Trevisan além da humanidade pervertida e violenta | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
31843 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
Colunistas
Últimos Posts
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
>>> Arte, cultura e democracia
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Os 60
>>> Tico-Tico de Lucía
>>> Abdominal terceirizado - a fronteira
>>> Cinema é filosofia
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
>>> Mulher no comando do país! E agora?
>>> YouTube, lá vou eu
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Bar azul - a fotografia de Luiz Braga
>>> Eu + Você = ?
Mais Recentes
>>> Vade Mecum acadêmico de direito de Organização; Anne Joyce Angher pela Rideel (2004)
>>> Processo de Execução e Cumprimento de Sentença/ Encad. de Humberto Theorodo Júnior pela Leud (2009)
>>> Processo Civil Commercial de Manoel Aureliano de Gusmão pela Livraria Academica (1924)
>>> Dieta Mediterrânea com sabor brasileiro de Dr. Fernando Lucchese e Anonymus Gourmet pela L&PM Pocket (2005)
>>> Derecho Procesal Civil de Eduardo Pallares pela Porrua S.A Argentina (1961)
>>> Topografia Prática: Tratado da Clotóide - Teoria, Fórmulas, Exemplos.. de Ruey- Chien Lin pela Hemus/ SP. (2019)
>>> La Reconvencion de M. Sanpons Salgado pela Coleccion Nereo (1962)
>>> Construcciones Metalicas (Encadernado) de Fernando Rodriguez- Avial Azcunaga pela Madrid/ Espanha (1958)
>>> tratado das ações (Tomo V ) Condenatórias de Pontes de Miranda pela Revista dos Tribunais (1974)
>>> Tratados das Ações Declarativas Tomo II de Pontes de Miranda pela Revista dos Tribunais (1971)
>>> Tratado das Ações Tomo III Ações Constitutivas de Pontes de Miranda pela Revista dos Tribunais (1972)
>>> Ação Discriminatória de Jacy de Assis pela Forense (1978)
>>> Dos recursos no Código de Processo Civil de João Claudino de Oliveira e Cruz pela Forense (1954)
>>> Petições contestações e recursos de Valdemar P. da Luz pela Forense (2000)
>>> Curso de processual Civil de Luiz Fux pela Forense (2001)
>>> Curso Didático de Direito Processual Civil de Elpídio Donizetti Nunes pela Atlas (2012)
>>> Código de processo Civil Anotado de Sálvio de Figueiredo Teixeira pela Saraiva (2003)
>>> Manual Execução de Araken de Assis pela Revista dos Tribunais (2004)
>>> As Concepções Antropológicas de Schelling de Fernando Rey Puente pela Loyola (1997)
>>> Manual do Processo de Execução de Araken de Assis pela Revista dos Tribunais (2002)
>>> Ministério público e Persecução Criminal de Marcellus Polastri Lima pela Lumen Juris (2002)
>>> Des Problèmes de Droit Judiciaire que Pose L'Union Économique Franco Sarroise de Eugéne Schaeffer pela Librairie Générale de Droit et de Jurisprudence (1953)
>>> Escrever Vidas, Narrar a História de Maria da Glória de Oliveira pela Fgv (2011)
>>> La Accion Civil para la Reparacion de los Perjuicios de Ricardo C. Nuñez pela Bibliográfica Argentina (1948)
>>> Tratado de Los Recursos en El Proceso Civil de Manuel Ibañez Frocham pela Lavalle Buenos Aires (1963)
>>> Theoria e pratica na Execução das Sentenças de Affonso Fraga pela C. Teixeira (1922)
>>> Os Juízes os Escrivães e os oficios de Justiça em Ação ( Código de Processo Civil) de Nemias Nunes Carvalho pela Forense (1997)
>>> Honorários de Advogado de Sebastião de Souza pela Saraiva (1952)
>>> Medidas Preventivas de Alfredo de Araujo Lopes da Costa pela Sugestões Literárias S/A (1966)
>>> Guia para Concurso do Ministério Público de Joaquim Cabral Netto pela Del Rey (1994)
>>> princípios de direito processual Civil (Da Ação Judicial) de Benedicto Barros pela Borsoi (1959)
>>> Dos Processos Especiais de Alfredo de Araujo Lopes da Costa pela Sugestões Literárias S/A
>>> Primeiras Linhas O Processo Civil de Joaquim José Caetano Pereira e Souza pela Freitas Bastos (1879)
>>> Votos e Accordams Julgamentos Proferidos de M. da Costa Manso pela Academica Saraiva (1922)
>>> Dos Aggravos Theoria e Pratica de Martinho Garcez pela Jacintho Ribeiro dos Santos (1914)
>>> Decisões de Laudo de Camargo pela Saraiva (1931)
>>> Lições de direito processual Civil ( Vol. III) de Alexandre Freitas Câmara pela Lumen Juris (2001)
>>> Lições de direito processual Civil Vol. III de Alexandre Freitas Câmara pela Lumen Juris (2003)
>>> Lições de direito processual Civil Volume II de Alexandre Freitas Câmara pela Lumen Juris (2002)
>>> Da Ação Rescisória de Jorge Americano pela Academica Saraiva (1926)
>>> Estudo Theorico e Pratico da Acção Rescisoria de Jorge Americano pela Saraiva (1939)
>>> Tratado da Ação Rescisória de Pontes de Miranda pela Forense (1976)
>>> Manual Doutrinário e prático para o Exercício da Advocacia de Ulderico Pires dos Santos pela Forense (2001)
>>> Medidas Preventivas de Alfredo de Araujo Lopes da Costa pela Liv. Bernardo Álvares (1958)
>>> Retirada de Patrocinadora de Wladimir Novaes Martinez pela LTr (2007)
>>> Um decênio de Judicatura Acórdãos e Votos (Volume 1) de Cordeiro Guerra pela Saraiva (1984)
>>> Direito Processual Civil em 03 Volumes de João Bonuma pela Saraiva (1946)
>>> Estudos Mineiros - Vol. 1 de Diva Ruas Santos: Org. pela Cuatiara (1995)
>>> Estudos Mineiros - Vol. 1 de Diva Ruas Santos: Org./ Autografado pela Cuatiara (1995)
>>> Igual a Ti só no Inferno de Antonio Carlos Resende pela L&PM/ Porto Alegre (1988)
COLUNAS

Terça-feira, 24/4/2007
Trevisan além da humanidade pervertida e violenta
Marcelo Spalding

+ de 8500 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Cenas de uma humanidade perversa e pervertida, violenta e tarada. Assim resumi, certa vez, a obra Ah, é?, de Dalton Trevisan, e assim poderia se resumir, grosso modo, toda a contística trevisânica, cuja literatura já foi apontada como paradigma de "literatura marginal". Mas não se faz literatura só de temática, e o que encanta e sempre encantou em Trevisan foi a forma de narrar essa humanidade abominável, estes monstros morais, forma enxuta, concisa, límpida, direta. Precisa.

Em Macho Não Ganha Flor (Record, 2006, 128 págs.) voltam os acertos e exageros do já tido como mestre Trevisan, que aos 81 esforça-se (esforça-se?) para não se repetir e acrescentar novos contos a uma futura compilação de seus melhores. Talvez não precisasse - o autor de "Uma vela para Dario" e "A sopa" já consta nos livros de História da Literatura Brasileira, nas prateleiras de todas as livrarias e nas leituras de todo contista contemporâneo que ainda acha importante ler (e não só escrever) -, mas o fato é que segue adiante, e no mais recente livro acrescenta aos 22 contos uma orelha escrita sobre si mesmo, mas em terceira pessoa.

Tido como o texto mais interessante e original do livro, a orelha assusta o leitor desavisado por desmerecer o próprio autor, e evidentemente não diz em lugar nenhum que foi o próprio Trevisan quem a escreveu. Assim, nos surpreendemos com frases como "Perdido entre a tautologia e a platitude, se pendura sobre o oco do próprio coração" e "Não nos convence. Ao contrário, o autor perdeu a batalha, nem sequer travada. Acabou a carreira".

Nos contos desfilam o que a orelha chama de "uma nova galeria de monstros morais: fornicários, sodomitas, pedófilos, sadistas, maníacos". Narrativas curtas e precisas, mas pesadas como chumbo, um chumbo que se amarra nas pernas do leitor e o leva água abaixo, não o permitindo ver saída num mundo de perversão onde a tônica é a violência e o gozo, um mundo marcadamente masculino de prazer e sadismo, de pontas de facas obrigando virgens a transar com velhos imundos.

Muito já se acusou Trevisan, em resenhas e comentários menos pretensiosos, de estar simplesmente se repetindo, exagerando, expondo de forma tão crua as perversões sexuais que já não causam qualquer efeito senão repulsa e afastamento da narrativa. Verdade que há muitos traços de seu primeiro Novelas nada exemplares neste Macho Não Ganha Flor, a repressão da mulher, a violência do homem, a desestrutura das famílias, mas aqui parece que os acertos e os erros se acentuam e o que temos é uma mistura de três livros diferentes, três propostas diferentes que assim jogadas na mesma obra criam um simples borrão do que é a sociedade representada por Trevisan.

A primeira face social que se apresenta é a da tal humanidade perversa e pervertida, violenta e tarada onde os estupradores são os protagonistas e as belas e jovens meninas, as vítimas. Exatamente por ser o mais hediondo dos crimes e o que mais apavora o imaginário social contemporâneo, o autor o trata com proposital e apavorante crueza, nauseando o leitor, assustando a leitora, tirando do mundo qualquer possibilidade de sentido. É deste rol o conto que dá título e abre o volume, "Macho Não Ganha Flor". E também o conto que o fecha, "Você é Virgem?", em que uma menina de 15 anos fica sozinha em uma loja e atende homem que a estupra, mesmo sendo virgem. Este, aliás, é um dos raros contos em terceira pessoa (forma narrativa preferida de Trevisan nos primeiros livros).

Uma segunda face social e mesmo estética é a da humanidade erótica, não necessariamente perversa, talvez apenas tarada, mas fundamentalmente excitada, desesperada pelo gozo carnal e subversivo. Desta linha são os belos (e excitantes) contos "O Vestido Vermelho" e "Prova de Redação". Aqui a violência sexual do estupro dá lugar ao sadismo e masoquismo das relações selvagens, a fêmea clama por prazer, incita o parceiro a comê-la de todas as formas, a devolver o gozo perdido:

"Nunca mais, seu puto, me fará gozar? Ordene, que eu obedeço. Ficar de pé no armário, portas e pernas abertas? Ou rendida me ajeitar de quatro? Me ofereço sem reserva às tuas massagens erógenas do eunuco na odalisca preferida do Sultão - e você, indiferente, nem pisca? Quero sentir os teus beijos pelo corpo me ungindo com o mais afrodisíaco dos óleos. Quero mordida doída na bundinha em flor. Do macho a gente espera fatal! o beijinho molhado e o tabefe ardido de mão aberta."

Se lidos no contexto do volume, estes contos menos excitam do que assustam, pois somam-se aos contos de estupro e violência extremas, mas quando um dia se coletarem apenas os contos eróticos de Trevisan, contos de um erotismo sem culpa, de certo estes de Macho Não Ganha Flor figurarão nas primeiras páginas e serão dos mais apreciados.

Um terceiro viés, digamos assim, é o da representação de uma humanidade marginalizada. São pobres coitados, assassinos por ocasião de uma briga na favela, prostitutas exploradas, mães humilhadas por roubar ovo de Páscoa para os filhos. Contos que mais parecem depoimentos, todos em primeira pessoa, e que lembram muito o premiado volume Contos Negreiros, de Marcelino Freire. Expostos assim, em meio aos contos de violência física e sexual, parecem justificar aquela selvageria do mundo, parecem mesmo julgar e condenar a marginalidade por todos os crimes, mas se pinçarmos estes contos um a um veremos uma face de Trevisan que não é das mais exploradas, a de um crítico social disposto a denunciar desigualdades, injustiças, desmandos.

Em "Três Ovos de Páscoa" uma mulher explica para algum "doutor" que roubou três ovinhos de Páscoa porque os filhos pequenos pediram, e conta como foi presa e humilhada pelos guardas, que a levaram para a delegacia e ainda disseram: "Ah, sua cadela, cê vai chegá lá. E vai ficá pelada pra apanhar. Cê vai vê o delega que tá lá hoje!". Na hora temos a impressão que o conto virará o fio e narrará os abusos do delegado com a mulher. Mas não, aqui o efeito pretendido é outro, não o do pavor, mas o da revolta, não o do fracasso da humanidade, mas o do fracasso das relações sociais.

O saldo, enfim, parece positivo. Sabidamente um grande contista não se faz de grandes obras, e sim de grandes contos. Desta forma, foi ótimo que Trevisan não tenha parado e nos brinde neste Macho Não Ganha Flor com pelo menos uma dúzia de belas histórias. Histórias sobretudo humanas que já vão além da perversão, além da violência física, começam a ver além dos monstros, aquém dos mestres.

Para ir além






Marcelo Spalding
Porto Alegre, 24/4/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Em nome dos filhos de Luís Fernando Amâncio
02. Do outro lado, por Mary del Priore de Ricardo de Mattos
03. Analisando Sara: Pós-hardcore atmosférico de Duanne Ribeiro
04. A Nouvelle Vague e Godard de Humberto Pereira da Silva
05. Digestivo Cultural: 10 anos de autenticidade de Wellington Machado


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2007
01. Sexo, drogas e rock’n’roll - 27/3/2007
02. Vestibular, Dois Irmãos e Milton Hatoum - 31/7/2007
03. O dinossauro de Augusto Monterroso - 10/4/2007
04. Com a palavra, as gordas, feias e mal amadas - 30/1/2007
05. Estrangeirismos, empréstimos ou neocolonialismo? - 1/5/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
24/4/2007
20h01min
Mais uma vez você fez uma análise precisa de um livro e de um autor como Dalton Trevisan. Se por um lado ele parece querer nos chocar com os estupros e abusos sexuais, por outro, ele nos premia com o encanto de seus textos. Esse autor é fantástico. Sua obra densa, forte, instigante. Acho que o título é bem sugestivo, embora algumas feministas devam estar se contorcendo pela ira, pelo machismo subjacente presente na obra. Você fez referência à obra de Dalton Trevisan como paradigma da literatura marginal e cita-o também como mestre, que deve estar em todas as prateleiras. Mas ainda acho que não é devidamente reconhecido, que continua um pouco marginalizado. Parabéns pelo seu texto. Precioso e preciso. Abraço. Adriana
[Leia outros Comentários de Adriana]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




FINANÇAS FEMININAS
CAROLINA RUHMAN
BENVIRA
(2015)
R$ 11,90



NOSSO LAR
FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER - EMMANUEL
FEB
(2001)
R$ 5,20



A MAIOR PAIXÃO DO MUNDO, A HISTORIA DA FREIRA MARIANA ALCOFORADO
MYRIAM CYR
CASA DA PALAVRA
(2007)
R$ 25,28



JAPA MEDITAÇÃO COM MANTRA
SWAMI DAYANANDA SARASWATI
VIDYA-MANDIR
(1998)
R$ 78,00
+ frete grátis



A NEUROSE OBSESSIVA SOB A ÓTICA DE MELANIE KLEIN
MARCOS L. KLIPAN
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 391,00



A ILHA DAS COBRAS
M. C. SILVA
BRASIL
(1985)
R$ 4,00



TUDO TEM UMA PRIMEIRA VEZ
VITORIA MORAES
INTRINSECA
(2016)
R$ 21,87



CANCÃO DE FOGO
IRANI MEDEIROS
SEBO VERMELHO
(2018)
R$ 30,00



ESTADO, GLOBALIZAÇÃO E INTEGRAÇÃO REGIONAL
LIER PIRES FERREIRA JUNIOR
AMÉRICA JURÍDICA
(2003)
R$ 10,00



COBRA MY PASSION
JENS OLESEN
JENS OLESEN
(1999)
R$ 120,00
+ frete grátis





busca | avançada
31843 visitas/dia
1,0 milhão/mês