Zoológico da malandragem | Eduardo Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
42810 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 3/2/2003
Zoológico da malandragem
Eduardo Carvalho

+ de 5500 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Zé Carioca

Existe ainda, no Rio de Janeiro, uma espécie típica brasileira, muito engraçada e muito esperta, que resiste aos avanços tecnológicos e à pressão cultural civilizadora: a do malandro carioca. Não sei quando se extinguirá completamente. Mas persiste com firmeza - e seguirá existindo, enquanto, pelo menos, sobrevivem os exemplares vivos. Porque malandro nasce e morre malandro. Nasce e morre no bar, de preferência - onde, no intervalo entre sua natividade e seu velório, passa a vida conversando. Sobre tudo. Conversas de homem sério: trabalho, esposa, filhos, dinheiro, política, economia; e conversas de malandro: cerveja, amante, futebol, jogo do bicho, carnaval - e golpes que, eventualmente, um malandro aplica. O malandro vive, na verdade, - apesar de seu discurso em estilo convincente e com conteúdo moralista - de aplicar golpes. Ele é, portanto, uma espécie carismática e divertida: mas é, ao mesmo tempo, um incômodo obstáculo à sociedade civilizada. Por um motivo simples: não há civilização sem confiança - e é praticamente impossível confiar em um malandro profissional.

Estive, na semana anterior ao Natal, de passagem pelo Rio - de onde, por coincidência, acabei de voltar de outra viagem. E visitei seguidamente, para lanchar e almoçar, um reduto freqüentado tradicionalmente por malandros, que serve talvez o melhor chope e os melhores salgadinhos cariocas: o Bracarense. É pequeno e apertado, mas, depois que você se acomoda, é também simpático e acolhedor - apesar do banheiro, sempre sujo. Os garçons, aliás, são rápidos e competentes - o que, no Rio, é quase anormal. Mas confesso que, apesar de tudo - apesar de todas as indiscutíveis qualidades do bar -, não foram exclusivamente esses os motivos dos meus petiscos. Antes de decoração ou culinária, meu interesse era, digamos, antropológico. Meu entretenimento principal era ouvir conversas alheias. Dos outros com os outros ou dos outros comigo mesmo - são todas, no fim das contas, alheias. Porque malandro gosta de contar histórias, seja para quem for. E eu gosto de ouvir, seja de quem for - com um relativo padrão de exigência, é claro. E acompanhei e ouvi, entre outras, a história a seguir:

Sento no balcão, com um amigo - em bancos separados, que fique claro. Ao lado de um sujeito de aproximadamente 45 anos, que conhece todos os garçons pelo nome. Discuto, com meu amigo, as opções de pratos servidos. O sujeito interfere, apontando para o cardápio, de boca cheia:

- Pede rabada. Tá uma delícia. Só não sei se ainda tem. - Um grão de arroz escorrega no canto de sua boca. Ele chama o garçom:

- Ô, Leandro, ainda tem rabada pros paulista?

- Só pedaço pequeno - responde Leandro, o garçom.

- Faz assim, então - continua o malandro. - Vocês tão em dois. Pede uma rabada com pedaço pequeno mesmo, que é melhor do que nada. E um prato de carne assada.

- Pô, mas a gente não gosta muito de carne assada - corrigi, depois de consultar meu amigo. - Vamos querer uma refeição de pernil e outra de carne assada.

- Boa escolha! - comenta, enquanto ajeita alguma coisa entre as pernas. Em seguida, pega o osso da rabada, e começa a roer:

- Tão servidos?

- Agora não, obrigado. Vamos esperar o nosso prato.

- É melhor mesmo. Vem comida pra cacete. Vai uma caipirinha de maracujá?

- Não, mas obrigado. Vamos tomar chope.

- Aê, Fábio! - reclama o malandro, ao outro garçom, que está lavando os copos. - Já são duas e meia. Combinei à uma com o portuga e ele não chega. Traz aí outra caipirinha. Esse portuga... É duro combinar alguma coisa com gente muito ocupada.

Chega nosso chope, meu e do meu amigo. E, depois, os pratos escolhidos. O portuga entra no bar, com seu inconfundível bigode.

- Finalmente, meu irmão! Aê, os negócios devem estar bem, hein? Mas senta aí. Como andam as coisas?

E continuam no papo, os dois, enquanto apreciamos nossa comida. O portuga vai ao banheiro, quinze minutos depois. O malandro volta-se para nós, com a testa encharcada de suor:

- Maravilhoso, hein? Esse pernil é uma delícia!

- É mesmo - respondo, laconicamente:

Entra outro sujeito no bar:

- Aê, posso sentar aqui? - pergunta ao malandro, apontando para o banco do português.

- Ô, meu príncipe. Esse lugar é do portuga, ele só foi no banheiro.

- Caracas, meu irmão. Você come até o osso da carne, aê. Nunca vi...

- Isso aqui é uma maravilha! Pode pedir um. O portuga vai comer um também, você vai ver.

O portuga reaparece do banheiro, no fundo do bar.

- Olha o portuga aê! - diz o malandro.

- Ah, estou aliviado - comenta o portuga, quando senta no banco, com o rosto oleoso.

- Olha aí, Gabriel. Já pedi seu prato, como você queria - diz o malandro, cheio de alegria. E se volta pra mim:

- Você não sabe. Esse portuga é um gênio. Não conheço ninguém mais esperto. Diz aê, portuga!

- Não, não. Que é isso. - responde Gabriel, o portuga, encabulado, enquanto apalpa a barriga. - Ele é que diz isso...

- É nada! Olha só. Vou te contar. É impressionante, a história desse português. Dá pra escrever um livro.

- Ah é? - pergunto, curioso. - Diz aí, então.

- Olha só. Ele chegou no Brasil há quinze anos. Em Portugal, antes de vir pra cá, estabeleceu uma meta: ia ficar rico em no máximo cinco anos. Sabe o que aconteceu?

- Não; não sei.

- Em três anos ele estava milionário. De tanto trabalhar. Quando chegou no Rio, foi ser ajudante de obra. Carregava saco de cimento o dia inteiro. Dormia num barraco e economizava dinheiro. Em seis meses conseguiu comprar uma Kombi. Lembra da sua Kombi, portuga?

- Eh, eh. Lembro, lembro - responde o portuga.

- Era muito boa, a Kombi do portuga. Ele fazia mudanças. Tinha três ajudantes. Ele dirigia. Dois carregavam os móveis. E o último ficava do outro lado da Kombi, quando o português ia fechar a porta do lado dele. Sabe pra quê?

Ele se levantou do banco, depois de acabar seu prato, esperando eu perguntar o que ele queria, para me explicar com movimentos.

- Pra quê? - perguntei.

- Pra segurar a porta! Ah, ah, ah! Era muito engraçado! Imagina! O português aí, fechando a porta - e ele imitava o português, com detalhes - e a porta do outro lado caía.

- Ah, ah, ah - respondemos, simpaticamente, eu e meu amigo. De fato, o modo como ele contava a história, imitando o português e seu ajudante, era cômico.

- É verdade, é verdade! - confirmou, em gargalhadas, o português, com aquele sotaque característico.

- E agora, veja só. Um homem muito bem sucedido. Dono de uma das maiores transportadoras da Zona Sul. Faz quase todas as mudanças aqui do bairro, com 17 caminhões. Isso é produto do trabalho, meu amigo.

Reparei no português. E, às três horas da tarde, num bar, bebendo, com a camisa aberta e um Rider no pé - parecia tudo, menos um homem sério e trabalhador. Muito menos bem sucedido. Mas o malandro não parecia irônico. E o portuga ouvia as histórias com atenção, como se fossem mesmo verdadeiras. E, descontados os evidentes exageros, provavelmente eram mesmo. Porque o malandro continuou, explicando o segredo do sucesso do portuga, depois de outras anedotas desimportantes:

- Mas eu disse: o português é um gênio. Sabe o que ele faz? Ele não paga um imposto, meu irmão. Tudo no esquema. Ele descobriu um sistema que é uma maravilha!

- E qual é? - perguntou, dessa vez, meu amigo.

- Quando ele vai atravessar uma fronteira estadual, ele pára na delegacia da última cidade, e diz que perdeu ou roubaram os documentos do caminhão. E faz um B.O. Aí, quando os policiais pedem os documentos, ele só mostra a papelada. E não paga nada! Quer dizer, quem faz isso são os motoristas, e não o portuga. Ele só comanda o negócio, hoje em dia.

- Hum. Interessante. E não tem problema? - perguntei.

- Nenhum - responde o português. - Qualquer um pode fazer. Experimente, se precisar. É muito fácil. Economizo um dinheirão assim.

- Eu falei, eu falei! - Insistia o malandro, orgulhoso - É um gênio, esse portuga!

A conversa se prolongou, depois desse assunto. Por vários tópicos, sobre os quais, invariavelmente, o malandro possuía um conhecimento absoluto - ou, pelo menos, falava como se tivesse. E, sobre muitos, deveria ter mesmo, porque ele sabia direcionar o diálogo sempre para o assunto que mais lhe apetecia. Diálogo não: monólogo. Ele discursava com verve e vontade, exibindo aleatoriamente sua distinta sabedoria sobre o submundo carioca: suborno de policiais; disputa nas favelas; carnaval e futebol; políticos corruptos; amigos corneados; filhos drogados; etc., etc. E eu me perguntei, ao sair do bar, se não era, afinal, o próprio Brasil um submundo: habitado por gente muito engraçada e muito divertida, mas que, pelo jeito, prefere lamber as sarjetas do mundo civilizado do que definitivamente inserir-se nele.


Eduardo Carvalho
São Paulo, 3/2/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Reflexões sobre o ato de fotografar de Celso A. Uequed Pitol
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. 12. Rumo ao Planalto de Heloisa Pait
03. Um Oscar para Stallone de Luís Fernando Amâncio
04. Margeando a escuridão de Elisa Andrade Buzzo
05. Memorial de Berlim de Marilia Mota Silva


Mais Eduardo Carvalho
Mais Acessadas de Eduardo Carvalho em 2003
01. Preconceito invertido - 4/7/2003
02. Da dificuldade de se comandar uma picanha - 25/7/2003
03. Contra os intelectuais - 12/12/2003
04. Não li em vão - 17/10/2003
05. Geração abandonada - 14/11/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
10/2/2003
20h21min
Adorei o texto, achei muito legal ler sobre os malandros cariocas e com a simpatia do texto certamente o torna mais gosto de ler. Parabéns Eduardo.
[Leia outros Comentários de Maria]
24/9/2013
02h17min
Quero aproveitar a oportunidade de falar algumas palavras sobre seu artigo preconceito invertido. Invertido é uma palavra que designava homossexuais há muitos e muitos anos atrás. É tão descabida em termos linguísticos que foi esquecida. Seu artigo, na minha opinião é um poço de preconceito não invertido aos homossexuais, usando palavras grosseiras e vulgares. Tá na cara, ou tá na sua cabeça, como queira. Se me permite a franqueza, achei seu artigo um horror. O Sr. poderia ter xingado os homossexuais o tempo todo que seria mais honesto. Quanto ao seu artigo atual: "Zoológico da Malandragem", quando lí que o Sr. escreveu que sentou com seu amigo no balcão, 'em bancos separados, que fique claro (?)'. O resto do artigo eu deixei de lado.
[Leia outros Comentários de José Solon]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CONVITE DE CASAMENTO - SABRINA 1221
ANNETTE BROADRICK
HARLEQUIN BOOKS
(2002)
R$ 6,90



O DIÁRIO DE UM MAÇOM
PAULO VALZACCH
UNIVERSO DOS LIVROS
(2008)
R$ 15,00



LIDERANDO E INTERAGINDO COM TODOS
JORGE FONTES
PARMA
(2007)
R$ 7,00



50 DIRETRIZES (E 186 METAS) PARA O 50º ANIVERSÁRIO DE OSASCO 2012
PREFEITURA DE OSASCO (SEGUNDA EDIÇÃO)
PREFEITURA OSASCO
(2010)
R$ 18,28



NOVOS TITÃS 35
VARIOS AUTORES
DC - PANINI COMICS
(2013)
R$ 20,00



COMO SER LEGAL
NICK HORNBY
ROCCO
(2002)
R$ 5,50



SINPSES JURÍDICAS VOL. 12 - PROCESSO DE EXECUÇÃO E CAUTELAR
MARCUS VINICIUS RIOS GONÇALVES
SARAIVA
(2009)
R$ 15,17



ISLAMISMO E HUMANISMO LATINO: DESAFIOS E DIÁLOGOS
ARNO DAL RI JR E ARI PEDRO ORO (ORGS)
VOZES
(2004)
R$ 32,28



O PARAÍSO VIA EMBRATEL
LUIZ AUGUSTO MILANESI
PAZ E TERRA
(1978)
R$ 20,00



MANUAL DO SELECIONADOR DE PESSOAL
J. H. BUENO
LTR
(1995)
R$ 10,00





busca | avançada
42810 visitas/dia
1,2 milhão/mês