardo B Barthem
Ufrj
(1993)
R$ 10,00



Os Deuses da Luz
Ilustrado Luis Garay
Melhoramentos
(2013)
R$ 10,00



A Vida Em Família
Rodolfo Calligaris
Instituto de Difusão Espírita
R$ 10,00



O Código da Inteligência
Augusto Cury
Ediouro
(2008)
R$ 10,00





busca | avançada
70483 visitas/dia
2,4 milhões/mês